Palavras diárias de Deus | "A humanidade corrupta está mais necessitada da salvação do Deus encarnado" | Trecho 15

Durante toda a obra de gerenciamento, a obra mais importante é a salvação do homem da influência de Satanás. A obra principal é a completa conquista do homem corrupto, assim restaurando a reverência original de Deus no coração do homem conquistado, permitindo-lhe alcançar uma vida normal, ou seja, a vida normal de uma criatura de Deus. Essa obra é crucial e é o cerne da obra de gerenciamento. Nos três estágios da obra de salvação, o primeiro estágio da obra da Lei estava longe do cerne da obra de gerenciamento; apenas tinha uma leve aparência da obra de salvação e não foi o início da obra de Deus de salvar o homem do império de Satanás. O primeiro estágio da obra foi feito diretamente pelo Espírito, porque, sob a lei, o homem só sabia cumprir a lei e não tinha mais verdade, porque a obra na Era da Lei dificilmente envolvia mudanças no caráter do homem, muito menos era referente à obra de como salvar o homem do império de Satanás. Assim, o Espírito de Deus completou de maneira suprema esse simples estágio da obra que não dizia respeito à disposição corrupta do homem. Esse estágio da obra teve pouca relação com o cerne do gerenciamento e não tinha grande correlação à obra oficial da salvação do homem, assim sendo não exigia que Deus Se tornasse carne para pessoalmente realizar Sua obra. A obra realizada pelo Espírito Santo é implícita, insondável, ela é temível e inacessível ao homem; o Espírito não é adequado para fazer diretamente a obra da salvação e não é adequado para fornecer diretamente vida ao homem. O mais adequado ao homem é transformar a obra do Espírito em uma abordagem que seja mais próxima do homem, ou seja, o que mais se adequa ao homem é Deus Se tornar uma pessoa normal, comum, para fazer a Sua obra. Isso requer que Deus seja encarnado para substituir a obra do Espírito e, para o homem, não há um modo mais adequado para Deus agir. Entre esses três estágios da obra, dois são realizados pela carne e esses dois estágios são as fases centrais da obra de gerenciamento. As duas encarnações são mutuamente complementares e aperfeiçoam uma à outra. O primeiro estágio da encarnação de Deus lançou o fundamento para o segundo estágio, e pode se dizer que as duas encarnações de Deus formam um todo e não são incompatíveis uma com a outra. Esses dois estágios da obra de Deus são realizados por Deus em Sua identidade encarnada, pois são importantes para todo gerenciamento da obra. Quase poderia se dizer que, sem a obra das duas encarnações de Deus, toda a obra de gerenciamento teria estagnado e a obra de salvação da humanidade seria nada mais do que palavras vazias. Se essa obra é ou não importante depende das necessidades da humanidade, a realidade da depravação desta humanidade, a severa desobediência de Satanás e sua perturbação da obra. A pessoa certa que está apta a essa tarefa é baseada na natureza dessa obra e na importância dela. Quando se trata da importância dessa obra, em termos de qual método de obra adotar — a obra realizada diretamente pelo Espírito, ou a obra realizada pelo Deus encarnado, ou ainda a obra realizada pelo homem — a primeira a ser eliminada é a obra realizada pelo homem, e, com base na natureza da obra e a natureza da obra do Espírito contra a da carne, é finalmente decidido que a obra realizada pela carne é mais benéfica para o homem do que a obra realizada diretamente pelo Espírito e ela oferece mais vantagens. Esse é o pensamento de Deus no momento de decidir se a obra foi realizada pelo Espírito ou pela carne. Há uma importância e fundamento para cada estágio da obra. Não são imaginações infundadas, tampouco são executadas de maneira arbitrária; há uma certa sabedoria nelas. Tal é a verdade por trás de toda a obra de Deus. De modo particular, há ainda muito mais dos planos de Deus em uma obra tão grandiosa quanto a obra do Deus encarnado operando pessoalmente no meio dos homens. Assim sendo, a sabedoria de Deus e a totalidade do Seu ser são refletidas em cada uma de Suas ações, pensamentos e ideias na obra; isso é o ser de Deus que é mais concreto e sistemático. Esses pensamentos e ideias sutis são difíceis para o homem imaginar, também difíceis para o homem acreditar, e, mais ainda, difíceis para o homem conhecer. A obra realizada pelo homem é de acordo com os princípios gerais, os quais, para o homem, são altamente satisfatórios. Entretanto, comparado com a obra de Deus é simplesmente grande a disparidade; embora os feitos de Deus são grandes, a obra de Deus é de uma escala magnífica, atrás delas estão muitos planos ínfimos e precisos e arranjos que são inimagináveis ao homem. Cada etapa de Sua obra não está apenas de acordo com princípios, mas contém também muitas coisas que não podem ser articuladas pela linguagem humana e essas são coisas invisíveis ao homem. Independentemente de ser é a obra do Espírito ou a obra do Deus encarnado, cada uma contém os planos de Sua obra. Ele não age de maneira infundada e não faz uma obra insignificante. Quando o Espírito age diretamente é com Suas metas e quando Ele Se torna homem (ou seja, quando Ele transforma Sua aparência exterior) para trabalhar, é ainda mais com Seu propósito. Por que razão Ele mudaria Sua identidade livremente? Por que razão Ele, livremente, Se tornaria uma pessoa considerada humilde e perseguida?

Extraído de “A Palavra manifesta em carne”

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Contate-nos
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado