Guardando os mandamentos e praticando a verdade

Na prática, guardar os mandamentos deveria estar vinculado a colocar a verdade em prática. Ao mesmo tempo que se guardam os mandamentos, deve-se praticar a verdade. Quando se pratica a verdade, não se devem violar os princípios dos mandamentos nem ir contra os mandamentos; você deve fazer tudo que Deus exige de você. Guardar os mandamentos e praticar a verdade estão interligados, não são contraditórios. Quanto mais você praticar a verdade, mais capaz você se torna de guardar a essência dos mandamentos. Quanto mais você praticar a verdade, mais compreenderá a palavra de Deus como expressa nos mandamentos. Praticar a verdade e guardar os mandamentos não são ações contraditórias, são interligadas. No início, o homem só pode praticar a verdade e alcançar o esclarecimento do Espírito Santo após guardar os mandamentos, mas essa não é a intenção original de Deus. Deus exige que você coloque seu coração em adorá-Lo, não apenas que você se comporte bem. No entanto, você deve guardar os mandamentos ao menos superficialmente. Aos poucos, por meio da experiência, após ganharem um entendimento mais claro de Deus, as pessoas deixarão de se rebelar contra Deus, de resistir a Ele e não terão mais quaisquer dúvidas sobre Sua obra. Essa é a única maneira como as pessoas podem se ater à essência dos mandamentos. Logo, meramente guardar os mandamentos sem praticar a verdade é ineficaz e não constitui adoração verdadeira a Deus, pois você ainda não atingiu estatura real. Guardar os mandamentos sem a verdade equivale apenas a aderir às regras com rigidez. Ao fazer isso, os mandamentos se tornariam sua lei, o que não lhe ajudaria a crescer na vida. Pelo contrário, eles se tornariam seu fardo e o amarrariam firmemente como a lei do Antigo Testamento, fazendo com que você perdesse a presença do Espírito Santo. Portanto, você pode guardar os mandamentos efetivamente só praticando a verdade, e você guarda os mandamentos para praticar a verdade. No processo de guardar os mandamentos, você colocará ainda mais verdades em prática e, ao praticar a verdade, você ganhará um entendimento ainda mais profundo daquilo que os mandamentos realmente significam. O propósito e o sentido por trás da exigência de Deus de que o homem deve guarde os mandamentos não é só para que ele siga as regras, como ele talvez imagine; tem a ver, antes, com sua entrada na vida. A extensão de seu crescimento na vida dita o grau em que você será capaz de guardar os mandamentos. Embora os mandamentos devam ser guardados pelo homem, a sua essência só se torna aparente por meio da experiência de vida do homem. A maioria das pessoas supõe que guardar bem os mandamentos significa que elas estão “completamente preparadas, e tudo que resta a ser feito é ser arrebatado”. Isso é um tipo extravagante de ideia e não está alinhado à vontade de Deus. Aqueles que dizem tais coisas não desejam progredir e cobiçam a carne. É absurdo! Não corresponde à realidade! Só praticar a verdade sem realmente guardar os mandamentos não é a vontade de Deus. Aqueles que fazem isso são aleijados; são como pessoas a quem falta uma perna. Simplesmente guardar os mandamentos como que obedecendo a regras, mas não possuir a verdade — isso tampouco é capaz de satisfazer a vontade de Deus; como aqueles a quem falta um olho, as pessoas que fazem isso também sofrem de uma forma de deficiência. Pode-se dizer que, se guardar bem os mandamentos e ganhar uma compreensão clara do Deus prático, então você possuirá a verdade. Falando em termos relativos, você terá ganhado estatura real. Se praticar a verdade que deveria praticar, você também guardará os mandamentos, e essas duas coisas não contradizem uma à outra. Praticar a verdade e guardar os mandamentos são dois sistemas, ambos os quais são partes integrantes da experiência de vida da pessoa. Sua experiência deve constituir uma integração, não uma divisão, de guardar os mandamentos e praticar a verdade. Todavia, há diferenças e vínculos entre essas duas coisas.

A promulgação dos mandamentos na era nova é um testemunho ao fato de que todos as pessoas nessa corrente, todos aqueles que hoje ouvem a voz de Deus, entraram numa era nova. É um novo começo para a obra de Deus e, também, o início da última parte da obra no plano de gerenciamento de seis mil anos de Deus. Os mandamentos da era nova simbolizam que Deus e o homem entraram no reino de um novo céu e uma nova terra e que Deus, do mesmo modo que Jeová operou entre os israelitas e Jesus operou entre os judeus, fará mais obra prática e ainda mais e ainda maior obra na terra. Eles simbolizam também que esse grupo de pessoas receberá mais e maiores comissões de Deus, e será sustentado, alimentado, apoiado, cuidado e protegido por Ele de maneira prática, receberá Dele treinamento ainda mais prático, e será tratado, quebrantado e refinado pela palavra de Deus. O significado dos mandamentos da era nova é muito profundo. Eles sugerem que Deus realmente aparecerá na terra, a partir de onde Ele conquistará o universo inteiro, revelando toda a Sua glória na carne. Eles sugerem também que o Deus prático fará mais obra prática na terra a fim de aperfeiçoar todos os Seus escolhidos. Além disso, Deus realizará tudo na terra com palavras e tornará manifesto o decreto que “o Deus encarnado subirá à maior altura e será magnificado, e todos os povos e todas as nações se ajoelharão para adorar a Deus — que é grande”. Embora os mandamentos da era nova tenham de ser guardados pelo homem e embora fazer isso seja o dever do homem e sua obrigação, o significado que eles representam é, antes, profundo demais para ser inteiramente expresso em uma ou duas palavras. Os mandamentos da era nova substituem as leis do Antigo Testamento e as ordenanças do Novo Testamento promulgadas por Jeová e Jesus. Essa é uma lição mais profunda, não é uma questão tão simples como as pessoas talvez imaginem. Existe um aspecto de significado prático nos mandamentos da nova era: eles servem como interface entre a Era da Graça e a Era do Reino. Os mandamentos da era nova põem um fim a todas as práticas e ordenanças da era antiga como também a todas as práticas da era de Jesus e àquelas anteriores a ela. Eles trazem o homem para a presença do Deus mais prático, permitindo que ele comece a ser aperfeiçoado por Ele pessoalmente; eles são o início da senda do aperfeiçoamento. Assim, vocês deveriam possuir uma atitude correta com relação aos mandamentos da era nova e não devem segui-los negligentemente nem desprezando eles. Os mandamentos da era nova colocam ênfase em certo ponto: que o homem deve adorar o Próprio Deus prático de hoje, o que envolve submeter-se à essência do Espírito de maneira mais prática. Os mandamentos também salientam o princípio pelo qual Deus há de julgar o homem ou como culpado ou como justo após Ele Se manifestar como o Sol da justiça. Os mandamentos são mais fáceis de entender do que de colocar em prática. Isso mostra que, se Deus deseja aperfeiçoar o homem, então Ele deve fazê-lo por meio de Suas próprias palavras e orientação, e o homem não pode alcançar a perfeição apenas por via de sua própria inteligência inata. Se o homem pode ou não guardar os mandamentos da era nova tem a ver com seu conhecimento do Deus prático. Logo, se você pode ou não guardar os mandamentos não é uma questão que será resolvida numa questão de meros dias. Essa é uma lição muito profunda a ser aprendida.

A prática da verdade é uma senda pela qual a vida do homem pode crescer. Se vocês não praticarem a verdade, então ficarão com nada além de teoria e não terão vida real. A verdade é o símbolo da estatura do homem, e se você pratica ou não a verdade tem relação com se você tem ou não estatura real. Se você não pratica a verdade, não age com justiça ou é influenciado pelas emoções e pelo cuidado com sua carne, você está longe de guardar os mandamentos. Essa é a mais profunda das lições. Em cada era há muitas verdades nas quais as pessoas precisam entrar e compreender, mas há, em cada era, também diferentes mandamentos que acompanham essas verdades. As verdades que as pessoas praticam se relacionam com a era específica, e o mesmo vale para os mandamentos que guardam. Cada era tem suas próprias verdades a serem praticadas e seus mandamentos a serem guardados. No entanto, dependendo dos diferentes mandamentos promulgados por Deus — ou seja, dependendo das diferentes eras — o objetivo e o efeito da prática da verdade pelo homem diferem proporcionalmente. Pode-se dizer que os mandamentos servem à verdade, e a verdade existe para manter os mandamentos. Se houver apenas verdade, então não haverá mudanças na obra de Deus sobre as quais se possa falar. Todavia, ao combiná-la com os mandamentos, o homem pode identificar a extensão das tendências na obra do Espírito Santo, e o homem pode saber em qual era Deus opera. Na religião, há muitas pessoas que podem praticar as verdades que eram praticadas pelas pessoas na Era da Lei. No entanto, elas não possuem os mandamentos da nova era nem podem guardá-los. Elas ainda observam os caminhos antigos e continuam como seres humanos primordiais. Não são acompanhadas pelos novos métodos de operar e não conseguem ver os mandamentos da era nova. Sendo assim, elas não têm a obra de Deus. É como se tivessem apenas cascas de ovos vazias: se não houver um pintinho dentro da casca, então não há espírito. Em termos mais exatos, significa que elas não têm vida. Tais pessoas ainda não entraram na era nova e ficaram muitos passos para trás. Portanto, ter as verdades de eras mais antigas, mas não ter os mandamentos da era nova é inútil. Muitos de vocês praticam a verdade de hoje, mas não guardam seus mandamentos. Você não ganhará nada, e a verdade que você pratica não terá valor nem sentido algum, e Deus não elogiará você. Praticar a verdade deve ser feito dentro dos parâmetros dos métodos da obra atual do Espírito Santo; deve-se fazê-lo em resposta à voz do Deus prático hoje. Se não fizer isso, tudo é nulo, semelhante a tentar tirar água usando uma cesta de bambu. Esse também é o significado prático da promulgação dos mandamentos da era nova. Se as pessoas devem obedecer aos mandamentos, no mínimo elas deveriam conhecer o Deus prático que aparece na carne, sem confusão. Em outras palavras, as pessoas deveriam compreender os princípios de obedecer aos mandamentos. Obedecer aos mandamentos não significa segui-los casual ou arbitrariamente, mas obedecer a eles com uma base, com um objetivo e com princípios. A primeira coisa a ser alcançada é que suas visões sejam claras. Se tiver compreensão cabal da obra do Espírito Santo no tempo atual e se entrar nos métodos de operar de hoje, então você ganhará naturalmente um entendimento claro de guardar os mandamentos. Se vier o dia em que você enxergar a essência dos mandamentos da era nova e puder guardá-los, então você terá sido aperfeiçoado. Esse é o significado prático de praticar a verdade e guardar os mandamentos. Se você pode ou não praticar a verdade depende de como você percebe a essência dos mandamentos da era nova. A obra do Espírito Santo há de aparecer ao homem continuamente, e Deus exigirá cada vez mais do homem. Portanto, as verdades que o homem realmente colocar em prática aumentarão em número e se tornarão maiores, e os efeitos de guardar os mandamentos se tornarão mais profundos. Logo, vocês devem praticar a verdade e guardar os mandamentos ao mesmo tempo. Ninguém deveria negligenciar essa questão; que a nova verdade e os novos mandamentos começam simultaneamente nesta era nova.

Anterior : Concentre-se mais na realidade

Próximo : Você deveria saber que o Deus prático é o Próprio Deus

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Contate-nos
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Conteúdos

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro