Aplicativo da Igreja de Deus Todo-Poderoso

Ouça a voz de Deus e dê as boas vindas ao retorno do Senhor Jesus!

Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

Palavras clássicas de Deus Todo-Poderoso, o Cristo dos últimos dias

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Largura da página

0 resultados

Nenhum resultado encontrado

X Palavras clássicas sobre a realidade da verdade em que as pessoas escolhidas por Deus precisam entrar

(VIII) Palavras clássicas sobre como obedecer a Deus

196. A obediência a Deus e a submissão à obra de Deus são uma e a mesma coisa. Aqueles que se submetem somente a Deus, mas não à Sua obra, não podem ser considerados obedientes, e menos ainda os que não se submetem verdadeiramente, mas são evidentes mentirosos. Aqueles que realmente se submetem a Deus conseguem ganhar com o trabalho e alcançar a compreensão do caráter e da obra de Deus. Somente esses homens se submetem verdadeiramente a Deus. Eles conseguem conquistar novos conhecimentos de novas obras e experimentam novas mudanças no que é o mesmo. Somente esses homens têm a aprovação de Deus. Somente esse tipo de homem é aperfeiçoado: aquele que sofreu a transformação de seu caráter.

de ‘Aqueles que obedecem a Deus com um coração sincero certamente serão ganhos por Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”

197. Caso se desfaça das concepções religiosas, então o homem não usará sua mente para avaliar as palavras e a obra atuais de Deus e, em lugar disso, obedecerá diretamente. Mesmo que a obra atual de Deus seja evidentemente diferente da do passado, você é capaz de deixar de lado as opiniões do passado e obedecer diretamente à obra atual de Deus. Se você é capaz de tal conhecimento e dá lugar de destaque à obra de Deus hoje, não importando como Ele operou no passado, então você é alguém que deixou suas concepções, que obedece a Deus, que é capaz de obedecer à obra e às palavras de Deus e seguir os passos de Deus. Nisso, você será alguém que verdadeiramente obedece a Deus. Você não analisa nem estuda a obra de Deus; é como se Deus tivesse esquecido Sua obra anterior e você também a tivesse esquecido. O presente é o presente, o passado é o passado e, já que Deus pôs de lado o que fez no passado, você não deve insistir nisso. Só então você será alguém que obedece totalmente a Deus e que abriu mão completamente de suas concepções religiosas.

de ‘Somente aqueles que conhecem a obra de Deus hoje podem servir a Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”

198. Durante o tempo de Deus na carne, a obediência que Ele requer das pessoas não é o que elas imaginam – não fazer julgamentos ou resistir. Em vez disso, Ele requer que as pessoas façam das Suas palavras o princípio de suas vidas e a base de sua sobrevivência, que elas coloquem plenamente a essência de Suas palavras em prática e que elas satisfaçam plenamente a Sua vontade. Um aspecto de requerer que as pessoas obedeçam ao Deus encarnado está relacionado a colocar Suas palavras em prática e outro aspecto se refere a ser capaz de obedecer à Sua normalidade e praticidade. Esses têm que ser ambos absolutos. Aqueles que podem cumprir ambos os aspectos são todos aqueles que têm um coração de amor genuíno por Deus. São todas pessoas que foram ganhas por Deus e todas amam a Deus assim como amam sua própria vida.

de ‘As pessoas que conseguem ser absolutamente obedientes em relação à praticidade de Deus são aquelas que amam verdadeiramente a Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”

202. Se você é incapaz de aceitar a nova luz de Deus, não consegue entender tudo que Deus está fazendo hoje, e não o busca ou, em vez disso, o duvida, julga, examina e analisa, então você não tem intenção de obedecer. Se, quando a luz do aqui e agora aparecer, você ainda der valor à luz de ontem e se opuser à nova obra de Deus, então você não é mais que uma piada, você é um dos que deliberadamente se opõem a Deus. A chave para obediência a Deus é compreender a nova luz e poder aceitá-la e colocá-la em prática. Somente isso é a verdadeira obediência.

de ‘Você deve obedecer a Deus em sua fé’ em “A PalaVocê deve obedecer a Deus em sua févra manifesta em carne”

203. Se você se submete apenas à obra e às palavras simples, incapaz de aceitar uma intensidade mais profunda, então você é do tipo que continua com os caminhos antigos e não acompanha a obra do Espírito Santo. A obra feita por Deus difere em cada período. Se você demonstrar obediência em uma fase e, na próxima, pouca ou nenhuma obediência, então Deus se afastará de você. Se você acompanha Deus enquanto Ele galga essa fase, então precisa continuar a acompanhá-Lo quando Ele galgar a próxima. Só então você será uma pessoa obediente ao Espírito Santo. Como você acredita em Deus, precisa permanecer constante em sua obediência. Você não pode simplesmente obedecer quando está disposto e desobedecer quando não está. Esse tipo de obediência não tem a aprovação de Deus.

de ‘Aqueles que obedecem a Deus com um coração sincero certamente serão ganhos por Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”

204. Sua obediência é de fato aquela em que você escolhe a dedo – embora seja capaz de obedecer a uma pessoa, você acha difícil obedecer a alguém diferente. De fato, não há como ser obediente quando você confia em concepções humanas. No entanto, os pensamentos de Deus sempre superam os do homem! Cristo obedeceu até a morte e morreu na cruz. Cristo não disse nada sobre quaisquer condições ou razões; desde que fosse a vontade de Seu Pai, Ele obedecia de bom grado. Sua obediência atual é limitada demais. Eu digo a vocês todos, obediência não é obedecer às pessoas exteriormente, mas obedecer à vida espiritual interior e é obedecer ao Próprio Deus.

de ‘A vigésima declaração’ em “A Palavra manifesta em carne”

205. Todos os que não buscam obediência a Deus em sua fé, se opõem a Deus. Deus pede que as pessoas busquem a verdade, que tenham sede de Suas palavras, que comam e bebam as Palavras de Deus e as coloquem em prática, para que alcancem a obediência a Deus. Se suas motivações forem verdadeiramente assim, então Deus certamente o levantará e será gracioso para com você. Ninguém pode duvidar disso e ninguém pode mudar isso. Se suas motivações não forem por causa de sua obediência a Deus e você tem outros objetivos, tudo que você diz e faz – suas orações diante de Deus, até mesmo cada uma de suas ações – serão contrarias a Deus. Você pode ter uma fala mansa e ser moderado, cada ato e expressão podem parecer corretos, você pode parecer uma pessoa que obedece, mas quando se fala de suas motivações e seus pontos de vista sobre fé em Deus, tudo que você faz é em oposição a Deus e maligno.

de ‘Você deve obedecer a Deus em sua fé’ em “A PalaVocê deve obedecer a Deus em sua févra manifesta em carne”

207. Todas as coisas sujeitas aos arranjos e à soberania de Deus obedecem a leis naturais e, se você resolver deixar Deus arranjar e ditar tudo por você, você deve aprender a esperar, deve aprender a buscar, deve aprender a submeter-se. Esta é a atitude que quem quiser se submeter à autoridade de Deus deve tomar, a qualidade básica que deve possuir toda pessoa que quiser aceitar a soberania e os arranjos de Deus. Para manter tal atitude, para possuir tal qualidade, vocês devem trabalhar mais arduamente e só assim poderão entrar na verdadeira realidade.

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

208. Aqueles que procuram conhecer a Deus são capazes de pôr de lado seus desejos, estão dispostos a submeter-se à soberania e aos arranjos de Deus; eles tentam ser o tipo de pessoa que é submissa à autoridade de Deus e satisfaz Seu desejo. Tais pessoas vivem na luz, vivem em meio às bênçãos de Deus; elas certamente serão elogiadas por Ele. Seja qual for, a escolha humana é inútil, os seres humanos não têm poder para decidir quanto tempo levará a obra de Deus. É melhor que as pessoas se ponham à mercê de Deus, se submetam à Sua soberania. Se você não se puser à mercê Dele, o que poderá fazer? Será que Deus sofrerá uma perda? Se você não se puser à mercê Dele, se você tentar se encarregar, estará fazendo uma escolha tola e será o único a sofrer uma perda no fim. Somente se as pessoas cooperarem com Deus o mais rápido possível, somente se elas se apressarem em aceitar Suas orquestrações, conhecerem Sua autoridade e entenderem tudo o que Ele fez por elas é que terão esperança, suas vidas não serão vividas em vão e alcançarão a salvação.

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

209. Se a atitude de uma pessoa for passiva com relação ao destino prova que ela resiste a tudo o que Deus arranjou para ela, que a sua atitude não é submissa. Se a atitude quanto à soberania de Deus sobre o destino humano for ativa, quando a pessoa olhar para atrás para a sua jornada, quando ela verdadeiramente fizer face à soberania de Deus, desejará com maior sinceridade submeter-se a tudo o que Deus arranjou, terá mais determinação e confiança para deixar Deus orquestrar seu destino, para parar de se rebelar contra Deus. Porque a gente vê que quando não se compreende o destino, quando não se entende a soberania de Deus, quando se anda às cegas obstinadamente, cambaleando e tateando na neblina, a jornada fica muito difícil, dolorosa demais. Assim, quando as pessoas reconhecem a soberania de Deus sobre o destino humano, as inteligentes optam por conhecê-la e aceitá-la, por despedir-se dos dias penosos em que tentavam construir uma boa vida com suas próprias mãos, em lugar de continuarem a lutar contra o destino e perseguir suas pretensas metas de vida à sua maneira. Quando não se tem Deus, quando não se é capaz de vê-Lo, quando não se consegue reconhecer claramente a soberania de Deus, todo dia é sem sentido, inútil e infeliz. Onde quer que esteja, seja qual for o trabalho, os meios de vida e a busca das metas de uma pessoa, isso só trará a ela dor infindável e sofrimento impossível de aliviar, a ponto de não suportar olhar para trás. Só quando ela aceitar a soberania do Criador, se submeter aos Seus arranjos e orquestrações e buscar verdadeira vida humana, aos poucos se libertará de toda dor e todo sofrimento, se livrará de todo o vazio da vida.

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

210. A tristeza do homem não é que ele procure uma vida feliz nem que buscar fama e fortuna e lute contra seu próprio destino na bruma, mas que, depois de ter visto a existência do Criador, depois de se ter inteirado do fato de que o Criador tem soberania sobre o destino humano, ele ainda não possa corrigir seus caminhos, não possa tirar o pé da lama, mas endureça seu coração e persista nos seus erros. Ele prefere continuar a se debater na lama, rivalizando obstinadamente com a soberania do Criador, resistindo a ela até o fim, sem o menor sinal de contrição, e só quando jaz prostrado e sangrando é que, por fim, ele decide desistir e voltar atrás. Isto é verdadeiro pesar humano. Por isso Eu digo, aqueles que optam por submeter-se são sábios, e aqueles que optam por fugir são estupidamente teimosos.

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

211. Quando Noé fez conforme Deus instruiu, ele não sabia quais eram as intenções de Deus. Ele não sabia o que Deus queria realizar. Deus só lhe havia dado uma ordem, instruiu-o a fazer algo, mas sem muita explicação, e ele foi em frente e fez. Ele não tentou descobrir as intenções de Deus em particular, nem resistiu a Deus ou teve um coração duplo. Ele apenas foi e fez isso de acordo com um coração puro e simples. O que quer que Deus lhe permitiu fazer, ele fez; e obedecer e ouvir a palavra de Deus, era sua convicção para fazer as coisas. Foi assim que ele lidou direta e simplesmente com o que Deus lhe havia confiado. Sua essência – a essência de suas ações era a obediência, e sem suspeita, não resistir e, além disso, não pensar em seus próprios interesses pessoais e seus ganhos e perdas. Além disso, quando Deus disse que destruiria a terra com um dilúvio, ele não perguntou quando ou tentou ir ao fundo disso, e certamente não perguntou a Deus como Ele iria destruir o mundo. Ele simplesmente fez como Deus instruiu. Como quer que Deus quisesse que fosse feito e feito com o que, ele fez exatamente como Deus pediu e também começou a agir imediatamente depois disso. Ele fez com uma atitude de querer satisfazer a Deus. […] Ele simplesmente obedeceu, ouviu e agiu conformemente.

de ‘A obra de Deus, o caráter de Deus e o Próprio Deus I’ em “A Palavra manifesta em carne”

212. Jó viveu sua vida na busca subjetiva de fé, reconhecimento e submissão à soberania de Deus, e foi com essa fé, esse reconhecimento e essa submissão que ele passou pelas conjunturas importantes da vida, viveu seus últimos anos e saudou a conjuntura final de sua vida. Independentemente do que Jó experimentou, suas buscas e metas na vida foram felizes, não dolorosas. Ele era feliz não só devido às bênçãos ou ao elogio que o Criador lhe concedeu como, o que é mais importante, devido a suas buscas e suas metas de vida, devido ao conhecimento gradual e à verdadeira compreensão da soberania do Criador que ele conseguiu ao temer a Deus e evitando o mal, e além disso, devido aos maravilhosos feitos Dele que Jó experimentou pessoalmente durante seu tempo como objeto da soberania do Criador, e as experiências e recordações calorosas e inesquecíveis de coexistência, familiaridade e mútua compreensão entre o homem e Deus; devido ao conforto e à felicidade decorrentes de conhecer a vontade do Criador; devido à reverência que surgiu depois de observar que Ele é grande, maravilhoso, amável e fiel. A razão pela qual Jó foi capaz de enfrentar a morte sem qualquer sofrimento foi que ele sabia que, ao morrer, voltaria para o lado do Criador. E foram suas buscas e seus ganhos em vida que lhe permitiram encarar a morte serenamente, encarar, com o coração tranquilo, a perspectiva de o Criador tomar de volta sua vida e, ademais, ilibado e livre de preocupação, ficar diante do Criador.

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

213. Jó não falava de barganhas com Deus e não fazia pedidos ou exigências a Deus. Seu louvor ao nome de Deus era por causa do grande poder e autoridade de Deus em governar todas as coisas, e não dependia de se ele recebesse bênçãos ou fosse atingido por um desastre. Ele acreditava que, independentemente de Deus abençoar as pessoas ou trazer desastre sobre elas, o poder e a autoridade de Deus não mudarão e, portanto, independentemente das circunstâncias de uma pessoa, o nome de Deus deve ser louvado. O fato de o homem ser abençoado por Deus é por causa da soberania de Deus, e quando o desastre acontece ao homem, também é por causa da soberania de Deus. O poder e a autoridade de Deus governam e arranjam tudo concernente ao homem; os caprichos da sorte do homem são a manifestação do poder e autoridade de Deus e, independentemente do ponto de vista da pessoa, o nome de Deus deve ser louvado. Foi isso que Jó experimentou e conheceu durante os anos de sua vida. Todos os pensamentos e ações de Jó alcançaram os ouvidos de Deus e chegaram diante de Deus e foram vistos como importantes por Deus. Deus apreciou esse conhecimento de Jó e valorizou Jó por ter tal coração. Esse coração aguardava a ordem de Deus sempre, e em todos os lugares e, não importava a hora ou o lugar, recebia de bom grado o que quer que acontecesse com ele. Jó não fez exigências a Deus. O que ele exigia de si mesmo era esperar, aceitar, encarar e obedecer a todos os arranjos que vieram de Deus; Jó acreditava que esse era seu dever, e era exatamente o que era desejado por Deus.

de ‘A obra de Deus, o caráter de Deus e o Próprio Deus II’ em “A Palavra manifesta em carne”

214. Alguém que adquiriu o conhecimento da soberania do Criador após experimentar várias décadas de vida é uma pessoa com correta apreciação do significado e do valor da vida; uma pessoa com profundo conhecimento do propósito da vida, com real experiência e compreensão da soberania do Criador; e, ainda mais, uma pessoa capaz de submeter-se à autoridade do Criador. Tal pessoa compreende o significado da criação da humanidade por Deus, compreende que o homem deve adorar o Criador, que tudo o que o homem possui vem Dele e a Ele voltará algum dia não distante no futuro; tal pessoa compreende que o Criador arranja o nascimento do homem e tem soberania sobre sua morte, e que tanto a vida quanto a morte são predeterminadas pela autoridade do Criador. Por isso, quando verdadeiramente se compreendem essas coisas, é natural ser capaz de enfrentar a morte com serenidade, deixar de lado todas as posses terrenais com calma, aceitar e submeter-se alegremente a tudo o que vem a seguir e dar as boas-vindas à última conjuntura da vida arranjada pelo Criador, em lugar de temê-la e combatê-la cegamente. Se uma pessoa que vê a vida como uma oportunidade de experimentar a soberania do Criador e chegar a conhecer a Sua autoridade, se ela vê a sua vida como uma chance rara de cumprir seu dever como ser humano criado e realizar a sua missão, necessariamente terá a perspectiva correta sobre a vida, viverá uma vida abençoada e guiada pelo Criador, andará à Sua luz, conhecerá a Sua soberania, submeter-se-á a Seu domínio, será testemunha de Seus feitos milagrosos e de Sua autoridade.

de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

215. Vocês estão dispostos a apreciar as Minhas bênçãos sobre a terra, bênçãos que são semelhantes às do céu? Vocês estão dispostos a tratar a compreensão que têm de Mim, a satisfação das Minhas palavras e o conhecimento de Mim como as coisas mais valiosas e significativas na sua vida? Vocês são mesmo capazes de submeter-se inteiramente a Mim, sem pensar nos seus próprios planos para o futuro? Vocês são mesmo capazes de permitir que sejam entregues à morte por Mim e conduzidos por Mim, como uma ovelha? Há entre vocês alguém capaz de realizar tais coisas? Será que todos os que foram aceitos por Mim e receberam Minhas promessas são os que ganham as Minhas bênçãos? Vocês entenderam alguma coisa destas palavras? Se Eu os testar, vocês poderão mesmo colocar-se à Minha disposição e, em meio a essas provações, buscar por Minhas intenções e perceber Meu coração? Não quero que você seja capaz de falar muitas palavras tocantes ou contar muitas histórias emocionantes; antes, Eu peço que você seja capaz de dar um excelente testemunho de Mim e que você possa entrar na realidade de modo pleno e profundo. Se eu não tivesse falado diretamente, você poderia abandonar tudo que o rodeia e deixar-se usar por Mim? Não é essa a realidade que eu exijo? Quem é capaz de captar o sentido contido nas Minhas palavras? Contudo eu peço que vocês não se sobrecarreguem mais com inquietações, que sejam proativos na sua entrada e captem a substância das Minhas palavras. Isso evitará que vocês entendam mal Minhas palavras e lhes falte clareza quanto ao Meu significado e, assim, violem Meus decretos administrativos. Espero que captem Minhas intenções com vocês em Minhas palavras. Não pensem mais em seus próprios planos para o futuro e ajam como vocês resolveram diante de Mim para submeter-se às orquestrações de Deus em todas as coisas. Todos os que estão dentro da Minha casa devem fazer tudo que lhes for possível; você deve dar o melhor de si para a última etapa da Minha obra na terra. Você está mesmo disposto a colocar essas coisas em prática?

de ‘A quarta declaração’ das declarações de Deus para todo o universo em “A Palavra manifesta em carne”

216. Dar um testemunho contundente de Deus está principalmente relacionado a você ter ou não um entendimento do Deus prático, e a você ser ou não capaz de obedecer em frente a essa pessoa que não é apenas comum, mas normal, e ainda obedecer até a morte. Se você realmente dá testemunho de Deus por meio dessa obediência, isso significa que você foi adquirido por Deus. Ser capaz de obedecer até a morte e não ter reclamações perante Ele, sem fazer julgamentos, sem difamação, sem ter noções e sem ter qualquer outra intenção – assim Deus obterá glória. A obediência perante uma pessoa comum que é menosprezada pelo homem e ser capaz de obedecer até a morte sem quaisquer noções – isso é testemunho verdadeiro. A realidade na qual Deus requer que as pessoas entrem é que você seja capaz de obedecer às Suas palavras, capaz de colocar as Suas palavras em prática, capaz de se curvar perante o Deus prático e de conhecer sua própria corrupção, capaz de abrir seu coração perante Ele e no final ser ganho por Ele por meio dessas palavras Dele. Deus ganha glória quando essas palavras conquistam você e o tornam totalmente obediente a Ele; por meio disso Ele envergonha Satanás e completa a Sua obra. Quando você não tem quaisquer noções da praticidade do Deus encarnado, isto é, quando você permanece firme nessa prova, então dá bom testemunho. Se houver um dia em que você tenha pleno entendimento do Deus prático e possa obedecer até a morte como Pedro, você será ganho por Deus, e aperfeiçoado por Ele.

de ‘As pessoas que conseguem ser absolutamente obedientes em relação à praticidade de Deus são aquelas que amam verdadeiramente a Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”

Anterior:(VII) Palavras clássicas sobre como ser uma pessoa honesta

Próximo:(IX) Palavras clássicas sobre como cumprir seu dever com devoção

Coisas que talvez lhe interessem