Uma cura para a arrogância

19 de Agosto de 2019

Zhang Yitao Província de Henan

“Ó Deus! Teu julgamento é tão real, cheio de justiça e santidade. Tuas revelações sobre a verdade da corrupção da humanidade me expuseram totalmente. Penso em como me despendi e me ocupei durante anos apenas para ganhar a Tua bênção. Imitei Paulo, labutando e trabalhando, para que eu me destacasse na multidão. Tuas palavras de julgamento me fizeram ver como eu era egoísta e desprezível. Caio no chão envergonhado e humilhado, indigno demais para olhar para a Tua face. Tantas vezes tenho olhado para a senda que percorri. Foste Tu que me guardaste e protegeste, guiando-me a cada passo do caminho até aqui. Vejo o quanto Te custa salvar-me, é tudo o Teu amor. Ó Deus! Experimentando Teu julgamento, provei o Teu verdadeiro amor. É o Teu julgamento que me permite conhecer-me e me arrepender verdadeiramente. Sou tão corrupto que eu realmente preciso que Tu me julgues e purifiques. Sem Teu julgamento, eu ficaria debatendo nas trevas. Foram as Tuas palavras que me guiaram para a senda de luz da vida. Sinto que amar-Te e viver para Ti é a busca mais significativa. Tantas vezes tenho olhado para a senda que percorri. Teu julgamento e castigo são Tuas bênçãos e verdadeiro amor. Eu entenderei a verdade e alcançarei um amor mais puro por Ti. Estou disposto, não importa o quanto sofra” (de ‘Deus tem me dado tanto amor’ em “Seguir o Cordeiro e cantar cânticos novos”). Sempre que eu canto essa música, penso na salvação de Deus sobre mim durante todos esses anos e sinto-me cheio de gratidão a Ele. Foi o julgamento e o castigo de Deus que me transformaram, fazendo com que eu, um filho arrogante, ambicioso e rebelde, parecesse mais com um ser humano. Eu, sinceramente, dou graças a Deus pela minha salvação!

Eu nasci no campo. Como minha família era pobre e meus pais, honestos, eles eram enganados com frequência. Desde pequeno, as pessoas me olhavam com desprezo. Apanhar e ser maltratado era comum para mim. Isso me deixava triste, a ponto de chorar. Coloquei todas as minhas forças em meus estudos, para que eu não tivesse mais que levar esse tipo de vida, de modo que, no futuro, pudesse ser um funcionário do governo, ter um cargo de comando e todos vissem minha importância. Mas, quando eu terminei o ensino fundamental e me preparava para entrar no ensino médio, a Revolução Cultural começou. A Guarda Vermelha se revoltou, os trabalhadores entraram em greve e os alunos abandonaram as aulas. O dia a dia foi tomado pela revolução. Foi um pandemônio, as pessoas estavam em pânico e o vestibular foi extinto. Assim, perdi a oportunidade de entrar em uma escola. Fiquei devastado. Passei mal como se estivesse com uma doença séria. Mais tarde, pensei: Mesmo que eu não possa entrar em uma escola ou ser um funcionário público, vou trabalhar muito para ganhar dinheiro. Se eu tiver dinheiro, as pessoas vão me achar importante. A partir de então, eu ficava procurando formas de ganhar dinheiro. Como minha família era pobre, eu não tinha recursos para começar um negócio. Com a ajuda de parentes e amigos, consegui 500 [aproximadamente R0] yuans emprestados para abrir uma loja de porco assado. Naquela época, meio quilo de carne custava 70 centavos, mas depois de comprar os equipamentos necessários, não sobrou muito dos 500 yuans. Sempre que entrava algum dinheiro, ele era investido diretamente no negócio. Logo que ganhava algum dinheiro, eu pagava minha dívida. Suportei muitas dificuldades para conseguir uma vida melhor que a dos outros. Eu não tinha um minuto livre o dia todo. Depois de anos de trabalho duro, minhas habilidades ficaram ainda melhores e meu negócio crescia cada vez mais. Minha família enriqueceu rapidamente e muitas pessoas me olhavam com inveja.

Na primavera de 1990, uma pessoa de nossa aldeia conversou comigo sobre acreditar em Jesus. Escutei alguns sermões com curiosidade. Notei que quando o irmão que pregava estava falando, as pessoas olhavam para ele com admiração. Senti uma inveja enorme da forma como a multidão o cercava e admirava. Eu pensei: Se conseguisse ser assim, além de todos me adorarem, eu ainda obteria a graça de Deus e seria recompensado por Ele. Isso seria maravilhoso! Guiado por tais pensamentos, comecei a acreditar no Senhor Jesus Cristo e entrei em uma igreja doméstica. Depois isso, estudei muito a Bíblia, buscando seu conhecimento e focando na memorização de algumas passagens. Rapidamente, eu sabia de cor muitos dos capítulos e versículos mais famosos. Eu li o capítulo 16, versículo 26, do Evangelho de Mateus, em que o Senhor Jesus diz: “Pois que aproveita ao homem se ganhar o mundo inteiro e perder a sua vida? ou que dará o homem em troca da sua vida?” Também li sobre o chamado do Senhor Jesus a Pedro, que imediatamente abandonou suas redes de pesca e seguiu o Cristo. Pensei: Ter dinheiro suficiente para viver é bom. Se eu ganhar mais, de que vai servir quando eu morrer? Se eu quero agradar ao Senhor, devo seguir o exemplo de Pedro. Assim, deixei meu negócio e comecei a trabalhar na igreja em tempo integral. Eu era muito apaixonado naquela época. Através de meus parentes e amigos, eu evangelizei 19 pessoas, que, rapidamente, expandiram para 230. Então, li estas palavras do Senhor Jesus: “Nem todo o que Me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de Meu Pai, que está nos céus” (Mateus 7:21). Fiquei ainda mais satisfeito. Com base em um entendimento literal das palavras Dele, acreditei que estava seguindo o caminho do Senhor, que já cumpria a vontade do Pai celestial e que, na próxima era, quando o reino de Deus chegasse, eu reinaria sobre a terra. Dominado por esse tipo de ambição, meu entusiasmo ficou ainda maior. Decidi que eu precisava seguir as palavras de Jesus, “ame o seu próximo como a ti mesmo” e “seja tolerante e paciente”, como forma de me tornar um exemplo e não sentir medo durante as dificuldades. Quando eu ia às casas dos meus irmãos e irmãs, às vezes eu os ajudava a carregar água, acender fogueiras e fazer o trabalho da roça. Quando estavam doentes, eu os visitava. Quando eles estavam sem dinheiro, eu os ajudava com minhas próprias economias. Eu ajudava qualquer um que estivesse em dificuldades. Rapidamente, ganhei o louvor de meus irmãos e irmãs, bem como a confiança dos altos líderes da igreja. Um ano depois, fui promovido para ser um líder da igreja, para pastorear 30 igrejas. Eu gerenciava cerca de 400 crentes. Eu me senti ótimo, quando consegui esse cargo. Senti que todo o meu trabalho e esforço haviam, finalmente, compensado, mas, ao mesmo tempo, estabeleci uma meta ainda maior: perseguir uma posição mais elevada, conquistar o louvor e a adoração de mais pessoas. Durante mais um ano de trabalho duro, tornei-me um líder de alto nível, dirigindo colegas em cinco países, pastoreando 420 igrejas. Depois disso, fiquei com medo de relaxar, então, prestei particular atenção ao meu bom comportamento exterior, para fortalecer minha imagem entre meus colegas e irmãos e irmãs. Buscando a aprovação de meus colegas e para que meus irmãos e irmãs me admirassem, eu me opus a refeições extravagantes na igreja, proibi o contato entre membros do sexo oposto, bem como as práticas insalubres. Minha “honestidade e senso de justiça” conquistaram o apoio e a aprovação dos meus colegas de trabalho e de outros irmãos e irmãs. Minha natureza arrogante cresceu e ficou ainda mais fora de controle. Além disso, eu conhecia as passagens famosas da Bíblia de cor. Quando encontrava e pregava para alguns dos líderes e cooperadores de nível inferior, eu podia recitar passagens sem olhar minha Bíblia, tendo com base apenas os números dos capítulos e versículos. Meus irmãos e irmãs me admiravam de verdade, por isso eu sempre tinha a última palavra na igreja. Todos me ouviam. Sempre pensei que o que eu dizia era a verdade, pensava que tinha um entendimento elevado. Eu nunca discutia as coisas com os outros, fosse sobre a administração, divisão de igreja ou promoção de líderes e colegas. O que eu dizia sempre contava. Eu tinha o poder de um rei. Naquela época, eu gostava de ficar em pé no púlpito, falando de forma eloquente e interminável. Quando todos olhavam para mim com admiração, aquela sensação de estar no topo do mundo me encantava e me fazia esquecer de tudo. Senti isso especialmente quando li o capítulo 3, versículo 34 do Evangelho de João: “Pois aquele que Deus enviou fala as palavras de Deus; porque Deus não dá o Espírito por medida”. Eu realmente me deliciei com isso e acreditei que tinha sido enviado por Deus. Achei que Ele havia me transmitido o Espírito Santo e que Sua vontade se expressava através de mim. Eu acreditava nisso, porque podia interpretar as escrituras, entender “mistérios” que os outros não conseguiam e ver conotações que os outros não compreendiam. Eu só me importava em mergulhar no prazer provocado pela minha posição. Eu tinha esquecido completamente que era apenas uma criação, meramente um vaso da graça do Senhor.

Com o crescimento da igreja, minha reputação também cresceu e, onde quer que fosse, eu era perseguido pela polícia por participar de atividades religiosas proibidas. Por causa da perseguição do governo, eu não ousava voltar para casa. Eu podia me esconder por um tempo, mas não para sempre. Certa vez, voltei para buscar roupas e fui pego pela polícia. Fui condenado a três anos de reeducação por trabalhos forçados. Durante esses anos, sofri todos os tipos de perseguição e torturas cruéis. Os dias pareciam anos, eu sentia como se uma camada de pele tivesse sido arrancada do meu corpo. Mas depois que saí, continuei a pregar o evangelho com a máxima confiança, exatamente como antes, e fui recolocado em minha posição original. Seis meses depois, fui preso novamente pelo governo local e sentenciado a mais três anos de trabalhos forçados. Depois de me torturarem de todas as maneiras possíveis, eles me colocaram em um centro de detenção por mais 70 dias. Após isso, fui levado para um campo de trabalho, onde fui colocado para carregar tijolos. Era o sétimo mês lunar e o calor estava sufocante. A temperatura no forno beirava os 70 graus centígrados e eu tinha que fazer mais de 10 mil tijolos por dia. A fome combinada com a tortura anterior deixaram meu corpo extremamente fraco. Eu não podia suportar aquele tipo de trabalho no calor, mas os guardas não ligavam para isso. Quando eu não conseguia terminar minhas tarefas, eles algemavam minhas mãos para trás, me faziam ajoelhar e colocavam garrafas entre minhas axilas e atrás dos meus joelhos. Então, eles me batiam com bastões elétricos, até as algemas penetrarem fundo na minha carne. A dor era inimaginável. Sujeitado a esse tipo de tortura cruel, eu havia trabalhado apenas sete dias de trabalho forçado, quando desmaiei dentro da estufa. Só fui resgatado 52 horas depois, mas eu já estava quase em estado vegetativo. Além de estar consciente e conseguir ver e ouvir, eu não era capaz de mais nada. Eu não podia comer, falar, andar nem mesmo usar o banheiro. Depois de ser destruído dessa forma pelo Partido Comunista, minha natureza arrogante foi bastante derrotada. A energia de poder e arrogância que eu tinha na igreja desapareceram. Tornei-me sombrio e pessimista. Eu vivia entre o sofrimento ilimitado e o desamparo. Mais tarde, as pessoas no centro de detenção tiveram uma ideia bizarra e encontraram um médico para criar registros falsificados dizendo que eu tinha um “distúrbio genético”. Eles ligaram para minha esposa, para que ela me levasse embora para casa. Para tratar minha condição, todo o que havia em nossa casa foi vendido. Quando meus parentes vinham me visitar, eles eram sarcásticos, rudes e me ridicularizavam. Diante dessa situação, fiquei desanimado e senti que o mundo era sombrio demais. Não havia afeição familiar ou amor entre as pessoas. Só existiam a perseguição cruel e a difamação… Sofrendo a tortura dessa doença dolorosa, não havia esperança em minha vida e eu não sabia como poderia continuar existindo.

Quando eu estava cedendo à desesperança, Deus Todo-Poderoso estendeu Sua mão de salvação para mim. Um mês depois que voltei para casa, dois irmãos vieram pregar o evangelho de Deus dos últimos dias para mim e anunciaram que Ele estava realizando um novo estágio da obra, Sua segunda encarnação para salvar a humanidade. Naquele momento, eu não acreditei em nada, mas como não podia falar, encontrei algumas passagens da Bíblia para mostrar a eles. Foi assim que refutei a pregação deles. Eles me responderam com gentileza: “Irmão, quando você crê em Deus, deve manter seu coração em humilde busca. A obra de Deus é sempre nova. Ela está sempre progredindo. A sabedoria de Deus não pode ser compreendida pela humanidade. Portanto, não podemos ficar presos ao passado. Se você se apegar à obra de Deus na Era da Graça, será capaz de entrar na Era do Reino? Sem mencionar que o que foi dito pelo Senhor Jesus na Bíblia está inserido em seu próprio contexto”. Então, eles abriram as palavras de Deus Todo-Poderoso para que eu pudesse ler e, depois disso, encontraram diversas profecias na Bíblia que versavam sobre a obra de Deus nos últimos dias. Pelas palavras de Deus e a comunhão com meus irmãos, eu entendi o significado do nome de Deus, a verdade interna das três etapas da Sua obra, Seu propósito na gestão da humanidade, os mistérios das Suas encarnações, a verdade interna da Bíblia e mais. Eram coisas que nunca tinha ouvido até então. Eram mistérios e verdades aos quais não fui receptivo enquanto trabalhava e estudava a Bíblia durante todos esses anos. Eu ouvi aquilo com prazer. Fiquei totalmente convencido. Depois disso, meus irmãos me deram um livro das palavras de Deus, dizendo: “Quando estiver melhor, você poderá pregar o evangelho para seus colegas de trabalho e os irmãos e irmãs”. Eu aceitei com alegria o livro das palavras de Deus. Naquela época, eu ficava na cama o dia todo e lia as palavras de Deus. Eu era como um peixe voltando para a água, cheio de saudade e alegria. Eu estava tão grato e feliz. Minha saúde melhorou gradualmente, sem demora. Eu conseguia sair da cama e dar umas voltas, estava mais independente. Logo depois, eu vivia a vida da igreja em minha casa. Eu fazia reuniões duas vezes por semana.

Eu não imaginei que meu caráter arrogante seria completamente exposto na minha futura vida de igreja. Deus, pouco a pouco, derrubou meu coração arrogante e indisciplinado através de Suas palavras, pessoas, questões e coisas, bem como pelo Seu juízo e castigo, lidando comigo e podando certos aspectos do meu ser. Certa vez, a igreja marcou de uma garota de 17 ou 18 vir me visitar. Ela era filha de um irmão da minha antiga denominação, e quando era o líder da igreja, eu visitava a casa dela com frequência. Pensei: O que há de errado com os planos do líder da igreja? Mandar uma criança para me orientar. Eles estão desfazendo de mim? Dominado pela minha natureza arrogante, eu disse com desdém: “Eu creio em Deus há mais tempo do que você está viva. Quando eu visitava sua casa, você tinha apenas alguns anos. Naquele tempo, eu brincava com você, mas agora vem me orientar…” Minha irmãzinha ficou vermelha por causa do que eu disse e não voltou mais. Na semana seguinte, veio uma irmãzinha diferente. Ela também era bem nova e vinha de uma aldeia vizinha. Eu não disse nada, mas pensei: Seja em quantidade de anos ou qualificações de fé em Deus, conhecimento bíblico ou experiência de administração eclesial, eu sou muito melhor do que você sob qualquer aspecto! Pela sua idade, posso notar que você crê em Deus há uns três ou quatro anos, no máximo. Eu creio há 21 anos. Como você pode estar qualificada para me orientar?… Mas como eu poderia saber que a irmãzinha era bastante articulada. Ele falou com franqueza e firmeza. Durante o encontro, ela abriu imediatamente as declarações de Deus e leu em voz alta: “Algumas pessoas especificamente idolatram Paulo. Elas gostam de sair e dar palestras e trabalhar, gostam de se reunir; gostam de pessoas ouvindo-as, elogiando-as e cercando-as. Elas gostam de ter status na mente dos outros e apreciam isso quando os outros valorizam sua imagem. […] Se elas realmente se comportam assim, então é o suficiente para demonstrar que são arrogantes e convencidas. Elas não adoram a Deus nem um pouco; elas buscam um status mais elevado e desejam ter autoridade sobre os outros, possuí-los, e ter status na mente deles. Os aspectos de sua natureza que se sobressaem são a arrogância e a presunção, uma relutância em adorar a Deus e um desejo de ser elogiado pelos outros. Essa é uma imagem clássica de Satanás. Tais comportamentos podem lhe dar uma visão muito clara da natureza delas” (de ‘Como conhecer a natureza do homem’ em “Registros das falas de Cristo”). As palavras de Deus atravessaram meu coração como uma espada de dois gumes, atingindo-me diretamente. Foi uma revelação incisiva de minhas intenções desprezíveis e do meu horroroso desempenho de crença em Deus, bem como da verdadeira essência da minha natureza. Eu fiquei muito envergonhado e queria desaparecer. Só quando pensei no que as palavras de Deus revelavam que percebi que minha natureza era muito arrogante e que eu estava sendo essencialmente hostil a Deus. No passado, para que as pessoas olhassem para mim e me admirassem, para ser alguém encarregado dos outros, para estar em um nível mais elevado, eu dediquei-me bastante à leitura e à busca do conhecimento bíblico. Por causa disso, atingi o status e o título dos meus sonhos e conquistei o apoio de todos. Eu aproveitei a admiração dos outros e preguei para satisfazer minha própria vaidade. Pelo meu monopólio do poder, eu me revelei e me exibi. Sempre fiquei feliz por aproveitar o sentimento de estar no topo do mundo, quando estava em pé no púlpito. Eu usei as passagens da Bíblia para testemunhar e elevar a mim mesmo, sem qualquer vergonha. Eu acreditava ter sido enviado por Deus. Eu era incrivelmente arrogante. Naquele dia, eu desprezei a irmãzinha, utilizando meus muitos anos de pregação como valor capital. Eu achava aquilo, porque acreditava em Deus há mais tempo, tinha maior conhecimento sobre a Bíblia e mais experiência em administração da igreja. Era melhor que todos. Eu não valorizava ninguém. Subestimei e desprezei aquelas duas irmãs. Quando falei, eu machuquei os outros. Arrogante, perdi meu senso de humanidade racional. Só então percebi que meus anseios estavam em oposição e resistência a Deus. Eu estava lutando com Deus por status. A essência da minha natureza era a imagem clássica de Satanás. Diante das palavras de Deus, eu não poderia não me convencer. Orei a Deus, dizendo: “Ó, Deus, sou muito arrogante. Quando tinha status, eu era importante e poderoso e, mesmo depois de perder o status, eu não ouvia ninguém. Eu usei minhas antigas credenciais e autoridade para comandar as pessoas, para desfazer delas. Não tenho nenhuma vergonha! Hoje eu recebi a Tua salvação. Quero aceitar a revelação e o julgamento em Tuas palavras”.

Depois disso, a irmã abriu outra passagem das palavras de Deus para eu ler. Elas diziam: “O sentido do homem perdeu sua função original e que a consciência do homem também perdeu sua função original. O homem ao qual Me refiro é uma besta em traje humano, uma serpente venenosa, de quem, por mais digno de pena que tente parecer aos Meus olhos, nunca terei misericórdia, pois o homem não compreendeu a diferença entre preto e branco, a diferença entre a verdade e a não verdade. O sentido do homem está bastante embotado e, mesmo assim, ele ainda deseja ganhar bênçãos. Sua humanidade é por demais ignóbil e, mesmo assim, ele ainda deseja possuir a soberania de um rei. De quem ele poderia ser rei, com um sentido assim? Como, com tal humanidade, ele poderia se sentar num trono? Realmente, o homem não tem vergonha! É um desgraçado vaidoso! Para aqueles dentre vocês que desejam ganhar bênçãos, sugiro que primeiro achem um espelho e nele enxerguem seu reflexo repulsivo. Você tem o que é preciso para ser rei? Você parece alguém que poderia receber bênçãos? Não houve nem a mínima mudança em seu caráter e você não colocou nenhuma verdade em prática; mesmo assim, ainda deseja um amanhã maravilhoso. Você está se iludindo!” (de ‘Ter um caráter inalterado é estar em inimizade contra Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”). Depois de ouvir as palavras de Deus, não consegui evitar as lágrimas. Senti que cada frase das palavras de Deus grudou em meu coração. Senti Seu julgamento profundamente e fiquei bastante envergonhado. Cada cena da minha busca desgraçada por governar como um rei em minha antiga igreja apareceu em minha frente: entre meus irmãos e irmãs, eu era importante e poderoso. Comandei as pessoas ao redor, queria controlar tudo. Eu não levei meus irmãos e irmãs à presença de Deus, nem os ajudei a conhecê-Lo, mas levei-os a me tratar como alguém muito grande e importante. Quanto mais pensava, mais sentia que minhas ações desagradaram a Deus, que eu era doente, indigno, e que havia decepcionado meus irmãos e irmãs. Naquele momento, fiquei tremendamente envergonhado. Vi que o preço que paguei pelos meus próprios desejos ambiciosos não valeu nada. Minha busca desesperada por status e admiração era absurda. Eu corria de um lado para o outro dia e noite. Suportei dificuldades, trabalhei duro e fui preso. Fui perseguido, torturado e quase morri. Isso não me fez entender a Deus melhor. Pelo contrário, minha natureza arrogante ficou ainda maior. Deus estava cada vez mais longe da minha vista, a tal ponto que alimentei a ilusão de governar como um rei quando o reino de Deus se realizasse. Ao mesmo tempo, percebi que a perseguição que sofri pelo Partido Comunista em minha igreja antiga foi Deus usando aquilo para que eu aceitasse melhor Sua obra nos últimos dias. Caso contrário, com base no meu prestígio e status na minha antiga igreja, no fato de que Deus não estava em meu horizonte e por causa do meu caráter arrogante, eu não seria capaz de deixar com facilidade a minha posição e aceitar Deus Todo-Poderoso. Eu, com certeza, me tornaria um servo maligno, que impede que os outros se voltem para Deus, que se opõe a Ele e, no fim, sofre Sua punição! Eu não podia deixar de dar graças a Deus do fundo do meu coração pela Sua salvação e Seu grande perdão. Assim, tornei-me muito mais discreto, por causa do que foi revelado pelas palavras de Deus, e não ousei mais ser tão imprudente e irracional com meus irmãos e irmãs.

Sob a proteção e o cuidado de Deus, minha doença melhorou gradualmente. Embora ainda não pudesse falar claramente, eu conseguia andar de bicicleta e trabalhar em assuntos gerais. Contudo, como minha natureza arrogante estava profundamente entranhada, Deus, outra vez, providenciou pessoas e coisas para me julgarem e me transformarem. Certa vez, o líder da igreja organizou para que eu executasse tarefas de anfitrião. Quando ouvi isso, não me senti muito disposto a fazê-lo. Eu acreditava que trabalhar como anfitrião era um desperdício de dons, mas não podia recusar, por isso, aceitei de má vontade. Quando era o anfitrião, alguns irmãos e irmãs reuniam-se na minha casa e eu tinha que ficar de guarda, vigiando a vizinhança. Mais uma vez, meus pensamentos apareceram: Trabalhar como anfitrião e tomar conta da porta, o que vou ganhar com isso? Pensei no passado. Quando estava no púlpito, eu era tão arrogante, mas minha tarefa atual não tem a menor dignidade ou o menor status. Minha patente é muito baixa! Com o passar do tempo, minha resistência interna amentou, eu me senti mais injustiçado e não queria mais cumprir meu dever. Quando a líder da igreja apareceu algum tempo depois, eu não aguentei e disse: “Você precisa me passar outra tarefa para executar. Todos vocês estão pregando o evangelho e trabalhando para a igreja, mas eu estou em casa servindo de anfitrião e vigiando a porta. O que vou ganhar no futuro?” Aquela irmã sorriu e disse: “Você está enganado. Diante de Deus não existe tarefa maior ou menor, não há status grande ou pequeno. Não importa qual tarefa estamos realizando, todos nós temos uma função. A igreja é uma unidade com diferentes funções, mas apenas um corpo. Vejamos uma passagem das palavras de Deus”. Então, ela leu esta passagem para mim: “Na corrente atual, cada pessoa que verdadeiramente ama a Deus tem a oportunidade de ser aperfeiçoada por Ele. Independentemente de serem jovens ou velhas, contanto que mantenham em seus corações a obediência e reverência a Deus, elas poderão ser aperfeiçoadas por Ele. Deus aperfeiçoa as pessoas conforme suas distintas funções. Contanto que tenha feito tudo que esteja ao seu alcance e se submetido à obra de Deus, você poderá ser aperfeiçoado por Ele. No momento, nenhum de vocês está aperfeiçoado. Às vezes vocês são capazes de desempenhar um tipo de função e, às vezes, dois; contanto que deem toda sua força para se despender por Deus, no final, vocês serão aperfeiçoados por Deus” (de ‘Sobre cada um desempenhar sua função’ em “A Palavra manifesta em carne”). Depois de ouvir essas palavras de Deus e a comunhão da irmã, meu coração se acalmou e iluminou. Pensei: Parece que Deus aperfeiçoa as pessoas com base nas diferentes funções de cada um. Ele não se importa com o status da pessoa ou com a tarefa que ela desempenha. Deus aperfeiçoa os corações e a obediência das pessoas. Ele verifica se elas conseguem realizar uma transformação de caráter. Não importa a tarefa que elas realizam, contanto que deem tudo de si, sejam totalmente devotas e libertem-se de seu caráter corrupto enquanto cumprem seu dever, elas podem ser aperfeiçoadas por Deus. Mesmo que as pessoas desempenhem funções diferentes na igreja, o objetivo sempre é satisfazer a Deus. Elas estão cumprindo o dever da criação. Se as pessoas puderem encarar a Deus e cumprir seu dever sem intenções egoístas ou impurezas, mesmo que os outros menosprezem o dever que estão desempenhando e achem que não vale muito, aos olhos de Deus tudo tem valor. Se as pessoas cumprem seu dever para satisfazer seus próprios desejos, não importa quão bom seja o trabalho e qual tarefa desempenham, Deus não ficará satisfeito. Depois disso, eu vi estas palavras de Deus: “Como um ser criado, o homem deve cumprir seu dever, fazer o que deve fazer e fazer o que for capaz de fazer, independentemente de ser abençoado ou amaldiçoado. Essa é a condição básica do homem, como alguém que busca a Deus. Você não deve fazer o seu dever apenas para ser abençoado, e você não deve se recusar a agir por medo de ser amaldiçoado” (de ‘A diferença entre o ministério do Deus encarnado e o dever do homem’ em “A Palavra manifesta em carne”). Eu entendi, dessas palavras de Deus, que, como uma criação, adorar a Deus é certo e apropriado. Não devo seguir minhas próprias escolhas e, definitivamente, não devo estabelecer condições ou barganhar com Deus. Se a minha crença em Deus e o cumprimento do meu dever servem para ganhar bênçãos ou reconhecimento, então ela não é consciente e razoável. Sua perspectiva é inadequada. Eu relutava em realizar “trabalhos pequenos” e cumprir “tarefas menores”. Isso não significa estar sujeito à dominação das ambições arrogantes de buscar as bênçãos e ser admirado pelos outros? Em minha mente, eu acreditava que, com status e autoridade, eu poderia trabalhar como líder e que, quanto mais trabalhasse, mais Deus ficaria feliz, e mais eu receberia Seu louvor e seria recompensado por Ele. Portanto, eu ainda não tinha abandonado o status, e ainda buscava realizar os grandes trabalhos e cumprir as tarefas maiores, para receber a grande recompensa no final. Eu também entendia mal a vontade de Deus e estava insatisfeito com a tarefa que a igreja me confiou. Reclamei e acreditei que cumprir essa tarefa de anfitrião era um desperdício dos meus dons, que era uma forma de me desprezar. Eu era muito arrogante e ignorante! Sob o julgamento das palavras de Deus, mais uma vez senti-me envergonhado. Por causa da iluminação das palavras de Deus, eu também entendi Sua vontade. Eu sabia que tipo de pessoa agradava a Deus, que tipo Ele aperfeiçoa e que tipo O desagrada. Meu coração tornou-se obediente a Deus. Depois disso, apresentei minha vontade diante de Deus e estava disposto a ser a menor e mais despretensiosa pessoa da igreja, para cumprir meu dever como anfitrião, vigiar a vizinhança, e permitir que meus irmãos e irmãs se reunissem em minha casa com tranquilidade. Dessa forma eu confortaria o coração de Deus.

Por essa experiência, descobri como as palavras de Deus são maravilhosas, que Ele expressou a verdade e toda a Sua vontade de salvar a humanidade. Precisamos apenas ser diligentes e ler Suas palavras para entender a verdade de todas as coisas, para compreender Sua vontade e para resolver nossas próprias noções e crenças. A partir de então, desenvolvi uma sede maior pelas palavras de Deus e comecei a acordar às quatro ou cinco da manhã para ler Suas palavras. Depois de um tempo, eu conseguia lembrar uma parte das Suas palavras, obtive um pouco de entendimento da Sua vontade e desfrutei disso em meu coração. Mais tarde, um irmão responsável pela obra do evangelho ficava frequentemente em minha casa. Muitas vezes, quando estava pregando o evangelho e encontrava dificuldades, ele me pedia para procurar nas palavras de Deus uma forma de resolvê-los. Ele notou que eu encontrava rapidamente, assim, bastava ele encontrar um problema para me pedir ajuda para encontrar algumas palavras de Deus. Ele realmente me admirava. Sem querer, minha natureza arrogante voltou a agir. Eu pensei: Embora você seja responsável pela pregação do evangelho, eu tenho que ajudá-lo a resolver as questões. Você não leu a palavra de Deus tanto quanto eu, e não entende o mesmo que eu. Eu já obtive a verdade. Se eu estivesse encarregado da pregação do evangelho, certamente me sairia melhor do que você. Em meu coração, eu comecei a desprezar meu irmão e, depois de um tempo, passei a desprezá-lo. Mais tarde, a líder da igreja veio até minha casa e me perguntou: “Como tem passado?” Cheio de confiança, respondi: “Eu estou bem. Eu leio as palavras de Deus e oro todos os dias. Aquele irmão notou que eu entendo bastante da palavra de Deus, então, ele sempre está me pedindo ajuda para encontrar palavras de Deus para resolver as questões”. A líder da igreja viu a arrogância com que eu havia dito aquilo, pegou um livro das palavras de Deus e disse: “Vamos ler algumas passagens das palavras Dele”; Deus diz: “Porque quanto maior seu status tanto maior sua ambição; quanto mais compreendem as doutrinas mais arrogante se torna o caráter delas. Se, em sua crença em Deus, você não persegue a verdade, mas, em vez disso, busca o status, então você está em perigo” (de ‘As pessoas fazem muitas demandas de Deus’ em “Registros das falas de Cristo”). “Independentemente de qual aspecto da realidade da verdade tenha ouvido falar, se você não se opuser a ela, se você aplicar essas palavras na própria vida e as incorporar em sua prática, você definitivamente ganhará algo e mudará definitivamente. Se entulhar essas palavras em sua barriga e memorizá-las em sua mente, então você nunca mudará. […] você deve estabelecer um bom alicerce. Se, logo de início, você estabelecer um alicerce de letras e doutrinas, então terá problemas. É como quando as pessoas constroem uma casa na praia: a casa estará em risco de colapso, independentemente do quão alto você a construa, e não durará muito” (de ‘A prática mais fundamental de ser uma pessoa honesta’ em “Registros das falas de Cristo”). Após ouvir essas palavras de Deus, fiquei muito envergonhado. Percebi que minha própria natureza arrogante estava aflorando novamente. Minha antiga crença em Jesus focava em adquirir grande conhecimento e entendimento de teorias da Bíblia, eu usava isso como base para ser importante e poderoso, tornando-me cada vez mais arrogante. Agora eu tinha a sorte de poder ler tantas verdades nas palavras de Deus, mas eu havia voltado para meu antigo caminho e estava confiando em próprio intelecto. Eu memorizei algumas frases das palavras de Deus e acreditei que detinha a verdade. Mais uma vez tornei-me arrogante e não ouvia mais ninguém. Eu disputava status com os outros e competia com eles. Era muito embaraçoso! Entender teorias nas palavras só pode levar as pessoas à arrogância, apenas aquele que conhece a verdade das palavras de Deus pode mudar seu caráter e viver como um ser humano. Aquele irmão acreditava em Deus há mais tempo que eu e entendia mais do que eu, mas foi humilde o suficiente para buscar minha ajuda. Era uma força que ele tinha, um fruto de sua experiência da palavra e da obra de Deus. Não apenas deixei de aprender com ele, focar em praticar a palavra de Deus em minha vida e viver como um verdadeiro humano, como o desprezei e ignorei. Fui arrogante, cego e ignorante! Meu coração estava sentindo muita dor naquela época. Senti que minha natureza arrogante era mesmo embaraçosa e feia. Era muito repugnante! E esse tipo de arrogância, que perde a razão muito facilmente, ofende o caráter de Deus. Sem transformar-me, sem perseguir a verdade genuinamente, eu só poderia me arruinar. Quando percebi tudo isso, senti que o julgamento e castigo nas palavras de Deus eram realmente Seu amor e salvação para mim. Isso me fez sentir ódio da minha própria natureza arrogante e entendi que, em minha crença em Deus, eu deveria seguir o caminho correto de busca da verdade e de mudança de caráter.

Depois que aquilo passou, comecei a procurar dentro de mim a raiz de minha arrogância e falta de razão, que estava guiando meu pensamento e me fazia expor frequentemente minha natureza arrogante e satânica. Um dia, vi estas palavras de Deus: “Tudo que Satanás faz é para si mesmo. Ele quer superar a Deus, libertar-se de Deus e exercer poder por si mesmo e possuir todas as coisas que Deus criou. Depois que o homem foi corrompido por Satanás, ele se tornou arrogante e convencido, egoísta e baixo, preocupado somente com seus próprios lucros. Portanto, a natureza humana é a mesma de Satanás. […] A natureza do homem tem muito da filosofia satânica contida em si. Às vezes, você mesmo não está ciente ou não tem clareza disso, mas está vivendo com base em cada momento. E acha que isso é muito correto e muito razoável. A filosofia de Satanás se torna a verdade do homem e as pessoas vivem em completa concordância com sua filosofia sem a menor contradição. Por isso, o homem está sempre revelando a natureza de Satanás e está vivendo pela filosofia satânica em todos os aspectos. A natureza de Satanás é a vida do homem” (de ‘Como seguir o caminho de Pedro’ em “Registros das falas de Cristo”). Pensando sobre essas palavras de Deus, meu coração iluminou-se ainda mais. Eu pensei: Acontece que, depois que a humanidade foi corrompida por Satanás, nossa natureza também se tornou tão arrogante, tão indisciplinada e tão sem veneração por Deus, quanto o próprio Satanás. Nós buscamos a admiração dos outros e nos veneramos como se fôssemos Deus. Pela influência social e pelas frases conhecidas de pessoas famosas, Satanás incutiu seu pensamento, sua filosofia de vida e suas leis de sobrevivência dentro do coração humano, tornando-se algo em que as pessoas confiam durante a vida. Essas coisas estão guiando o pensamento da humanidade, dominando suas ações e deixando as pessoas cada vez mais arrogantes e irracionais. Refleti sobre o fato de que, desde criança, eu era maltratado e discriminado e comecei a sentir inveja dos que tinham poder e status. Além disso, as leis satânicas de sobrevivência, tais como “as pessoas lutam para subir, mas a água corre para baixo”, “Eu sou meu próprio senhor nos céus e na terra”, “colocar-se acima dos outros” e “prestígio familiar”, foram implantadas em meu coração desde a tenra idade, dominando minha vida. Estivesse no mundo ou na igreja, eu sempre dava o meu melhor para buscar status e reputação. Eu queria estar acima dos outros e comandá-los. Envenenado por essas coisas, tornei-me cada vez mais arrogante, até ficar pomposo e sempre ter a última palavra. Eu era arrogante a ponto de acreditar que havia sido enviado por Deus e pensar que poderia reinar ao lado Dele. Por causa desses venenos, eu me colocava em uma posição muito elevada. Eu me via como realmente grandioso. Eu sempre exibia minhas qualificações de crente mais antigo para meus irmãos e irmãs e comparava meus pontos fortes com as fraquezas dos outros. Eu desmerecia e desprezava os outros. Eu não os tratava com justiça e não tinha compreensão da essência e da verdade da corrupção de Satanás em mim. O veneno de Satanás me deixou tão arrogante que perdi minha razão humana. Como Satanás, eu queria tomar o poder em tudo. Eu queria uma posição elevada para governar a humanidade. Esses venenos de Satanás me prejudicaram tão terrivelmente, tão profundamente, que eu estava vivendo à semelhança de Satanás, o diabo! Eu orei a Deus, dizendo: “Ó, Deus, não quero mais viver com bases nessas coisas. Eu sofri muito por causa delas, estou vivendo em uma feiura insuportável e desagradei a Ti. Ó Deus, estou disposto a fazer o máximo para buscar a verdade, para tornar-me uma pessoa que realmente tem consciência e razão, para viver como uma pessoa verdadeira, para confortar Teu coração. Ó Deus, eu Te imploro para não afastar Teu julgamento e castigo de mim, imploro que Tua obra me purifique. Enquanto for possível transformar-me e me fazer crescer e ser Teu filho, estou disposto a aceitar julgamento e castigo ainda mais severos e o castigo de Tua disciplina”.

Um dia, li as palavras de Deus dizendo: “Deus não tem elementos de presunção e de importância, ou prepotência e arrogância; Ele não tem elementos de desonestidade. Tudo que desobedece a Deus vem de Satanás; Satanás é a fonte de tudo que é feio e toda maldade. A razão pela qual o homem tem qualidades iguais às de Satanás é porque o homem foi corrompido e trabalhado por Satanás. Cristo não foi corrompido por Satanás e por isso Ele tem apenas as características de Deus e nenhuma de Satanás” (de ‘A substância de Cristo é obediência à vontade do Pai celestial’ em “A Palavra manifesta em carne”). Meu coração foi mais uma vez tocado. Deus é tão sublime e grandioso, mas tão humilde e oculto. Ele nunca fica Se exibindo e nem assume uma posição de importância e poder em meio aos homens. Ele está sempre realizando silenciosamente toda a obra necessária para o ser humano, tolerando enormes humilhações e dores, sem ver isso como dificuldades. Ao contrário, Ele sofre e Se entristece pela humanidade estar vivendo sob o domínio de Satanás e presa à filosofia dele. Ele realiza todos os esforços possíveis para salvar a humanidade da influência de Satanás, para que as pessoas possam ganhar a vida, viver livremente e sem restrições e aceitar Suas bênçãos. Deus é grandioso, santo e a vida Dele não tem qualquer elemento de hipocrisia e narcisismo, porque o próprio Cristo é o caminho, a verdade e a vida. Ele é supremo, bem como humilde e amável. Vendo o que Cristo tem e é, senti-me ainda mais arrogante e desavergonhado, e ansioso para seguir o exemplo de Cristo, para buscar viver como uma pessoa apropriada para satisfazer a Deus. Depois disso, seguir o exemplo de Cristo e viver como uma pessoa verdadeira tornou-se o objetivo que eu perseguia.

Mais tarde, houve uma vez em que eu li uma passagem das palavras de Deus e não consegui entender. Eu não sabia o que significava, mas para salvar minha aparência, não queria colocar-me de lado e buscar a comunhão com meus irmãos e irmãs. Eu tinha medo que eles me desprezassem, porque eu estava acostumado a resolver os problemas dos outros e nunca trazia minhas próprias dificuldades para buscar a ajuda dos outros. Depois, percebi que minha relutância em me abrir para a comunhão ainda era o domínio de minha natureza arrogante e de não querer ser desprezado pelos outros. Eu me rebelei contra a carne para buscar a comunhão com meus irmãos e irmãs. Nunca imaginei que eles não apenas não me desprezavam, como comunicaram pacientemente a vontade de Deus para mim, e minha dificuldade foi rapidamente resolvida. Houve outra vez em que um irmão veio me pedir para entregar uma carta relacionada à obra da igreja. Por causa da minha arrogância e porque cumpri a tarefa com base em minhas próprias ideias, a carta não foi entregue a tempo. Quando ele viu que isso iria atrasar a obra, o irmão ficou muito ansioso. Ele lidou comigo e me expôs. No momento, fiquei bastante desconfortável e embaraçado, mas eu sabia que era Deus lidando comigo e podando alguns dos meus aspectos. Era Deus testando se eu podia obedecer ou não, se eu podia colocar a verdade em prática ou não. Eu orei a Deus: “Ó, Deus, hoje meu irmão lidou comigo e me senti desconfortável. Eu quis resistir a isso, pois, no passado, eu estava sempre na posição mais elevada, repreendendo os outros, e nunca me submeti à verdade. Eu vivia à semelhança de Satanás. Hoje, já experimentei muito da Tua obra e entendi que uma pessoa, que consegue ser lidada e podada, detém mais racionalidade. Essa é uma pessoa que obedece e teme a Deus. Apenas esse tipo de pessoa tem mais integridade e a aparência humana. Agora, estou disposto a renunciar a minha própria carne com um coração que ama a Deus. Quero que Tu movas meu coração, que aperfeiçoes minha decisão”. Depois dessa oração, senti muita paz e serenidade em meu coração. Vi que o que Deus fazia era mesmo grandioso e, que, pelas pessoas, eventos e coisas, Ele me ajudou a reconhecer a mim mesmo, para que eu pudesse mudar o mais rápido possível. A partir de agora, quero buscar mais a Deus. Quero confiar Nele para cumprir meu dever da melhor forma possível. Depois disso, meu irmão estava preocupado que eu não quisesse acertar tudo isso, então ele me comunicou a vontade de Deus. Eu falei da minha percepção das minhas próprias experiências. Nós rimos juntos e eu dei graças a Deus pela Sua salvação, por Ele ter me transformado. Toda a glória seja dada a Deus!

Assim, através de cada julgamento e castigo de Deus Todo-Poderoso, meu caráter arrogante foi gradualmente transformado. Eu tornei-me uma pessoa discreta, que ouve os outros pacientemente e presta atenção em suas sugestões. Eu pedia a opinião dos meus irmãos e irmãs sobre certos assuntos e colaborava harmoniosamente com eles. O que quer que surgisse, eu não tinha mais que ser o dono da última palavra. Eu não era mais arrogante e sem vontade de ouvir os outros. Finalmente, adquiri um pouco de humanidade. Desde então, sinto que me tornei uma pessoa mais simples. Vivo com muita leveza, com muita felicidade. Dou graças a Deus Todo-Poderoso pela minha salvação. Sem a salvação Dele, eu ainda estaria lutando amargamente em meio à sombra e ao pecado, sem conseguir escapar da corrupção. Sem a salvação de Deus, minha natureza teria se tornado cada vez mais arrogante, com pessoas me adorando como Deus, a ponto de ofender o caráter Dele e sofrer Seu castigo, ainda que não percebesse isso. Através de cada julgamento e castigo de Deus, vi que o amor Dele é muito real e que Ele sempre usou o Seu amor para me influenciar, esperando que eu voltasse. Não importa o quão rebelde eu fosse, o quão difícil fosse lidar comigo, ou quantas queixas e mal-entendidos eu tivesse em relação a Deus, Ele nunca transformou isso em um problema. Ele tinha montado cuidadosamente todo tipo de ambiente para despertar meu coração, para despertar minha alma, para me resgatar da aflição de Satanás, para me fazer viver na luz de Deus, para trilhar o verdadeiro caminho da vida humana. Deus esperou pacientemente, por mais de 20 anos, e pagou um preço imensurável por mim. O amor de Deus é realmente vasto e sem fim! Hoje, o julgamento e o castigo de Deus tornaram-se meu tesouro. Eles são também uma preciosa fonte de riqueza das minhas experiências e algo que nunca esquecerei. Esse sofrimento teve valor e significado. Embora eu ainda esteja aquém das exigências de Deus, estou confiante na busca pela transformação de caráter e disposto a experimentar mais profundamente os julgamentos e castigos de Deus. Acredito que Ele pode me transformar em uma pessoa verdadeira que vive de acordo com Sua vontade.

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Contate-nos
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

Sou incapaz de ver Cristo

Desde o primeiro momento em que comecei a acreditar em Deus Todo-Poderoso, eu sempre admirei os irmãos e irmãs que conseguiam receber um ministério pessoal de Cristo, que podiam ouvir os sermões diretamente Dele.

Vivenciei a salvação de Deus

Cheng Hao Cidade de Yongzhou, Província de Hunan O dever que minha esposa e eu cumprimos na igreja é pregar o evangelho. Há pouco tempo,...

Deixar uma resposta