O Próprio Deus, o Único IX

Deus é a fonte da vida para todas as coisas (III)

Neste período de tempo, falamos sobre muitas coisas relacionadas a conhecer a Deus e, recentemente, falamos sobre um tópico relacionado a isso e que é de grande importância. Qual é o tópico? (Deus é a fonte da vida para todas as coisas.) Parece que os pontos e o tema sobre os quais falei impressionaram claramente a todos. Da última vez, falamos sobre alguns aspectos do ambiente para a sobrevivência que Deus criou para a humanidade, bem como os muitos tipos de sustento necessários para as pessoas viverem, que Deus preparou para a humanidade. Na realidade, o que Deus faz não se limita a preparar um ambiente para a sobrevivência das pessoas nem a preparar o sustento diário delas. Antes consiste em completar muita obra misteriosa e necessária que envolve muitas facestas e aspectos diferentes para a sobrevivência das pessoas e para a vida da humanidade. Tudo isso são feitos de Deus. Esses feitos de Deus não estão apenas limitadas à Sua preparação de um ambiente para a sobrevivência das pessoas e seu sustento diário — elas têm um escopo muito mais amplo do que isso. Além desses dois tipos de obra, Ele também prepara muitos ambientes e condições de sobrevivência que são necessários para o homem viver. Esse é o tópico que vamos discutir hoje. Ele também está relacionado aos feitos de Deus; caso contrário, não faria sentido falar sobre isso aqui. Se as pessoas desejam conhecer a Deus, mas só têm um entendimento literal de “Deus” como palavra ou de vários aspectos daquilo que Deus tem e é, isso não é um entendimento verdadeiro. Qual, então, é a senda para o conhecimento de Deus? É vir a conhecê-Lo por meio de Seus feitos e vir a conhecê-Lo em todos os Seus muitos aspectos. Então devemos ter comunhão adicional sobre o tema dos feitos de Deus na época em que Ele criou todas as coisas.

Desde que Deus as criou todas as coisas, elas têm funcionado e continuado a progredir de maneira ordenada e de acordo com as leis que Ele prescreveu. Sob Seu olhar fixo, sob Seu governo, a humanidade tem sobrevivido, ao mesmo tempo em que todas as coisas têm se desenvolvido de maneira ordenada. Não existe nada que possa mudar ou destruir essas leis. É por causa do governo de Deus que todos os seres podem se multiplicar, e é por causa de Seu governo e gerenciamento que todos os seres podem sobreviver. Ou seja, sob o governo de Deus, todos os seres vêm a existir, prosperam, desaparecem e reencarnam de maneira ordenada. Quando a primavera chega, o chuvisco traz aquela sensação de estação fresca e molha a terra. O terreno começa a descongelar, e a grama abre caminho através do solo e começa a brotar, enquanto as árvores gradualmente se tornam verdes. Todos esses seres vivos trazem vitalidade fresca à terra. Essa é a visão quando todos os seres vêm à existência e prosperam. Todos os tipos de animais saem de sua toca para sentir o calor da primavera e começar um novo ano. Todos os seres se deliciam no calor durante o verão e desfrutam a quentura trazida pela estação. Eles crescem rápido. Árvores, grama e todos os tipos de plantas estão crescendo com grande rapidez, até finalmente florescerem e produzirem frutos. Todos os seres estão ocupados durante o verão, inclusive os humanos. No outono, a chuva traz o frescor outonal, e todos os tipos de seres vivos começam a sentir a chegada da estação da colheita. Todos os seres produzem frutos, e os humanos começam a colher esses vários tipos de frutos para que tenham alimento em preparo para o inverno. No inverno, todos os seres começam gradualmente a se acalmar em quietude e a descansar na medida em que o tempo frio se estabelece, e as pessoas também fazem uma pausa durante essa estação. De estação a estação, passando da primavera para o verão, parao outono, para o inverno — todas essas mudanças ocorrem de acordo com as leis estabelecidas por Deus. Ele conduz todas as coisas e a humanidade usando essas leis e criou para a humanidade um rico e colorido estilo de vida, preparando um ambiente para a sobrevivência que tem temperaturas e estações variáveis. Logo, dentro desse tipo de ambiente ordenado para a sobrevivência, os humanos podem sobreviver e se multiplicar de maneira ordenada. Os humanos não podem mudar essas leis e nenhuma pessoa nem ser pode infringi-las. Embora tenham ocorrido incontáveis mudanças — mares se transformaram em campos, enquanto campos se transformaram em mares — essas leis continuam a existir. Elas existem porque Deus existe e por causa do governo de Deus e de Seu gerenciamento. Com esse tipo de ambiente ordenado em grande escala, a vida das pessoas procede dentro dessas leis e regras. Sob essas leis, geração após geração de pessoas foram criadas, e geração após geração de pessoas sobreviveram sob elas. As pessoas desfrutaram desse ambiente ordenado para a sobrevivência, assim como todas as muitas coisas criadas por Deus, geração após geração. Mesmo que as pessoas sintam que esses tipos de leis sejam inatos e, desdenhosamente, as têm como certas, e mesmo que não possam sentir que Deus está orquestrando essas leis, que Deus está governando sobre essas leis, independentemente de qualquer coisa, Deus está sempre engajado nessa obra imutável. Seu propósito nessa obra imutável é a sobrevivência da humanidade e para que a humanidade possa continuar vivendo.

Deus estabelece limites para todas as coisas a fim de nutrir toda a humanidade

Hoje, vou falar sobre o tópico de como é que esses tipos de leis que Deus trouxe para todos as coisas nutrem toda a humanidade. Esse é um tópico um tanto amplo, então podemos dividi-lo em várias partes e discuti-las uma por vez, para que elas possam ser claramente delineadas para vocês. Assim, será mais fácil para vocês compreenderem, e vocês podem entendê-lo gradualmente.

Comecemos então com a primeira parte. Quando Deus criou todas as coisas, Ele traçou limites para montanhas, planícies, desertos, colinas, rios e lagos. Na terra há montanhas, planícies, desertos e colinas, bem como vários corpos d’água. Esses constituem diferentes tipos de terrenos, não? Entre eles, Deus traçou limites. Quando falamos em traçar limites, isso significa que as montanhas têm seus delineamentos, as planícies têm seus próprios delineamentos, os desertos têm certo limite, e as colinas têm uma área fixa. Também há uma quantidade fixa de corpos d’água como rios e lagos. Ou seja, quando Deus criou todas as coisas, Ele dividiu tudo muito claramente. Deus já determinou quantos quilômetros de raio qualquer montanha deve ter e qual é o seu escopo. Ele também determinou quantos quilômetros de raio uma planície deve ter e qual é o seu escopo. Ao criar todas as coisas, Ele também determinou os limites do deserto, bem como a extensão das colinas e suas proporções e pelo que são contornadas — tudo isso foi determinado por Ele. Ele determinou a extensão de rios e lagos durante o ato de criá-los — todos eles têm seu limite. Então, o que significa quando falamos sobre “limites”? Nós acabamos de falar sobre como Deus governa sobre todas as coisas estabelecendo leis para todas as coisas. Isto é, a extensão e os limites das montanhas não aumentarão nem diminuirão por causa da rotação da terra ou do passar do tempo. Eles são imutáveis, e é Deus quem dita sua imutabilidade. Quanto às áreas das planícies, qual é a extensão delas, o que as limita — isso foi estabelecido por Deus. Elas têm seus limites e, assim sendo, seria impossível que uma pilha de terra surgisse por acaso do solo de uma planície. A planície não pode, de repente, se transformar em uma montanha — isso seria impossível. Esse é o significado das leis e dos limites sobre os quais acabamos de falar. Quanto aos desertos, não mencionaremos as funções específicas do deserto nem de qualquer outro tipo de terreno ou localização geográfica aqui, apenas seus limites. Sob o governo de Deus, os limites do deserto também não expandirão. Isso porque Deus lhe deu a sua lei, seus limites. Quão grande é a sua área e qual é a sua função, o que o demarca e onde ele está localizado — isso já foi estabelecido por Deus. Ele não excederá seus limites nem mudará sua posição, e sua área não expandirá aleatoriamentea. Embora os fluxos de águas como rios e lagos sejam todos ordenados e contínuos, eles nunca sairão de sua extensão nem de seus limites. Todos eles fluem em uma direção, na direção em que devem fluir de maneira ordenada. Então, sob as leis do governo de Deus, nenhum rio ou lago secará arbitrariamente nem mudará arbitrariamente a direção ou o volume de seu fluxo devido à rotação da terra ou ao passar do tempo. Tudo isso está dentro do controle de Deus. Isso quer dizer que todas as coisas criadas por Deus no meio dessa humanidade têm seus lugares, áreas e limites estabelecidos. Ou seja, quando Deus criou todas as coisas, seus limites foram estabelecidos, e eles não podem ser arbitrariamente alterados, renovados ou mudados. O que significa “arbitrariamente”? Significa que a forma original deles não será alterada, aumentada nem mudada aleatoriamente devido ao clima, à temperatura ou à velocidade de rotação da terra. Por exemplo, uma montanha tem certa altura, sua base possui certa área, ela tem certa elevação e certo volume de vegetação. Isso tudo é planejado e calculado por Deus e não será mudado de forma arbitrária. Quanto às planícies, a maioria dos humanos reside nelas, e nenhuma alteração no clima impactará sua área ou o valor de sua existência. Nem mesmo as coisas contidas nesses vários terrenos e ambientes geográficos que foram criados por Deus serão arbitrariamente mudadas. Por exemplo, a composição do deserto, os tipos de depósitos minerais subterrâneos, a quantidade de areia que um deserto contém e sua cor, a espessura do deserto — isso não mudará arbitrariamente. Por que é que não mudarão arbitrariamente? Por causa do governo de Deus e de Seu gerenciamento. Dentro de todos esses diferentes terrenos e ambientes geográficos criados por Deus, Ele está gerenciando tudo de maneira planejada e ordenada. Então, todos esses ambientes geográficos ainda existem e ainda estão exercendo susa funções milhares e até dezenas de milhares de anos após terem sido criados por Deus. Embora haja certos períodos em que vulcões entram em erupção e certos períodos em que ocorram terremotos e haja importantes deslocamentos da terra, Deus absolutamente não permitirá que nenhum tipo de terreno perca a sua função original. É apenas por causa desse gerenciamento de Deus, de Seu governo e controle sobre essas leis que tudo isso — tudo que é visto e desfrutado pela humanidade — pode sobreviver na terra de maneira ordenada. Então, por que Deus gerencia todos esses vários terrenos que existem na terra dessa maneira? Seu propósito é que as coisas vivas que sobrevivem em vários ambientes geográficos tenham um ambiente estável e que elas sejam capazes de continuar a viver e a se multiplicar dentro desse ambiente estável. Todas essas coisas — as que são móveis e as que são imóveis, aquelas que respiram por suas narinas e as que não — constituem um ambiente singular para a sobrevivência da humanidade. Somente esse tipo de ambiente é capaz de nutrir geração após geração de humanos, e somente esse tipo de ambiente pode permitir que humanos continuem a sobreviver pacificamente, geração após geração.

O tópico sobre o qual acabei de falar é um pouco amplo, então, talvez seja uma pouco distante de sua vida, mas confio que todos vocês conseguem entendê-lo, sim? Quer dizer, as leis de Deus em Seu domínio sobre todas as coisas são muito importantes — muito importantes de fato! Qual é a precondição para o crescimento de todos os seres sob essas leis? É por causa do governo de Deus. É por causa de Seu governo que todas as coisas exercem suas próprias funções dentro de Seu governo. Por exemplo, as montanhas nutrem as florestas, e as florestas, por sua vez, nutrem e protegem os vários pássaros e animais que vivem dentro delas. As planícies são uma plataforma preparada para humanos plantarem lavouras, bem como para vários pássaros e animais. Elas permitem que a maior parte da humanidade viva em terra plana e proveem conveniência na vida das pessoas. E as planícies também incluem as pradarias — enormes faixas de pradaria. As pradarias fornecem cobertura vegetal para o solo da terra. Elas protegem o solo e nutrem o gado, as ovelhas e os cavalos que vivem nas pradarias. O deserto também exerce sua própria função. Não é um lugar para os humanos viverem; seu papel é tornar mais secos os climas úmidos. Os fluxos dos rios e lagos trazem água potável para as pessoas de forma conveniente. Onde quer que eles fluam, as pessoas terão água para beber, e a necessidade de água que todas as coisas têm será convenientemente satisfeita. Esses são os limites traçados por Deus para os vários terrenos.

Por causa desses limites que Deus traçou, vários terrenos produziram diferentes ambientes para a sobrevivência, e esses ambientes para a sobrevivência têm sido convenientes para vários tipos de pássaros e animais e também lhes deram espaço para sobreviver. A partir disso, os limites dos ambientes para a sobrevivência dos vários seres vivos foram desenvolvidos. Essa é a segunda parte sobre a qual falaremos em seguida. Em primeiro lugar, onde os pássaros, os animais e os insetos vivem? Eles vivem em florestas e bosques? Esses são o seu lar. Então, além de estabelecer limites para os vários ambientes geográficos, Deus também traçou limites para os vários pássaros e animais, peixes, insetos e todas as plantas. Por causa das diferenças entre os vários ambientes geográficos e por causa da existência de diferentes ambientes geográficos, tipos diferentes de pássaros e animais, peixes, insetos e plantas têm ambientes diferentes para a sobrevivência. Os pássaros, os animais e os insetos vivem entre as várias plantas, os peixes vivem na água, e as plantas crescem na terra. A terra inclui várias zonas tais como montanhas, planícies e colinas. Uma vez que os pássaros e os animais tenham seu próprio lar estabelecido, eles não divagarão por aí, indo para qualquer lugar. Seu lar são as florestas e as montanhas. Se, um dia, seu lar fosse destruído, essa ordem seria atirada no caos. Tão logo a ordem é atirada no caos, quais são as consequências? Quem é o primeiro a ser ferido? (A humanidade.) É a humanidade. Dentro dessas leis e limites que Deus estabeleceu, vocês viram algum fenômeno peculiar? Por exemplo, elefantes caminhando no deserto. Vocês viram qualquer coisa parecida com isso? Se isso realmente acontecesse, seria um fenômeno muito estranho, pois elefantes vivem na floresta, e esse é o ambiente para a sobrevivência que Deus preparou para eles. Eles têm seu próprio ambiente para a sobrevivência e seu próprio lar estabelecido, então por que andariam às voltas por aí? Alguém viu leões ou tigres caminhando pelas praias do oceano? Não, vocês não viram? O lar dos leões e tigres é a floresta e as montanhas. Alguém viu as baleias ou os tubarões do oceano nadando através do deserto? Não, vocês não viram. Baleias e tubarões fazem sua moradia no oceano. No ambiente de vida dos seres humanos, existem pessoas que vivem junto a ursos pardos? Existem pessoas que estejam sempre cercadas de pavões ou outros pássaros, dentro e fora de suas casas? Alguém viu águias ou gansos selvagens brincando com macacos? (Não.) Esses seriam todos fenômenos peculiares. A razão pela qual falo dessas coisas que parecem tão peculiares a seus ouvidos é fazer com que vocês entendam que todas as coisas criadas por Deus — não importando se elas estão fixas em um lugar ou possam respirar por suas narinas — têm suas próprias leis para a sobrevivência. Muito antes de Deus criar esses seres vivos, Ele já havia preparado para eles seu próprio lar e seu próprio ambiente para a sobrevivência. Esses seres vivos tiveram seu próprio ambiente fixo para a sobrevivência, seu próprio alimento, seu próprio lar fixo, seu próprio lugar fixo adequado à sua sobrevivência, lugares com temperaturas adequadas à sua sobrevivência. Assim, eles não vagariam de nenhuma forma, nem prejudicariam a sobrevivência da humanidade, nem impactariam a vida das pessoas. É assim que Deus gerencia todas as coisas, provendo para a humanidade o melhor ambiente para a sobrevivência. Os seres vivos dentro de todas as coisas têm seu próprio alimento sustentador da vida dentro de seu próprio ambiente para a sobrevivência. Com esse alimento, eles estão ligadas ao seu ambiente nativo para a sobrevivência. Nesse tipo de ambiente, eles continuam a sobreviver, a se multiplicar e a avançar de acordo com as leis que Deus estabeleceu para eles. Por causa desses tipos de leis, por causa da predestinação de Deus, todas as coisas vivem em harmonia com a humanidade, e a humanidade coexiste junta em interdependência com todas as coisas.

Deus criou todas as coisas e estabeleceu limites para elas; dentre elas, Ele nutriu todos os tipos de seres vivos. Enquanto isso, Ele também preparou diferentes meios de sobrevivência para a humanidade, então, você pode ver que seres humanos não têm apenas uma maneira de sobreviver nem têm apenas um tipo de ambiente para a sobrevivência. Falamos anteriormente sobre Deus preparar vários tipos de alimento e fontes de água para os humanos, o que é crucial para permitir que a vida da humanidade na carne prossiga. No entanto, entre essa humanidade, nem todas as pessoas subsistem de grãos. As pessoas têm diferentes meios de sobrevivência devido a diferenças nos ambientes e terrenos geográficos. Todos esses meios de sobrevivência foram preparados por Deus. Então, nem todos os humanos estão primordialmente engajados em agricultura. Isto é, nem todas as pessoas obtêm seu alimento da cultura agrícola. Essa é a terceira parte sobre a qual falaremos: limites têm surgido devido aos vários estilos de vida da humanidade. Então, que outros tipos de estilos de vida os seres humanos têm? Em termos de fontes de alimento diferentes, que outros tipos de pessoas existem? Há vários tipos primários.

O primeiro é um estilo de vida de caça. Todos sabem o que é isso. O que comem as pessoas que vivem da caça? (Caça.) Elas comem os pássaros e os animais da floresta. “Caça” é uma palavra moderna. Os caçadores não pensam nisso como caça; eles pensam nisso como alimento, como o seu sustento diário. Por exemplo, eles pegam um cervo. Quando pegam esse cervo, é como um fazendeiro que obtêm comida do solo. Um fazendeiro obtêm comida do solo e, quando vê sua comida, ele fica feliz e tranquilo. A família não passará fome com colheitas para comer. O coração do fazendeiro fica livre de ansiedade, e ele se sente satisfeito. Um caçador também se sente tranquilo e satisfeito quando vê o que pegou porque ele não precisa mais se preocupar com alimento. Há algo para comer na próxima refeição, não é preciso passar fome. Isso é alguém que caça para viver. A maioria daqueles que subsistem da caça vive nas florestas das montanhas. Eles não cultivam. Não é fácil encontrar terra arável ali, então eles sobrevivem de várias coisas vivas, de vários tipos de presa. Esse é o primeiro tipo de estilo de vida que é diferente do das pessoas comuns.

