Obra e entrada (7)

Demorou até hoje para o homem perceber que o que lhe falta não é só o suprimento da vida espiritual e a experiência de conhecer Deus, mas — o que é ainda mais vitalmente importante — as mudanças em seu caráter. Devido à total ignorância do homem sobre a história e a cultura antiga de sua própria raça, o resultado é que ele não sabe mesmo de nada sobre a obra de Deus. Todos os homens esperam que o homem possa estar conectado a Deus no fundo do seu coração, mas como a carne do homem é excessivamente corrompida, tão entorpecida como obtusa, isso fez com que ele não saiba absolutamente nada sobre Deus. Ao vir para entre os homens hoje, o propósito de Deus não é outro senão transformar os pensamentos e espírito das pessoas, bem como a imagem de Deus no coração deles, que mantiveram por milhões de anos. Ele usará essa oportunidade para tornar o homem perfeito. Isto é, por meio do conhecimento do homem, Ele mudará a maneira como as pessoas chegam a conhecê-Lo e a atitude delas para com Ele, permitindo que o homem faça um novo começo triunfante em vir a conhecer Deus e, assim, alcançar a renovação e transformação do espírito humano. Tratamento e disciplina são os meios, enquanto a conquista e a renovação são os objetivos. Dissipar os pensamentos supersticiosos que o homem manteve sobre o Deus vago sempre foi a intenção de Deus e, recentemente, isso também se tornou uma questão de urgência para Ele. Gostaria que todas as pessoas tivessem uma visão de longo prazo ao considerar essa situação. Mudem a maneira pela qual cada pessoa experimenta, de modo que essa intenção urgente de Deus possa alcançar fruição em breve e de modo que a última etapa da obra de Deus na terra possa ser perfeitamente levada à conclusão. Deem a Deus a lealdade que lhes cabe dar a Ele e, pela última vez, deem conforto ao coração de Deus. Entre os irmãos e irmãs, gostaria que ninguém se esquivasse dessa responsabilidade, nem simplesmente fingisse fazer as coisas sem se envolver. Deus vem na carne desta vez em resposta a um convite e em resposta pontual à condição do homem. Isto é, Ele vem suprir o homem com o que o homem necessita. Independentemente do calibre ou educação do homem, Ele, em suma, o capacitará a ver a palavra de Deus e, a partir de Sua palavra, ver a existência e a manifestação de Deus e aceitar que Deus o aperfeiçoe, mudando os pensamentos e as concepções do homem de modo que o semblante original de Deus esteja firmemente enraizado nas profundezas do coração do homem. Esse é o único desejo de Deus na terra. Não importa o quanto a natureza inata do homem seja grande, ou o quanto sua essência seja pobre, nem como realmente foi o comportamento do homem no passado, Deus não presta atenção nisso. Ele só espera que o homem torne completamente nova a imagem de Deus que ele tem no íntimo de seu coração e venha a conhecer a essência da humanidade, assim chegando à transformação da perspectiva ideológica do homem, e ser capaz ansiar por Deus profundamente e despertar um eterno apego a Ele: essa é a única exigência que Deus faz ao homem.

O conhecimento de cultura e história antigas que abrange vários milhares de anos tem isolado o pensamento, as noções do homem e suas perspectivas mentais tão rigidamente a ponto de torná-los impermeáveis e não biodegradáveis.[1] As pessoas vivem no décimo oitavo círculo do inferno, onde, como se tivessem acabado de ser banidas por Deus para as masmorras, a luz pode nunca ser vista. O pensamento feudal oprimiu tanto as pessoas que elas mal conseguem respirar e estão sufocando. Elas não têm o menor pingo de força para resistir; tudo o que fazem é suportar e suportar em silêncio… Nunca alguém ousou lutar ou levantar-se pela retidão e pela justiça; as pessoas simplesmente vivem uma vida pior que a de um animal, sob os golpes e o abuso de uma ética feudal, dia após dia e ano após ano. Elas nunca pensaram em buscar Deus para desfrutar da felicidade no mundo humano. É como se as pessoas tivessem sido massacradas a ponto de serem como as folhas caídas no outono, murchas, desidratadas e de cor amarela-acastanhada. Desde há muito tempo as pessoas perderam a memória; elas vivem impotentes no inferno que é chamado de mundo humano, esperando a chegada do último dia para que eles possam perecer junto com esse inferno, como se o último dia pelo qual anseiam fosse aquele em que o homem desfrutará da paz repousante. A ética feudal tem levado a vida do homem ao “Hades”, enfraquecendo ainda mais o poder do homem para resistir. Todo tipo de opressão força o homem, passo a passo, a cair mais fundo no Hades, cada vez mais longe de Deus, até que hoje ele tenha se tornado um completo estranho para Deus e se apresse em evitá-Lo quando se encontram. O homem não presta atenção em Deus e O deixa ficar sozinho, de lado, como se o homem jamais O tivesse conhecido, nunca O tivesse conhecido antes. No entanto, Deus tem esperado pelo homem durante toda a longa jornada da vida humana, jamais lançando Sua fúria irreprimível contra ele, meramente esperando quieto, sem uma palavra, que o homem se arrependa e tenha um novo começo. Há muito tempo, Deus veio ao mundo humano para compartilhar os sofrimentos do mundo humano com o homem. Durante todos os anos em que Ele tem vivido com o homem, ninguém descobriu Sua existência. Deus apenas aguenta em silêncio a miséria da deterioração no mundo humano enquanto realiza a obra que Ele trouxe pessoalmente. Ele continua a aguentar por amor à vontade de Deus Pai e pelo bem das necessidades da humanidade, suportando sofrimentos nunca antes experimentados pelo homem. Na presença do homem, Deus o tem esperado silenciosamente, e na presença do homem, Ele tem Se humilhado, em nome da vontade do Deus Pai e também em prol das necessidades da humanidade. O conhecimento da cultura antiga sub-repticiamente roubou o homem da presença de Deus e o entregou para o rei dos diabos e sua progenitura. Os Quatro Livros e os Cinco Clássicos[a] levaram o pensamento e as noções do homem para uma outra era de rebeldia, fazendo com que ele adulasse ainda mais do que antes aqueles que compilaram o Livro/Clássico de Documentos e, como resultado, exacerbasse ainda mais suas noções sobre Deus. Sem o conhecimento do homem, o rei dos diabos, sem piedade, expulsou Deus do coração do homem e então o ocupou ele mesmo com exultação triunfante. Desde aquele tempo, o homem ficou possuído por uma alma feia e perversa e pelo semblante do rei dos diabos. Um ódio por Deus preencheu o seu peito, e a maldade vingativa do rei dos diabos se espalhou pela humanidade dia após dia, até que ele fosse totalmente consumido. O homem já não tinha mais a mínima liberdade e não tinha como se libertar das amarras do rei dos diabos. Ele não teve escolha senão ser preso no mesmo momento, se render e se prostrar em submissão em sua presença. Muito tempo atrás, quando o coração e a alma do homem ainda estavam em sua infância, o rei dos diabos plantou nele a semente do tumor do ateísmo, ensinando-lhe tais falácias como “estude ciência e tecnologia, realize as Quatro Modernizações; e não existe uma coisa como Deus neste mundo”. Não só isso, ele também brada em toda oportunidade: “Vamos confiar em nosso labor diligente para construir uma bela terra natal”, pedindo a todas as pessoas que estejam preparadas desde a infância para prestar serviço fiel ao seu país. Inconscientemente, o homem foi levado para sua presença, onde ele, sem hesitar, arrogou-se todo o crédito (quer dizer o crédito pertencente a Deus por manter toda a humanidade em Suas mãos). Ele jamais teve qualquer sentimento de vergonha. Além disso, sem nenhuma vergonha, ele capturou o povo de Deus e o arrastou de volta para a sua morada, onde pulou como um rato para cima da mesa e fez com que o homem o adorasse como Deus. Que bandido! Ele proclama coisas chocantes e escandalosas, tais como: “Não existe essa coisa de Deus no mundo. O vento vem das transformações de acordo com as leis da natureza; a chuva vem quando o vapor, encontrando as temperaturas frias, se condensa em gotas que caem na terra; um terremoto é um tremor na superfície da terra devido a mudanças geológicas; a seca acontece por conta da secura na atmosfera causada por erupções nucleares na superfície do sol. Esses são fenômenos naturais. Onde, em tudo isso, há um ato de Deus?”. Há até aqueles que berram declarações como as seguintes, declarações que não deveriam ser professadas: “O homem evoluiu de macacos no passado antigo, e o mundo de hoje vem de uma sucessão de sociedades primitivas que começou há aproximadamente um éon. Se um país se desenvolve ou declina depende inteiramente das mãos de seu povo”. Em segundo plano, ele faz o homem pendurá-lo na parede ou colocá-lo na mesa para prestar-lhe homenagens e fazer-lhe ofertas. Ao mesmo tempo em que grita: “Não há Deus”, ele se coloca como Deus, empurrando, com sumária grosseria, Deus para fora das fronteiras da terra, enquanto toma o lugar de Deus e assume o papel de rei dos diabos. Tão totalmente desprovido de razão! Ele faz com que as pessoas o odeiem até o tutano. Parece que Deus e ele são inimigos jurados e que os dois não podem coexistir. Ele faz planos para expulsar Deus, enquanto ele perambula livre, fora do alcance da lei.[2] Ele é mesmo o rei dos diabos! Como sua existência pode ser tolerada? Ele não descansará até ter bagunçado a obra de Deus e a deixado toda em uma balbúrdia completa,[3] como se quisesse se opor a Deus até o amargo fim, até que ou o peixe morra ou a rede se rompa, deliberadamente colocando-se contra Deus e apertando cada vez mais de perto. Sua face hedionda já há muito completamente desmascarada, agora está ferida e esmurrada[4] e numa condição lamentável, ainda assim ele não esmorece seu ódio por Deus, como se por devorar Deus numa só bocada ele será capaz de aliviar o ódio reprimido no coração. Como podemos tolerá-lo, esse inimigo de Deus? Só a sua erradicação e absoluta exterminação levarão o nosso desejo de vida à fruição. Como ele pode ter permissão para continuar correndo desenfreado? Ele corrompeu o homem a tal ponto que o homem já não conhece mais o sol celestial e se tornou amortecido e destituído de sentimento. O homem perdeu a razão humana normal. Por que não oferecer todo o nosso ser para destruí-lo e queimá-lo a fim de eliminar todas as preocupações com o futuro e permitir que a obra de Deus alcance o quanto antes um esplendor sem precedentes? Essa gangue de salafrários veio para o mundo dos homens e o reduziu a turbulência. Eles levaram toda a humanidade à beira do precipício, planejando em segredo empurrá-la para que se despedaçassem de modo que eles possam, então, devorar seus cadáveres. Eles esperam em vão romper o plano de Deus e entrar numa disputa com Ele, apostando tudo num único rolar dos dados.[5] Mas isso não é fácil mesmo! A cruz foi preparada, afinal, para o rei dos diabos, que é culpado dos crimes mais hediondos. Deus não pertence à cruz. Ele já a jogou de lado para o diabo. Há muito tempo agora que Deus Se ergueu vitorioso e já não sente pesar pelos pecados da humanidade, mas trará a salvação para toda a humanidade.

De cima a baixo e do começo ao fim, Satanás tem interrompido a obra de Deus e agido em oposição a Ele. Toda essa discussão em torno da “herança cultural antiga”, da valorização do “conhecimento da cultura antiga”, dos “ensinamentos do taoísmo e do confucionismo”, e dos “clássicos do confucionismo e os ritos feudais” levou o homem ao inferno. A ciência e a tecnologia avançadas dos dias de hoje, bem como a indústria, a agricultura e os negócios altamente desenvolvidos, não são vistos em lugar algum. Em vez disso, tudo que elas fazem é enfatizar os ritos feudais propagados pelos “macacos” do tempos antigos para deliberadamente interromper a obra de Deus, opor-se a ela e desmantelá-la. Não somente ele continuou a afligir o homem até hoje, como deseja até engolir[6] o homem inteiro. A transmissão de ensinamentos éticos e morais do feudalismo e passar adiante o conhecimento da cultura antiga infectaram a humanidade há muito tempo, transformando-a em demônios maiores e menores. Poucos são os que receberiam Deus de bom grado, poucos os que receberiam jubilosos a Sua vinda. A face de toda a humanidade está repleta de intenção assassina, e em todo lugar, um hálito mortal impregna o ar. Ela busca expulsar Deus desta terra; com facas e espadas em punho, ela se organiza em formação de batalha para “aniquilar” a Deus. Por toda essa terra do diabo, onde se ensina constantemente ao homem que não há Deus, há ídolos espalhados, e o ar acima está impregnado com um odor nauseante de papel e incenso queimando tão denso que chega a ser sufocante. Parece com o fedor de lodo que se eleva com o retorcer da serpente venenosa, tanto que não consegue evitar o vômito. Além disso, é possível ouvir fracamente o som de demônios malignos recitando as escrituras, um som que parece vir de longe no inferno, tanto que não se consegue impedir de tremer. Por toda parte nesta terra são instalados ídolos de todas as cores do arco-íris, transformando a terra em um mundo de prazeres sensuais, enquanto o rei dos diabos continua rindo maliciosamente, como se seu plano malicioso tivesse sido bem-sucedido. Entretanto, o homem permanece completamente alheio, nem tem a menor ideia de que o diabo já o corrompeu ao ponto em que se tornou insensato e cabisbaixo pela derrota. Ele deseja, com uma única varrida, apagar tudo sobre Deus e mais uma vez profaná-Lo e assassiná-Lo; sua intenção é derrubar e perturbar Sua obra. Como ele pode permitir que Deus seja de status igual? Como ele pode tolerar que Deus “interfira” na sua obra entre os homens na terra? Como ele pode permitir que Deus desmascare sua face hedionda? Como pode permitir que Deus ponha sua obra em desordem? Como pode esse diabo, apoplético de raiva, permitir que Deus tenha controle sobre sua corte imperial na terra? Como ele pode voluntariamente se curvar diante de Seu poder superior? Seu semblante hediondo foi revelado como realmente é, de modo que não se sabe se é para rir ou chorar, e do qual é verdadeiramente difícil falar. Essa não é a sua essência? Mesmo com uma alma feia, ele ainda acredita que é incrivelmente belo. Ah, essa gangue de cúmplices em crime![7] Eles descem para o domínio mortal para entregar-se aos prazeres e causar uma comoção, incitando tanto as coisas que o mundo se torna um lugar volúvel e inconstante e o coração do homem se enche de pânico e inquietação, e eles brincaram tanto com o homem que sua aparência se tornou a de uma besta desumana do campo, supremamente feia, e que perdeu o último traço do homem santo original. Além disso, eles desejam até assumir poder soberano na terra. Impedem tanto a obra de Deus que ela mal consegue se arrastar adiante e trancam o homem tão firmemente como paredes de bronze e aço. Depois de cometer tantos pecados graves e causar tantos desastres, eles ainda esperam outra coisa que não seja castigo? Os demônios e espíritos malignos têm corrido ensandecidamente na terra há algum tempo e isolaram a vontade e o esforço meticuloso de Deus de tal maneira que são impenetráveis. Verdadeiramente, isso é um pecado mortal! Como Deus pode não Se sentir ansioso? Como Deus pode não Se sentir furioso? Eles impediram a obra de Deus e se opuseram a ela gravemente: como são rebeldes! Mesmo os demônios maiores e menores se comportam como chacais nos calcanhares do leão e seguem a corrente maligna, inventando interrupções enquanto vão. Conhecem a verdade, mas deliberadamente se apõem a ela, esses filhos da rebelião! É como se, agora que seu rei do inferno ascendeu ao trono real, eles tivessem se tornado presunçosos e complacentes, tratando todos os outros com desprezo. Quantos dentre eles buscam a verdade e seguem a justiça? São todos animais, em nada melhores do que porcos e cães, na liderança de uma gangue de moscas fedorentas, balançando a cabeça em autocongratulação presunçosa e incitando todo tipo de problema,[8] no meio de um monte de esterco. Eles acreditam que seu rei do inferno é o maior rei de todos, mal sabendo que eles mesmos não passam de moscas fedorentas. Mesmo assim, tiram vantagem do poder dos porcos e cachorros que têm como pais para difamar a existência de Deus. Como moscas diminutas, acreditam que seus pais são tão grandes quanto baleias dentadas.[9] Pouco sabem que, enquanto elas mesmas são diminutas, seus pais são porcos e cães impuros centenas de milhões de vezes maiores que elas mesmas? Inconscientes da própria baixeza, dependem do fedor da putrefação que exsuda desses porcos e desses cães para correr desordenadamente, pensando, em vão, em procriar futuras gerações, alheios à vergonha. Com asas verdes nas costas (isso se refere a alegarem que acreditam em Deus), elas estão cheias de si e por toda parte se gabam da própria beleza e atração, enquanto secretamente arremessam as impurezas dos próprios corpos sobre o homem. Além disso, elas estão excessivamente satisfeitas consigo mesmas, como se pudessem usar um par de asas com as cores do arco-íris para esconder as próprias impurezas e, dessa maneira, aplicar sua opressão à existência do Deus verdadeiro (isso se refere ao que acontece nos bastidores do mundo religioso). Como saberia o homem que, apesar de encantadoramente belas como as asas da mosca possam ser, a mosca em si é, afinal de contas, nada mais que uma minúscula criatura, com uma barriga cheia de sujeira e um corpo coberto de germes? Com a força dos porcos e cães que têm como pais, elas correm ensandecidas pela terra (isso se refere à maneira como os oficiais religiosos que perseguem Deus confiam no apoio massivo do governo da nação para se rebelarem contra o verdadeiro Deus e a verdade), desenfreados em sua selvageria. É como se os fantasmas dos fariseus judaicos tivessem retornado com Deus à nação do grande dragão vermelho, de volta para seu antigo ninho. Eles iniciaram mais uma rodada de perseguição, retomando seu trabalho de vários milhares de anos atrás. Esse grupo de degenerados está condenado a perecer na terra, no fim! Parece que, depois de vários milênios, os espíritos impuros se tornaram ainda mais engenhosos e dissimulados. Eles sempre pensam em maneiras de sabotar a obra de Deus em segredo. Com truques e ardis em abundância, eles desejam reencenar em sua terra natal a mesma tragédia de vários milênios atrás, quase incitando Deus ao ponto de gritar. Ele mal consegue Se impedir de voltar ao terceiro céu e aniquilá-los. Para que ame a Deus, o homem precisa compreender Sua vontade, conhecer Suas alegrias e tristezas e entender o que é que Ele abomina. Fazer isso encorajará ainda mais a entrada do homem. Quanto mais rápida for a entrada do homem, mais cedo a vontade de Deus se satisfará; mais claro o homem enxergará o rei dos diabos, e mais ele se aproximará de Deus, para que o Seu desejo seja levado à fruição.

Notas de rodapé:

1. “Não biodegradáveis” é usado como sátira aqui, significando que as pessoas são rígidas em seu conhecimento, cultura e aparência espiritual.

2. “Ele perambula livre, fora do alcance da lei” indica que o diabo fica furioso e fora de controle.

3. “Uma balbúrdia completa” refere-se a como o comportamento violento do diabo é insuportável de ver.

4. “Ferida e esmurrada” refere-se à cara feia do rei dos diabos.

5. “Apostando tudo num único rolar dos dados” significa colocar todo o dinheiro que se tem em uma única aposta esperando sair ganhando. Isso é uma metáfora para as tramas nefastas e sinistras do diabo. A expressão é usada de forma jocosa.

6. “Engolir” refere-se ao comportamento cruel do rei dos diabos, que arrebata as pessoas por inteiro.

7. Os “cúmplices em crime” são da mesma laia do “bando de criminosos”.

8. “Incitando todo tipo de problema” refere-se ao modo como as pessoas que são demoníacas agem sem controle, obstruindo a obra de Deus e se opondo a ela.

9. “Baleias dentadas” é usada de forma jocosa. É uma metáfora sobre como as moscas são tão pequenas que porcos e cães parecem grandes como baleias para elas.

a. “Os Quatro Livros e os Cinco Clássicos” são os livros oficiais do confucionismo na China.

Anterior: Obra e entrada (6)

Próximo: Obra e entrada (8)

Quando ocorre um desastre, como nós, cristãos, devemos enfrentá-lo? Fique à vontade para nos contatar via WhatsApp, podemos explorar e encontrar caminhos juntos.
Entre em contato conosco pelo Messenger
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro