Permanecendo fiel ao meu dever em meio à adversidade

28 de Abril de 2024

Por Wang Ju, China

Em 2016, meu dever na igreja era o de diaconisa de rega. Naquela época, a líder de igreja que estava sendo oprimida por um anticristo vivia em negatividade. Ela perdeu a obra do Espírito Santo e foi dispensada. Minha superior me deu instruções, dizendo que o anticristo na igreja não havia sido totalmente exposto e que os outros membros ainda não tinham discernimento, então, ela esperava que eu pudesse trabalhar com a irmã Yang Yue e assumir vários trabalhos na igreja. Mais tarde, como eu não estava muito bem de saúde e não tinha força nem energia, a igreja ia mudar meu dever. Mas antes que a transferência fosse realizada, algo aconteceu. Naquele momento, a líder superior agendou uma reunião para mim com outras irmãs. Como sempre, cheguei à casa da anfitriã na hora marcada, mas, para minha surpresa, esperei muito tempo e ninguém apareceu. Então, fui até a casa de Yang Yue para procurá-la. Fiquei batendo à porta, mas não tive resposta. Fiquei um pouco apreensiva, temendo que ela tivesse sido presa. Inesperadamente, dois dias depois, Chen Hui me disse que Yang Yue e dois líderes superiores haviam sido detidos pela polícia naquele dia, e a polícia havia revirado a casa dela. Ao ouvir essas notícias terríveis, embora eu soubesse que estava enfrentando uma provação e um refinamento de Deus, ainda assim fiquei muito nervosa. Pensei no dia em que fui à casa de Yang Yue e bati à porta, felizmente, Deus me protegeu e não me deparei com a polícia, pois eu não teria escapado de suas garras. Foi por pouco!

Mais tarde, ouvi as pessoas falarem sobre essa detenção na cidade. Foi como descobri que se tratava de uma operação de âmbito nacional. Em nossa cidade, muitos policiais fortemente armados foram mobilizados e estavam fazendo varreduras por toda a cidade, detendo freneticamente o povo escolhido de Deus. Havia faixas em todas as ruas e becos, e todo tipo de propaganda negativa nos muros. Uma sensação de pânico tomou conta da cidade. Pensei nos muitos irmãos com deveres que haviam sido detidos, e em todas as casas envolvidas que poderiam ser invadidas e nos pertences da igreja que o grande dragão vermelho poderia confiscar a qualquer momento, por isso, tive de me apressar e levar os pertences da igreja e os irmãos envolvidos para um lugar seguro, mas a polícia ainda estava procurando e vigiando. O que fazer? Fiquei desesperada. Quando cheguei em casa, minha filha apontou para o celular e disse: “Mamãe, tenha cuidado e não saia por alguns dias. Um dos meus clientes de segurança pública me enviou um vídeo dizendo que mais de setenta fiéis já foram detidos e que as buscas continuam”. Ao ouvir isso, fiquei ainda mais assustada e também muito nervosa. Fiquei pensando no fato de que Yang Yue e eu sempre trabalhamos juntas. Eu também ia muito à casa dela, e agora que ela foi presa, fiquei imaginando se a polícia me encontraria por meio da vigilância. Se eles já soubessem sobre mim, e eu voltasse a cumprir meu dever, será que não estaria andando em direção à morte? Eu já tinha uma doença ocupacional e estava muito debilitada. Se eu realmente fosse presa, sabe-se lá quantas surras eu levaria. Se a polícia me forçasse a confessar usando tortura e me espancasse até a morte, eu perderia minha chance de salvação? Minha mente não parava de voltar aos vídeos de irmãos sendo torturados, e eu ficava mais inquieta ao pensar nisso. Comecei a suar frio, fiquei paralisada e perdi as forças, não conseguia me acalmar. Pensei em fugir do perigo imediatamente, me esconder e seguir em frente. Mas então pensei na situação da igreja, com todo o trabalho de limpeza a ser feito, e que, já que Yang Yue foi presa, eu tinha de assumir o trabalho da igreja. Eu precisava dizer aos que estavam em perigo para se esconderem, e tinha de realocar imediatamente os livros das palavras de Deus. Era uma responsabilidade enorme. Se eu não fizesse bem esse trabalho, isso prejudicaria ainda mais o trabalho da casa de Deus. Se perdesse minha propriedade, eu conseguiria sobreviver mas se os livros das palavras de Deus fossem levados, isso causaria perdas incalculáveis à vida do povo escolhido de Deus. Se me escondesse em um momento tão crítico, eu poderia ainda ser chamada de crente? Eu realmente careceria de humanidade. Onde estaria meu senso de responsabilidade? Mas sozinha eu não conseguiria realizar bem esses trabalhos. Era possível que a polícia já estivesse me vigiando. Se eu realmente fosse presa, não haveria ainda menos pessoas para assumir os deveres? Então, de repente, ocorreu-me que duas irmãs, Chen Hui e Zhang Min, eram fervorosas em sua busca e sabiam lidar com a responsabilidade, e que eu deveria deixá-las cuidar das consequências, e eu poderia trabalhar nos bastidores. Elas sabiam que eu não estava bem de saúde, então provavelmente seriam compreensivas. Assim, o trabalho da igreja não seria interrompido e eu ficaria fora de perigo. Então, uma coisa que a líder superior me disse ficava voltando à minha mente. Ela me disse para assumir o trabalho da igreja com Yang Yue. Eu sabia que ela havia sido presa, então assumi essa responsabilidade, mas tinha medo do perigo. Eu queria fugir e me esconder nesse momento de crise para me proteger. Eu até queria empurrar aquele perigo e a dificuldade para outras irmãs. Eu estava sendo muito egoísta. Eu estava abandonando meu dever, e isso é fazer o mal! De repente, lembrei-me das palavras de Deus: “O modo como você vê as comissões de Deus é extremamente importante e isso é um assunto muito sério! Se você não consegue completar o que Deus confiou às pessoas, então você não está apto para viver em Sua presença e deveria ser punido(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Como conhecer a natureza do homem”). As palavras de Deus foram um alerta imediato. Senti-me culpada e arrependida por pensar assim. Como eu poderia passar para outras pessoas minha comissão da igreja? Eu tinha recebido muito sustento das verdades de Deus, por isso, deveria estar refletindo sobre como desempenhar bem meu dever para retribuir a Deus. Enquanto a igreja estava em perigo, eu deveria proteger os irmãos e salvaguardar os interesses da casa de Deus. Eu era a pessoa responsável, mas nesse momento crítico, queria me encolher e me esconder e empurrar o risco para outras pessoas. Se o grande dragão vermelho saqueasse os livros da palavra de Deus e a propriedade da casa de Deus por causa do meu egoísmo, isso seria uma transgressão irreparável! Mesmo que eu estivesse em segurança por um tempo, aos olhos de Deus, eu seria uma covarde cuja existência é vergonhosa, uma traidora que foge da batalha. Será que eu seria digna de viver diante de Deus? Se eu abandonasse meu dever, isso não seria trair a Deus? Então, que sentido eu teria na vida? Esse pensamento me fez sentir desconfortável e culpada. Eu me sentia muito em dívida com Deus, e me odiava por ser tão desprezível e sem-vergonha. Eu sempre vivia para mim mesma, mas, de uma vez por todas, eu precisava praticar a verdade e viver para Deus. Eu sabia que, não importava o que encontrasse, orar e confiar em Deus era a atitude mais sábia. Então, orei a Deus: “Oh, Deus! Não sei se a polícia já está de olho em mim. Estou me sentindo fraca e com medo, mas o fato de eu ser presa ou não está em Tuas mãos. Não quero viver uma existência ignóbil, nem trair minha consciência e me rebelar contra Ti. Há muito trabalho de limpeza a ser feito pela igreja imediatamente. Devo cumprir minhas responsabilidades. Deus, por favor, protege meu coração e dá-me a disposição para suportar as dificuldades. Se eu realmente for presa e espancada até a morte, será por que Tu permitiste. Estou pronta para me submeter aos Teus arranjos e nunca delatarei os interesses de Tua casa”. Depois de orar, li algumas das palavras de Deus. Deus diz: “Você não deveria ter medo disto e daquilo; sejam quais forem os muitos perigos e dificuldades que possa enfrentar, você é capaz de permanecer firme diante de Mim, desobstruído de qualquer obstáculo, para que Minha vontade possa ser realizada sem impedimento. Esse é o seu dever. […] Você precisa suportar tudo; por Mim, precisa estar pronto para renunciar a tudo que possui e fazer tudo que puder para Me seguir, e estar pronto para despender tudo que tiver. Agora é o tempo em que o testarei: você oferecerá sua lealdade a Mim? Você consegue Me seguir lealmente até o fim da estrada? Não tema; com Meu apoio, quem, alguma vez, poderia bloquear essa estrada? Lembre-se disso! Não esqueça! Tudo que ocorre é por Minha boa intenção e tudo está sob Minha observação. Você consegue seguir Minha palavra em tudo que diz e faz? Quando as provações de fogo lhe acontecerem, você se ajoelhará e clamará? Ou se acovardará, incapaz de seguir em frente?(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Declarações de Cristo no princípio, Capítulo 10”). Quando li que Deus diz: “Lembre-se disso! Não esqueça!”, fiquei muito emocionada. Era como um pai dizendo ao filho: “Não tenha medo, estou aqui”. De repente, tive fé e força, e senti que tinha apoio. Pude sentir que Deus não queria que eu vivesse sempre em constante ansiedade e medo. Eu não deveria ter medo de não desempenhar meu dever bem, nem de ser presa pelo grande dragão vermelho, e, particularmente, não deveria esquecer que Deus está sempre conosco. Por mais astuto e maligno que seja o grande dragão vermelho, ele não pode impedir o que Deus quer realizar. Mesmo que a polícia estivesse de olho nos crentes todos os dias, eles não poderiam arruinar o trabalho da igreja, porque tudo é governado e orquestrado por Deus. Eu deveria ter fé, entregar-me a Deus, e concluir o trabalho de limpeza o mais rápido possível. Essa situação terrível foi Deus testando minha fé e inspecionando minha verdadeira estatura para ver se eu seria capaz de arriscar a vida para ser fiel ao meu dever, proteger os irmãos e salvaguardar o trabalho da igreja. Ao pensar nisso, eu só tinha uma coisa em mente: não importava o que acontecesse, eu tinha de pensar em uma maneira de superar as dificuldades à minha frente, minimizar nossas perdas, e desempenhar bem meu dever, caso contrário eu não encontraria paz. Quando eu estava pronta para me submeter e passar por aquela situação, para minha surpresa, Chen Hui e Zhang Min apareceram de repente na casa de minha anfitriã para discutir como lidar com as consequências. Ao vê-las, eu realmente me senti feliz e envergonhada. Considerando que eu queria colocá-las em perigo, percebi quão desprezível e egoísta eu tinha sido. Meu pensamento era vil e vergonhoso. Embora eu não tivesse entrado em contato com elas, no momento crítico, elas correram sem hesitar para evitar qualquer dano à casa de Deus. Fiquei muito emocionada e não parava de agradecer a Deus. Pude ver que Deus estava governando e orquestrando tudo, e que Ele não havia me sobrecarregado com um fardo tão difícil de suportar. Então, tivemos uma rápida discussão, dividimos as responsabilidades, e partimos imediatamente. Primeiro, fui sozinha a uma casa próxima onde Yang Yue havia participado de reuniões, para que a anfitriã soubesse que precisava ficar alerta. Fiquei orando durante todo o caminho, segurando meu guarda-chuva bem baixo. Cheguei lá bem rápido e informei a irmã anfitriã. Na segunda casa, Chen Hui e eu tivemos que retirar alguns livros das palavras de Deus juntas. Era muito longe, e todo o percurso era vigiado. Eu podia ver carros de polícia passando ao longe. De novo, tive um pouco de medo. Pensei: “A polícia está intensificando as buscas. Se eu passar pela vigilância e for reconhecida, estarei em apuros. Então, os livros das palavras de Deus serão levados e Chen Hui será envolvida”. Eu estava sentada no banco de trás da scooter elétrica de Chen Hui, segurando-me na roupa dela com as palmas das mãos suando. Antes de chegarmos à casa, meu coração já batia forte, e receei que houvesse policiais à espreita. Fiquei clamando a Deus em meu coração, e então me lembrei de algo que Deus disse: “A fé é como uma ponte de um tronco só: aqueles que se agarram abjetamente à vida terão dificuldade para cruzá-la, mas aqueles que estão prontos para se sacrificar podem atravessá-la de pé firme e sem preocupação(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Declarações de Cristo no princípio, Capítulo 6”). As palavras de Deus me deram coragem para enfrentar esse ambiente hostil. Eu disse a mim mesma: “Mesmo que eu tenha de colocar minha vida em risco, devo proteger os livros das palavras de Deus. Preciso ter fé e acreditar que Deus governa tudo. Não importa quão louco seja o grande dragão vermelho, sem a permissão de Deus, ele não pode fazer nada conosco”. Então, não me senti tão tímida e com medo. Com um só coração, Chen Hui e eu oramos a Deus, e, no final, levamos os livros para um local seguro sem problemas. Finalmente, um grande peso saiu do meu coração.

Mais tarde, recebi uma carta de uma líder superior, dizendo que as coisas estavam difíceis e que os projetos da igreja estavam parados. Ela queria que eu, Chen Hui e Zhang Min ficássemos no comando das coisas. Lembrei-me de que o anticristo e os malfeitores não haviam sido removidos e ainda estavam perturbando as coisas, e que eu deveria assumir essa responsabilidade e limpar da igreja aquelas pessoas para que os irmãos pudessem retomar a vida de igreja normal em breve. Mas a situação não melhorou em nada. Dia sim, dia não havia notícias terríveis de irmãos sendo presos e suas casas invadidas. Mais tarde, fui informada de que o grande dragão vermelho estava usando todo tipo de tática vil para desorientar os detidos e os provocava para que delatassem uns aos outros, usando tortura para pressioná-los se eles se recusassem. Mais tarde, houve notícias de que Zhu Feng, uma falsa líder que havia sido dispensada de nossa igreja, não suportou a desorientação e o interrogatório do grande dragão vermelho, a combinação de abordagens suaves e duras após sua detenção, e, em poucos dias, ela se tornou um Judas e traiu a Deus. Ouvir essa notícia me deixou nervosa mais uma vez. Fiquei pensando nisso e não consegui dormir naquela noite. Senti como se pudesse ver os rostos agonizantes dos irmãos nas cadeiras de tortura. Também pensei no fato de Zhu Feng saber tudo sobre o trabalho da igreja e onde eu morava. Se ela foi capaz de trair até mesmo a Deus, quem sabe quando ela poderia me delatar. Se eu fosse presa, será que conseguiria suportar a tortura cruel? Não seria horrível se eu morresse na cadeia? Enquanto pensava nessas coisas, me vi mergulhada na escuridão. Eu não sentia o peso do dever que deveria desempenhar e estava totalmente sem forças. A caminho de pequenas reuniões, eu ficava muito nervosa quando uma viatura da polícia passava. Ao passar pela área onde alguns irmãos foram detidos, eu ficava nervosa e com medo de ser presa. Pensei em me esconder por um tempo, esperar até que as coisas melhorassem e então me encontrar com os outros. Mas me senti incomodada com esse pensamento. Pensei no anticristo e nos malfeitores soltos na igreja. Eles continuariam a interromper as coisas, e se eu continuasse vivendo em um estado de covardia e temendo a morte, não desempenhando bem o meu dever, eu não faria o bem nem daria testemunho, e assim eu me tornaria motivo de chacota de Satanás. Pensei, todo mundo nasce, envelhece, adoece e morre, então por que eu tinha tanto medo da morte? Principalmente porque eu era muito autoprotetora. Tinha medo de não ter um bom desfecho, apesar da minha fé, e, em vez disso, ser torturada e espancada até a morte pelo grande dragão vermelho, sofrendo dores horríveis. Eu era crente havia apenas alguns anos e ainda não entendia a verdade. Se eu morresse assim, perderia minha chance de comer e beber as palavras de Deus, experimentar Sua obra e ser salva. Então, será que minha fé não seria em vão? Quanto mais eu pensava nisso, mais difícil era aceitar, então orei a Deus imediatamente, pedindo a Ele que me esclarecesse e me guiasse para que eu pudesse entender a verdade e ganhar um entendimento adequado desse tipo de coisa. Mais tarde, deparei-me com esta passagem das palavras de Deus: “Deus tem um plano para cada um de Seus seguidores. Cada um deles tem um ambiente, fornecido ao homem por Deus, no qual deve cumprir seu dever, e ele tem a graça e o favor de Deus que é para o homem desfrutar. Ele também tem circunstâncias especiais, que Deus estabelece para o homem, e há muito sofrimento pelo qual ele deve passar — é totalmente diferente da tranquilidade que o homem imagina. […] Como aqueles discípulos do Senhor Jesus morreram? Entre os discípulos, houve aqueles que foram apedrejados, arrastados por cavalo, crucificados de cabeça para baixo, desmembrados por cinco cavalos — todo tipo de morte sobreveio a eles. Qual foi a razão da morte deles? Eles foram legalmente executados por seus crimes? Não. Eles foram condenados, espancados, repreendidos e executados porque propagavam o evangelho do Senhor e foram rejeitados pelas pessoas do mundo — é assim que foram martirizados. Não falemos do desfecho decisivo desses mártires ou da definição de Deus da conduta deles, mas perguntemos: quando eles chegaram ao fim, a forma como encontraram o fim de sua vida estava de acordo com noções humanas? (Não, não estava.) Sob a perspectiva das noções humanas, eles pagaram um preço tão alto para espalhar a obra de Deus, mas, no fim, foram mortos por Satanás. Isso não está de acordo com noções humanas, mas é exatamente isso que aconteceu com eles. É o que Deus permitiu. Que verdade pode ser buscada nisso? O fato de Deus permitir que eles morressem daquele jeito foi Sua maldição e condenação, ou foi Seu plano e sua bênção? Não era nada disso. O que era? As pessoas agora refletem sobre a morte deles com muita dor no coração, mas era assim que as coisas eram. Aqueles que criam em Deus morriam dessa forma, como isso se explica? Quando mencionamos esse tópico, vocês se colocam no lugar deles; seu coração, então, se entristece, e vocês sentem uma dor oculta? Vocês pensam: ‘Essas pessoas fizeram seu dever para espalhar o evangelho de Deus e deveriam ser consideradas boas pessoas, então como puderam chegar a esse fim e a esse desfecho?’. Na realidade, foi assim que seus corpos morreram e pereceram; esse foi o meio como partiram do mundo humano, mas isso não significa que o desfecho deles foi igual. Qualquer que fosse o meio da sua morte e partida, ou como aconteceu, não foi como Deus definiu os desfechos finais daquelas vidas, daqueles seres criados. Isso é algo que você deve ver com clareza. Longe disso, eles usaram precisamente aqueles meios para condenar este mundo e testificar dos feitos de Deus. Esses seres criados usaram sua vida mais preciosa — eles usaram o último momento de sua vida para testificar dos feitos de Deus, para testificar do grande poder de Deus e para declarar a Satanás e ao mundo que os feitos de Deus estão certos, que o Senhor Jesus é Deus, que Ele é o Senhor e é a carne encarnada de Deus. Até mesmo no momento final de sua vida, eles nunca negaram o nome do Senhor Jesus. Isso não era uma forma de julgamento sobre este mundo? Eles usaram sua vida para proclamar ao mundo, para confirmar aos seres humanos que o Senhor Jesus é o Senhor, que o Senhor Jesus é Cristo, que Ele é a carne encarnada de Deus, que a obra de redenção que Ele fez para toda a humanidade permite que a humanidade continue a viver — esse fato é para sempre imutável. Aqueles que foram martirizados por espalharem o evangelho do Senhor Jesus, até que ponto eles cumpriram seu dever? Foi ao grau máximo? Como o grau máximo se manifestou? (Eles ofereceram sua vida.) Isso mesmo, eles pagaram o preço com a vida. Família, riqueza e as coisas materiais desta vida são todas coisas externas; a única coisa que relacionada ao ego é a vida. Para toda pessoa que vive, a vida é a coisa mais digna de ser valorizada, a coisa mais preciosa e, surpreendentemente, essas pessoas foram capazes de oferecer seu bem mais precioso — a vida — como confirmação de e testemunho do amor de Deus pela humanidade. Até o dia em que morreram, elas não negaram o nome de Deus nem negaram a obra de Deus e usaram o seu último momento de vida para testificar da existência desse fato — essa não é a mais elevada forma de testemunho? É a melhor maneira de fazer o dever; isso é que é cumprir responsabilidade. Quando Satanás os ameaçou e aterrorizou, e, no fim, até mesmo quando ele os fez pagar o preço de sua vida, eles não abandonaram sua responsabilidade. Isso é que é cumprir o dever ao máximo. O que quero dizer com isso? Minha intenção é fazer com que vocês usem o mesmo método para testificar de Deus e para espalhar Seu evangelho? Você não precisa necessariamente fazer isso, mas deve entender que é sua responsabilidade, que se Deus precisar que você o faça, você deveria aceitá-lo como algo que, por honra, é obrigado a fazer(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Divulgar o evangelho é o dever a que todos os crentes estão moralmente obrigados”). As palavras de Deus me ajudaram a ver a questão da morte com mais clareza. Compreendi a mentalidade que devo ter em situações de vida ou morte, e que eu sempre fui limitada por meu medo da morte principalmente porque eu não entendia totalmente a verdade de que Deus governa nossa sina. Embora eu tivesse lido muitas das palavras de Deus como crente e teoricamente entendesse que Deus governa e arranja nossa vida e morte, eu não tinha nenhuma experiência ou entendimento pessoal real. Também percebi minha falha fatal. Eu tinha medo da morte principalmente porque tinha medo de ser torturada e sofrer fisicamente antes de morrer, e tinha medo de não ter um bom fim e uma boa destinação se morresse. Eu achava que deixar o grande dragão vermelho me torturar até a morte seria uma morte trágica. Especialmente quando pensei em tantos irmãos sendo detidos e torturados, e ouvi dizer que Zhu Feng traiu a Deus, tive medo de que ela me entregasse. Temia que eu também pudesse sofrer aquele tipo de tortura devastadora, ou até mesmo morrer por causa disso. Eu estava realmente infeliz. Mas, na verdade, o sofrimento físico não é a pior dor. Se não conseguirmos lidar com a tortura e trairmos a Deus, nossas almas serão punidas. Esse é o maior sofrimento, uma dor insuportável. Pensei naqueles que eram Judas e traíram a Deus, e que foram abandonados pelo Espírito Santo. Eles diziam que era tão ruim quanto se seu coração fosse arrancado, e não sabiam como continuariam vivendo como se fossem cadáveres sem alma, nada além de zumbis. Viver dessa forma seria muito mais doloroso do que ser torturada até a morte. Então pensei em Pedro. Depois que ele escapou da prisão, o Senhor Jesus apareceu a ele e disse: “Quer que Me crucifiquem por você mais uma vez?(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “As pessoas fazem demandas demais a Deus”). Pedro entendeu o que Deus queria dizer, e soube que havia chegado o dia de Deus para ele dar testemunho. Ele se submeteu, pronto para se submeter até a morte, para dar tudo de si e ser crucificado por Deus. Pedro sabia que ser crucificado significava suportar uma dor excruciante, mas ainda assim escolheu se submeter a Deus, para dar um belo e retumbante testemunho de Deus e envergonhar Satanás. Considerando a submissão de Pedro a Deus, senti-me muito envergonhada. A ideia da morte me enchia de medo, e eu fazia exigências a Deus, torcendo para não morrer em dor e ter uma bela destinação. Por acaso isso era razoável, ou submisso? Mas então percebi que, quando Satanás nos fere, e enfrentamos a morte, somente ser capaz de sacrificar nossa própria vida é o que realmente faz sentido e é o melhor testemunho. Se eu escolhesse me proteger e viver sem dignidade, mesmo que meu corpo continuasse vivo e não sofresse dor, para Deus, isso seria traí-Lo e deixar de dar testemunho. Aos olhos de Deus, minha alma já estaria morta e eu seria punida por Ele no final. Essa é a verdadeira morte. Se eu pudesse sacrificar minha vida, proteger o trabalho da igreja, desempenhar bem meu dever, permanecer firme em meu testemunho de Deus e envergonhar Satanás, mesmo que eu fosse espancada até a morte, minha alma ainda estaria nas mãos de Deus e continuaria a viver. Naquele momento, percebi que eu era muito rebelde e não estava disposta a me submeter à soberania e às orquestrações de Deus, e eu não estava comprometida em sacrificar minha vida para dar testemunho de Deus. Deus permitiu que eu experimentasse essa dificuldade e opressão, esperando que eu aprendesse e me equipasse com a verdade, e viesse a saber que os seres criados devem se submeter a Deus, e que, se algum dia Deus precisasse que eu desse esse tipo de testemunho, eu precisaria me submeter incondicionalmente, ser como Pedro e estar decidida a satisfazer a Deus. Embora ainda não tivesse muito entendimento sobre Deus, eu acreditava que tudo o que Deus faz é justo. Quer Ele faça alguém viver ou morrer, isso contém Sua boa vontade e Seu governo. Quando entendi essas coisas, não me senti tão constrangida pela ideia da morte. Não importava quão louca era a perseguição do grande dragão vermelho e se eu seria presa, eu estava pronta para me colocar nas mãos de Deus e cumprir meu dever.

Então, fui aos locais de reunião para comunicar as palavras de Deus aos irmãos, para que todos entendessem que Deus estava usando o grande dragão vermelho para servir aos Seus objetivos, para nos aperfeiçoar, usando suas detenções e perseguições para que pudéssemos ver claramente sua essência maligna, ter discernimento sobre ele, e rejeitá-lo de todo o coração, e, ao mesmo tempo, aperfeiçoar nossa fé e amor por meio dessas provações. Enquanto estava em um frenesi para nos deter, o anticristo também estava trazendo confusão e interrupção para a igreja. Mas todos nós tínhamos de confiar em Deus, continuar a comer e beber de Suas palavras e discernir o anticristo naquele ambiente, para desempenhar nosso dever e dar testemunho de Deus. Quando entenderam a vontade de Deus, todos eles se prontificaram a enfrentar essa dificuldade, aderir à vida de igreja e cumprir seu dever de envergonhar Satanás.

Depois disso, também refleti sobre mim mesma. Por que me faltou tanta fé naquela situação, e eu sempre pensava só em mim? Qual era o verdadeiro motivo? Em minha busca, li isto nas palavras de Deus: “Os anticristos são extremamente egoístas e desprezíveis. Eles não têm fé verdadeira em Deus, muito menos lealdade a Deus; quando se deparam com um problema, eles apenas se protegem e se resguardam. Para eles, nada é mais importante do que sua própria segurança. Contanto que possam viver e não sejam presos, eles não se importam com o dano causado ao trabalho da igreja. Essas pessoas são extremamente egoístas, não pensam nem um pouco nos irmãos nem no trabalho da igreja, só pensam em sua própria segurança. Elas são anticristos. Então, quando essas coisas acometem aqueles que são leais a Deus e têm fé verdadeira em Deus, como eles lidam com elas? Como o que eles fazem difere do que os anticristos fazem? (Quando tais coisas acometerem aqueles que são leais a Deus, eles pensarão em qualquer jeito de salvaguardar os interesses da casa de Deus, de evitar perdas às ofertas de Deus, e farão os arranjos necessários para os líderes, obreiros e irmãos para minimizar as perdas. Enquanto isso, os anticristos se certificam primeiro de que estão protegidos. Eles não se preocupam com o trabalho da igreja nem com a segurança do povo escolhido de Deus e, quando a igreja se depara com prisões, isso resulta em prejuízo para o trabalho da igreja.) Os anticristos abandonam o trabalho da igreja e as ofertas de Deus, e não arranjam pessoas para lidar com as consequências. Isso é igual a permitir que o grande dragão vermelho se apodere das ofertas de Deus e de Seu povo escolhido. Isso não é uma traição velada às ofertas de Deus e ao Seu povo escolhido? Quando os que são leais a Deus sabem claramente que um ambiente é perigoso, eles ainda correm o risco de fazer o trabalho de lidar com as consequências, e fazem com que as perdas da casa de Deus sejam as mínimas possíveis antes de se retirarem. Eles não dão prioridade à própria segurança. Digam-Me, neste país perverso do grande dragão vermelho, quem poderia garantir que não há perigo nenhum em crer em Deus e em desempenhar um dever? Qualquer que seja o dever que alguém assuma, ele envolve algum risco — mas o desempenho do dever é comissionado por Deus e, ao segui-Lo, é preciso assumir o risco de desempenhar o dever. É preciso que se exerça sabedoria e que se tomem medidas para garantir sua segurança, mas não se deveria colocar a segurança pessoal em primeiro lugar. As pessoas deveriam considerar a vontade de Deus, colocando o trabalho de Sua casa e a propagação do evangelho em primeiro lugar. Completar o que Deus lhe comissionou é o que mais importa e vem em primeiro lugar. Os anticristos dão prioridade máxima a sua segurança pessoal; acreditam que nenhuma outra coisa tem a ver com eles. Eles não se importam quando algo acontece com outra pessoa, não importa quem seja. Contanto que nada ruim aconteça aos próprios anticristos, eles ficam tranquilos. Eles são desprovidos de qualquer lealdade, o que é determinado pela natureza essência do anticristo(A Palavra, vol. 4: Expondo os anticristos, “Item Nove: parte 2”). As palavras de Deus foram direto ao meu coração. Deus revela que os anticristos são incrivelmente malignos, egoístas e desprezíveis por natureza e que não são leais a Deus. Diante do perigo, eles simplesmente escolhem se proteger, independentemente da segurança dos irmãos. Eles só consideram seus interesses carnais e a própria segurança, permitindo que o povo escolhido de Deus e as ofertas de Deus sejam confiscados. Com isso, eles estão, em segredo, entregando irmãos, irmãs e os interesses da casa de Deus. É assim que os anticristos agem. Mas, no início, eu tinha pensamentos e ideias egoístas e desprezíveis que, na verdade, revelaram meu caráter de anticristo. Quando Yang Yue foi presa, muitas outras pessoas precisavam ser informadas e eu precisava assumir a responsabilidade de realocar rapidamente os livros das palavras de Deus, mas eu tinha medo de ser levada pelo grande dragão vermelho e de ser torturada e espancada até a morte, e depois perder minha chance de salvação, por isso, eu quis abandonar meu dever. Como líder, eu era responsável pelo trabalho da igreja. Era minha responsabilidade proteger a segurança dos outros e garantir que os interesses da igreja não fossem comprometidos. Mas quando havia perigo, eu não pensava nos outros, só em minha própria vida ou morte. Qualquer coisa referente aos outros e aos interesses da igreja era deixada para depois, naquele momento, como se eu não tivesse empatia por eles, se seriam detidos, espancados ou se sofreriam. Eu sentia que as perdas para os interesses da casa de Deus não tinham nada a ver comigo e que bastava apenas me manter em segurança. Como pude ser tão desprovida de humanidade, tão desprezível e maliciosa? Quem é leal a Deus coloca os interesses da casa de Deus em primeiro lugar em tudo. Mas quando algo acontecia, eu só queria abandonar meu dever e me esconder nos bastidores. Eu esperava não ter de fazer nada perigoso ou enfrentar algum risco de vida. Vez por outra, eu queria empurrar o trabalho perigoso para Chen Hui e Zhang Min. Mesmo não fazendo, de fato, essas coisas, meus pensamentos e ideias vinham à tona com muita força. Esse meu caráter era tão maligno e desprezível quanto o dos anticristos. Na verdade, eu já estava prestes a cometer o mal. Felizmente, as palavras de Deus me julgaram, expuseram e orientaram a tempo, então, por pouco, evitei fazer o mal. Caso contrário, Deus teria me desprezado e me rejeitado. Ao perceber isso, finalmente entendi completamente como é importante experimentar o julgamento e o castigo das palavras de Deus.

Nos dias que se seguiram, o grande dragão vermelho foi implacável em suas detenções e perseguições aos membros da igreja. Uma irmã que havia sido transferida de outro lugar foi presa enquanto desempenhava seu dever, e outro membro da igreja que já havia sido removido foi detido. As coisas ainda estavam muito tensas. Mais tarde, li isto nas palavras de Deus: “Vocês realmente odeiam o grande dragão vermelho? Vocês o odeiam verdadeira e sinceramente? Por que perguntei tantas vezes a vocês? Por que continuo a perguntar-lhes isso sempre de novo? Que imagem vocês têm do grande dragão vermelho em seu coração? Ela realmente foi removida? Vocês verdadeiramente não o consideram ser seu pai? Todas as pessoas devem perceber o que pretendo com as Minhas perguntas. Não é para provocar a ira das pessoas nem para incitar o homem à rebelião nem para que o homem encontre a sua própria saída, mas é para permitir que todas as pessoas se libertem do cativeiro do grande dragão vermelho(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Palavras de Deus para todo o universo, Capítulo 28”). As palavras de Deus estão certas. O país do grande dragão vermelho é como o inferno na terra. Antes de experimentar pessoalmente sua caçada e perseguição, quando lia as palavras de Deus: “Vocês realmente odeiam o grande dragão vermelho?”, embora eu dissesse que sim, não o odiava de verdade em meu coração. Só depois que vi de perto a perseguição aos crentes e os métodos cruéis do PCC, as detenções de crentes bons e regulares sem mais nem menos, torturados cruelmente, e até alguns sendo espancados até a morte, foi então que finalmente o odiei do fundo do coração. Foi por meio da opressão e da crueldade do grande dragão vermelho que eu realmente vi a essência perversa e maligna de Satanás. Também experimentei pessoalmente o governo e a autoridade de Deus, e ganhei fé em Deus. Não importava o tipo de situação que eu enfrentasse no futuro, eu estava disposta a fazer o melhor possível para cumprir meu dever, e não ser mais uma pessoa egoísta, desprezível e mesquinha. Em vez disso, eu me apoiaria em Deus e atenderia à Sua vontade, colocaria os interesses da casa de Deus em primeiro lugar e desempenharia bem o meu dever.

Depois disso, comuniquei às irmãs com quem trabalhava que, por mais terrível que fosse a situação, a exposição do anticristo e dos malfeitores não podia ser adiada. Depois de nossa comunhão, fizemos tudo de acordo com os princípios. Por meio da orientação das palavras de Deus, deixei de ter tanto medo de ser presa e consegui desempenhar meu dever normalmente. No final, excluímos o anticristo da igreja sem nenhum problema, e os irmãos voltaram, aos poucos, a ter uma vida de igreja normal. Todos ficaram gratos a Deus e O louvaram! Dessa vez, diante da detenção e da perseguição do grande dragão vermelho, eu não cedi e não abandonei meu dever. Isso foi totalmente graças à orientação das palavras de Deus. Toda a glória seja dada a Deus Todo-Poderoso!

Todos os dias temos 24 horas e 1440 minutos. Você está disposto a dedicar 10 minutos para estudar o caminho de Deus? Você está convidado a se juntar ao nosso grupo de estudo.👇

Conteúdo relacionado

Encontrando liberdade de status

Por Dong En, França Eu me tornei um líder da igreja em 2019. Fiz as coisas do meu jeito, fui irresponsável em meu dever, e não designei as...

Leave a Reply

Conecte-se conosco no Whatsapp