2. Se sofrer e pagar um preço por Deus é igual a seguir a vontade de Deus

Versos da Bíblia para referência:

“Nem todo o que Me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de Meu Pai, que está nos céus. Muitos Me dirão naquele dia: Senhor, Senhor, não profetizamos nós em Teu nome? e em Teu nome não expulsamos demônios? e em Teu nome não fizemos muitos milagres? Então lhes direi claramente: Nunca vos conheci; apartai-vos de Mim, vós que praticais a iniquidade” (Mateus 7:21-23).

Palavras de Deus relevantes:

Alguém que serve a Deus deveria não somente saber como sofrer por Ele; mais que isso, deveria entender que o propósito de crer em Deus é buscar um amor a Deus. Deus usa você não somente para refiná-lo ou para fazê-lo sofrer, mas, ao contrário, Ele usa você de modo que você possa conhecer as ações Dele, conhecer a verdadeira significação da vida humana e, especialmente, para que você possa saber que servir a Deus não é tarefa fácil. Experimentar a obra de Deus não é questão de desfrutar da graça, mas, antes, de sofrer por causa de seu amor por Ele. Como você desfruta da graça de Deus, deve também desfrutar de Seu castigo — você deve experimentar tudo isso. Você pode experimentar a iluminação de Deus em você e também pode experimentar como Ele lida com você e o julga. Dessa maneira, sua experiência será abrangente. Deus executou Sua obra de julgamento e de castigo em você. A palavra de Deus lidou com você, mas não somente isso; ela também o esclareceu e iluminou. Quando você está negativo e fraco, Deus Se preocupa com você. Todo esse trabalho é para que você saiba que tudo a respeito do homem está dentro das orquestrações de Deus. Você pode pensar que crer em Deus é uma questão de sofrer ou de fazer todo tipo de coisas para Ele; você pode pensar que o propósito de crer em Deus é para que a sua carne esteja em paz, ou para que tudo corra bem em sua vida, ou para que você possa estar confortável e tranquilo em todas as coisas. No entanto, nenhuma dessas coisas é um propósito que as pessoas deveriam vincular a sua crença em Deus. Se você acredita com esses propósitos, então sua perspectiva está incorreta, e é simplesmente impossível que você seja aperfeiçoado. As ações de Deus, o justo caráter de Deus, Sua sabedoria, Suas palavras, Sua maravilha e insondabilidade são todas coisas que as pessoas devem entender. Tendo esse entendimento, você deveria usá-lo para tirar de seu coração todas as exigências, esperanças e noções pessoais. Somente ao eliminar essas coisas é que você pode cumprir as condições exigidas por Deus, e é somente ao fazer isso que você pode ter vida e satisfazer Deus. O propósito de crer em Deus é satisfazê-Lo e viver o caráter que Ele requer de tal modo que Suas ações e Sua glória possam se manifestar através deste grupo de pessoas indignas. Essa é a correta perspectiva para crer em Deus e também é a meta que você deveria buscar. Você deveria ter o ponto de vista correto sobre crer em Deus e deveria buscar obter Suas palavras. Você necessita comer e beber as palavras de Deus e deve ser capaz de viver a verdade e, especialmente, deve ser capaz de ver Seus feitos práticos, ver Seus feitos maravilhosos por todo o universo, assim como a obra prática que Ele realiza na carne. Por meio de suas experiências práticas, as pessoas podem apreciar a maneira como Deus realiza Sua obra nelas e qual é Sua vontade para com elas. O propósito de tudo isso é eliminar o caráter corrupto satânico das pessoas. Tendo expulsado toda a impureza e injustiça de dentro de você, e tendo se desfeito de suas intenções erradas, e tendo desenvolvido a verdadeira fé em Deus — somente com a verdadeira fé é que você pode verdadeiramente amar a Deus.

Extraído de ‘Aqueles que hão de ser aperfeiçoados devem passar pelo refinamento’ em “A Palavra manifesta em carne”

Muitas pessoas têm certos comportamentos externos, tais como ser capaz de abandonar sua família e sua carreira e cumprir seus deveres, acreditando assim que estão praticando a verdade. Porém, Deus não reconhece que elas estão praticando a verdade. Se tudo que você faz tiver motivos pessoais por trás disso e estiver adulterado, então você não está praticando a verdade; está simplesmente exibindo uma conduta superficial. Falando estritamente, sua conduta provavelmente será condenada por Deus; não será louvada nem lembrada por Ele. Dissecando isso ainda mais, você está praticando o mal e sua conduta está em oposição a Deus. Externamente, você não está interrompendo nem perturbando nada e você não causou nenhum dano real nem violou nenhuma verdade. Parece que é lógico e razoável, mas a essência de suas ações pertence a fazer o mal e resistir a Deus. Por isso, você deveria determinar se houve uma mudança em seu caráter e se você está pondo a verdade em prática ao olhar os motivos por trás de suas ações à luz das palavras de Deus. Isso não depende de uma opinião humana se suas ações se conformam à imaginação e intenções humanas ou se são conforme seu gosto; tais coisas não são importantes. Antes, isso depende de Deus dizer se você está se conformando à Sua vontade; se suas ações têm verdade-realidade e se elas satisfazem Suas exigências e Seus padrões. Somente por se comparar com as exigências de Deus é acurado. Transformação no caráter e pôr a verdade em prática não são tão simples e fáceis como as pessoas imaginam. Vocês entendem isso agora? Vocês têm alguma experiência com isso? Quando se trata da essência de um problema, vocês podem não entender isso; sua entrada tem sido demasiadamente superficial. Vocês correm por aí o dia inteiro, da aurora até o crepúsculo, levantando-se cedo e indo para a cama tarde, ainda assim vocês não alcançaram transformação em seu caráter de vida e não conseguem compreender o que tal transformação envolve. Isso significa que sua entrada é rasa demais, não é? Não importa quanto tempo tenham acreditado em Deus, vocês podem não sentir a essência nem as coisas profundas que tenham a ver com alcançar transformação no caráter. Pode-se dizer que o seu caráter mudou? Como você sabe se Deus o elogia ou não? No mínimo, você se sentirá excepcionalmente firme com relação a tudo que você faz, e você sentirá o Espírito Santo guiando e esclarecendo você e operando em você enquanto cumpre seus deveres, fazendo qualquer trabalho na casa de Deus ou normalmente. Sua conduta andará de mãos dadas com as palavras de Deus e, quando tiver ganhado certo grau de experiência, você sentirá que a forma como você agia no passado era relativamente adequada. Se, porém, depois de ganhar experiência por um período de tempo, você sentir que algumas das coisas que você fez no passado não foram adequadas e você estiver insatisfeito com elas e sentir, de fato, que não havia verdade nas coisas que você fez, então isso provará que tudo que você fez foi feito em resistência a Deus. É evidência de que seu serviço esteve repleto de rebeldia, resistência e modos de agir humanos.

Extraído de ‘O que deveria ser conhecido sobre transformar o caráter da pessoa’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Na religião, muitas pessoas sofrem bastante ao longo da vida: subjugam seu corpo e carregam sua cruz e até continuam a sofrer e a tolerar quando estão à beira da morte! Algumas ainda estão jejuando na manhã de sua morte. A vida inteira elas se negam bons alimentos e vestuário, concentrando-se apenas no sofrimento. Elas são capazes de subjugar o corpo e renunciar à carne. Seu espírito de tolerar o sofrimento é elogiável. Mas o pensamento dessas pessoas, suas noções, sua atitude mental e, sem dúvida, sua antiga natureza não foram tratados nem um pouco. Elas carecem de todo e qualquer conhecimento verdadeiro de si mesmas. Sua imagem mental de Deus é aquela tradicional de um Deus vago. Sua determinação de sofrer por Deus resulta de seu zelo e do bom caráter de sua humanidade. Embora acreditem em Deus, elas nem O entendem nem conhecem Sua vontade. Simplesmente trabalham e sofrem às cegas por Deus. Não dão valor algum ao discernimento, pouco se importam em como garantir que seu serviço realize de fato a vontade de Deus e menos ainda estão cientes de como alcançar o conhecimento de Deus. O Deus a quem servem não é Deus em Sua imagem inerente, mas um Deus que imaginaram, um Deus de quem só ouviram falar, ou do qual apenas leram lendas que foram escritas. Então, usam sua imaginação fértil e devoção para sofrer por Deus e empreender a obra de Deus que Deus quer fazer. O serviço delas é por demais inexato, tanto que praticamente nenhuma delas é verdadeiramente capaz de servir de acordo com a vontade de Deus. Não importa o quão alegremente elas sofram, sua perspectiva original sobre o serviço e sua imagem mental de Deus permanecem inalteradas, porque elas não passaram pelo julgamento, castigo, refinamento e aperfeiçoamento de Deus, nem tiveram alguém que as conduzisse usando a verdade. Ainda que acreditem em Jesus, o Salvador, nenhuma delas jamais viu o Salvador. Elas só sabem Dele pelas lendas e por ouvir dizer. Como resultado, seu serviço equivale a não mais que servir a esmo, de olhos fechados, como um cego servindo ao próprio pai. O que, no fim, pode ser alcançado por tal serviço? E quem o aprovaria? Do começo ao fim, o serviço delas permanece inteiramente o mesmo; elas recebem apenas lições criadas pelo homem e baseiam seu serviço somente em sua naturalidade e nas próprias preferências. Que recompensa isso poderia trazer? Nem mesmo Pedro, que viu Jesus, sabia como servir de acordo com a vontade de Deus; ele só veio a sabê-lo no fim, em sua velhice. O que isso diz sobre aquelas pessoas cegas que não experimentaram o mínimo de serem tratadas e podadas e que não tiveram ninguém para guiá-las? O serviço de muitos entre vocês hoje não é como o dessas pessoas cegas? Todos os que não receberam julgamento, que não receberam poda e tratamento e que não mudaram — não estão todos conquistados de modo incompleto? De que utilidade são tais pessoas? Se o seu pensamento, seu conhecimento de vida e seu conhecimento de Deus não mostrarem uma mudança nova e se você verdadeiramente não ganhar algo, então você nunca alcançará algo notável em seu serviço! Sem uma visão e um conhecimento novo da obra de Deus, você não é conquistado. Sua maneira de seguir Deus então será como daqueles que sofrem e jejuam: de pouco valor! É precisamente porque há pouco testemunho no que fazem que Eu digo que o serviço deles é fútil! Ao longo da vida, esses indivíduos sofrem e passam um tempo na prisão; são sempre tolerantes, amorosos e sempre carregam a cruz, são ridicularizados e rejeitados pelo mundo, experimentam toda e qualquer dificuldade e, embora sejam obedientes até o fim, ainda não são conquistados e não podem oferecer o testemunho de serem conquistados. Sofreram bastante, mas por dentro não conhecem Deus de maneira alguma. Nenhum de seus antigos pensamentos, velhas noções, práticas religiosas, conhecimento criado pelo homem e ideias humanas foi tratado. Não existe neles o menor sinal de conhecimento novo. Nenhuma parcela de seu conhecimento de Deus é verdadeira ou exata. Eles entenderam errado a vontade de Deus. Isso serve a Deus? Seja qual for o seu conhecimento de Deus no passado, se ele continua o mesmo hoje e você continua a basear seu conhecimento de Deus em suas noções e ideias próprias, não importa o que Deus faça, o que equivale a dizer que você não possui um conhecimento novo e verdadeiro de Deus e se deixa de conhecer a verdadeira imagem e o verdadeiro caráter de Deus, se o seu conhecimento de Deus ainda é guiado pelo pensamento feudal e supersticioso e ainda nasce da imaginação e das noções humanas, então você não foi conquistado. Todas as muitas palavras que hoje eu lhe digo são para que você saiba, para que esse conhecimento possa conduzi-lo a um conhecimento mais novo e exato; elas também servem para erradicar as velhas noções e o conhecimento antigo dentro de você, para que você possa possuir um conhecimento novo. Se você verdadeiramente comer e beber as Minhas palavras, então seu conhecimento mudará consideravelmente. Contanto que coma e beba as palavras de Deus com um coração de obediência, então sua perspectiva será revertida. Contanto que você seja capaz de aceitar os repetidos castigos, sua antiga mentalidade mudará gradualmente. Contanto que sua antiga mentalidade seja inteiramente substituída pela nova, sua prática também mudará de acordo. Desse modo, seu serviço se tornará progressivamente mais certeiro, progressivamente capaz de satisfazer a vontade de Deus.

Extraído de ‘A verdade interna da obra de conquista (3)’ em “A Palavra manifesta em carne”

Servir a Deus não é tarefa fácil. Aqueles cujo caráter corrupto permanece inalterado jamais podem servir a Deus. Se o seu caráter não tiver sido julgado e castigado pelas palavras de Deus, seu caráter ainda representa Satanás, o que prova que seu serviço a Deus serve apenas para mostrar boas intenções, que seu serviço é baseado em sua natureza satânica. Você serve a Deus com seu caráter natural e de acordo com suas preferências pessoais. Além disso, você sempre acha que as coisas que você está disposto a fazer são as que dão alegria para Deus, e que as coisas que você não deseja fazer são as que Ele odeia; você trabalha inteiramente de acordo com preferências próprias. Isso pode ser chamado de servir a Deus? Por fim, seu caráter de vida não mudará nem um pingo; antes, seu serviço o tornará ainda mais obstinado, arraigando profundamente, assim, seu caráter corrupto, e, dessa forma, você desenvolverá interiormente regras sobre o serviço a Deus que estão baseadas principalmente em sua índole e nas experiências obtidas por servir conforme seu caráter. Essas são as experiências e lições do homem. É a filosofia do homem de viver no mundo. Pessoas assim podem ser classificadas como fariseus e autoridades religiosas. Se nunca acordarem e se arrependerem, elas certamente se tornarão os falsos cristos e anticristos que enganarão as pessoas nos últimos dias. Os falsos cristos e anticristos que foram mencionados surgirão de tais pessoas. Se aqueles que servem a Deus seguem a índole própria e agem conforme a própria vontade, eles correm o risco de ser expulsos a qualquer momento. Aqueles que aplicam seus muitos anos de experiência adquirida para servir a Deus a fim de ganhar o coração de outros, de repreendê-los e restringi-los, e de ficarem altivos — e que nunca se arrependem, nunca confessam seus pecados, nunca renunciam aos benefícios da posição — são pessoas que tombarão diante de Deus. São pessoas do mesmo tipo que Paulo, confiando em sua senioridade e se vangloriando de suas qualificações. Deus não aperfeiçoará pessoas assim. Esse tipo de serviço interfere na obra de Deus. As pessoas sempre se agarram ao antigo. Apegam-se às noções do passado, a todas as coisas dos tempos passados. Isso é um grande obstáculo para seu serviço. Se você não conseguir se livrar dessas coisas, elas sufocarão toda a sua vida. Deus não o elogiará de modo algum, nem mesmo se você quebrar as pernas na correria, ou as costas no trabalho, nem mesmo se for martirizado em seu serviço a Deus. Muito pelo contrário, Ele dirá que você é um malfeitor.

Extraído de ‘O serviço religioso precisa ser purgado’ em “A Palavra manifesta em carne”

Muitos dos que seguem a Deus estão interessados apenas em como ganhar bênçãos ou evitar desastre. Assim que a obra e o gerenciamento de Deus são mencionados, eles se calam e perdem todo o interesse. Eles acham que entender questões tão tediosas não ajudará a vida deles crescer nem lhes proverá benefício algum. Consequentemente, embora tenham ouvido sobre o gerenciamento de Deus, eles lhe dão pouca atenção. Eles não o veem como algo precioso a ser aceito, muito menos o recebem como parte de sua vida. Tais pessoas têm apenas um objetivo simples em seguir a Deus, e esse objetivo é receber bênçãos. Elas não conseguem se dar ao trabalho de prestar atenção em qualquer outra coisa que não envolva diretamente esse objetivo. Para elas, não existe objetivo mais legítimo do que acreditar em Deus para receber bênçãos — é o valor exato de sua fé. Se uma coisa não contribui para esse objetivo, elas permanecem não sendo afetadas por isso. Esse é o caso com a maioria das pessoas que acreditam em Deus hoje. O objetivo e a intenção delas parecem legítimos, porque, como creem em Deus, elas também se despendem por Deus, se dedicam a Deus e cumprem seu dever. Elas abrem mão de sua juventude, abandonam família e carreira, e até passam anos ocupando-se longe de casa. Em nome do objetivo final, elas mudam os próprios interesses, suas perspectivas de vida e até a direção que buscam; no entanto, não conseguem mudar o objetivo de sua fé em Deus. Elas correm atrás do gerenciamento dos próprios ideais; não importa o quanto a estrada esteja distante, nem quantos sacrifícios e obstáculos existam ao longo do caminho, elas continuam persistentes e sem medo da morte. Que poder as impulsiona a continuar se dedicando dessa forma? É a sua consciência? É o seu grande e nobre caráter? É a determinação em lutar contra as forças do mal até o fim? É a fé com que dão testemunho de Deus sem buscar recompensa? É a lealdade pela qual estão dispostos a desistir de tudo para alcançar a vontade de Deus? Ou é o espírito de devoção de sempre abrir mão das exigências pessoais extravagantes? Para alguém que nunca entendeu a obra de gerenciamento de Deus ainda doar tanto assim é simplesmente um milagre! Por ora, não vamos discutir o quanto essas pessoas têm doado. O comportamento delas, no entanto, é altamente digno da nossa análise. Além dos benefícios que estão tão intimamente associados a elas, poderia haver outros motivos para que pessoas que nunca entendem Deus doem tanto por Ele? Nisso, descobrimos um problema não identificado antes: o relacionamento do homem com Deus é meramente de um interesse próprio nu e cru. É um relacionamento entre um receptor e um doador de bênçãos. Para colocar de forma mais clara, é semelhante ao relacionamento entre empregado e empregador. O empregado trabalha apenas para receber as recompensas concedidas pelo empregador. Não há afeto em tal relacionamento, apenas transação. Não há amar nem ser amado, apenas caridade e misericórdia. Não há entendimento, apenas indignação suprimida e engano. Não há intimidade, apenas um abismo intransponível. Agora que as coisas chegaram a esse ponto, quem pode reverter esse curso? E quantas pessoas são capazes de entender verdadeiramente o quanto esse relacionamento se tornou terrível? Acredito que, quando as pessoas se imergem na alegria de ser abençoadas, ninguém pode imaginar como é embaraçoso e desagradável um relacionamento assim com Deus.

Extraído de ‘O homem só pode ser salvo em meio ao gerenciamento de Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”

As pessoas dizem que Deus é um Deus justo e, enquanto o homem O seguir até o fim, Ele certamente será imparcial com ele, pois Ele é sumamente justo. Se o homem O seguir até o fim, como Ele poderia descartá-lo? Eu sou imparcial com todos os homens e julgo todos eles com Meu caráter justo, no entanto, há condições adequadas às exigências que faço ao homem; o que Eu demando deve ser cumprido por todos, independentemente de quem são. Não Me importo com suas qualificações nem por quanto tempo as teve; só Me importa se você anda ou não no Meu caminho e se você ama ou não e está sedento pela verdade. Se você carecer da verdade e, em vez dela, envergonhar Meu nome, se não agir de acordo com Meu caminho, meramente seguindo sem cuidado ou preocupação, então, naquele momento, Eu o derrubarei e punirei por seus males. O que você dirá então? Você será capaz de dizer que Deus não é justo? Hoje, se você cumpriu as palavras que Eu falei, então você é o tipo de pessoa que Eu aprovo. Você diz que sempre sofreu enquanto seguiu Deus, que O seguiu na abundância e na escassez e compartilhou com Ele os bons e os maus momentos, mas você não viveu as palavras faladas por Deus; você quer apenas ficar ocupado para Deus e despender-se por Deus a cada dia e nunca pensou em viver uma vida com sentido. Você também diz: “Em todo caso, creio que Deus é justo. Eu sofri por Ele, ocupei-me por Ele e me dediquei a Ele, e trabalhei duro mesmo sem receber nenhum reconhecimento; Ele certamente Se lembrará de mim”. É verdade que Deus é justo, mas essa justiça não é manchada por quaisquer impurezas: ela não contém qualquer vontade humana nem é manchada pela carne ou por transações humanas. Todos que são rebeldes e estão em oposição, todos que não estão em conformidade com Seu caminho serão punidos; ninguém é perdoado, ninguém é poupado! Algumas pessoas dizem: “Hoje eu corro para Ti; quando chegar o fim, podes me dar uma pequena bênção?” Então Eu lhe pergunto: “Você cumpriu as Minhas palavras?”. A justiça da qual você fala é baseada em uma transação. Você apenas pensa que Eu sou justo e imparcial com todos os homens e que todos aqueles que Me seguem até o fim seguramente serão salvos e ganharão as Minhas bênçãos. Há um sentido inerente às Minhas palavras de que “todos aqueles que Me seguem até o fim seguramente serão salvos”: aqueles que Me seguem até o fim são aqueles que serão inteiramente ganhos por Mim; são aqueles que, depois de terem sido conquistados por Mim, buscam a verdade e são aperfeiçoados. Que condições você alcançou? Você apenas alcançou seguir-Me até o fim, e o que mais? Você cumpriu Minhas palavras? Você cumpriu uma das Minhas cinco exigências, mas não tem qualquer intenção de cumprir as quatro restantes. Você simplesmente encontrou a senda mais simples e mais fácil e a buscou com uma atitude de esperar que se dará bem. Para com uma pessoa como você, Meu caráter justo reserva castigo e julgamento, ele é de justa retribuição, e é a punição justa para todos os malfeitores; todos os que não andam no Meu caminho certamente serão punidos, mesmo que sigam até o fim. Essa é a justiça de Deus.

Extraído de ‘As experiências de Pedro: seu conhecimento de castigo e julgamento’ em “A Palavra manifesta em carne”

Talvez vocês imaginem que, por terem sido seguidores por tantos anos, vocês fizeram trabalho duro, a qualquer custo, e deveriam receber uma tigela de arroz na casa de Deus apenas por serem servidores. Eu diria que a maioria de vocês pensa assim porque vocês sempre buscaram o princípio de como tirar proveito de algo, e não de que tirem proveito de vocês. Então, estou lhes falando agora com toda a seriedade: Eu não Me importo com quão merecedor seu árduo trabalho seja, quão impressionantes sejam as suas qualificações, quão de perto você Me siga, quão renomado você seja ou o quanto melhorou a sua atitude; enquanto você não tiver feito o que Eu exigi, você nunca será capaz de ganhar o Meu louvor. Cancelem todos aqueles seus cálculos e ideias o mais rápido possível e comecem a levar as Minhas exigências a sério; caso contrário, transformarei todas as pessoas em cinzas a fim de pôr fim à Minha obra e, na pior das hipóteses, transformar Meus anos de operação e sofrimento em nada, pois não posso trazer Meus inimigos e aquelas pessoas que cheiram a maldade e tem a aparência de Satanás para o Meu reino ou levá-las para a próxima era.

Extraído de ‘As transgressões levarão o homem para o inferno’ em “A Palavra manifesta em carne”

O trabalho de Pedro foi o cumprimento do dever de uma criatura de Deus. Ele não trabalhou no papel de apóstolo, mas trabalhou enquanto buscava o amor a Deus. O curso do trabalho de Paulo também continha a sua busca pessoal: a sua busca era por causa de nada além de suas esperanças para o futuro e seu desejo de um bom destino. Ele não admitiu refinamento durante seu trabalho, como não admitiu poda nem tratamento. Ele acreditava que, desde que seu trabalho satisfizesse o desejo de Deus e tudo o que ele fizesse agradasse a Deus, no final haveria uma recompensa o aguardava. Não houve experiências pessoais no seu trabalho — tudo foi feito por causa do próprio trabalho, não realizado no contexto da busca de mudança. Tudo no trabalho dele foi uma transação, sem nada do dever ou da submissão de uma criatura de Deus. Não houve mudança alguma no antigo caráter de Paulo durante o decurso de seu trabalho. Seu trabalho foi meramente de serviço a outros, e era incapaz de provocar mudanças no caráter dele. Paulo realizou o seu trabalho diretamente, sem ter sido tratado nem tornado perfeito, e ele foi motivado por recompensa. Pedro foi diferente: ele era alguém que passara por poda, tratamento e refinamento. O propósito e a motivação do trabalho de Pedro eram essencialmente diferentes dos de Paulo. Embora Pedro não tenha feito um grande volume de trabalho, o seu caráter passou por muitas mudanças, e o que ele buscava era a verdade, bem como mudança real. Seu trabalho não foi realizado simplesmente por causa do trabalho em si. Paulo trabalhou muito, mas tudo foi obra do Espírito Santo e, ainda que tenha colaborado nessa obra, ele não a vivenciou. O fato de Pedro ter feito muito menos trabalho ocorreu só porque o Espírito Santo não operou tanto por meio dele. A quantidade de trabalho deles não determinou se foram tornados perfeitos; a busca de um deles foi a fim de receber recompensa, e a do outro foi para alcançar um máximo amor a Deus e cumprir o seu dever como criatura de Deus, na medida em que pôde viver uma amável imagem de modo a satisfazer o desejo de Deus. Eles eram externamente diferentes, assim como também eram diferentes demais em essência. Não se pode determinar qual deles foi tornado perfeito com base na quantidade de trabalho que fizeram. Pedro buscou viver a imagem de alguém que ama a Deus, ser alguém que obedecia a Deus, ser alguém que aceitava tratamento e poda, e ser alguém que cumpria seu dever como criatura de Deus. Foi capaz de devotar-se a Deus, pôr-se inteiramente nas mãos de Deus e obedecer-Lhe até a morte. Isso foi o que ele resolveu fazer e, ademais, foi o que ele conseguiu. Esta é a razão fundamental pela qual seu fim foi diferente do de Paulo. A obra feita pelo Espírito Santo em Pedro foi torná-lo perfeito e a obra do Espírito Santo em Paulo foi usá-lo. Isso porque as suas naturezas e visões quanto à busca não eram as mesmas. Ambos tiveram a obra do Espírito Santo. Pedro aplicou essa obra a si mesmo e também a proporcionou a outros; Paulo, por sua vez, só proporcionou a totalidade da obra do Espírito Santo a outros e ele mesmo não ganhou nada dela. Assim, depois de ter experimentado a obra do Espírito Santo por tantos anos, as mudanças em Paulo foram quase inexistentes. Ele ainda permanecia quase em seu estado natural, e ainda era o Paulo de antes. Era simplesmente que, depois de suportar as dificuldades de muitos anos de trabalho, ele aprendera a “trabalhar” e aprendera a perseverar, mas sua antiga natureza — a sua natureza altamente competitiva e mercenária — ainda permanecia. Depois de trabalhar durante tantos anos, ele não conhecia seu caráter corrompido, nem se livrara de seu antigo caráter, que ainda era claramente visível em seu trabalho. Havia nele apenas mais experiência de trabalho, mas essa pequena experiência somente foi incapaz de mudá-lo e não pôde alterar suas visões a respeito da existência ou do significado de sua busca. Paulo trabalhou muitos anos para Cristo e nunca voltou a perseguir o Senhor Jesus, mas não houve mudança alguma no conhecimento de Deus em seu coração. Isso significa que ele não trabalhou para devotar-se a Deus; mas, antes, foi compelido a trabalhar em prol de seu destino futuro. Porque, no início, ele perseguia Cristo e não se submetia a Ele; era inerentemente um rebelde que se opunha a Cristo propositalmente e não tinha conhecimento algum da obra do Espírito Santo. Quando seu trabalho estava quase concluído, ele ainda não conhecia a obra do Espírito Santo e agia meramente por sua própria vontade e conforme seu próprio caráter, sem atentar minimamente para a vontade do Espírito Santo. E assim sua natureza estava em inimizade contra Cristo e não obedecia à verdade. Como seria possível salvar alguém assim, que havia sido abandonado pela obra do Espírito Santo, que não tinha conhecimento da obra do Espírito Santo e que também se opunha a Cristo? Que um homem possa ou não ser salvo não depende de quanto trabalho ele fizer nem de quanto ele se devotar, mas é, em vez disso, determinado por ele conhecer ou não a obra do Espírito Santo, por ser ou não capaz de pôr a verdade em prática e por ter visões com relação à busca que estejam em conformidade com a verdade.

Embora tenham de fato ocorrido revelações naturais depois que Pedro começou a seguir Jesus, na natureza ele era, desde o princípio, alguém disposto a submeter-se ao Espírito Santo e a buscar a Cristo. Sua obediência ao Espírito Santo era pura — ele não procurava fama nem fortuna, mas era motivado pela obediência à verdade. Embora em três ocasiões Pedro tenha negado conhecer Cristo e embora tenha tentado o Senhor Jesus, tais ligeiras fraquezas humanas não tinham relação com sua natureza, isso não afetou a sua futura busca nem pode provar suficientemente que sua tentação foi o ato de um anticristo. A fraqueza humana normal é algo que todas as pessoas do mundo compartilham — você espera que Pedro seja diferente? As pessoas não sustentam certas opiniões sobre Pedro porque ele cometeu vários erros tolos? E as pessoas não veneram tanto Paulo por causa de todo o trabalho que fez e de todas as epístolas que escreveu? Como poderia o homem ser capaz de enxergar através da substância do homem? É certo que aqueles que realmente têm razão possam ver algo de tamanha insignificância? Ainda que os muitos anos de experiências dolorosas de Pedro não estejam registrados na Bíblia, isso não prova que ele não teve experiências reais, nem que não foi tornado perfeito. Como pode o homem compreender totalmente a obra de Deus? Os registros incluídos na Bíblia não foram escolhidos pessoalmente por Jesus, mas compilados por gerações posteriores. Assim sendo, tudo o que foi registrado na Bíblia não foi escolhido de acordo com as ideias do homem? De mais a mais, como o fim de Pedro e o de Paulo não consta expressamente das epístolas, o homem julga Pedro e Paulo segundo as suas próprias percepções e preferências. E por ter trabalhado tanto e feito “contribuições” tão grandes, Paulo ganhou a confiança das massas. O homem não se concentra só em superficialidades? Como poderia o homem ser capaz de enxergar através da substância do homem? Sem falar que, uma vez que Paulo tem sido objeto de veneração há milênios, quem se atreveria a negar impetuosamente o seu trabalho? Sendo Pedro apenas um pescador, como poderia ser a sua contribuição tão grande quanto a de Paulo? Em termos de contribuições que fizeram, Paulo deveria ter sido recompensado antes de Pedro e deveria ter sido o mais qualificado para ganhar a aprovação de Deus. Quem poderia imaginar que, em Seu lidar com Paulo, Deus simplesmente o fez trabalhar mediante seus dons, ao passo que tornou Pedro perfeito. De forma alguma é verdade que o Senhor Jesus fizera planos para Pedro e Paulo desde o princípio — aliás, eles foram tornados perfeitos ou postos para trabalhar de acordo com a natureza inerente deles. Logo, o que as pessoas veem são apenas as contribuições visíveis do homem, enquanto o que Deus vê é a substância do homem, bem como a senda que ele busca desde o início e a motivação por trás da sua busca. As pessoas avaliam um homem segundo as noções e as percepções delas, embora o derradeiro final de um homem não seja determinado de acordo com seus fatores externos. E, portanto, Eu digo que se a senda que você toma desde o princípio é a senda do sucesso e seu ponto de vista em relação à busca é o correto desde o início, você é como Pedro; se a senda que você trilha é a senda do fracasso, seja qual for o preço que pague, seu fim ainda será igual ao de Paulo. Em qualquer caso, seu destino, e o seu sucesso ou fracasso, são determinados pelo fato de a senda que você escolhe ser a certa ou não, e não pela sua devoção nem pelo preço que paga.

Extraído de ‘O sucesso ou o fracasso dependem da senda que o homem percorre’ em “A Palavra manifesta em carne”

Se você fez trabalhou muito e outros ganharam seus ensinamentos, mas você mesmo não mudou, não deu nenhum testemunho e não teve nenhuma experiência verdadeira, de modo que, no fim de sua vida, ainda nada do que fez dá testemunho, então você é alguém que mudou? Você é alguém que busca a verdade? Na ocasião, o Espírito Santo usou você, mas quando Ele o fez, usou a parte de você que podia ser usada para trabalhar e não usou a parte de você que não podia ser usada. Se você procurasse mudar, teria sido tornado perfeito paulatinamente durante o processo de ser usado. Todavia, o Espírito Santo não assume nenhuma responsabilidade por você ser ganho ou não em definitivo, e isso depende de seu modo de busca. Se não há mudanças em seu caráter pessoal é porque seu ponto de vista quanto à busca está errado. Se não lhe é conferida nenhuma recompensa, o problema é seu, e é porque você mesmo não pôs a verdade em prática e não é capaz de satisfazer o desejo de Deus. Assim, nada é de maior importância do que suas experiências pessoais e nada é mais crucial do que sua entrada pessoal! Algumas pessoas acabarão por dizer: “Tenho feito tanto trabalho por Ti e, embora possa não ter feito quaisquer conquistas celebradas, ainda assim fui diligente nos meus esforços. Não podes simplesmente me deixar entrar no céu para comer o fruto da vida?” Você deve saber que tipo de pessoa Eu desejo; a quem é impuro não se permite entrar no reino, a quem é impuro não se permite macular o solo santo. Ainda que possa ter feito muito trabalho e trabalhado por muitos anos, no fim, se você ainda é deploravelmente imundo, será intolerável para a lei do Céu que você deseje entrar no Meu reino! Desde a fundação do mundo até hoje, nunca ofereci fácil acesso ao Meu reino àqueles que Me bajulam. Esta é uma regra celestial, e ninguém pode infringi-la! Você deve buscar a vida. Hoje, os que serão tornados perfeitos são do mesmo tipo que Pedro. Eles são aqueles que procuram mudanças em seu próprio caráter e que se dispõem a dar testemunho de Deus e a cumprir seu dever como criaturas de Deus. Somente pessoas como essas serão tornadas perfeitas. Se você só busca recompensas e não procura mudar seu próprio caráter de vida, então todos os seus esforços serão inúteis — essa é uma verdade inalterável!

Extraído de ‘O sucesso ou o fracasso dependem da senda que o homem percorre’ em “A Palavra manifesta em carne”

Anterior: 1. O que é seguir a vontade de Deus e quais tipos de manifestações têm aqueles que seguem a vontade de Deus

Próximo: 3. O que é testemunho verdadeiro e se o testemunho de uma pessoa é verdadeiro se ela só desfrutar da graça de Deus

Durante desastres, além de rezar, a coisa mais crítica para nós é encontrar a maneira de sermos protegidos. Junte-se ao nosso grupo de estudo gratuitamente.

Conteúdo relacionado

1. O que são as virgens sábias e o que são as virgens tolas

Ele que é a encarnação de Deus deve possuir a substância divina, e Ele que é a encarnação de Deus deve possuir a expressão de Deus. Já que Deus Se torna carne, Ele levará adiante a obra que precisa fazer, e já que Deus Se torna carne, Ele expressará o que Ele é e será capaz de trazer a verdade ao homem, conceder vida ao homem e mostrar o caminho ao homem. Carne que não contém a substância de Deus certamente não é o Deus encarnado; disso não há dúvida. Para investigar se é a carne encarnada de Deus, o homem deve determinar isso a partir do caráter que Ele expressa e das palavras que Ele fala. O que quer dizer, se é ou não a carne encarnada de Deus, se é ou não o verdadeiro caminho deve ser julgado pela Sua substância. E assim, ao determinar[a] se é a carne do Deus encarnado, a chave é prestar atenção na Sua substância (Sua obra, Suas palavras, Seu caráter e muito mais), em vez de na aparência exterior. Se o homem olha apenas a Sua aparência exterior e ignora a Sua substância, então isso mostra a ignorância e a ingenuidade do homem.

5. A razão verdadeira por trás da opressão e perseguição selvagem da Igreja de Deus Todo-Poderoso pelo PC Chinês

Pastores e líderes do mundo religioso, por exemplo, confiam em seus dons e posições para realizar sua obra. As pessoas que os seguem por muito tempo serão infectadas por seus dons e influenciadas por parte do que eles são. Eles se concentram nos dons, habilidades e conhecimento das pessoas e dão atenção a algumas coisas sobrenaturais e a várias doutrinas irrealistas profundas (essas doutrinas profundas são obviamente inatingíveis). Não se concentram na mudança de caráter das pessoas, mas sim no treinamento das habilidades de pregar e operar delas, aprimorando o conhecimento das pessoas e ricas doutrinas religiosas. Não se concentram em até que ponto o caráter das pessoas é mudado ou até que ponto as pessoas entendem a verdade. Não se preocupam com a substância das pessoas, muito menos tentam conhecer os estados normais e anormais delas. Não contestam nem revelam as noções das pessoas, muito menos corrigem as deficiências ou corrupções delas. A maioria daqueles que os seguem servem através de seus dons naturais e o que eles expressam é conhecimento e verdade religiosa vaga, que estão desconectados da realidade e são totalmente incapazes de dar vida às pessoas.

4. As diferenças essenciais entre Deus encarnado e aqueles que são usados por Deus

A obra de julgamento é a própria obra de Deus, portanto ela deve ser naturalmente realizada pelo Próprio Deus; não pode ser realizada pelo homem em Seu lugar. Como o julgamento é a conquista da raça humana por meio da verdade, é inquestionável que Deus ainda apareça como imagem encarnada para realizar essa obra entre os homens. Isto é, nos últimos dias, Cristo irá usar a verdade para ensinar os homens do mundo todo e revelar todas as verdades a eles. Essa é a obra de julgamento de Deus.

3. A relação entre todos os três estágios da obra de Deus

O objetivo dos três estágios da obra é a salvação de toda a humanidade — o que significa a salvação completa do homem do império de Satanás. Embora cada um dos três estágios da obra tenha um objetivo e um significado diferentes, cada uma é parte da obra de salvar a humanidade, e é uma obra de salvação diferente, realizada de acordo com as exigências da humanidade.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro