A comunhão deve ser sincera

13 de Junho de 2022

Por Julia, Polônia

No início de 2021, aceitei a obra de Deus Todo-Poderoso nos últimos dias. Eu participava ativamente das reuniões e lia a palavra de Deus, e após mais de dois meses, fui eleita diaconisa de rega. Tínhamos uma reunião de diáconos todos os fins de semana para discutir os problemas e dificuldades que encontrávamos no nosso dever e comungar o que tínhamos ganhado, as corrupções que expúnhamos e como refletíamos sobre elas e as entendíamos por meio da palavra de Deus. Antes de cada reunião, eu ficava muito nervosa e refletia muito, pois não sabia o que dizer aos líderes da igreja e aos outros diáconos. Eu não queria falar sobre minha corrupção e deficiências, porque temia que eles teriam uma opinião ruim de mim. Por exemplo: eu tinha acabado de começar a regar os recém-convertidos. Eu não sabia de muitas coisas e carecia de experiência. Temia que os recém-convertidos não gostassem de mim e achassem que eu não os regava bem, por isso, queria desistir desse dever. Mas eu não queria me abrir sobre meu estado numa reunião de diáconos, pois temia que, se fizesse isso, meus irmãos pensassem que eu carecia da capacidade de comungar com recém-convertidos. Eu também era impaciente com alguns recém-convertidos e não queria dizer isso, pois temia que, se lhes contasse, eles achassem que eu tinha humanidade ruim. Mas se não dissesse nada na reunião, eles achassem que eu era menos capaz do que os outros. Não queria me envergonhar nem que os outros me menosprezassem. Depois de pensar muito, finalmente decidi só dizer algo irrelevante e nada vergonhoso, por exemplo, que eu era preguiçosa, um problema que muitos têm. Dessa forma, eu não pareceria inferior aos outros.

E assim, na reunião, um líder de igreja perguntou sobre minhas experiências nesse tempo e que conhecimento eu tinha ganhado sobre meus caracteres corruptos, e eu comunguei o que tinha planejado. Quando terminei, suspirei aliviada, mas me senti incomodada, sabendo que não tinha dito a verdade e que tinha contrariado a vontade de Deus. Lembrei-me das palavras do Senhor Jesus: “Seja o vosso falar: Sim, sim; não, não; pois o que passa daí, vem do maligno” (Mateus 5:37). “Em verdade vos digo que se não vos converterdes e não vos fizerdes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus” (Mateus 18:3). Pensando naquilo que Deus diz, eu me senti muito culpada. As mentiras vêm de Satanás e são malignas. Deus ama pessoas honestas, e só pessoas honestas podem entrar no reino dos céus. Mentirosos e hipócritas não podem entrar no reino de Deus. Essas pessoas são odiadas por Deus e, no fim, serão expulsas por Deus. Eu estava muito agitada e temia ser detestada por Deus. Orei a Deus e pedi que Ele me guiasse a ser uma pessoa honesta. Decidi contar a verdade na reunião seguinte e me abrir sobre minha corrupção. Mas quando chegou a hora, não tive a coragem de fazê-lo. Temia que, se falasse sobre minha corrupção e deficiências, meus irmãos achassem que eu era mais corrupta do que eles. Achei difícil demais contar a verdade e até quis deixar de participar das reuniões de diáconos por essa razão. Mas temia que meus irmãos me perguntassem por que eu não ia, e então eu não saberia o que dizer. Quando mais pensava, mais angustiada e miserável me sentia. Não sabia o que fazer. Numa reunião, os irmãos comungaram sobre suas experiências e conhecimento como sempre, e eu não sabia o que dizer, então só ouvi em silêncio. Eu estava decepcionada comigo mesma. Eu sempre me disfarçava e nunca conseguia praticar a verdade. Não conseguia dizer uma palavra honesta. Me senti péssima, então orei a Deus, pedindo que Ele me tirasse desse estado.

Mais tarde, li esta passagem da palavra de Deus: “Você deve buscar a verdade para resolver qualquer problema que surge, não importa o que seja, e de forma alguma deve se disfarçar ou mostrar um rosto falso aos outros. Seus defeitos, suas deficiências, suas falhas, seus caracteres corruptosseja completamente aberto em relação a todos eles e comungue sobre todos eles. Não os guarde no interior. Aprender a se abrir é o primeiro passo em direção à entrada na verdade e é o primeiro obstáculo, que é o mais difícil de superar. Uma vez que você o superou, entrar na verdade é fácil. O que significa dar esse passo? Significa que você está abrindo seu coração e mostrando tudo que tem, bom ou mau, positivo ou negativo, desnudando-se para que os outros e Deus o vejam; não escondendo nada de Deus, não ocultando nada, não disfarçando nada, livre de enganação e truques, e sendo igualmente aberto e honesto com as outras pessoas. Dessa forma, você vive na luz, e não somente Deus o escrutinizará; as outras pessoas também serão capazes de ver que você age com princípios e alguma medida de transparência. Você não deve utilizar quaisquer métodos para proteger a sua reputação, imagem e status, nem deve encobrir nem disfarçar os seus erros. Não deve se envolver nesses esforços inúteis. Se conseguir renunciar a essas coisas, você viverá sem grilhões nem dor e viverá inteiramente na luz” (‘Só aqueles que praticam a verdade são tementes a Deus’ em “As declarações de Cristo dos últimos dias”). A palavra de Deus me mostrou que nunca devemos encobrir nossos estados corruptos. Devemos trazê-los para diante de Deus e orar, refletir e tentar entender a nós mesmos, e abrir nosso coração para expor nossa corrupção aos nossos irmãos para buscar a verdade. Isso nos ajudará a nos entender melhor e a resolver nossos caracteres corruptos. Mas, a fim de proteger minha reputação, eu não quis me abrir sobre minha corrupção e dificuldades, nem quis buscar a verdade com meus irmãos. Eu sempre mantinha meu coração fechado para que ninguém me enxergasse, mas não encontrei libertação vivendo nas trevas. Percebi que não podia continuar mais assim e que devia praticar a palavra de Deus, abrir-me com meus irmãos sobre o meu estado e buscar a ajuda deles. Assim que a reunião terminou, uma irmã me procurou para conversar sobre sua experiência recente. Achei que era uma boa chance de me abrir e buscar a verdade, mas ainda estava um pouco envergonhada, pois não sabia o que ela pensaria de mim. Eu temia que ela dissesse que eu era uma pessoa muito desonesta. Então orei a Deus: “Deus, não quero mais me esconder. Não quero mais ocultar meus pensamentos verdadeiros. Estou muito cansada. Deus, quero ser uma pessoa honesta, por favor, guia-me”. Depois de orar, contei à irmã todas as coisas que não tinha ousado contar na reunião. Quando terminei, me senti muito aliviada. A irmã compartilhou o entendimento dela comigo e me enviou uma passagem das palavras de Deus. “A característica principal de uma pessoa enganosa é que ela nunca abre o coração para comungar com ninguém, e não fala do seu coração nem sequer com seu melhor amigo. Ela é extraordinariamente inescrutável. Essa pessoa não precisa ser velha, nem estar profundamente envolvida em assuntos mundanos, e talvez até tenha um pouco de experiência, mas ela é inescrutável. Essa não é uma pessoa enganosa por natureza? Ela se esconde tão profundamente que ninguém consegue enxergar como ela realmente é. Não importa quantas palavras fale, é difícil saber quais são verdadeiras e quais são falsas, e ninguém sabe quando ela está dizendo a verdade e quando está mentindo. Além disso, ela é especialmente habilidosa em disfarces e sofismas. Muitas vezes, ela esconde a verdade passando uma impressão falsa às pessoas, para que todas as pessoas vejam a sua aparência falsa. Ela se disfarça como uma pessoa altiva, boa, virtuosa e honesta, como uma pessoa que é amada e aprovada, e, no final, todos a admiram. Não importa quanto tempo você passe com uma pessoa assim, você nunca sabe o que ela está pensando. As opiniões e atitudes dela em relação a todos os tipos de pessoas, assuntos e coisas ficam escondidas no coração dela. Ela nunca conta essas coisas a ninguém. Nunca comunga sobre essas coisas, nem mesmo com o confidente mais próximo. Quando ora a Deus, talvez ela nem sequer confidencie o que está no seu coração ou o que ela realmente pensa. E não é só isso: ela tenta se disfarçar como uma pessoa com humanidade, que é muito espiritual e dedicada a buscar a verdade. Ninguém consegue ver que tipo de caráter ela tem e que tipo de pessoa ela é. Essa é a característica de uma pessoa enganosa” (‘Eles não acreditam na existência de Deus e negam a essência de Cristo (parte 1)’ em “Expondo os anticristos”). A palavra de Deus me fez perceber que pessoas enganosas não falam de coração com os outros nem se abrem sobre seu estado verdadeiro com outros. Em vez disso, escondem-se e se disfarçam. Vi que eu era exatamente como Deus revelou. Desde que me tornei diaconisa de rega, vi que tinha muitas deficiências e que também expunha muitos caracteres corruptos, que não tinha amor nem paciência com os recém-convertidos. Eu devia abrir meu coração e buscar soluções para esses problemas com os meus irmãos. Mas eu temia que, se dissesse a verdade, eles me menosprezariam e me achariam inferior, por isso não quis contar-lhes meu estado real. Evitei as coisas importantes e lhes disse coisas que não importavam ou problemas que muitos outros tinham. Fiz isso para esconder meu lado sombrio e meus pensamentos íntimos. Para que os outros tivessem uma opinião boa sobre mim, eu me disfarçava e passava uma impressão errada. Eu estava enganando os meus irmãos. Eu era tão astuta e hipócrita!

Mais tarde, minha irmã me enviou outra passagem das palavras de Deus: “Na verdade, todas as pessoas sabem por que contam mentiras: é por causa de interesses, reputação, vaidade e status. E ao se comparar com os outros, elas se superestimam. Como resultado, suas mentiras são expostas e vistas pelos outros, resultando, em vez disso, em perda de reputação, perda de caráter e perda de dignidade. Esse é o resultado de mentiras em excesso. Quando você mente demais, cada palavra que diz está contaminada. É tudo falso, e nada disso pode ser verdadeiro ou factual. Você pode até não perder reputação quando mente, mas já se sente desonrado por dentro. Você se sentirá acusado pela sua consciência, e você odiará e desprezará a si mesmo. ‘Por que vivo de forma tão lastimável? É realmente tão difícil dizer uma coisa honesta? Preciso contar essas mentiras só pela reputação? Por que é tão cansativo viver desse jeito?’. Você pode viver de um jeito que não seja cansativo. Se praticar ser uma pessoa honesta, poderá viver fácil e livremente, mas quando escolhe mentir para proteger sua reputação e sua vaidade, a sua vida é muito cansativa e dolorosa, o que significa que isso é dor autoinfligida. Qual é a reputação que você ganha contando mentiras? É algo vazio, algo totalmente sem valor. Quando mente, você está traindo seu caráter e sua dignidade. Essas mentiras custam às pessoas a sua dignidade, custam-lhes o seu caráter, e Deus as considera desagradáveis e odiosas. Elas valem isso? De modo algum. […] Se você é alguém que ama a verdade, então pode suportar todo tipo de sofrimento para praticar a verdade e não se importará se perder reputação, status, caráter ou dignidade. E você se contentará com nada além de praticar a verdade e satisfazer a Deus. Para aqueles que amam a verdade, a escolha é praticar a verdade, ser pessoas honestas. Essa é a senda correta e é abençoada por Deus. Aqueles que não amam a verdade, o que eles escolhem fazer? Eles usam mentiras para defender sua reputação, status, dignidade e caráter. Essas pessoas preferem ser pessoas enganosas e ser odiadas e rejeitadas por Deus. Elas não querem a verdade nem Deus. O que escolhem é a própria reputação e seu status. Querem ser pessoas enganosas, e não se importam se isso agrada a Deus ou se Deus as salva, então essas pessoas ainda podem ser salvas por Deus? É claro que não, porque elas seguem a senda errada. Só podem viver mentindo e enganando, e só podem viver uma vida dolorosa de contar mentiras e encobri-las e de quebrar a cabeça para se defender todos os dias. Você pode pensar que usar mentiras pode proteger sua reputação, seu status e sua vaidade desejados, mas isso é um grande erro. As mentiras não só não protegem a sua vaidade e dignidade pessoal, como também o levam a perder chances de praticar a verdade e ser uma pessoa honesta. Mesmo que você defenda a sua reputação e a sua vaidade naquele momento, o que você perde é a verdade, e você trai a Deus, o que significa que você perde completamente a oportunidade de ganhar a salvação de Deus e de ser aperfeiçoado. Essa é a maior perda e um arrependimento eterno. As pessoas enganosas nunca veem isso claramente” (‘Somente sendo honesto é que se pode viver uma semelhança humana real’ em “As declarações de Cristo dos últimos dias”). Depois de ler a palavra de Deus, refleti sobre mim mesma. A fim de manter status e reputação e não ser menosprezada pelos outros, antes de cada reunião, eu quebrava a cabeça para encontrar um jeito de comungar na reunião. Se eu me abrisse sobre meu estado real, eu temia que meus irmãos tivessem uma impressão ruim de mim. Mas se não dissesse nada, eu também temia que meus irmãos pensassem que eu era ruim e me menosprezassem. Desesperada, quis escapar dessa situação. Vi que, a fim de manter meu status e reputação, eu quebrava a cabeça e preferia sentir-me péssima a me abrir e ser uma pessoa honesta e contar aos meus irmãos o meu estado e dificuldades reais. Eu era tão enganosa e perversa! Embora mantivesse minha imagem no coração das pessoas por um tempo, eu perdi minha dignidade, minha chance de ser uma pessoa honesta e minha chance de buscar a verdade. Sentia-me tão cansada nas reuniões, sem nenhuma sensação de libertação. Eu era escrava do meu caráter corrupto. Os irmãos devem comer e beber a palavra de Deus nas reuniões e comungar sua experiência e conhecimento da palavra de Deus. Quando temos problemas ou dificuldades, podemos discuti-los e resolvê-los juntos e aprender com os pontos fortes de cada um. Dessa forma, é fácil obter a obra do Espírito Santo e entender a verdade. Mas nas reuniões, eu só pensava em o que dizer para que não fosse menosprezada, para que as pessoas tivessem uma boa opinião de mim. Todos meus pensamentos estavam voltados para isso. Era difícil e cansativo demais viver desse jeito.

Mais tarde, li isto na palavra de Deus: “Vocês são capazes de se abrir e dizer o que realmente está no seu coração quando comungam com outros? Se alguém sempre diz o que realmente está no seu coração, se nunca mente nem exagera, se é sincero e não é nem um pouco descuidado ou superficial no cumprimento do seu dever, se ele consegue praticar a verdade que entende, essa pessoa tem a esperança de ganhar a verdade. Se uma pessoa sempre se encobre e esconde o coração para que ninguém o veja claramente, se ela passa uma impressão falsa para enganar os outros, ela está em grande perigo, em sérios apuros, e mais cedo ou mais tarde ela será enxergada e exposta. Vocês podem ver, a partir do dia a dia da pessoa, e a partir de suas palavras e ações, quais são as perspectivas dela. Se essa pessoa está sempre fingindo, sempre se achando, essa pessoa não é alguém que aceita a verdade, e, mais cedo ou mais tarde, ela será revelada e expulsa. […] Pessoas que nunca se abrem, que sempre escondem as coisas, que sempre fingem ser honestas, que sempre estão tentando fazer com que os outros as tenham em alta estima, que nunca querem que as pessoas saibam o que elas realmente estão pensando e qual é seu verdadeiro estado e a sua natureza — essas pessoas não são estúpidas? Essas pessoas são extremamente estúpidas! Que senda elas trilham? A senda dos fariseus. Os hipócritas estão em perigo ou não? Eles são as pessoas que Deus mais odeia, então você imagina que eles não estão em perigo? Todos aqueles que são fariseus trilham a estrada para a perdição!” (‘Dê seu real coração a Deus e você poderá obter a verdade’ em “As declarações de Cristo dos últimos dias”). As palavras de Deus me mostraram que Deus quer que sejamos pessoas honestas, falemos de modo simples e franco, não mintamos nem enganemos, e, quando expusermos corrupção, sejamos capazes de nos abrir e falar sobre ela, para que os outros vejam o que pensamos. Viver assim não é cansativo, e é mais fácil entrar na verdade e trilhar a senda da salvação. Mas aqueles que sempre se disfarçam, escondem, encobrem e não deixam os outros verem seu estado, eles trilham a senda errada, só se tornam cada vez mais hipócritas e nunca conseguem resolver seus caracteres corruptos. Esse é o caminho da perdição. Lembrei-me dos fariseus dois mil anos atrás. Por fora, eram piedosos e passavam os dias explicando as escrituras aos outros na sinagoga. Também se postavam nos cruzamentos e oravam para que as pessoas pensassem que eles amavam a Deus. Mas eles não temiam a Deus, não o colocavam acima de tudo nem obedeciam aos mandamentos de Deus. Quando o Senhor Jesus apareceu e operou, eles sabiam que Suas palavras tinham poder e autoridade e que vinham de Deus, mas, a fim de manter o status e a renda, eles resistiram e condenaram a Deus freneticamente e, no fim, crucificaram o Senhor Jesus. Vi que os fariseus eram piedosos por fora, mas insidiosos e astutos em essência. Eram hábeis em se disfarçar e em enganar. Tudo que faziam era para enganar e controlar as pessoas, iludindo-as para ter estima e adoração. A senda que trilhavam era a de resistir a Deus. No fim, ofenderam o caráter de Deus e foram amaldiçoados e punidos por Deus. Refleti sobre mim mesma. A fim de ter uma boa imagem no coração dos outros, eu escondia minha corrupção e só falava sobre a corrupção comum que eu revelava. Isso não só protegeu minha imagem, mas fez com que os outros me vissem como uma pessoa simples e aberta. Eu não era tão enganosa e perversa como os fariseus? Isso me assustou. Eu não podia continuar assim. Devia ser uma pessoa honesta segundo as exigências de Deus.

Depois disso, minha irmã me enviou outra passagem da palavra de Deus. “Se você quiser buscar a verdade, se quiser fazer uma mudança radical em vários aspectos, tais como suas motivações, estados ou ânimos errados, então, antes de qualquer coisa, você deve aprender a se abrir e se comunicar. […] Não reprima as coisas, dizendo: ‘Essas são as minhas motivações, as minhas dificuldades, eu tenho um estado ruim, sou negativo, mesmo assim não vou contar para ninguém, prefiro guardar tudo dentro de mim’. Se você nunca se abrir sobre seu estado quando ora, ficará difícil receber o esclarecimento do Espírito Santo, e, com o tempo, você vai parar de querer orar, vai querer parar de comer e beber a palavra de Deus, seu estado ficará cada vez pior, e ficará difícil reverter esse processo. E assim, não importa qual é o seu estado, se você está negativo ou em dificuldades, não importa quais são seus planos ou motivações pessoais, o que percebeu ou descobriu por meio de investigação, é preciso aprender a se abrir e se comunicar, e, quando você se comunica, o Espírito Santo opera. E como opera o Espírito Santo? Ele esclarece você e permite que você reconheça a gravidade do problema, Ele o torna ciente da raiz e da essência do problema, então o esclarece para fazer com que você entenda a verdade e os princípios da prática pouco a pouco, para que você possa colocar a verdade em prática e, a partir daí, entrar nas realidades da verdade. Esse é o efeito alcançado pela obra do Espírito Santo. Quando uma pessoa consegue comungar abertamente, isso significa que ela tem uma atitude honesta em relação à verdade. Se uma pessoa é honesta e se é uma pessoa honesta, isso é medido pela sua atitude em relação à verdade e a Deus, bem como se consegue aceitar a verdade e obedecer a Deus. Isso é o que mais importa” (‘Os princípios da prática de se submeter a Deus’ em “As declarações de Cristo dos últimos dias”). Depois de ler a palavra de Deus, minha irmã comungou: “Para ser uma pessoa honesta, devemos primeiro aprender a abrir nosso coração em busca e comunhão. Se sempre escondermos e encobrirmos nossos estados corruptos e não quisermos orar nem nos abrir em comunhão com os outros, torna-se difícil resolver nossos problemas. Por exemplo, se alguém está doente, ele procura um médico ou pergunta a uma pessoa experiente. Assim, ele pode entender sua condição, obter o remédio certo e controlar a doença a tempo. Mas algumas pessoas escondem sua condição, então, por falta de tratamento oportuno, a condição piora e até chega a ameaçar a vida. Se quisermos resolver nossos estados e dificuldades, devemos comungar abertamente e ser pessoas honestas. Esse é o jeito correto de praticar”. Pude ver que ser uma pessoa honesta e se abrir é muito importante. Eu não tinha acreditado em Deus por muito tempo e não entendia a verdade. Embora reconhecesse que tinha exposto um caráter corrupto, eu não conseguia resolvê-lo. Eu devia praticar ser uma pessoa honesta, abrir-me sobre meu estado e buscar a verdade. Só assim eu poderia ganhar a orientação de Deus, e isso também ajudaria a resolver meu caráter corrupto. Eu tinha começado a regar os recém-convertidos, era normal que não entendesse muitas coisas. Quando não entendia, eu devia me abrir para buscar com meus irmãos. Assim, aos poucos, eu dominaria os princípios do meu dever e cumpriria bem o meu dever. Depois disso, falei com outra irmã sobre meu estado naquele período e as dificuldades em meu dever. Ela não me menosprezou e me enviou a palavra de Deus e comungou a experiência dela para me ajudar. Isso me permitiu ganhar algum conhecimento do meu estado e a corrupção que eu expunha e me deu uma senda de prática. Senti muita alegria e libertação. A partir de então, pratiquei ser uma pessoa honesta e me abrir sobre meu estado.

Uma noite, fui anfitriã de uma reunião de grupo. Um líder de igreja arranjou uma líder de grupo para ser anfitriã comigo. Essa irmã entendia a verdade melhor do que eu. Durante a reunião, ela comungou e resolveu os problemas dos outros com eficiência e eu fiquei um pouco invejosa. Temia que os outros pensassem que eu era inferior a ela. Depois da reunião, a líder de igreja perguntou se eu queria compartilhar algo. Eu sabia que devia ser uma pessoa honesta, abrir-me sobre minha corrupção e buscar uma solução. Então, eu lhe disse o que eu tinha revelado em meu coração e então ela me mandou a palavra de Deus e falou sobre a experiência dela. Percebi que eu tinha inveja da minha irmã porque eu valorizava status, tinha um caráter arrogante e queria ser admirada. Também percebi que, para renunciar à minha inveja, eu devia orar mais a Deus, ver a natureza e as consequências da inveja, considerar o trabalho da casa de Deus e meu dever e colocar os interesses da casa de Deus em primeiro lugar. Isso está alinhado com a vontade de Deus. Ao mesmo tempo, devia também lidar corretamente com minhas falhas e deficiências e aprender mais com os pontos fortes dos outros para compensar as minhas deficiências. Assim, eu poderia entender mais da verdade. Fiquei muito feliz quando percebi isso. Senti que, quando eu me abro com meus irmãos, em vez de me menosprezarem, eles me ajudam muito.

Depois de experimentar isso, sinto como é importante ser uma pessoa honesta. Só se formos pessoas honestas e nos abrirmos poderemos receber a obra do Espírito Santo e entender a verdade. Vejo também que ser uma pessoa honesta pode nos dar libertação e liberdade e nos permite viver como humanos. Graças a Deus!

Próximo: Um despertar tardio

Todos os dias temos 24 horas e 1440 minutos. Você está disposto a dedicar 10 minutos para estudar o caminho de Deus? Você está convidado a se juntar ao nosso grupo de estudo.

Conteúdo relacionado

Entre em contato conosco pelo WhatsApp