Uma transformação após ser tratado

06 de Fevereiro de 2023

Por Yong Zhi, Coreia do Sul

Em março passado, assumi a responsabilidade pelo trabalho de vídeos da igreja. Eu não entendia muitos dos princípios porque era novo nesse dever, por isso ficava apreensivo todos os dias, com medo de esquecer um passo importante num projeto e, assim, atrasar nosso trabalho. Eu orava e confiava em Deus o tempo todo no meu dever, e sempre que encontrava algum problema no trabalho, eu o discutia e resolvia imediatamente com os irmãos. Depois de trabalhar muito por um tempo, nossa produtividade aumentou e conseguimos diversificar os nossos vídeos. Os outros irmãos disseram que a qualidade e a eficiência da nossa produção de vídeos estava aumentando. Fiquei muito feliz ao ouvir isso. Embora não estivesse fazendo o trabalho havia muito tempo, estávamos obtendo bons resultados, então pensei que, enquanto continuássemos assim todos os dias, tudo ficaria bem. Mas minha atitude em relação ao meu dever mudou aos poucos. Eu não sentia a mesma urgência de antes e, antes que percebesse, eu estava vivendo num estado de complacência. Depois de um tempo, minha parceira percebeu que nosso ritmo de produção estava diminuindo e que nossos vídeos careciam de criatividade, então ela me procurou para discutir soluções para esses problemas. Achei que ela estava fazendo tempestade em copo d’água e a ignorei, totalmente despreocupado. Permaneci complacente como sempre, fazendo meu trabalho com indiferença.

Alguns dias depois, quando a líder verificou nosso trabalho, ela percebeu que a qualidade e a eficiência da nossa produção tinham diminuído, então ela comungou conosco. Ela nos perguntou: “Vocês estão preocupados com sua produtividade? Onde está sua devoção? Vocês temem cansar-se com um pouco de trabalho. Por que não se esforçam um pouco mais? Vocês estão enrolando, sendo preguiçosos e indisciplinados. Estão considerando a vontade de Deus? Cumprir seu dever desse jeito é só prestar serviço, e se não forem devotos em seu serviço, podem acabar sendo expulsos”. A crítica dela me surpreendeu, e eu me senti injustiçado. Era verdade que nossos vídeos não tinham sido tão eficientes recentemente, mas ainda eram muito melhores do que antes. Como ela podia dizer que não éramos devotos? Que isso só era serviço? Não estávamos enrolando intencionalmente nem sendo preguiçosos. Ao mesmo tempo, eu estava ciente de que essa poda estava sendo feita com a permissão de Deus, por isso, eu sabia que devia abordar isso com um coração obediente e de busca, embora não reconhecesse meu problema. Orei a Deus: “Deus, eu fui criticado pela líder hoje, mas ainda não sei onde errei. Por favor, guia-me a refletir e conhecer a mim mesmo para que eu possa conhecer a Tua vontade e aprender uma lição com isso”. Depois de orar, percebi que, por mais objetivas que fossem as minhas desculpas, era verdade que nossa produção de vídeos tinha diminuído e carecia de criatividade. A líder não estava criticando nosso comportamento externo, ela estava falando dos nossos estados incorretos e nossa atitude em relação ao nosso dever, por isso eu precisava fazer uma análise sincera do meu estado.

Depois disso, li algo nas palavras de Deus. “Pessoas que acreditam verdadeiramente em Deus cumprem seus deveres de bom grado, sem calcular seus ganhos e perdas. Não importa se você é alguém que realmente busca a verdade, você deve sempre depender da sua consciência e da sua razão e trabalhar arduamente de verdade quando cumpre o seu dever. O que significa trabalhar arduamente de verdade? Se você se satisfaz em fazer algum esforço simbólico e em sofrer um pouco de dificuldades físicas, mas não leva o seu dever a sério nem busca os princípios da verdade, isso nada mais é do que ser descuidado e superficialnão é fazer um esforço verdadeiro. A chave para fazer um esforço é investir o seu coração nisso, temer a Deus no seu coração, estar atento à vontade de Deus, ter medo de desobedecer a Deus e de ferir a Deus e sofrer qualquer adversidade, a fim de cumprir bem o seu dever e satisfazer a Deus: se você tiver um coração que ama a Deus dessa forma, você será capaz de cumprir adequadamente o seu dever. Se não houver temor de Deus no seu coração, você não terá nenhum fardo ao cumprir o seu dever, não se interessará por ele, e inevitavelmente será descuidado e superficial, e agirá sem se envolver, sem produzir qualquer efeito realo que não é cumprir um dever. Se você realmente tiver um senso de fardo e sentir que cumprir o seu dever é sua responsabilidade pessoal e que, se não o fizer, você não está apto a viver e é uma besta, que, só se você cumprir bem o seu dever, você é digno de ser chamado de ser humano, e consegue encarar a sua consciênciase você tiver esse senso de fardo ao cumprir o seu dever, você será capaz de fazer tudo conscienciosamente e será capaz de buscar a verdade e fazer as coisas de acordo com os princípios, e assim poderá cumprir corretamente o seu dever e satisfazer a Deus. Se você é digno da missão que Deus lhe deu e de tudo o que Deus sacrificou por você e de Suas expectativas em relação a você, então isso é verdadeiramente esforçar-se muito. Agora você entende? Se você simplesmente agir sem se envolver no desempenho do seu dever e não buscar alcançar resultados, você é um hipócrita, um lobo em pele de cordeiro. Você pode enganar as pessoas, mas não pode enganar a Deus. Se não houver custo real nem fidelidade ao cumprir o seu dever, ele não satisfará as normas. Se você não se dedica verdadeiramente à sua fé em Deus e ao desempenho do seu dever; se você sempre age sem se envolver e é superficial em suas ações, como um incrédulo trabalhando para o chefe; se você faz apenas um esforço simbólico, você não usa sua mente, você age superficialmente a cada dia, sem entusiasmo algum, não relatando problemas quando os vê, vendo algo derramado e sequer fazendo a limpeza, e indiscriminadamente descartando tudo que não seja para benefício próprioisso não é um problema? Como alguém assim pode ser membro da casa de Deus? Essas pessoas são incrédulas; elas não são da casa de Deus. Nenhuma delas é reconhecida por Deus. Se você está sendo verdadeiro e se você tem se dedicado quando cumpre seu dever, Deus registra tudo, e você também sabe muito bem. Então, vocês alguma vez se dedicaram verdadeiramente ao cumprimento do seu dever? Alguma vez o levaram a sério? Já o trataram como responsabilidade sua, obrigação sua? Já tomaram posse dele? Vocês devem refletir adequadamente e saber essas questões, o que facilitará tratar dos problemas que existem no cumprimento do seu dever e será benéfico para a sua entrada na vida. Se você é sempre irresponsável ao cumprir o seu dever e não relata problemas para os líderes e obreiros quando os descobre, e não busca a verdade para resolver os seus, sempre pensando ‘quanto menos problemas, melhor’, sempre vivendo segundo filosofias mundanas, sempre sendo descuidado e superficial ao cumprir o seu dever, nunca tendo devoção alguma e não aceitando a verdade quando é podado e tratadose você cumpre o seu dever desse jeito, você está em perigo; você é um dos servidores. Os servidores não são membros da casa de Deus, são empregados, funcionários contratados. Quando o trabalho termina, eles são expulsos e, naturalmente, serão lançados na catástrofe. […] O fato é que, em Seu coração, Deus deseja tratar vocês como membros de Sua família, mas vocês não aceitam a verdade e são sempre negligentes, superficiais e irresponsáveis no cumprimento dos seus deveres. Vocês não se arrependem, por mais que a verdade seja comungada com vocês. São vocês que se colocaram do lado de fora da casa de Deus. Deus deseja salvar vocês e torná-los membros da Sua família, mas vocês não aceitam isso. Então, vocês estão do lado de fora da Sua casa; vocês são incrédulos. Qualquer um que não aceita o mínimo da verdade só pode ser tratado como seria tratado um incrédulo. São vocês que estabeleceram seu desfecho e sua posição. Vocês os estabeleceram do lado de fora da casa de Deus. Quem além de vocês deve ser responsabilizado por isso?” (A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Para realizar bem o dever, deve-se, no mínimo, possuir uma consciência e razão”). Senti vergonha depois de ler as palavras de Deus. Deus diz que contentar-se com um pouco de sofrimento físico não conta como devoção em nosso dever. O importante é ter um fardo e um senso de responsabilidade genuínos em relação ao nosso dever, tratar cada coisa que fazemos como parte da nossa responsabilidade, investindo tudo que temos para que possamos obter bons resultados em nosso dever. Alguém com um fardo real não precisa de ninguém para motivá-lo, mas tem sua própria motivação interna. Quando termina suas tarefas diárias, ele reflete sobre o que não foi bem-feito e como ele pode melhorar. É assim que se deve considerar a vontade de Deus e ser digno de ser parte da casa de Deus. Mas os servidores não investem seu coração em seu dever. Eles se contentam com esforços superficiais, mas não têm um fardo em seu coração. Nunca refletem sobre como cumprir bem o seu dever e não sentem preocupação nem urgência quando problemas aparecem em seu trabalho. Dizem que estão cumprindo um dever, mas não estão pensando na vontade de Deus. São iguais aos incrédulos que trabalham e se despendem em troca de um salário. Esse tipo de pessoa não está cumprindo um dever, está prestando serviço. Isso não ganhará a aprovação de Deus. Quando considerei meu comportamento em relação ao meu dever, eu percebi que eu era igual a um servidor. Desde que tínhamos melhorado nossa produção de vídeos, eu estava preso num estado de complacência. Achava que, afinal de contas, estávamos nos mantendo ocupados, então, contanto que continuássemos do mesmo jeito e não cometêssemos erros graves, cumprir nosso dever desse jeito bastaria. Assim, quando vi que nossos vídeos não eram criativos e tinham o mesmo formato de antes, eu não me preocupei. Eu parecia estar gastando todo o meu tempo no meu dever, mas não tinha um fardo real no meu coração. Eu achava que, já que éramos um pouco mais eficientes do que antes, isso contava como progresso e sucesso no nosso dever. Comecei a ficar satisfeito comigo mesmo e fiquei preso numa rotina. Nunca refletia sobre o que poderíamos fazer a mais ou como melhorar os nossos resultados e se poderíamos acelerar nosso progresso e aumentar nossa eficiência um pouco. Além disso, eu não refletia sobre se eu seguia os princípios no meu dever ou se havia lapsos ou erros nele. Cumprir meu dever desse jeito era, em essência, prestar serviço. Li nas palavras de Deus que, quando as pessoas não são sinceras em seu dever, elas estão sendo superficiais e enganando a Deus. Quando olhei para o meu comportamento, vi que eu vinha enganando a Deus e que eu carecia de humanidade. Foi só após ser tratado que eu vi que ser tão desleixado e irresponsável em meu dever, tratá-lo como um servidor o trataria e ainda assim querer a aprovação de Deus era totalmente absurdo! Abordar meu dever desse jeito não só atrasava o trabalho da igreja, eu também não era capaz de progredir. Se isso continuasse por muito tempo, eu seria expulso. Refletir sobre isso foi angustiante para mim, então vim para diante de Deus em oração, pronto para me arrepender, para mudar essa mentalidade incorreta e fazer bem o meu trabalho. Enquanto refletia, eu descobri outra razão para esse fracasso. Eu era teimoso demais. Eu estava sendo guiado por minha vontade no meu dever, não estava buscando os princípios certos. Li isto nas palavras de Deus: “Um dever não é um assunto particular seu; você não o está fazendo nada para si mesmo, você não está administrando seu próprio negócio, não se trata de seu negócio pessoal. Na casa de Deus, seja o que for que você faça, você não está trabalhando em seu empreendimento próprio; é o trabalho da casa de Deus, é a obra de Deus. Você precisa manter constantemente esse saber e essa consciência em mente e dizer: ‘Esse não é um assunto meu; estou fazendo o meu dever e cumprindo a minha responsabilidade. Estou fazendo o trabalho da igreja. Essa é uma tarefa que Deus confiou a mim e a estou fazendo para Ele. Esse é meu dever, não um assunto particular meu.’ Essa é a primeira coisa que as pessoas deveriam entender. Se tratar um dever como se fosse seu assunto pessoal, e não buscar os princípios da verdade quando agir, e executá-lo de acordo com seus próprios motivos, opiniões e agenda, muito provavelmente, você cometerá erros(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Qual o desempenho adequado do dever?”). Vi nas palavras de Deus que cumprir um dever não é uma questão pessoal, mas uma comissão de Deus. O dever deve ser cumprido de acordo com as exigências de Deus e os princípios da verdade. Só assim ele está alinhado com a vontade de Deus. Se você trata seu dever como um assunto pessoal, fazendo o que quer, sem buscar a vontade de Deus nem buscar os princípios da verdade, isso não é cumprir seu dever. Não importa o quanto você pareça trabalhar, o quanto você sofra e se sacrifique, Deus não aprova. Percebi que era exatamente assim que eu cumpria meu dever. Eu parecia estar muito ocupado, mas sempre fazia as coisas como eu queria, de acordo com minhas preferências. Eu não estava seguindo os princípios. A casa de Deus nos instruiu repetidas vezes que, na produção de vídeos, devemos garantir eficiência e aumentar a qualidade. No início, eu concordei com isso, mas quando surgiram problemas, eu ignorei esses princípios e fiz as coisas do jeito que eu queria. Quando minha irmã apontou que nossa produção tinha diminuído e que estávamos usando o mesmo formato de sempre, eu não dei atenção. Mesmo quando fui tratado, eu não achei que estava errado; eu me senti injustiçado. Eu estava tão entorpecido e rígido, e não me conhecia nem um pouco. Eu me contentava em saber o que a casa de Deus exige em teoria, mas, ao colocá-lo em prática, eu violei esses princípios e fiz as coisas do meu jeito, impedindo assim o trabalho de vídeos. Foi quando percebi que eu tinha um problema sério. A crítica da líder só pretendia defender o trabalho da igreja e considerar a vontade de Deus. Eu merecia essa crítica. Era porque eu estava tratando meu dever levianamente, fazendo o que eu queria e violando os princípios. A líder me criticou para que eu visse meus erros e cumprisse meu dever de acordo com os princípios dali em diante. Quando percebi isso, entendi que o fato de ser tratado eram, na verdade, o amor e a proteção de Deus.

Depois disso, descobri uma senda de prática nas palavras de Deus. Deus Todo-Poderoso diz: “Hoje, há aqueles que começaram a ser assíduos no cumprimento do seu dever, começaram a pensar em como cumprir devidamente o dever de um ser criado a fim de satisfazer o coração de Deus. Eles não são negativos nem preguiçosos, não esperam passivamente que o alto emita ordens, mas tomam iniciativa. A julgar pelo seu desempenho do dever, vocês são um pouco mais eficazes do que antes, e embora ainda estejam abaixo do padrão, tem havido um pouco de crescimentoo que é bom. Mas vocês não devem ficar satisfeitos com o status quo, devem continuar buscando, continuar crescendosó então desempenharão melhor o seu dever e alcançarão um padrão aceitável. Mas quando algumas pessoas cumprem o seu dever, elas nunca fazem o máximo que podem nem dão tudo de si, só dão entre 50 e 60% de seu esforço e se viram com o que têm até terminar aquilo que estiverem fazendo. Elas nunca conseguem manter um estado de normalidade: quando não há ninguém que fique de olho nelas ou lhes ofereça apoio, elas trabalham menos e perdem o ânimo; quando há alguém que comunga sobre a verdade, elas se animam, mas se a verdade não lhes é comunicada durante algum tempo, elas ficam indiferentes. Qual é o problema quando elas sempre vão e vêm desse jeito? É assim que as pessoas são quando não ganharam a verdade, todas elas vivem segundo a paixãouma paixão que é incrivelmente difícil de manter: elas têm de ter alguém que lhes pregue e que comungue com elas todos os dias; quando não há ninguém que as regue e proveja para elas e ninguém que as apoie, seu coração volta a esfriar, elas voltam a relaxar. E quando o seu coração relaxa, elas se tornam menos eficazes no seu dever; se trabalham mais, a eficácia aumenta, o desempenho do seu dever se torna mais produtivo, e elas ganham mais. […] Na verdade, tudo que Deus exige das pessoas é alcançável pelas pessoas; desde que empenhem sua consciência e sejam capazes de seguir a sua consciência no cumprimento do seu dever, é fácil aceitar a verdadee se conseguirem aceitar a verdade, vocês poderão cumprir o seu dever adequadamente. Vocês devem pensar desta forma: ‘Acreditando em Deus durante esses anos, comendo e bebendo as palavras de Deus durante esses anos, eu ganhei muito, e Deus me concedeu grandes graças e bênçãos. Vivo nas mãos de Deus, vivo sob o poder de Deus, sob o Seu domínio, e Ele me deu este fôlego, por isso deveria empenhar a minha mente e me esforçar para cumprir o meu dever com todas as minhas forçasé isso que é essencial’. As pessoas devem ter uma vontade; somente aquelas que têm uma vontade podem verdadeiramente buscar a verdade, e só depois de terem entendido a verdade elas podem cumprir devidamente o seu dever, e satisfazer a Deus, e trazer vergonha para Satanás. Se você tiver esse tipo de sinceridade e não planejar para o seu próprio bem, mas apenas para ganhar a verdade e cumprir corretamente o seu dever, o desempenho do seu dever se tornará normal, e permanecerá sempre constante; quaisquer que sejam as circunstâncias que encontre, você será capaz de persistir no desempenho do seu dever. Não importa quem ou o que possa vir para enganar ou perturbar você, não importa se o seu humor for bom ou ruim, você ainda será capaz de cumprir o seu dever normalmente. Dessa forma, Deus não precisa se preocupar com você, e o Espírito Santo poderá iluminá-lo no entendimento dos princípios da verdade e guiá-lo na entrada na realidade da verdade, e, como resultado, o desempenho do seu dever certamente estará à altura dos padrões. Contanto que você se despenda sinceramente por Deus, cumpra o seu dever com os pés no chão e não aja de modo escorregadio ou trapaceie, você passará na inspeção por Deus. Deus observa a mente, os pensamentos e os motivos das pessoas. Se seu coração ansiar pela verdade e você conseguir buscar a verdade, Deus iluminará e esclarecerá você. Em qualquer assunto, Deus esclarecerá você, contanto que você busque a verdade. Ele fará com que seu coração se abra para a luz e lhe permitirá uma senda de prática, e então o desempenho do seu dever dará fruto. O esclarecimento de Deus é a Sua graça e a Sua bênção(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Na crença em Deus, o crucial é praticar e experimentar Suas palavras”). As palavras de Deus me mostraram que, no mínimo, as pessoas deveriam confiar em sua consciência em seu dever e, quando encontrassem um problema, deveriam buscar a vontade de Deus e os princípios, investindo tudo em seguir as exigências das palavras de Deus para que ganhassem a orientação de Deus e alcançassem bons resultados em seu dever. Ter a chance de supervisionar o trabalho de vídeos era a graça de Deus. Eu deveria ter feito o máximo pelo meu dever e continuado avançando com nosso progresso e resultados. Eu não deveria ter afrouxado no meu trabalho nem sido negligente. Quando percebi isso, vim para diante de Deus e orei: “Ó Deus, vi que, em meu dever, eu tendo a só seguir uma rotina e não buscar progresso. Por favor, guia-me para que, por mais dificuldades que eu enfrente, eu tente fazer o meu melhor no meu dever. Se eu voltar a atrasar o progresso do trabalho, por favor, disciplina-me”. Depois disso, os irmãos e eu discutimos as maneiras em que tínhamos ficado para trás em nosso dever e desenvolvemos um plano para cada um dos vídeos. Também tentamos desenvolver ideias boas para a produção. Com a cooperação de todos, a nossa produção de vídeos se tornou perceptivelmente mais bem-sucedida, e nós diversificamos nossos estilos. Eu agradeci a Deus por esse desfecho. Além de ficar feliz, eu também senti culpa e repreensão por causa da minha atitude anterior em relação ao meu dever. Só então percebi como, em comparação, meu desleixo anterior tinha sido sério. Eu não tinha pressa, enrolava, só tentava sobreviver ao dia, mas acreditava que era devoto. Eu não conhecia a mim mesmo. Se eu não tivesse sido tratado daquela vez, mas tivesse continuado a cumprir meu dever com essa atitude casual e complacente, quem sabe quanto eu teria atrasado nosso trabalho. Senti no fundo do meu coração que a crítica da líder tinha vindo na hora certa. Numa reunião posterior, li isto nas palavras de Deus: “A atitude de Noé para com a ordem do Criador foi de obediência. Ele não agiu despreocupadamente, e não havia resistência alguma em seu coração, nem havia indiferença. Ao contrário, ele tentou com diligência entender a vontade do Criador, registrando cada detalhe. Quando compreendeu a vontade urgente de Deus, ele decidiu apressar o passo para completar o que Deus tinha confiado a ele com toda a rapidez. O que isso significava, ‘com toda a rapidez’? Significava completar, no menor tempo possível, um trabalho manual que, antes, teria levado um mês, terminá-lo talvez três ou cinco dias antes do prazo, sem, de modo algum, ficar embromando e sem a mínima procrastinação, mas tocar todo o projeto adiante da melhor forma possível. Naturalmente, ao executar cada trabalho, ele fazia o possível para minimizar perdas e erros e não fazer nenhum trabalho de modo que tivesse que ser repetido; ele também tinha completado cada tarefa e procedimento dentro do prazo e o tinha feito bem, garantindo sua qualidade. Essa era uma manifestação verdadeira de não embromar. Então, qual foi o prerrequisito para que ele fosse capaz de não embromar? (Ele tinha ouvido a ordem de Deus.) Sim, esse foi o prerrequisito e o contexto para não o fazer. Agora, por que Noé foi capaz de não embromar? Algumas pessoas dizem que Noé possuía obediência verdadeira. O que, então, ele possuía que lhe permitiu alcançar tal obediência verdadeira? (Ele estava atento à vontade de Deus.) Correto! É isso que significa ter coração! Pessoas com coração são capazes de estar atentas à vontade de Deus; pessoas sem coração são cascas vazias, são palhaços, não sabem estar atentas à vontade de Deus: ‘Não me importa quão urgente isso seja para Deus, eu farei o que quiserem todo caso, não estou sendo ocioso nem preguiçoso’. Esse tipo de atitude, esse tipo de negatividade, a falta total de proatividadeessa não é uma pessoa atenta à vontade de Deus nem entende como estar atenta à vontade de Deus. Nesse caso, ela possui fé verdadeira? Definitivamente não. Noé estava atento à vontade de Deus, ele tinha fé verdadeira e, assim, foi capaz de completar a comissão de Deus. E assim, não basta simplesmente aceitar a comissão de Deus e estar disposto a fazer algum esforço. Você deve estar atento à vontade de Deus, dar tudo de si e ser devotoo que exige que as pessoas tenham senso e consciência; é o que as pessoas têm a obrigação de ter, e é o que se encontrava em Noé(A Palavra, vol. 4: Expondo os anticristos, “Excurso Três: Como Noé e Abraão ouviram as palavras de Deus e Lhe obedeceram (parte 2)”). Também fiquei comovido quando li essa passagem das palavras de Deus. Noé ouviu Deus, entendeu Sua vontade e não negligenciou a comissão Dele. Vi que Noé queria considerar a vontade de Deus, e quando Deus ordenou que ele construísse a arca, ele sentiu a urgência da vontade de Deus e avançou naquilo que Deus considerava ser o mais urgente. Em cada tarefa, ele fez de tudo em seu poder para evitar atrasos, fazendo de tudo que podia para avançar. E em tudo que fazia, ele se esforçava para minimizar erros e perdas. A atitude de Noé em relação ao seu dever mostrava uma consideração genuína pela vontade de Deus. A experiência de Noé me motivou muito. Também me ajudou a entender a vontade de Deus e me deu uma senda de prática. Eu devia ser igual a Noé e considerar o fardo de Deus, fazer uma lista com todos os detalhes no meu trabalho, organizá-los apropriadamente e fazer de tudo para cumprir bem cada tarefa. Quando enfrentava dificuldades em meu trabalho, eu tinha a fé para passar por elas e não ficar preso nelas, acreditando que, com Deus, nada é impossível. Então eu orava e clamava a Deus, pedindo que Ele me desse um fardo maior e me guiasse para cumprir bem o meu dever. Depois disso, fazíamos análises frequentes do nosso trabalho, corrigíamos rapidamente quaisquer erros e lapsos e cooperávamos no nosso dever. Então nossa eficiência melhorou bastante.

Uma vez, tínhamos que trabalhar num tipo de projeto com o qual não estávamos familiarizados e precisávamos realizá-lo em pouco tempo. Fiquei um pouco nervoso. Eu não sabia se conseguiríamos, dessa vez. Eu não disse nada, mas, por dentro, eu estava apreensivo. Percebi que eu estava novamente considerando meus interesses carnais, por isso, fiz uma oração: “Deus, meu trabalho costumava ser tão negligente. Eu não era devoto ao meu dever e atrasava o progresso do nosso trabalho. Agora que nosso trabalho exige que eu sofra e pague um preço, não posso pensar em meu conforto de novo. Por favor, dá-me a determinação para sofrer e fazer bem esse trabalho”. Fiquei bem mais calmo depois da oração. Eu estava pronto para mudar minha atitude e cumprir bem o meu dever. Depois disso, adquiri as habilidades necessárias com os outros, discutimos o projeto e mantivemos a produção dentro do prazo estabelecido. Por fim, completamos o vídeo. Lembrando-me de todas essas experiências, vi que, muitas vezes, eu tinha sido superficial e escorregadio em meu dever. Eu sofri um pouco no meu dever naquele tempo, mas estava em paz e me sentia ótimo. Na nossa reunião de fim de mês, todos comungaram seus ganhos e experiências recentes. Todos sentiram que, se não tivessem sido tratados, e sem a revelação das palavras de Deus, nós não teríamos visto nossas falhas e corrupção, e não teríamos feito nenhum progresso por mais que tivéssemos trabalhado. É muito benéfico para nós, tanto no nosso dever como para a nossa entrada na vida.

Todos os dias temos 24 horas e 1440 minutos. Você está disposto a dedicar 10 minutos para estudar o caminho de Deus? Você está convidado a se juntar ao nosso grupo de estudo.👇

Conteúdo relacionado

Leave a Reply

Conecte-se conosco no Whatsapp