Mantendo meu dever em face da adversidade

01 de Agosto de 2022

Por Zhongxin, China

Em julho de 2002, vários líderes de igrejas de alto nível nas três províncias do Nordeste foram detidos. Depois, o Partido Comunista iniciou uma campanha frenética para prender mais irmãos. Na minha igreja, muitos foram presos, um após o outro. Como as detenções eram intensas demais na época, não tive outra escolha senão sair de casa e ir para uma igreja em outro lugar para cumprir o meu dever. Um dia, pouco tempo após a minha chegada, a irmã Zhao veio falar comigo às pressas e disse: “Várias irmãs na nossa igreja que estavam espalhando o evangelho foram presas pela polícia ontem à noite. Foi o senhorio delas que as denunciou. O senhorio também deu à polícia a sua descrição e disse que você frequenta aquela casa, por isso acreditava que você é a responsável. Você precisa ter cuidado quando sair a partir de agora!”. Quando soube disso, fiquei atordoada. Pensei: “Todas aquelas irmãs foram presas, e a polícia certamente as torturará de formas que eu nem consigo imaginar. A polícia já tem o meu perfil. Esta é uma região rural, não há muitas pessoas aqui, e eu sou uma forasteira. Se a polícia investigar, eles me encontrarão facilmente. Quando vou a várias reuniões de grupo, sou obrigada a passar pelo portão da delegacia. Se eu continuar indo às reuniões e cumprindo o meu dever, provavelmente serei presa. As irmãs que foram presas me conhecem, e se elas cederem sob tortura e me entregarem? O que devo fazer? Se a polícia souber que eu sou a líder da igreja, sem dúvida me torturarão se me pegarem!”. Quanto mais eu pensava nisso, mais assustada ficava. Achei impossível ficar onde estava, por isso pensei que devia falar com o meu superior e pedir que ele fizesse um arranjo para eu poder cumprir o meu dever em outro lugar. Mas então pensei: “Ainda há alguns recém-convertidos nesta igreja que acabaram de aceitar a obra de Deus e precisam urgentemente de rega. Se eu simplesmente sair assim, eles não poderão viver a vida de igreja. E se eles se retirarem da igreja? Mas se eu ficar, é perigoso demais cumprir o meu dever aqui”. Nesses dias, perdi o apetite, não conseguia dormir bem e não ousava tirar a roupa à noite, temendo uma invasão e prisão repentina da polícia. Embora cumprisse exteriormente o meu dever, eu não sentia um fardo verdadeiro. Quando os meus irmãos tinham problemas, eu nem sequer pensava em procurar as partes relevantes da palavra de Deus para resolvê-los e evitava as reuniões de grupo sempre que podia. Eu sabia que isso não estava de acordo com a vontade de Deus, mas eu me sentia muito acanhada e não me atrevia a cumprir o meu dever naquele lugar. Por isso, orei a Deus, pedindo que Ele me esclarecesse e guiasse na resolução do meu estado.

Mais tarde, li algumas das palavras de Deus: “O que Eu desejo é a sua lealdade e obediência agora, o seu amor e testemunho agora. Mesmo se não souber neste momento o que é testemunho ou o que é amor, você deve trazer a Mim tudo que é seu e entregar a Mim os únicos tesouros que possui: sua lealdade e obediência. Você deve saber que o testemunho à Minha derrota de Satanás está na lealdade e na obediência do homem, assim como o testemunho à Minha conquista completa do homem. O dever da sua fé em Mim é dar testemunho de Mim, ser leal a Mim e a nenhum outro e ser obediente até o fim. Antes que Eu inicie o próximo passo da Minha obra, como você dará testemunho de Mim? Como será leal e obediente a Mim? Você dedica toda a sua lealdade à sua função ou simplesmente desiste?” (‘O que você sabe sobre a fé?’ em “A Palavra manifesta em carne”). “Cada um de vocês acredita ser bem compatível Comigo, mas, se assim fosse, a quem tal evidência irrefutável se aplicaria? Vocês acreditam que possuem a máxima sinceridade e lealdade a Mim. Vocês pensam que são tão bondosos, tão compassivos e que devotaram tanto a Mim. Vocês acham que fizeram o suficiente por Mim. Mas vocês já compararam tais crenças com as próprias ações? […] Ao cumprir o seu dever, você pensa nos próprios interesses, na própria segurança pessoal, nos membros de sua família. O que você já fez que tenha sido para Mim? Quando você sequer pensou em Mim? Quando já se devotou, a qualquer custo, a Mim e à Minha obra? Onde está a prova da sua compatibilidade Comigo? Onde está a realidade da sua lealdade a Mim? Onde está a realidade da sua obediência a Mim?” (‘Você deve buscar o caminho da compatibilidade com Cristo’ em “A Palavra manifesta em carne”). Confrontada com as perguntas de Deus, senti vergonha. Senti que Deus estava me perguntando face a face: você pode ser fiel a Deus neste momento crítico? Você consegue satisfazer a Deus desta vez sem considerar os seus interesses carnais? Consegue proteger os interesses da casa de Deus? Lembrei-me de ter feito anteriormente um juramento na presença de Deus de que, independentemente do tipo de perigos e tribulações que enfrentasse, eu seria leal no meu dever, não consideraria a minha vida ou a morte, e nunca trairia a Deus em momento algum. Mas agora a situação real tinha chegado, muitos irmãos na igreja tinham sido presos, e os recém-convertidos que tinham acabado de aceitar a obra de Deus não entendiam muito da verdade. Se não recebessem rega a tempo, poderiam ser enganados pelos rumores do Partido Comunista ou poderiam ter medo de ser presos, recuar e perder a sua oportunidade de salvação. Nesse momento crítico, eu não estava considerando a vontade de Deus, e não estava pensando na vida dos meus irmãos nem em se eles poderiam viver a vida de igreja. Só pensava na minha segurança. Porque temia ser presa e encarcerada, eu até quis fugir desse lugar perigoso assim que pudesse. Diante da adversidade, percebi que eu não tinha lealdade alguma a Deus e que era egoísta e desprezível. Senti que não tinha consciência, por isso orei a Deus: “Deus, não considero o trabalho da casa de Deus no momento crítico. Só penso em se serei presa. Sou egoísta demais. Desejo voltar-me para Ti e confiar em Ti para cumprir o meu dever”.

Mais tarde, vim para diante de Deus para buscar e contemplar como poderia deixar de ser tímida e cumprir o meu dever em ambientes perigosos. Lembrei-me da palavra de Deus: “De tudo que ocorre no universo, não há nada no qual Eu não tenha a palavra final. Existe alguma coisa que não esteja em Minhas mãos? O que Eu digo é feito, e quem dentre os seres humanos pode mudar a Minha mente? Poderia ser a aliança que Eu fiz na terra? Nada pode impedir o Meu plano de avançar; Eu estou sempre presente em Minha obra assim como também no plano da Minha gestão. Quem dentre os seres humanos pode pôr sua mão para interferir? Não fui Eu que fiz esses arranjos pessoalmente?” (‘Capítulo 1’ das Palavras de Deus para todo o universo em “A Palavra manifesta em carne”). De fato, Deus é onipotente, Deus é soberano sobre todas as coisas, e tudo está nas mãos de Deus. A polícia não estava também nas mãos de Deus? Por mais adverso que fosse o ambiente, por mais frenético que o Partido Comunista se tornasse, a polícia não conseguiria me capturar sem a permissão de Deus. Se eu devesse experimentar tal ambiente, mesmo que fugisse para outro lugar, eu acabaria sendo presa. Eu sempre tinha sido tímida e receosa de ser presa e torturada, pois não conhecia a soberania onipotente de Deus e tinha pouquíssima fé em Deus. Por isso sempre era controlada pelas forças das trevas e sempre queria escapar de tais ambientes. Deus conhecia a minha estatura e sabia quais ambientes eram mais benéficos e edificantes para o meu crescimento na vida. Eu precisava me acalmar e confiar em Deus para regar os recém-convertidos, lidar com as consequências das detenções e cumprir as minhas responsabilidades e meus deveres. Mesmo que fosse presa, isso aconteceria com a permissão de Deus e haveria lições para eu aprender. Esse ambiente adverso era o melhor para aperfeiçoar a minha fé e a minha disposição de sofrer. Eu devia ficar, cumprir bem o meu dever e superar as dificuldades juntamente com os irmãos daqui. Quando pensei nisso, meu coração deixou de ser governado pelo poder das trevas, eu já não queria escapar desse ambiente e me senti muito aliviada. Depois disso, disfarcei-me e continuei a regar os meus irmãos e irmãs.

Durante a reunião, vi que os recém-convertidos viviam em covardia e medo de serem presos pelo grande dragão vermelho, por isso comi e bebi com eles as seções da palavra de Deus sobre a autoridade e a soberania de Deus sobre todas as coisas, e também comunguei sobre o significado do uso que Deus faz do grande dragão vermelho como contraste. Isso deu aos recém-convertidos um entendimento da obra de Deus, e eles foram ficando cada vez mais confiantes. Havia uma irmã que não se atrevia a cumprir o seu dever porque era perseguida e constrangida pela família. Li as palavras de Deus com ela e comunguei sobre a minha experiência e meu conhecimento, e sobre como ser fiel nos deveres. Ela entendeu a vontade de Deus, já não se sentia mais constrangida pela família e começou a cumprir seu dever. Durante esse tempo, continuei ouvindo notícias de irmãos ao meu redor sendo presos, mas já não sentia tanto medo e fui capaz de me acalmar e cumprir o meu dever normalmente. Comendo e bebendo a palavra de Deus, os irmãos vieram a entender a verdade e ganharam confiança em Deus. Pouco a pouco, a vida de igreja voltou ao normal. Por meio disso, vi a soberania onipotente e as bênçãos de Deus, e me tornei mais confiante no cumprimento do meu dever, pelo que me senti especialmente grata a Deus. Depois de passar por esse período, senti que tinha ganhado estatura e fé em Deus, mas quando os fatos me revelaram, percebi que ainda tinha pouca fé.

Estávamos em 2003. Um dia, a irmã Wang veio me ver às pressas e me disse em voz de pânico: “Todos os líderes de várias igrejas foram presos pela polícia na reunião de obreiros. Um deles, Xiaohe, não conseguiu suportar a tortura e se tornou um Judas. Neste momento, ela está levando a polícia para identificar as casas dos irmãos. Xiaohe está muito familiarizada com as condições nessas igrejas, por isso precisamos notificar os diáconos dessas igrejas para que comecem a lidar com as consequências o mais depressa possível”. Quando ouvi a notícia, fiquei meio perdida e muito nervosa. Os líderes de várias igrejas foram presos, e Xiaohe tinha se tornado um Judas. Agora, o ambiente estava ainda mais perigoso. Xiaohe sabia onde eu vivia e onde eu costumava ir para as reuniões, poderia ela trazer a polícia para me identificar? O senhorio já tinha fornecido à polícia a minha descrição física da última vez. Se me pegasse desta vez, a polícia certamente me torturaria! Eles eram absolutamente impiedosos e cruéis com os crentes em Deus. Eles podiam nos matar sem consequências. Se eu caísse nas mãos deles, eu sabia que me torturariam brutalmente. Eu soube que, depois de uma líder ser presa, ela foi eletrocutada, obrigada a sentar-se numa cadeira de tigre e torturada de muitas outras formas. A polícia até feriu os olhos dela com a sola dos sapatos dela e a obrigou a comer fezes do vaso. O interrogatório durou mais de setenta dias. Quanto mais pensava no assunto, mais medo eu sentia, por isso quis arranjar outros irmãos para informar as outras igrejas. Mas então pensei: "Só eu posso localizar diretamente os diáconos dessas igrejas. Se eu não os notificar a tempo, mais irmãos serão presos, e isso significa que todos eles serão torturados. Se isso acontecesse, eu estaria cometendo uma transgressão diante de Deus. Seria um ato maligno, e eu teria um peso na consciência pelo resto da minha vida!”. Então, eu corri me disfarçar e fui de bicicleta até a igreja próxima.

Na estrada, não consegui me acalmar nem mesmo após muito tempo. De repente, lembrei-me de que Xiaohe sabia de uma casa na qual guardávamos livros. Os livros tinham de ser transferidos imediatamente. Mas neste momento, Xiaohe estava levando a polícia para identificar os irmãos. Se eu fosse transferir os livros e a polícia me capturasse, eles certamente não pegariam leve. Durante o interrogatório, com certeza usariam tortura, e talvez eu até morresse. Achei que era perigoso demais transferir os livros e quis que outros irmãos fizessem isso. Mas depois, lembrei-me da palavra de Deus: “O que vocês devem realizar hoje não são exigências adicionais, mas o dever do homem e aquilo que deve ser feito por todas as pessoas. Se vocês são incapazes de fazer o seu dever ou de fazê-lo corretamente, não estão criando problemas para si mesmos? Não estão cortejando a morte? Como podem ainda esperar ter um futuro e perspectivas? A obra de Deus é para o bem da humanidade e a colaboração do homem é dada para o bem do gerenciamento de Deus. Quando Deus tiver realizado tudo o que Ele deve realizar, requer-se que o homem não poupe esforços na sua prática e colabore com Deus. Na obra de Deus o homem não deve poupar esforços, deve oferecer sua lealdade e não se entregar a múltiplas noções, nem sentar-se passivamente esperando a morte. Deus pode se sacrificar pelo homem, por que o homem não pode oferecer a sua lealdade a Deus? Deus é uno de coração e mente para com o homem, então, por que o homem não pode oferecer um pouco de colaboração? Deus realiza Sua obra para a humanidade, então por que o homem não pode realizar parte de seu dever para ajudar o gerenciamento de Deus? A obra de Deus alcançou o estágio atual e mesmo assim vocês veem, mas não agem, vocês ouvem, mas não se movem. Pessoas assim não são objetos de perdição? Deus já Se dedicou inteiramente ao homem, então por que, hoje, o homem é incapaz de realizar o seu dever com seriedade? Para Deus, Sua obra é Sua primeira prioridade, e a obra de Seu gerenciamento é da maior importância. Para o homem, colocar as palavras de Deus em prática e cumprir as exigências de Deus são sua primeira prioridade. Vocês todos devem compreender isso” (‘A obra de Deus e a prática do homem’ em “A Palavra manifesta em carne”). Enquanto contemplava as palavras de Deus, senti-me muito culpada. Embora o ambiente atual fosse perigoso, o trabalho da casa de Deus e proteger os livros e os meus irmãos eram mais importantes. Como líder de igreja, eu devia ter consideração pelo fardo de Deus e cumprir os meus deveres e responsabilidades. Esses livros da palavra de Deus haviam sido trazidos por irmãos sob risco de vida, para que os outros pudessem comer, beber e desfrutar. A palavra de Deus é a força vital do povo escolhido de Deus. Não importa quão grande seja o risco, devo proteger os livros da palavra de Deus. Somente aqueles que conseguem fazer isso podem ser considerados leais a Deus. Mas eu era egoísta e desprezível demais. No momento crítico, eu só conseguia considerar os meus interesses e ganhos, e não pensava nem um pouco no trabalho da casa de Deus. Como eu poderia dizer que eu era leal a Deus? Pensei nos discípulos e apóstolos do Senhor Jesus. Para espalhar o evangelho do Senhor, eles foram perseguidos por governantes e autoridades. Alguns foram apedrejados até a morte, outros foram queimados até a morte, e outros foram esquartejados por cavalos. Para cumprir a comissão de Deus, eles sacrificaram as suas vidas, criando um belo testemunho por Deus. Seus atos mereceram a aprovação de Deus, e suas vidas foram valiosas e significativas. Eu tinha ouvido tantas das palavras expressadas por Deus e tinha recebido tanta provisão de verdade, e ainda assim eu não considerava a vontade de Deus. Quando confrontada com um ambiente ruim, eu ansiava pela vida, temia a morte e não conseguia salvaguardar os interesses da casa de Deus. Eu realmente carecia de consciência e humanidade!

Depois de notificar os irmãos e voltar para casa, li outra passagem das palavras de Deus: “Na nação do grande dragão vermelho, tenho realizado um estágio da obra insondabilidade aos seres humanos, levando-os a oscilar com o vento, depois do que muitos calmamente se afastam com o sopro do vento. Verdadeiramente, essa é a ‘eira’ que estou prestes a limpar; é o que Eu anseio e é também o Meu plano, pois muitos ímpios têm se infiltrado enquanto estou trabalhando, mas não tenho pressa para afastá-los. Pelo contrário, Eu os dispersarei quando for a hora certa. Somente então é que serei a fonte da vida, permitindo que aqueles que verdadeiramente Me amam recebam de Mim o fruto da figueira e a fragrância do lírio” (‘O ressoar dos sete trovões: profetizando que o evangelho do reino se expandirá por todo o universo’ em “A Palavra manifesta em carne”). Por meio das palavras de Deus, entendi que há sabedoria de Deus no fato de Ele operar no país do grande dragão vermelho nos últimos dias. As prisões e perseguições frenéticas do Partido Comunista Chinês revelam e testam todo crente em Deus. Algumas pessoas não ousam acreditar por covardia, algumas temem ser presas e não conseguem cumprir os seus deveres, enquanto outras não suportam a tortura depois de serem presas, traem Deus e se tornam um Judas. Todas essas pessoas são reveladas como joio e palha pela obra de Deus e devem ser expulsas por Deus. No entanto, alguns irmãos, por pior que seja o ambiente, continuam a perseverar no cumprimento dos seus deveres e na salvaguarda do trabalho da casa de Deus. Mesmo que sejam presos e torturados, preferem morrer a tornar-se um Judas. Eles confiam na palavra de Deus e dão testemunho, e sua fé e seu amor são aperfeiçoados. Essas são as pessoas que acreditam genuinamente em Deus e são leais a Deus. O serviço do grande dragão vermelho revela os crentes verdadeiros e os crentes falsos, assim como o joio e o trigo na igreja, e separa as pessoas de acordo com a sua espécie. Agora, os líderes de várias igrejas tinham sido presos, e uma pessoa tinha se tornado um Judas, o que, por fora, não parecia ser uma coisa boa. No entanto, através desse ambiente, as pessoas malignas que se infiltraram na igreja foram expostas, o que nos ajudou a ganhar discernimento, e Deus também inspecionou se tivemos fé e fomos leais a Ele. Eu não podia mais ser egoísta e desprezível, nem podia viver para mim mesma. Por mais perigoso que o ambiente pudesse ser e mesmo que eu fosse presa, eu devia confiar em Deus e encontrar uma forma de transferir rapidamente os livros da palavra de Deus para um lugar seguro.

Mais tarde, discuti com a irmã que me acolhia o melhor jeito de transferir os livros. Como Xiaohe conhecia a maioria das casas dos irmãos, não conseguimos encontrar um local adequado para guardar os livros por ora. Oramos a Deus sobre essa dificuldade prática e pedimos que Ele nos abrisse um caminho. Depois disso, a irmã se lembrou de um parente dela que era gentil e de confiança, e poderíamos guardar temporariamente os livros na casa dele. Na época, senti muita gratidão por Deus, mas quando me lembrei do fato de que ainda tínhamos que transferir os livros, fiquei um pouco apreensiva. “Não são só um ou dois livros, são várias caixas de livros. Se eu for pega, serei condenada a pelo menos oito ou dez anos de prisão. E se eu for torturada e morta?”. Quanto mais pensava nisso, mais assustada eu ficava, por isso orei silenciosamente a Deus. Mais tarde, li na palavra de Deus: “Você não deveria ter medo disto e daquilo; sejam quais forem os muitos perigos e dificuldades que possa enfrentar, você é capaz de permanecer firme diante de Mim, desobstruído de qualquer obstáculo, para que Minha vontade possa ser realizada sem impedimento. Esse é o seu dever; […] Você precisa suportar tudo; por Mim, precisa estar pronto para renunciar a tudo que possui e fazer tudo que puder para Me seguir, e estar pronto para despender tudo que tiver. Agora é o tempo em que o testarei: você oferecerá sua lealdade a Mim? Você consegue Me seguir lealmente até o fim da estrada? Não tema; com Meu apoio, quem, alguma vez, poderia bloquear essa estrada?” (‘Capítulo 10’ das Declarações de Cristo no princípio em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras de Deus me deram confiança e força. Com Deus como meu apoio, o que eu tinha a temer? Minha vida estava nas mãos de Deus, e Satanás não podia fazer nada comigo sem a permissão de Deus. Mesmo que eu realmente fosse presa e espancada até a morte, seria significativo ser capaz de dar testemunho de Deus. Ainda que aqueles que se tornam um Judas possam salvar temporariamente a própria vida, eles ofendem seriamente o caráter de Deus, e seu corpo, espírito e alma acabarão sofrendo um castigo eterno por eles traírem os irmãos e servirem a Satanás, levando a polícia a prendê-los. Como disse o Senhor Jesus: “Pois, quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; mas quem perder a sua vida por amor de Mim, achá-la-á” (Mateus 16:25). Tornar-se um mártir para cumprir o seu dever é uma coisa significativa, algo que é comemorado por Deus. Mesmo que o corpo morra, a alma não morre. Se ansiasse pela vida, temesse a morte e não transferisse os livros da palavra de Deus o mais depressa possível, mesmo que eu conseguisse estender minha existência, eu não teria dignidade e viveria como um cadáver ambulante, o que é uma coisa vergonhosa. Lembrei-me de Pedro. Depois de ser preso, Pedro escapou de Jerusalém, e o Senhor Jesus lhe apareceu. Quando o Senhor disse que seria crucificado novamente por ele, Pedro entendeu que a intenção de Deus era que ele testemunhasse a favor do Senhor, então ele voltou para a prisão sem hesitação. Ele sabia que, se voltasse, ele sacrificaria a sua vida, mas ele não considerou a carne e se dispôs a ser crucificado de cabeça para baixo por Deus, criando um testemunho belo e retumbante. Com isso em mente, me senti muito inspirada e tive fé no meu coração. Minha respiração me foi dada por Deus. Minha vida também me foi dada por Deus. Mesmo que isso colocasse a minha vida em risco, eu tinha de transferir os livros da palavra de Deus. E mesmo que eu fosse presa e espancada até a morte, eu não me renderia a Satanás, nem me tornaria um Judas que prolonga uma existência ignóbil.

Depois disso, eu e a minha irmã empacotamos os livros e os entregamos ao parente dela nas nossas bicicletas. A caminho para lá, uma viatura nos alcançou e nos acompanhou muito lentamente enquanto os policiais nos olhavam. Na hora, senti o coração bater na garganta, e as minhas pernas amoleceram. Pensei: “Será que os policiais nos notaram carregando os livros da palavra de Deus? Estão aqui para nos prender?”. Continuei clamando a Deus no meu coração, e de repente me lembrei da palavra de Deus: “Quando as pessoas estão preparadas para sacrificar a própria vida, tudo se torna insignificante e ninguém consegue vencê-las. O que poderia ser mais importante que a vida?” (‘Capítulo 36’ das Interpretações dos mistérios das palavras de Deus para todo o universo em “A Palavra manifesta em carne”). É verdade: se arriscarmos a vida, não nos sentiremos constrangidos. Mesmo que sejamos presos ou espancados até a morte pela polícia, tornar-se um mártir por Deus é algo comemorado por Deus. Com as palavras de Deus para me guiar e orientar, eu me acalmei um pouco. Mesmo se fosse presa, eu estava disposta a me submeter à soberania de Deus. Nesse momento, a viatura se afastou lentamente, e eu não consegui parar de agradecer a Deus no meu coração. Depois disso, minha irmã e eu transferimos com sucesso todos os livros da palavra de Deus. Quando terminamos, senti muita paz e libertação.

Por acreditar em Deus e cumprir o meu dever no país do grande dragão vermelho, enfrento o perigo de ser presa a qualquer momento. Em face da adversidade, tornou-se evidente que eu tinha muito pouca estatura e devoção a Deus. Foram as palavras de Deus que me guiaram repetidas vezes em tempos difíceis. Graças à soberania onipotente de Deus e aos seus feitos maravilhosos, eu tinha mais fé em Deus. O fato de eu poder cumprir o meu dever de salvaguardar os interesses da família de Deus e ser um pouco mais leal foi o resultado do julgamento e do castigo das palavras de Deus. Graças a Deus Todo-Poderoso!

Todos os dias temos 24 horas e 1440 minutos. Você está disposto a dedicar 10 minutos para estudar o caminho de Deus? Você está convidado a se juntar ao nosso grupo de estudo.

Conteúdo relacionado

Adeus à competitividade

Por Si Fan, Coreia do Sul Assumi o dever de regar recém-convertidos uns anos atrás. Senti que era uma honra de Deus. Também sabia que era...

Entre em contato conosco pelo WhatsApp