Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

Declarações de Cristo dos últimos dias

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Busca por

Nenhum resultado encontrado

`

A décima quarta declaração

Ao longo das eras, nenhum humano entrou no reino e por isso nenhum desfrutou da graça da Era do Reino, nenhum viu o Rei do reino. Ainda que sob a iluminação do Meu Espírito muitas pessoas tenham profetizado a beleza do reino, elas conhecem apenas o seu exterior, não o significado interior. Hoje, conforme o reino adquire existência formal na terra, a maior parte da humanidade ainda não sabe exatamente o que deve ser realizado, a que reino o homem finalmente é levado, durante a Era do Reino. Sobre isso, temo que todos os homens estejam em um estado de confusão. Porque o dia da realização completa do reino não chegou plenamente, todos os homens estão desnorteados, incapazes de vê-lo com clareza. Minha obra na divindade começa formalmente com a Era do Reino. É com o início formal da Era do Reino que o Meu caráter começa a se manifestar ao homem progressivamente. Assim, nesse momento a trombeta sagrada começa formalmente a soar e a proclamar a todos. Quando Eu formalmente assumir o Meu poder e reinar como Rei no reino, todo o Meu povo será certamente completado por Mim ao longo do tempo. Quando todas as nações do mundo estiverem desfeitas, é precisamente quando o Meu reino será estabelecido e moldado e também quando Eu serei transfigurado e Me voltarei para todo o universo. Naquele tempo, todas as pessoas verão o Meu rosto glorioso, verão o Meu semblante verdadeiro. Da criação do mundo até o presente, a humanidade tem sido corrompida por Satanás até o grau que subsiste hoje. Com a corrupção do homem, Me tornei cada vez mais oculto e cada vez mais insondável para os humanos. O homem nunca viu o Meu rosto verdadeiro, nunca interagiu diretamente Comigo. Só em rumores e mitos tem havido um “Eu” na imaginação do homem. Por isso, Eu concordo com a imaginação humana, isto é, com as concepções humanas, para atacar o “Eu” na mente dos homens, para que Eu possa mudar a condição do “Eu” que eles acolheram pela miríade de anos. Esse é o princípio da Minha obra. Nem uma única pessoa foi capaz de conhecê-la por completo. Embora os homens tenham se prostrado a Mim e vindo diante de Mim para Me adorar, Eu não desfruto desses atos dos homens porque em seu coração eles não guardam a Minha imagem, mas uma imagem exterior a Mim. Portanto, a mente deles carece do Meu caráter, eles não conhecem nada do Meu rosto verdadeiro. Portanto, quando eles acreditam que resistiram a Mim ou que ofenderam Meus decretos administrativos, Eu ainda faço vista grossa. E portanto, em suas memórias, Eu sou um Deus que mostra misericórdia aos homens em vez de castigá-los, ou Eu sou o Próprio Deus que não Se dispõe ao que diz. Essas são todas imaginações nascidas do pensamento humano e não em conformidade com os fatos.

Estou de pé sobre o universo dia após dia, observando, e humildemente Me escondo em Minha morada para experimentar a vida humana, estudando de perto cada ato do homem. Ninguém jamais se ofereceu a Mim de verdade. Ninguém jamais perseguiu a verdade. Ninguém jamais esteve consciencioso de Mim. Ninguém jamais tomou resoluções diante de Mim e cumpriu seu dever. Ninguém jamais Me permitiu habitar em si. Ninguém Me valorizou como valorizaria a própria vida. Ninguém jamais viu na realidade prática todo o ser da Minha divindade. Ninguém jamais esteve disposto a entrar em contato com o Próprio Deus prático. Quando as águas engolem os homens por inteiro, Eu os salvo das águas estagnadas e lhes dou uma chance de ter uma vida nova. Quando os homens perdem a confiança para viver, Eu os resgato da beira da morte, conferindo-lhes coragem para viver, para que Me tomem como fundação da sua existência. Quando os homens desobedecem a Mim, faço-os Me conhecer em sua desobediência. À luz da velha natureza da humanidade e à luz da Minha misericórdia, em vez de reduzir os humanos à morte, permito que se arrependam e criem um novo começo. Quando os homens sofrem a fome, Eu os arranco da morte enquanto lhes resta um fôlego, impedindo-os de serem vítimas das trapaças de Satanás. Quantas vezes as pessoas viram as Minhas mãos; quantas vezes viram o Meu semblante gentil, viram o Meu rosto sorridente; e quantas vezes viram a Minha majestade, viram a Minha ira. Embora a humanidade nunca tenha Me conhecido, não Me apodero de sua fraqueza para criar um problema desnecessário. Experimentando as dificuldades da humanidade, assim Eu simpatizo com a fraqueza do homem. É só em resposta à desobediência dos homens, à sua ingratidão, que Eu distribuo castigos em graus variados.

Eu Me escondo nos momentos de ocupação dos homens e Me revelo em seus momentos de descanso. A humanidade Me imagina onisciente e o Próprio Deus que atende a todos os apelos. A maioria assim vem diante de Mim apenas para buscar a ajuda de Deus, não devido ao desejo de Me conhecer. Quando nos espasmos da doença, os homens imploram com urgência a Minha ajuda. Quando na adversidade, confidenciam suas dificuldades a Mim com toda sua força para verter melhor seu sofrimento. Mas nem um único ser humano foi capaz de também Me amar estando no conforto. Nem uma única pessoa estendeu a mão em seus momentos de paz e felicidade para que Eu pudesse participar da sua alegria. Quando a família próxima está feliz e bem, os homens já Me jogam de lado ou fecham a porta para Mim, proibindo-Me de entrar, desfrutando assim da abençoada felicidade da família. A mente humana é muito mesquinha, mesquinha demais até para incluir um Deus tão amoroso, misericordioso e tangível quanto Eu. Quantas vezes fui rejeitado pelos homens em seus momentos de riso alegre; quantas vezes servi de muleta quando os homens cambalearam; quantas vezes fui obrigado a fazer o papel de médico pelos homens que sofriam com doenças. Como a humanidade é cruel! Completamente irracional e imoral. Nem sequer os sentimentos com que os humanos supostamente estão equipados podem ser percebidos neles. São quase destituídos de qualquer traço humano. Ponderem o passado e comparem-no ao presente. As mudanças estão acontecendo dentro de vocês? É menos desse passado em jogo no presente? Ou esse passado ainda tem de ser substituído?

Morro acima e morro abaixo Eu tenho atravessado, experimentando os altos e baixos do mundo. Dentre os homens tenho perambulado e dentre os homens tenho vivido por muitos anos, mas parece que o caráter da humanidade mudou pouco. E é como se a velha natureza dos homens tivesse criado raízes e brotado neles. Nunca são capazes de mudar essa velha natureza, só melhorá-la um pouco em relação à fundação original. Como as pessoas dizem, a essência não mudou, mas a forma mudou bastante. Todos, ao que parece, estão tentando Me enganar, Me ofuscar, para poder se livrar e ganhar a Minha apreciação. Eu não admiro nem dou atenção às artimanhas das pessoas. Em vez de ficar furioso, adoto uma atitude de olhar sem enxergar. Eu planejo conferir à humanidade certo grau de lassidão para depois lidar com todos os humanos em conjunto. Como os humanos são todos miseráveis sem valor que não se respeitam, não apreciando a si mesmos, por que então precisariam de Mim para mostrar misericórdia e amor renovados? Sem exceção, os homens não se conhecem e não conhecem seu peso. Eles precisariam se colocar em uma balança para serem pesados. A humanidade não presta atenção em Mim, assim Eu também não a levo a sério. Os humanos não prestam atenção em Mim, então nem Eu preciso Me esforçar em relação a eles. Esse não é o melhor dos dois mundos? Isso não descreve vocês, Meu povo? Quem tomou resoluções diante de Mim e não as descartou em seguida? Quem tomou resoluções de longo prazo diante de Mim em vez de resolver coisa e outra com mais frequência? Invariavelmente, os homens tomam resoluções diante de Mim em tempos de calmaria e as cancelam todas em tempos de adversidade. Depois, tornam a pegar sua resolução e a colocam diante de Mim. Eu sou tão desrespeitável que aceitaria casualmente o refugo que o homem pegou da pilha de lixo? Poucos humanos se mantêm firmes às suas resoluções, poucos são castos e poucos oferecem o que têm de mais precioso como sacrifício a Mim. Todos vocês não são do mesmo jeito? Como alguém do Meu povo no reino, se não puderem cumprir com seu dever, vocês serão detestados e rejeitados por Mim!

12 de março de 1992

Anterior:A décima terceira declaração

Próximo:A décima quinta declaração

Coisas que talvez lhe interessem