Conhecendo a mim mesma por meio do julgamento

01 de Agosto de 2022

Por Song Yu, Holanda

Se o homem desejar ser purificado em sua vida e obter mudanças em seu caráter, se desejar viver uma vida com sentido e cumprir seu dever como criatura, ele precisará aceitar o castigo e o julgamento de Deus e não poderá permitir que a disciplina de Deus e os golpes de Deus se afastem dele, para que ele possa se livrar da manipulação e influência de Satanás e viver na luz de Deus. Saiba que o castigo e o julgamento de Deus são a luz, a luz da salvação do homem, e que não há maior bênção, graça ou proteção para ele.

Extraído de ‘O castigo e julgamento de Deus são a luz da salvação do homem’ em “Seguir o Cordeiro e cantar cânticos novos”

Sempre que canto esse hino, lembro-me de uma experiência que tive quando era nova na fé. Na época, as palavras de Deus “O castigo e o julgamento de Deus são a luz, a luz da salvação do homem, e não há maior bênção, graça ou proteção para ele” não estavam totalmente claras para mim. Eu achava que passar por julgamento e castigo devia ser muito doloroso. Por que, então, Deus dizia que eram proteção e bênção para a humanidade? Tempos depois, experimentei o julgamento das palavras de Deus e fui podada e tratada e vim a entender isso pessoalmente, e senti como as palavras de Deus são práticas.

Foi no final de junho de 2015. Fui eleita como pregadora para servir a cinco igrejas diferentes. No início, eu estava nervosa quando me reunia com os líderes e diáconos dessas igrejas, pois temia que meu entendimento da verdade fosse superficial demais e que eu não conseguiria ajudá-los. Então, tentei me preparar antes de cada reunião, considerando com um fardo verdadeiro as palavras de Deus a serem discutidas. Depois de comungar sobre as palavras de Deus, eu perguntava que dificuldades eles tinham. Eu temia que eles levantassem problemas que eu não tinha experimentado e que não saberia abordar, por isso eu orava, pedindo que Deus me guiasse a ser uma pessoa honesta e a só comungar o que eu entendia. Quando não entendia, eu era sincera com todos que não tinha percepção daquilo, e, mais tarde, eu orava e buscava mais. Depois de praticar assim por um tempo, aos poucos entendi alguns princípios do trabalho da igreja e aprendi mais sobre o trabalho. Estava mais motivada do que no início e trabalhava até tarde. As reuniões com os líderes de igreja não me intimidavam mais e eu tinha algumas ideias para resolver os problemas. Às vezes, quando ouvia os irmãos dizerem que eu era tão nova, que eu acreditava havia pouco tempo, mas tinha muita fé e podia sofrer e pagar um preço, que eu buscava a verdade, eu ficava muito satisfeita comigo mesma. Logo depois, organizei algumas eleições da igreja. Todos os líderes e obreiros das igrejas pelas quais eu era responsável foram escolhidos, um após o outro. Quando vi esse resultado, achei que eu tinha me saído bem no trabalho, por isso não era surpresa ter sido escolhida como pregadora! Era porque meu calibre era bom e eu era uma pessoa talentosa na igreja.

Então, no final de agosto de 2015, quando eu achava que estava fazendo um bom trabalho no meu dever, uma líder superior me disse que, por ser jovem, eu não era madura em minha humanidade e carecia de experiência de vida, eu não conseguia resolver os problemas reais dos irmãos, por isso, com base nos princípios, eu não estava apta para servir como pregadora e que devia ser treinada como líder de igreja. Eu não ousei dizer nada na hora, mas fiquei devastada. Achei que, embora minha experiência de vida fosse limitada, eu tinha progredido rapidamente desde que me tornara pregadora e que tinha aprendido muitos princípios do trabalho da igreja. Eu também tinha organizado sozinha algumas eleições, e os outros diziam que eu buscava a verdade. Achei que esse ajuste no meu dever não era justo. Além disso, meu entendimento e calibre não eram ruins, e dentre todos meus colegas, eu era a mais rápida em reagir e aprender, portanto, meu potencial para uma promoção devia ser o maior. E também, dentre vários pregadores, eu era a única sem laços familiares. Eu acreditava de todo coração e era capaz de sofrer e de pagar um preço em meu dever, por que, então, eu estava sendo transferida?

Por vários dias, eu só conseguia pensar nisso e não conseguia encontrar paz interior. Vim para diante de Deus e orei: “Deus, eu fui transferida do meu dever. Qual é a lição que devo aprender aqui? Não consigo ver meu problema. Por favor, guia-me”. Depois disso, li esta passagem das palavras de Deus: “Em face de problemas da vida real, como você deveria conhecer e entender a autoridade de Deus e Sua soberania? Quando enfrenta esses problemas e não sabe entender, manejar e vivenciá-los, que atitude você deveria adotar para mostrar sua intenção, seu desejo e sua realidade de submeter-se à soberania e aos arranjos de Deus? Primeiro, você deve aprender a esperar; depois, você deve aprender a buscar; em seguida, você deve aprender a submeter-se. ‘Esperar’ significa esperar o tempo de Deus, aguardar as pessoas, os eventos e as coisas que Ele arranjou para você, esperando que Sua vontade paulatinamente se revele a você. ‘Buscar’ significa observar e compreender as intenções ponderadas de Deus para você, por meio das pessoas, dos eventos e das coisas que Ele dispôs, entender a verdade por meio deles, compreender o que os seres humanos devem realizar e os caminhos em que eles devem se manter, compreender quais resultados Deus pretende alcançar nos humanos e quais realizações Ele pretende atingir neles. ‘Submeter-se’, claro, refere-se a aceitar as pessoas, os eventos e as coisas que Deus orquestrou, aceitar Sua soberania e, mediante ela, vir a saber como o Criador dita o destino do homem, como Ele provê ao homem a Sua vida, como Ele trabalha a verdade no homem” (‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”). Também percebi que meu dever tinha sido mudado, e embora não entendesse a vontade de Deus nem soubesse que lição eu deveria aprender, eu deveria, pelo menos, ter uma atitude de submissão e esperar e buscar a vontade de Deus. Permanecer desapontada o tempo todo não era dificultar as coisas para os outros, mas revoltar-me contra Deus. Mais tarde, orei a Deus disposta a me submeter e a dar o meu melhor como líder de igreja.

Então, vários meses depois, minha parceira, a irmã Xu, me disse que as igrejas estavam elegendo um pregador e que ela soube que a líder superior tinha escolhido os candidatos. Quando ouvi isso, não consegui me acalmar. Respondi imediatamente: “O quê? Ela escolheu os candidatos? Os princípios para as eleições afirmam que ninguém pode nomear candidatos e que isso é o tipo de coisa que Satanás, o grande dragão vermelho, faz. Fazer isso viola os princípios”. Minha parceira se apressou a responder: “Isso é algo que ouvi, mas não sei se é verdade. Não espalhe isso por aí”. Quando ela disse isso, concordei da boca pra fora, mas, por dentro, fiquei pensando nisso. Onde há fumaça há fogo, então, se a líder superior não tivesse feito isso, por que alguém inventaria algo assim? Ela devia ter feito isso e sido descoberta, e era por isso que as pessoas estavam falando sobre isso. Eu havia sido pregadora e ela me transferiu daquela posição, e agora estava nomeando os candidatos. Ela estava agindo sem princípios. Assim, mencionei isso à líder de outra igreja, a irmã Lin. Pouco tempo depois, a irmã Lin me disse que tinha alcançado um entendimento do problema numa reunião de obreiros. A líder superior tinha escolhido pessoas para a eleição dentre os líderes de igreja um pouco melhores. Isso não era nomear candidatos. A líder superior também disse que, ao espalhar esse boato, eu estava interrompendo o trabalho da igreja. Eu me senti injustiçada quando ouvi isso e achei que eu não tinha esse tipo de motivo. Eu só contei brevemente à irmã Lin o que eu sabia. Como eu poderia mostrar meu rosto após a líder superior dizer que eu tinha motivos e me dissecar na frente de todos? Me sentia mais injustiçada quanto mais pensava nisso e não consegui conter as lágrimas. Fiquei orando a Deus sem parar, pedindo que Ele me guiasse a aprender uma lição. Eu estava muito deprimida e me senti péssima por alguns dias e não tinha energia em nada que fazia. Então, numa reunião, li uma passagem das palavras de Deus em “Um alerta para aqueles que não praticam a verdade”, que me deu algum entendimento de mim mesma. As palavras de Deus dizem: “Aqueles entre os irmãos e irmãs que estão sempre dando vazão à sua negatividade são lacaios de Satanás e perturbam a igreja. Tais pessoas devem um dia ser expulsas e eliminadas. Se, em sua fé em Deus, as pessoas não tiverem um coração de reverência a Deus, se não tiverem um coração de obediência a Deus, então não só serão incapazes de fazer qualquer obra para Ele, mas, ao contrário, se tornarão aquelas que perturbam Sua obra e que O desafiam. […] Pessoas que genuinamente creem em Deus sempre O têm em seu coração e sempre levam dentro de si um coração reverente a Deus, um coração que ama Deus. Aqueles que creem em Deus deveriam fazer as coisas de modo prudente e cauteloso e tudo que fazem deveria ser de acordo com as exigências de Deus e capaz de satisfazer Seu coração. Eles não deveriam ser teimosos, fazendo o que bem lhes agrada; isso não convém à santa decência. As pessoas não precisam correr de maneira descontrolada, agitando a bandeira de Deus por toda parte enquanto se gabam e trapaceiam em todo lugar; esse é o tipo de conduta mais rebelde. As famílias têm suas regras, e as nações têm suas leis — e não é assim mais ainda na casa de Deus? Os padrões não são ainda mais rigorosos? Não há ainda mais decretos administrativos? As pessoas são livres para fazer o que quiserem, mas os decretos administrativos de Deus não podem ser alterados à vontade. Deus é um Deus que não tolera ofensa dos humanos; Ele é um Deus que mata as pessoas. As pessoas realmente ainda não sabem disso?” (A Palavra manifesta em carne). As palavras de Deus “lacaios de Satanás” e “perturbam a igreja” eram pungentes e me assustaram muito. Com base nas palavras de Deus, dizer à irmã Lin que a líder superior estava nomeando candidatos sem uma compreensão plena da situação era sair por aí espalhando e semeando discórdia. A irmã Xu me alertou que ela só tinha ouvido aquilo e não sabia se era verdade, mas eu dei meia-volta e fui contar à irmã Lin. Eu queria que mais pessoas achassem que a líder superior não estava seguindo os princípios, que, em algo tão importante como uma eleição, ela estava nomeando candidatos e fazendo coisas secretamente, e assim desenvolvessem preconceito contra ela. Fazer isso era basicamente minar a líder superior, agir como ajudante de Satanás e interromper o trabalho da igreja. Mais tarde, li outra passagem das palavras de Deus: “Aqueles que pertencem a Satanás serão devolvidos a Satanás, enquanto aqueles que pertencem a Deus certamente irão em busca da verdade; isso é decidido pela natureza deles. Que todos aqueles que seguem Satanás pereçam! Nenhuma piedade será mostrada a tais pessoas. Que todos os que buscam a verdade sejam providos e possam ter prazer na palavra de Deus para o contentamento de seu coração. Deus é justo; Ele não mostraria favoritismo a ninguém. Se você for um diabo, então será incapaz de praticar a verdade; se você for alguém que busca a verdade, então é certo que não será levado cativo por Satanás. Isso está além de qualquer dúvida” (‘Um alerta para aqueles que não praticam a verdade’ em “A Palavra manifesta em carne”). Ao ler as palavras de Deus: “Que todos aqueles que seguem Satanás pereçam!”. comecei a tremer de medo. Se eu não me arrependesse, mas seguisse agindo de acordo com meus caprichos, agindo como assistente de Satanás, eu acabaria sendo exposta e expulsa por Deus. E eu ponderei sobre isto: “Aqueles que pertencem a Satanás serão devolvidos a Satanás, enquanto aqueles que pertencem a Deus certamente irão em busca da verdade”. Se eu conseguisse buscar a verdade para abordar minhas transgressões e conhecer a mim mesma, eu não poderia ganhar a misericórdia de Deus? Então perguntei a mim mesma por que eu tivera uma reação tão forte quando a irmã Xu me contou que a líder superior tinha nomeado candidatos. Alguns meses antes, quando meu dever foi alterado, fiquei muito infeliz e desenvolvi um preconceito forte contra a líder superior. Então, quando alguém disse que a líder superior estava nomeando candidatos, achei que ela não estava fazendo as coisas de acordo com os princípios, então contei isso à irmã Lin, querendo que ela ficasse do meu lado e também desenvolvesse um preconceito contra a líder superior. Eu estava julgando a líder superior, e havia também um elemento de vingança. Era um motivo tão desprezível e cruel! Fui tomada de remorso quando vi esse meu lado feio. Se a líder superior não tivesse dissecado a essência das minhas ações para que todos vissem meus motivos reais, uma vez que a notícia falsa tivesse se espalhado aos irmãos, eles teriam desenvolvido um preconceito contra a líder superior e não teriam mais cooperado bem com ela. Isso teria impactado o trabalho da igreja. Depois daquilo, vim correndo para diante de Deus para orar e me arrepender. Eu disse: “Deus, agi como assistente de Satanás, interrompi e perturbei o trabalho da casa de Deus. Não quero continuar falando e agindo a partir da corrupção. Quero entender minhas transgressões e ações malignas e me arrepender de verdade. Por favor, guia-me”.

Naquele tempo todo, fiquei orando e buscando diante de Deus. Por que eu resisti tanto à mudança do meu dever, a ponto de até trabalhar para Satanás, criando dissenso entre os irmãos e julgando a líder superior? Um dia, em meus devocionais, li estas palavras de Deus: “Aqueles que se mantêm em alta estima na presença de Deus são os mais abjetos dos homens, enquanto aqueles que se acham humildes são os mais honrados. E aqueles que pensam que conhecem a obra de Deus e que, além disso, são capazes de proclamar a obra de Deus aos outros com grande alarde, mesmo enquanto olham diretamente para Deus — esses são os homens mais ignorantes. Tais pessoas não têm o testemunho de Deus e são os arrogantes e cheias de presunção” (‘Todos os que não conhecem a Deus são pessoas que se opõem a Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”). “Exorto todos vocês a não se considerem mais importantes do que o ouro. Se outros podem aceitar o julgamento de Deus, então por que você não pode? Quanto você está acima dos outros? Se outros podem abaixar a cabeça diante da verdade, por que você também não pode fazê-lo?” (‘Cristo realiza a obra do julgamento com a verdade’ em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras de julgamento e revelação de Deus foram direto ao meu coração. Eu era essa pessoa arrogante e presunçosa. Eu tinha servido como pregadora e aprendido alguns princípios, por isso achava que tinha calibre bom e aprendia rápido, que era talentosa na igreja e devia ser cultivada. Quando ouvi os irmãos me elogiarem por ser capaz de sofrer, pagar um preço no meu dever e buscar a verdade apesar de tão jovem, eu me envaideci. Dei a mim mesma o rótulo de buscadora da verdade. A líder superior comungou sobre os princípios comigo e disse que, na época, minha situação me tornava inapta a servir como pregadora, mas não consegui aceitar isso. Até achei que, com a alteração do meu dever, a líder superior estava dificultando as coisas para mim, que ela não seguia os princípios. Eu me admirava demais, me achava incrível, longe de ver minha verdadeira essência. Estava totalmente convencida de que eu era apta a ser pregadora, mas, na verdade, eu não era crente havia muito tempo e não tinha muita experiência real. Confrontada com alguns problemas práticos, por exemplo, com líderes que não colaboravam bem, eu não tinha a experiência prática para ajudá-los. Dois meses depois da mudança do meu dever, eu continuava infeliz e ainda não conseguia aceitar. Até julgava secretamente as ações da líder superior como contrárias aos princípios. Eu era arrogante além da razão. Eu não conseguia resolver problemas reais com a verdade e não sabia como vivenciar a obra de Deus. Eu também não me submetia nem aprendia lições quando enfrentava problemas. Só essas coisas bastavam para mostrar que eu não tinha muita experiência prática, que não entendia a verdade e não tinha conhecimento da corrupção que revelava. Como eu poderia resolver os problemas reais naquelas igrejas? Quando a líder superior mudou meu dever, ela disse que eu não tinha experiência de vida e não podia resolver problemas reais. Sem a realidade para revelar isso, eu nunca teria visto quão arrogante eu era.

Então li esta passagem nas palavras de Deus: “Hoje, Deus os julga, castiga e condena, mas saiba que o sentido da sua condenação é para que você possa se conhecer. Ele condena, amaldiçoa, julga, castiga para que você se conheça, para que seu caráter possa mudar e, além disso, para que você possa conhecer seu valor e ver que todas as ações de Deus são justas e de acordo com Seu caráter e as necessidades de Sua obra, que Ele opera de acordo com Seu plano para a salvação do homem, e que Ele é o Deus justo que ama, salva, julga e castiga o homem” (‘Vocês deveriam pôr de lado as bênçãos do status e entender a vontade de Deus de trazer a salvação ao homem’ em “A Palavra manifesta em carne”). A leitura das palavras de Deus me comoveu muito. A mudança no meu dever eram o amor e a proteção de Deus para mim. Se isso não tivesse acontecido, eu ainda não saberia quão arrogante eu sou. A exposição pela líder superior e o duro julgamento e revelação de Deus me deixaram atormentada, mas me ajudaram a ver minha arrogância, minha falta de reverência por Deus, que eu estava agindo como assistente de Satanás em prol de meu status e benefício e que estava interrompendo o trabalho da igreja. Deus impediu meu proceder maligno a tempo, permitindo que eu aprendesse algo sobre mim mesma.

Depois disso, dei meu melhor como líder de igreja. Minha parceira, a irmã Xu, estava cuidando da família dela além de cumprir seu dever. Eu não tinha essas responsabilidades domésticas, por isso dispunha de mais tempo. Quando os irmãos tinham dificuldades, eu comungava e resolvia as coisas mais frequentemente. No início, fui compreensiva e tolerante com a irmã Xu, mas, depois de um tempo, comecei a achar que me empenhava mais do que ela. Às vezes, eu via que, quando coisas aconteciam na família dela, ela não acompanhava nem lidava com os assuntos da igreja imediatamente, por isso senti algum desdém por ela. Achava que ela tinha um afeto excessivo pela família e que, ao longo do tempo, isso atrasaria o trabalho da igreja. Às vezes, eu comungava com a irmã Xu, mas quando a via um pouco atribulada, eu assumia um tom de desdém e desprezo em relação a ela. A irmã Xu se sentia constrangida por mim, temendo que, se cometesse algum erro, eu seria difícil com ela. Já que eu não tinha muito entendimento do meu caráter arrogante, meus velhos problemas começaram a aparecer de novo.

Tempos depois, a irmã Xu se tornou candidata a pregadora e foi eleita. Foi difícil aceitar isso quando descobri. Fiquei pensando que eu não podia ser candidata só porque era jovem, mas como eu não estava à altura da irmã Xu? Meu calibre era melhor, eu tinha mais energia em meu dever e não estava presa à família. Além disso, eu tinha sido podada e tratada recentemente, tinha falhado e sido exposta e tinha ganho algum entendimento de mim mesma. Eu ainda exibia alguma arrogância, mas já tinha mudado bastante. Agora, a irmã Xu tinha sido eleita como pregadora, era responsável pelo trabalho de várias igrejas, mas eu só era responsável por uma igreja. Isso significava que me faltava algo? Eu era tão nova. Permanecer naquela igreja como líder não era um desperdício do meu talento? Com meu calibre, eu só podia mesmo assumir uma igreja? Eu não podia exercer um papel importante na casa de Deus? Por que a líder superior não via meu progresso e mudança? Uma pregadora, a irmã Zhang, também me podou e lidou comigo nas reuniões várias vezes seguidas. Ela disse: “Em minhas interações com você, eu achava que tivesse uma ótima humanidade. Fico surpresa ao ver como você é arrogante e egocêntrica. Com pouco calibre, você menospreza os outros e os constrange a cada passo. Está sempre de cara feia. Agora vejo que você não tem boa humanidade”. Fiquei devastada quando ela disse isso. Por que ela tinha que falar sobre meus problemas em cada reunião? Por que estava sendo tão dura comigo? Eu só tinha revelado um pouco de corrupção, tinha sido um pouco arrogante, mas era necessário falar comigo daquele jeito? Quando não conseguia suportar, eu corria para o banheiro para chorar em segredo. Era como se tivessem enfiado uma faca no meu coração. Eu clamava a Deus em oração todos os dias, pedindo que Ele me guiasse a aprender uma lição.

Naquele tempo, li muitas palavras de julgamento e revelação de Deus. Uma dessas passagens deixou uma impressão profunda em mim. As palavras de Deus dizem: “Seria melhor que vocês dedicassem mais esforços à verdade do conhecimento próprio. Por que vocês não encontraram favor com Deus? Por que para Ele o caráter de vocês é abominável? Por que o discurso de vocês desperta Sua aversão? Assim que demonstram um pouco de lealdade, vocês cantam os próprios louvores e exigem uma recompensa por uma pequena contribuição; vocês menosprezam os outros enquanto mostram uma módica obediência, e se tornam desdenhosos de Deus ao realizarem alguma tarefa insignificante. Por terem recebido a Deus, vocês pedem dinheiro, dons e elogios. Seu coração dói quando você doa uma moeda ou duas; e quando doa dez, você almeja bênçãos e ser tratado com distinção. Uma humanidade como a de vocês é positivamente ofensiva de se falar ou ouvir falar. Existe alguma coisa louvável em suas palavras e ações? Aqueles que cumprem o seu dever e aqueles que não o cumprem; aqueles que lideram e aqueles que seguem; aqueles que recebem Deus e aqueles que não O recebem; aqueles que doam e aqueles que não doam; aqueles que pregam e aqueles que recebem a palavra, e assim por diante: todos esses homens louvam a si mesmos. Vocês não acham isso ridículo? Sabendo muito bem que acreditam em Deus, vocês, no entanto, não podem ser compatíveis com Deus. Sabendo muito bem que estão totalmente sem mérito, vocês insistem em se vangloriar mesmo assim. Vocês não percebem que sua sensatez se deteriorou a ponto de não terem mais autocontrole? Com tal sensatez, como podem estar aptos para a associação com Deus? Nessa conjuntura, vocês não temem por si mesmos? O caráter de vocês já se deteriorou a ponto de serem incapazes de compatibilidade com Deus. Sendo assim, a fé de vocês não é ridícula? A fé de vocês não é absurda? Como você vai lidar com seu futuro? Como você vai escolher qual senda tomar?” (‘Aqueles que são incompatíveis com Cristo certamente são oponentes de Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras de Deus revelaram perfeitamente o meu estado. Após aprender alguns princípios no meu dever, achei que eu tivesse ótimo calibre, que eu era talentosa. Quando fazia alguns sacrifícios e pagava algum preço, eu me promovia e achava que buscava a verdade. Quando a irmã Xu e eu éramos parceiros no nosso dever, eu trabalhava um pouquinho mais e achava que buscava mais do que ela, que eu era melhor. Quando vi a irmã Xu impedida por assuntos familiares, não fui compreensiva com ela, mas a desvalorizei e menosprezei e tendia a olhar feio para ela. Eu não tinha nenhum amor por ela, mas sempre a inibia. Isso revelava um caráter arrogante, e eu era repugnante para Deus. Embora a irmã Xu tivesse problemas com a família, ela tinha humanidade boa e era sólida em seu dever. A comunhão dela era muito prática e ela conseguia resolver as dificuldades dos outros. Por exemplo, durante as estações corridas na agricultura, algumas pessoas se atrasavam ou não participavam das reuniões. Eu comungava com elas que a época era crítica para buscar a verdade, que elas não ganhavam nada estando sempre ocupados com afazeres carnais e que só um tolo se arruinaria com sua ganância por conforto. Eu comungava todos esses clichês vazios e todos me davam a entender que concordavam, mas depois continuavam ocupados com seu trabalho e continuavam se atrasando para as reuniões. Mas a irmã Xu tinha compromissos familiares, por isso entendia as dificuldades deles no dia a dia. Ela comungava suas experiências com os irmãos para ajudá-los. Eles a ouviam e achavam que era muito prático, então voltavam a frequentar as reuniões. Nós duas comungávamos com os irmãos. Eu não conseguia resolver os problemas reais deles, mas a irmã Xu conseguia obter resultados reais. Isso mostrava que ela realmente tinha experiência prática.

Mais tarde, li outra passagem das palavras de Deus que me ajudou a entender o que é realidade. As palavras de Deus dizem: “Erguer as palavras de Deus e ser capaz de explicá-las despudoradamente não significa estar de posse da realidade; as coisas não são tão simples como você imagina. Estar de posse da realidade não tem por base o que você diz; antes, tem por base o que vive. Só quando as palavras de Deus se tornam a sua vida e a sua expressão natural você pode dizer que tem realidade, e só então pode ser contado como tendo ganhado entendimento verdadeiro e estatura real. Você precisa ser capaz de suportar o exame por longos períodos de tempo e precisa ser capaz de viver a semelhança que é exigida por Deus. Isso não deve ser mera pose; precisa fluir de você naturalmente. Só então você possuirá realidade verdadeiramente, e só então terá ganhado vida. […] Ai daqueles que são arrogantes e soberbos, ai daqueles que não têm conhecimento de si mesmos; tais pessoas são peritas em falar, mas acabam sendo as piores quando põem suas palavras em ação. Ao menor sinal de problema, essas pessoas começam a ter dúvidas, e a ideia de desistir entra sorrateira em suas mentes. Elas não possuem realidade alguma; têm apenas teorias que estão acima da religião, sem qualquer realidade exigida agora por Deus. Tenho muito nojo daqueles que só falam de teorias sem possuir realidade alguma. Eles gritam o mais alto que podem enquanto executam seu trabalho, mas, assim que deparam com a realidade, desmoronam. Isso não mostra que essas pessoas não têm realidade? Por mais que o vento e as ondas sejam ferozes, se você puder permanecer de pé sem permitir que um pingo de dúvida entre em sua mente, e se puder permanecer firme e livre de negação, até mesmo quando não restar mais ninguém, então você será contado como tendo entendimento verdadeiro e genuinamente em posse de realidade. Se você se virar para a direção à qual o vento sopra — se seguir a maioria e aprender a papaguear o discurso dos outros —, então, por mais eloquente que seja, isso não será prova de que você possui realidade. Portanto, Eu sugiro que você não seja prematuro e grite palavras vazias. Você sabe o que Deus vai fazer? Não se comporte como outro Pedro, para não causar vergonha a si mesmo e perder a capacidade de manter a cabeça erguida; isso não fará bem a ninguém. A maioria das pessoas não tem estatura real. Embora tenha realizado um bom tanto da obra, Deus não trouxe a realidade para as pessoas; para ser mais exato, Ele nunca castigou ninguém pessoalmente. Algumas pessoas foram expostas por tais provações, com suas mãos pecadoras chegando cada vez mais longe, pensando que é fácil levar a melhor sobre Deus, que podem fazer o que bem querem. Já que não são capazes de suportar nem esse tipo de provação, provações mais desafiadoras estão fora de questão para elas, assim como a posse da realidade. Elas não estão apenas tentando enganar Deus? Possuir realidade não é algo que possa ser falsificado, nem a realidade é algo que você possa alcançar por conhecê-la. Isso depende da sua estatura real, bem como de se você pode ou não suportar todas as provações. Você compreende?” (‘Só pôr a verdade em prática é possuir realidade’ em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras de Deus são muito claras. Possuir realidade não se revela apenas naquilo que uma pessoa diz, mas em se ela pratica a verdade, se testifica para Deus naquilo que vive. Só entender doutrinas e achar que isso significa possuir realidade é arrogância e falta de autoconhecimento. Normalmente, eu achava que tinha muita fé, que lidava com o trabalho da igreja de forma oportuna, que tinha entusiasmo em meu dever e parecia ser capaz de me submeter a Deus, mas quando a irmã Xu foi eleita pregadora, perdi o equilíbrio. Eu me achava melhor e mais capaz do que ela, então por que eu não fui escolhida? Queixas surgiram no meu coração e achei que aquilo não era justo. Com base no que eu revelava, eu não conhecia a mim mesma e não conseguia me submeter à situação estabelecida por Deus. Eu não possuía nem um pouco da realidade da verdade. Eu só tinha algum entusiasmo em meu dever e conseguia cuspir alguma doutrina. Eu confundia essas coisas com minha estatura real, mas, na verdade, eu não entendia as dificuldades reais dos irmãos e não conseguia resolver os problemas reais deles. Poder servir como líder de igreja já era uma chance para mim, mas eu não conhecia a mim mesma e quis lutar para ser pregadora. Eu era arrogante além da razão. Eu queria ser especialmente valorizada por Deus, o que era impossível. Deus não gostaria de alguém fora de controle e desprovido de razão. Quando vi que eu tinha um caráter arrogante e não fazia mudanças e que meu comportamento era repugnante e odioso para Deus, senti muito remorso. Eu estava entorpecida demais e não conhecia a mim mesma. Se a irmã Zhang não tivesse lidado comigo, eu ainda não seria capaz de ver meus problemas. Me senti muito grata a Deus por estabelecer esse tipo de situação para mim.

Depois disso, li outra passagem das palavras de Deus que me ajudaram a entender a vontade Dele. As palavras de Deus dizem: Quando vocês sofrem um pouco de constrangimento ou dificuldade, isso lhes faz bem; se vocês tivessem tudo fácil, seriam arruinados, e então como poderiam ser protegidos? Hoje, é porque são castigados, julgados e amaldiçoados que vocês recebem proteção. É porque sofreram muito que vocês são protegidos. Se não, há muito vocês teriam caído em depravação. Isso não é tornar as coisas difíceis para vocês intencionalmente — a natureza do homem é difícil de mudar, e deve ser dessa forma para que o caráter dele seja mudado. Hoje, vocês não têm nem a consciência nem o senso que Paulo possuía, não têm nem mesmo sua autoconsciência. Vocês sempre têm de ser pressionados e sempre têm de ser castigados e julgados para despertar seu espírito. Castigo e julgamento são o melhor para sua vida. E quando necessário, deve haver também o castigo dos fatos chegando sobre vocês; só então vocês se submeterão completamente. A natureza de vocês é tal que, sem castigo e maldição, vocês não estariam dispostos a inclinar sua cabeça, a se submeter. Sem os fatos diante de seus olhos, não haveria efeito algum. Vocês são muito inferiores e inúteis em caráter! Sem castigo e julgamento, seria difícil para vocês serem conquistados e difícil para que sua injustiça e sua desobediência fossem vencidas. Sua velha natureza está tão profundamente enraizada. Se vocês fossem colocados no trono, não teriam ideia da altura do céu e da profundidade da terra, muito menos de aonde estão indo. Vocês nem sabem de onde vieram, então como poderiam conhecer o Senhor da criação? Sem o castigo e a maldição oportunos de hoje, seus últimos dias teriam chegado há muito tempo. Isso sem mencionar seu destino — ele não está ainda mais em risco? Sem esse castigo e julgamento oportunos, quem sabe quão arrogantes ficariam e quão depravados vocês se tornariam. Esse castigo e esse julgamento trouxeram vocês até o dia de hoje e preservaram sua existência. Se vocês ainda fossem ensinados por meio dos mesmos métodos do seu ‘pai’, sabe-se lá em que reino entrariam! Vocês não têm habilidade de controlar-se e refletir sobre si mesmos. Para pessoas como vocês, se vocês simplesmente seguirem e obedecerem, sem causar interferência nem interrupções, Meus objetivos serão alcançados. Não seria melhor para vocês se aceitassem o castigo e o julgamento de hoje? Que outras escolhas vocês têm?” (‘Prática (6)’ em “A Palavra manifesta em carne”). Enquanto lia as palavras de Deus, cena após cena passou pela minha mente, desde meu trabalho como pregadora até a mudança do meu dever. Pude sentir que o julgamento e a poda de Deus são a proteção Dele para mim. Eu era tão arrogante que não sabia o que era o quê, além disso, meu coração era muito teimoso e rebelde. Se eu não tivesse sido confrontada com os fatos, não sei até onde teria ido em minha arrogância. Também senti como o amor de Deus é prático para a humanidade. Vez após vez, Deus estabeleceu situações para me alertar e ajudar a vir para diante Dele para refletir sobre mim mesma. As palavras Dele me guiaram, me julgaram e revelaram minha rebeldia e corrupção, levando-me a conhecer a mim mesma e me arrepender diante de Deus. Deus assume tanta responsabilidade pela vida das pessoas. Ele é tão amoroso e tão digno do nosso amor. O significado real destas palavras: “O castigo e o julgamento de Deus são a luz, a luz da salvação do homem, e não há maior bênção, graça ou proteção para ele”, é algo que vim a entender um pouco. Se as pessoas querem que seu caráter seja purificado e mudado, isso é inseparável do julgamento e castigo de Deus. Fiz uma oração de submissão a Deus, disposta a permanecer naquele dever, e mesmo que jamais fosse promovida, eu estava pronta e disposta a me submeter aos arranjos de Deus.

Pouco tempo depois, recebi uma carta da líder superior, informando-me de que eu tinha sido promovida e que cumpriria meu dever em outro lugar. Eu nunca teria imaginado isso. Eu me senti tão grata a Deus naquele momento e senti como Ele é amoroso! A realidade é que Deus não estava tentando me prender ali, incapaz de cumprir outro dever, eu era simplesmente problemática e contrária em tudo, por isso precisei que Deus estabelecesse as coisas daquele jeito para me purificar e mudar. Também experimentei as intenções sinceras de Deus para me salvar. Graças a Deus!

Anterior: O egoísmo é vil

Todos os dias temos 24 horas e 1440 minutos. Você está disposto a dedicar 10 minutos para estudar o caminho de Deus? Você está convidado a se juntar ao nosso grupo de estudo.👇

Conteúdo relacionado

Seu dever não é sua carreira

Por Cheng Nuo, França No ano passado, eu era responsável pelo trabalho de duas igrejas para recém-convertidos. Às vezes, as pessoas...

Libertada dos grilhões do lar

Por Cheng Shi, China Pouco tempo após aceitar a obra de Deus nos últimos dias, preguei o evangelho ao meu marido. Fiquei surpresa quando,...

Entre em contato conosco pelo WhatsApp