78. Substituindo a inveja pela magnanimidade

Alguns anos atrás, a irmã Xiaojie foi transferida para a nossa igreja para me apoiar nos deveres de liderança. Com o passar do tempo, descobri que, apesar de jovem, ela tinha calibre bom e era muito capacitada. Ela praticava a verdade quando surgiam problemas e era focada em buscar os princípios da verdade. Eu não me comparava ao calibre ou às habilidades de trabalho dela. Eu a admirava e sentia que era talentosa. Certa vez, numa reunião de colaboradores, uma líder me perguntou se havia pessoas na igreja que buscavam a verdade e tinham alto calibre e que poderiam ser promovidas e treinadas. Sem hesitar, contei a ela sobre as qualidades da irmã Xiaojie. Não demorou, e a líder a convidou para a reunião de colaboradores e pediu que ela também participasse das próximas reuniões. Aos poucos, comecei a me sentir um pouco incomodada e pensei: “Era eu quem sempre participava das reuniões e com quem a líder discutia o trabalho da igreja. Agora, ela está convidando Xiaojie. Parece que pretende concentrar seus esforços em treiná-la. Se eu soubesse, não teria mencionado seus pontos fortes”. Era como se tivessem esquecido de mim e me deixado para trás por causa dela. Fui ficando cada vez mais incomodada e, silenciosamente, surgiu o pensamento de como seria ótimo se a líder a transferisse para outro lugar. Contanto que não estivéssemos juntas, eu não pareceria pior do que ela e, então, a líder voltaria a discutir assuntos comigo. Mas eu sabia que Xiaojie não seria transferida tão cedo. Senti um grande peso em meu coração. Mais do que isso, eu não estava disposta a ceder. Em segredo, passei a ler mais as palavras de Deus, decorando-as e refletindo, para que eu pudesse superá-la na comunhão sobre a verdade e assim provar meu valor. Mas minhas motivações estavam erradas. Eu estava competindo com ela por status, por isso eu não tinha a obra do Espírito Santo em meu dever. Eu não conseguia entender nem resolver nenhum problema.

Certa vez, algumas irmãs foram escolhidas como diaconisas da igreja. Estavam preocupadas achando que não entendiam a verdade o suficiente para resolver os problemas práticos dos outros com a entrada na vida. Não queriam assumir a posição. Quando ouvi isso, pensei: “Que palavras de Deus posso comunicar para resolver seu estado para que todos vejam que a irmã Xiaojie não é melhor do que eu?” Assim que aquelas irmãs terminaram, apressei-me para ler alguns trechos das palavras de Deus e então compartilhar comunhão. Mas eu só queria me exibir e ser admirada, não me aquietar diante de Deus e buscar a verdade para encontrar a raiz do problema. Minha comunhão deu errado. Vê-las sentadas ali sem reagir foi constrangedor. Eu não sabia o que dizer. Então, a irmã Xiaojie comunicou sobre o significado de cumprir nosso dever e falou sobre sua própria experiência e compreensão e sobre a vontade de Deus. As irmãs choraram de comoção e resolveram aceitar o dever. Vê-las olhar para Xiaojie com admiração me deixou contrariada. Todos me aprovavam antes da chegada dela, mas ela obteve vantagem em tudo assim que se juntou à igreja. A líder a valorizava, e os irmãos e irmãs a admiravam, e eu não me comparava a ela apesar de ter sido líder por mais tempo. Fiquei preocupada com o que os outros pensariam de mim. Diriam que me faltava a realidade da verdade, que ela era melhor se comparada a mim? Isso dominava meus pensamentos naquele período. Eu sentia que a irmã Xiaojie estava roubando meu brilho e fiquei com inveja. Às vezes, queria poder tirá-la da igreja de maneira que fosse mutuamente benéfica. Eu refletia sem parar, mas não conseguia encontrar uma saída. Também senti que estava me afastando de Deus e que meu espírito estava caindo nas trevas. Minhas comunhões sobre as palavras de Deus careciam de luz, e eu não conseguia ajudar os outros com seus problemas. Eu continuava cumprindo meu dever todo dia, mas estava atormentada e em dor. Levei meu estado para diante de Deus em oração, pedindo que Ele me guiasse para entender a Sua vontade e eu conhecesse minha própria corrupção.

