Deus é o Senhor de toda a criação

Um estágio da obra das duas eras passadas aconteceu em Israel; outro, na Judeia. De modo geral, nenhum estágio dessa obra saiu de Israel, e cada um deles foi realizado em meio ao povo escolhido inicialmente. Como resultado, os israelitas acreditam que Deus Jeová é Deus somente dos israelitas. Por causa da obra de Jesus na Judeia, onde Ele consumou a obra da crucificação, os judeus consideram-No o Redentor do povo judeu. Para eles, Ele é Rei unicamente dos judeus, não de qualquer outro povo; Ele não é o Senhor que redime os ingleses, nem o Senhor que redime os americanos, mas é o Senhor que redime os israelitas; foi os judeus quem Ele redimiu em Israel. Na verdade, Deus é o Mestre de todas as coisas. Ele é o Deus de toda a criação. Ele não é o Deus somente dos israelitas, nem somente dos judeus; Ele é o Deus de toda a criação. Os dois estágios anteriores de Sua obra aconteceram em Israel, o que gerou certas concepções nas pessoas. Elas acreditam que Jeová realizou Sua obra em Israel, que o próprio Jesus realizou a Sua obra na Judeia e, além disso, que Ele se encarnou para realizar a obra — e, seja como for, a obra não se estendeu para além de Israel. Deus não operou nos egípcios nem nos indianos; Ele só operou nos israelitas. As pessoas formam, então, várias concepções e delineiam a obra de Deus dentro de determinado escopo. Elas dizem que, quando Deus opera, Ele o deve fazer em meio ao povo escolhido e em Israel; exceto pelos israelitas, Deus não opera em mais ninguém, nem há qualquer escopo maior de Sua obra. Elas são particularmente rigorosas quando se trata de manter o Deus encarnado “na linha”, não permitindo que Ele vá além das fronteiras de Israel. Ora, não são todas estas apenas concepções humanas? Deus fez os céus, a terra e todas as coisas, além de toda a criação; como Ele poderia restringir Sua obra apenas a Israel? Se assim fosse, qual seria o objetivo de toda a Sua criação? Ele criou o mundo todo e Ele realizou o Seu plano de gestão de seis mil anos não apenas em Israel, mas também em cada pessoa do universo. Independentemente de viverem na China, nos Estados Unidos, no Reino Unido ou na Rússia, todas as pessoas descendem de Adão; todas foram feitas por Deus. Nem uma delas pode escapar dos vínculos da criação e nem uma delas pode se desvincular do rótulo de “descendente de Adão”. Todas elas são criaturas de Deus, todas são progenitura de Adão, e todas são os descendentes corruptos de Adão e Eva. Não são só os israelitas que são criação de Deus, mas todas as pessoas; no entanto, algumas foram amaldiçoadas, e outras foram abençoadas. Há muitas coisas agradáveis em relação aos israelitas; Deus operou neles no início por serem o povo menos corrompido. Os chineses nem se comparam a eles; são muito inferiores. Portanto, Deus operou inicialmente em meio ao povo de Israel, e o segundo estágio de Sua obra só foi realizado na Judeia — o que gerou muitas concepções e regras em meio aos homens. Na realidade, se fosse agir de acordo com as concepções humanas, Deus seria somente o Deus dos israelitas e, assim, seria incapaz de estender Sua obra às nações gentias porque seria apenas o Deus dos israelitas, e não o Deus de toda a criação. As profecias dizem que o nome de Jeová seria magnificado em meio às nações gentias e que ele seria propagado às nações gentias. Por que isso foi profetizado? Se Deus fosse somente Deus dos israelitas, Ele só operaria em Israel. Além disso, Ele não propagaria esta obra e não faria tal profecia. Uma vez que, de fato, fez esta profecia, Ele certamente estenderá Sua obra às nações gentias, a toda nação e a todas as terras. Já que declarou isso, Ele deve cumprir; este é o Seu plano, pois Ele é o Senhor que criou os céus, a terra e todas as coisas, e o Deus de toda a criação. Independentemente de Ele operar em meio aos israelitas ou por toda a Judeia, a obra que Ele faz é a obra de todo o universo e de toda a humanidade. A obra que Ele faz hoje na nação do grande dragão vermelho — numa nação gentia — ainda é a obra de toda a humanidade. Israel pôde ser a base de Sua obra na terra; semelhantemente, a China também pode ser a base de Sua obra em meio às nações gentias. Ele não cumpriu agora a profecia de que “o nome de Jeová será magnificado em meio às nações gentias”? O primeiro passo de Sua obra em meio às nações gentias é esta obra, a obra que Ele faz na nação do grande dragão vermelho. O fato de o Deus encarnado operar nesta terra, em meio a estes povos amaldiçoados, encontra-se particularmente em oposição às concepções humanas; estas pessoas são as mais baixas de todas, não têm valor algum e foram inicialmente abandonadas por Jeová. As pessoas podem ser abandonadas por outras, mas se forem abandonadas por Deus, não haverá alguém mais privado de status ou com menos valor do que elas. Para uma criatura de Deus, ser possessa por Satanás ou abandonada por outras pessoas é muito doloroso; mas, para uma criatura, ser abandonada pelo Criador significa que seu status é o mais baixo possível. Os descendentes de Moabe foram amaldiçoados e nasceram neste país retrógrado; sem dúvida, todas as pessoas sob a influência das trevas, os descendentes de Moabe, têm o status mais inferior de todos. Porque estas pessoas possuíram, até aqui, o status mais baixo de todos, a obra realizada nelas é a mais capaz de destruir as concepções humanas e também a mais benéfica a todo o plano de gestão de Deus com duração de seis mil anos. Operar tal obra em meio a essas pessoas é a melhor maneira de destruir as concepções humanas. Com isso, Ele inaugura uma era; com isso, Ele destrói todas as concepções humanas; com isso, Ele encerra a obra da Era da Graça inteira. Sua primeira obra foi realizada na Judeia, dentro das fronteiras de Israel; em meio às nações gentias, Ele não realizou obra alguma para inaugurar a nova era. O estágio final de Sua obra não é apenas realizado em meio aos gentios, mas, mais ainda, em meio àqueles que foram amaldiçoados. Este ponto em especial é a evidência mais capaz de humilhar Satanás; e, assim, Deus “Se torna” o Deus de toda criação no universo, o Senhor de todas as coisas, o objeto de adoração de tudo o que tem vida.

Hoje, há algumas pessoas que ainda não entendem a nova obra que Deus iniciou. Em meio às nações gentias, Deus inaugurou um novo começo. Ele iniciou uma nova era e uma nova obra — e realiza esta obra nos descendentes de Moabe. Essa não é a Sua mais nova obra? Ninguém, ao longo da história, experimentou esta obra antes. Ninguém sequer ouviu sobre ela, tampouco a apreciou. A sabedoria de Deus, a maravilha de Deus, a insondabilidade de Deus, a grandeza de Deus e a santidade de Deus são manifestas nesse estágio da obra, a obra dos últimos dias. Esta não é uma nova obra, uma obra que destrói as concepções humanas? Há aqueles que pensam da seguinte forma: “Uma vez que Deus amaldiçoou a Moabe e disse que abandonaria os seus descendentes, como Ele os poderia salvar agora?” Estes são os gentios que foram amaldiçoados por Deus e expulsos de Israel; os israelitas os chamavam de “cães gentios”. Na visão de todos, eles não são apenas cães gentios, mas, pior ainda, são os filhos da destruição; em outras palavras, eles não são o povo escolhido de Deus. Embora tenham nascido originalmente dentro das fronteiras de Israel, eles não fazem parte do povo israelita e foram expulsos para nações gentias. Eles são as pessoas mais inferiores de todas. É precisamente porque são os mais baixos dentre a humanidade, que Deus realiza a Sua obra de inauguração de uma nova era no meio deles, pois eles são representantes da humanidade corrompida. A obra de Deus é seletiva e direcionada; a obra que Ele realiza nessas pessoas hoje também é obra realizada na criação. Noé era uma criatura de Deus, bem como seus descendentes. Qualquer pessoa no mundo feita de carne e osso é criatura de Deus. A obra de Deus é destinada a toda a criação; ela não depende de o indivíduo ter sido amaldiçoado após ter sido criado. Sua obra de gestão é destinada a toda a criação, não às pessoas escolhidas que não foram amaldiçoadas. Já que Deus deseja realizar Sua obra em meio à Sua criação, Ele certamente a realizará até completá-la com êxito e operará em meio

às pessoas que são benéficas a ela. Portanto, Ele destrói todas as convenções quando opera em meio às pessoas; para Ele, as palavras “amaldiçoado”, “castigado” e “abençoado” não fazem sentido! O povo judeu é bom, bem como o povo escolhido de Israel; são pessoas de bom calibre e humanidade. No começo, foi em meio a eles que Jeová inaugurou Sua obra e realizou Sua obra inicial — mas não faria sentido realizar a obra de conquista neles hoje. Embora eles também façam parte da criação e tenham muitos aspectos positivos, não faria sentido realizar esse estágio da obra em seu meio. Deus não seria capaz de conquistar as pessoas, tampouco de convencer toda a criação — que é justamente o objetivo da transferência de Sua obra para as pessoas da nação do grande dragão vermelho. De maior importância aqui é Sua inauguração de uma era, Sua destruição de todas as regras e todas as concepções humanas e Seu encerramento da obra da Era da Graça inteira. Se a Sua obra atual fosse realizada em meio aos israelitas, quando Seu plano de gestão de seis mil anos terminasse, todos acreditariam que Deus é somente o Deus dos israelitas, que somente os israelitas são o povo escolhido Dele e que somente os israelitas merecem herdar Sua bênção e promessa. A encarnação de Deus durante os últimos dias na nação gentia do grande dragão vermelho conclui a obra de Deus como o Deus de toda a criação; Ele completa integralmente Sua obra de gestão e finaliza a parte central de Sua obra na nação do grande dragão vermelho. O cerne desses três estágios da obra é a salvação do homem — a saber, fazer com que toda a criação adore o Criador. Assim, todo estágio dessa obra é muito significativo; Deus nada faz que seja desprovido de significado ou valor. Por um lado, este estágio da obra inaugura uma nova era e encerra as duas eras passadas; por outro lado, destrói todas as concepções humanas e todas as antigas formas de convicção e conhecimento humanos. A obra das duas eras passadas foi realizada de acordo com concepções humanas diferentes; este estágio, contudo, elimina completamente as concepções humanas, assim conquistando por inteiro a humanidade. Por meio da conquista dos descendentes de Moabe e por meio da obra realizada em meio aos descendentes de Moabe, Deus conquistará todas as pessoas em todo o universo. Este é o significado mais profundo e também o aspecto mais valioso deste estágio de Sua obra. Mesmo que você saiba agora que seu próprio status é baixo e que você pouco vale, ainda sentirá que encontrou a coisa mais animadora de todas: você herdou uma grande bênção, recebeu uma grande promessa e pode ajudar a concluir esta grande obra de Deus. Você contemplou o verdadeiro semblante Dele, conhece o caráter inerente Dele e faz a vontade Dele. Os dois estágios anteriores da obra de Deus foram realizados em Israel. Se este estágio de Sua obra durante os últimos dias também fosse realizado em meio aos israelitas, não só toda a criação acreditaria que somente os israelitas são o povo escolhido de Deus, como todo o plano de gestão de Deus deixaria de alcançar o efeito desejado. Durante o período em que os dois estágios de Sua obra foram realizados em Israel, nenhuma nova obra — ou nenhuma obra de inauguração de uma nova era — foi realizada em meio às nações gentias. O estágio atual da obra — a obra de inauguração de uma era — é realizado primeiro em meio às nações gentias e, além disso, é inicialmente realizado em meio aos descendentes de Moabe, inaugurando, assim, a era toda. Deus destruiu qualquer conhecimento contido nas concepções humanas, não permitindo que nenhum deles continuasse a existir. Em Sua obra de conquista, Ele destruiu as concepções humanas, aquelas formas humanas antigas, primitivas, de conhecimento. Ele permite que as pessoas vejam que, com Deus, não há regras, que nada há de antigo em relação a Ele, que a obra que Ele faz é inteiramente liberada, inteiramente livre e que Ele está certo em tudo o que faz. Você deve se submeter completamente a qualquer obra que Ele faz na criação. Toda a obra que Ele faz é significativa e realizada de acordo com a Sua própria vontade e sabedoria, não de acordo com escolhas e concepções humanas. Se algo é benéfico à Sua obra, Ele o faz; e, se algo não é benéfico à Sua obra, Ele não o faz, não importa quão bom seja! Ele opera e seleciona os destinatários e o local de Sua obra de acordo com o significado e o propósito dela. Ele não adere a regras passadas quando opera, nem segue fórmulas antigas. Em vez disso, Ele planeja a Sua obra de acordo com o significado dela. No fim, Ele alcançará um efeito genuíno e o propósito previsto. Se você não entender estas coisas hoje, esta obra não lhe causará efeito algum.

Anterior : A diferença entre o ministério de Deus encarnado e o dever do homem

Próximo : Qual é a sua posição em relação às treze epístolas?

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Contate-nos
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

A senda… (3)

Na Minha própria vida, Eu estou sempre disposto a Me entregar a Deus por inteiro, de corpo e de mente. Dessa forma, não há culpa na Minha...

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Conteúdos

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro