O que estava por trás dos ataques de meus parentes

09 de Julho de 2023

Por Lingmin, China

Meu pai era diretor de uma escola e falava muito sobre materialismo na escola e em casa. Ele nos ensinou que a felicidade dependia de trabalharmos duro, que devíamos nos esforçar para nos destacar e trazer honra para os nossos ancestrais. Guiados pelas palavras de nossos pais e por seu exemplo, meus irmãos e eu sempre trabalhamos muito. Nós nos tornamos comerciantes e funcionários públicos e tivemos algum sucesso modesto. Na primavera de 2007, aceitei a obra de Deus Todo-Poderoso dos últimos dias. Eu lia as palavras de Deus todos os dias, me comunicava regularmente com meus irmãos e ganhei algum entendimento da soberania de Deus. Estas palavras foram especialmente impressionantes: “Deus criou este mundo, criou esta humanidade e, além disso, foi o arquiteto da cultura grega antiga e da civilização humana. Só Deus consola esta humanidade, e só Deus Se importa com esta humanidade dia e noite. O desenvolvimento e o progresso humanos são inseparáveis da soberania de Deus, e a história e o futuro da humanidade são indissociáveis dos projetos de Deus. Se você é um verdadeiro cristão, então certamente acreditará que a ascensão e a queda de qualquer país ou nação ocorrem de acordo com os projetos de Deus. Só Deus conhece o destino de um país ou nação, e só Deus controla o curso desta humanidade. Se a humanidade deseja ter um bom destino, se um país deseja ter um bom destino, então o homem deve se curvar diante de Deus em adoração, se arrepender e confessar diante de Deus, caso contrário, a sina e o destino do homem acabarão inevitavelmente em catástrofe(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Apêndice 2: Deus preside o destino de toda a humanidade”). As palavras de Deus iluminaram meu coração. Deus é o Criador, e é Ele quem tem guiado e sustentado o homem até os dias de hoje. Além disso, Ele governa sobre nosso destino. Somente se adorarmos a Deus, nos arrependermos diante Dele e aceitarmos Sua salvação poderemos ter um bom destino. Também aprendi que o Salvador, Deus Todo-Poderoso, veio nos últimos dias para expressar a verdade e fazer a obra de julgamento para purificar e salvar plenamente a humanidade, para nos livrar da influência de Satanás e nos levar para o lindo destino que Deus preparou para nós e assim possamos ter um bom destino e desfecho. Eu me senti tão abençoada por poder aceitar Deus Todo-Poderoso e jurei a mim mesma que eu praticaria bem a minha fé, buscaria a verdade e cumpriria o dever de um ser criado para retribuir o amor de Deus.

Mas então, quando eu estava me dedicando ao meu dever, fui presa pelo Partido Comunista. Num dia, em março de 2009, ao meio-dia, a polícia veio à nossa reunião, me levou juntamente com três irmãs e nos deteve ilegalmente na delegacia. O chefe da Segurança Pública gritou ferozmente: “Diga-nos o que você sabe! Quem a converteu? Quem é o líder de sua igreja? Se falar, eu a deixo voltar para casa agora mesmo. Mas se não cooperar, em vista de todos os livros religiosos que encontramos na sua casa, poderíamos prendê-la por cinco ou seis anos!”. Quando vi o olhar feroz em seu rosto, meu coração começou a palpitar. Eu não sabia como eles me tratariam. Rapidamente, fiz uma oração, pedindo que Deus me protegesse, que Ele me desse fé e força e me ajudasse a permanecer forte. Depois de orar, lembrei-me destas palavras de Deus: “De fora, os poderosos podem parecer perversos, mas não temam, pois isso é porque vocês têm pouca fé. Se sua fé aumentar, nada será difícil demais(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Declarações de Cristo no princípio, Capítulo 75”). As palavras de Deus me deram fé e força. Todas as coisas estão nas mãos de Deus. Esse chefe da Segurança Pública era assustador, mas ele também estava nas mãos de Deus. Ele era uma ferramenta a serviço de Deus. Não cabia a ele decidir se eu seria condenada. Isso só cabia a Deus. Eu não podia me curvar diante de seus abusos. Eles viram que eu não falaria, por isso trancaram a mim e as três outras num centro de detenção, acusando-nos de perturbação da ordem social.

Numa manhã, do nada, ouvi alguém gritar meu nome. Meu coração saltou pela garganta. Será que me interrogariam de novo? Eles já tinham me interrogado, e eu não tinha dito nada. Perguntei-me se usariam táticas ainda mais cruéis. Com medo, orei a Deus em silêncio e consegui me acalmar aos poucos. A polícia me levou para uma sala grande. No instante em que entrei, vi meu pai, e me desesperei. Por que eles trouxeram meu pai para cá? Ele sempre se opôs à minha fé, como ele me trataria agora que eu tinha sido presa? Antes de eu conseguir abrir a boca, meu pai levantou a mão e me deu três tapas na cabeça. Fiquei tonta e vendo estrelas. Ele disse duramente: “Eu a proibi de ter fé, mas você insistiu, e agora que você foi presa, meu nome foi arrastado pela lama! Conte-lhes tudo sobre a sua crença. A polícia disse que soltará você assim que confessar, mas que receberá uma pena pesada se não confessar!”. Quando olhei para o rosto velho do meu pai, senti uma pontada no coração. Ele tinha quase 80 anos e o que mais importava para ele era sua reputação. Como ele suportaria se eu fosse condenada? Então, de repente, ele ficou de joelhos. Com lágrimas nos olhos, ele disse: “Quando sua mãe soube disso, ela adoeceu. Ela está de cama em casa e está sendo medicada intravenosamente. Diga-lhes o que sabe e volte para casa comigo!”. Confrontada com tudo isso, não consegui segurar as lágrimas. Desde antigamente, só os filhos se ajoelham diante dos pais, não vice-versa. Lembrei-me das adversidades que meus pais tinham suportado para me criar, de como me ajudaram com meus filhos. Mesmo idosos, ainda tinham que se preocupar comigo. Eles não estariam enfrentando tamanha dor se eu não fosse crente. Achei que eu lhes devia, e me senti péssima. Então, percebi que eu não estava no estado correto. Fiz uma oração rápida: “Deus! Esta situação é dolorosa para mim. Eu me sinto fraca e endividada com meus pais. Não sei o que fazer. Por favor, esclarece-me e guia-me a entender a Tua vontade e a permanecer forte”. Depois de orar, lembrei-me do que eu tinha resolvido fazer diante de Deus: permanecer forte na minha fé, seguir a Deus e sempre buscar amá-Lo. Naquele momento, caí em mim. Também me lembrei das palavras de Deus: “As pessoas serão incapazes de colocar de lado a sua carne durante esse breve período de tempo? Que coisas poderão cindir o amor entre o homem e Deus? Quem é capaz de romper o amor entre o homem e Deus? Os pais, os maridos, as irmãs, as esposas ou o refinamento doloroso? As sensações de consciência poderão apagar a imagem de Deus de dentro do homem? O endividamento e as ações das pessoas umas para com as outras são provocadas por elas mesmas? Elas podem ser remediadas pelo homem? Quem é capaz de se proteger? As pessoas são capazes de suprir a si mesmas? Quem são as pessoas fortes na vida? Quem é capaz de Me abandonar e viver por sua conta?(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Interpretações dos mistérios das ‘Palavras de Deus para todo o universo’, Capítulos 24 e 25”). As palavras me encheram de repreensão própria. Meu fôlego me foi dado por Deus, e Deus me provê tudo que preciso para sobreviver. A única razão para eu estar viva até aquele dia foi por Deus cuidar de mim e me proteger em silêncio. Ele organizou tudo para me guiar a vir para diante Dele e aceitar Sua salvação. O amor de Deus é tão grande! Eu não podia trair a Deus por medo de machucar meus pais. Além disso, a saúde deles estava nas mãos de Deus, e minha preocupação era inútil. Eles estavam tristes e sofrendo por causa da opressão do Partido Comunista. Se pudessem ver a maldade do Partido, eles não se sentiriam envergonhados, e Satanás não seria capaz de enganá-los. Pensando assim, eu me acalmei um pouco. Jurei permanecer firme em meu testemunho, mesmo que fosse jogada na prisão. Enxuguei as lágrimas e ajudei meu pai a se levantar. Então cinco ou seis policiais vieram e me cercaram. Eu lhes disse: “Eu não sei nada”. Um deles me fitou e disse: “Você tem mais cinco minutos”. Meu pai ficou furioso. Ele me esbofeteou mais algumas vezes, ajoelhou-se e disse: “Se você não falar, ficarei ajoelhado na sua frente até eu morrer! O Partido não permite crenças religiosas. Como ousa desobedecer-lhe? Não perca tempo e confesse! Então poderemos ir para casa”. Então percebi que isso era um truque da polícia. Ela queria que meu pai me pressionasse a ser um Judas e a entregar os outros. Os policiais são tão traiçoeiros! Fiquei com raiva e ressentida. Ajudei meu pai a se levantar e cinco ou seis policiais me cercaram de novo para que eu falasse. Olhei para eles e, calmamente, eu disse: “Eu não sei nada”. Naquele momento, o celular do meu pai tocou e ele o entregou para mim. Pude ouvir a voz da minha mãe, que xingava e dizia: “Você está me matando! O governo não lhe permite ter fé, mas você insiste. Você não tem como lutar contra eles! Diga-lhes o que sabe e volte para casa! O que faremos se você for condenada? Como seu filho encontrará uma esposa? Todos nós também seremos humilhados. Pense em nós!”. Em lágrimas, desliguei e fiquei olhando meu pai saindo dali, arrastando os pés. Quando voltei para a minha cela, pensei em minha mãe doente, de cama. Se algo terrível acontecesse com ela, a culpa seria minha. Quanto mais pensava nisso, pior eu me sentia. Não consegui segurar as lágrimas. Foi quando percebi que meus afetos eram meu calcanhar de Aquiles. Então me concentrei em orar a Deus. Pedi que Ele me guiasse a assumir uma postura, a não viver com base em emoções. Lembrei-me de algo que Deus disse: “Por que é tão difícil para as pessoas separarem-se das emoções? Fazer isso supera os padrões da consciência? A consciência consegue fazer a vontade de Deus? A emoção pode ajudar as pessoas na adversidade? Aos olhos de Deus, a emoção é Sua inimiga — isto não está claro nas palavras de Deus?(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Interpretações dos mistérios das ‘Palavras de Deus para todo o universo’, Capítulo 28”). As palavras de Deus abriram meus olhos. As emoções são o inimigo de Deus e o maior obstáculo para praticar a verdade. Quando vivemos segundo emoções, nós nos afastamos de Deus e O traímos. Eu estava presa em meus sentimentos pelos meus pais. Eu pensava que não ser filial fosse uma ofensa terrível e fazia de mim uma filha má. Quando vi como eles ficaram tristes e transtornados com a minha prisão, eu me senti endividada com eles. Achei que eles tinham trabalhado tanto para me criar, mas não lhes retribuí e até os fiz sofrer por mim. Eu prezava muito a bondade dos meus pais, mas esqueci que é Deus quem nos dá vida. Deus é a fonte da vida humana, e é o Seu sopro de vida que me sustentou até hoje. É graças à orientação e provisão de Deus que tenho o que tenho. Deus nos deu tanto sem pedir nada em troca. Nos últimos dias, Deus encarnou de novo para salvar a humanidade, suportando grande humilhação e a perseguição e opressão do Partido Comunista. Deus deu tudo pela humanidade. Seu amor é tão grande! Aquele a quem devemos adorar e obedecer é Deus. O cuidado dos meus pais podia ter melhorado minha vida material, mas eles não podiam me oferecer a verdade. Eles não podiam me salvar da corrupção de Satanás nem me dar um bom destino e desfecho. Se eu entregasse os outros e traísse a Deus só para satisfazer os desejos dos meus pais, e não estaria em dívida para com eles, mas seria rejeitada por Deus e perdido Sua salvação para sempre. Àquela altura, vi que Satanás estava usando meu amor pelos meus pais para me tentar, para, no fim, fazer eu me afastar de Deus, traí-Lo e perder a chance de ser salva, descesse para o inferno e fosse destruída com ele. Eu não podia cair no truque de Satanás. Isso me lembra Pedro, que teve princípios e assumiu uma postura contra seus pais. Ele foi forte em sua fé e seguiu o Senhor Jesus, por mais que tentassem impedi-lo. No fim, seu amor por Deus superou tudo e ele ganhou a aprovação de Deus. Isso realmente me motiva!

No quinto dia, a polícia me trouxe três cartas escritas pela minha mãe, minha filha e meu filho. Meu filho escreveu: “Mãe, nesses últimos anos no exército, tenho vivido na expectativa de ver toda a família reunida. Não foi fácil ser transferido e voltar, e agora você está presa. Sem você em casa, é como se o céu tivesse caído. Mãe, conte à polícia seus assuntos religiosos! Se você for para a prisão, isso impactará minha perspectiva de trabalho e casamento. Mesmo que não pense em si mesma, você deveria pensar em mim…”. Àquela altura da carta, não pude evitar de chorar. Se o futuro dele realmente fosse arruinado se eu cumprisse pena, eu não poderia encará-lo. Ele certamente me odiaria. Para mim, parecia que a estrada da fé estava cheia de pedras de tropeço, e cada passo exigia fazer uma escolha. Orei a Deus no coração: “Ó Deus, estou sofrendo muito e me sentindo fraca. Por favor, protege meu coração e fortalece minha fé”. De volta na cela, uma irmã soube que eu estava passando por isso e me lembrou de não cair no truque de Satanás. Aquilo foi um alerta para mim. Pensei em como, a cada momento, Satanás usa todos os meios para nos seduzir e nos levar a trair a Deus. Podemos cair na rede de Satanás no momento que baixamos a guarda. Precisamos aquietar o coração diante de Deus e orar e confiar Nele para enxergar os truques de Satanás, ganhar a proteção de Deus e permanecer fortes. Naquela noite fiquei deitada na cama, incapaz de dormir, e, em silêncio, orei a Deus. Lembrei-me disto de Suas palavras: “Desde o momento em que chega a este mundo chorando, você começa a cumprir seu dever. Para o plano de Deus e para Sua ordenação, você desempenha seu papel e começa a sua jornada de vida. Não importa o seu passado, não importa a jornada à sua frente, ninguém pode escapar das orquestrações e dos arranjos do Céu, e ninguém está no controle do próprio destino, pois apenas Aquele que governa todas as coisas é capaz de tal obra(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Deus é a fonte da vida do homem”). Correto. Durante toda a nossa vida, nosso destino é arranjado por Deus e ninguém pode mudá-lo. Eu não podia controlar que tipo de emprego ou casamento meu filho teria no futuro. Por mais que pensasse em meus filhos, eu não podia mudar o destino deles. E se eu iria para a prisão ou não também era determinado por Deus. Eu não podia sair disso só porque queria. O que eu precisava fazer era confiar tudo a Deus e me submeter à Sua soberania. Depois disso, lembrei-me de outra passagem das palavras de Deus. “Você deve sofrer dificuldades pela verdade, deve se entregar à verdade, deve suportar humilhação pela verdade e, para ganhar mais da verdade, você deve passar por mais sofrimento. É isso que você deveria fazer. Você não deve jogar a verdade fora em favor de uma vida familiar pacífica nem deve perder a dignidade e integridade da sua vida por causa de um prazer momentâneo. Você deveria buscar tudo que é belo e bom e buscar uma senda na vida que seja mais significativa. Se você levar uma vida tão vulgar e não buscar quaisquer objetivos, você não desperdiça a vida? O que você pode ganhar com uma vida assim? Você deveria abandonar todos os prazeres da carne em favor da verdade e não deveria jogar fora todas as verdades em favor de um pouco de prazer. Pessoas assim não têm integridade nem dignidade; sua existência não faz sentido!(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “As experiências de Pedro: seu conhecimento de castigo e julgamento”). As palavras de Deus me deram fé e força. Como crente, o único jeito de ganhar a aprovação de Deus é buscar a verdade e cumprir o dever de um ser criado. Somente isso pode ser considerado uma vida de valor, e qualquer sofrimento vale a pena para ganhar a verdade. Se eu entregasse meus irmãos e a igreja só para satisfazer minha família, eu seria um Judas que trai a Deus. Essa seria a maior humilhação e eu seria amaldiçoada por Deus por isso. Mesmo se eu tivesse uma família feliz e uma vida confortável, isso seria vazio e sem sentido e eu seria apenas um cadáver vivo. Quando pensei nisso, minha determinação de seguir a Deus se fortaleceu. Não importava que táticas os policiais usassem, eu daria testemunho e envergonharia Satanás!

No sexto dia, a polícia me chamou para a sala principal, onde vi meu tio, meu marido, meu filho e minha filha. Meus filhos me abraçaram e choraram, dizendo: “Mãe, volte para casa!”. Meu marido estava um pouco afastado, chorando. Então, em lágrimas, meu tio disse: “Lingmin, a polícia disse que você pode voltar para casa assim que lhes disser alguma coisa, e você não terá que cumprir pena. O futuro de seu filho estará arruinado se você for para a prisão. Isso destruirá a família! Ouça-me e fale com eles!”. Naquele momento, meu coração ficou claro. Eu sabia que a trama de Satanás estava por trás das exortações da família e que, mesmo que eu só lhes desse um pouco, a polícia me obrigaria a dizer mais e muitos outros seriam presos. Com isso em mente, eu disse: “Como crente, estou trilhando a senda correta na vida. Não fiz nada ilegal, portanto, nada tenho a confessar. Vão para casa”. A caminho de volta para a cela, pensei em como a polícia usou meus entes queridos repetidas vezes para me tentar e me forçar a entregar meus irmãos e a trair a Deus. O Partido Comunista é tão vil! São demônios contrários a Deus! Depois disso, um policial me chamou até a sala dele e, presunçoso, disse: “Como foi a visita de sua família?”. Quando o vi se regozijando com essa situação terrível, eu me enfureci tanto que tirei as três cartas do meu bolso, as rasguei e as joguei na mesa, dizendo: “Eu sou uma crente e uma pessoa idônea. Não fiz nada de errado. Por que vocês os obrigaram a me exortar? Que lei eu violei?”. Então saí da sala. Fui capaz de encarar o interrogatório da polícia com calma graças à força que Deus me deu.

Na manhã do 14º dia, o chefe da Secretaria de Segurança Pública me chamou para a sua sala. Ele não estava mais tão feroz, mas parecia estar preocupado e perguntou sobre minha família. Ele tentou usar uma fala branda para me seduzir a entregar meus irmãos. Orei a Deus no coração sem parar, pedindo que Ele me protegesse de cair no truque de Satanás. O chefe da secretaria falou muito. Finalmente, quando viu que eu não diria nada, ele se enfureceu e gritou cruelmente: “Serei direto com você. Encontramos tantos livros religiosos em sua casa, que é o maior caso na cidade. Você cumprirá pena se não falar!”. Mas não importava o que ele dissesse, orei a Deus em silêncio e jurei que jamais compartilharia informações sobre os outros e jamais trairia a Deus, mesmo que fosse condenada. Depois de quinze dias, eles viram que não arrancariam nada de mim e me mandaram para casa. Quando voltei para casa, minha família continuou se opondo à minha fé. Eu sabia que era por causa das mentiras e opressão do Partido Comunista. Eu orei e jurei que seguiria a Deus até o fim, por mais difícil que fosse. Então, eu me lembrei de um hino experiencial: “Avançando na senda de amar a Deus”.

1 Não me importa quão dura seja a senda de crer em Deus, eu só executo a vontade de Deus como minha vocação; muito menos me preocupo com receber bênçãos ou sofrer infortúnio no futuro. Agora que decidi amar a Deus, serei fiel até o fim. Não importam quais perigos ou dificuldades me espreitem atrás de mim, não importa qual será o meu fim, a fim de acolher o dia de glória de Deus, sigo de perto os passos de Deus e avanço.

[…]

Seguir o Cordeiro e cantar cânticos novos

Cantei esse hino sem parar, e ele me inspirou muito. Eu sabia que a senda da fé sempre viria acompanhada pela perseguição do Partido e que, provavelmente, eu seria presa de novo ou até condenada no futuro. Mas eu tinha certeza de que esse era o caminho verdadeiro, e eu estava disposta a seguir a Deus até o fim. Por um tempo, não pude entrar em contato com outros membros da igreja nem viver a vida da igreja. Assim, eu comi e bebi as palavras de Deus e me equipei com a verdade em casa e compartilhei o evangelho com minha família. Meu marido e minha filha se converteram. Nós nos reuníamos e comíamos e bebíamos as palavras de Deus como família. Um ano depois, eu voltei a ter contato com os irmãos e comecei a cumprir um dever. Eu estava muito grata a Deus.

Durante todo esse tempo, por meio da prisão e opressão do Partido Comunista e dos ataques da minha família, foram o esclarecimento e a orientação das palavras de Deus que me ajudaram a passar por isso, passo a passo. Por mais difícil que seja a senda adiante, irei com Deus até o fim.

Todos os dias temos 24 horas e 1440 minutos. Você está disposto a dedicar 10 minutos para estudar o caminho de Deus? Você está convidado a se juntar ao nosso grupo de estudo.👇

Conteúdo relacionado

O despertar de uma falsa líder

Por Yang Fan, China Em 2019, comecei meu dever como líder. Eu sabia que isso era a exaltação de Deus e jurei a mim mesma que cumpriria bem...

Transformada pelo meu dever

Por Jiang Ling, Espanha Ano passado, assumi deveres de desenho gráfico e também era responsável pelo trabalho de vários outros. No início,...

Entre em contato conosco pelo WhatsApp