O segundo tipo é a maneira de viver do pastor. As pessoas que pastoreiam animais para viver também cultivam a terra? (Não.) Então, o que fazem? Como é que elas vivem? (Na maioria, elas pastoreiam gado e ovelhas para viver e, no inverno, abatem e comem seu rebanho. Sua comida básica é carne bovina e de carneiro, e eles bebem chá com leite. Embora os pastores de rebanhos estejam ocupados em todas as quatro estações, eles comem bem. Têm abundância de leite, laticínios e carne.) As pessoas que pastoreiam animais para viver comem principalmente carne bovina e de carneiro, tomam leite de ovelhas e de vacas e montam em bois e cavalos para pastorear seus animais no campo com o vento nos cabelos e o sol no rosto. Eles não enfrentam o estresse da vida moderna. Eles olham o dia todo para as amplas extensões de céu azul e planícies verdejantes. A maioria das pessoas que subsiste de pastoreio mora nas pradarias e tem sido capaz de continuar seu estilo de vida nômade por gerações. Embora a vida nas pradarias seja um pouco solitária, é também uma vida muito feliz. Não é um estilo de vida ruim!

O terceiro tipo é o estilo de vida de pesca. Uma pequena porção da humanidade vive à beira do mar ou em pequenas ilhas. Eles estão cercados pela água, de frente para o oceano. Essas pessoas pescam para viver. Qual é a fonte de alimento para aqueles que pescam para viver? Suas fontes de alimento incluem todos os tipos de peixes, frutos do mar e outros produtos marinhos. As pessoas que pescam para viver não cultivam a terra, mas, em vez disso, elas passam todos os dias pescando. Seu alimento básico consiste em vários tipos de peixes e produtos do mar. Ocasionalmente, elas trocam essas coisas por arroz, farinha e necessidades diárias. Esse estilo de vida das pessoas que vivem perto da água é diferente. Vivendo próximas à água, elas dependem dela para seu alimento e ganham seu sustento com a pesca. A pesca lhes dá não só uma fonte de alimento, mas também um meio de subsistência.

Além da agricultura, a humanidade vive principalmente de acordo com as três maneiras de viver mencionadas acima. No entanto, a maioria das pessoas vive da agricultura, sendo que apenas poucos grupos de pessoas vivem do pastoreio de animais, da pesca e da caça. E de que as pessoas que vivem da agricultura precisam? Elas precisam é de terra. Geração após geração, elas vivem plantando a terra e, quer plantem legumes, frutas ou grãos, é da terra que elas obtêm seu alimento e as suas necessidades diárias.

Quais são as condições básicas subjacentes a esses diferentes estilos de vida humanos? Não é absolutamente necessário que os ambientes em que eles são capazes de sobreviver sejam preservados num nível básico? Isto é, se aqueles que vivem da caça perdessem as florestas das montanhas ou os pássaros e os animais, a fonte de sua subsistência teria desaparecido. A direção em que essa etnia e esse tipo de pessoas deveriam seguir se tornaria incerta, e eles poderiam até desaparecer. E o que dizer daqueles que pastoreiam animais para sua subsistência? De que eles dependem? Aquilo de que eles realmente dependem não é o rebanho, mas o ambiente em que seu rebanho é capaz de sobreviver — as pradarias. Se não houvesse pradarias, onde os pastores levariam seu rebanho para pastar? O que o gado e as ovelhas comeriam? Sem o rebanho, esses povos nômades não teriam subsistência. Sem uma fonte de subsistência, para onde esses povos iriam? Continuar a sobreviver se tornaria muito difícil para eles; eles não teriam futuro. Sem fontes de água e com os rios e os lagos totalmente secos. todos aqueles peixes, que dependem da água para viver, ainda existiriam? Eles não existiriam. Essas pessoas que debendem da água e do peixe para subsistir continuariam a sobreviver? Quando deixam de ter alimento, quando perdem sua fonte de subsistência, esses povos não são capazes de continuar a sobreviver. Isto é, se qualquer etnia se deparasse com um problemas com sua subsistência ou sobrevivência, então essa etnia desapareceria da face da terra e seria extinta. E se aqueles que cultivam a terra para viver perdessem sua terra, se não conseguissem cultivar todos os tipos de plantas e obter seu alimento daquelas plantas, qual seria o resultado? Sem alimento, as pessoas não morreriam de fome? Se as pessoas morressem de fome, essa raça de seres humanos não seria exterminada? Então esse é o propósito de Deus ao manter os diferentes tipos de ambientes. Deus só tem um propósito ao manter os diferentes ambientes e ecossistemas e todos os diferentes seres vivos dentro deles — é nutrir todos os tipos de pessoas, nutrir pessoas que vivem em diferentes ambientes geográficos.

Se todas as coisas da criação perdessem suas próprias leis, eles deixariam de existir; se as leis de todas as coisas se perdessem, então os seres vivos dentre todas as coisas não seriam capazes de prosseguir. A humanidade também perderia seus ambientes dos quais depende para sobreviver. Se a humanidade perdesse tudo isso, ela não seria capaz de continuar a prosperar e a se multiplicar geração após geração como tem feito. A razão pela qual os seres humanos sobreviveram até agora é que Deus os supriu com todas as coisas da criação para nutri-los, para nutrir a humanidade de diferentes maneiras. É somente porque Deus nutre a humanidade de diferentes maneiras que ela sobreviveu até agora, até os dias atuais. Com um ambiente fixo para a sobrevivência que é favorável e em que as leis naturais se encontram em boa ordem, todos os diferentes tipos de pessoas na terra, todos os diferentes tipos de raça, podem sobreviver dentro de sua própria área prescrita. Ninguém pode ir além dessas áreas ou desses limites entre elas porque foi Deus quem os delineou. Por que Deus os delinearia limites dessa forma? Isso é uma questão de grande importância para toda a humanidade — de importância verdadeiramente grande! Deus delineou campo para cada tipo de ser vivo e fixou os meios de sobrevivência para cada tipo de ser humano. Ele também dividiu os diferentes tipos de pessoas e as diferentes raças na terra e estabeleceu um campo para eles. É isso que discutiremos em seguida.

Em quarto lugar, Deus traçou limites entre diferentes raças. Na terra há pessoas brancas, negras, pardas e amarelas. Esses são os diferentes tipos de pessoas. Deus também fixou um escopo para a vida desses diferentes tipos de pessoas e, sem estarem cientes disso, as pessoas vivem dentro de seu ambiente apropriado para a sobrevivência sob o gerenciamento de Deus. Ninguém pode fugir disso. Por exemplo, vamos considerar as pessoas brancas. Qual é a área geográfica na qual a maioria delas vive? A maioria vive na Europa e na América. A área geográfica na qual a maioria das pessoas negras vive principalmente é a África. As pessoas pardas vivem primariamente no sudeste e no sul da Ásia, em países tais como a Tailândia, Índia, Mianmar, Vietnã e Laos. As pessoas amarelas vivem principalmente na Ásia, isto é, em países como a China, o Japão e a Coreia do Sul. Deus distribuiu apropriadamente todos esses tipos diferentes de raças de modo que essas raças diferentes sedistribuem por diferentes partes do mundo. Nessas diferentes partes do mundo, há muito tempo, Deus preparou um ambiente adequado para a sobrevivência de cada raça diferente de seres humanos. Dentro desses ambientes de sobrevivência, Deus preparou para eles a solos de cor e composição diferentes. Em outras palavras, os componentes que compõem o corpo das pessoas brancas não são os mesmos que os que compõem os corpos das pessoas negras, e eles também são diferentes dos componentes que compõem o corpo das pessoas de outras raças. Quando Deus criou todas as coisas, Ele já havia preparado um ambiente para a sobrevivência daquela raça. Seu propósito ao fazer isso era que, quando aquele tipo de pessoa começasse a se multiplicar e aumentar em número, ele pudesse ser fixado dentro de determinada área. Antes de Deus criar os seres humanos, Ele já havia pensado em tudo — Ele reservaria a Europa e a América para as pessoas brancas para permitir que elas se desenvolvessem e sobrevivessem. Assim, quando Deus estava criando a terra, Ele já tinha um plano, Ele tinha um objetivo e um propósito ao colocar o que colocou naquele pedaço de terra e ao nutrir o que Ele nutriu naquele pedaço de terra. Por exemplo, Deus tinha preparado há muito tempo quais montanhas, quantas planícies, quantas fontes de água, que tipos de pássaros e animais, que peixes e que plantas estariam naquela terra. Ao preparar um ambiente para a sobrevivência para determinado tipo de seres humanos, para determinada raça, Deus precisou considerar muit questões sob todos os tipos de ângulos: o ambiente geográfico, a composição do solo, as diferentes espécies de pássaros e animais, o tamanho dos diferentes tipos de peixes, os componentes que compõem o corpo dos peixes, diferenças na qualidade da água, bem como todos os tipos diferentes de plantas… Deus havia preparado tudo isso muito tempo atrás. Esse tipo de ambiente é um ambiente para a sobrevivência que Deus criou e preparou para as pessoas brancas e que inerentemente lhes pertence. Vocês viram que, quando Deus criou todas as coisas, Ele pensou cuidadosamente e agiu com um plano? (Sim, vimos que as considerações de Deus para os vários tipos de pessoas foram muito ponderadas. Para o ambiente para a sobrevivência dos diferentes tipos de humanos, que tipos de pássaros e animais e peixes, quantas montanhas e quantas planícies Ele prepararia, Ele considerou isso com máxima atenção e precisão.) Tomem as pessoas brancas como exemplo. Que alimentos as pessoas brancas comem principalmente? Os alimentos que as pessoas brancas comem são muito diferentes dos alimentos que as pessoas asiáticas comem. Os alimentos básicos que as pessoas brancas comem consistem principalmente em carne, ovos, leite e aves. Grãos como pão e arroz geralmente são alimentos complementares que são colocados ao lado do prato. Até quando comem salada de vegetais, elas tendem a colocar alguns pedaços de carne ou frango assado nela, e mesmo quando comem algum alimento com base de trigo, eles tendem a adicionar queijo, ovos ou carne. Isto é, seus alimentos básicos não consistem primariamente em alimentos com base de trigo ou arroz; elas comem grandes quantidades de carne e queijo. Elas bebem água gelada com frequência porque os alimentos que comem contêm muitas calorias. Assim, as pessoas brancas são excepcionalmente robustas. Tais são a fonte de sua subsistência e o ambiente de vida preparados para elas por Deus, que lhes permite ter esse modo de vida, que é diferente do estilo de vida das pessoas de outras raças. Não existe certo ou errado nesse modo de vida — ele é inato, predestinado por Deus e resulta dos ditados de Deus e de Seus arranjos. O fato de essa raça ter esse modo de vida e essas fontes de subsistência se deve à sua raça e ao ambiente de sobrevivência preparado para ela por Deus. Você poderia dizer que o ambiente para a sobrevivência que Deus preparou para as pessoas brancas e o sustento diário que elas extraem desse ambiente são ricos e abundantes.

Deus também preparou os ambientes necessários para a sobrevivência de outras raças. Também existem as pessoas negras — onde elas estão localizadas? Elas estão localizadas principalmente no centro e no sul da África. O que Deus preparou para elas nesse tipo de ambiente para a vida? As florestas tropicais, todos os tipos de pássaros e animais, e também desertos e todos os tipos de plantas que vivem junto com as pessoas. Elas têm fontes de água, sua subsistência e alimento. Deus não foi tendencioso contra elas. Não importa o que já tenham feito, sua sobrevivência jamais foi um problema. Elas também ocupam um certo local e uma certa área numa parte do mundo.

Agora, vamos falar sobre as pessoas amarelas. As pessoas amarelas estão localizadas principalmente no Oriente. Quais são as diferenças entre os ambientes e posições geográficas do Oriente e do Ocidente? No Oriente, a maior parte da terra é fértil e rica em depósitos minerais e materiais. Isto é, todos os tipos de recursos acima e abaixo do solo são abundantes. E para esse grupo de pessoas, para essa raça, Deus também preparou o solo correspondente, o clima e os vários ambientes geográficos que são adequados a elas. Embora haja grandes diferenças entre esse ambiente geográfico e o ambiente no Ocidente, o alimento, a subsistência e as fontes de sobrevivência necessários também foram preparados por Deus. É apenas um ambiente para viver diferente daquele que as pessoas brancas têm no Ocidente. Mas, qual é a única coisa que preciso lhes dizer? O número de pessoas da raça oriental é relativamente alto, então Deus acrescentou muitos elementos àquela parte da terra que são diferentes dos do Oeste. Lá, Ele acrescentou muitas paisagens diferentes e todos os tipos de materiais abundantes. Lá, recursos naturais são muito abundantes; o terreno também é variado e diverso, adequado para nutrir um número enorme de pessoas da raça oriental. O que diferencia o Leste do Oeste é que, no Leste — de sul a norte, de leste a oeste — o clima é melhor do que no Oeste. As quatro estações são claramente distintas, as temperaturas são apropriadas, os recursos naturais são abundantes, e o cenário natural e os tipos de terreno são muito melhores do que no Oeste. Por que Deus fez isso? Deus criou um equilíbrio muito racional entre as pessoas brancas e as amarelas. O que isso significa? Significa que todos os aspectos do alimento das pessoas brancas, as coisas que elas usam e as coisas providenciadas para o seu desfrute são muito melhores do que o que as pessoas amarelas são capazes de usufruir. Entretanto, Deus não é tendencioso contra raça alguma. Deus deu às pessoas amarelas um ambiente para a sobrevivência mais bonito e melhor. Esse é o equilíbrio.

Deus preordenou quais tipos de pessoas vivessem em qual parte do mundo. Os humanos podem ultrapassar esses limites? (Não, não podem.) Que coisa maravilhosa! Mesmo que haja guerras ou invasões durante eras diferentes ou tempos extraordinários, essas guerras e invasões de forma alguma podem destruir os ambientes para a sobrevivência que Deus predestinou a cada raça. Isto é, Deus fixou um certo tipo de pessoas em determinada parte do mundo, e ele não pode ultrapassar desses limites. Mesmo que as pessoas tenham algum tipo de ambição para mudar ou expandir seu território, sem a permissão de Deus, é muito difícil alcançar isso. Será muito difícil serem bem-sucedidas. Por exemplo, as pessoas brancas queriam expandir seu território e colonizaram alguns outros países. Os alemães invadiram certos países, e, certa vez, a Inglaterra ocupou a Índia. Qual foi o resultado? No final, eles fracassaram. O que vemos a partir desse fracasso? O que Deus predestinou não se pode destruir. Então, não importa quão grande seja o impuslo que você possa ter visto na expansão da Grã-Bretanha, no final, eles ainda tiveram de se retirar, deixando a terra ainda pertencente à Índia. Aqueles que vivem naquela terra ainda são indianos, e não ingleses, pois Deus não permitiu. Alguns daqueles que pesquisam a história ou política forneceram teses sobre esse assunto. Eles apresentam razões para o fracasso da Grã-Bretanha, dizendo que poderia ser pelo fato de que uma certa etnia não pôde ser conquistada ou por alguma outra razão humana… Essas não são razões reais. A razão real é Deus — Ele não permitiu! Deus permite que uma etnia viva em determinado pedaço de terra e a estabelece ali e, se Deus não permitir que as pessoas se mudem daquela terra, elas nunca conseguirão se mudar. Se Deus atribui uma área definida a elas, elas viverão dentro dela. A humanidade não pode se libertar ou se desprender dessas áreas definidas. Isso é certo. Não importa quão grandes sejam as forças dos invasores ou quão fracos sejam aqueles que estão sendo invadidos, no final, cabe a Deus decidir sobre o sucesso dos invasores. Isso já foi predestinado por Ele, e ninguém pode mudar isso.

O acima exposto é como Deus distribuiu as várias raças. Que obra Deus fez para distribuir as raças? Primeiro, Ele preparou o ambiente geográfico em grande escala, alocando diferentes locais às pessoas, depois disso, geração após geração sobreviveram naqueles lugares. Isso está estabelecido — as áreas definidas para a sobrevivência delas está estabelecido. E sua vida, o que comem, o que bebem, sua subsistência — Deus há muito tempo estabeleceu tudo isso. E quando Deus estava criando todas as coisas, Ele fez diferentes preparativos para diferentes tipos de pessoas: há diferentes composições de solo, diferentes climas, diferentes plantas e diferentes ambientes geográficos. Os lugares diferentes têm até pássaros e animais diferentes, as águas diferentes têm seus próprios tipos especiais de peixes e produtos aquáticos. Até os tipos de insetos são determinados por Deus. Por exemplo, as coisas que crescem no continente americano são todas muito grandes, muito altas e muito robustas. As raízes das árvores na floresta da montanha são todas muito superficiais, mas as árvores crescem muito. Elas podem até alcançar alturas de cem metros ou mais, mas a maioria das árvores das florestas da Ásia não é tão alta. Tomem a babosa, por exemplo. No Japão, ela é muito estreita e muito fina, mas a babosa dos Estados Unidos é muito grande. Há uma diferença aqui. Trata-se do mesmo tipo de planta com o mesmo nome, mas, no continente americano, ela alcança uma grandeza especial. As diferenças nesses vários aspectos podem não ser vistas ou percebidas pelas pessoas, mas quando Deus estava criando todas as coisas, Ele as delineou e preparou diferentes ambientes geográficos, diferentes terrenos e diferentes coisas vivas para diferentes raças. Isso é porque Deus criou diferentes tipos de pessoas, e Ele sabe o que cada um deles precisa e como são seus estilos de vida.

Depois de falar sobre algumas dessas coisas, agora vocês sentem que aprenderam alguma coisa sobre o tópico principal que acabamos de discutir? Vocês sentem que estão começando a entendê-lo? Acredito que agora vocês deveriam ter uma ideia básica de por que eu decidi falar sobre esses aspectos dentro do tópico mais amplo. Esse é o caso? Talvez vocês possam falar um pouco sobre o quanto vocês entenderam disso. (Toda a humanidade foi nutrida pelas leis determinadas por Deus para todas as coisas. Quando Deus estava determinando essas leis, Ele proveu às diferentes raças ambientes diferentes, estilos de vida diferentes, alimentos diferentes e climas e temperaturas diferentes. Isso ocorreu para que toda a humanidade pudesse se estabelecer na terra e sobreviver. A partir disso, posso ver que os planos de Deus para a sobrevivência da humanidade são muito precisos e posso ver a Sua sabedoria e perfeição e o Seu amor por nós, os humanos.) (As leis e os escopos determinados por Deus não podem ser mudados por nenhuma pessoa, evento ou coisa. Tudo está sob Seu governo.) Sob a perspectiva das leis determinadas por Deus para o crescimento de todas as coisas, não é toda a humanidade, em toda a sua variedade, provida e nutrida por Deus? Se essas leis fossem destruídas ou se Deus não tivesse estabelecido essas leis para a humanidade, quais seriam as perspectivas da humanidade? Depois que os humanos perdessem seus ambientes básicos de sobrevivência, eles teriam alguma fonte de alimento? É possível que as fontes de alimento se tornariam um problema. Se as pessoas perdessem suas fontes de alimento, isto é, se não pudessem obter nada para comer, por quantos dias elas seriam capazes de continuar? Possivelmente, elas não durariam um mês sequer, e sua própria sobrevivência se tornaria um problema. Então, cada uma das coisas que Deus faz para a sobrevivência das pessoas, para a sua existência continuada, reprodução e subsistência contínuas é muito importante. Cada uma das coisas que Deus faz entre as coisas da Sua criação está intimamente relacionada à sobrevivência das pessoas e é inseparável dela. Se a sobrevivência da humanidade se tornasse um problema, o gerenciamento de Deus poderia continuar? O gerenciamento de Deus ainda existiria? O gerenciamento de Deus coexiste com a sobrevivência de toda a humanidade que Ele nutre, então, não importa que preparativos Deus faça para todas as coisas da Sua criação e o que Ele faça pelos humanos, tudo isso é necessário para Ele e é essencial para a sobrevivência da humanidade. Se essas leis que Deus determinou para todas as coisas fossem abandonadas, se essas leis fossem infringidas ou interrompidas, todas as coisas não poderiam mais existir, o ambiente para a sobrevivência da humanidade não continuaria a existir, nem sua subsistência diária , nem a humanidade em si. Por essa razão, o gerenciamento da salvação da humanidade por Deus também deixaria de existir.

Tudo que discutimos, cada uma das coisas, cada item está intimamente ligado à sobrevivência de cada uma das pessoas. Vocês poderiam dizer: “O que Você estás dizendo é grandioso demais, não é algo que consigamos ver” e talvez haja pessoas que diriam: “O que estás falando não tem nada a ver comigo”. Entretanto, não se esqueça de que você está vivendo apenas como uma parte de todas as coisas; você é um entre todas as coisas da criação sob o governo de Deus. As coisas da criação de Deus não podem ser separadas do Seu governo, e nenhuma pessoa pode se separar de Seu governo. Perder o Seu governo e perder a Sua provisão significaria que a vida das pessoas, a vida carnal das pessoas, desapareceria. Essa é a importância de Deus estabelecer ambientes para a sobrevivência para a humanidade. Não importa a que raça você pertence nem em que pedaço de terra você vive, seja no Ocidente ou no Oriente — você não pode se separar do ambiente de sobrevivência que Deus estabeleceu para a humanidade, e você não pode se separar da nutrição e das provisões do ambiente para a sobrevivência que Ele estabeleceu para os humanos. Não importa qual seja a sua subsistência, nem aquilo de que depende para viver, nem do que depende para manter sua vida na carne, você não pode se separar do governo de Deus e de Seu gerenciamento. Algumas pessoas dizem: “Não sou agricultor, não cultivo para viver. Não dependo dos céus para obter alimento, então minha sobrevivência não está ocorrendo dentro do ambiente de sobrevivência estabelecido por Deus. Não me foi dado nada desse tipo de ambiente”. Isso está certo? Você diz que você não cultiva o solo para viver, mas você não come grãos? Não come carne e ovos? E não come legumes e frutas? Tudo o que você come, todas essas coisas de que precisa, são inseparáveis do ambiente para a sobrevivência estabelecido por Deus para a humanidade. E a fonte de tudo que a humanidade exige não pode ser separada de todas as coisas criadas por Deus, que, em sua totalidade, constituem seus ambientes para a sobrevivência. A água que você bebe, a roupa que você veste e todas as coisas que você usa — qual delas não é obtida dentre todas as coisas da criação de Deus? Algumas pessoas dizem: “Há alguns itens que não são obtidos das coisas da criação de Deus. Veja, o plástico é um desses ítens. É algo químico, uma coisa feita pelo homem”. Isso está certo? O plástico é realmente feito pelo homem, é algo químico, mas de onde vêm os componentes originais do plástico? Os componentes originais foram obtidos dos materiais criados por Deus. As coisas que você vê e desfruta, cada uma das coisas que você usa, tudo isso é obtido a partir das as coisas Deus criou. Isto é, independentemente da raça à qual uma pessoa possa pertencer, da subsistência ou do tipo de ambiente para a sobrevivência em que possa viver, ela não pode se separar daquilo que Deus proveu. Assim, essas coisas que discutimos hoje estão relacionadas ao nosso tópico “Deus é a fonte da vida para todas as coisas”? As coisas que discutimos hoje são abrangidas por esse tópico maior? (Sim.) Talvez uma parte do que falei hoje seja um pouquinho abstrato e difícil de discutir. No entanto, creio que vocês provavelmente têm agora um entendimento melhor disso.

Essas poucas últimas vezes na comunhão, a gama dos tópicos sobre os quais comunicamos tem sido bastante vasta; e seu escobo, bastante amplo, então é preciso algum esforço para vocês assimilarem tudo isso. Pois esses tópicos são coisas que não foram tratadas antes na crença das pessoas em Deus. Algumas pessoas ouvem essas coisas como um mistério e outras os ouvem como uma história — qual perspectiva está certa? De que perspectiva vocês ouvem tudo isso? (Vimos como Deus arranjou todas as coisas metodicamente e que todas as coisas têm essas leis, e por meio dessas palavras podemos entender mais dos feitos de Deus e de Seus arranjos meticulosos para a salvação da humanidade.) Por meio desses momentos em comunhão, vocês viram até onde o escopo do gerenciamento de todas as coisas por Deus se estende? (Sobre toda a humanidade, sobre tudo.) Deus é o Deus de uma só raça? Ele é o Deus de um tipo de pessoas? Ele é o Deus de apenas pequena parte da humanidade? (Não, Ele não é.) Já que esse não é o caso, se, de acordo com o seu conhecimento de Deus, Ele é apenas o Deus de uma pequena parte da humanidade ou se Ele é apenas o de vocês, essa perspectiva está correta? Já que Deus gerencia e governa sobre todas as coisas, as pessoas deveriam ver Seus feitos, Sua sabedoria e Sua onipotência que são revelados em Seu governo sobre todas as coisas. Isso é algo que as pessoas devem saber. Se você diz que Deus gerencia todas as coisas, governa sobre todas as coisas e governa sobre toda a humanidade, mas se você não tem nenhum entendimento ou percepção de Seu governo sobre a humanidade, você pode realmente reconhecer que Ele governa sobre todas as coisas? Você pode pensar em seu coração: “Eu posso, porque vejo que minha vida é completamente governada por Deus”. Mas Deus é realmente pequeno assim? Não, Ele não é! Você só vê a salvação de Deus para você e Sua obra em você, e é somente a partir dessas coisas que você vê o Seu governo. Esse escopo é por demais pequeno e tem um impacto prejudicial sobre suas persepectivas para um conhecimento genuíno de Deus. Ele também limita o seu conhecimento genuíno do governo de Deus sobre todas as coisas. Se limitar seu conhecimento de Deus ao escopo daquilo que Deus provê para você e Sua salvação por você, você nunca será capaz de reconhecer que Ele governa sobre tudo, que Ele governa sobre todas as coisas e governa sobre toda a humanidade. Quando deixa de reconhecer tudo isso, você pode reconhecer verdadeiramente o fato de Deus governar sobre seu destino? Não, não pode. Em seu coração, você nunca será capaz de reconhecer esse aspecto — você nunca será capaz de alcançar um nível tão alto de entendimento. Você entende o que estou dizendo, não? Na verdade, Eu sei até que ponto vocês são capazes de entender esses tópicos, esse conteúdo sobre o qual estou falando, por que, então, continuo falando sobre isso? Porque esses tópicos são coisas que devem ser apreciadas por cada um dos seguidores de Deus, por cada uma das pessoas que desejam ser salvas por Deus — é essencial entender esses tópicos. Mesmo que, neste momento, você não os entenda, algum dia, quando sua vida e sua experiência da verdade alcançarem certo nível, quando a mudança em seu caráter de vida alcançar certo nível e você alcançar certo grau de estatura, somente então esses tópicos que estou comunicando a vocês em comunhão proverão e satisfarão verdadeiramente a sua busca do conhecimento de Deus. Então, essas palavras servem para estabelecer uma base, para preparar vocês para o seu entendimento futuro de que Deus governa sobre todas as coisas e para o seu entendimento do Próprio Deus.

Quanto entendimento de Deus existe no coração das pessoas, essa é também a extensão da posição que Ele ocupa no coração delas. A grandeza é do grau do conhecimento de Deus no coração delas é o tamanho de Deus no coração delas. Se o Deus que você conhece é vazio e vago, o Deus em que você crê também é vazio e vago. O Deus que você conhece é limitado ao escopo de sua vida pessoal e não tem nada a ver com o Próprio Deus verdadeiro. Assim, conhecer as ações práticas de Deus, conhecer a realidade de Deus e a Sua onipotência, conhecer a verdadeira identidade do Próprio Deus, saber o que Ele tem e é, conhecer as ações que Ele manifestou entre todas as coisas da Sua criação — essas coisas são muito importantes para cada uma das pessoas que busca o conhecimento de Deus. Elas têm influência direta sobre o fato de as pessoas poderem ou não entrar na realidade da verdade. Se você limita o seu entendimento de Deus a apenas palavras, se o limita a suas próprias pequenas experiências, àquilo que você acredita ser a graça de Deus ou aos seus pequenos testemunhos de Deus, então Eu digo que o Deus em que você crê absolutamente não é o Próprio Deus verdadeiro. E não é só isso, mas pode-se dizer também que o Deus em que você crê é um Deus imaginário, não é o verdadeiro Deus. Isso porque o Deus verdadeiro é Aquele que governa sobre todas as coisas, que caminha entre todas as coisas, que gerencia tudo. Ele é Aquele que detém o destino de toda a humanidade e de tudo em Suas mãos. A obra e as ações do Deus de quem falo não estão simplesmente limitadas a uma pequena parte das pessoas. Isto é, elas não se limitam apenas às pessoas que atualmente O seguem. Seus feitos se manifestam entre todas as coisas, na sobrevivência de todas as coisas e nas leis da mudança de todas as coisas.

Se você não consegue ver nem reconhecer quaisquer feitos de Deus entre todas as coisas da Sua criação, então você não pode dar testemunho de nenhum de Seus feitos. Se você não puder dar testemunho de Deus, se você continuar a falar do pequeno suposto “Deus” que você conhece, aquele Deus que se limita a suas próprias ideias e existe apenas dentro dos limites estreitos de sua mente, se você continuar a falar desse tipo de Deus, então Deus nunca irá elogiar sua fé. Quando você dá testemunho de Deus, se você fizer isso somente em termos de como você desfruta a graça de Deus, como você aceita a disciplina de Deus e o Seu castigo e como você desfruta as Suas bênçãos em seu testemunho por Ele, então isso nem chega perto de ser suficiente e de satisfazê-Lo. Se você deseja dar testemunho de Deus de uma forma que esteja de acordo com a Sua vontade, dar testemunho do Próprio Deus verdadeiro, então você deve ver o que Deus tem e é com base em Suas ações. Você deve ver a autoridade de Deus a partir de Seu controle sobre tudo e ver a verdade de como Ele provê para toda a humanidade. Se você apenas reconhecer que o seu sustento diário e suas necessidades na vida vêm de Deus, mas não enxergar a verdade de que Deus tomou todas as coisas de Sua criação para a provisão de toda a humanidade, e que, por governar sobre todas as coisas, Ele está conduzindo toda a humanidade, então você nunca será capaz de dar testemunho de Deus. Qual é o Meu propósito em dizer tudo isso? É para que vocês não tomem isso com leviandade, para que não creiam equivocadamente que esses tópicos sobre os quais falei são irrelevantes para a sua própria entrada pessoal na vida e para que vocês não tomem esses tópicos simplesmente como sendo apenas um tipo de conhecimento ou doutrina. Se vocês ouvirem o que estou dizendo com esse tipo de atitude, vocês não ganharão nem uma só coisa. Vocês perderão esta grande oportunidade de conhecer a Deus.

Qual é o Meu objetivo em falar sobre todas essas coisas? Meu objetivo é fazer com que as pessoas conheçam a Deus, fazer com que entendam as ações práticas Dele. Uma vez que você entenda Deus e conheça as Suas ações, somente então você terá a oportunidade ou a possibilidade de conhecê-Lo. Se, por exemplo, você deseja entender uma pessoa, como viria a entendê-la? Seria por meio de olhar para sua aparência exterior? Seria por meio de olhar para o que ela usa e como ela se veste? Seria por meio de olhar para como ela anda? Seria por meio de olhar para o escopo de seu conhecimento? (Não.) Então como você entende uma pessoa? Você faz julgamentos com base em sua fala e comportamento, seus pensamentos e nas coisas que ela expressa e revela sobre si mesma. É assim que você vem a conhecer uma pessoa, como você entende uma pessoa. Semelhantemente, se vocês desejam conhecer a Deus, se desejam entender o Seu lado prático, o Seu lado verdadeiro, vocês devem conhecê-Lo por meio de Seus feitos e por meio de cada uma das coisas práticas que Ele faz. Essa é a melhor maneira, e é a única maneira.

Deus equilibra as relações entre todas as coisas para dar à humanidade um ambiente de sobrevivência estável

Deus manifesta os Seus feitos entre todas as coisas, e entre todas as coisas, Ele governa e controla as leis de todas as coisas. Nós simplesmente falamos sobre como Deus governa sobre as leis de todas as coisas e também sobrecomo Ele provê e nutre toda a humanidade sob essas leis. Esse é um aspecto. A seguir, falaremos sobre outro aspecto, que é uma maneira pela qual Deus costuma ter controle sobre tudo. Estou falando sobre como, após criar todas as coisas, Deus equilibrou as relações entre elas. Esse é também um tópico bastante amplo para vocês. Equilibrar as relações entre todas as coisas — isso é algo que as pessoas podem realizar? Nâo, os humanos são incapazes de tal feito. As pessoas só são capazes de destruição. Elas não podem equilibrar as relações entre todas as coisas; elas não podem gerenciá-las, e tamanha autoridade e poder estão fora do alcance da humanidade. Somente o Próprio Deus tem o poder para fazer esse tipo de coisa. Mas qual é o propósito de Deus ao fazer tal coisa — para que serve? Isso também está intimamente relacionado à sobrevivência da humanidade. Cada uma das coisas que Deus deseja fazer é necessária — não há nada que Ele talvez faça ou não. A fim de Ele salvaguardar a sobrevivência da humanidade e conceder às pessoas um ambiente favorável para a sobrevivência, há algumas coisas indispensáveis e vitais que Ele deve fazer.

Partindo do significado literal da expressão “Deus equilibra todas as coisas”, parece ser um tópico muito abrangente. Em primeiro lugar, ele fornece às pessoas o conceito de que “equilibrar todas as coisas” também se refere ao o senhorio de Deus sobre todas as coisas. O que esta palavra “equilibrar” significa? Primeiro, “equilibrar” se refere a não permitir que algo perca o equilíbrio. É como usar uma balança para pesar as coisas. A fim de equilibrar a balança, o peso de cada lado deve ser o mesmo. Deus criou muitos tipos diferentes de coisas: coisas que são presas ao seu lugar, coisas que se movem, coisas que vivem, coisas que respiram, bem como coisas que não respiram. É fácil todas essas coisas atingirem uma relação de interdependência, de interconectividade, em que ambas reforçam e controlam uma à outra? Certamente há princípios dentro de tudo isso, mas eles são muito complicado, não são? Não é difícil para Deus, mas para as pessoas, é um assunto muito complicado para estudar. É uma palavra muito simples, “equilíbrio”. No entanto, se as pessoas a estudassem e se elas mesmas precisassem criar equilíbrio, então, mesmo que todos os tipos de acadêmicos estivessem trabalhando nisso — biólogos humanos, astrônomos, físicos, químicos e até historiadores — qual seria o resultado final dessa pesquisa? Seu resultado não seria nada. Isso ocorre porque a criação de todas as coisas por Deus é incrível demais, e a humanidade jamais desvendará seus segredos. Quando Deus criou todas as coisas, Ele estabeleceu princípios entre elas, estabeleceu modos diferentes de sobrevivência para restrição, complementaridade e sustento mútuos. Esses vários métodos são muito intrincados e certamente não são simples ou unidirecionais. Quando as pessoas usam a sua mente, o conhecimento que ganharam e os fenômenos que observaram para confirmar ou estudar os princípios por trás do controle de Deus sobre todas as coisas, essas coisas são extremamente difíceis de descobrir e também é muito difícil alcançar qualquer resultado. É muito difícil para as pessoas obterem quaisquer resultados; é muito difícil para elas manterem seu equilíbrio quando confiam no pensamento e conhecimento humanos para governar todas as coisas da criação de Deus. Isso ocorre porque, se as pessoas não conhecem os princípios de sobrevivência de todas as coisas, elas não sabem como salvaguardar esse tipo de equilíbrio. Assim, se as pessoas tivessem que gerenciar e governar todas as coisas, elas muito provavelmente destruiriam esse equilíbrio. Assim que o equilíbrio fosse destruído, os ambientes para a sobrevivência da humanidade seriam destruídos, e quando isso acontecesse, seguiria uma crise da sobrevivência da humanidade. Isso provocaria um desastre. Quando a humanidade está vivendo em meio ao desastre, qual seria o seu futuro? O resultado seria muito difícil de avaliar e impossível de prever com certeza.

Então, como Deus equilibra as relações entre todas as coisas? Primeiro, há alguns lugares do mundo que são cobertos de gelo e neve o ano todo, enquanto em alguns outros lugares, todas as quatro estações são como a primavera, e o inverno nunca chega e, em lugares assim, você nunca verá sequer uma placa de gelo nem um único floco de neve. Aqui, estamos falando do clima mais amplo, e esse exemplo é uma das maneiras pelas quais Deus equilibra o relacionamento entre todas as coisas. A segunda maneira é esta: uma cadeia de montanhas está coberta de vegetação exuberante, com todo tipo de planta cobrindo o chão, e faixas de florestas tão densas que, quando você anda nelas, você não consegue nem ver o sol no alto. Mas olhando para outra cadeia de montanhas, não há sequer uma lâmina de grama crescendo ali, apenas camadas sobre camadas de montanhas inférteis e desgrenhadas. Pela aparência externa, ambas as cadeias são basicamente grandes amontoados de terra empilhados para formar montanhas, mas uma cadeia é coberta de floresta densa, enquanto a outra é desprovida de crescimento, sem uma únic lâmina de grama. Esse é o segundo modo pelo qual Deus equilibra as relações entre todas as coisas. O terceiro modo é este: olhando para um lado, você pode ver prados sem fim, um campo de verde ondulante. Olhando para o outro lado, você pode ver um deserto até onde a vista alcança, infértil, sem uma única coisa viva em meio à areia levada pelo vento, muito menos qualquer fonte de água. O quarto modo é este: Olhando para um lado, tudo está submerso no mar, esse grande corpo d’água, enquanto, olhando para o outro lado, você mal encontra uma única gota de água fresca de nascente. O quinto modo é este: na terra do lado de lá, chuviscos são frequentes e o clima é nebuloso e úmido, enquanto na terra do lado de cá, um sol ardente costuma flutuar no céu, e é raro que caia uma única gota de chuva. O sexto modo é este: num lugar há um planalto, onde o ar é rarefeito e o homem tem dificuldade de respirar, enquanto em outro lugar, há pântanos e planícies, que servem como habitat para vários tipos de pássaros migratórios. Esses são tipos diferentes de climas ou são climas ou ambientes que correspondem a diferentes ambientes geográficos. Isto é, Deus equilibra os ambientes básicos para a sobrevivência da humanidade em termos do ambiente mais amplo, desde o clima até o ambiente geográfico e desde os diferentes componentes do solo até o volume de fontes de água, a fim de alcançar um equilíbrio no ar, na temperatura e na umidade dos ambientes em que as pessoas sobrevivem. Por causa desses ambientes geográficos contrastantes, as pessoas têm ar estável e a temperatura e a umidade das diferentes estações permanecem estáveis. Isso permite que as pessoas continuem a viver nesse tipo de ambiente para a sobrevivência como sempre viveram. Primeiro, o ambiente em grande escala deve ser equilibrado. Isso é feito por meio da utilização de diferentes localizações e formações geográficas, bem como por meio das mudanças entre diferentes climas que lhes permitem limitar e controlar uns aos outros a fim de alcançar o equilíbrio que Deus deseja e que a humanidade exige. Estou falando da perspectiva do ambiente em grande escala.

Agora falaremos sobre os pormenores, como a vegetação. Como seu equilíbrio é alcançado? Isto é, como a vegetação pode ser capacitada a sobreviver dentro de um ambiente equilibrado para a sobrevivência? A resposta é: gerenciando a duração de vida, as taxas de crescimento e as taxas de reprodução de vários tipos de plantas para salvaguardar seu ambiente para a sobrevivência. Tomemos como exemplo a pequenina grama — há brotos de primavera, flores de verão e frutos de outono. Os frutos caem no chão. No ano seguinte, a semente dos frutos germina e continua de acordo com as mesmas leis. A duração de vida da grama é muito curta; toda semente cai no chão, desenvolve raízes e germina, floresce e produz fruto, e o processo inteiro se completa após apenas três estações — primavera, verão e outono. Árvores de todos os tipos também têm sua própria duração de vida e diferentes períodos para germinar e produzir frutos. Algumas árvores morrem após apenas 30 a 50 anos — essa é a sua duração de vida. Mas seu fruto cai no chão, que então desenvolve raízes e germina, floresce, produz frutos e vive por outros 30 a 50 anos. Essa é a sua taxa de recorrência. Uma árvore velha morre e uma árvore jovem cresce; é por isso que você sempre pode ver árvores crescendo na floresta. No entanto, elas também têm seu ciclo e processos normais de nascimento e morte. Algumas árvores podem viver mais de mil anos e algumas podem viver até três mil anos. Não importa o tipo de planta ou quão longa é a sua duração de vida, em geral, Deus gerencia o seu equilíbrio com base em quanto tempo ela vive, em sua habilidade de se reproduzir, sua velocidade e frequência de reprodução e o volume de fruto que produz. Isso permite que as plantas, desde a grama até as árvores, sejam capazes de continuar a prosperar e a crescer dentro de um ambiente ecológico equilibrado. Então, quando você olha para uma floresta na terra, tudo que cresce nela, tanto capim como árvores, estão continuamente se reproduzindo e crescendo de acordo com suas próprias leis. Eles não precisam de nenhum esforço ou ajuda adicional da humanidade. É só por terem esse tipo de equilíbrio que elas são capazes de manter seu próprio ambiente para a sobrevivência. É só por terem um ambiente para a sobrevivência apropriado que as florestas e os prados do mundo são capazes de continuar a sobreviver na terra. Sua existência nutre geração após geração de pessoas, bem como geração após geração de toda espécie de coisa viva com habitat nas florestas e nos prados — pássaros e animais, insetos e todo tipo de microrganismo.

Deus também controla o equilíbrio entre todos os tipos de animais. Como é que Ele controla esse equilíbrio? É semelhante às plantas — Ele gerencia seu equilíbrio e determina seu número com base em sua habilidade de se reproduzir, sua quantidade e frequência de reprodução e os papéis que desempenham no mundo animal. Por exemplo, leões comem zebras, então, se o número de leões excedesse o número de zebras, qual seria o destino das zebras? Elas se tornariam extintas. E se as zebras produzissem uma cria muito menor do que os leões, qual seria o destino destes? Eles também se tornariam extintos. Então, o número de zebras deve ser muito maior do que o número de leões. Isso porque zebras não existem apenas para si mesmas, mas também existem para os leões. Você pode dizer isso também desta maneira: cada zebra é uma parte da totalidade das zebras, mas também é o alimento para a boca dos leões. A velocidade de reprodução dos leões jamais pode exceder a das zebras, então seu número nunca pode ser maior do que o número de zebras. Somente assim, a fonte de alimento dos leões pode ser garantida. E então, mesmo que os leões sejam inimigos naturais das zebras, as pessoas frequentemente veem as duas espécies descansando tranquilamente dentro da mesma área. As zebras nunca serão reduzidas em número nem serão extintas porque os leões as caçam e comem, e os leões nunca aumentarão em número por causa de seu status de “rei”. Esse equilíbrio é algo que Deus estabeleceu há muito tempo. Isto é, Deus estabeleceu leis de equilíbrio entre todos os animais para que eles possam alcançar esse tipo de equilíbrio, e isso é algo que as pessoas veem com frequência. Os leões são os únicos inimigos naturais das zebras? Não, crocodilos também comem zebras. As zebras parecem ser um tipo de animal muito indefeso. Elas não têm a ferocidade dos leões e, quando se defrontam com um leão, esse inimigo formidável, só lhes resta correr. Elas são impotentes até para resistir. Quando elas não conseguem correr mais rápido que o leão, elas só podem permitir que sejam comidas por ele. Isso pode ser visto com frequência no mundo animal. Quais sentimentos e pensamentos você tem quando veem esse tipo de coisa? Vocês sentem pena da zebra? Vocês detestam o leão? As zebras são tão bonitas! Mas os leões estão sempre de olho nelas, cobiçando-as. E, tolamente, as zebras não correm para longe. Elas veem o leão ali, esperando por elas na sombra fresca de uma árvore. Ele poderia vir e comê-las a qualquer momento. Em seu coração, elas sabem disso, ainda assim não sairão daquele pedaço de terra. Isso é algo maravilhoso, uma coisa maravilhosa que manifesta a predestinação de Deus e o Seu governo. Você sente pena daquela zebra, mas não é capaz de salvá-la, e você detesta o leão, mas não é capaz de destrui-lo. A zebra é o alimento que Deus preparou para o leão, mas não importa quantas os leões comam, as zebras não serão exterminadas. O número de cria que os leões produzem é muito baixo e eles se reproduzem bem lentamente; então, não importa quantas zebras eles comam, seu número jamais ultrapassará o de zebras. Nisso existe um equilíbrio.

Qual é o objetivo de Deus em manter esse tipo de equilíbrio? Isso tem a ver com os ambientes para a sobrevivência e também com a sobrevivência da humanidade. Se as zebras, ou qualquer presa semelhante de um leão — o cervo ou outros animais — se reproduzirem vagarosamente demais e o número de leões aumentar bruscamente, que tipo de perigo os seres humanos enfrentariam? Leões comerem sua presa é um fenômeno normal, mas um leão comer uma pessoa é uma tragédia. Essa tragédia não é algo predestinado por Deus, não é algo que ocorre sob Seu governo, menos ainda é algo que Ele trouxe sobre a humanidade. Ao contrário, é algo que as pessoas causam a si mesmas. Da forma como Deus o vê, o equilíbrio entre todas as coisas é essencial para a sobrevivência da humanidade. Quer sejam plantas ou animais, nada pode perder seu equilíbrio apropriado. Plantas, animais, montanhas e lagos — Deus preparou para a humanidade um ambiente ecológico regular. Somente quando as pessoas têm esse tipo de ambiente ecológico — um ambiente equilibrado — é que a sobrevivência delas está segura. Se as árvores ou os capins tivessem uma habilidade baixa de se reproduzir ou se sua velocidade de reprodução fosse muito lenta, o solo não perderia sua umidade? Se o solo perdesse sua umidade, ele ainda seria saudável? Se o solo perdesse sua vegetação e umidade, ele sofreria erosão muito rapidamente, e areia se formaria em seu lugar. Quando o solo se deteriorasse, o ambiente para a sobrevivência das pessoas também seria destruído. Muitos desastres acompanhariam essa destruição. Sem esse tipo de equilíbrio ecológico, sem esse tipo de ambiente ecológico, as pessoas frequentemente sofreriam desastres devido a desequilíbrios entre todas as coisas. Por exemplo, quando há um desequilíbrio ambiental que leva à destruição do ambiente ecológico dos sapos, eles todos se juntam, seu número aumenta drasticamente e as pessoas até veem um grande número de sapos atravessando as ruas nas cidades. Se um grande número de sapos ocupasse o ambiente para a sobrevivência das pessoas, como isso seria chamado? Um desastre. Por que chamariam isso um desastre? Esses pequenos animais que são benéficos para a humanidade são úteis para as pessoas quando permanecem em um lugar que é adequado a eles; eles podem manter o equilíbrio do ambiente para a sobrevivência das pessoas. Mas quando se tornam um desastre, eles impactam a ordem da vida das pessoas. Todas as coisas e todos os elementos que os sapos trazem com eles em seu corpo podem impactar a qualidade de vida das pessoas. Eles podem até fazer com que os órgãos físicos das pessoas sejam atacados — esse é um dos tipos de desastres. Outro tipo de desastre, que é algo que os humanos têm experimentado com frequência — é a aparição de um grande número de gafanhotos. Isso não é um desastre? Sim, é realmente um desastre assustador. Não importa quão capazes os humanos possam ser — as pessoas podem fazer aviões, canhões e bombas atômicas — quando os gafanhotos invadem, que solução a humanidade tem? Elas podem usar canhões contra eles? Podem atirar neles com metralhadoras? Não, não podem. Então, elas podem pulverizar pesticidas para os afastar? Isso também não é uma tarefa fácil. O que aqueles minúsculos gafanhotos vêm fazer? Eles comem especificamente safras e grãos. Onde quer que os gafanhotos vão, as plantações são completamente obliteradas. Em tempos de uma invasão de gafanhotos, toda a comida da qual os agricultores dependem por um ano inteiro poderia ser inteiramente consumida pelos gafanhotos num piscar de olhos. Para os humanos, a chegada dos gafanhotos não é só uma irritação — é um desastre. Então, sabemos que o aparecimento de grandes números de gafanhotos é um tipo de desastre, mas o que dizer sobre os ratos? Se não houver nenhuma ave de rapina para comer ratos, eles se multiplicarão muito rapidamente, mais rápido do que você pode imaginar. E se os ratos se espalharem incontidos, os humanos podem levar uma boa vida? Que tipo de situação os humanos enfrentariam? (Uma epidemia.) Mas vocês acham que uma epidemia seria a única consequência? Os ratos roem qualquer coisa e roem até madeira. Se houver apensa dois ratos em uma casa, eles incomodarão todos que vivem lá. Às vezes, eles roubam óleo e o comem, às vezes comem o pão ou cereais. E as coisas que eles não comem, eles só roem e as transformam em caos total. Eles roem roupas, sapatos, mobílias — roem tudo. Às vezes, eles sobem na prateleira — esses pratos ainda podem ser usados depois que os ratos pisaram neles? Mesmo se você realmente os desinfetar, você ainda não se sentirá à vontade, então você simplesmente os joga fora. Esses são os aborrecimentos que os ratos trazem às pessoas. Embora eles sejam criaturas diminutas, as pessoas não têm como lidar com eles e, em vez disso, simplesmente têm de tolerar a depredação que causam. Apenas um par de ratos basta para causar um incômodo, quanto mais uma grande multidão deles. Se o número deles aumentasse e eles se tornassem um desastre, as consequências seriam impensáveis. Até mesmo criaturas pequeníssimas como formigas poderiam se tornar um desastre. Se isso acontecesse, o dano que elas fariam à humanidade também não poderia ser ignorado. As formigas podem causar tanto dano às casas que elas desmoronam. Sua força não deve ser ignorada. Não seria assustador se diferentes tipos de pássaros criassem um desastre? (Sim.) Dito de outro modo, sempre que animais ou coisas vivas, não importando de que tipo sejam, perderem o equilíbrio, eles crescerão, se reproduzirão e viverão dentro de um escopo anormal, um escopo irregular. Isso traria consequências inimagináveis à humanidade. Isso não só impactaria a sobrevivência e a vida das pessoas, mas também traria desastre à humanidade, até ao ponto de as pessoas sofrerem completa aniquilação e sofrerem o destino da extinção.

Quando Deus criou todas as coisas, Ele usou todo tipo de métodos e formas para equilibrá-las, para equilibrar as condições de vida das montanhas e dos lagos, das plantas e de todo tipo de animais, pássaros e insetos — o Seu objetivo era permitir que todos os tipos de seres vivos vivessem e se multiplicassem sob as leis que Ele havia estabelecido. Nenhuma das coisas da criação pode fugir a essas leis, e as leis não podem ser violadas. É somente dentro desse tipo de ambiente básico que os humanos podem sobreviver e se multiplicar de forma segura, geração após geração. Se qualquer criatura viva ultrapassasse a quantidade ou o escopo estabelecidos por Deus ou se ela excedesse a taxa de crescimento, a frequência de reprodução ou o número ditado por Ele, o ambiente para a sobrevivência da humanidade sofreria variados graus de destruição. E, ao mesmo tempo, a sobrevivência da humanidade seria ameaçada. Se um tipo de criatura viva for grande demais em número, ela roubará o alimento das pessoas, destruirá as fontes de água das pessoas e arruinará seu território. Assim, a reprodução ou o estado de sobrevivência da humanidade seria imediatamente impactado. Por exemplo, a água é muito importante para todas as coisas. Se houver um excesso de ratos, formigas, gafanhotos, sapos ou qualquer outro tipo de animais, eles beberão mais água. À medida que o volume de água que eles bebem aumentar, a água potável e as fontes de água das pessoas dentro do escopo fixo de fontes de água potável e áreas aquosas serão reduzidas e elas experimentarão escassez de água. Se a água potável das pessoas for destruída, contaminada ou cortada porque todos os tipos de animais aumentaram em número, sob esse tipo de ambiente severo de sobrevivência, a sobrevivência da humanidade será seriamente ameaçada. Se apenas um tipo ou vários tipos de seres vivos excederem seu número apropriado, então o ar, a temperatura, a umidade e até a composição do ar dentro do espaço de sobrevivência da humanidade serão envenenados e destruídos em variados graus. Sob essas circunstâncias, a sobrevivência e o destino dos humanos também estarão sujeitos a ameaças representados por esses fatores ecológicos. Então, se esses equilíbrios se perderem, o ar que as pessoas respiram será arruinado, a água que bebem será contaminada e as temperaturas que elas exigem também mudarão e, serão impactadas em diferentes graus. Se isso acontecer, os ambientes para a sobrevivência que inerentemente pertencem à humanidade serão sujeitos a enormes impactos e desafios. Nesse tipo de cenário, em que os ambientes de sobrevivência básicos dos humanos foram destruídos, quais seriam o destino e as perspectivas da humanidade? Isso é um problema muito sério! Visto que Deus conhece a razão pela qual cada uma das coisas da criação existe para o bem da humanidade, qual é o papel de cada tipo de coisa que Ele criou, que tipo de impacto ela tem sobre as pessoas e em que grau ela beneficia à humanidade, visto que, no coração de Deus, há um plano para tudo isso e Ele gerencia cada um dos aspectos de todas as coisas que Ele criou, é por isso que cada uma das coisas que Ele faz é tão importante e necessário para a humanidade. Então, a partir de agora, sempre que você observar algum fenômeno ecológico entre as coisas da criação de Deus ou alguma lei natural em ação entre as coisas da criação de Deus, você não duvidará mais da necessidade de cada uma das coisas criadas por Deus. Você não usará mais palavras ignorantes para fazer julgamentos arbitrários sobre os arranjos de Deus de todas as coisas e de Suas várias maneiras de prover para a humanidade. Tampouco chegará a conclusões arbitrárias sobre as leis de Deus para todas as coisas da Sua criação. Não é esse o caso?

O que é tudo isso de que acabamos de falar? Pense nisso por um momento. Deus tem Sua própria intenção em cada uma das coisas que Ele faz. Mesmo que Sua intenção seja inescrutável para os humanos, ela está sempre relacionada de modo inextricável e poderoso à sobrevivência da humanidade. Ela é absolutamente indispensável. Isso ocorre porque Deus nunca fez nada que fosse fútil. Os princípios por trás de cada uma das coisas que Ele faz está imbuída de Seu plano e Sua sabedoria. O objetivo e a intenção por trás desse plano são proteger a humanidade, ajudar a humanidade a impedir o desastre, as depredações por outros seres vivos e qualquer tipo de dano aos humanos causado por qualquer uma das coisas da criação de Deus. Então pode-se dizer que os feitos de Deus que temos visto neste tópico constituem outra maneira pela qual Deus provê para a humanidade? Poderíamos dizer que, por meio desses feitos, Deus está alimentando e pastoreando a humanidade? (Sim.) Existe uma relação forte entre este tópico e o título de nossa comunhão: “Deus é a fonte da vida para todas as coisas”? (Sim.) Existe uma relação muito forte, e este tópico é um aspecto disso. Antes de falar sobre esses tópicos, as pessoas tinham somente alguma vaga imaginação de Deus, do Próprio Deus e de Seus feitos — elas careciam de entendimento verdadeiro. No entanto, quando as pessoas ouvem sobre Seus feitos e as coisas que Ele fez, elas conseguem entender e compreender os princípios daquilo que Deus faz e podem ganhar entendimento sobre eles e chegar ao alcance deles — não é esse o caso? Mesmo que, no coração de Deus, há todos os tipos de teorias, princípios e regras muito complicados sempre que Ele faz algo, como criar governar sobre todas as coisas, não é possível que você ganhe um entendimento em seu coração de que esses são feitos de Deus e que são tão reais quanto poderiam ser, simplesmente permitindo que você aprenda uma única parte delas em comunhão? (Sim.) Então, de que forma o seu entendimento atual de Deus é diferente do de antes? É diferente em sua essência. Antes, o seu entendimento era demasiadamente vazio, demasiadamente vago, mas agora o seu entendimento contém muita evidência concreta para corresponder aos feitos de Deus, para corresponder ao que Deus tem e é. Assim, tudo o que Eu disse é material educacional maravilhoso para o seu entendimento de Deus.

Isso é tudo para a reunião de hoje. Adeus! Tenham uma boa noite! (Adeus, Deus!)

9 de fevereiro de 2014

Anterior : O Próprio Deus, o Único VIII

Próximo : O Próprio Deus, o Único X

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Contate-nos
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

Prática (2)

No passado, as pessoas se treinavam para estar com Deus e viver no espírito em cada momento. Comparada com a prática de hoje, essa é uma...

Obra e entrada (4)

Se o homem pudesse realmente entrar em acordo com a obra do Espírito Santo, sua vida germinaria rapidamente como um broto de bambu depois...

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Conteúdos

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro