Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

A Palavra manifesta em carne

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Busca por

Nenhum resultado encontrado

A décima sexta declaração

Velocidade

`

A décima sexta declaração

Há tanto que desejo dizer ao homem, tantas coisas que devo lhe contar. Porém, as capacidades de aceitação do homem são muito deficientes: ele é incapaz de compreender totalmente as Minhas palavras referentes ao que providencio e só entende um aspecto, mas permanece ignorante quanto ao outro. Contudo, Eu não levo o homem à morte por sua impotência, nem Me aflijo por sua fraqueza. Meramente faço a Minha obra e falo como sempre falei, mesmo que o homem não compreenda a Minha vontade; quando o dia chegar, as pessoas Me conhecerão no fundo de seu coração e se lembrarão de Mim em seus pensamentos. Eu partirei desta terra exatamente quando for entronizado no coração do homem, ou seja, quando todos os homens Me conhecerem. Assim também será quando Meus filhos e Meu povo governarem a terra. Aqueles que Me conhecem se tornarão, seguramente, os pilares do Meu reino e ninguém além deles estará qualificado para governar e exercer poder em Meu reino. Todos os que Me conhecem possuem o Meu ser e são capazes de Me viver entre todos os homens. Eu não me importo com até que ponto o homem Me conhece: ninguém é capaz de atrapalhar a Minha obra de maneira alguma, e o homem é incapaz de Me oferecer ajuda e de fazer algo por Mim. O homem só pode seguir a Minha orientação à Minha luz e buscar a Minha vontade sob essa luz. Atualmente, as pessoas se tornaram qualificadas e acreditam que podem pavonear-se diante de Mim, e riem e fazem piadas comigo sem a menor inibição, e se dirigem a Mim como um igual. O homem continua não Me conhecendo, contudo acredita que, em essência, somos aproximadamente iguais, ambos de carne e osso, e vivemos no mundo humano. Sua reverência por Mim é muito escassa; ele Me reverencia quando está diante de Mim, mas é incapaz de Me servir diante do Espírito. É como se, para o homem, o Espírito não existisse. Como resultado disso, nenhum homem jamais conheceu o Espírito; na Minha encarnação, as pessoas veem apenas um corpo de carne e osso, não percebem o Espírito de Deus. A Minha vontade pode, realmente, ser cumprida de tal maneira? As pessoas são especialistas em Me enganar; elas parecem ter sido especialmente treinadas por Satanás para Me fazer de bobo. Contudo, Eu não sou perturbado por Satanás. Ainda usarei a Minha sabedoria para conquistar toda a humanidade e derrotar o corruptor de toda a humanidade, para que Meu reino possa ser estabelecido na terra.

Entre os homens há os que tentaram determinar o tamanho das estrelas ou a magnitude do espaço. Contudo, sua pesquisa nunca se mostrou frutífera e tudo que eles podem fazer é balançar a cabeça com desânimo e resignar-se ao fracasso. Procurando entre todos os homens e observando a dinâmica do homem em seus fracassos, não vejo pessoa alguma que esteja totalmente convencida de Mim, que me obedeça e se submeta a Mim. Quão selvagens são as ambições do homem! Quando toda a face do abismo era turva, comecei a provar entre os homens a amargura do mundo. Meu Espírito percorre o mundo todo e sonda o coração de todas as pessoas; contudo, assim também conquisto a humanidade em Meu corpo encarnado. O homem não Me vê porque é cego; não Me conhece porque se tornou adormecido; se opõe a Mim porque é desobediente; vem a curvar-se diante de Mim porque foi conquistado por Mim; vem a Me amar porque Eu sou inerentemente digno do amor do homem; Me vive e Me manifesta porque o Meu poder e a Minha sabedoria o fazem segundo o Meu coração. Eu tenho um lugar no coração do homem, mas nunca recebi o amor do homem por Mim em seu espírito. Há, de fato, no espírito do homem coisas que ele ama acima de tudo, mas Eu não sou uma delas e, assim, o amor do homem é como uma bolha de sabão: quando o vento sopra, ela estoura e desaparece, nunca mais voltando a ser vista. Eu sempre fui constante e imutável em Minha atitude em relação ao homem. Alguém dentre os homens poderia ter feito o mesmo? Aos olhos do homem, Eu sou tão impalpável e invisível quanto o ar e, por isso, a grande maioria das pessoas busca apenas no céu ilimitado, ou no mar ondulado, ou no lago plácido, ou entre letras e doutrinas vazias. Não há uma única pessoa que conheça a essência da humanidade, muito menos quem possa dizer alguma coisa acerca do mistério que há em Mim; por isso, Eu não peço a esse homem que atinja o padrão mais elevado que ele imagina que Eu exijo dele.

Em meio às Minhas palavras, montanhas desabam, águas fluem em sentido inverso, o homem se torna submisso e os lagos começam a fluir sem cessar. Embora os mares revoltos se lancem com ira em direção ao céu, em meio às Minhas palavras tais mares são acalmados como a superfície de um lago. Ao menor aceno da Minha mão, tempestades ferozes se dissipam imediatamente e se afastam de Mim, e o mundo humano retorna imediatamente à tranquilidade. Porém, quando desencadeio a Minha ira, as montanhas são imediatamente despedaçadas, o chão começa imediatamente a tremer, a água seca imediatamente e o homem é imediatamente atingido por desastre. Devido à Minha ira, Eu não presto atenção aos gritos do homem, não presto socorro em resposta aos seus gritos, porque a Minha ira está aumentando. Quando Eu estou nos céus, as estrelas nunca entram em pânico pela Minha presença. Em vez disso, dedicam-se a trabalhar para Mim; assim, Eu lhes concedo mais luz e as faço cintilar com mais brilho, para que ganhem maior glória para Mim. Quanto mais brilhantes são os céus, mais sombrio é o mundo sob eles; muitas pessoas se queixaram das Minhas disposições serem inadequadas, muitas Me deixaram para criar seu próprio reino, que elas empregam para Me trair e reverter o estado de trevas. Contudo, quem realizou isso por sua determinação? E quem foi bem-sucedido em sua resolução? Quem pode reverter o que foi disposto pela Minha mão? Quando a primavera se espalha pelo território, Eu envio luz ao mundo secreta e silenciosamente, para que, na terra, o homem tenha uma fugaz sensação de frescor no ar. Contudo, naquele exato momento, Eu obscureço os olhos do homem, para que ele veja apenas um nevoeiro que cobre o chão, e todas as pessoas e coisas se tornem indistintas. As pessoas podem apenas suspirar: Por que a luz durou apenas um momento? Por que Deus dá ao homem apenas nevoeiro e visão turva? Em meio ao desespero do povo, o nevoeiro desaparece em um instante, mas, quando eles divisam um brilho de luz, Eu desencadeio uma torrente de chuva sobre eles, e seus tímpanos são rompidos pela tempestade enquanto dormem. Tomados de pânico, eles não têm tempo para se abrigar e são engolidos pelo aguaceiro. Num instante, tudo que há sob os céus é lavado em meio à minha indignada ira. As pessoas já não se queixam do início da chuva pesada e, em todas elas, nasceu reverência. Devido a essa súbita tempestuosidade da chuva, a grande maioria das pessoas é afogada pela água que cai do céu, tornando-se cadáveres na água. Eu observo toda a terra e vejo que muitos estão despertando, muitos estão se arrependendo, muitos estão procurando a fonte das águas em barquinhos, muitos se curvam a Mim para pedir o Meu perdão, muitos viram a luz, muitos viram a Minha face, muitos têm coragem para viver, e o mundo inteiro foi transformado. Após essa grande torrente de chuva, todas as coisas voltaram a ser como eu as imaginei na Minha mente e já não são mais desobedientes. Após pouco tempo, toda a terra está repleta do som de risadas, em todas as partes da terra há uma atmosfera de louvor, e nenhum lugar está desprovido da Minha glória. Minha sabedoria está em toda a terra e ao longo de todo o universo. Entre todas as coisas estão os frutos da Minha sabedoria, entre todas as pessoas estão as obras-primas da Minha sabedoria; tudo é semelhante a todas as coisas do Meu reino, e todas as pessoas habitam em descanso sob os Meus céus como as ovelhas sobre os Meus pastos. Eu me movo acima de todos os homens e estou observando todos os lugares. Nunca algo parece velho e ninguém é como costumava ser. Descanso em Meu trono, me reclino ao longo de todo o universo e estou plenamente satisfeito, porque tudo recuperou a santidade e posso voltar a residir pacificamente em Sião, e as pessoas da terra podem ter vida serena e contente sob Minha orientação. Todos os povos estão gerindo tudo que está em Minha mão, todos os povos recuperaram sua antiga inteligência e aparência original; eles não estão mais cobertos de poeira, mas, no Meu reino, são tão puros quanto o jade, cada qual com o rosto semelhante ao do santo que está no coração do homem, porque o Meu reino foi estabelecido entre os homens.

14 de março de 1992

Anterior:A décima quinta declaração

Próximo:A décima sétima declaração

Coisas que talvez lhe interessem