Depois que minha mãe foi diagnosticada com câncer

11 de Junho de 2024

Por Yang Chen, China

Em junho de 2023, eu deveria ter saído de casa para desempenhar meu dever por causa das necessidades do trabalho do evangelho. Eu sabia que não poderia voltar por um tempo, pensei em ir para casa, avisar meus pais e pegar algumas roupas no processo. Quando cheguei, vi minha mãe sentada, ligada a um soro e com a aparência bastante pálida. Perguntei-lhe o que havia de errado com ela, ela disse que não era nada grave e que melhoraria com uma pequena cirurgia. Mas parecia ser algo mais sério, então pedi para ver seus registros médicos. Os registros indicavam a existência de três tipos de tumores malignos. Fiquei chocada, minha mãe tinha câncer! Eram tumores malignos — será que ela realmente poderia se recuperar? E se o tratamento não funcionasse? Meu pai me disse: “Sua mãe está fazendo quimioterapia agora e o sucesso do tratamento dela dependerá do resultado da quimioterapia”. Mas eu sabia que Deus tinha permitido tudo isso e não podia me queixar, então orei a Deus para proteger meu coração. Então meu pai começou a me contar que, quando minha mãe estava doente no hospital, meu irmão mais novo foi lá para cuidar dela e até conseguiu outro emprego para ganhar dinheiro para pagar as contas médicas da minha mãe. Fiquei bastante chateada depois de ouvir isso. Eu era a filha mais velha da família e deveria ter sido eu a lidar com tudo isso, mas, em vez disso, não pude oferecer nenhuma ajuda. Será que meus pais pensariam que eu não tinha consciência, que era desnaturada e que haviam me criado para nada? Minha mãe me consolou, dizendo: “Não se preocupe e não tenha medo. A duração da nossa vida depende de Deus. Continue desempenhando seu dever e não se preocupe comigo”. Ao ouvir minha mãe dizer isso, eu realmente desejei ficar em casa e cuidar dela, mas havia muito trabalho a fazer na igreja e eu sabia que não poderia ficar em casa. Vendo minha mãe daquele jeito, eu não consegui dizer que planejava desempenhar meu dever longe de casa e, por fim, saí às pressas sem dizer nada.

Na estrada, só conseguia pensar em minha mãe doente no hospital, sem ninguém para cuidar dela e meu irmão mais novo trabalhando duro para pagar as contas médicas da minha mãe. Quanto mais eu pensava nisso, pior me sentia. Eu sentia que, como filha dela, deveria estar lá para cuidar dela quando estivesse doente, mas eu não só não conseguiria cuidar dela, como também não conseguiria ajudar em nada. Se outras pessoas soubessem disso, o que diriam a meu respeito? Diriam que eu não tinha consciência e era ingrata? Meu irmão mais novo reclamaria de mim? Quanto mais eu pensava, pior me sentia, e perdi totalmente a motivação de sair de casa e desempenhar meu dever. Em meu coração, eu disse a Deus: “Oh Deus, não posso sair de casa para desempenhar meu dever. Minha mãe está com câncer, e se eu for embora agora, talvez nunca mais a veja! Vou desempenhar meu dever aqui, assim poderei ir ver minha mãe quando tiver tempo livre”. Depois disso, eu até desempenhava meu dever, mas não conseguia acalmar minha mente e me concentrar. Eu ficava pensando, “Como será que minha mãe está agora?”. Eu queria encontrar tempo para ir para casa e vê-la. Sabia que meu estado estava ruim, então procurei palavras de Deus para ler. Encontrei esta passagem: “Em cada período e em cada estágio, algumas coisas específicas acontecem na igreja que são contrárias às noções das pessoas. Por exemplo, algumas pessoas ficam doentes, líderes e obreiros são substituídos, algumas pessoas são expostas e eliminadas, algumas encaram o teste da vida e morte, algumas igrejas têm pessoas malignas e anticristos que causam perturbações etc. Essas coisas acontecem de tempo em tempo, mas de forma alguma são acidentais. Todas elas são o resultado da soberania e dos arranjos de Deus. Um período muito pacífico pode, de repente, ser interrompido por vários incidentes ou eventos incomuns, que acontecem ou em sua volta ou a vocês pessoalmente, e a ocorrência dessas coisas rompe a ordem natural e a normalidade da vida das pessoas. Vistas de fora, essas coisas não se conformam às noções e imaginações das pessoas, são coisas que as pessoas não querem que lhes aconteçam nem as querem testemunhar. Então a ocorrência dessas coisas beneficia as pessoas? […] Nada acontece por acaso, tudo é governado por Deus. Embora as pessoas consigam entender e aceitar isso em teoria, como as pessoas deveriam tratar a soberania de Deus? Essa é a verdade que as pessoas deveriam buscar e entender, e elas deveriam especificamente praticá-la. Se as pessoas só reconhecerem a soberania de Deus em teoria, mas não tiverem um entendimento real dela e se suas noções e imaginações não tiverem sido resolvidas, então, não importa há quantos anos acreditem em Deus e quantas coisas experimentem, ainda assim elas não serão capazes de ganhar a verdade no fim(A Palavra, vol. 6: Sobre a busca da verdade I, “O que significa buscar a verdade (11)”). Por meio das palavras de Deus, percebi que as pessoas enfrentarão circunstâncias difíceis nas diferentes fases da vida. As pessoas podem não querer enfrentar essas circunstâncias, mas a intenção de Deus está dentro delas. Se não buscarmos a verdade, se vivermos dentro de nossas noções e imaginação, se entendermos mal e reclamarmos de Deus, será difícil aprender com essas situações. Havia coisas que eu poderia aprender com a doença de minha mãe. Tinha de buscar a verdade e refletir sobre mim mesma. Refleti sobre como foi quando soube que minha mãe tinha câncer, fiquei preocupada que o tratamento não funcionasse. Também me preocupava o fato de que, se eu não cuidasse dela enquanto ela estivesse fazendo quimioterapia no hospital, ela ficaria chateada. Será que ela pensaria que havia me criado em vão? Essa preocupação me fez perder imediatamente toda a motivação para sair e desempenhar meu dever. Eu até me defendi perante Deus. Senti que tinha de ficar e cuidar da minha mãe agora que ela estava doente e não podia sair de casa para desempenhar meu dever. Meus vínculos emocionais eram muito profundos, e tive de buscar a verdade para resolvê-los.

Mais tarde, procurei passagens relevantes das palavras de Deus para ler. Deus Todo-Poderoso diz: “Há um ditado no mundo dos não crentes: ‘os corvos retribuem à mãe alimentando-a, e os cordeiros se ajoelham para receber leite de sua mãe’. Há também este ditado: ‘uma pessoa não filial é mais baixa do que um animal’. Como esses ditados soam grandiosos! Na verdade, os fenômenos mencionados pelo primeiro ditado, ‘os corvos retribuem à mãe alimentando-a, e os cordeiros se ajoelham para receber leite de sua mãe’, realmente existem, são fatos. No entanto, são simplesmente fenômenos do mundo animal. São apenas um tipo de lei que Deus estabeleceu para as diversas criaturas vivas e ao qual todo tipo de criatura viva, inclusive os humanos, obedece. […] Por que as pessoas dizem tais coisas? Porque, na sociedade e em grupos de pessoas, existem várias ideias e consensos incorretos. Depois de terem sido influenciadas, corroídas e apodrecidas por essas coisas, surgem nas pessoas jeitos diferentes de interpretar e lidar com a relação pai-filho, e elas acabam tratando os pais como credores — como credores a quem nunca conseguirão pagar durante toda a vida. Existem até algumas pessoas que se sentem culpadas a vida inteira quando os pais morrem e se consideram indignas da bondade dos pais por algo que fizeram que deixou os pais infelizes ou que não aconteceu como os pais queriam. Digam-Me, isso não é demais? As pessoas vivem em seus sentimentos, por isso elas só podem ser invadidas e perturbadas pelas várias ideias que provêm desses sentimentos. As pessoas vivem num ambiente influenciado pela ideologia da humanidade corrupta, por isso são invadidas por várias ideias falaciosas, o que torna sua vida exaustiva e menos simples do que a das outras criaturas vivas. No entanto, neste momento, pelo fato de Deus estar operando e expressando a verdade para contar às pessoas a natureza verdadeira de todos esses fatos e para capacitá-las a entender a verdade, quando você entender a verdade, essas ideias e opiniões falaciosas não pesarão mais sobre você e não servirão mais como um guia para como você lida com seu relacionamento com seus pais. A essa altura, sua vida ficará mais relaxada. Levar uma vida relaxada não significa que você não saberá quais são suas responsabilidades e obrigações — você ainda saberá essas coisas. Isso só depende da perspectiva e dos métodos com os quais você aborda suas responsabilidades e obrigações. Uma senda é seguir a via dos sentimentos e lidar com essas coisas com base em recursos emocionais e com os métodos, ideias e opiniões para os quais Satanás guia o homem. A outra senda é lidar com essas coisas com base nas palavras que Deus ensinou ao homem. Quando as pessoas lidam com esses assuntos de acordo com as ideias e opiniões falaciosas de Satanás, elas só podem viver nos emaranhamentos de seus sentimentos, e elas nunca são capazes de distinguir o certo do errado. Sob essas circunstâncias, elas não têm escolha senão viver numa armadilha, sempre emaranhadas em assuntos como: ‘Você está certo, eu estou errado. Você me deu mais; eu lhe dei menos. Você é ingrato. Você está passando dos limites’. Consequentemente, elas nunca falam claramente. No entanto, quando as pessoas entendem a verdade e quando escapam de suas ideias e visões errôneas e da teia de sentimentos, esses assuntos se tornam simples para elas. Se você obedecer a uma verdade princípio, uma ideia ou uma opinião que é correta e vem de Deus, sua vida ficará bem relaxada. Nem a opinião pública, nem a percepção de sua consciência, nem o fardo de seus sentimentos o impedirão mais de lidar com a relação com seus pais; ao contrário, essas coisas o capacitarão a encarar essa relação de modo correto e racional. Se você agir de acordo com as verdades princípios que Deus deu ao homem, mesmo que as pessoas critiquem você pelas costas, ainda assim você sentirá paz e calma no fundo do coração e isso não terá nenhum efeito sobre você. No mínimo, você não se criticará por ser um ingrato indiferente nem será mais acusado, no fundo do coração, pela consciência. Isso acontece porque você saberá que todas as suas ações são executadas de acordo com os métodos que Deus lhe ensinou e que você está ouvindo e se submetendo às palavras de Deus e seguindo Seu caminho. Ouvir as palavras de Deus e seguir Seu caminho é o senso de consciência que as pessoas deveriam possuir acima de tudo. Você só será uma pessoa verdadeira se conseguir fazer essas coisas. Se você não realizou essas coisas, você é um ingrato indiferente. Não é assim mesmo? (É, sim.)” (A Palavra, vol. 6: Sobre a busca da verdade I, “Como buscar a verdade (17)”). Por meio das palavras de Deus, percebi que o motivo pelo qual eu era tão infeliz era porque visões falaciosas como “a piedade filial é uma virtude que deve ser defendida acima de tudo” e “uma pessoa desnaturada é inferior a uma besta” com as quais Satanás havia me inculcado, tinham se enraizado profundamente. Eu achava que se não conseguisse ser filial aos meus pais, isso significava que eu era uma filha ingrata e desnaturada. Pensava em como deve ter sido difícil me criar, especialmente porque nasci numa época em que meninos e homens eram considerados superiores, o que significava que minha mãe sofreu muita humilhação e desprezo, porém, ela me amava mais do que a meu irmão caçula. Também dava um apoio especial à minha fé e ao meu dever. Ela sabia que eu tinha vínculos emocionais profundos, então, se algo acontecia em casa, ela não me contava por medo de me distrair e influenciar meu dever. Seja do ponto de vista emocional ou financeiro, minha mãe me dava muito apoio e sempre me incentivava a desempenhar bem o meu dever. Pensando em tudo isso e no fato de eu não poder estar ao seu lado para cuidar dela quando estava doente, fiquei muito chateada. Sempre achei que, como filha deles, se eu não os honrasse ou não cuidasse deles quando ficassem doentes, isso seria um comportamento ingrato e desnaturado. Por isso, eu me sentia culpada e envergonhada de encará-los. Eu havia sido profundamente influenciada por venenos satânicos! Se eu continuasse a ver isso pelas lentes do apego emocional e das visões tradicionais, teria de arcar com esse fardo ideológico, pensando que eu era desnaturada por não cuidar da minha mãe. Essa seria uma maneira muito cansativa e infeliz de viver. Eu tinha de renunciar ativamente a tudo isso e aprender a ver as pessoas e as coisas de acordo com a verdade nas palavras de Deus, só assim eu poderia me livrar desse sofrimento.

Mais tarde, durante os devocionais, eu me deparei com esta passagem das palavras de Deus. Ela me deu mais clareza sobre como pensar em meu relacionamento com meus pais. As palavras de Deus dizem: “Como filho, você deveria entender que seus pais não são seus credores. Há muitas coisas que você deve fazer nesta vida, e todas elas são coisas que um ser criado deveria fazer, que lhe foram confiadas pelo Senhor da criação e que nada têm a ver com retribuir a bondade de seus pais. Mostrar-lhes piedade filial, retribuir-lhes, devolver sua bondade — essas coisas nada têm a ver com sua missão na vida. Pode-se dizer também que não é necessário que você mostre piedade filial para seus pais, que retribua a eles ou que cumpra qualquer responsabilidade sua para com eles. Em termos simples, você pode fazer um pouco disso e cumprir um pouco de suas responsabilidades quando as circunstâncias permitirem; quando não permitirem, você não precisa insistir em fazê-lo. Se você não consegue cumprir sua responsabilidade para mostrar piedade filial para seus pais, isso não é algo terrível, isso apenas viola um pouco da sua consciência, da sua moralidade e de suas noções humanas. Mas, no mínimo, isso não viola a verdade, e Deus não o condenará por isso. Quando você entender a verdade, sua consciência não se sentirá repreendida por conta disso. O coração de vocês não se sente firme, agora que entenderam esse aspecto da verdade? (Sim.) Algumas pessoas dizem: ‘Embora Deus não me condene, em minha consciência ainda não consigo superar isso e me sinto instável’. Se isso se aplica a você, sua estatura é baixa demais, e você não entendeu nem percebeu a essência desse assunto. Você não entende o destino do homem, não entende a soberania de Deus e não está disposto a aceitar a soberania nem os arranjos de Deus. Você sempre possui vontade humana e sentimentos próprios, e essas coisas estão o impulsionando e dominando; elas se tornaram sua vida. Se você sempre escolhe a vontade humana e seus sentimentos, você não escolheu a verdade e não está praticando a verdade nem se submeteu a ela. Se você escolhe a vontade humana e seus sentimentos, você está traindo a verdade. Claramente, suas circunstâncias e seu ambiente não permitem que você mostre piedade filial para seus pais, mas você sempre pensa: ‘Eu tenho uma dívida para com meus pais. Não tenho lhes mostrado piedade filial. Eles não me veem há tantos anos. Eles me criaram em vão’. No fundo do coração, você nunca consegue largar essas coisas. Isso prova uma coisa: você não aceita a verdade. Em termos de doutrina, você reconhece que as palavras de Deus são corretas, mas você não as aceita como a verdade nem as toma como os princípios para suas ações. Assim, no mínimo, quando a questão é como você trata seus pais, você não é uma pessoa que busca a verdade. Isso acontece porque, nessa questão, você não age com base na verdade, não pratica de acordo com as palavras de Deus, em vez disso você só satisfaz suas necessidades emocionais e as necessidades de sua consciência, querendo mostrar piedade filial para seus pais e retribuir sua bondade. Embora Deus não o condene por fazer essa escolha, e é sua escolha, no fim, aquele que sairá perdendo, especialmente em termos da vida, é você(A Palavra, vol. 6: Sobre a busca da verdade I, “Como buscar a verdade (17)”). Depois de ler as palavras de Deus, ganhei muito mais clareza. Vi que a maneira como meus pais me criaram foi graças à soberania e aos arranjos de Deus. O tratamento gentil da minha mãe era realmente a graça de Deus. Depois de entrar na fé, os esforços de minha mãe para manter a casa em ordem para que eu pudesse desempenhar meu dever em paz podem ter parecido, externamente, bondade de minha mãe, mas, na verdade, foi porque Deus conhecia minha estatura e fez os arranjos necessários. Era o dever e a responsabilidade de minha mãe manter a casa e me apoiar em minha fé. Deus diz que nossos pais não são nossos credores, ser filial a nossos pais é apenas uma responsabilidade, não nossa missão como pessoas. Se as condições forem adequadas, podemos cuidar deles e demonstrar piedade filial a eles, mas se não forem e não pudermos demonstrar piedade filial a eles, isso não é uma vergonha, porque há muitas coisas que precisamos fazer nesta vida. Temos deveres a desempenhar como seres criados, e não podemos viver apenas para demonstrar piedade filial a nossos pais. Há também muitos incrédulos que passam muito tempo longe de seus pais por causa de suas carreiras e sua família e não têm condições de cuidar de seus pais, mas as pessoas entendem e não os condenam nem zombam deles. Quanto a mim, fiquei presa em minha gratidão aos meus pais, e muitas vezes me sentia chateada e culpada por não poder estar com eles para cuidar deles e até optava por não sair de casa para desempenhar meu dever. Meus vínculos emocionais eram muito fortes! Estamos num momento em que o evangelho está se expandindo muito e, como líder de igreja, eu tinha de prestar ainda mais atenção à intenção de Deus. Eu deveria liderar meus irmãos para dar testemunho do evangelho de Deus dos últimos dias e permitir que ainda mais pessoas ouvissem a voz de Deus e recebessem Sua salvação nos últimos dias. Esse era meu dever e minha responsabilidade. Mas, em vez disso, eu acreditava que cuidar de meus pais e honrá-los era a coisa mais importante que eu poderia fazer. Eu era uma crente havia anos e comi e bebi muito das palavras de Deus, mas quando me deparei com uma situação real, não fui capaz de me submeter às orquestrações e arranjos de Deus e de cumprir meu dever, e não lidei com essa situação usando as verdades princípios. Eu estava traindo e deixando de aceitar a verdade! Percebi que se eu continuasse a viver de acordo com essas visões tradicionais e não me arrependesse perante Deus nem cumprisse meu dever, acabaria sendo exposta e eliminada. Orei a Deus em meu coração: “Oh, Deus! A doença de minha mãe expôs completamente meus pontos de vista descrentes. Vejo agora que minha estatura é bem pequena e que careço da verdade realidade. Agora entendo que demonstrar piedade filial aos meus pais não é minha missão. Cumprir meu dever como um ser criado é minha verdadeira missão e responsabilidade. Estou disposta a renunciar a meus pontos de vista falaciosos e a colocar a doença de minha mãe em Tuas mãos. Aconteça o que acontecer, permanecerei firme em meu dever e não me tornarei motivo de chacota de Satanás”. Depois de orar, senti-me muito mais tranquila e disposta a confiar em Deus para cumprir meu dever designado.

Depois de um tempo, consultei um médico chinês sobre minha mãe e pedi a ele que a tratasse. O médico disse: “O câncer já tem metástase em todo o corpo e não pode ser curado. Tudo o que posso fazer é receitar-lhe uma quinzena de ervas e ver como reage”. Quando vi a conclusão dele, meu coração simplesmente desmoronou. Pensei sobre antes, quando chegava em casa e via minha mãe tossindo e eu nunca a levava ao hospital, apenas lhe dava algumas ervas chinesas e deixava por isso mesmo. Se eu a tivesse levado ao hospital antes e feito o tratamento mais rapidamente, será que as coisas teriam se desenrolado dessa forma? Quanto mais eu pensava, mais chateada e culpada me sentia, e fiquei muito deprimida. Então, orei a Deus pedindo que Ele me tirasse daquele estado. Mais tarde, vi esta passagem das palavras de Deus: “Então, o que acontece quando seus pais encontram essas questões significativas? Só se pode dizer que Deus orquestrou esse tipo de questão em sua vida. Isso foi orquestrado pela mão de Deus — você não pode se concentrar em razões e causas objetivas — seus pais estavam fadados a encontrar essa questão quando alcançaram essa idade, estavam fadados a ser acometidos por essa doença. Eles poderiam tê-la evitado se você tivesse estado presente? Se Deus não tivesse arranjado que eles adoecessem como parte de seu destino, nada teria acontecido com eles, mesmo se você não tivesse estado com eles. Se estavam destinados a encontrar esse tipo de grande infortúnio em sua vida, que efeito você poderia ter tido se tivesse estado do lado deles? Ainda assim eles não teriam sido capazes de evitar isso, certo? (Certo.) Pense nas pessoas que não acreditam em Deus — a família deles não está junta ano após ano? Quando esses pais encontram um grande infortúnio, seus parentes e filhos estão todos com eles, certo? Quando os pais adoecem ou quando sua doença piora, isso acontece porque seus filhos os deixaram? Não é o que acontece, isso estava fadado a acontecer. Simplesmente acontece que, como seu filho, pelo fato de você ter esse laço de sangue com seus pais, você ficará angustiado quando souber que eles estão doentes, enquanto outras pessoas não sentirão nada. Isso é muito normal. No entanto, o fato de seus pais encontrarem esse tipo de grande infortúnio não significa que você precisa analisar e investigar ou ponderar sobre como se livrar disso ou resolvê-lo. Seus pais são adultos; eles encontraram isso muitas vezes na sociedade. Se Deus arranjar um ambiente para livrá-los dessa questão, então, mais cedo ou mais tarde, ela desaparecerá completamente. Se essa questão é um obstáculo de vida para eles e eles precisam experimentar isso, então cabe a Deus decidir por quanto tempo eles precisam experimentar isso. É algo que precisam experimentar, e eles não podem evitar isso. Se você deseja resolver esse assunto sozinho, analisar e investigar a origem, as causas e as consequências desse assunto, isso é um pensamento tolo. É inútil e supérfluo. Você não deveria agir desse jeito, analisando, investigando e buscando a ajuda de seus colegas de turma e amigos, entrando em contato com o hospital para seus pais, buscando os melhores médicos, arranjando o melhor leito hospitalar para eles — você não precisa quebrar a cabeça fazendo tudo isso. Se você realmente tiver alguma energia sobrando, você deveria fazer um bom trabalho no dever que deveria estar desempenhando agora. Seus pais têm seu próprio destino. Ninguém pode escapar da idade em que deverá morrer. Seus pais não são os senhores do destino que você tem e, da mesma forma, você não é o senhor do destino de seus pais. Se algo está fadado a acontecer com eles, o que você pode fazer em relação a isso? Que efeito sua ansiedade e sua busca por soluções podem alcançar? Não podem alcançar nada; isso depende das intenções de Deus. Se Deus quer levá-los e capacitar você a cumprir seu dever sem perturbação, você pode interferir nisso? Você pode discutir as condições com Deus? O que você deveria fazer nesse momento? Quebrar sua cabeça para encontrar soluções, investigar, analisar, jogar a culpa em si mesmo e ter vergonha de encarar seus pais — esses são os pensamentos e as ações que uma pessoa tem de ter? Tudo isso são manifestações de uma falta de submissão a Deus e à verdade; são irracionais, tolas e rebeldes em relação a Deus. As pessoas não deveriam ter essas manifestações. Vocês entendem? (Sim.)” (A Palavra, vol. 6: Sobre a busca da verdade I, “Como buscar a verdade (17)”). Por meio das palavras de Deus, percebi que Deus dita e orquestra as dificuldades que as pessoas enfrentarão e quanto elas sofrerão com base em suas necessidades e estatura. Quanto ao momento em que as pessoas enfrentarão determinadas situações e por quanto tempo devem suportá-las, tudo isso é presidido e arranjado por Deus. Nada disso pode ser decidido pela humanidade, muito menos essas coisas devem ser analisadas a partir de uma mera perspectiva humana. As pessoas devem aprender a aceitar de Deus e se submeter a Seus arranjos e orquestrações. Veja a doença de minha mãe, aparentemente, sua condição piorou porque ela não foi levada ao hospital em tempo hábil, mas, na verdade, essa era apenas sua sina. A mortalidade do homem está nas mãos de Deus. Se Deus não permitir, mesmo as catástrofes de grande escala não causarão danos às pessoas. Por exemplo, meu pai sofreu um grave acidente de carro e todos os outros passageiros ficaram gravemente feridos, mas ele saiu com ferimentos leves e se recuperou mais rápido. Em nossa vida, estamos cumprindo nossas missões. Se alguém tiver cumprido sua missão na vida, partirá deste mundo de acordo com os planos de Deus. Se não tiver cumprido sua missão, não importa a dificuldade que enfrente, conseguirá superar com segurança. A doença de minha mãe estava bastante avançada e o médico disse que não havia possibilidade de recuperação, mas o tempo que ela viveria não cabia a nenhuma pessoa determinar, isso seria decidido e arranjado por Deus. O motivo pelo qual eu estava tão infeliz era porque eu fazia exigências injustificadas a Deus e sempre queria que minha mãe se recuperasse. Bastava que as coisas não saíssem do meu jeito para que eu ficasse negativa e infeliz. Tudo isso acontecia porque eu não conhecia a soberania de Deus e não conseguia me submeter a Ele. Depois de entender a intenção de Deus, orei a Ele: “Oh, Deus! Não cabe a mim decidir como será a recuperação da minha mãe ou quanto tempo ela viverá. Devo deixar de lado minhas exigências e estar disposta a me submeter, não importa o que aconteça”. Depois de orar, senti-me calma e tranquila. Então, li esta passagem das palavras do Senhor Jesus: “Se alguém vier a Mim, e não aborrecer a pai e mãe, a mulher e filhos, a irmãos e irmãs, e ainda também à própria vida, não pode ser Meu discípulo(Lucas 14:26). Deus Todo-Poderoso diz: “Se seu amor por seus pais exceder seu amor por Deus, você não é digno de seguir a Deus e não é um de Seus seguidores. Se você não é um de Seus seguidores, pode-se dizer que você não é um vencedor, e Deus não o quer(A Palavra, vol. 6: Sobre a busca da verdade I, “Como buscar a verdade (17)”). Deus disse que aqueles que amam seus pais mais do que a Ele não estão aptos a serem Seus seguidores. Eu tinha de parar de viver de acordo com essas visões falaciosas que Satanás havia incutido em mim. Tinha de começar a viver de forma diferente, ver as pessoas e as coisas, comportar-me e agir de acordo com as palavras de Deus e as verdades princípios. Agora, aos poucos, comecei a me dedicar ao meu dever. Às vezes, ainda me preocupo com minha mãe, mas depois penso que, em sua vida, as situações que ela encontra e o sofrimento pelo qual precisa passar são todos predeterminados por Deus. Tudo depende de Deus, quanto tempo minha mãe viverá e como ela partirá, não cabe a mim determinar. Quando percebi isso, fiquei mais tranquila. Recentemente, fiquei sabendo que o estado de saúde de minha mãe agora é estável e que ela aprendeu algumas coisas por meio dessa doença. Ao ouvir essa notícia, fiquei muito emocionada e também me senti envergonhada por minha falta de fé em Deus. Recentemente, me ofereci para desempenhar deveres fora de casa.

Por meio dessa experiência, tenho uma nova compreensão de meus pontos fracos e ganhei discernimento sobre os pontos de vista falaciosos que sempre tive. Não viverei mais de acordo com esses pontos de vista e terei uma atitude adequada em relação ao meu relacionamento com meus pais. Tudo isso é por causa da orientação de Deus.

Todos os dias temos 24 horas e 1440 minutos. Você está disposto a dedicar 10 minutos para estudar o caminho de Deus? Você está convidado a se juntar ao nosso grupo de estudo.👇

Conteúdo relacionado

Como parei de contar mentiras

Por Marinette, França No passado, eu mentia e bajulava as pessoas sem pensar duas vezes, pois eu temia decepcionar ou ofender as pessoas se...

Leave a Reply

Conecte-se conosco no Whatsapp