Pergunta 1: Em todos os meus anos de fé, apesar de saber que o Senhor Jesus é a encarnação de Deus, não entendi a verdade da encarnação. Se a manifestação do Senhor na segunda vinda é semelhante a como o Senhor Jesus foi encarnado como o Filho do homem para fazer Sua obra, então seremos incapazes de reconhecer o Senhor Jesus, seremos incapazes de saudar a vinda do Senhor. Creio que a encarnação seja um grande mistério. Poucos são capazes de entender realmente a verdade da encarnação. Por favor, converse conosco sobre essa questão; o que exatamente é a encarnação?

Resposta: Quanto às perguntas sobre o que é encarnação e o que é Cristo, vocês podem dizer que é um mistério da verdade que nenhum crente entende. Embora os crentes saibam há milhares de anos que o Senhor Jesus é o Deus encarnado, ninguém entende a encarnação e a encarnação real substância. Apenas agora, com a vinda de Deus Todo-Poderoso nos últimos dias, esse aspecto do mistério da verdade foi revelado ao homem. Vamos ler algumas passagens da palavra de Deus Todo-Poderoso: “O significado de encarnação é que Deus Se manifesta em carne e Ele vem para trabalhar entre os homens de Sua criação na imagem da carne. Assim, para Deus Se encarnar, Ele precisa primeiro ser carne, carne com humanidade normal; isto, pelo menos, deve ser verdade. De fato, a implicação da encarnação de Deus é que Ele vive e trabalha na carne. Deus, em Sua essência, se tornou carne, se tornou homem” (de ‘A essência da carne habitada por Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”).

O Deus encarnado é chamado de Cristo e Cristo é a carne vestida pelo Espírito de Deus. Essa carne é diferente de qualquer homem que é da carne. Essa diferença existe porque Cristo não é de carne e sangue, mas é a encarnação do Espírito. Ele tem tanto uma humanidade normal como uma divindade completa. Sua divindade não é possuída por nenhum homem. Sua humanidade normal sustenta todas as Suas atividades normais na carne, enquanto Sua divindade realiza a obra do Próprio Deus” (de ‘A substância de Cristo é obediência à vontade do Pai Celestial’ em “A Palavra manifesta em carne”).

O Cristo com humanidade normal é uma carne na qual o Espírito é realizado, possuindo humanidade normal, senso normal e pensamento humano. “Ser realizado” significa Deus Se tornando homem, o Espírito se tornando carne. Para ser claro, é quando o Próprio Deus habita uma carne com humana normal e através dela expressa a Sua obra divina – isso é o que significa ser realizado ou encarnado” (de ‘A essência da carne habitada por Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”).

Porque Ele é um homem com a essência de Deus, Ele está acima de todos os seres humanos criados, acima de qualquer homem que possa realizar a obra de Deus. E assim, entre todos aqueles que possuem uma casca humana como o Dele, entre todos os que possuem a humanidade, somente Ele é o Próprio Deus encarnado – todos os outros são seres humanos criados. Ainda que todos tenham humanidade, as criaturas humanas não são nada além de humanos, enquanto o Deus encarnado é diferente: em Sua carne Ele não apenas tem a humanidade, mas, o que é mais importante, tem a divindade. Sua humanidade pode ser vista em Sua aparência exterior e em Sua vida diária, mas Sua divindade era difícil de perceber. Porque Sua divindade somente é expressa enquanto Ele tem humanidade, e não é tão sobrenatural quanto as pessoas imaginam que seja, fica extremamente difícil para as pessoas perceberem. […] Uma vez que Deus se torna carne, Sua essência é uma combinação de humanidade e divindade. Essa combinação é chamada de Próprio Deus, Próprio Deus na terra” (de ‘A essência da carne habitada por Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”).

Nas palavras de Deus Todo-Poderoso, vemos que a encarnação é o Espírito de Deus encarnado, ou seja, o Espírito de Deus é materializado na carne com a humanidade e o pensamento humano. Assim, Ele vira uma pessoa comum, operando e falando entre os homens. Essa carne tem humidade normal, mas também é totalmente divina. Embora por fora Sua carne pareça normal, Ele pode assumir a obra de Deus, expressar a voz de Deus e orientar e salvar a humanidade. Pois Ele tem divindade completa. A plena divindade significa que tudo o que o Espírito de Deus possui: os caracteres inerentes de Deus, a essência sagrada e justa de Deus, tudo o que Deus tem e é, a onipotência e a sabedoria de Deus, Sua autoridade e poder… Tudo isso foi materializado na carne. Essa carne é Cristo, é o Deus prático que está aqui na Terra para fazer a obra e salvar a humanidade. Por fora, Cristo é Filho do homem comum, mas essencialmente diferente de qualquer ser humano já criado. O homem criado tem apenas a humanidade, sem o menor vestígio da essência divina. Cristo, no entanto, não tem só a humanidade. Mais importante, tem plena divindade. Ele tem a essência de Deus e pode representar Deus, expressar todas as verdades como o Próprio Deus, expressar o caráter de Deus e tudo o que Deus tem e é, e dotar o homem com a verdade, o caminho e a vida. Nenhum homem criado é capaz de tais feitos. Cristo opera e fala, expressa o caráter de Deus, e tudo o que Deus tem e é em Sua carne. Não importa como Ele profere a palavra de Deus e faça a obra de Deus, Ele sempre faz isso dentro da humanidade normal. Ele tem carne normal, não há nada sobrenatural Nele. Isso prova que Deus entrou na carne e já virou um humano comum. Essa carne normal cumpriu o fato de “A Palavra manifesta em carne”. Ele é o Deus prático encarnado. Como Cristo é plenamente divino, Ele pode representar Deus, proferir a verdade e salvar a humanidade. Como Cristo é plenamente divino, Ele pode proferir a palavra de Deus diretamente, não apenas retransmiti-la. Ele pode proferir a verdade a qualquer hora e em qualquer lugar, suprindo, regando e guiando o homem, guiando toda a humanidade. Somente por Cristo ser plenamente divino e possuir a identidade e a essência de Deus, podemos dizer que Ele é a encarnação de Deus, o Próprio Deus prático.

O maior mistério da encarnação pouco tem a ver se a carne de Deus é grande em estatura ou se é como a do homem comum. Tem a ver com a divindade plena estar oculta dentro dessa carne normal. Ninguém consegue descobrir ou ver essa divindade oculta. Assim como quando o Senhor Jesus veio fazer Sua obra, se ninguém tivesse ouvido Sua voz e vivenciado a Sua palavra e Sua obra, ninguém teria reconhecido que o Senhor Jesus é Cristo, o Filho de Deus. Portanto, a encarnação de Deus é o melhor jeito de Ele descer em segredo entre os homens. Quando o Senhor Jesus veio, ninguém conseguiu ver, pela Sua aparência exterior, que Ele era Cristo, o Deus encarnado, nem ver a divindade oculta dentro da Sua humanidade. Somente após o Senhor Jesus proferir a verdade e fazer a obra de redenção da humanidade, o homem descobriu que Sua palavra tem autoridade e poder e começou a segui-Lo. Somente quando o Senhor Jesus apareceu ao povo após ter ressuscitado, o homem viu que Ele é o Cristo encarnado, a manifestação de Deus. Se Ele não tivesse proferido a verdade e feito Sua obra, ninguém O seguiria. Se Ele não tivesse testemunhado que é Cristo, a manifestação de Deus, ninguém O teria reconhecido. Porque o homem acredita que se Ele é realmente Deus encarnado, Sua carne deve ter qualidades sobrenaturais. Ele deve ser sobre-humano, com ampla e poderosa estatura, uma presença imponente. Ele não deve apenas falar com autoridade e poder, mas também operar sinais e maravilhas aonde quer que vá… Deve ser assim quando Deus se tornar carne. Se Ele tiver uma aparência exterior comum, igual à de outro homem, e tiver uma humanidade normal, certamente não é a encarnação de Deus. Recordemos que, quando o Senhor Jesus encarnou para pregar e fazer Sua obra, não importa como Ele proferiu a verdade e a voz de Deus, ninguém O reconheceu. Ao ouvirem alguém testemunhando o Senhor Jesus, até disseram: Este não é o filho de José? Não é um nazareno? Por que se referiram a Ele dessa forma? Porque o Senhor Jesus tinha a humanidade normal na aparência exterior. Como Ele era uma pessoa normal, sem uma presença forte e imponente, ninguém O aceitou. Na verdade, por ser a encarnação, Ele deve ter a humanidade normal por definição, Ele deve mostrar que a carne que Deus veste é comum e normal, Ele se manifesta como um humano normal. Se Deus se vestisse em carne sobre-humana e não de alguém com humanidade normal, todo o significado da encarnação seria perdido. Então Cristo deve ter a humanidade normal. Só isso prova que Ele é o Verbo que se fez carne.

Vamos ler outra passagem da palavra de Deus Todo-Poderoso: “A significância da encarnação está em que um homem comum, ordinário, realiza a obra do próprio Deus; isto é, que Deus realiza a Sua obra através da humanidade e assim derrota Satanás. […] Se, durante a Sua primeira vinda, Deus não tivesse humanidade normal antes da idade dos vinte e nove anos – se, assim que nascesse, Ele pudesse fazer milagres, se tão logo aprendesse a falar, pudesse falar a língua do céu, se no momento em que pusesse os pés pela primeira vez na terra,Ele pudesse apreender todos os assuntos mundanos, discernir os pensamentos e intenções de cada pessoa – então Ele não poderia ter sido chamado de homem normal, e Sua carne não poderia ser chamada de carne humana. Se este tivesse sido o caso com Cristo então o significado e a essência da encarnação de Deus teriam sido perdidos. Que Ele possuiu a humanidade normal prova que Ele era Deus encarnado; o fato de que Ele passou por um processo normal de crescimento humano demonstra ainda mais que Ele era carne normal; além disso, Sua obra é prova suficiente de que Ele era a Palavra de Deus o Espírito de Deus, tornando-se carne. Deus se torna carne por causa das necessidades da obra; em outras palavras, esse estágio da obra precisa ser feito em carne, feito na humanidade normal. Esse é o pré-requisito para “o Verbo se tornar carne”, para “a Palavra manifesta em carne”, e é a verdadeira história por trás das duas encarnações de Deus” (de ‘A essência da carne habitada por Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”).

Se, desde o momento de Seu nascimento, o Deus encarnado começasse seriamente o Seu ministério, fazendo sinais e maravilhas, então Ele não teria essência corpórea. Portanto, Sua humanidade existe por causa de Sua essência corpórea; não pode haver carne sem humanidade, e uma pessoa sem humanidade não é um ser humano. Desta forma, a humanidade da carne de Deus é uma propriedade intrínseca da encarnação de Deus. Dizer que “quando Deus se torna carne Ele é totalmente divino, mas não totalmente humano” é uma blasfêmia, porque essa é uma situação impossível de se aceitar, que viola o princípio da encarnação. […] A humanidade do Deus encarnado existe para manter a obra divina normal na carne; Seu pensamento humano normal sustenta Sua humanidade normal e todas as Suas atividades corporais normais. Pode-se dizer que o Seu pensamento humano normal existe para sustentar toda a obra de Deus na carne. Se essa carne não possuísse uma mente humana normal, então Deus não poderia operar na carne, e o que Ele precisa fazer na carne nunca poderia ser realizado. […] Assim, o Deus encarnado deve possuir uma mente humana normal, deve possuir a humanidade normal, porque Ele deve realizar Sua obra na humanidade com uma mente normal. Esta é a essência da obra do Deus encarnado, a própria essência do Deus encarnado” (de ‘A essência da carne habitada por Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”).

As palavras de Deus Todo Poderoso mostram claramente que o Deus encarnado deve ter a humanidade normal. Caso contrário, Ele não seria a encarnação de Deus. Na aparência exterior, Ele parece um homem comum e normal, e não há nada sobrenatural na Sua humanidade. Então, se medirmos Cristo usando nossos conceitos e imaginações, nunca O reconheceremos ou aceitaremos. No máximo, só reconheceremos que Ele é um profeta enviado por Deus, ou alguém que Deus utiliza. Se realmente quisermos conhecer Cristo, devemos estudar Suas palavras e obra para ver se o que Ele profere é a própria voz de Deus, se as palavras que Ele profere são manifestações dos caracteres de Deus e de tudo o que Ele tem e é, e ver se Suas obras e a verdade que Ele profere podem salvar a humanidade. Só então podemos conhecer, aceitar e obedecer a Cristo. Se não buscarmos a verdade, não investigarmos a obra de Deus, mesmo se escutarmos as palavras de Cristo e enxergarmos Sua obra, ainda assim não O conheceremos. Mesmo estando com Cristo de manhã até a noite, ainda O trataremos como um homem comum e, assim, resistiremos e condenaremos Cristo. Na verdade, para reconhecer e aceitar Cristo, só precisamos reconhecer a voz de Deus e admitir que Ele faz a obra Dele. Mas para conhecer a essência divina de Cristo e, assim, alcançar a verdadeira obediência a Cristo e amar o Deus prático, devemos descobrir a verdade nas palavras e na obra de Cristo, ver os caracteres de Deus e tudo o que Ele tem e é, ver a essência sagrada, a onipotência e a sabedoria de Deus, que Deus é amável e valorizar Suas sinceras intenções. Só assim obedeceremos realmente a Cristo e adoraremos o Deus prático no coração dele.

Todos os crentes sabem que o caminho que o Senhor Jesus pregou, a palavra que Ele proferiu, os mistérios do reino dos céus que Ele revelou e as exigências que Ele fez do homem eram toda a verdade, a própria voz de Deus e tudo isso foram manifestações dos caracteres da vida de Deus e de tudo o que Ele tem e é. Seus milagres: a cura os doentes, expulsão de demônios, a calmaria do vento e mar, alimentar cinco mil com cinco pães e dois peixes e revivendo os mortos, foram manifestações da própria autoridade e do poder de Deus. Quem buscou a verdade naquela época, como Pedro, João, Mateus e Natanael, reconheceu pela palavra e obra do Senhor Jesus que Ele é o Messias prometido e, assim, O seguiu e recebeu Sua salvação. Enquanto que os judeus fariseus, mesmo ouvindo os sermões do Senhor Jesus e O vendo realizar milagres, ainda O viam como uma pessoa comum, sem poder ou estatura, e se atreveram a resistir e a descartá-Lo sem o menor medo. No fim, cometeram o maior dos pecados ao crucificarem o Senhor Jesus. A lição dos fariseus pede uma profunda reflexão! Ela expõe claramente a natureza do anticristo que odeia a Deus e a verdade e revela a loucura e a ignorância da humanidade corrupta. No presente, o Deus Todo-Poderoso encarnado, assim como o Senhor Jesus, faz as obras de Deus dentro da humanidade normal. Deus Todo-Poderoso profere todas as verdades que a humanidade corrupta precisa para ser salva e realiza a obra de julgamento começando pela casa de Deus nos últimos dias. Ele não só julga e expõe a natureza satânica da humanidade corrupta e a verdade da corrupção, mas também revelou todos os mistérios do plano de gestão de seis mil anos de Deus para salvar a humanidade, elucidou o caminho pelo qual a humanidade pode se libertar do pecado, alcançar a purificação e ser salva, revelou os caracteres justos e inerentes de Deus, tudo o que Deus tem e é, e o poder e a autoridade próprios de Deus… A palavra e a obra de Deus Todo-Poderoso são a manifestação plena da identidade e da essência do Próprio Deus. Nestes dias, todos que seguem Deus Todo-Poderoso ouviram a voz de Deus na palavra e obra de Deus Todo-Poderoso, viram a manifestação da palavra de Deus na carne e ficaram diante do trono de Deus Todo-Poderoso, recebendo a purificação e a perfeição de Deus. Quem, do mundo religioso, ainda negar, resistir e condenar a Deus Todo-Poderoso, comete o mesmo erro que os fariseus judeus, tratando Cristo dos últimos dias, Deus Todo-Poderoso, como uma pessoa qualquer, sem se esforçar para buscar e estudar todas as verdades que Deus Todo-Poderoso proferiu e, assim, crucificando Deus mais uma vez e enfurecendo o caráter Dele. Como dá para ver, quem se apegar aos próprios conceitos e imaginações e não buscar e estudar as verdades que Cristo profere, não reconhecerá a voz de Deus proferida por Cristo, não saberá aceitar e obedecer às obras de Cristo e nunca receberá a salvação de Deus nos últimos dias. Se o homem não entender a verdade da encarnação, não saberá aceitar e obedecer às obras de Deus. Ele condenará Cristo e resistirá a Deus, e também poderá receber o castigo e as maldições de Deus. Assim, na nossa fé, para ser salvo por Deus, é importante buscarmos a verdade e compreendermos o mistério da encarnação!

do roteiro do filme O mistério da divindade

Anterior: Pergunta 9: Nós aceitamos a obra de Deus dos últimos dias, mas como experimentamos o julgamento e o castigo de Deus de modo que possamos receber a verdade e a vida, livrar-nos de nossa natureza pecaminosa e alcançar a salvação para entrar no reino dos céus?

Próximo: Pergunta 2: Por que Deus tem que se tornar carne para realizar Sua obra de julgamento nos últimos dias? Na Era da Lei, Deus usou Moisés para fazer Sua obra, então por que Deus não pode usar o homem para fazer Sua obra de julgamento nos últimos dias?

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Contate-nos
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

1. O Próprio Senhor Jesus profetizou que Deus encarnaria nos últimos dias e surgiria como o Filho do homem para operar

“Daquele dia e hora, porém, ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, senão só o Pai. Pois como foi dito nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. […] Por isso ficai também vós apercebidos; porque numa hora em que não penseis, virá o Filho do homem.” Quando esse dia chegar, o Próprio Filho do homem não saberá. O Filho do homem se refere à carne encarnada de Deus, uma pessoa normal e comum. Nem mesmo o Próprio Filho do homem sabe, então como você pode saber?

2. O que é a encarnação? Qual é a essência da encarnação?

O significado de encarnação é que Deus aparece na carne, e Ele vem para trabalhar entre os homens de Sua criação na imagem de uma carne. Assim, para Deus Se encarnar, Ele precisa primeiro ser carne, carne com humanidade normal; esse é o pré-requisito mais básico. De fato, a implicação da encarnação de Deus é que Deus vive e opera na carne, Deus, em Sua essência, Se torna carne, Se torna um homem.

3. Quais são as diferenças entre a obra de Deus encarnado e a obra do Espírito?

A obra do Espírito é capaz de cobrir todo o universo, através de todas as montanhas, rios, lagos e oceanos, no entanto a obra da carne relaciona-se de maneira mais eficaz a todas as pessoas com a quais Ele tem contato. Além disso, a carne de Deus com uma forma tangível pode ser melhor entendida, confiada pelo homem, pode aprofundar o conhecimento que o homem tem de Deus e pode deixar no homem uma impressão mais profunda dos feitos reais de Deus. A obra do Espírito é envolta em mistério, é difícil para seres mortais compreenderem, ainda mais difícil para eles verem e então podem apenas confiar em imaginações vãs. A obra da carne, contudo, é normal, baseada na realidade, possui uma rica sabedoria e é um fato que pode ser visto pelo olho físico do homem;

4. Por que Deus não usa o homem para fazer Sua obra de julgamento nos últimos dias; por que Ele deve encarnar e fazer isso Ele Próprio?

A obra de julgamento é a própria obra de Deus, portanto ela deve ser naturalmente realizada pelo Próprio Deus; não pode ser realizada pelo homem em Seu lugar. Como o julgamento é a conquista da raça humana por meio da verdade, é inquestionável que Deus ainda apareça como imagem encarnada para realizar essa obra entre os homens. Isto é, nos últimos dias, Cristo irá usar a verdade para ensinar os homens do mundo todo e revelar todas as verdades a eles. Essa é a obra de julgamento de Deus.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro