O que eu aprendi ao ser dispensado

20 de Janeiro de 2022

Por Riley, Estados Unidos

A palavra de Deus diz: “As pessoas não podem mudar o próprio caráter; elas devem submeter-se ao julgamento e castigo, e ao sofrimento e refinamento das palavras de Deus, ou o tratamento, a disciplina e a poda pelas Suas palavras. Só então elas podem alcançar a obediência e a fidelidade a Deus, e não mais ser superficiais para com Ele. É sob o refinamento das palavras de Deus que o caráter das pessoas muda. Só por meio da exposição, julgamento, disciplina e do tratamento de Suas palavras elas não ousarão mais agir precipitadamente, mas, em vez disso, se tornarão firmes e controladas. O ponto mais importante é que elas são capazes de se submeter às palavras atuais e à obra de Deus e, ainda que ela não esteja em concordância com as noções humanas, elas conseguem deixar essas noções de lado e se submeter voluntariamente(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “As pessoas cujo caráter mudou são as que entraram na realidade das palavras de Deus”). As palavras de Deus são muito práticas. Só quando somos julgados, castigados, tratados e podados pelas palavras de Deus podemos mudar nossos caracteres satânicos e alcançar obediência e fidelidade a Deus. Eu cumpria meus deveres com um caráter corrupto, sempre protegia meu status e a minha reputação. Depois de ser dispensado, ganhei conhecimento do meu caráter corrupto a partir do julgamento e da revelação das palavras de Deus. Senti remorso e desprezei a mim mesmo, e quando recebi outro dever, eu o cumpri melhor do que antes.

Em agosto passado, fui eleito líder de igreja e era responsável pelo trabalho da igreja juntamente com alguns outros irmãos. Eu acompanhava o trabalho de rega e também participava das decisões nos projetos da igreja. Tínhamos dividido as responsabilidades, mas eu sabia que o trabalho da igreja é uma unidade abrangente e que eu devia cooperar com os irmãos para salvaguardar os interesses da igreja e cumprir meus deveres corretamente. No início, eu prestava muita atenção em nossas reuniões semanais. Eu participava ativamente da discussão e fazia recomendações. Então, um dia em outubro, a rega dos recém-convertidos quase foi atrasada porque eu não a tinha acompanhado a tempo. Os superiores me podaram e lidaram comigo duramente. Eu pensei: “Há um problema no meu trabalho, por isso eu fui tratado. Se surgirem mais problemas, os líderes enxergarão através de mim e dirão que eu não faço trabalho prático, e eu serei dispensado. Como poderia mostrar minha cara de novo? Quem me admiraria? Não, eu devo me esforçar mais no trabalho pelo qual sou responsável e não cometer mais erros”.

Depois de um tempo, o escopo das minhas responsabilidades aumentou. Eu não era bom em algumas coisas, precisei de muito tempo para entender os princípios relevantes, mas havia muitas coisas a serem discutidas e decididas em cada reunião de obreiros, e isso estava ocupando muito tempo. Perguntei-me depois de um tempo se isso afetaria o meu trabalho. Se o trabalho pelo qual eu era responsável não fosse eficaz e surgissem mais problemas, eu certamente seria dispensado, e então o que os outros pensariam de mim? Outras pessoas estavam acompanhando outros projetos da igreja. Eu pensei que eles podiam ter suas discussões, mas eu tinha muito trabalho. Além disso, o trabalho deles não tinha nada a ver comigo e não me traria elogio algum. Mas eu seria responsabilizado por problemas caso surgissem na minha área, por isso eu devia cuidar apenas das minhas responsabilidades. Depois disso, investi mais tempo e esforço no trabalho pelo qual eu era responsável e tratei o outro trabalho como um fardo. Quando era preciso discutir e tomar decisões com relação ao trabalho da igreja, eu apresentava meu ponto de vista sobre qualquer coisa que envolvesse o meu trabalho, mas me ocupava apenas com as minhas tarefas quando se tratava de coisas de fora desse escopo. Eu não prestava muita atenção nas discussões, então, quando precisavam da minha opinião ou decisão, eu simplesmente seguia a maioria. Quando assuntos importantes precisavam ser discutidos e decididos, assim que via que não afetavam meu dever, eu ignorava e agia com indiferença.

Depois de um tempo, ouvi de irmãos que alguns assuntos tinham sido negligenciados e que eles tinham sido tratados pelos nossos líderes, e também que arranjos de pessoal não estavam alinhados com os princípios, causando perdas para o trabalho da igreja. Algumas coisas precisavam ser decididas e aceitas por todos. Já que tinham sido feitas incorretamente, isso acabou prejudicando os interesses da igreja. Além disso, a compra de artigos para a igreja também não estava sendo feita corretamente, o que resultou na perda de dinheiro da igreja. Coisas como essas não paravam de acontecer. Eu achei que era uma coisa boa não haver problemas graves no meu trabalho, e que quando um líder investigasse quem deveria ser culpado, a culpa não recairia sobre mim. Esse foi o tipo de atitude irresponsável que eu tive em relação ao meu dever por muito tempo, e eu não via nada de errado nisso. Um dia, uma irmã que trabalhava comigo disse que eu não estava assumindo um fardo no meu dever nem vendo o todo, e que só dava atenção ao meu trabalho e não estava sendo proativo na tomada de decisões. Ela disse que isso era perigoso e que, mais cedo ou mais tarde, se eu não mudasse, eu acabaria sendo expulso por Deus. Ela disse que eu devia refletir sobre a minha atitude em relação ao meu dever. Depois de sua comunhão, não refleti sobre mim mesmo. Em vez disso, pensei: “Você não vê todo o meu sofrimento? É difícil fazer bem esse trabalho. Se houver problemas com o trabalho pelo qual sou responsável, isso recairá sobre mim, e então o que os outros pensariam de mim? Pensariam que sou incapaz e que não faço trabalho prático. Além disso, não há ninguém responsável por esses outros trabalhos? Minha participação nessas decisões não afetará nada”. E assim, eu sempre tinha sido desleixada e irresponsável em relação ao trabalho da igreja e não refletia nem tentava me conhecer.

Em janeiro de 2021, uma líder me procurou e disse: “Os irmãos dizem que você não está assumindo um fardo no seu dever, que, durante as discussões de trabalho, você raramente expressa seu ponto de vista e não faz recomendações substanciais, que você não sente um pingo de responsabilidade pelo trabalho da igreja. Você não é apto a ser um líder. Depois de discutirmos isso, todos decidiram que você deve ser dispensado”. Ouvindo a líder, me senti atordoado, à beira de um colapso. Eu pensei: “Não tenho participado do trabalho geral da igreja, mas tenho me ocupado muito todos os dias com as minhas responsabilidades e tenho sofrido demais. Como você pode dizer que eu não estou carregando um fardo? Não basta que eu tenha feito meu trabalho sem nenhum problema?”. Por um tempo, não consegui aceitar esse desfecho, mas ainda acreditava que tudo que Deus faz é bom, e era eu que ainda não tinha ciência disso. Orei a Deus e busquei Sua orientação para refletir e conhecer a mim mesmo.

Mais tarde, eu vi uma passagem das palavras de Deus que me comoveu muito. Deus Todo-Poderoso diz: “Consciência e razão deveriam ser os componentes da humanidade de uma pessoa. Ambos são os mais fundamentais e importantes. Que tipo de pessoa é essa que não possui consciência e não tem a razão da humanidade normal? Em termos gerais, ela é uma pessoa à qual falta humanidade, uma pessoa de humanidade extremamente pobre. Entrando em maiores detalhes: quais manifestações de humanidade perdida essa pessoa exibe? Tente analisar quais características são encontradas em tais pessoas e quais manifestações específicas elas apresentam. (Elas são egoístas e más.) Pessoas egoístas e más são superficiais em suas ações e se mantêm afastadas de tudo que não lhes diz respeito diretamente. Elas não consideram os interesses da casa de Deus, nem mostram consideração pela vontade de Deus. Não assumem nenhum fardo de cumprir seus deveres nem de testificar de Deus, e elas não têm senso de responsabilidade. O que é que elas pensam sempre que fazem algo? Sua primeira consideração é: ‘Deus saberá se eu fizer isso? É visível para outras pessoas? Se outras pessoas não veem que eu despendo todo esse esforço e trabalho diligentemente, e se Deus também não o vê, então não adianta despender tanto esforço ou sofrimento por isso’. Isso não é extremamente egoísta? É também um tipo baixo de intenção. Quando elas pensam e agem dessa maneira, a sua consciência está desempenhando algum papel? Alguma parte da consciência é acusada nisso? Não, sua consciência não está desempenhando um papel, e ela não é acusada. Existem pessoas que não assumem nenhuma responsabilidade, não importa o dever que estão cumprindo. Elas não relatam prontamente os problemas que descobrem aos seus superiores, também. Quando veem pessoas que prejudicam e perturbam, fazem vista grossa. Quando veem pessoas perversas cometendo o mal, não tentam impedir. Elas não protegem os interesses da casa de Deus nem consideram o que é seu dever e responsabilidade. Quando cumprem seu dever, pessoas desse tipo não fazem nenhum trabalho real; são bajuladores que anseiam por conforto; falam e agem apenas para o bem da própria vaidade, reputação, status e interesses, e só estão dispostos a dedicar seu tempo e esforço a qualquer coisa que os beneficie. As ações e intenções de alguém assim são claras para todos: ele aparece sempre que há uma oportunidade de mostrar a cara ou de desfrutar alguma bênção. Mas quando não há oportunidade de mostrar a cara, ou assim que houver um tempo de sofrimento, ele desaparece de vista, como uma tartaruga que retrai sua cabeça. Esse tipo de pessoa tem consciência e razão? (Não.) Uma pessoa sem consciência e razão, que se comporta dessa forma, sente repreensão própria? Tais pessoas não têm nenhum senso de repreensão própria; a consciência desse tipo de pessoa serve a nenhum propósito. Elas nunca sentiram repreensão de sua consciência, elas podem, então, sentir a repreensão ou disciplina do Espírito Santo? Não, não podem(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Ao dar o coração a Deus, pode-se obter a verdade”). Eu senti as palavras de Deus perfurando o meu coração. Eu era exatamente o que Deus descrevia. Eu tinha sido desatento e desinteressado no meu dever, não dando atenção a qualquer coisa fora das minhas responsabilidades. Eu só cuidava do meu trabalho. Só considerava se meu desejo de status e reputação poderia ser satisfeito. Eu não tinha salvaguardado o trabalho da igreja. Nessa época, quando todos se envolviam em discussões e decisões, eu pensava que qualquer sucesso fora da minha responsabilidade não melhoraria a minha imagem, e que, se essas coisas não fossem resolvidas direito, a culpa não recairia sobre mim. Por isso eu não participava, se pudesse evitar. Eu agia sem me envolver, deixando-me levar pelos outros. Isso era descuidado e irresponsável. Eu era muito diligente e dedicado no meu trabalho, temia ser podado e tratado se houvesse algum problema com ele ou ser dispensado e totalmente depreciado. A fim de cuidar bem do meu trabalho e preservar meu status e imagem, tratei a tomada de decisões como um incômodo e uma perda de tempo, algo que me impedia de executar meu trabalho. Refletindo sobre o meu comportamento, eu vi que a intenção por trás do cumprimento do meu dever tinha sido satisfazer a mim mesmo e que eu só tinha sofrido por mim mesmo. Eu não tinha assumido um fardo ou um senso de responsabilidade para proteger o trabalho geral ou os interesses da igreja. Eu não estava carecendo de humanidade? Eu era totalmente indigno de um trabalho tão importante. Foi então que aceitei minha dispensa. Embora estivesse ciente de que as minhas ações não estavam alinhadas com a vontade de Deus, eu ainda não entendia a minha natureza e não sabia o que tinha levado à minha falta de fardo no meu dever, minha fixação em status e reputação e meu descaso total com os interesses da igreja. Levei esse problema para diante de Deus em oração depois disso, pedindo que Deus me levasse a conhecer a raiz e a essência do meu problema, a ver meu caráter satânico, para que eu pudesse me odiar do fundo do meu coração.

Depois disso, eu li uma passagem das palavras de Deus Todo-Poderoso: “Os anticristos não têm consciência, nem senso, nem humanidade. Eles não só carecem de vergonha, mas também têm outro distintivo: eles são notavelmente egoístas e vis. O senso literal de seu ‘egoísmo e vileza’ não é difícil de entender: eles são cegos em relação a tudo, menos a seus interesses pessoais. Qualquer coisa que diga respeito aos seus interesses recebe toda a sua atenção, eles sofrerão por isso, pagarão um preço, isso os absorverá, eles se dedicarão a isso. Eles se fingirão de cego em relação a qualquer coisa que não esteja relacionada a seus interesses e a ignorará; os outros podem fazer o que quiserem — eles não se importam se alguém interrompe ou perturba e, para eles, isso nada tem a ver com eles. Falando diplomaticamente, eles cuidam da própria vida. Mas é mais correto dizer que esse tipo de pessoa é vil, sórdido, desprezível; nós o definimos como ‘egoísta e vil’. Como o egoísmo e a vileza dos anticristos se manifesta? Em tudo que beneficia seu status ou reputação, eles se esforçam para fazer ou dizer o que for necessário e suportam voluntariamente qualquer sofrimento. Mas quando se trata do trabalho arranjado pela casa de Deus ou quando se trata de trabalho que beneficia o crescimento na vida dos escolhidos de Deus, eles o ignoram totalmente. Mesmo quando malfeitores interrompem, perturbam e cometem todos os tipos de males, afetando assim seriamente o trabalho da igreja — eles permanecem passivos e despreocupados, como se isso nada tivesse a ver com eles. E se alguém descobre e denuncia os atos perversos de um malfeitor, eles dizem que não viram nada e fingem ignorância. Mas se alguém os denuncia e expõe que eles não fazem trabalho prático e só buscam status e reputação, eles ficam furiosos. Reuniões são convocadas às pressas para discutir como responder, investigações são realizadas sobre o que se passou pelas costas deles, quem era o chefe do bando, quem estava envolvido. Eles não comem nem dormem até descobrir tudo, até que o assunto esteja completamente resolvido. Às vezes, eles só ficam satisfeitos depois de derrubar também todos os envolvidos em sua denúncia. Isso é manifestação de egoísmo e vileza, ou não é? Eles estão fazendo trabalho da igreja? Eles estão agindo para o bem de seu poder e status, pura e simplesmente. Estão administrando uma operação própria. Não importa o trabalho que faça, o tipo de pessoa que é um anticristo nunca pensa nos interesses da casa de Deus. Só considera se os seus interesses serão afetados, pensa apenas no pouquinho de trabalho à sua frente que o beneficia. Para ele, o trabalho principal da igreja é apenas algo que fazem em seu tempo livre. Não o leva nem um pouco a sério. Ele só se mexe se é instigado a agir, só faz o que gosta de fazer e só faz trabalho que seja em prol de seu status e poder. Aos seus olhos, qualquer trabalho arranjado pela casa de Deus, o trabalho de espalhar o evangelho e a entrada na vida do povo escolhido de Deus não são importantes. Não importa quais dificuldades as outras pessoas tenham no trabalho delas, que problemas elas identificaram e relataram a eles, quão sinceras sejam suas palavras, os anticristos não dão atenção, não se envolvem, é como se nada tivesse a ver com eles. Não importa quão grandes sejam os problemas que emergem na igreja, eles ficam totalmente indiferentes. Mesmo quando o problema está bem na frente deles, eles o tratam apenas com superficialidade. Somente quando são tratados diretamente pelo alto e ordenados a resolver um problema é que eles fazem um pouco de trabalho real, com má vontade, e entregam algo que o alto possa ver; logo depois, eles continuarão com os próprios assuntos. Em relação ao trabalho da igreja, em relação às coisas importantes do contexto mais amplo, eles são desinteressados e indiferentes. Até ignoram os problemas que descobrem, dão respostas superficiais ou usam suas palavras para dispensar você quando questionados sobre problemas, só tratam os problemas com grande relutância. Essa é a manifestação do egoísmo e da vileza, não é?(A Palavra, vol. 4: Expondo os anticristos, “Excurso Quatro: Resumindo a qualidade dos anticristos e a essência de seu caráter (parte 1)”). As palavras de Deus perfuraram meu coração. Os anticristos só trabalham por seu status e reputação e são diligentes em tudo que envolve seus interesses. Podem sofrer e despender toda sua energia mental e física por isso. Ignoram tudo que não os beneficia. Eles são muito egoístas e desprezíveis. Eu vi que a minha conduta tinha sido igual à de um anticristo e que eu só tinha trabalhado por status e reputação. “Deixe as coisas seguirem se não o afetarem pessoalmente” e “quanto menos problemas, melhor” eram as filosofias satânicas pelas quais eu vivia. Eu só dava atenção ao trabalho pelo qual eu era responsável e que poderia impactar meu status e a minha reputação, e eu ignorava o trabalho que não estava dentro do escopo da minha responsabilidade. Isso resultou em perdas severas para o trabalho e o dinheiro da igreja. Eu vi que tinha sido egoísta, interessado em mim mesmo, desprezível, degenerado, e que não era digno de confiança. Pensando nessa época, uma série de problemas apareceu no trabalho da igreja, e os líderes lidaram com os outros irmãos por não fazerem seu trabalho corretamente. Eu não fui criticado diretamente, mas também era um líder de igreja e tinha uma responsabilidade da qual não podia fugir. Se eu tivesse participado das discussões de trabalho, talvez eu tivesse descoberto alguns dos problemas. Mas para salvar meu status e a minha reputação, eu apenas cuidava das minhas poucas responsabilidades, e eu não considerei o trabalho geral nem os interesses da igreja. Ao ver minhas várias transgressões no meu dever e as perdas irreparáveis que eu tinha causado ao trabalho da igreja, eu me enchi de remorso e autoacusação. Deus tinha me exaltado e demonstrado sua graça, permitindo que eu cumprisse um dever tão importante e dando-me a chance de me aprimorar, para que eu pudesse entender a verdade mais rapidamente. Eu tinha desfrutado da rega e do sustento das palavras de Deus por muitos anos, mas eu retribuí isso com ingratidão e não quis cumprir bem o meu dever nem retribuir o amor de Deus. Eu só pensava em proteger meu status e a minha imagem e a minha pequena esfera para não ser tratado. Eu fui descuidado e irresponsável nesse trabalho importante e fiquei de braços cruzados enquanto os interesses da igreja sofriam e o trabalho da igreja era impactado. Eu era indiferente e carecia de consciência. Como poderia ser considerado humano? Quando uma família alimenta um cão, o cão é totalmente leal. Eu fui pior do que um animal. Quanto mais refletia sobre isso, mais eu achava que era indigno de desfrutar da graça de Deus. Nesse momento, vim para diante de Deus e orei: “Ó Deus, eu só considerei meu status e a minha reputação no meu dever, sem salvaguardar o trabalho da igreja. Eu carecia de humanidade e era egoísta e só pensava nos meus interesses. Minha dispensa é a vinda da Tua justiça e, mais do que isso, é Teu amor e Tua salvação por mim. Estou pronto para me arrepender”.

