Aplicativo da Igreja de Deus Todo-Poderoso

Ouça a voz de Deus e dê as boas vindas ao retorno do Senhor Jesus!

Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

A Palavra manifesta em carne

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Largura da página

0 resultados

Nenhum resultado encontrado

Capítulo 24 e 25

Sem uma leitura mais atenta, é impossível detectar alguma coisa nas declarações desses dois dias; de fato, elas deveriam ter sido faladas em um só dia, mas Deus as dividiu em dois dias. Isso quer dizer que as declarações desses dois dias formam um conjunto, mas para facilitar sua aceitação por parte das pessoas, Deus as dividiu em dois dias para dar às pessoas a chance de tomar fôlego. Tal é a consideração de Deus pelo homem. Em toda a obra de Deus, todas as pessoas exercem sua função e cumprem seu dever em seu próprio lugar. Não são só as pessoas com espírito de anjo que cooperam; aquelas com espírito de demônio também “cooperam”, como fazem todos os espíritos de Satanás. Nas declarações de Deus, veem-se a vontade de Deus e Suas exigências ao homem. As palavras “Meu castigo vem sobre a todas as pessoas, mas também permanece distante de todas as pessoas. A vida inteira de cada pessoa está cheia de amor e ódio por Mim” mostram que Deus usa o castigo para ameaçar todas as pessoas, levando-as a ganhar conhecimento Dele. Por causa da corrupção de Satanás e a fragilidade dos anjos, Deus emprega apenas palavras e não decretos administrativos para castigar as pessoas. Desde o tempo da criação até hoje, esse foi o princípio da obra de Deus em relação aos anjos e a todas as pessoas. Por serem de Deus, um dia os anjos certamente se tornarão as pessoas do reino de Deus e serão cuidados e protegidos por Deus. Todos os outros, entretanto, também serão classificados de acordo com o tipo, todos os variados espíritos maus de Satanás serão castigados e todos os que estão sem espírito serão governados pelos filhos de Deus e por Seu povo. Esse é o plano de Deus. Em consequência, Deus certa vez disse: “A chegada do Meu dia realmente é o momento da morte do homem? Poderia Eu realmente destruir o homem na hora em que Meu reino é formado?” Embora se trate de duas perguntas simples, elas constituem os preparativos de Deus para o destino de toda humanidade. Quando Deus chegar será o tempo em que “em todo o universo, as pessoas são pregadas à cruz de cabeça para baixo”. Esse é o objetivo de Deus aparecer a todas as pessoas, usando o castigo para fazê-las conhecer Sua existência. Como o tempo em que Deus descer sobre a terra será a era final e o período em que os países na terra estarão mais turbulentos, assim Deus diz: “Quando Eu desço à terra, ela está envolta em trevas e o homem está ‘adormecido’”. Em consequência, hoje não há mais que um punhado de pessoas capazes de conhecer o Deus encarnado, não há quase nenhuma. Porque agora é a era final, ninguém jamais conheceu verdadeiramente o Deus prático e as pessoas têm um conhecimento apenas superficial de Deus. E é por causa disso que as pessoas vivem em meio ao refinamento doloroso. Quando as pessoas deixam o refinamento também chega o momento em que começam a ser castigadas, é o tempo em que Deus aparece a todas as pessoas, de modo que possam contemplá-Lo pessoalmente. Por causa do Deus encarnado, as pessoas sofrem o desastre e são incapazes de se livrar – essa é a punição de Deus ao grande dragão vermelho e constitui Seu decreto administrativo. Quando o calor da primavera chega e as flores se abrem, quando tudo sob os céus se cobre de verde e todas as coisas sobre a terra estão no devido lugar, todas as pessoas e coisas deverão entrar gradualmente no castigo de Deus e, naquele tempo, toda a obra de Deus sobre a terra chegará ao fim. Deus não mais operará nem viverá na terra, porque a grande obra de Deus terá sido completada. As pessoas serão capazes de colocar de lado a sua carne durante esse breve período de tempo? Que coisas poderão cindir o amor entre o homem e Deus? Quem é capaz romper o amor entre o homem e Deus? Os pais, os maridos, as irmãs, as esposas ou o refinamento doloroso? As sensações de consciência poderão apagar a imagem de Deus de dentro do homem? O endividamento e as ações das pessoas umas para com as outras são provocadas por elas mesmas? Elas podem ser remediadas pelo homem? Quem é capaz de se proteger? As pessoas são capazes de suprir a si mesmas? Quem são as pessoas fortes na vida? Quem é capaz de Me abandonar e viver por sua conta? Por que Deus pede repetidamente que todas as pessoas realizem a obra de autorreflexão? Por que Deus diz “quem arranjou a dificuldade por suas próprias mãos?”

Presentemente há uma noite escura em todo o universo e as pessoas são torpes e estúpidas, mas os ponteiros das horas andam sempre para diante, os minutos e segundos não param e as revoluções da terra, do sol e da lua se aceleram. Em seus sentimentos, as pessoas creem que o dia não demora, como se seu último dia estivesse diante dos seus olhos. Incessantemente as pessoas preparam tudo para o tempo da sua morte, de modo que sirva a um propósito por ocasião de sua morte; se não fosse assim, elas teriam vivido em vão, e isso não seria lamentável? Quando aniquila o mundo, Deus começa com mudanças nos assuntos internos dos países, a partir dos quais ocorrem golpes; assim, Deus mobiliza o serviço de pessoas em todo o universo. A terra em que se encontra enrodilhado o grande dragão vermelho é uma zona de demonstração. Por ter sido despedaçado internamente e seus assuntos internos lançados no caos, cada qual faz o trabalho da autodefesa, preparando-se para fugir para a lua – mas como poderia fugir do domínio da mão de Deus? É exatamente como Deus disse que as pessoas vão “beber do seu próprio cálice amargo”. O tempo do conflito interno é precisamente aquele em que Deus parte da terra; Deus não continuará a permanecer no país do grande dragão vermelho e finalizará imediatamente Sua obra na terra. Pode-se dizer que o tempo voa e que não resta muito. Do tom das palavras de Deus se pode ver que Deus já pronunciou o destino de todos em todo o universo, que Ele nada mais tem a dizer aos remanescentes. É isso que Deus revela ao homem. É por causa do objetivo de Deus de criar o homem que Ele diz: “Aos Meus olhos, o homem é o soberano de todas as coisas. Não foi pouca a autoridade que lhe conferi, permitindo que ele gerenciasse todas as coisas na terra – a relva nas montanhas, os animais nas florestas e os peixes na água”. Quando criou o homem, Deus predeterminou que o homem seria o senhor de todas as coisas – contudo, o homem foi corrompido por Satanás e assim ele não consegue viver como gostaria. Isso levou ao mundo de hoje, no qual as pessoas não são diferentes de bestas e as montanhas se misturaram com os rios, resultando em que “Toda a sua vida é de angústia, correria e diversão acompanhada de vacuidade”. Porque a vida do homem não tem sentido e porque não foi esse o objetivo de Deus ao criar o homem, o mundo inteiro se tornou turvo. Quando Deus puser todo o universo em ordem, todas as pessoas começarão oficialmente a experimentar vida humana e só então suas vidas começarão a ter sentido. As pessoas começarão a fazer uso da autoridade dada a elas por Deus, começarão a se apresentar oficialmente diante de todas coisas como donas delas e aceitarão a orientação de Deus sobre a terra e não mais desobedecerão, mas obedecerão a Deus. As pessoas de hoje, no entanto, estão muito distantes disso. Tudo o que elas sempre fazem é “encher seus bolsos” por meio de Deus e assim Deus faz uma série de perguntas, tais como: “A obra que realizo no homem seria sem proveito para ele?” Se Deus não fizesse essas perguntas, nada aconteceria; mas quando Ele pergunta tais coisas, algumas pessoas não conseguem ficar firmes, porque há dívida em suas consciências e não são unicamente para Deus, mas para si mesmas. A totalidade de cada coisa está vazia; por conseguinte, essas pessoas e “pessoas de toda religião, esfera da sociedade, nação e denominação, todas elas conhecem o vazio na terra e todas elas Me buscam e aguardam Meu retorno”. Todas as pessoas anseiam pelo retorno de Deus, para que Ele possa dar um fim à velha era vazia, mas elas também temem cair em desastre. Todo o mundo religioso imediatamente ficará desolado e será negligenciado por todos; falta-lhes realidade e perceberão que sua crença em Deus é vaga e abstrata. As pessoas de cada esfera da sociedade também se dispersarão e toda nação e denominação começará a ficar tumultuada. Em suma, a regularidade de todas as coisas será rompida, tudo perderá sua normalidade e assim as pessoas inclusive revelarão sua verdadeira face. Por isso Deus diz: “Muitas foram as vezes que clamei ao homem, mas alguma vez alguém sentiu compaixão? Alguém alguma vez viveu em humanidade? O homem pode até viver na carne, mas ele não tem humanidade. Terá ele nascido no reino animal?” A mudança também está acontecendo entre os homens e por causa dessa mudança cada qual é classificado de acordo com o tipo. Essa é a obra de Deus durante os últimos dias e esse é o efeito a ser obtido pela obra dos últimos dias. Quanto mais claramente Deus fala da essência do homem, tanto mais fica provado que o fim de Sua obra está se aproximando e, além disso, que Deus está mais oculto das pessoas, o que faz com que se sintam mais desconcertadas. Quanto menos as pessoas observam a vontade de Deus, tanto menor é a atenção que prestam à obra que Deus faz nos últimos dias; isso faz com que parem de interrompê-la e, em consequência, Deus realiza a obra que pretende realizar quando ninguém está prestando atenção. Esse é um dos princípios da obra de Deus no decorrer das eras. Quanto menos Ele leva em consideração as debilidades das pessoas, tanto mais evidente fica que a divindade de Deus está mais aparente e que, portanto, o dia de Deus se aproxima.

Anterior:Capítulo 22 e 23

Próximo:Capítulo 26

Coisas que talvez lhe interessem