Aplicativo da Igreja de Deus Todo-Poderoso

Ouça a voz de Deus e dê as boas vindas ao retorno do Senhor Jesus!

Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

A Palavra manifesta em carne

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Busca por

Nenhum resultado encontrado

`

Obra e entrada (7)

Demorou até hoje para o homem perceber que o que lhe falta não é só o suprimento da vida espiritual e da experiência de conhecer Deus, mas as mudanças em seu caráter, o que é ainda mais importante. Devido à sua total ignorância sobre a história e a cultura antiga da humanidade, eles não têm o menor conhecimento da obra de Deus. O homem espera que, no fundo do coração, possa estar afeiçoado a Deus, mas devido à corrupção excessiva da carne humana, além do entorpecimento e da obtusidade, ele fica reduzido a não ter o menor conhecimento de Deus. Deus vem aos homens hoje com o propósito de transformar seus pensamentos e espíritos bem como a imagem divina no coração deles, que mantiveram por milhares de anos. Através dessa oportunidade, Ele fará o homem perfeito. Isto é, através do conhecimento humano Ele mudará a maneira como os homens chegam a conhecê-Lo e a sua atitude para com Ele, para que o conhecimento de Deus por parte deles possa começar de um novo começo, para que o coração deles seja assim renovado e transformado. Tratamento e disciplina são os meios, enquanto conquista e renovação são os objetivos. Dissipar os pensamentos supersticiosos que o homem reteve sobre o Deus vago sempre foi a intenção de Deus e recentemente se tornou uma questão de urgência para Ele. Eu espero que todas as pessoas pensem mais nisso. Mudem como cada pessoa experimenta de modo que essa intenção urgente de Deus possa ser concretizada em breve e para que a última etapa da obra de Deus na terra possa ser levada a uma conclusão frutífera. Mostrem sua lealdade como deveriam e confortem o coração de Deus pela última vez. Espero que nenhum dos irmãos e irmãs se esquive dessa responsabilidade ou simplesmente faça por fazer. Deus vem na carne desta vez a convite e à luz da condição do homem. Isto é, Ele vem suprir o homem com o que é necessário. Ele capacitará todos os homens, seja do calibre ou da educação que for, a ver a palavra de Deus e, de Sua palavra, ver a existência e a manifestação de Deus e a aceitar a perfeição deles por parte de Deus. Sua palavra mudará os pensamentos e as concepções humanas para que o verdadeiro semblante de Deus esteja firmemente enraizado nas profundezas do coração do homem. Esse é o único desejo de Deus na terra. Não importa o quanto a natureza do homem seja nobre, o quanto sua essência seja pobre, nem como o homem agiu no passado, Deus não presta atenção nisso. Ele só espera que o homem renove completamente a imagem de Deus que eles têm no coração e venha a conhecer a essência da humanidade, mudando assim a perspectiva ideológica do homem. Ele espera que o homem seja capaz de sentir uma ânsia profunda por Deus e de ter um eterno apego a Ele. Isso é tudo que Deus pede ao homem.

O conhecimento dos vários milhares de anos de cultura e história antigas tem isolado o pensamento, as concepções e as perspectivas mentais do homem em tal rigidez que se tornaram impenetráveis e irredutíveis. O homem vive no décimo oitavo nível do inferno, como se eles tivessem sido banidos por Deus para as masmorras, para nunca mais ver a luz. O pensamento feudal oprimiu o homem de tal forma que ele mal consegue respirar de tão sufocante. Eles não têm o mínimo poder de resistência e apenas suportam e sofrem em silêncio… Nunca alguém ousou lutar ou erguer-se pela retidão e pela justiça; eles simplesmente vivem uma vida não melhor que a de um animal, sob o abuso e o assalto dos senhores feudais, ano após ano, dia após dia. O homem nunca pensou em buscar Deus para desfrutar da felicidade na terra. É como se ele tivesse sido abatido, como as folhas caídas no outono, murchas e secas. Há muito tempo o homem perdeu a memória e vive impotente no inferno que se chama mundo humano, esperando a chegada do último dia para que eles possam perecer junto com o inferno, como se o último dia pelo qual anseiam fosse aquele em que desfrutarão da paz tranquila. A ética feudal tem levado a vida do homem ao “Hades”, de forma que o homem tem ainda menos capacidade de resistir. A opressão sob diferentes formas forçou o homem a cair cada vez mais fundo no Hades e a afastar-se cada vez mais de Deus. Agora Deus é um completo estranho para o homem, que se apressa em evitá-Lo quando se encontram. O homem não reconhece Deus e O isola como se jamais O tivesse visto ou conhecido. Deus tem esperado, ao longo da jornada da vida humana, sem jamais dirigir sua fúria incontrolável na direção do homem. Ele simplesmente permanece esperando em silêncio que o homem se arrependa e tenha um novo começo. Há muito tempo Deus veio ao mundo humano e suporta o mesmo sofrimento que o homem. Ele tem vivido com o homem por muitos anos, sem que ninguém descubra Sua existência. Deus tem aguentado em silêncio a miséria do mundo humano enquanto realiza a obra que Ele trouxe Consigo. Pela vontade do Deus Pai e pelas necessidades da humanidade, Ele tem suportado, sofrendo dores nunca antes experimentadas pelo homem. Diante dos homens, Ele os tem servido em silêncio e tem Se humilhado, tudo em nome da vontade do Deus Pai e das necessidades da humanidade. O conhecimento da cultura antiga silenciosamente roubou o homem da presença de Deus e fez com que ele se voltasse para o rei dos demônios e seus filhos. Os Quatro Livros e os Cinco Clássicos levaram as ideias e as concepções do homem para uma outra era de rebeldia, fazendo com que o homem idolatrasse cada vez mais os autores dos Livros e dos Clássicos, aprofundando assim suas noções de Deus. O rei dos demônios, sem piedade, expulsou Deus do coração do homem sem seu conhecimento, tomando de assalto, com alegria, o coração humano. Daí em diante o homem foi possuído por uma alma feia e perversa cujo rosto é o do rei dos demônios. O ódio por Deus preencheu o peito do homem e a malignidade do rei dos demônios se espalhou pela humanidade até consumir totalmente o homem. O homem já não tinha mais liberdade e era incapaz de se libertar do enrosco com o rei dos demônios. Portanto, cabia ao homem apenas permanecer no lugar e ser capturado, rendendo-se e sendo subjugado a ele. Há muito tempo o rei dos demônios plantou a semente do tumor do ateísmo dentro do jovem coração humano, ensinando falácias como “aprenda com a ciência e a tecnologia, realize as Quatro Modernizações, não existe Deus neste mundo”. Mas não só isso, ele também proclamou repetidamente: “Vamos construir uma bela terra natal através do labor diligente”, pedindo que todos estivessem preparados desde a infância para servir seu país. Inconscientemente, o homem foi levado para diante do rei dos demônios, que, sem hesitar, tomou para si todo o crédito (que se refere a Deus segurando toda a humanidade em Suas mãos). Ele jamais se sentiu envergonhado, jamais teve qualquer noção de vergonha. Além disso, sem nenhuma vergonha, ele capturou o povo de Deus em sua morada, quando pulou como um rato em cima da mesa, e fez com que esse povo o adorasse como Deus. Que bandido ele é! Ele proclama coisas chocantes e escandalosas, como: “Não existe Deus no mundo. O vento acontece por conta das leis da natureza; a chuva é umidade que se condensa e cai em forma de gotas na terra; um terremoto é um tremor na superfície da terra devido a transformações geológicas; a seca acontece por conta da secura na atmosfera causada por erupções nucleares na superfície do sol. Todos estes são fenômenos naturais. Qual parte deles é um ato de Deus?” Ele chega até a berrar,[a] sem nenhuma vergonha, declarações como estas: “O homem evoluiu de macacos ancestrais e o mundo de hoje progrediu a partir de uma sociedade primitiva de aproximadamente um bilhão de anos atrás. Se um país se desenvolve ou cai é decidido pelas mãos de seu povo”. Por trás, ele faz o homem pendurá-lo de cabeça para baixo na parede, colocando-o em mesas para ser venerado e louvado. Enquanto brada: “Não há Deus”, ele mesmo se considera Deus, empurrando, sem dó, Deus para fora das fronteiras da terra. Ele toma o lugar de Deus e age como o rei dos demônios. Um absurdo total! Ele faz com que o homem seja consumido por um ódio venenoso. Faz parecer que Deus é seu inimigo declarado, que Deus e ele são irreconciliáveis. Ele faz planos para expulsar Deus, enquanto ele permanece livre e sem punição.[1] Assim é o rei dos demônios! Como é que nós conseguimos tolerar a existência dele? Ele não descansará até ter interrompido a obra de Deus, deixando-a em pedaços e uma balbúrdia completa,[2] como se quisesse se opor a Deus até o fim, até que ou o peixe morra ou a rede se rompa. De caso pensado, ele se opõe a Deus e se aproxima cada vez mais. Sua face odiosa já foi há muito completamente desmascarada e agora tem feridas e machucados,[3] num apuro terrível; nem por isso ele esmorece no ódio por Deus, como se desejasse poder devorar Deus inteiramente, numa só bocada, para tentar aliviar o ódio que traz no coração. Como o toleramos, esse odiado inimigo de Deus? Só a sua erradicação e absoluta exterminação trarão um fim ao nosso desejo de vida. Como ele pode continuar correndo desenfreado? Ele corrompeu o homem a tal ponto que o homem já não conhece mais o sol celestial, tornando-se amortecido e obtuso. O homem perdeu a razão humana normal. Por que não sacrificar todo o nosso ser para destruir e queimá-lo a fim de eliminar o medo do perigo que permanece e permitir que a obra de Deus alcance o quanto antes um esplendor sem precedentes? Essa gangue de salafrários se colocou em meio ao homem e causou confusões e inquietudes tremendas. Eles levaram todos os homens à beira do precipício, planejando em segredo empurrar cada um deles para que se despedaçassem e para que pudessem devorar seus corpos. Eles desejam em vão atrapalhar o plano de Deus e competir com Deus em uma aposta precipitada.[4] Mas isso não é fácil mesmo! A cruz está preparada, afinal, para o rei dos demônios que é culpado dos crimes mais hediondos. Deus não pertence à cruz e já a deixou para o diabo. Há muito tempo Deus se ergueu vitorioso e já não sente o pesar dos pecados da humanidade. Deus irá trazer a salvação para toda a humanidade.

De cima a baixo e do começo ao fim, isso tem perturbado a obra de Deus e agido em discórdia com Ele. Toda a discussão em torno da herança cultural antiga, da valorização do conhecimento da cultura ancestral, dos ensinamentos do taoísmo e do confucianismo, os clássicos do confucianismo e os ritos feudais levaram o homem ao inferno. A ciência e a tecnologia avançadas dos dias de hoje, bem como a indústria, a agricultura e os negócios desenvolvidos não são vistos em lugar algum. Em vez disso, eles apenas enfatizam os ritos feudais propagados pelos “macacos” ancestrais para deliberadamente perturbar a obra de Deus, para opor-se a ela e destruí-la. Essas coisas não só afligem o homem até hoje, como também desejam consumir[5] o homem por completo. O ensinamento do código de ética feudal e transmissão do conhecimento da cultura antiga infectou o homem há muito tempo, transformando o homem em demônios maiores e menores. Existem poucas pessoas que receberiam Deus de braços abertos e que receberiam com alegria a vinda de Deus. A face do homem está repleta de assassinatos e em todo lugar a morte está no ar. Eles desejam expulsar Deus desta terra; com facas e espadas em punho, eles se organizam em formação de batalha para aniquilar a Deus. Há ídolos espalhados por toda a terra do diabo onde se ensina constantemente ao homem que não há Deus. Acima de tal terra permeia um odor nauseante de papel e incenso queimando, uma fumaça tão densa que chega a ser sufocante. Parece ser o cheiro do lodo que se ergue quando a serpente se retorce e se enrola, e é o suficiente para que o homem não consiga segurar o vômito. Também é possível ouvir fracamente os demônios malignos recitando as escrituras. É um som que parece vir das profundezas do inferno e o homem não consegue impedir um calafrio na espinha. Por toda a terra espalham-se ídolos de todas as cores do arco-íris, o que transforma a terra em um mundo confuso onde o rei dos demônios coloca um sorriso malicioso no rosto, como se seu plano maligno tivesse sido bem-sucedido. Entretanto, o homem permanece completamente alheio a tudo isso, sem saber que o diabo já o corrompeu a ponto de deixá-lo sem sentidos e derrotado. Ele deseja varrer Deus de uma só vez, deseja novamente insultá-Lo e assassiná-Lo, e tenta demolir e perturbar Sua obra. Como ele permitiria que Deus fosse de status igual? Como ele pode tolerar que Deus “interfira” na obra que ele faz dentre os homens na terra? Como ele pode permitir que Deus revele sua face odiosa? Como pode permitir que Deus perturbe sua obra? Como pode esse diabo, fumegando de raiva, permitir que Deus governe sua corte de poder na terra? Como ele poderia admitir a derrota voluntariamente? Seu semblante odioso foi revelado como realmente é, a ponto de deixar alguém sem saber se é para rir ou chorar, e do qual é verdadeiramente difícil falar. Essa não é a sua essência? Mesmo com uma alma feia ele ainda acredita que é incrivelmente belo. Ah, essa gangue de cúmplices! Eles descem entre os mortais para entregar-se aos prazeres e incitar a desordem. A perturbação deles causa a volubilidade do mundo[6] e traz pânico ao coração do homem; e eles tanto distorceram o homem que o homem agora se assemelha a bestas de feiura insuportável, sem possuir o menor traço do homem santo original. Eles desejam até assumir o poder como tiranos na terra. Impedem a obra de Deus de forma que ela mal possa seguir adiante e trancam o homem como se fosse atrás de paredes de bronze e aço. Depois de cometer tantos pecados e causar tantos problemas, como é que podem esperar qualquer outra coisa que não seja castigo? Os demônios e espíritos malignos têm existido enlouquecidamente na terra e isolado a vontade e o esforço meticuloso de Deus, tornando-os impenetráveis. Que pecado mortal! Como Deus poderia não Se sentir ansioso? Como Deus poderia não Se sentir furioso? Eles causam um obstáculo e uma oposição graves à obra de Deus. São rebeldes demais! Mesmo os demônios maiores e menores se tornam esnobes diante da força do demônio mais poderoso e começam a fazer ondas. Eles deliberadamente resistem à verdade, apesar de reconhecê-la com clareza. Filhos da rebelião! É como se, agora que seu rei do inferno ascendeu ao trono real, eles se tornassem presunçosos e tratassem todos os outros com desprezo. Quantos buscam a verdade e seguem a justiça? São todos bestas como porcos e cães, liderando uma gangue de moscas fedorentas em um monte de estrume para sacudir a cabeça e incitar a desordem.[7] Eles acreditam que seu rei do inferno é o mais superior dos reis, sem perceber que não passam de moscas na podridão. Não só isso, mas eles também fazem observações caluniosas contra a existência de Deus ao contar com os porcos e os cães de seus pais. As minúsculas moscas pensam que seus pais são tão grandes quanto uma baleia dentada.[8] Será que não percebem que são diminutas, ainda que esses pais sejam porcos e cães impuros um bilhão de vezes maiores que elas mesmas? Inconscientes da própria baixeza, as moscas correm desvairadas sobre o pútrido odor desses porcos e desses cães, e têm a ideia ilusória de procriar futuras gerações. Isto é absolutamente vergonhoso! Com asas verdes nas costas (algo que se refere à alegação delas de que acreditam em Deus), elas se tornam convencidas e por toda parte se gabam da própria beleza e atratividade, lançando secretamente suas impurezas sobre o homem. E elas são até presunçosas, como se um par de asas com as cores do arco-íris pudesse esconder as próprias impurezas; e assim elas perseguem a existência do Deus verdadeiro (isto se refere à história inerente do mundo religioso). Mal sabe o homem que, apesar de as asas da mosca serem belas e encantadoras, ela não passa de uma mosca minúscula cheia de sujeira e coberta de germes. Com a força de seus pais porcos e cães, elas correm ensandecidas pela terra (isto se refere aos oficiais religiosos que perseguem Deus com o argumento de ter o apoio massivo do país, traindo o verdadeiro Deus e a verdade) com avassaladora ferocidade. É como se os fantasmas dos fariseus judaicos tivessem retornado com Deus à nação do grande dragão vermelho, de volta para seu antigo ninho. Mais uma vez eles começaram a tarefa da perseguição, dando continuidade à tarefa que se estende por vários milhares de anos. Esse grupo de degenerados está condenado a perecer na terra, no fim! Parece que, depois de vários milênios, os espíritos impuros se tornaram ainda mais engenhosos e dissimulados. Eles sempre pensam em maneiras de sabotar secretamente a obra de Deus. Eles são ardilosos e sagazes e desejam reencenar na terra natal a mesma tragédia de vários milênios atrás. Isso quase incita Deus a soltar um grito em voz alta e Ele mal consegue Se impedir de voltar ao terceiro céu e aniquilá-los. Para que ame a Deus, o homem precisa compreender Sua vontade e Sua alegria e tristeza, bem como o que Ele abomina. Esse conhecimento servirá para promover a entrada do homem. Quanto mais rápida for a entrada do homem, tanto mais satisfeito estará o coração de Deus; quanto mais claro for o discernimento que o homem tem do rei dos demônios, tanto mais ele se aproximará de Deus, para que o desejo divino seja realizado.

Notas de rodapé:

1. “Ele permanece livre e sem punição” indica que o diabo fica furioso e enlouquecido.

2. “Uma balbúrdia completa” refere-se a como o comportamento violento do diabo é insuportável para as pessoas.

3. “Feridas e machucados” refere-se à cara feia do rei dos demônios.

4. “Uma aposta precipitada” é uma metáfora para as tramas insidiosas e sinistras do diabo. Aqui ela é usada de forma jocosa.

5. “Consumir” refere-se ao comportamento violento do rei dos demônios, que saqueia as pessoas por completo.

6. “Volubilidade do mundo” indica que, se alguém é rico e poderoso, muitos o bajulam; porém, quando alguém não tem dinheiro nem poder, muitos o ignoraram. Essa frase se refere à injustiça do mundo.

7. “Incitar a desordem” refere-se ao modo como as pessoas que são demoníacas agem sem controle, obstruindo a obra de Deus e se opondo a ela.

8. “Uma baleia dentada” é usada de forma jocosa. É uma metáfora sobre como as moscas são tão pequenas que porcos e cães parecem grandes como baleias para elas.

a. No texto original, lê-se: “Alguns chegam até a berrar”.

Anterior:Obra e entrada (6)

Próximo:Obra e entrada (8)

Coisas que talvez lhe interessem