Mais tarde, li estas palavras de Deus: “Como líderes da igreja, vocês deveriam saber como descobrir e cultivar talentos e não ter inveja de pessoas talentosas. Dessa maneira, o dever de vocês será cumprido satisfatoriamente e vocês terão cumprido a sua responsabilidade e terão sido devotos. Algumas pessoas sempre temem que outros roubem seus holofotes e as ultrapassem, obtendo reconhecimento, enquanto elas mesmas são negligenciadas. Isso as leva a atacar e excluir os outros. Isso não é ter inveja dos talentosos? Isso não é egoísta e malvado? Que tipo de caráter é esse? É malicioso! Pensar apenas em si mesmo, satisfazer apenas seus próprios desejos, não demonstrar consideração pelos deveres de outros e pensar apenas em seus próprios interesses e não nos interesses da casa de Deuspessoas desse tipo têm um caráter ruim, e Deus não tem amor por elas” (‘Dê seu real coração a Deus e você poderá obter a verdade’ em “Registros das falas de Cristo”). As palavras de Deus foram direto ao ponto e expuseram meu estado com precisão. Quando vi o alto calibre e a comunhão prática da irmã, que a líder a prezava e os outros a admiravam, fiquei com inveja e a hostilizei. Queria que ela saísse da igreja o quanto antes. Não pensei em como isso impactaria o trabalho da igreja ou os interesses da casa de Deus. Tudo que mostrei foram caracteres satânicos egoístas e cruéis. Faltava-me qualquer humanidade normal! Como cumprir meu dever desse jeito não causaria repulsa em Deus? Perdi a orientação do Espírito Santo em meu dever e caí nas trevas. Esse era o caráter justo de Deus. Então orei a Deus, pedindo que Ele me guiasse a abandonar status, a viver uma humanidade normal e a trabalhar bem com a irmã.

Então li estas palavras de Deus: “Importe-se verdadeiramente com a vontade de Deus e você será capaz de tratar os outros de forma justa. Recomende as pessoas para que seus talentos sejam cultivados e elas acrescentem talento à casa de Deus, e você terá feito bem o seu trabalho. Você terá sido leal no cumprimento de seu dever. Isso é uma boa ação diante de Deus e é o tipo de consciência e razão que os humanos deveriam possuir” (‘Dê seu real coração a Deus e você poderá obter a verdade’ em “Registros das falas de Cristo”). Fiquei ainda mais arrependida e cheia de culpa. Deus quer que mais pessoas busquem a verdade para que se levantem e ajudem no trabalho da Sua casa. Eu era líder da igreja, mas não me importava com o que Deus queria. Quando vi aquele tipo de pessoa trabalhando na igreja, não só não me alegrei com aquilo, mas só senti inveja e me preocupei com meu status. Não tive a mínimo consciência e razão de uma pessoa. Vi que era totalmente incapaz de ser líder e odiei o quanto fui egoísta. O fato de a irmã Xiaojie ter bom calibre e resolver problemas por meio de comunhão era bom para o trabalho da igreja e para a vida dos irmãos e irmãs. Eu devia tê-la apoiado e aprendido com suas qualidades. Trabalhar bem com ela em nosso dever era a única maneira de ter consideração pela vontade de Deus. Quando entendi a vontade de Deus, ainda sentia um pouco de inveja quando percebia que os outros aprovavam a irmã Xiaojie, mas então eu orava a Deus e abandonava a mim mesma. Eu me concentrei em viver diante de Deus para cumprir bem o meu dever e parei de pensar tanto em quem era admirado, assim senti bem menos inveja. Tornei-me capaz de buscar e discutir assuntos com ela diante de um problema e aproveitar suas qualidades para compensar minhas fraquezas, buscando juntas os princípios da verdade. Eu me senti muito mais livre e em paz. Após passar por alguma mudança, pensei que minha natureza invejosa tinha melhorado, mas fiquei surpresa quando me deparei com outra situação que mostrou quão arraigada estava a minha natureza satânica. Eu precisava passar por mais julgamento e castigo de Deus para ser purificada.

Certa vez, Xiaojie e eu fomos a uma reunião de colaboradores. A líder me cumprimentou rapidamente e então começou a discutir o trabalho da igreja com Xiaojie. Eu fiquei sentada no canto, sentindo-me indesejada, e rapidamente fui ficando mal humorada. Lancei um olhar irritado à Xiaojie e não pude evitar desconfiar: “Então a líder preza você mais do que a mim. Você é a criança de ouro na igreja e aos olhos da líder, e eu, só sirvo para beneficiar sua imagem quando comparada a mim”. Mais tarde, soube que a líder tinha arranjado para que Xiaojie ouvisse sermões em outra região e recebesse algum treinamento. Não gostei de ouvir isso. “Por que ela quis que a Xiaojie fosse, e não eu?” pensei. “Sou realmente tão ruim? Não mereço nem um pouco de treinamento?” Fiquei envergonhada. Era como se tivessem jogado um balde de água fria em mim. Me senti totalmente incapaz de aceitar aquilo, pensando que tinha me esforçado em meu dever tanto quanto ela. Mas eu estava sendo deixada para trás, enquanto ela ia ouvir sermões. Senti-me totalmente ignorada e que, não importava o que fizesse, eu jamais me equipararia a ela. Eu me sentia pior quanto mais me comparava daquele jeito e voltei a viver num estado de inveja e ressentimento. Eu queria muito que a líder nos fizesse trabalhar separadas, pois assim eu teria a chance de me destacar.

Logo depois disso, o marido de Xiaojie adoeceu gravemente. Foi muito difícil para ela. Eu a consolei e a encorajei a orar e a buscar a vontade de Deus nessa provação, mas não pude evitar de pensar: “Ela realmente estava no auge. Agora está sendo refinada e está num estado ruim, então é a minha chance de me exibir. Se seu estado melhorar, nunca terei essa chance. Espero que esse refinamento demore um tempo, e então todos verão que ela comunica bem quando tudo está normal, mas não consegue viver a realidade das palavras de Deus. Então não vão mais admirá-la tanto. A líder verá que ela carece da realidade da verdade e não a treinará mais, e assim os outros me admirarão naturalmente”. Eu não refleti muito sobre meu estado mental, não tentei impedir aqueles pensamentos. Certo dia, algumas irmãs preocupadas perguntaram por Xiaojie, e eu disse que ela estava num estado terrível e que, embora sempre desse ótimas comunhões, ela tinha se tornado negativa durante a provação e carecia de estatura verdadeira. Eu me senti inquieta após dizer isso. Estava exagerando para julgá-la e rebaixá-la. Mas quando vi que aquelas irmãs acreditaram em mim, fiquei secretamente satisfeita. Pensei que deixariam de admirá-la um pouco. Mas quando a vi mais tarde, embora estivesse sofrendo e chorasse sempre que orava, ela não permitiu que aquilo interferisse em seu dever. Não pude deixar de me sentir um pouco culpada. Confrontada com aquela provação, seria difícil não sofrer e sentir alguma fraqueza. Eu teria orado por ela se realmente tivesse alguma humanidade, e feito de tudo para ajudá-la e apoiá-la. Mas o que eu tinha feito? Eu me senti horrível. Coloquei-me diante de Deus, dizendo: “Ó, Deus! Sou invejosa demais. Julguei e rebaixei a irmã Xiaojie para que eu pudesse superá-la. Até me regozijei na dor dela e quis que ela se tornasse negativa e tropeçasse. Não tenho nenhuma humanidade. Deus, Por favor, guia-me e ilumina-me para que eu conheça minha corrupção e seja liberta do meu caráter satânico”.

Depois da minha oração, li isto nas palavras de Deus! “Se algumas pessoas virem alguém que é melhor, elas o suprimem, iniciam um boato ou inventam algum ato imoral para que os outros não o admirem e ninguém pareça melhor. Isso é o caráter corrupto da arrogância e hipocrisia. É astuto, enganoso e insidioso. Elas fazem de tudo para alcançar seus objetivos. Elas vivem desse modo e, mesmo assim, pensam que são pessoas boas. No entanto, elas têm um coração que teme a Deus? Elas não estão simplesmente fazendo por natureza o que lhes agrada? Elas consideram os interesses da casa de Deus? Elas só pensam em seus próprios sentimentos e objetivos, independentemente da perda para o trabalho da casa de Deus. Pessoas assim são não só arrogantes e presunçosas, são também egoístas e desprezíveis; não têm consideração pela intenção de Deus Essas pessoas não têm um coração que teme a Deus. Fazem o que querem e agem descaradamente, sem qualquer senso de culpa, receio ou preocupação, sem considerar o resultado. Elas não temem a Deus, colocam a si mesmas em primeiro lugar e veem cada aspecto de si mesmas como mais alto do que Deus e a verdade. Em seu coração, Deus é o menos digno de ser mencionado e o mais insignificante, e não está em seu coração… Vocês não diriam que esse tipo de pessoa é terrível? Que tipo de pessoa não reverencia a Deus? Ele ou ela é arrogante? Tal pessoa é Satanás? O que não reverencia a Deus? Com exceção dos animais, incluem demônios, Satanás, o arcanjo e os que contendem com Deus” (‘As cinco condições que as pessoas têm antes de entrar na trilha certa de acreditar em Deus’ em “Registros das falas de Cristo”). Essa leitura acertou meu coração. Eu era exatamente esse tipo de pessoa. Eu sabia que a irmã Xiaojie tinha bom calibre, buscava a verdade e merecia ser treinada, mas quando vi que a líder a valorizava e queria enviá-la a reuniões, eu me desequilibrei. Senti que estava sendo injustiçada e não consegui aceitar. Fiquei com inveja e ressentida dela e quis muito que a líder a transferisse. Quando ela estava fraca e sofrendo durante sua provação, eu fingi ajudá-la, mas me deleitei em seu sofrimento. Queria que ela se tornasse negativa para que eu ficasse sob os holofotes. Até a julguei e a rebaixei na frente dos outros para elevar a mim mesma e me destacar. Eu acreditava em Deus havia anos, mas não tinha reverência por Ele. Eu era invejosa e fazia coisas inescrupulosas só para proteger meu status. Eu tinha um caráter tão desprezível e malicioso. Eu era mesquinha, vaidosa, cruel, desprezível e fútil! Como eu era diferente de Satanás? Só Satanás não suporta quando as coisas vão bem e quer que as pessoas sejam negativas, que se afastem de Deus e O traiam. Eu estava agindo como lacaia de Satanás, perturbando o trabalho da igreja. Eu estava minando a casa de Deus e praticando o mal, ficando do lado de Satanás contra Deus! Mesmo assim, me achava o máximo. Faltava-me a realidade da verdade, e meu calibre não se equiparava ao da irmã Xiaojie. Eu sempre competia por status, querendo me sobressair. Eu era arrogante e carecia de um mínimo de autoconsciência! Naquele momento, passei a odiar a mim mesma e quis me livrar do meu caráter satânico com urgência.

Depois disso, li isto nas palavras de Deus: “A fonte de oposição e de rebeldia do homem contra Deus é a sua corrupção por Satanás. Porque ele foi corrompido por Satanás, a consciência do homem é entorpecida; ele é imoral, tem pensamentos degenerados e opiniões retrógradas. Antes da corrupção por Satanás, o homem naturalmente obedecia às palavras de Deus que ouvia. Ele tinha naturalmente bom senso, boa consciência e humanidade normal. Depois de corrompido por Satanás, seu sentido original, sua consciência e sua humanidade ficaram embotados e foram comprometidos por Satanás. Assim, o homem perdeu a obediência e o amor para com Deus. O sentido do homem tornou-se aberrante, seu caráter tornou-se o mesmo que o de um animal, sua rebeldia para com Deus é cada vez frequente e grave. No entanto, o homem ainda não sabe nem reconhece isso e apenas se opõe e se rebela cegamente. A revelação do caráter do homem é a expressão de seu sentido, percepção e consciência e, como o seu sentido e percepção estão deteriorados e sua consciência se tornou extremamente entorpecida, seu caráter é rebelde contra Deus. Se o sentido do homem e a sua percepção não podem mudar, então as mudanças de caráter estão fora de cogitação, assim como ser segundo o coração de Deus. Se o sentido do homem está deteriorado, então ele não pode servir a Deus e não está apto a ser usado por Deus” (‘Ter um caráter inalterado é estar em inimizade contra Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”). Isso me ajudou a entender que eu estava sempre me rebelando contra Deus e resistindo a Ele, vivendo em corrupção por ter sido corrompida por Satanás. Eu estava imersa em princípios e lógica satânicos, tais como “Cada um por si e o demônio pega quem fica por último”, “Eu reino soberano em todo o universo', “Pode existir apenas um macho alfa”, “O legado de um homem é o eco de sua vida” e assim por diante. Eu tinha aceitado esses ditos de Satanás, e minhas perspectivas, regras de sobrevivência e razão tinham sido distorcidas, tornando-me mais arrogante, maligna e desprovida de humanidade. Controlada por esses venenos de Satanás, eu só queria buscar nome e status e ser admirada. Queria me destacar em qualquer multidão e não queria que ninguém me superasse, e sempre que isso acontecia, eu me tornava competitiva. Quando não superava os outros, eu invejava e me ressentia ou até fazia coisas desleais para alcançar meu objetivo. Eu não exibia nada além dos caracteres satânicos de arrogância, egoísmo, enganação e maldade. Alegava estar cumprindo meu dever, mas, na verdade, estava trabalhando para mim mesma, fazendo o mal e resistindo a Deus. Lembrei-me dos anticristos que tinham sido expulsos. Eles invejavam e se ressentiam de todos que buscavam a verdade ou se importavam com a vontade de Deus e tratavam todos que ameaçavam seu status como um espinho na carne. Eram opressivos e rancorosos e até queriam que os outros fossem expulsos da igreja para que pudessem reinar supremos. Mas eles é que acabaram expulsos por praticarem tanto mal. Eu não estava sendo tão vingativa nem cometendo tanto mal quanto os anticristos, mas eu era invejosa e controlada por minha natureza arrogante e perversa. Até excluía e julgava os outros para manter meu próprio status. Eu estava na senda de um anticristo que se opõe a Deus. O caráter justo de Deus não tolera ofensa. Se eu não me arrependesse, acabaria sendo rejeitada e eliminada por Deus. Aquilo me assustava. Eu sabia que, com seu julgamento severo, Deus estava me protegendo. Sem ele, eu não refletiria sobre mim mesma, os arrependimentos viriam tarde demais quando eu fizesse algo realmente maligno. Eu me comovi muito ao ponderar a vontade de Deus. Orei a Deus, pronta para me arrepender e mudar.

Certo dia, nos meus devocionais, li estas palavras de Deus: “Para cada um de vocês que cumprem seu dever, não importa quão profundamente você entenda a verdade, se quiser entrar na realidade da verdade, a maneira mais simples de praticar é pensar nos interesses da casa de Deus em tudo que faz e abrir mão de seus desejos egoístas, de sua intenção, motivos, face e status individuais. Coloque os interesses da casa de Deus em primeiro lugarisso é o mínimo que você deve fazer. Se uma pessoa que cumpre seu dever não consegue fazer nem mesmo isso, então como se pode dizer que ela está cumprindo seu dever? Isso não é cumprir o dever da pessoa. Você deve considerar primeiro os interesses da casa de Deus, os próprios interesses de Deus e a Sua obra e colocar essas considerações acima de tudo; só depois disso você pode pensar sobre a estabilidade de seu status ou sobre como os outros o veem. […] Além disso, se você conseguir cumprir suas responsabilidades, executar seus deveres e obrigações, deixar de lado seus desejos egoístas, deixar de lado seus próprios motivos e intenções, ter consideração pela vontade de Deus e colocar em primeiro lugar os interesses de Deus e de Sua casa, então, após experimentar isso por algum tempo, você sentirá que essa é uma boa maneira de viver: é viver franca e honestamente, sem ser uma pessoa baixa ou inútil, é viver justa e honradamente em vez de ser mesquinho ou mau. Você achará que é assim que uma pessoa deve viver e agir. Aos poucos, o desejo em seu coração de satisfazer seus próprios interesses diminuirá” (‘Dê seu real coração a Deus e você poderá obter a verdade’ em “Registros das falas de Cristo”). “As funções não são as mesmas. Existe um só corpo. Cada qual cumpre seu dever, cada qual em seu lugar e fazendo o melhorpara cada centelha há um raio de luze buscando maturidade na vida. Dessa maneira, Eu ficarei satisfeito” (‘Capítulo 21’ das Declarações de Cristo no princípio em “A Palavra manifesta em carne”). As palavras de Deus me mostraram que Deus predetermina o calibre de cada um e que papel ele pode preencher. Você não pode competir ou lutar por essas coisas. Quando alguém tem um calibre melhor, quando Deus predetermina que devo ser a grama, e não a árvore, devo ser essa grama e exercer esse papel com alegria. Eu não queria mais competir por status com os outros, mas abandonar meus desejos egoístas e não viver mais segundo meus caracteres satânicos, Queria colocar os interesses da casa de Deus acima de tudo e cumprir bem o meu dever de maneira fundamentada. É a única maneira de viver na luz. Eu falei às irmãs da minha corrupção e pedi perdão à irmã Xiaojie. Quando soube das minhas intenções e ações maliciosas, ela não me culpou, mas comunicou sobre a verdade para me ajudar. Isso me comoveu muito. Também odiei o fato de que eu carecia de humanidade e a tinha machucado. Mais tarde, orei a Deus para eu deixar de tramar por status e apenas cumprir bem o meu dever.

Xiaojie voltou de sua viagem um mês depois e compartilhou o que tinha aprendido nas reuniões. Sua comunhão foi muito edificante e benéfica, mas quando vi como os outros a ouviam com atenção, tive novamente aquela sensação desagradável. Percebi que eu estava lutando por status e sendo invejosa de novo, então orei depressa a Deus para que eu me deixasse de lado. Lembrei-me de algo que tinha ouvido num sermão, que uma pessoa sensata que serve a Deus não fica com inveja, mas espera que os outros tenham mais êxito do que ela mesma, para que mais pessoas possam ajudar a compartilhar o fardo de Deus. Uma pessoa assim pode se alegrar quando Deus ganha alguém. Percebi que ela tinha crescido e aprendido algo de sua viagem para ouvir sermões e que ela podia regar e ajudar os outros. Isso era bom para o entendimento de todos da verdade e traria conforto a Deus. Eu deveria aprender com ela e aproveitar suas qualidades em meu dever. Isso era essencial. Quando orei e renunciei a mim mesma dessa forma, me senti bem mais à vontade. O que os irmãos e irmãs pensavam e minha posição na igreja não eram mais importante para mim. Eu me acalmei, ouvi a comunhão dela e absorvi o esclarecimento. Trabalhei com ela para buscar os princípios da verdade no nosso trabalho. Depois disso, em nosso trabalho juntas, quando eu via a líder discutindo algo com ela, eu me sentia bem, não inveja. Isso foi um grande alívio para mim. Experimentei pessoalmente aquela sensação de paz e integridade quando abria mão de minha inveja, e, ao longo do tempo, consegui viver uma semelhança humana. Mudei um pouco só por causa do julgamento e castigo das palavras de Deus. Dou graças a Deus pela minha salvação!

Anterior: 70. Finalmente aprendi como cumprir meu dever

Próximo: 82. Uma semelhança humana pode ser alcançada resolvendo a arrogância

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Contate-nos
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

13. Como ver seu próprio dever

“Não há correlação entre o dever do homem e se ele é abençoado ou amaldiçoado. O dever é o que o homem deve cumprir; é seu dever...

19. O arrependimento de um oficial

Deus Todo-Poderoso diz: “Desde a criação do mundo até agora, tudo que Deus tem feito na Sua obra é amor, sem nenhum ódio pelo homem. Até o...

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro