Aplicativo da Igreja de Deus Todo-Poderoso

Ouça a voz de Deus e dê as boas vindas ao retorno do Senhor Jesus!

Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

A Palavra manifesta em carne

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Busca por

Nenhum resultado encontrado

`

Concernente à Bíblia (2)

A Bíblia também é chamada de Antigo e Novo Testamento. Vocês sabem a que “testamento” se refere? O “testamento” no Antigo Testamento vem da aliança de Jeová com o povo de Israel quando Ele matou os egípcios e salvou os israelitas de faraó. Naturalmente, a prova dessa aliança era o sangue do cordeiro manchado nas vergas, por meio do qual Deus estabeleceu uma aliança com o homem, em que se dizia que todos os que tinham sangue de cordeiro no topo e nos lados da ombreira da porta eram israelitas, o povo escolhido de Deus, e todos seriam poupados por Jeová (pois Jeová estava prestes a matar todos os filhos primogênitos do Egito e primogênitos das ovelhas e do gado). Essa aliança tem dois níveis de significado. Nenhuma pessoa ou gado do Egito seria libertado por Jeová; Ele mataria todos os seus filhos primogênitos e os primogênitos de ovelhas e gado. Assim, em muitos livros de profecia, foi predito que os egípcios seriam severamente castigados como resultado da aliança de Jeová. Esse é o primeiro nível de significado. Jeová matou os filhos primogênitos do Egito e os primogênitos de todo o seu gado, e poupou a todos os israelitas, o que significava que todos os que eram da terra de Israel eram valorizados por Jeová e todos seriam poupados; Ele desejava fazer uma obra de longa duração neles e estabeleceu a aliança com eles usando sangue de cordeiro. A partir de então, Jeová não mataria os israelitas e disse que eles seriam para sempre os Seus escolhidos. Entre as doze tribos de Israel, Ele iria embarcar em Sua obra para toda a Era da Lei, Ele abriria todas as Suas leis para os israelitas, escolheria entre eles profetas e juízes, e eles estariam no centro de Sua obra. Ele fez uma aliança com eles: a menos que a era mudasse, Ele operaria apenas entre os escolhidos. A aliança de Jeová era imutável, porque foi feita em sangue e estabelecida com o povo escolhido Dele. Mais importante, Ele havia escolhido um escopo e um alvo apropriados, por meio dos quais embarcou em Sua obra para toda a era, e assim, as pessoas viram a aliança como muito importante. Esse é o segundo nível de significado da aliança. Com exceção do Gênesis, que ocorreu antes do estabelecimento da aliança, todos os outros livros do Antigo Testamento registram a obra entre os israelitas após o estabelecimento da aliança. É claro que existem relatos ocasionais dos gentios, mas no geral, o Antigo Testamento documenta a obra de Deus em Israel. Por causa da aliança de Jeová com os israelitas, os livros escritos durante a Era da Lei são chamados de “Antigo Testamento”. Eles têm o nome da aliança de Jeová com os israelitas.

O Novo Testamento recebeu o nome do sangue derramado por Jesus na cruz e Sua aliança com todos aqueles que creram Nele. A aliança de Jesus foi essa: as pessoas tinham, apenas, que crer Nele para que seus pecados fossem perdoados por Seu derramamento de sangue, e assim, seriam salvas e renasceriam por meio Dele, e não mais seriam pecadoras; as pessoas tinham, apenas, que crer Nele para receber Sua graça e não sofreriam no inferno depois que morressem. Todos os livros escritos durante a Era da Graça vieram depois dessa aliança, e todos eles documentam a obra e as declarações contidas nela. Eles não vão além da salvação da crucificação do Senhor Jesus ou da aliança; todos eles são livros escritos pelos irmãos no Senhor, que tiveram experiências. Assim, esses livros também recebem o nome de uma aliança: Eles são chamados de Novo Testamento. Esses dois testamentos incluem apenas a Era da Graça e a Era da Lei e não têm conexão com a era final. Assim, a Bíblia não é de grande utilidade para o povo dos últimos dias hoje. No máximo, serve como uma referência provisória, mas basicamente tem pouco valor de uso. No entanto, as pessoas religiosas ainda a valorizam muito. Elas não conhecem a Bíblia; sabem apenas como explicar a Bíblia e estão fundamentalmente inconscientes de suas origens. A atitude delas em relação à Bíblia é: tudo na Bíblia está correto, não contém imprecisões ou erros. Depois disso, eles começam a estudá-la. Porque elas primeiro determinaram que a Bíblia está certa, e não contém erros, elas a estudam e examinam com grande interesse. O estágio da obra de hoje não foi previsto na Bíblia. Nunca houve menção à obra de conquista no mais escuro de todos os lugares, porque esta é a obra mais recente. Como a era da obra é diferente, até o Próprio Jesus não sabia que esse estágio da obra seria feito nos últimos dias – e, assim, como as pessoas dos últimos dias poderiam examinar para descobrir esse estágio da obra?

A maioria daqueles que explicam a Bíblia empregam inferência lógica e não têm antecedentes reais. Eles meramente empregam a lógica para inferir muitas coisas. Ano após ano, ninguém se atreveu a dissecar a Bíblia, ou dizer “não” à Bíblia, porque esse livro é o livro sagrado, e as pessoas o adoram como Deus. Isso já dura vários milhares de anos. Deus não prestou atenção e ninguém descobriu a história interna da Bíblia. Dizemos que valorizar a Bíblia é adoração de ídolos, mas nenhum desses crentes devotos ousa vê-la assim, e dirão a você: “Irmão! Não diga isso, é horrível! Como você poderia blasfemar contra Deus?” Em seguida, eles adotarão uma expressão de dor: “Misericordioso Jesus, Senhor da salvação, eu Te imploro que perdoes seus pecados, pois Tu és o Senhor que ama o homem, e todos pecamos, por favor, mostre-nos grande compaixão, amém”. Você vê como eles são piedosos; como poderia ser fácil para eles aceitarem a verdade? O fato de você dizer isso vai aterrorizá-los. Ninguém ousaria pensar que a Bíblia poderia estar contaminada com ideias humanas e concepções humanas, e ninguém pode ver essa falha. Parte do que está na Bíblia é experiência e conhecimento humanos, parte é o esclarecimento do Espírito Santo, e há também a adulteração do intelecto e pensamento humanos. Deus nunca interferiu nessas coisas, mas há um limite: elas não podem exceder o pensamento das pessoas normais e, se o fazem, estão interferindo e interrompendo a obra de Deus. Aquilo que excede o pensamento das pessoas normais é a obra de Satanás, pois isso priva as pessoas do seu dever, é obra de Satanás e dirigido por Satanás, e nesse momento o Espírito Santo não permitirá que você aja dessa maneira. Às vezes, alguns irmãos e irmãs perguntam: “Posso trabalhar de tal e tal maneira?” Eu olho para a sua estatura e digo: “Pode!” Há também algumas pessoas que dizem: “Se eu trabalhar de tal e tal maneira, meu estado é normal?” E Eu digo: “Sim! É normal, especialmente normal!” Outros dizem: “Posso trabalhar dessa maneira?” E Eu digo: “Não!” Eles dizem: “Por que eles podem e eu não?” E Eu digo: “Porque o que você está fazendo vem de Satanás, perturba, e a fonte de suas motivações é destorcida”. Há também, momentos em que a obra não foi longe o suficiente e os irmãos e irmãs não sabem. Alguns Me perguntam se não há problema em trabalhar dessa maneira e, quando vejo que suas ações não interrompem a obra do futuro, digo: “Tudo bem”. A obra do Espírito Santo dá às pessoas um escopo; as pessoas não têm que seguir os desejos do Espírito Santo ao pé da letra, pois são dotadas de pensamentos e fraquezas normais e têm algumas necessidades carnais, elas têm problemas reais, e na mente delas há pensamentos que elas basicamente não conseguem controlar. Tudo o que peço às pessoas tem um limite. Alguns acreditam que Minhas palavras sejam ambíguas, que estou lhes dizendo para agir de qualquer maneira – isso é porque você não entende que há um escopo adequado para as Minhas exigências. Se fosse como você imagina, se Eu fizesse as mesmas exigências para todas as pessoas, sem exceção, e exigisse que todos atingissem a mesma estatura – então, isso não funcionaria. É pedir o impossível, e é o princípio da obra humana, não da obra de Deus. A obra de Deus é realizada de acordo com as circunstâncias reais das pessoas e baseia-se no seu calibre inato. Esse também é o princípio para espalhar o evangelho: você deve prosseguir devagar, deixando a natureza seguir seu curso, até que você diga claramente a verdade para alguém. Só então eles entenderão e só então conseguirão pôr a Bíblia de lado. Se Deus não fizer esse estágio da obra, quem seria capaz de romper as convenções? Quem seria capaz de fazer a nova obra? Quem seria capaz de encontrar um novo caminho fora da Bíblia? Como as concepções tradicionais e a ética feudal das pessoas são tão graves, elas não têm a capacidade de livrar-se dessas coisas sozinhas, nem têm coragem de fazê-lo. Isso, para não dizer como as pessoas de hoje têm sido apreendidas por algumas palavras mortas na Bíblia, palavras que tomaram posse do coração delas. Como poderiam estar dispostas a desistir da Bíblia? Como poderiam tão facilmente aceitar um caminho que está fora da Bíblia? Isso é assim, a menos que você possa falar claramente da história interna da Bíblia e dos princípios da obra do Espírito Santo, de modo que todas as pessoas estejam completamente convencidas – o que é de extrema necessidade. Isso acontece porque todos dentro da religião veneram a Bíblia e a adoram como Deus, eles também tentam constranger Deus dentro da Bíblia, e até mesmo o caso de que eles só alcançam seus objetivos uma vez que preguem a Deus na cruz mais uma vez.

Anterior:Concernente à Bíblia (1)

Próximo:Concernente à Bíblia (3)

Coisas que talvez lhe interessem