Responsabilidade é essencial para pregar bem o evangelho

27 de Setembro de 2022

Por Marie, Costa do Marfim

Eu não costumava levar meus deveres a sério e era muito relaxada. Muitas vezes, agia desleixadamente. Eu convidava alvos evangelísticos para ouvir sermões, mas não queria conversar com eles nem perguntar como se sentiam em relação ao que tinham ouvido. Achava que convidar muitas pessoas para vir e ouvir era cumprir bem o meu dever. Além disso, era mais fácil para mim. Achava difícil conversar com eles. Exigia tempo, e responder a o que perguntavam também exigia esforço, por isso eu não queria interagir com eles. Achava que a equipe evangelística faria isso, então não importava se eu não conhecesse a situação deles. Numa reunião, a supervisora disse: “Quando convidamos pessoas para ouvir os sermões, devemos saber o que se passa com eles depois, se vieram às reuniões, se entenderam o que foi dito e ouvir a opinião deles. Devemos fazer o que pudermos para ajudá-los com amor, e isso também é responsabilidade nossa”. Mas eu não percebia isso na época. Achava que era um transtorno, por isso não sacrificava muito nem suportava muita adversidade. Eu seguia a senda mais fácil e não dava atenção a se eu obtinha resultados. Uma vez, a supervisora disse que havia algumas pessoas que convidavam muitos ouvintes, mas pouquíssimos deles realmente buscavam ou investigavam. Eu sabia que eu era uma dessas pessoas. Eu só me preocupava com trabalho superficial e não obtinha resultados reais. Depois, a supervisora veio examinar meu trabalho e disse: “Como esses alvos evangelísticos estão agora?”. Fiquei envergonhada e não soube o que dizer. Em não tinha contato com muitos e nem ofereci ajuda a alguns que não vinham ouvir os sermões. Eu os tinha abandonado sem mais nem menos.

Depois de conversar com a supervisora, comecei a refletir. Vi que Deus diz: “Tudo que Deus exige que as pessoas façam e todos os vários tipos de trabalho na casa de Deus — todos eles precisam de pessoas que os façam, todos eles contam como deveres das pessoas. Não importa que tipo de trabalho as pessoas façam, esse é o dever que deveriam cumprir. Os deveres abrangem um escopo muito amplo e envolvem muitas áreas — mas não importa que dever você cumpra, em termos simples, essa é a sua obrigação, é algo que você deveria estar fazendo. Não importa que dever você cumpra, contanto que você se esforce a fazê-lo bem, Deus o elogiará e reconhecerá como alguém que realmente crê em Deus. Não importa quem você seja, se você sempre tenta evitar o seu dever ou se esconder dele, isso é um problema: Em termos brandos, você é preguiçoso demais, enganoso demais, você é ocioso, ama o tempo livre e odeia o trabalho; em termos mais sérios, você não está disposto a cumprir seu dever, não tem dedicação nem obediência. Se você não consegue fazer nem o esforço para essa tarefa pequena, o que consegue fazer? O que você é capaz de fazer corretamente? Se uma pessoa for realmente dedicada e tiver um senso de responsabilidade em relação ao seu dever, então, contanto que seja exigido por Deus e contanto que seja necessário para a casa de Deus, ela fará tudo que lhe pedirem, sem seleção. Não é um dos princípios de cumprir seu dever empreender e completar qualquer coisa que uma pessoa pode e deve fazer? (Sim.)” (A Palavra, vol. 3: Expondo os anticristos, “Item Dez: Eles odeiam a verdade, violam publicamente os princípios e ignoram os arranjos da casa de Deus (parte 4)”). “Se você for obediente e sincero, ao executar uma tarefa, você não será descuidado e superficial, e não procurará formas de ser negligente, mas investirá todo o seu corpo e alma nela. Ter o estado errado dentro de si produz negatividade, o que faz com que as pessoas percam o ímpeto, e assim se tornam descuidadas e desleixadas. Pessoas que, em seu coração, sabem muito bem que o seu estado não é correto e ainda assim não tentam corrigir isso buscando a verdade: tais pessoas não têm amor pela verdade e estão apenas ligeiramente dispostas a cumprir seu dever; não estão inclinadas a fazer qualquer esforço ou a sofrer adversidades, estão sempre à procura de formas de ser negligentes. Na verdade, Deus já viu tudo isso — por que, então, Ele não dá atenção a essas pessoas? Deus está apenas esperando que Seus escolhidos acordem e as identifiquem pelo que são, para que as exponham e expulsem(A Palavra, vol. 3: Expondo os anticristos, “Item Dez: Eles odeiam a verdade, violam publicamente os princípios e ignoram os arranjos da casa de Deus (parte 4)”). Nas palavras de Deus, vi que pessoas responsáveis em seu dever não precisam da supervisão de outros para completar tarefas; elas investem o coração no dever. Mas pessoas que não tratam seu dever com seriedade só fingem e agem sem se envolver. Mesmo que os outros achem que elas trabalharam bastante, é tudo superficial, sem alcançar nenhum resultado real. Estão enganando os outros. As palavras de Deus expuseram meu estado. Eu me contentava em convidar alvos evangelísticos para os sermões, pois quando todos vissem quantas pessoas eu convidava, achariam que eu era uma pessoa responsável. Mas, na verdade, quando eu precisava saber o que acontecia com eles depois, eu não queria pagar um preço nem investir mais tempo e esforço. Eu só queria repassar o trabalho para a equipe evangelística. Eu escolhia a saída mais fácil. Escolhia o caminho menos adverso e mais confortável. Eu tomava atalhos quando as coisas ficavam difíceis. Queria desistir quando algo parecia difícil ou eu devia fazer um esforço grande. Eu era tão desleixada! Eu não queria descobrir que dúvidas os alvos evangelísticos tinham depois de ouvir os sermões, se continuavam indo às reuniões, por que não estavam indo e coisas assim. Eu era muito irresponsável, não dava nada de mim, mas queria passar a impressão de que eu era eficiente em meu dever. Eu era tão dissimulada e enganosa, eu não merecia confiança. Lembrei-me de outra experiência minha. Quando estava na escola e recebia notas baixas, eu repetia a matéria, mas ainda assim não estudava muito. Eu sempre preferi o trabalho fácil ao difícil e sempre fui preguiçosa. Faz parte da minha natureza. Quando percebi isso, comecei a refletir mais sobre meu trabalho, a mudar meus hábitos e a me comunicar com os alvos evangelísticos. Também conversei e busquei ajuda da equipe evangelística. Quando fiz isso, tornei-me um pouco mais eficiente.

E assim, eu entregava aqueles que estavam prontos a aceitar o caminho verdadeiro aos regadores, mas ainda eram poucas as pessoas que continuavam indo às reuniões. Havia uma pessoa que estava ocupada demais com o trabalho para vir às reuniões. E a mãe tinha acabado de falecer. Ela estava arrasada e se isolou do mundo. Eu não sabia como comungar com ela e só conseguia dizer algumas palavras simples. E quando algumas pessoas se deparavam com problemas, eu não conseguia encontrar as palavras certas de Deus para resolvê-los. Isso era difícil para mim. Eu preferia convidar as pessoas para ouvir sermões porque era mais fácil. Na verdade, eu não gostava de conversar com elas. Eu temia que fariam perguntas que não conseguisse responder, por isso, as evitava ou abandonava. Mais ou menos seis meses depois, vi que só seis daqueles que eu tinha convidado tinham aceitado a obra de Deus dos últimos dias, enquanto outros irmãos tinham convertido muitas pessoas. Fiquei envergonhada e cheia de remorso. Eu tinha sido negligente em meu dever durante esses seis meses. Se pudesse voltar no tempo, eu não teria sido negligente. O fato de que os outros tinham trazido tantos para a casa de Deus me mostrava que era possível.

Vi que Deus Todo-Poderoso diz: “Ao propagar o evangelho, você deve cumprir sua responsabilidade e lidar seriamente com todos a quem você o propaga. Deus salva as pessoas na maior medida possível, e você deve considerar a vontade de Deus, não deve ignorar descuidadamente qualquer um que esteja buscando e considerando o caminho verdadeiro. E mais, ao espalhar o evangelho, é preciso entender os princípios. Em relação a cada pessoa que considera o caminho verdadeiro, deve-se observar, entender e compreender coisas como o seu passado religioso, a medida do seu calibre e a qualidade da sua humanidade. Se vocês encontrarem uma pessoa com sede da verdade, que possa entender as palavras de Deus e que consiga aceitar a verdade, essa pessoa foi predestinada por Deus. Vocês deveriam tentar, com todas as suas forças, comungar a verdade com ela e ganhá-la — a não ser que seja de humanidade pobre e caráter péssimo, e a sua sede seja pretexto e ela continue a discutir e a se agarrar às suas noções. Nesse caso, vocês devem deixá-la de lado e desistir dela. Algumas pessoas que consideram o caminho verdadeiro são capazes de entender e são de calibre ótimo, mas são arrogantes e hipócritas, agarram-se firmemente às noções religiosas, então a verdade deve ser comungada com elas para ajudar a resolver isso. Vocês só devem desistir se elas não aceitarem a verdade, independentemente da forma como se relacionam com elas, pois terão feito tudo que podem e devem fazer. Em suma, não desistam levianamente de ninguém que possa reconhecer e aceitar a verdade. Desde que ele esteja disposto a considerar o caminho verdadeiro e seja capaz de buscar a verdade, vocês devem fazer tudo que podem para ler mais das palavras de Deus para ele e para comungar mais da verdade com ele, e para testificar da obra de Deus e resolver as noções dele, para que possam ganhá-lo e trazê-lo para diante de Deus. É isso que está de acordo com os princípios para espalhar o evangelho. Como, então, ela pode ser ganha? Se, no processo de interagir com ela, você descobre que essa pessoa tem calibre bom e humanidade boa, você deve fazer tudo que puder para cumprir a sua responsabilidade; deve pagar certo preço e usar certos meios e métodos, e não importam quais meios e métodos você empregue, contanto que seja para ganhá-la. Em suma, a fim de ganhá-la, você deve cumprir a sua responsabilidade e usar amor e fazer tudo que estiver em seu poder. Você deve comungar todas as verdades que você entende e fazer todas as coisas que deveria fazer. Mesmo que essa pessoa não seja ganha, você terá a consciência limpa. Isso é fazer tudo que você pode e deve fazer. Se você não comungar a verdade claramente, e a pessoa continuar se agarrando às noções dela, e se você perder a paciência, e desistir dessa pessoa por decisão própria, você será negligente em seus deveres, e, para você, isso será uma mancha. Algumas pessoas dizem: ‘Ter essa mancha significa que fui condenado por Deus?’. Tais questões dependem de se as pessoas fazem essas coisas intencional e habitualmente. Deus não condena pessoas por transgressões ocasionais; elas só precisam se arrepender. Mas quando cometem um erro conscientemente e se recusam a se arrepender, elas são condenadas por Deus. Como poderia Deus não as condenar quando elas estão claramente cientes do caminho verdadeiro e ainda assim pecam deliberadamente? De acordo com os princípios da verdade, isso é ser irresponsável, descuidado e superficial; no mínimo, você não cumpriu a sua responsabilidade, e é assim que Deus julga seus erros; se você se recusar a se arrepender, você será condenado. E então, a fim de reduzir ou evitar tais erros, as pessoas devem fazer tudo que puderem para cumprir suas responsabilidades, tentar ativamente abordar todas as perguntas que as pessoas que consideram o caminho verdadeiro têm, e definitivamente não adiar nem atrasar perguntas cruciais(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Divulgar o evangelho é o dever a que todos os crentes estão moralmente obrigados”). As palavras de Deus me levaram a refletir e fiquei muito comovida. Deus tinha me dado uma comissão e esperava que eu desse tudo de mim, mas eu não queria fazer sacrifícios no meu dever para levar pessoas a Deus. Eu era muito preguiçosa e desleixada demais em meu dever. Não fazia o que Deus dizia e ignorava quem investigasse o caminho verdadeiro nem cumpria minhas responsabilidades. Eu achava que bastava convidar muitas pessoas para que viessem e ouvissem, e depois disso já não era trabalho meu. Aos meus olhos, isso era responsabilidade dos regadores, e se eles vinham às reuniões ou não não era problema nem responsabilidade minha. Assim, quando eles não vinham às reuniões, eu nem tentava encontrar palavras de Deus para ajudá-los. Achava que eu não conseguia resolver seus problemas, por isso queria desistir deles. Na verdade, contanto que se encaixassem nos princípios para pregar o evangelho, eu deveria dar atenção a eles, e era eu quem os convidava para vir e ouvir. Sob circunstâncias normais, eu devia continuar a me comunicar com eles depois, mas eu não fazia isso. Eu só os repassava aos regadores e me contentava com isso. Eu não tinha senso de responsabilidade nem considerava a vontade de Deus. Quando reconheci meu problema, decidi mudar minha atitude, mas sabia que não conseguiria fazer isso sozinha. Eu devia orar e pedir a ajuda de Deus. Depois disso, quando me encontrava com alvos evangelísticos, eu orava a Deus pedindo ajuda para trazê-los até Ele, e ter a vontade de trabalhar muito e fazer sacrifícios, de não ser desleixada em meu dever como antes. Também perguntei à minha supervisora como levar pessoas a aceitarem a obra de Deus dos últimos dias. Ela compartilhou alguns métodos comigo, e comecei a refletir, querendo ver o que eu ainda não estava fazendo. Percebi que eu não buscava a verdade no meu trabalho e não aprendia com meus irmãos. Quando alguns não vinham às reuniões, eu não queria saber por quê e decidia desistir deles. Minha atitude em relação ao meu dever era negligente demais.

Isso me fez pensar em como Deus diz: “O modo como você vê as comissões de Deus é extremamente importante e isso um assunto muito sério! Se você não consegue completar o que Deus confiou às pessoas, então não está apto para viver em Sua presença e deveria ser punido. É ordenado pelo Céu e reconhecido pela terra que os humanos devem completar quaisquer comissões que Deus lhes confia; essa é a sua responsabilidade suprema, e é tão importante quanto a sua própria vida. Se você não leva a sério as comissões de Deus, então está traindo a Ele da maneira mais grave; nisso você é mais lamentável que Judas e você deveria ser amaldiçoado. As pessoas devem ganhar um entendimento completo de como ver o que Deus lhes confia e, no mínimo, devem compreender que as comissões que Ele confia à humanidade são exaltações e favores especiais de Deus; são as coisas mais gloriosas. Tudo o mais pode ser abandonado; mesmo que alguém deva sacrificar sua própria vida, ainda precisa cumprir a comissão de Deus(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Como conhecer a natureza do homem”). Depois de ler as palavras de Deus, fiquei com vergonha. Como uma das criações de Deus, devo cumprir bem o meu dever. Essa é a minha missão e a razão pela qual estou viva. Se eu não fizer isso, terei perdido a função para a qual fui criada e não serei digna de viver diante de Deus. No fim, serei desprezada e expulsa por Deus. Espalhar o evangelho do reino é o desejo mais urgente de Deus, e Deus quer que eu dê tudo de mim no meu dever e não seja desleixada nele. Pensei em quando Deus chamou Noé para construir a arca. Embora fosse uma tarefa muito difícil, Noé não desistiu. Ele não perguntou a Deus quando a arca estaria pronta nem quando o dilúvio viria. Ele só seguiu as instruções de Deus e construiu a arca. Após reconhecer isso, percebi que eu devia mudar em relação ao meu dever, seguir o exemplo de Noé e dar tudo de mim ao cumpri-lo. Uma vez, durante uma reunião, outros compartilharam experiências de pregação e como usavam as palavras de Deus para resolver os problemas dos alvos evangelísticos. Fiquei muito comovida ao ouvi-los. Eu não queria mais ser preguiçosa, e sim responsável. Queria investir toda a minha energia no meu dever.

Passei a observar quais pessoas não vinham às reuniões e já contatava as que não estavam presentes e comungava as palavras de Deus com elas. Quando investi meu coração em ajudar cada pessoa, a maioria passou a vir às reuniões regularmente. Lembro-me de uma pessoa que não tinha vindo havia vários dias. Eu lhe enviei uma mensagem, mas quando ela não respondeu por alguns dias, comecei a me preocupar. Liguei para o irmão Derly, um regador, para perguntar o que estava acontecendo. Ele disse que ela tinha dificuldades no emprego, por isso ele compartilhou algumas das palavras de Deus com ela. Depois de ouvir isso, achei que isso não bastava, então pedi que o irmão Derly ligasse para ela e comungasse com ela pelo telefone. Para a minha surpresa, depois da comunhão, ela concordou em ir à reunião no mesmo dia e pediu desculpas por não ter vindo antes. Não demorou, e ela se juntou à igreja. Meu coração se encheu de alegria. Fiquei tão grata a Deus!

Vi que Deus também diz: “Se você realmente possuir consciência e senso, quando você fizer as coisas, você investirá um pouco mais de dedicação a elas, também um pouco mais de bondade, responsabilidade e consideração, e você será capaz de empregar um esforço maior. Quando você conseguir empregar mais esforço, os resultados dos deveres que você cumpre melhorarão. Seus resultados serão melhores, e isso satisfará tanto às outras pessoas como a Deus(A Palavra, vol. 3: As declarações de Cristo dos últimos dias, “Parte 3”). “Você deve alcançar entrada pelo lado da positividade. Se você esperar passivamente, então você ainda está sendo negativo. Você deve ser proativo em cooperar Comigo; seja diligente e nunca seja preguiçoso. Sempre comunique-se Comigo e alcance uma intimidade ainda mais profunda Comigo. Se você não entender, não se impaciente por resultados rápidos. Não é que Eu não vá lhe dizer; é que quero ver se você confia em Mim ou não quando está em Minha presença e se você tem ou não confiança em depender de Mim. Você deve sempre permanecer perto de Mim e colocar todos os assuntos em Minhas mãos. Não volte em vão. Depois de ter ficado inconscientemente perto de Mim por um período de tempo, Minhas intenções serão reveladas a você. Se as captar, você ficará verdadeiramente face a face Comigo, e verdadeiramente terá encontrado a Minha face. Você terá muita clareza e firmeza por dentro e você terá algo em que confiar. Você também terá, então, poder, assim como confiança, e você também terá uma senda adiante. Tudo virá facilmente para você(A Palavra, vol. 1: A aparição e a obra de Deus, “Declarações de Cristo no princípio, Capítulo 9”). No passado, eu era passiva em meu dever e carecia de iniciativa. Desleixada, eu abandonava os alvos evangelísticos. A orientação das palavras de Deus me levou a entender que o que está no nosso coração é muito importante. Quando tratamos pessoas com amor e comungamos com sinceridade, veremos a orientação de Deus. Quando entendi isso, orei a Deus, pedindo que Ele me ajudasse a cumprir bem o meu dever e a praticar as Suas palavras. Depois disso, fui proativa em conversar com esses alvos evangelísticos. Se satisfizessem os princípios para pregar, eu continuaria a investigar a situação deles até que aceitassem a obra de Deus. Quando fiz isso, senti que Deus me orientava a cada passo, ajudando-me a entender como cumprir o meu dever, e eu me senti muito reconfortada no meu coração. Graças a Deus!

Todos os dias temos 24 horas e 1440 minutos. Você está disposto a dedicar 10 minutos para estudar o caminho de Deus? Você está convidado a se juntar ao nosso grupo de estudo.👇

Conteúdo relacionado

Emergindo da névoa

Por Zhenxi, Província de Henan Dez anos atrás, movida pela minha natureza arrogante, eu nunca conseguia obedecer completamente aos arranjos...

Leave a Reply

Conecte-se conosco no Whatsapp