Como acabar com o egoísmo

05 de Agosto de 2020

Deus Todo-Poderoso diz: “Qual é o critério pelo qual os feitos de uma pessoa são julgados como sendo bons ou maus? Depende de, em seus pensamentos, expressões e ações, você possuir o testemunho de pôr a verdade em prática ou não e de você viver a realidade da verdade. Se não tiver essa realidade ou não viver essa realidade, então sem dúvida você é um malfeitor. Como Deus vê os malfeitores? Seus pensamentos e atos externos não dão testemunho de Deus, tampouco envergonham ou derrotam Satanás; em vez disso, envergonham a Deus e estão repletos de marcas que fazem Deus ficar envergonhado. Você não está testificando por Deus, não está se despendendo por Deus, nem cumprindo sua responsabilidade para com Deus. Você age para o próprio bem. O que é a implicação de ‘para o próprio bem’? Para Satanás. Por isso, no fim, Deus dirá: ‘Apartai-vos de Mim, vós que praticais a iniquidade’. Aos olhos de Deus, você não fez boas ações; mas, ao contrário, seu comportamento se tornou maligno. Você não será recompensado, e Deus não Se lembrará de você. Isso não é totalmente em vão?” (“Registros das falas de Cristo”). Pelas palavras de Deus, vejo que devemos nos despender e sofrer um pouco pelo nosso dever. Mas se nossa motivação não for para satisfazer a Deus, e se não dermos testemunho de praticar a verdade, mas só buscarmos nos satisfazer, então, para Deus, isso é fazer o mal. É repugnante para Ele. Há alguns anos, notei que uma irmã estava atrapalhando o trabalho da igreja, mas não ousei praticar a verdade ou defender os princípios. Fiquei com medo de ofendê-la. Eu não expus nem denunciei suas ações na época, e isso prejudicou o trabalho da igreja. Também foi um erro da minha parte. Sinto remorso e autocensura sempre que penso a respeito.

Era final de março de 2018 quando a irmã Chen assumiu o cargo de líder da nossa equipe. Depois de um tempo, descobri que ela não assumia a responsabilidade em seu dever. Às vezes, quando alguém a quem pregávamos queria investigar a obra de Deus dos últimos dias, ela não arranjava comunhões e testemunhos prontamente. Isso atrasava o trabalho do evangelho. Eu a procurava para comunicar com ela, mas mal tocava nos defeitos dela, com medo que ela se ofendesse. Ela se explicava, dizendo que tinha outros deveres e não conseguia fazer tudo, mas que faria melhor no futuro. Na mesma hora, vi que ela não estava levando a sério. Ela não enxergava a seriedade do problema. Percebi que eu deveria dizer algo mais, para que não acontecesse de novo e não atrasasse o trabalho da igreja. Mas quando eu estava para abrir a boca, pensei: “Ela está no comando, sou só um membro da equipe. Se eu apontar o problema, ela não vai pensar que passei dos limites, que sou intrometida, e dizer que sou arrogante e irracional. Esquece. Não vou dizer nada. Ela está no comando, então deve saber a importância desse dever. Ela cuidará de tudo no futuro. Fiquei um pouco incomodada, mas não toquei no assunto de novo com ela.

Não demorou muito, e um pregador da Igreja Sola Fide quis investigar a obra de Deus dos últimos dias. Não tínhamos muito tempo, mas numa hora tão importante, não consegui entrar em contato com a irmã Chen. Corri para encontrar outra líder de equipe para fornecer uma comunhão. Depois que a irmã Chen descobriu, ela me repreendeu com dureza, dizendo: “Por que você arrumou outra líder de equipe para cuidar disso? Se eu não faço as coisas a tempo é problema meu, e qualquer problema é responsabilidade minha. Buscar outra pessoa não está de acordo com os princípios.” Eu quis falar sobre esse assunto em comunhão com ela, mas mudei de ideia, pensando: “Se eu criticá-la logo depois de ela lidar comigo e me repreender, o que ela pensará de mim? Nós nos vemos o tempo todo, se ficarmos em um impasse, provavelmente ela dificultará as coisas para mim. Deixa pra lá. É melhor ter uma preocupação a menos. Vou apenas tentar cumprir bem o meu dever. Então, me contive e não disse o que queria dizer a ela.

Mais ou menos um mês depois, um colaborador de uma igreja cristã se interessou pela obra de Deus Todo-Poderoso. Lembrei a irmã Chen do assunto diversas vezes. Eu disse: “Você precisa arranjar alguém para comunicar com ele. Ela concordou na hora, mas, para minha surpresa, passaram-se dois dias sem que ela organizasse nada. Fiquei muito brava. Pensei: “Eu disse várias vezes que era urgente. Por que não levou nem um pouco a sério? Não. Não posso ficar parada vendo nosso trabalho do evangelho ser prejudicado dessa forma. Tenho que discutir isso com os irmãos e as irmãs da equipe e ver o que fazer a respeito do problema dela.” Mas quando eu estava prestes a conversar com os outros, entrei em conflito novamente. Se a irmã descobrisse que eu estava discutindo isso com os outros, ela poderia pensar que eu a estava atacando de propósito. Se eu a ofendesse, ela poderia revidar e achar uma desculpa para me dispensar do meu dever. Concluí que o prego que se destaca é aquele que acaba sendo martelado. Decidi esperar até outra pessoa levantar o assunto.

Naquela tarde, pensando em todas as coisas que a irmã Chen tinha deixado de lado, comecei a ficar ansiosa, mas ainda não ousei falar nada. Eu realmente não estava cuidando das minhas responsabilidades. Incomodada, coloquei-me diante de Deus em oração. Após orar, li estas palavras de Deus: “Os componentes mais fundamentais e importantes da humanidade de uma pessoa são consciência e razão. Que tipo de pessoa é essa que não possui consciência e não tem a razão da humanidade normal? Em termos gerais, é uma pessoa à qual falta humanidade, uma pessoa de humanidade ruim. Analisemos isso de perto. Como essa pessoa manifesta humanidade corrupta, de modo que as pessoas digam que ela não tem humanidade? Quais características tais pessoas possuem? Quais manifestações específicas apresentam? Elas agem sem cuidado e se mantêm afastadas de tudo que não lhes diz respeito pessoalmente. Elas não consideram os interesses da casa de Deus nem a vontade de Deus. Falta-lhes um fardo para dar testemunho de Deus nem ou para cumprir seu dever; elas carecem de responsabilidade… Algumas até permanecem em silêncio quando veem um problema no seu dever. Elas veem as perturbações de outros, mas não fazem nada para impedi-los. Não consideram minimamente os interesses da casa de Deus, nem pensam nada sobre os próprios deveres ou responsabilidades. Elas falam, agem, se destacam, aplicam esforço e despendem energia só para a própria vaidade, prestígio, posição, interesses e honra… Esse tipo de pessoa tem consciência e razão? Uma pessoa sem consciência e razão, que se comporta dessa forma, sente repreensão própria? A consciência desse tipo de pessoa serve a nenhum propósito, e ela nunca sentiu repreensão própria. Ela pode, então, sentir a repreensão ou disciplina do Espírito Santo?” (“Registros das falas de Cristo”). As palavras de Deus entraram direto no meu coração diretamente. Eu não era precisamente o tipo de pessoa que Deus estava expondo? Eu não tinha consciência, humanidade, nem responsabilidade no meu dever. Adotei uma atitude de indiferença para proteger meus próprios interesses. Eu não estava levando em consideração a vontade de Deus, nem sustentando o trabalho da igreja. Eu bem sabia que a irmã Chen não era séria em seu dever e fui levando, e ela já tinha prejudicado o trabalho do evangelho. Eu devia ter apontado isso em comunhão. Mas temi que ela me mandasse deixar de ser intrometida, por isso, mal abordei os problemas. Ela não mudou nada depois daquilo. Eu quis mencionar outra vez, para dissecar a natureza e as consequências de realizar o dever daquele jeito, mas tive medo de ofendê-la, que ela dificultasse as coisas para mim e me dispensasse do meu dever. Fiz vista grossa e ignorei. Não me atrevi a defender a casa de Deus apenas para proteger minha imagem, minha posição e meus interesses, enquanto assistia a uma líder de equipe desempenhar mal seu dever. Onde estava minha consciência? Os desastres estão cada vez maiores, por isso mais pessoas devem investigar o caminho verdadeiro. Fazer as pessoas aceitarem a salvação de Deus dos últimos dias é uma prioridade urgente. Mas eu não estava assumindo essa responsabilidade. Eu só quis proteger a mim mesma, não os interesses da casa de Deus. Não estava considerando a vontade de Deus. Fui muito egoísta. Esses pensamentos me fizeram sentir que eu tinha decepcionado a Deus. Pensei: “Não posso continuar assim. Tenho que encontrar uma forma de resolver esse problema.” Procurei alguns irmãos e irmãs da equipe para discutir a questão e ver como abordar o problema da irmã Chen. Todos concordaram que ela precisava de alguém que trabalhasse com ela para dividir a carga. Assim, os dois poderiam se ajudar e ficar de olho um no outro.

Na mesma tarde, chamei a irmã Chen e contei a ela sobre o que conversamos, entrei em detalhes sobre seu desempenho recente e o dano que ela tinha causado no trabalho do evangelho. Para minha surpresa, a irmã Chen não sentiu o menor arrependimento ou remorso pelo seu comportamento, e rejeitou imediatamente nosso plano. Com teimosia, disse que não precisava de ninguém para trabalhar com ela. Vendo que ela não tinha nenhuma autoconsciência, continuei a comunicar com ela, mas, antes que eu pudesse terminar, ela disse que tinha algo a fazer e desligou o telefone. Eu pensei: “A irmã Chen tem uma posição, mas não faz trabalho prático, nem quer um parceiro. Isso não é tirânico? Se isso continuar, o trabalho da casa de Deus vai atrasar. Tenho que dizer isso a ela. Nos dias que se seguiram, mandei várias mensagens, mas ela nunca respondeu. Fiquei muito ansiosa. Eu já podia visualizar o trabalho da casa de Deus sendo atrasado. Pensei que eu não poderia mais demorar em reportar isso ao líder da igreja, mas quando estava para fazer isso, me acovardei novamente. Pensei: “Se a irmã Chen descobrir que eu falei com a líder, o que vai acontecer? O que farei se ela se sentir ofendida e procurar uma desculpa para me dispensar do meu dever? E se os irmãos e as irmãs disserem que sempre estou implicando com a irmã Chen e não a trato com justiça? Entrei num grande conflito. Se eu não dissesse nada, assistiria à derrocada do trabalho da equipe. Mas, se eu dissesse algo, poderia ofendê-la. Quase na mesma hora, uma irmã veio perguntar se eu queria entrar em outra equipe. Pensei: “Realizar outro dever seria ótimo, assim eu poderia deixar minha equipe para trás, e não me sentiria culpada e atormentada todos os dias. Mais tarde, partilhei meus pensamentos com outra irmã da equipe. Ela me ouviu e disse: “Você é a membro mais antiga da nossa equipe e a que mais conhece o trabalho. A irmã Chen está fechando os olhos para os problemas da nossa equipe. Acha mesmo que é o momento certo para sair? Eu me senti horrível quando ela disse isso. Percebi que eu conhecia o trabalho da equipe mais do que qualquer um, e fiquei parada vendo o trabalho da casa de Deus ser interrompido. Além de fechar os olhos, ainda quis virar as costas e fugir. Isso não era proteger os interesses da casa de Deus. Coloquei-me diante de Deus em oração, pedindo orientações.

Depois, li algumas passagens das palavras de Deus em meus devocionais. Deus diz: “Você deve entrar pelo lado da positividade; seja ativo, não passivo. Você deve ser inabalável por qualquer pessoa e qualquer coisa e não pode ser influenciado pelas palavras de ninguém. Você deve ter um caráter estável. Pratique de imediato a verdade que você conhece, não importa o que as pessoas digam. Sempre tenha Minhas palavras operando dentro de você, não importa quem você enfrente. Permanece firme em seu testemunho de Mim e mostre consideração pelos Meus fardos. Você não deve concordar cegamente com outros; antes, deve ter a coragem de se opor a tudo que não vêm de Mim. Se você souber claramente que algo está errado, mas permanece em silêncio, você não pratica a verdade. Se você sabe que algo está errado e em seguida tergiversa sobre o assunto, mas Satanás bloqueia sua sendavocê fala sem qualquer efeito e é incapaz de perseverar até o fim —, você ainda tem medo no seu coração. Isso não é estar cheio das ideias de Satanás?” “todos disseram que teriam consideração pelo fardo de Deus e defenderiam o testemunho da igreja. Quem realmente foi atencioso com o fardo de Deus? Pergunte a si mesmo: Você é alguém que demonstrou consideração pelo fardo de Deus? Você pode praticar a justiça para Deus? Você pode se levantar e falar por Mim? Você pode colocar a verdade em prática firmemente? Você tem coragem suficiente para lutar contra todos os atos de Satanás? Você seria capaz de deixar suas emoções de lado e expor Satanás em nome da Minha verdade? Você pode permitir que Minha vontade seja cumprida em você? Você oferece seu coração quando a hora crucial chega? Você é alguém que faz a Minha vontade? Pergunte a si mesmo e pense nisso com frequência” (“A Palavra manifesta em carne”). Lendo pergunta atrás de pergunta, senti que Deus estava bem à minha frente, pedindo que eu prestasse contas. Cada palavra era um golpe. Eu também me perguntava: “Eu tenho considerado o fardo de Deus? Tenho praticado a justiça por Deus? Tenho praticado a verdade com firmeza?” Todas as respostas eram “não”. Recebi um dever importante pela graça de Deus, portanto, eu deveria assumir a responsabilidade e trabalhar com os irmãos e as irmãs para cumpri-lo bem. Eu vi a líder da equipe improvisando e atrasando o trabalho do evangelho diversas vezes. Ela era uma líder falsa que não fazia trabalho prático. Eu devia ter me levantado e tê-la denunciado. Mas fiquei com medo de ofendê-la e de perder meu dever, por isso, fechei meus olhos e só a observei interromper o trabalho da casa de Deus. Não me impus para defendê-la. Fui egoísta e desprezível. Não tive senso de justiça nem responsabilidade! Sempre busquei proteger minha imagem e posição. Embora nunca tenha atrapalhado o trabalho do evangelho da cada de Deus como a irmã Chen, eu me mantive quieta ao ver um problema e não pratiquei a verdade. Eu não estava do lado de Satanás, ao deixar que ele sabotasse o trabalho da casa de Deus? Eu não estava favorecendo alguém de fora, mordendo a mão que me alimentava para agir como ajudante de Satanás? Esse pensamento fez com que eu me odiasse. Como pude ser tão egoísta, tão desprovida de humanidade? Eu sabia que não poderia continuar daquele jeito. Eu não poderia continuar pisando em ovos para me proteger. Eu tinha de praticar a verdade, ser uma pessoa com senso de justiça, ficar do lado de Deus e proteger os interesses da Sua casa. Decidi denunciar a irmã Chen naquele momento. Foi quando ouvi de uma irmã que alguns novos crentes ficaram fracos e negativos depois que ouviram alguns rumores. A irmã Chen não havia organizado uma comunhão e um testemunho a tempo para eles, por isso estavam quase desistindo da fé por terem sido enganados. Eu desprezei a mim mesma quando ouvi isso. Essa foi a terrível consequência por eu não ter praticado a verdade. Depois disso, alguns de nós da equipe fomos conversar com o líder da igreja sobre os problemas da irmã Chen. Fiquei surpresa quando ele verificou o problema e a dispensou no mesmo dia. O líder me repreendeu mais tarde, dizendo: “Ela atrapalhou as coisas por todo esse tempo, e você nunca disse nada a respeito?” Senti ainda mais culpa e arrependimento quando ouvi isso.

Mais tarde, refleti sobre mim mesma. Por que, mesmo sabendo que ela era irresponsável em seu dever e sempre atrasava a obra da casa de Deus, nunca me levantei para expô-la nem denunciá-la? Qual era a raiz de eu não ter praticado a verdade? Eu li estas palavras de Deus: “Por exemplo, por que você é egoísta? Por que protege a própria posição? Por que suas emoções são tão intensas? Por que você gosta daquelas coisas injustas? Por que gosta daqueles males? Qual é a base para você gostar de tais coisas? De onde essas coisas vêm? Por que você fica tão feliz em aceitá-las? A essa altura, todos vocês entendem que é principalmente que elas contêm o veneno de Satanás. Quanto ao que é o veneno de Satanás, isso pode ser completamente expresso em palavras. Por exemplo, se você pergunta para alguns malfeitores por que agem dessa maneira, eles responderão: ‘Cada um por si e o demônio pega quem fica por último’. Esse simples provérbio expressa a raiz exata do problema. A lógica de Satanás transformou a vida das pessoas. Elas podem fazer coisas por este ou aquele propósito, mas só as estão fazendo para si mesmas. Todas as pessoas pensam que, como é cada um por si e o demônio pega quem fica por último, deveriam viver para si mesmas, fazendo tudo para assegurar sua posição, sua própria comida e roupa. Cada um por si e o demônio pega quem fica por último’essa é a vida e a filosofia do homem e representa também a natureza humana. Essa afirmação é precisamente o veneno de Satanás e, quando internalizada pelas pessoas, se torna a natureza delas. A natureza de Satanás é exposta através dessas palavras; elas o representam completamente. Esse veneno se torna a vida das pessoas bem como o fundamento de sua existência, e corrompeu a humanidade, que tem sido constantemente dominada por esse veneno há milhares de anos” (“Registros das falas de Cristo”). As palavras de Deus me mostraram que o motivo por trás de eu não praticar a verdade é que eu estava cheia das filosofias de vida de Satanás, como: “Cada um por si e o demônio pega quem fica por último”, “Pessoas sensatas sabem se proteger e evitam cometer erros”, “Deixe as coisas seguirem se não afetarem alguém pessoalmente”, “Quanto menos problemas, melhor”, e “O prego que se destaca é martelado”. Elas se tornaram parte de mim há muito tempo e se tornaram minha vida. Eu me tornei egoísta, astuta e interesseira, pois estava vivendo de acordo com esses princípios. Não consegui deixar de proteger meus interesses diante de um problema. Antes de me tornar crente, em minha vida profissional e pessoal, assim que, temesse que algo pudesse ofender alguém, mesmo que tivesse cometido um erro, eu me calava. Eu continuei vivendo de acordo com essas filosofias satânicas mesmo depois de me tornar crente. Eu não conseguia deixar de proteger meus interesses em meu dever, então não conseguia praticar a verdade. A irmã Chen foi um exemplo disso. Vi que ela não realizava trabalho prático e não aceitava opiniões, que era uma falsa líder. Eu devia ter tomado uma atitude e tê-la denunciado. Mas tive medo que minha denúncia não desse em nada e que eu perdesse meu dever. “O prego que se destaca é martelado”, e “Quanto menos problemas, melhor” eram minhas filosofias. Eu fui covarde. Deixei uma pessoa irresponsável atrapalhar as coisas sem ousar me posicionar. Fui egoísta e enganosa. Cumprir o meu dever e proteger os interesses da casa de Deus é algo positivo e está de acordo com a vontade Dele. Quando alguém atrapalha o trabalho da casa de Deus, esse é o momento correto para ficar do lado de Deus e proteger Seus interesses. Deus exige isso de Seus escolhidos. É meu dever e responsabilidade. Mas tive medo de me expor, de comprometer meus interesses, por isso, não ousei defender o trabalho da casa de Deus. Não cumpri meu dever, nem minhas responsabilidades. Que tipo de crente eu era? Não tomei nenhuma atitude. Em vez disso, compactuei com Satanás e fingi que não estava vendo nada. Permiti que alguém irresponsável atrapalhasse o trabalho da casa de Deus. Não ousei me posicionar, nem tive um mínimo de coragem. Eu estava vivendo sem dignidade e integridade. Eu via com clareza que ela estava atrapalhando o trabalho da casa de Deus, mas, além de fingir que não via, ainda quis fugir do problema. Eu não estava do lado de Satanás, em oposição a Deus? Isso é uma grande transgressão para Deus. Pensando honestamente sobre a questão, não consegui praticar a verdade e tive medo de perder meu dever se denunciasse a irmã Chen. Mas o que realmente aconteceu foi que, depois que todos nós a denunciamos, a irmã Chen foi dispensada imediatamente. Esse fato me deixou com vergonha, e me mostrou que, na casa de Deus, Cristo e a verdade prevalecem. É uma regra clara e justa. Qualquer um que não pratique a verdade e dificulte o trabalho da casa de Deus, não pode permanecer lá. Essas pessoas são eliminadas em algum momento, se não se arrependerem. Mas eu não estava olhando para as coisas com base nos princípios da verdade. Eu estava apenas restringida pelo poder e o status. Eu via a pessoa no comando como minha superior, e pensava que, se eu a ofendesse, não conseguiria permanecer na casa de Deus. Eu pensava que a casa de Deus era tão sombria quanto o mundo, sem qualquer tipo de justiça. Eu não estava blasfemando contra Deus? Sem que Deus me expusesse por meio daquele ambiente, sem o julgamento e o castigo das Suas palavras, eu ainda não conheceria as terríveis consequências de viver de acordo com filosofias satânicas. Uma coisa que realmente aprendi com isso é que, como crente, viver de acordo com as palavras de Deus, praticar a verdade e defender os princípios realmente me traz paz e tranquilidade. É também uma coisa justa que um crente deve fazer Mais tarde, todos os membros da equipe comunicaram sobre o que experimentamos e ganhamos. Todos aprenderam lições em diferentes graus, especialmente sobre o caráter justo de Deus. O trabalho da nossa equipe foi melhorando aos poucos.

Depois disso, em meu dever, após mais de um mês de discussões sobre o trabalho da igreja com a irmã Liu, a líder de outra equipe, descobri que ela era arrogante e ditatorial. Ela quase nunca aceitava as sugestões das pessoas e já havia atrapalhado o trabalho da casa de Deus. Eu sabia que, dessa vez, deveria avisar o líder da igreja. Mas, então pensei: “Nós não trabalhamos juntos há muito tempo, por isso não a conheço bem. Será que estou errada nesta questão? E se analisarem e descobrirem que ela não tem nenhum grande problema? O que o líder e os outros vão pensar de mim? Será que vão pensar que sou implicante? E o que a irmã Liu pensará de mim se descobrir? Deixa pra lá. Não vou dizer nada. Eu já estava quase jogando isso para debaixo do tapete, mas minha consciência me acusou. Eu me lembrei de antes, quando o trabalho do evangelho foi comprometido, porque não denunciei a irmã Chen a tempo. Eu me arrependi profundamente daquilo. Pensei: “Não posso viver de acordo com meu caráter egoísta e desprezível. Não posso acabar arrependida outra vez”. Uma passagem das palavras de Deus veio à minha mente: “Para cada um de vocês que cumprem seu dever, não importa quão profundamente você entenda a verdade, se quiser entrar na realidade da verdade, a maneira mais simples de praticar é pensar nos interesses da casa de Deus em tudo que faz e abrir mão de seus desejos egoístas, de sua intenção, motivos, face e status individuais. Coloque os interesses da casa de Deus em primeiro lugar — isso é o mínimo que você deve fazer. Se uma pessoa que cumpre seu dever não consegue fazer nem mesmo isso, então como se pode dizer que ela está cumprindo seu dever? Isso não é cumprir o dever da pessoa. Você deve considerar primeiro os interesses da casa de Deus, os próprios interesses de Deus e a Sua obra e colocar essas considerações acima de tudo; só depois disso você pode pensar sobre a estabilidade de seu status ou sobre como os outros o veem” (“Registros das falas de Cristo”). As palavras de Deus me deram uma senda de prática, que é colocar os interesses da casa de Deus em primeiro lugar, sem considerar os meus. Eu não devo me importar com o que os outros pensam de mim, mas fazer o que é certo para o trabalho da casa de Deus. Nos conhecíamos havia pouco tempo, e eu não a conhecia tão bem, mas realmente vi que o comportamento dela estava atrapalhando o trabalho da casa de Deus. Eu sabia que deveria partilhar o que vi, corrigir minhas motivações e cumprir meu dever e responsabilidades. Mais tarde, contei ao líder sobre os problemas da irmã Liu e, após as investigações, ela foi dispensada de acordo com os princípios. Eu me senti segura e confortada quando soube da notícia e senti que tinha defendido os interesses da casa de Deus. Também experimentei que a única maneira de ter uma vida com significado é vivendo de acordo com as palavras de Deus

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Contate-nos
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

Servir desta maneira é verdadeiramente desprezível

Nos últimos dias, a igreja providenciou uma mudança no meu trabalho. Quando recebi essa nova tarefa, eu pensei: “Preciso aproveitar essa última oportunidade para convocar uma reunião com meus irmãos e irmãs, discutir as questões claramente com eles, e deixar uma boa impressão”.

Deixar uma resposta