Depois disso, li uma passagem das palavras de Deus: “Qual é o critério pelo qual as ações e o comportamento de uma pessoa são julgados como sendo bons ou maus? É se, em seus pensamentos, manifestações e ações, ela tem ou não o testemunho de pôr a verdade em prática e de viver a verdade realidade. Se não tiver essa realidade ou não a viver, então você é, sem dúvida, um malfeitor. Como Deus considera os malfeitores? Para Deus, seus pensamentos e atos externos não dão testemunho Dele, tampouco humilham e derrotam Satanás; em vez disso, trazem vergonha para Ele, e estão repletos de marcas de desonra que você trouxe para Ele. Você não está testificando de Deus, não está se despendendo por Deus, nem está cumprindo suas responsabilidades e obrigações para com Deus; em vez disso, está agindo para o próprio bem. O que significa ‘para o próprio bem’? Para ser preciso, significa para o bem de Satanás. Por isso, no fim, Deus dirá: ‘Apartai-vos de Mim, vós que praticais a iniquidade’. Aos olhos de Deus, suas ações não serão vistas como boas ações, serão consideradas atos malignos. Não somente elas não ganharão a aprovação de Deus — elas serão condenadas. O que alguém espera ganhar com tal crença em Deus? Tal crença não levaria a nada no final?(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Liberdade e alívio só podem ser ganhos livrando-se do caráter corrupto”). As palavras de Deus me mostraram que Seu caráter é justo e não tolera ofensa. Deus vê a profundeza do coração das pessoas, e se as pessoas cumprem seus deveres com intenções diferentes de satisfazer a Deus, carecem do testemunho de praticar a verdade, satisfazem a si mesmas em cada aspecto e buscam sua reputação e seu status, isso não é elogiado por Deus. Não importa quanto alguém sofra nisso, Deus não comemora, mas o condena como uma pessoa perversa. Minhas intenções no meu dever estavam erradas. Não eram para satisfazer a Deus; eu estava administrando um negócio próprio. Eu sofria e despendia esforço pelo trabalho pelo qual era responsável, mas fazia isso para proteger meu status e minha imagem aos olhos dos outros. Eu queria ser admirado por parecer estar sofrendo e trabalhando muito, ganhar o elogio das pessoas e um lugar em seu coração. Era pela graça de Deus que eu podia servir como um líder e ter essa chance de eu me aprimorar. Os líderes são responsáveis pelo trabalho geral da igreja, e há muitos problemas, dificuldades e questões que devem ser resolvidos. Isso exige buscar muito a verdade e os princípios. Eles podem cometer erros no trabalho e podem ser podados e tratados, mas por meio de revisão, correção e reflexão constantes, eles ganharão muito. Tudo é conhecimento prático, seja sobre o caráter justo de Deus, seja sobre o meu caráter corrupto. Deus permite que as pessoas ganhem a verdade por meio do cumprimento de um dever, mas eu não considerava a vontade de Deus nem levava meu dever a sério. Eu o tratava como uma inconveniência, perdendo tantas chances de ganhar a verdade. Num dever tão importante, não ser responsável nem colaborar com os outros e não exercer um papel em decisões e supervisão, como eu estava cumprindo o dever? Eu estava enganando a Deus. Estava cometendo o mal!

Mais tarde, li uma passagem das palavras de Deus: “Para todos que cumprem um dever, por mais profundo ou raso que seja seu entendimento da verdade, a maneira mais simples de praticar entrar na verdade realidade é pensar nos interesses da casa de Deus em tudo e abrir mão de desejos egoístas, intenções, motivos, orgulho e status pessoais. Coloque os interesses da casa de Deus em primeiro lugar — isso é o mínimo que se deve fazer. Se uma pessoa que cumpre um dever não consegue fazer nem mesmo isso, como se pode dizer que ela está cumprindo seu dever? Isso não é cumprir o dever. Você deveria primeiro pensar nos interesses da casa de Deus, considerar a vontade de Deus e considerar o trabalho da igreja. Coloque essas coisas acima de tudo; só depois disso você pode pensar sobre a estabilidade de seu status ou sobre como os outros o consideram. Vocês não acham que isso fica um pouco mais fácil quando vocês o dividem em dois passos e fazem algumas concessões? Se praticar assim por algum tempo, você vai achar que satisfazer a Deus não é algo tão difícil. Além disso, você deve ser capaz de cumprir suas responsabilidades, cumprir seu dever e suas obrigações, e deixar de lado seus desejos, motivos e intenções egoístas; você deveria ter consideração pela vontade de Deus e colocar em primeiro lugar os interesses da casa de Deus, o trabalho da igreja e o dever que é para você cumprir. Após experimentar isso por algum tempo, você sentirá que essa é uma boa maneira de se comportar. É viver franca e honestamente, e não ser uma pessoa baixa, vil; é viver justa e honradamente, em vez de ser desprezível, baixo e inútil. Você achará que é assim que uma pessoa deveria agir e a imagem que ela deveria viver. Aos poucos, seu desejo de satisfazer seus interesses diminuirá(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Liberdade e alívio só podem ser ganhos livrando-se do caráter corrupto”). As palavras de Deus me deram uma senda para praticar. Os interesses da igreja devem vir em primeiro lugar nos nossos deveres. Devemos aceitar o escrutínio de Deus e focar em buscar a verdade, deixar de lado status, reputação e interesses pessoais, e proteger todos os aspectos do trabalho da igreja. É o único jeito de agir de acordo com a vontade de Deus e viver de modo aberto e honrável. Eu sempre pensava que participar da tomada de decisões no trabalho da igreja atrasaria meu trabalho, mas isso é uma ideia absurda. Na verdade, enquanto você mantiver o foco em buscar as verdades princípios, mantiver um senso de prioridade e cuidar das tarefas críticas, o trabalho não se atrasará. E ao participar da tomada de decisões, você entenderá mais princípios, beneficiando seu dever e a si mesmo. A casa de Deus exige que cada igreja eleja alguns líderes para que, juntos, sejam responsáveis pelo trabalho, para que todos possam completar, supervisionar e manter uns aos outros sob controle. Especialmente em questões complicadas em que tomam decisões, isso pode impedir perdas no trabalho da igreja como resultado de decisões arbitrárias e falta de percepção, mas eu fui desleixado e negligente num dever tão importante. Eu não era digno de confiança e merecia ser dispensado e expulso. Quando entendi isso, resolvi que, no futuro, não importando se algo fazia parte do meu trabalho, se fosse o trabalho da igreja ou envolvesse seus interesses, esse seria o meu dever, a minha responsabilidade, e que eu deveria fazer o máximo possível para proteger o trabalho da igreja.

Mais tarde, fui escolhido como líder para outra igreja. Eu sabia que isso era a exaltação de Deus. Eu tinha sido egoísta e desprezível, mas a igreja ainda assim me permitiu cumprir um dever tão importante. Jurei que o cumpriria corretamente, que não seria egoísta, considerando apenas o meu trabalho. Eu era um de três líderes nessa igreja, e cada um era responsável por uma parte do trabalho. Eu vi muitas coisas no trabalho pelo qual eu era responsável que eu não entendia, que exigiam tempo e esforço para aprender. Minha agenda estava lotada todos os dias, e, às vezes, eu sentia que faltava tempo. Um dia, uma irmã com que eu trabalhava me procurou e disse que queria que eu a ajudasse a lidar com alguns problemas. Eu pensei: “Alguns dias atrás, uma líder superior avaliou meu trabalho e disse que havia muito que eu não tinha feito corretamente. Meu tempo é tão precioso. Se eu for ajudá-la, meu trabalho atrasar e isso me impedir de obter resultados, o que a líder pensará de mim? Ela dirá que sou incompetente e não faço trabalho prático? Serei dispensado de novo?”. Pensando nisso, eu reparei que estava pensando em status e reputação novamente, que o trabalho da igreja é um todo e não pode ser dividido. Se eu cuidasse apenas das minhas responsabilidades e ignorasse todo o resto, isso não seria egoísta e desprezível, não estaria protegendo meus interesses? Eu não podia fazer isso. Eu tinha que deixar de lado meus interesses e cooperar com essa irmã para resolver os problemas da igreja. Então concordei em ajudá-la a lidar com os problemas. Quando fiz isso, me senti em paz e senti a liberdade que vem de praticar a verdade. Embora ser dispensado tivesse sido muito doloroso, isso também me ensinou uma lição valiosa. Deu-me uma percepção prática do caráter justo de Deus que não tolera ofensa. E, também, eu corrigi um pouco as minhas opiniões equivocadas e a minha atitude desleixada em relação ao meu dever. Agradeço a Deus por me salvar.

Todos os dias temos 24 horas e 1440 minutos. Você está disposto a dedicar 10 minutos para estudar o caminho de Deus? Você está convidado a se juntar ao nosso grupo de estudo.👇

Conteúdo relacionado

A comunhão deve ser sincera

Por Julia, Polônia No início de 2021, aceitei a obra de Deus Todo-Poderoso nos últimos dias. Eu participava ativamente das reuniões e lia a...

Leave a Reply

Conecte-se conosco no Whatsapp