Agora sei como colaborar em meu dever

20 de Janeiro de 2022

Por Yiling, China

Foi em novembro de 2019. Eu estava cumprindo deveres de liderança com a irmã Zhou. Para melhor completar o trabalho, de modo mais eficiente, os líderes superiores dividiram as responsabilidades entre nós. Eu era responsável pela rega de recém-convertidos; ela, pelo acompanhamento da produção de vídeos. Na época, vi que a rega dos recém-convertidos não ia tão bem, sentia muita pressão e temia não dar conta da tarefa. Mas então me lembrei de que era um trabalho crucial e que, se eu tivesse algum sucesso nessa tarefa difícil, os líderes superiores reconheceriam minha capacidade e os irmãos também me veriam com mais respeito, assim aceitei o trabalho. Mais tarde, me encontrei com frequência com os recém-convertidos e os ajudei a resolver problemas no cumprimento do seu dever, focando na rega e nutrição daqueles que eram de boa qualidade. Depois de um tempo, o trabalho de rega começou a melhorar. Um dia, uma irmã me informou que faltavam pessoas para produzir vídeos e estavam tendo problemas que deviam ser resolvidos de imediato. Eu pensei: “Esse problema deve ser resolvido o quanto antes, mas o trabalho de rega também deve ser acompanhado, e se eu gastar todo esse tempo com a produção de vídeos e os problemas dos recém-convertidos não forem resolvidos em tempo oportuno e eles forem embora, o trabalho de rega será afetado. Se isso acontecer, os líderes superiores não dirão que não sou capaz? Além disso, cabe à irmã Zhou acompanhar a produção de vídeos. Se eu a ajudasse a lidar com o problema, ela receberia o crédito, e eu não apareceria”. Pensando nisso, não dei atenção aos detalhes do trabalho, só disse algumas palavras às pressas e me despedi. Quando voltei, mencionei o assunto com a irmã Zhou, porém, ela não conseguia pensar numa pessoa apropriada, e foi difícil para ela. Então o trabalho atrasou porque faltava pessoal. Na época, eu não me envolvi com essa questão e ainda pensava que era a responsabilidade da irmã Zhou e que não me dizia respeito. Um dia, a irmã Zhou me disse: “Percebo que você só se concentra em sua responsabilidade e não se importa com outros trabalhos”. Quando ela disse isso, pensei: “Se eu fizesse o trabalho pelo qual você é responsável, você ficaria com todo o crédito, só você seria percebida, eu não, por que, então, eu deveria fazer esse esforço?”. Quando ela mencionou isso, não a levei a sério.

Não demorou, e nossa líder me disse: “A produção de vídeos tem tido alguns problemas, e nenhum foi resolvido. Lembro-me de que você produziu vídeos no passado e tem pontos fortes nessa área. Quero que você seja responsável pela produção de vídeos; a irmã Zhou assumirá o trabalho de rega”. Isso me deixou um tanto aborrecida: eu tinha investido bastante esforço, raciocínio e consideração no trabalho de rega. Não tinha sido fácil obter melhoras. Agora eu assumiria a produção de vídeos, e ela colheria os frutos do meu trabalho. Além disso, produzir bons vídeos é um tanto difícil. Se não fizesse um trabalho bom, o que os outros pensariam de mim? Eles me veriam como incapaz? Mas então repensei o assunto: “O trabalho de rega também não teve bons resultados no início. Por meio dos meus esforços incansáveis, os resultados não melhoraram? Se eu melhorar a produção de vídeos, isso não demonstrará minha capacidade de trabalho?”. Assim, aceitei a tarefa. Então me dediquei totalmente à produção de vídeos, recrutando novas pessoas para o trabalho. Quando os irmãos tinham problemas, eu comungava pacientemente com eles para encontrar soluções. Depois de um tempo, a produção de vídeos também começou a melhorar, e o entusiasmo de todos com seus deveres também aumentou. Naquele tempo, alguns irmãos me fizeram perguntas sobre a rega de recém-convertidos. Senti que a minha responsabilidade não abrangia esse trabalho. Mesmo que resolvesse essas questões, eu não receberia o crédito, assim, só dei respostas superficiais. Um dia, a irmã Zhou me disse que existiam alguns problemas no trabalho de rega que ela não conseguia resolver. Então percebi que eu tinha enfrentado esses problemas antes. Eu pretendia dizer-lhe como resolvê-los, mas então pensei que, se ela conseguisse, ela receberia todo o crédito e não eu. Eu lhe disse que resolveria o problema quando tivesse tempo, mas então fiquei ocupada e me esqueci disso. O problema não foi resolvido e, como resultado, o trabalho de rega foi afetado.

Um dia, os líderes superiores vieram conhecer nosso trabalho e descobriram que eu só me concentrava em meu trabalho e não no dos outros. Eles me trataram duramente, dizendo que um líder de igreja que só se importa com suas próprias tarefas e ignora o restante do trabalho da igreja, estava cuidando de seus próprios negócios, era egoísta, desprezível e de humanidade ruim. Fiquei muito aborrecida e me senti injustiçada. Eu pensei: “Gastei tanto tempo e esforço em meus deveres todos os dias, trabalhei duro e nunca fui negligente. Eu estaria bem se não tivessem me elogiado, mas como podiam dizer que eu era egoísta, desprezível e de humanidade ruim?”. Quando cheguei em casa, desabei chorando. Em minha dor, orei a Deus: “Ó Deus! Diante de tamanha poda e tratamento, me sinto injustiçada, não entendo Tuas intenções, por favor, guia-me para conhecer a mim mesma”.

Um dia, vi as palavras de Deus que diziam: “Consciência e razão deveriam ser os componentes da humanidade de uma pessoa. Ambos são os mais fundamentais e importantes. Que tipo de pessoa é essa que não possui consciência e não tem a razão da humanidade normal? Em termos gerais, é uma pessoa à qual falta humanidade, uma pessoa de humanidade extremamente pobre. Analisemos isso de perto. Quais manifestações de humanidade perdida essa pessoa exibe, de modo que as pessoas digam que ela não tem humanidade? Quais características tais pessoas possuem? Quais manifestações específicas apresentam? Tais pessoas são superficiais em suas ações e se mantêm afastadas de tudo que não lhes diz respeito diretamente. Elas não consideram os interesses da casa de Deus, nem mostram consideração pela vontade de Deus. Não assumem nenhum fardo de dar testemunho de Deus nem de cumprir seus deveres e elas não têm senso de responsabilidade. O que é que elas pensam sempre que fazem algo? Sua primeira consideração é: ‘Deus saberá se eu fizer isso? É visível para outras pessoas? Se outras pessoas não veem que eu despendo todo esse esforço e trabalho diligentemente, e se Deus também não o vê, então não adianta despender tanto esforço ou sofrimento por isso’. Isso não é egoísmo? Ao mesmo tempo, é um tipo muito baixo de intenção. Quando elas pensam e agem dessa maneira, a consciência está desempenhando algum papel? Há alguma parte da consciência nisso? Existem até pessoas que, ao ver um problema no desempenho de seu dever, permanecem em silêncio. Elas veem que os outros estão causando interrupções e perturbações, mas não fazem nada para impedi-los. Não consideram minimamente os interesses da casa de Deus, nem pensam nada sobre os próprios deveres ou responsabilidades. Elas falam, agem, se destacam, aplicam esforço e despendem energia só para a própria vaidade, prestígio, posição, interesses e honra. As ações e intenções de alguém assim são claras para todos: ele aparece sempre que há uma oportunidade de honra ou de desfrutar alguma bênção. Mas quando não há oportunidade de honra ou assim que houver um tempo de sofrimento, ele desaparece de vista, como uma tartaruga que retrai sua cabeça. Esse tipo de pessoa tem consciência e razão? Uma pessoa sem consciência e razão, que se comporta dessa forma, sente repreensão própria? A consciência desse tipo de pessoa serve a nenhum propósito, e ela nunca sentiu repreensão própria. Ela pode, então, sentir a repreensão ou disciplina do Espírito Santo? Não, não pode” (‘Dê seu real coração a Deus e você poderá obter a verdade’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”). “No acampamento de Satanás, seja num escritório pequeno ou numa organização grande, no meio da multidão ou em funções governamentais, qual é a atmosfera em que eles agem? Quais são os princípios e diretrizes de suas ações? Cada um é sua própria lei; cada um segue o próprio caminho. Eles agem em interesse próprio e lutam por si mesmos. Qualquer um que tiver autoridade tem a última palavra. Eles não pensam nos outros, e fazem o que querem, buscando fama, fortuna e status. Se vocês não entendessem a verdade nem a colocassem em prática, numa situação em que não tivessem sido providos com as palavras de Deus, vocês seriam diferentes deles? De forma alguma — vocês seriam absolutamente iguais a eles. Vocês brigariam do mesmo jeito que fazem os incrédulos. Vocês lutariam do mesmo jeito que fazem os incrédulos. De manhã até a noite, vocês invejariam e disputariam, tramariam e maquinariam. Qual é a raiz desse problema? Tudo isso ocorre porque as pessoas são controladas por caracteres corruptos. O reinado dos caracteres corruptos é o reinado de Satanás; a humanidade corrupta vive num caráter satânico, sem exceção” (‘Os princípios que devem guiar a conduta da pessoa’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”). As palavras de Deus me mostraram que eu tinha sido egoísta e interesseira. Eu sabia que a divisão de trabalho servia à eficiência, não era para nos tornar independentes. Se há problemas com minha colega, cabe a mim ajudar a resolvê-los, mas eu só me importava com meu trabalho imediato, fazendo as coisas por meu status e minha reputação. Eu não dava atenção a outro trabalho, mesmo quando via que existiam problemas. Eu tinha sido muito egoísta e desprezível. Quando era responsável pelo trabalho de rega, eu sabia que era difícil encontrar pessoas para a produção de vídeos, mas achei que, se eu resolvesse essas dificuldades, o mérito não seria meu. Eu só fazia perguntas superficiais e não levava isso a sério. Assim, não houve pessoas suficientes para a equipe de vídeos, e o trabalho sofreu perdas. Quando eu era responsável pela produção de vídeos, a irmã Zhou me disse que havia problemas na equipe de rega. Eu poderia ter lhe dito na hora como lidar com eles, mas temia que, se ela resolvesse esses problemas, ela roubaria meu mérito, por isso não comunguei com ela. Como resultado, os problemas não foram resolvidos e o trabalho foi atrasado. Ao fazer bem o meu próprio trabalho, eu ganhava a aprovação de todos e, por isso, me esforçava ao máximo. A irmã Zhou encontrou problemas em seu trabalho e precisava de ajuda, mas eu não me importava com essas coisas, assim o trabalho da casa de Deus sofreu. Eu tinha sido realmente egoísta e carecia de humanidade. Se os líderes superiores não tivessem me podado e lidado comigo duramente, eu ainda não teria percebido como estivera me comportando e ainda pensaria que, contanto que fizesse bem o meu trabalho, eu estava assumindo meu fardo e cumprindo meu dever lealmente. Eu não conheceria a mim mesma.

Mais tarde, li uma passagem da palavra de Deus que me fez entender meu problema mais a fundo: “Não importa o trabalho que faça, o tipo de pessoa que é um anticristo nunca pensa nos interesses da casa de Deus. Só considera se os seus interesses serão afetados, só pensa nas tarefas que estão diretamente na frente do seu nariz. O trabalho da casa de Deus e da igreja é apenas algo que ele faz em seu tempo livre, e ele precisa ser incitado a fazer tudo. A proteção de seus interesses é sua vocação verdadeira, as coisas que ele gosta de fazer são o que realmente importa. Aos seus olhos, tudo que é arranjado pela casa de Deus ou que está relacionado à entrada na vida dos escolhidos de Deus não tem importância. Não importa quais dificuldades as outras pessoas tenham no trabalho delas, quais problemas elas identifiquem, quão sinceras sejam suas palavras, os anticristos não dão atenção, não se envolvem, é como se nada tivesse a ver com eles. Eles são totalmente indiferentes em relação aos assuntos da igreja, não importa quão importantes esses assuntos sejam. Mesmo quando o problema está bem na frente deles, eles tratam dele apenas com relutância e superficialidade. Somente quando são tratados diretamente pelo Alto e ordenados a resolver um problema é que eles fazem um pouco de trabalho real, com má vontade, e entregam algo que o Alto possa ver; logo depois, eles continuarão com os próprios assuntos. Em relação ao trabalho da igreja, em relação às coisas importantes do contexto mais amplo, eles são desinteressados e indiferentes. Até ignoram os problemas que descobrem, são evasivos quando questionados, só tratam dos problemas com grande relutância. Essa é a manifestação do egoísmo e da vileza, não é? Além disso, não importa que dever estão cumprindo, eles só pensam se isso vai melhorar seu perfil; contanto que eleve sua reputação, eles quebram a cabeça para encontrar um jeito de aprender a fazê-lo, a executá-lo; eles só se importam se isso os destacará. Não importa o que façam ou pensem, eles só pensam em si mesmos. Num grupo, não importa o dever que estão cumprindo, eles só competem para ver quem é mais alto ou mais baixo, quem vence e quem perde, que tem a reputação maior. Eles só se importam com o número de pessoas que os admiram e com o número de seguidores que eles têm. Eles nunca comunicam a verdade nem resolvem problemas reais, nunca falam sobre como fazer as coisas de acordo com os princípios no cumprimento do dever, se eles foram fiéis, se cumpriram suas responsabilidades, se eles se desviaram. Não dão a menor atenção ao que a casa de Deus exige e a qual é a vontade de Deus. Eles só agem para o bem do próprio status e prestígio” (‘Excurso Quatro: Resumindo a qualidade da humanidade de anticristos e a essência de seu caráter (parte 1)’ em “Expondo os anticristos”). Deus revelou que anticristos são especialmente egoístas e desprezíveis. Eles só consideram seus próprios interesses em seus deveres e só dizem ou fazem coisas em prol de seu próprio status e reputação. Nunca consideram o trabalho da igreja como um todo nem têm um pingo de consciência. Vi que os princípios daquilo que eu tinha feito e meu ponto de vista eram iguais aos de um anticristo. Pensava que fazer bem o trabalho pelo qual eu era responsável e proteger meus próprios interesses era justificado e que me envolver no trabalho dos outros era fazer-lhes favores. Pensava que deixar meu trabalho de lado para ajudar outra pessoa e trabalhar sem crédito era tolice. Assim, quando a irmã Zhou e eu dividimos nossos deveres, eu nunca pensava nas dificuldades que a irmã Zhou mencionava nem em como resolvê-los. Eu sempre só pensava em fazer bem o meu trabalho e em ganhar aprovação e reconhecimento. Olhando para trás, eu estava realmente praticando a verdade e cumprindo meus deveres? Eu só estava administrando meu status e cuidando do meu próprio negócio. Eu vivia segundo as filosofias satânicas de “cada um por si e o demônio pega quem fica por último” e “deixe as coisas seguirem se não afetarem alguém pessoalmente”. Eu era muito egoísta e desprezível. Aproveitei a divisão de trabalho como chance para exibir meus pontos fortes, não poupando nenhum esforço no trabalho pelo qual eu era responsável, sem considerar os interesses gerais da casa de Deus e sem considerar a mim mesma como parte da casa de Deus. Tampouco colaborei em harmonia com minha irmã. Isso obstruiu e interrompeu o trabalho da casa de Deus. Vi que eu estava agindo de forma satânica, e tudo que fazia carecia de humanidade! Na verdade, mérito não importa no cumprimento do dever na casa de Deus. Você deve fazer bem aquilo pelo que é responsável, esse é seu próprio dever. Mesmo que não seja algo pelo que você é responsável, você o deve analisar e resolver quando você o vir, pois você é um membro da casa de Deus. Eu sou uma líder de igreja, todo o trabalho da igreja é parte do meu trabalho, esse é meu dever e responsabilidade. Qualquer trabalho que não seja bem-feito me diz respeito diretamente. Mas eu só considerava meu status e minha reputação e cuidava do meu próprio negócio. Eu estava trilhando uma senda de anticristos oposta a Deus, o que só resulta na rejeição e eliminação por Deus. Ciente disso, senti no fundo do meu coração que Deus tinha usado os líderes para apontar meus problemas; isso era o amor e a salvação de Deus!

Mais tarde, li uma passagem das palavras de Deus e vi uma senda de prática: “Conseguir que as pessoas abram mão de seus interesses é a coisa mais difícil de fazer. A maioria não busca nada além de lucro; os interesses das pessoas são a sua vida, e fazê-las desistir dessas coisas equivale a obrigá-las a desistir da vida. Então, o que você deveria fazer? Precisa aprender a renunciar, a abandonar, a sofrer e a suportar a dor de desistir dos interesses que ama. Tendo suportado essa dor e abandonado alguns de seus interesses, você se sentirá um pouco aliviado e um tanto liberado e, dessa forma, dominará a carne. No entanto, se você se agarrar a seus interesses e não desistir deles, dizendo: ‘Fui enganado, mas e daí? Deus não me puniu, então o que as pessoas podem fazer comigo? Não vou abrir mão de nada!’, quando você não abre mão de nada, ninguém mais sofre perda alguma, é você mesmo que acaba perdendo. Quando reconhece o próprio caráter corrupto, essa, de fato, é uma oportunidade de você entrar, progredir e mudar; é uma chance de se apresentar diante de Deus e aceitar Seu escrutínio e Seu julgamento e castigo. Além disso, é uma oportunidade para você alcançar a salvação. Se você desistir de buscar a verdade, isso então equivale a desistir de uma oportunidade de alcançar a salvação e de aceitar o julgamento e castigo” (‘Conhecer o caráter de alguém é o fundamento para mudá-lo’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”). “Quando não estiver pensando em seus próprios desejos egoístas nem considerando seus interesses próprios nas coisas que faz, mas, em vez disso, estiver dando consideração constante ao trabalho da casa de Deus, tendo seus interesses em mente e desempenhando bem o seu dever, então, você estará acumulando boas obras perante Deus. Pessoas que realizam essas boas obras são aquelas que possuem a realidade da verdade; como tais, elas têm dado testemunho” (‘Dê seu real coração a Deus e você poderá obter a verdade’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”). Depois de ler as palavras de Deus, entendi que, se as pessoas só se apegarem aos próprios interesses e não praticarem nada da verdade, então, no fim, elas perderão a chance de ganhar a verdade e de ser salvas por Deus. Por outro lado, se você consegue renunciar aos interesses pessoais e ajudar os outros e oferece algo de sua força para o trabalho geral da casa de Deus, isso não é tolice, é uma boa obra e é elogiado por Deus. Seguindo adiante, sendo ou não meu trabalho principal, devo dar o melhor de mim em meus deveres. Somente assim posso mostrar consideração pela vontade de Deus. Mais tarde, quando via um problema no trabalho da minha parceira, eu o discutia com ela de forma prática para resolvê-lo, compartilhava planos e sugestões boas, e sempre que via que a irmã com quem eu trabalhava estava tendo dificuldades, eu fazia de tudo para comungar com ela sobre uma solução e passei a ver todo o trabalho da casa de Deus como sendo meu próprio dever e responsabilidade. Quando pratiquei dessa forma, senti paz e tranquilidade. Às vezes, ainda exibia egoísmo e queria gastar mais tempo com meu próprio trabalho e me importar menos com o trabalho da minha parceira. Então eu orava a Deus, renunciando às minhas intenções equivocadas. Afinal de contas, a casa de Deus é um todo e não pode ser dividida. Quando ajudo minha irmã a resolver um problema em seu dever, isso não é trabalho extra, muito menos está fora da minha alçada, isso é meu dever e responsabilidade. Com essas coisas em mente, eu consegui deixar de lado meus interesses e trabalhar proativamente com minha irmã. Mais tarde, trabalhamos harmoniosamente uma com a outra e todo o trabalho da igreja era eficiente. Havia cada vez mais recém-convertidos e fundamos duas novas igrejas. Agradeci a Deus de coração por Sua liderança.

Por meio dessa experiência, percebi que, ao colaborar, se conseguirmos deixar de lado nossos desejos egoístas, ignorar nossos interesses pessoais, agir juntos de um só coração e proteger juntos o trabalho da casa de Deus, alcançaremos a orientação e bênçãos de Deus. É graças ao julgamento e castigo da palavra de Deus que consigo entender isso, mudar, praticar a verdade e viver um pouco de semelhança humana! Graças a Deus!

Todos os dias temos 24 horas e 1440 minutos. Você está disposto a dedicar 10 minutos para estudar o caminho de Deus? Você está convidado a se juntar ao nosso grupo de estudo.

Conteúdo relacionado

Saindo do hospício

Por Xiaocao, China Foi em janeiro de 2012. Uma vizinha compartilhou o evangelho de Deus Todo-Poderoso dos últimos dias comigo, Eu tinha me...

Entre em contato conosco pelo WhatsApp