Adeus à competitividade

20 de Janeiro de 2022

Por Si Fan, Coreia do Sul

Assumi o dever de regar recém-convertidos uns anos atrás. Senti que era uma honra de Deus. Também sabia que era um dever muito importante, por isso queria investir mais esforço na verdade para regar bem os recém-convertidos para ajudá-los a se estabelecer rápido no caminho verdadeiro. Eu lia as palavras de Deus para me equipar com a verdade sempre que podia e nas reuniões eu ponderava as perguntas e os problemas dos recém-convertidos e buscava as palavras de Deus para comunhão e uma solução. Eu buscava com outros irmãos e irmãs quando não entendia ou não conseguia resolver algo. Ao longo do tempo, os outros começaram a me procurar para comungar sobre seus problemas. Ocorreu-me que todos já me admiravam embora fosse nova na rega. Fiquei muito feliz e ainda mais entusiasmada em meu dever.

Mais tarde, a líder designou a irmã Cheng para trabalhar comigo. Não demorou, e descobri que ela assumira muita responsabilidade em seu dever e era excelente em identificar problemas no nosso trabalho. Sua comunhão nas reuniões era clara e organizada, e ela conseguiu resolver alguns problemas. Todos gostavam dela e a procuravam para comungar quando tinham problemas. Tudo isso me deixou preocupada: “A irmã Cheng ainda é nova, mas os outros já a admiram tanto. Quando precisarem de ajuda, começarão a procurá-la e não a mim? Acharão que não estou à altura dela? Não, preciso me esforçar mais para que todos vejam que não fico para trás, que ainda sou capaz de tratar de problemas. É o único jeito de garantir meu lugar no coração de todos”. Comecei a perguntar ativamente sobre os estados e as dificuldades dos irmãos, e antes de cada reunião eu trabalhava para encontrar palavras de Deus e fazer anotações. Durante as reuniões, eu queria oferecer uma comunhão melhor do que a irmã Cheng para que todos pensassem que eu era mais capaz. Para a minha surpresa, um dia, a líder nos disse que a irmã Cheng passaria a servir como líder de grupo. Fiquei perplexa. Pensei: “Será que ouvi certo? A irmã Cheng será líder de grupo? Por que isso aconteceu? Estou nesse dever há mais tempo do que ela. O que os outros pensarão quando descobrirem? Acharão que ela é melhor do que eu? Como posso dar as caras novamente?” Quanto mais pensava sobre isso, mais injustiçada me sentia e não conseguia aceitar o fato. Eu estava num lugar muito sombrio e doloroso. Eu sabia que não deveria pensar assim, que eu estava vivendo por nome e status, mas não conseguia me controlar. Tentei me consolar, que tudo estava bem e que eu só precisava cumprir bem o meu dever sem me preocupar tanto. Na época, não busquei a verdade nem refleti sobre mim mesma nesse aspecto.

Então, um dia, descobri que a família da irmã Zhang tinha sido presa por rumores e mentiras do PCCh e que estavam tentando fazê-la parar de crer. Ela foi impedida e não estava participando das reuniões. Entrei em contato com ela, esperando poder comungar com ela, mas ela disse que estava em contato com a irmã Cheng, que já tinham recebido visita e comunhão. Fiquei perturbada quando ouvi isso. A irmã Zhang sempre tinha me procurado com seus problemas, mas agora corria diretamente para a irmã Cheng. Ela achava que eu não era boa? Será que todos estavam esquecendo que eu existia? Esse pensamento me deixou bem desmoralizada. Achei que a irmã Cheng estava tirando a atenção de mim e desenvolvi um preconceito contra ela. Parei de responder prontamente às suas mensagens e, às vezes, só respondia com um simples “OK”. E houve uma vez em que estávamos numa reunião on-line com alguns irmãos. A irmã comungou respondendo à pergunta de uma irmã. Não consegui absorver nada daquilo, só estava preocupada que a sua comunhão atrairia todos os holofotes. Eu só queria uma chance de comungar para que os outros vissem que eu também levava meu dever a sério e que conseguia identificar problemas. Quando a irmã Cheng terminou, a irmã que tinha feito a pergunta disse que sua comunhão não tinha tratado do problema prático. Fiquei animada ao vê-la numa situação difícil. Pensei: “Você falou bastante sem resolver o problema real. Não acertou o alvo. Alguém jogou um ovo em você. Os outros viram isso. Preciso aproveitar essa chance para me apresentar bem para que todos vejam que minha comunhão é melhor do que a sua”. Comecei a compartilhar imediatamente. Quando terminei, ficou claro que eu não tinha entendido nada da pergunta dessa irmã, e minha resposta não teve nada a ver. Ela até me enviou um alerta. Eu me senti uma idiota e só queria encontrar um buraco para me esconder. Naquele momento, tive de deixar a reunião porque algo urgente tinha aparecido. Mais tarde, vi que ainda estavam on-line na reunião e um pensamento maligno me passou pela cabeça: “Se você continuar conversando assim, quem sabe até quando continuará. Se eu não puder estar na reunião, ninguém pode, caso contrário só você poderá se exibir”. Então, sem pensar muito, enviei esta mensagem: “Acabou o tempo da reunião, não há necessidade de continuar. Podemos discutir quaisquer problemas mais tarde”. Dentro de minutos, todos estavam off-line. Fiquei sentada ali na frente do computador, muito agitada. Eu estava tão envergonhada pela minha comunhão e me senti mal quando me lembrei de como tinha me deleitado com o revés da irmã Cheng. O que eu estava fazendo? Não estava tentando trabalhar com ela para cumprir bem o nosso dever, mas estava numa luta ciumenta aberta e secreta, tentando sabotá-la. Isso era cumprir o meu dever? Não consegui acalmar meus sentimentos.

Depois disso, refleti sobre mim mesma, sobre o que estava errado comigo. Comparar-me sempre com a irmã Cheng em tudo era um jeito exaustivo e doloroso de viver. Eu não estava recebendo nenhum esclarecimento das palavras de Deus, estava apenas agindo sem me envolver nas orações, as reuniões eram tediosas e careciam de iluminação. Meu coração estava cheio de escuridão. Em dor, vim para diante de Deus para orar: “Deus, estou vivendo por nome e status, Sempre competindo, comparando-me com outros, querendo sua admiração. Sei que esse não é o estado certo, mas não consigo escapar dele. Deus, por favor, guia-me para que eu conheça a mim mesma”.

Certo dia, vi estas palavras de Deus numa reunião: “Quando a laia dos anticristos cumpre um dever, seja qual for, e em qualquer grupo em que estejam, ela demonstra uma forma distinta de conduta: sempre tende a restringir as pessoas e controlá-las. Sempre quer liderar as pessoas e ter a última palavra. Sempre quer ser vista, ser o centro das atenções; quer os olhos e a atenção de mais pessoas voltados para ela. Sempre que os anticristos se juntam a um grupo, seja qual for o número, qualquer que sejam os membros do grupo, sua profissão ou identidade, os anticristos observarão primeiro quem fala bem, quem é impressionante, quem é altamente qualificado e quem tem mais capital. Observam para ver quem eles podem superar e quem não, quem os supera e quem é inferior. Essas são as primeiras coisas que avaliam. Após avaliarem rapidamente a situação, eles começam seu trabalho, separando aqueles que estão abaixo deles e ignorando-os. Procuram primeiro aqueles que acreditam que são superiores, que têm algum prestígio e status, que têm alguns dons e são um tanto capazes. Essas são as pessoas com as quais se comparam primeiramente. Se qualquer uma dessas pessoas é estimada pelos irmãos e irmãs, é crente em Deus há muito tempo ou tem boa posição, ela se torna alvo de inveja. Torna-se competição. Em seguida, os anticristos se comparam silenciosamente com essas pessoas, que são estimadas, que têm status e cuja fala pode fazer com que os irmãos e irmãs as sigam, observando o que elas podem fazer e o que já dominam. Olhando e observando, os anticristos percebem que essas pessoas são especialistas em determinada profissão e que todos as estimam porque elas acreditam em Deus há mais tempo ou por alguma outra razão. Uma vez que descobriram a ‘presa’, reconheceram o competidor e encontraram a razão, os anticristos inventam um plano de ação. Eles vão identificar os pontos em que não estão à altura do adversário, e é aí que começarão a trabalhar. Se não forem tão bons numa profissão quanto a outra pessoa, estudarão essa profissão, adquirindo todo tipo de informação e humildemente pedindo instrução aos outros. Participarão de todo tipo de trabalho relacionado a essa profissão, aos poucos acumulando experiência e cultivando poder. Assim que acreditam ter o capital para encarar seu competidor, vão se manifestar regularmente para divulgar suas ‘opiniões esclarecidas’. Muitas vezes, negam e depreciam deliberadamente o competidor para fazê-lo parecer tolo e manchar sua reputação. Desse modo, são capazes de demonstrar que não são iguais ao resto e que são mais brilhantes do que o adversário. A pessoa mediana consegue reconhecer essas coisas? Durante todo o processo, os anticristos são os únicos que sabem o que estão fazendo — eles e Deus. As pessoas comuns só veem sua paixão, sua busca, seu sofrimento, o preço que pagam e seu comportamento aparentemente bom. Mas a verdade está escondida no fundo do seu coração. Qual é seu objetivo principal? Ganhar status. Sem que percebam, o objetivo de todo o seu trabalho, de toda a sua labuta e de todo o preço que pagam é aquela coisa em seu coração que nunca conseguem esquecer e de que jamais podem abdicar: status” (‘Eles só cumprem seu dever para se distinguir e alimentar seus próprios interesses e ambições; eles nunca levam em consideração os interesses da casa de Deus e até traem esses interesses em troca de glória pessoal (parte 3)’ em “Expondo os anticristos”). As palavras de Deus me acertaram em cheio, e eu me senti terrível. Também senti que Deus podia ver nitidamente meus pensamentos e sentimentos. Pensando bem, desde que tinha assumido o dever de rega, eu o tinha tratado como chance para me exibir. Eu queria usar a solução dos problemas dos outros como meio para ganhar sua admiração e aprovação. Depois que a líder designou a irmã Cheng para trabalhar comigo, eu não queria saber como poderíamos cumprir bem o nosso dever juntas, mas competia com ela e me comparava com ela. Eu estava obcecada com quem os irmãos procuravam para obter ajuda, qual de nós tinha mais prestígio, mais status entre os outros. Em me senti ameaçada quando vi como todo admiravam a irmã Cheng e me senti descartada, então comecei a vê-la como competidora. Queria vencê-la, superá-la em tudo que dizia e fazia, e tentei de tudo para fazer com que os outros me achassem melhor. Eu tinha sido dominada por ambição e desejo e até me deleitava com seu fracasso em minha busca por status. Eu parecia estar cumprindo meu dever, mas nem de longe pensava em como cumpri-lo bem, em como aproveitar ao máximo as reuniões nem em como ajudar os irmãos com seus problemas. Cada coisa que eu fazia era em nome de status e reputação. Esse não é o caráter de um anticristo? Anticristos colocam status e prestígio acima de tudo. Eles invejam, lutam e se comparam com qualquer um que é melhor do que eles. Farão de tudo para pisotear, menosprezar e caluniar qualquer um em nome de status, para se elevar e exibir. Em tudo que fazia, minhas intenções não eram iguais às de um anticristo? Cumprir meu dever com esse tipo de objetivo era trilhar a senda de um anticristo, era resistir a Deus. Quando percebi isso, fui tomada de arrependimento. Sabia que devia mudar. Devia buscar a verdade e refletir sobre mim mesma para tratar do meu caráter corrupto.

Bem, refleti e busquei em relação a isso também e orei a Deus, pedindo Sua orientação para entender a causa disso para poder me arrepender. Havia uma passagem das palavras de Deus que li certo dia. Deus Todo-Poderoso diz: “No acampamento de Satanás, seja num escritório pequeno ou numa organização grande, no meio da multidão ou em funções governamentais, qual é a atmosfera em que eles agem? Quais são os princípios e diretrizes de suas ações? Cada um é sua própria lei; cada um segue o próprio caminho. Eles agem em interesse próprio e lutam por si mesmos. Qualquer um que tiver autoridade tem a última palavra. Eles não pensam nos outros, e fazem o que querem, buscando fama, fortuna e status. Se vocês não entendessem a verdade nem a colocassem em prática, numa situação em que não tivessem sido providos com as palavras de Deus, vocês seriam diferentes deles? De forma alguma — vocês seriam absolutamente iguais a eles. Vocês brigariam do mesmo jeito que fazem os incrédulos. Vocês lutariam do mesmo jeito que fazem os incrédulos. De manhã até a noite, vocês invejariam e disputariam, tramariam e maquinariam. Qual é a raiz desse problema? Tudo isso ocorre porque as pessoas são controladas por caracteres corruptos. O reinado dos caracteres corruptos é o reinado de Satanás; a humanidade corrupta vive num caráter satânico, sem exceção. Portanto, você não deve pensar que é bom demais ou meigo e honesto demais para se envolver em lutas por poder e lucro. Se você não entende a verdade e não é guiado por Deus, certamente não é uma exceção, e de forma alguma, nem por conta de sua honestidade ou gentileza, nem por causa de sua juventude, você deixará de lutar e de se esforçar por seu status, sua reputação. Lutar, se esforçar, brigar — todos esses são comportamentos emblemáticos da natureza maligna de Satanás. Todos, sem exceção, lutam, se esforçam e competem por fama, fortuna e status, custe o que custar. Em seus esforços para alcançar esse objetivo, as pessoas revelam seus caracteres corruptos. Então, enquanto você não entender a verdade, não aceitar a verdade e não conseguir agir com base em princípios, esses caracteres corruptos dominarão seus pensamentos e ditarão suas ações. Você não pode escapar disso. Agora, ao cumprir seu dever na casa de Deus, você é um pouco obediente, tem um coração um pouco resiliente, é um pouco sério e tem um pouco de senso de responsabilidade ou consegue deixar de lado sua preocupação com o status e, muitas vezes, é capaz de resistir e não lutar, capaz de ser gentil e de cooperar em paz, capaz de buscar e esperar. Como uma pessoa alcança tal atitude? Isso está relacionado à provisão e à instrução de Deus. Sem estas, as pessoas não entendem essas coisas. Desde a infância, as pessoas ouvem: ‘É cada um por si, e o demônio pega quem fica por último’. Muitos pais ensinam aos seus filhos: ‘Você deve lutar para ser o número um. Se não lutar para ser o primeiro, você é um covarde inútil e todos o menosprezarão e intimidarão!’. Quando estão um pouco mais velhos, os filhos pensam desse jeito por conta própria, sem que os pais os instruam. Para onde quer que vão, eles lutarão. Acham que seriam tolos se não lutassem. Dentro de um grupo de pessoas, acham que seriam uns imprestáveis se não conseguissem estabelecer alguma credibilidade e ter um pouco de prestígio. Portanto, além de imaginação, noções e conhecimento, tudo que o homem tem é um caráter corrupto. A humanidade, cuja essência é o caráter corrupto, vive a imagem de Satanás. Cada ação e cada ato giram em torno do caráter e dos pensamentos de Satanás. Ninguém é capaz de escapar disso” (‘Os princípios que devem guiar a conduta da pessoa’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”). Depois de ler as palavras de Deus, vi por que eu não conseguia parar de lutar por nome e ganho. Era porque eu estava mergulhada nas perspectivas e nos venenos satânicos e corrompida por eles. Em casa e na escola, eu tinha aprendido coisas como: “Cada um por si e o demônio pega quem ficar por último”, “O homem luta para subir; a água flui para baixo”, E “Sem dor não há ganho”. Eu queria a admiração dos outros, não importava o grupo em que estava, e me deleitava quando era admirada e aprovada. Pensava que essa era a única vida digna e valiosa. Ficar inferior a alguém, eu me fez me sentia inútil, incapaz de dar as caras. Ao cumprir meu dever na casa de Deus, eu ainda seguia essas ideias e conceitos satânicos, buscando a admiração dos outros. Mas cumprir o dever com os irmãos tem a ver com apoio mútuo e compensar aquilo que falta ao outro para que possamos ser mais eficazes. Devemos ajudar uns aos outros e até ser parceiros uns dos outros. Mas eu tinha tratado a irmã Cheng como adversária, Obcecada em superá-la. Quando não consegui, recorri a meios ilegítimos para interromper sua comunhão na reunião. Quando fiz essas coisas desumanas, vi que eu tinha um caráter sinistro e malicioso. Eu sempre pensei que subir na hierarquia e ser admirada era o único jeito digno de viver. Vivendo segundo esses venenos satânicos, minha ambição crescia cada vez mais, e minha perspectiva diminuía, até meu comportamento se tornar insuportável para os outros e especialmente repugnante para Deus. Onde há dignidade nisso? Finalmente, vi o quanto eu tinha sido corrompida pelos venenos de Satanás. Eu não conseguia discernir entre coisas positivas e negativas e tinha perdido minha consciência e razão. Os anticristos que tinham sido expulsos da igreja não buscavam a verdade, apenas nome e status e foram expostos e eliminados no fim. Sempre buscar essas coisas era uma senda de resistir a Deus, uma senda de destruição. Vi como eram assustadoras as consequências de viver desse jeito e que, sem a exposição pelas palavras de Deus, eu nunca teria conhecido a mim mesma, e quem sabe que tipo de maldade eu faria?

Certa manhã, li outra passagem: “O que Deus exige das pessoas não é a capacidade de completar certo número de tarefas ou realizar grandes empreendimentos quaisquer, Ele nem precisa que elas sejam pioneiras em quaisquer grandes empreendimentos. O que Deus quer é que as pessoas sejam capazes de fazer tudo que puderem de maneira realista e viver em concordância com Suas palavras. Deus não precisa que você seja incrível ou honrado, nem precisa que produza quaisquer milagres, nem quer ver surpresas agradáveis em você. Ele não precisa de tais coisas. Tudo que Deus precisa é que você ouça Suas palavras e, tendo-as ouvido, que as leve a sério e preste atenção nelas enquanto pratica de uma maneira realista, de modo que as palavras de Deus se tornem o que você vive, que se tornem a sua vida. Dessa forma, Deus ficará satisfeito. Você está sempre buscando grandeza, nobreza e dignidade; sempre busca exaltação. Como Deus Se sente quando vê isso? Ele detesta e não quer considerar isso. Quanto mais você busca coisas como grandeza, nobreza, ser superior aos outros, distinto, proeminente e digno de nota, mais Deus acha você repugnante. Se você não refletir sobre si mesmo e não se arrepender, Deus o desprezará e abandonará. Garanta que você não seja alguém que Deus considera repugnante; seja uma pessoa que Deus ama. Como, então, pode-se alcançar o amor de Deus? Recebendo a verdade com os pés no chão, permanecendo na posição de um ser criado, confiando firmemente na palavra de Deus para ser uma pessoa honesta e cumprindo seus deveres e vivendo a semelhança de um verdadeiro humano. Isso basta. Garanta que você não tenha ambição e não entretenha sonhos vãos, não busque fama, ganhos, status, ou destacar-se da multidão. Ademais, não tente ser uma pessoa de grandeza ou sobre-humana, que é superior entre os homens e faz os outros adorá-la. Esse é o desejo da humanidade corrupta e é a senda de Satanás; Deus não salva seres criados como esses. Se algumas pessoas ainda buscam fama, ganhos e status e se recusam a se arrepender, não há cura para elas e só existe um desfecho para elas: a eliminação” (‘O cumprimento adequado dos deveres exige cooperação harmoniosa’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”).

As palavras de Deus me mostraram que Deus não exige que as pessoas sejam famosas nem grandes nem que realizem algo incrível. Deus só quer que pratiquemos Suas palavras e cumpramos o dever e a responsabilidade de um ser criado. Esse é o único tipo de pessoa que merece dignidade aos olhos de Deus, que agrada a Deus. Mas minha busca não era cumprir o dever de um ser criado. Desde o início, era para conseguir a admiração e aprovação das pessoas, Era ganhar status entre outros, o oposto daquilo que Deus exige. Nosso coração deveria ser um templo para Deus, onde adoramos e exaltamos a Deus. Confrontados com problemas, deveríamos orar e confiar em Deus, viver segundo Suas palavras. Mas eu estava sempre buscando um lugar no coração das pessoas para que elas me admirassem e adorassem. Eu estava lutando pelo lugar de Deus, ofendendo Seu caráter. Eu não tinha nenhuma verdade-realidade. Havia muito que eu não conseguia entender nem resolver, só conseguia cuspir alguma doutrina. Ainda assim pensava que era maravilhosa e me tinha em alta estima. Descaradamente, queria ser aplaudida e reverenciada por outros, e eu lutava por isso quando isso não acontecia. Eu não me conhecia e não tinha vergonha! Deus é o Senhor da criação e Ele é absolutamente supremo. Ele Se tornou carne pessoalmente e veio para a terra, expressando a verdade para salvar a humanidade. Ele fez uma obra tremenda, ainda assim, Ele não Se exibe nem Se posiciona como Deus. Ele é oculto e humilde. A essência de Deus é tão amável. Isso me deixou ainda mais envergonhada, mais aborrecida. Resolvi abandonar minha carne e praticar a verdade. Vim para diante de Deus e orei: “Ó Deus, minha ambição fugiu do controle. Estou sempre lutando, me comparando com os outros, querendo ser admirada. Essa não é uma senda boa e ela Te repugna”. “Não quero mais viver desse jeito. Quero viver segundo as tuas palavras e cumprir bem o meu dever. Por favor, guia-me”. Depois disso, procurei a irmã Cheng e me abri sobre meu estado e corrupção. Comungamos sobre a importância da cooperação harmoniosa. Me senti tão firme e em paz naquele momento.

A partir de então, ainda tive impulsos de competir com a irmã Cheng em nosso trabalho, mas eu percebia e rapidamente fazia uma oração, abandonava a carne e seguia as palavras de Deus. Certa vez, quando era a vez da irmã Cheng de ser a anfitriã de uma reunião, vi que ela estava ocupada demais para se preparar, então encontrei algumas palavras de Deus para tratar dos problemas dos outros. Pensei: “Fui eu que encontrei essas passagens. Se a reunião for bem, os irmãos pensarão que foi a irmã Cheng que fez todo o trabalho? Acharão que ela assume um fardo maior do que eu? Talvez eu deva liderar dessa vez”. Mas justamente quando estava pensando no que dizer, percebi que, de novo, era eu lutando por nome e ganho. Lembrei-me destas palavras de Deus: “Você deve aprender a abrir mão e deixar de lado essas coisas, a recomendar outros e a permitir que eles se destaquem. Não lute nem corra para tirar vantagem no momento em que encontrar uma oportunidade para se destacar ou obter glória. Você deve aprender a recuar, mas não deve adiar o cumprimento de seu dever. Seja uma pessoa que trabalha em quieta obscuridade e que não se exibe aos outros enquanto cumpre lealmente o seu dever. Quanto mais abrir mão de seu prestígio e status, e quanto mais abrir mão de seus interesses, mais tranquilo você se tornará, mais espaço se abrirá em seu coração, e mais seu estado se aprimorará. Quanto mais você lutar e competir, mais escuro será o seu estado. Se você não acredita, tente e veja! Se você quiser reverter esse tipo de estado e não quiser ser controlado por essas coisas, então você deve primeiramente deixá-las de lado e desistir delas” (‘Dê seu real coração a Deus e você poderá obter a verdade’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”). As palavras de Deus me deram uma senda de prática. Devemos aprender a renunciar, a desistir de qualquer oportunidade de nos exibir e permitir que outros ocupem o centro do palco. Nós não nos exibimos nem somos admirados por outros, mas, por dentro, isso é muito libertador. Não somos controlados por corrupção e ganhamos a aprovação de Deus. Essa é a maior recompensa. Então enviei uma mensagem para ela, dizendo: “Vá em frente e lidere a reunião amanhã, eu ajudarei na comunhão”. Na reunião no dia seguinte, não fiquei pensando em como seria vista, mas em como comungar as palavras de Deus para ajudar com os problemas dos outros. A irmã Cheng e eu comunicamos juntas, cada uma contribuiu sua parte. Depois, todos disseram que a reunião tinha sido muito benéfica. Dei graças a Deus por isso e senti a alegria de praticar a verdade.

Todos os dias temos 24 horas e 1440 minutos. Você está disposto a dedicar 10 minutos para estudar o caminho de Deus? Você está convidado a se juntar ao nosso grupo de estudo.

Conteúdo relacionado

Como parei de contar mentiras

Por Marinette, França Antes de aceitar a obra de Deus dos últimos dias, eu mentia e bajulava as pessoas sem pensar duas vezes, pois eu...

Entre em contato conosco pelo WhatsApp