Aprendi a me coordenar com os outros

01 de Agosto de 2020

Deus Todo-Poderoso diz: “A arrogância é a raiz do caráter corrupto do homem. Quanto mais arrogantes, mais sujeitas as pessoas ficam a resistir a Deus. O quanto esse problema é sério? As pessoas com caráter arrogante não só consideram todas as outras inferiores a elas, como também, o pior de tudo, são até condescendentes para com Deus. Embora algumas pessoas, externamente, pareçam acreditar em Deus e segui-Lo, elas não O tratam como Deus de modo algum. Sempre sentem que possuem a verdade e pensam que elas são tudo no mundo. Essa é a essência e a raiz do caráter arrogante, e ele vem de Satanás. Portanto, o problema da arrogância precisa ser resolvido. Sentir que um é melhor que os outrosesse é um caso trivial. A questão crítica é que o caráter arrogante de uma pessoa a impede de se submeter a Deus, Seu governo e Seus arranjos; tal pessoa se sente sempre inclinada a competir com Deus pelo poder sobre os outros. Esse tipo de pessoa não reverencia a Deus nem um pouco, sem falar de amar a Deus ou submeter-se a Ele. Pessoas que são arrogantes e convencidas, sobretudo aquelas que são tão arrogantes que perderam o senso, não podem se submeter a Deus em sua crença Nele, nem exaltar e dar testemunho por si mesmas. Tais pessoas resistem o máximo a Deus. Se desejam chegar aonde reverenciam a Deus, então primeiro as pessoas precisam resolver seu caráter arrogante. Quanto mais completamente resolver seu caráter arrogante, mais reverência você terá por Deus, e só então poderá se submeter a Ele e ser capaz de obter a verdade e conhecê-Lo” (“A Palavra manifesta em carne”). Eu sempre soube que meu caráter era arrogante, mas nunca entendi de verdade as palavras: “A arrogância é a raiz do caráter corrupto do homem. Quanto mais arrogantes, mais sujeitas as pessoas ficam a resistir a Deus”. Eu nunca nem me concentrei em buscar a verdade para resolver isso. Foi só quando atrapalhei a obra da igreja com a minha arrogância, porque exibi minha experiência e fiz as pessoas cumprirem as minhas ordens no meu dever, que finalmente comecei a entender as palavras de Deus e ver como a arrogância pode fazer com que as pessoas façam o mal e resistam a Deus. Só então eu me concentrei em buscar a verdade para resolver o meu caráter arrogante.

Em maio de 2018, a igreja me concedeu o dever de escrever. Quando eu comecei, não me sentia nada qualificada. Muitas vezes eu orava e confiava em Deus no meu dever e comunicava sobre os princípios de editar artigos com as minhas colegas. Depois de um tempo, eu senti que já tinha um bom domínio dos princípios e das habilidades profissionais para editar artigos e que eu dava conta do recado. Com o tempo, fiquei menos concentrada em buscar os princípios da verdade no meu dever. Quando editava artigos, eu raramente ouvia as sugestões dos outros e ficava presa às minhas próprias visões. Uma vez, um artigo não seguiu uma linha de pensamento clara. Duas irmãs disseram que deveríamos comunicar de acordo com as palavras de Deus e os princípios e chegar à linha de pensamento antes de editar. Eu pensei: “Precisamos mesmo olhar para as palavras de Deus e os princípios? Cumprimos este dever há tempos! Deveríamos conseguir resolver esse probleminha!” Expliquei a linha de pensamento no artigo para as outras como eu entendi e forcei a minha visão para elas como sendo a correta. Por insistência minha, as irmãs não buscaram as palavras de Deus e os princípios, só interpretaram o artigo de acordo com o meu entendimento. Numa outra vez, estávamos comunicando sobre a essência do artigo quando as irmãs sugeriram que encontrássemos material de estudo escrito. Eu era totalmente contra essa ideia e pensei: “Todas editamos vários artigos. De que adianta estudar mais? A linha de pensamento da escrita é algo que a gente sente. Vocês estão tentando mexer em time que está ganhando”. Arranjei uma desculpa para recusar aquilo e ensinei a elas o que eu sabia sobre escrever, para que pudessem seguir os meus passos. Finalmente, as duas irmãs não tiveram escolha a não ser aceitar.

Um dia, uma irmã nova veio editar artigos comigo. Descobri que ela era nova na fé e que nunca tinha cumprido o dever de escrever. Quando passei a conhecê-la, descobri que ela não era tão boa quanto eu ao estruturar a língua. Eu pensei: “Cumpro esse dever há mais tempo que você e entendo mais dos princípios e das habilidades do que você. Você só precisa fazer o que eu mando de agora em diante”. Uma vez, eu vi que ela não tinha editado um artigo de acordo com as minhas ideias. Me senti muito desconfortável e pensei: “Qual é o seu problema? Comuniquei com você detalhadamente. Você não escuta? Assim não adianta. Vou ter que ser severa com você”. Então apontei para a tela do computador e disse em tom repreensivo: “Olhe. O que está fazendo? As ideias aqui estão todas bagunçadas! Estou há muito tempo aqui e sei mais sobre os princípios e habilidades do que você. Se você editasse como eu ensinei, não teria feito tanta bagunça!” A irmã ficou toda vermelha e abaixou a cabeça em silêncio. Ao vê-la tão chateada, eu me senti mal, e pensei: “Como pude falar com ela assim e envergonhá-la?” “Não vou fazer isso de novo.” Mas, pouco tempo depois, enquanto discutíamos um artigo, passei um bom tempo comunicando as minhas próprias ideias com a irmã, mas ela ainda não estava editando como eu mandei. Fiquei com muita raiva e pensei: “As sugestões que eu dei para editar são aceitas pelas nossas colegas mais antigas, e até quem manda em nós concorda, então por que não faz o que eu digo? Não, preciso pensar num jeito de fazer você me ouvir”. Então, comuniquei com ela várias vezes. Só parei quando ela aceitou as minhas sugestões. Além disso, até ao fazer devocionais diários, eu usava meu longo tempo na fé e meu grande entendimento como pretextos para mandá-la ouvir certos sermões num minuto e depois ler alguns capítulos das palavras de Deus até que ela não tivesse mais ideia do que fazer. E isso continuou. A irmã começou a se sentir muito constrangida por mim. No início, ela era muito falante e sorridente, e até chegou a expressar suas próprias visões. Mas agora ela estava quieta e calada, quase nunca falava. Ela também estava negativa e não queria mais cumprir o dever dela. Fiquei chateada de vê-la naquele estado e pensei que não deveria tratá-la daquele jeito. Mas, assim que apareceu um problema, não consegui esconder a minha arrogância.

Pouco tempo depois, fiquei cheia de bolhas na boca. Era difícil comer. E, pior ainda, eu não conseguia sentir a obra e a orientação do Espírito Santo. Eu não tinha nada a dizer ao orar a Deus e não tinha nenhum esclarecimento de Suas palavras. Em um mês, eu editei poucos artigos. Eu me sentia constantemente desconfortável. Então, fiquei diante de Deus e orei para Ele me guiar para eu conhecer meu próprio estado. Depois, li algumas palavras de Deus citadas em um artigo que eu estava editando e que expunham o estado em que me encontrava. As palavras de Deus dizem: “Vocês cumprem seu dever, o tempo passa e vocês veem algum sucesso, mas não fizeram nenhum progresso em sua entrada na vida. Vocês não fizeram nenhum grande avanço e tudo o que entendem são aquelas poucas doutrinas e, por muito tempo, não tiveram nenhum conhecimento da realidade da verdade. Em tal situação, o que vocês farão e que caracteres corruptos revelarão? (Arrogância e orgulho.) Vocês se tornarão ainda mais arrogantes e convencidos, ou ficarão como estão? (Nós nos tornaremos ainda mais arrogantes e convencidos.) Por que isso ocorre? (Pensaremos que somos qualificados.) Com base em quê você determina quão qualificado é? Isso é determinado com base em quanto tempo você tem cumprido seu dever e em quanta experiência tem acumulado em seu cumprimento? De forma lenta mas certa, vocês começarão a classificar a si mesmos de acordo com antiguidade?… Quando as pessoas não têm qualificação, elas sabem que devem ser cautelosas e cuidadosas e sempre lembram a si mesmas de não cometer erros; no momento em que têm algumas qualificações, elas pensam que são boas o suficiente e começam a se classificar de acordo com a antiguidade. Quando isso ocorre, não há mais lugar algum para Deus em seu coração, e elas não têm mais qualquer conexão com Deus, o que é muito perigoso” (Registros das falas de Cristo). Depois de ler as palavras de Deus, eu pensei em quando comecei a cumprir meu dever. Eu não sabia nada sobre os princípios e habilidades, mas tinha alguma autoconsciência. Eu conseguia abdicar de mim, buscar e aprender com as minhas irmãs. Depois de um tempo, achei que entendi alguns princípios e comecei a ver resultados no meu dever. Sem perceber, eu estava sendo arrogante, achando que tinha bom calibre e experiência, então comecei a menosprezar as minhas irmãs. Eu não ouvia mais as sugestões delas e, quando elas queriam buscar os princípios ou materiais de estudo, eu achava que não precisava, que elas só tinham que seguir as minhas ordens. Menosprezei a irmã nova ainda mais. Eu achava que, porque cumpria aquele dever havia tempos e sabia mais, ela respeitaria a minha experiência e aceitaria as minhas ideias. Quando ela não fez isso, fiquei falando até ela aceitar minhas sugestões. Eu até a fiz ler o que eu pedi durante os devocionais e a coagi a ponto de ela ficar negativa, sofrer e nem querer mais cumprir seu dever. Eu não estava cumprindo meu dever. Estava fazendo o mal. Eu vinha capitalizando com a minha experiência, me tornando mais e mais arrogante, sempre coagindo os outros, e os machucando e oprimindo. Embora eu soubesse que meu estado estava errado, fui teimosa e me recusei a buscar a verdade ou a refletir sobre mim. Só então percebi o quanto o meu espírito estava sombrio e o quanto eu estava doente. Era Deus me disciplinando e, principalmente, me protegendo. Deus estava usando essa situação para me forçar a ficar diante Dele e refletir sobre mim. Quando pensei no sofrimento que o meu caráter arrogante causou à minha irmã. me senti muito chateada e culpada. Eu não tinha humanidade nenhuma! Eu corri até Deus para orar e me arrepender. Mais tarde, em uma reunião, comuniquei sobre a corrupção que vinha revelando e a minha compreensão dela e pedi desculpas de coração à minha irmã. Além de não fazer caso sobre isso, ela também se abriu sobre as próprias experiências dela. De repente, eu senti que nossos corações se uniram. Quando trabalhamos no nosso dever depois disso, pudemos comunicar juntas e nos complementar. As ideias dos artigos também ficaram bem mais claras quando os editávamos, e nós trabalhávamos muito rápido! Aí eu percebi que não viver sob meu caráter corrupto e trabalhar bem com os outros me trazia a orientação e as bênçãos de Deus.

Um dia, nos devocionais, eu li essa passagem das palavras de Deus: “Se você realmente possui a verdade em seu interior, a senda que trilhar será naturalmente a correta. Sem a verdade, é fácil praticar o mal, e você o praticará a despeito de si mesmo. Por exemplo, se você tivesse arrogância e presunção, acharia impossível abster-se de desafiar Deus; você se sentiria compelido a desafiá-Lo. Não faria isso de propósito; você o faria sob o domínio de sua natureza arrogante e vaidosa. Sua arrogância e vaidade fariam com que você desprezasse a Deus e O visse como um ser sem importância; fariam você se exaltar, colocar-se constantemente na vitrine e, finalmente, fariam você se sentar no lugar de Deus e dar testemunho de si mesmo. No fim, você transformaria as próprias ideias, os próprios pensamentos e as próprias noções em verdades a serem adoradas. Veja quanto mal é feito pelas pessoas sob o domínio da natureza arrogante e vaidosa delas! Para resolver seus atos maus, elas precisam primeiramente resolver o problema da sua natureza. Sem uma mudança no caráter, não seria possível trazer uma resolução fundamental para esse problema. Quando você tiver algum entendimento de Deus, quando puder ver a própria corrupção e reconhecer a insignificância e a fealdade da arrogância e da presunção, então se sentirá indignado, enojado e angustiado. Você será capaz de fazer algumas coisas de modo consciente para satisfazer a Deus e, assim fazendo, se sentirá tranquilo. Você será capaz de testemunhar a Deus de modo consciente e, assim fazendo, sentirá prazer. Você se desmascarará de modo consciente, expondo a própria feiura, e, assim fazendo, se sentirá bem internamente, se sentirá em um estado mental aprimorado” (“A Palavra manifesta em carne”). As palavras de Deus me mostraram que a minha natureza arrogante e convencida era a raiz da minha resistência a Deus. Controlada pela minha natureza arrogante, eu sempre me coloquei acima dos outros. Eu achava que era capaz de trabalhar e de entender mais do que todo mundo, então eu sempre queria dar a palavra final. Quando as visões das minhas irmãs divergiam da minha, eu me recusava a aceitar e martelava as minhas ideias na cabeça delas até elas aceitarem. Quando as minhas irmãs queriam buscar a verdade e consultar materiais de estudo, eu as impedia e as forçava a aceitar as minhas visões. Eu não as estava dominando e controlando e me colocando no lugar errado? Só as palavras de Deus são a verdade e os princípios da conduta humana, e nós devemos obedecer a elas e aceitá-las. Mas não deixei minhas irmãs buscarem os princípios da verdade nem obedecerem a Deus. Em vez disso, as fiz seguirem minhas ordens, como se as minhas palavras fossem a verdade. Tentei substituir a verdade com as minhas próprias visões e opiniões. Eu não estava tentando me comparar a Deus? Satanás habita nas lógicas: “Em todo o universo, só eu reino supremo” e “Aqueles que se submetem a mim prosperam; aqueles que a mim resistem perecem”. Ele sempre quer controlar a humanidade e substituir Deus. Eu também estava vivendo sob esses venenos satânicos, sempre querendo ser a dona do mundo, mandar e dar a última palavra. Eu não só machuquei as minhas irmãs como atrapalhei a obra da igreja. Meu caráter satânico era horrível! Eu estava andando numa senda oposta a Deus e ofendi o caráter Dele seriamente! O caráter justo de Deus veio a mim. Sem a obra do Espírito Santo, eu parecia cega, incapaz de entender problemas, sem alcançar nada no meu dever. Encarando os fatos, eu só abaixava a cabeça e reconhecia que, mesmo se houvesse pequenos sucessos no meu dever, todos foram atos de Deus. Tudo que fiz foi cooperar um pouco. Mas eu não me conhecia em nada, era totalmente arrogante, só dava ordens aos outros. Eu não tinha nenhum autoconhecimento. Senti muita vergonha quando pensei nisso. Eu resolvi trabalhar bem com os outros dali para a frente e não viver mais sob o meu caráter arrogante, aprender a me soltar e aceitar mais as sugestões dos outros.

Uma vez, quando estávamos analisando a linha de pensamento em um artigo, a irmã Zhang levantou algumas ideias que tinham mérito, mas, mais uma vez, eu quis que ela fizesse o que eu pensei. Quando eu estava prestes a justificar por que minhas ideias estavam certas, eu me dei conta de que estava revelando meu caráter arrogante de novo e tentando fazer minha irmã me obedecer. Eu pensei em quando isso machucou minhas irmãs e impactou o meu dever antes, porque eu estava vivendo sob o meu caráter arrogante. Eu não queria mais fazer aquilo, então orei e chamei Deus ao meu coração. Uma comunhão de Deus veio à minha mente na hora. Depois que Deus pediu para Adão dar nome para todos os seres vivos, Deus pegou aqueles nomes e os deu aos seres vivos. As palavras de Deus dizem: “Deus deu inteligência ao homem e o homem usou a inteligência dada por Deus para fazer as coisas. Se o que o homem faz é positivo aos olhos de Deus, então é afirmado, reconhecido e aceito por Deus sem qualquer avaliação ou crítica. Isso é algo que nenhuma pessoa ou espírito maligno, ou Satanás, pode fazer. Vocês veem uma revelação do caráter de Deus aqui? Será que um ser humano, um ser humano corrompido ou Satanás aceitariam que outros os representassem fazendo coisas bem debaixo do seu nariz? Claro que não! Eles lutariam por posição com aquela outra pessoa ou outra força que é diferente deles? Claro que sim! Naquele momento, se fosse uma pessoa corrompida ou Satanás que estivesse com Adão, eles certamente teriam rejeitado o que Adão estava fazendo. Para provar que eles têm a capacidade de pensar de forma independente e ter seus próprios conhecimentos únicos, eles teriam absolutamente negado tudo o que Adão fez: Você quer chamar assim? Bem, eu não vou chamar assim, vou chamar de outro jeito; você chamou de Tom, mas eu vou chamá-lo de Harry. Eu tenho que exibir meu brilho’. Que tipo de natureza é essa? Não é descontroladamente arrogante? Mas Deus tem tal caráter? Deus fez alguma objeção extraordinária quanto a isso que Adão fez? A resposta é inequivocamente não! Do caráter que Deus revela, não há o menor grau de argumentação, arrogância ou hipocrisia. Isso está bastante claro aqui” (“A Palavra manifesta em carne”). Eu me senti incrivelmente emocionada enquanto ponderava sobre as palavras de Deus. Adão deu nome a todos os seres vivos e Deus aprovou o que Adão fez sem mudar nada. O homem usa sua inteligência dada por Deus para fazer coisas positivas, e Deus aceita essas coisas sem interferir. Eu vi que Deus é muito humilde e oculto, e que Ele não Se exibe. A essência de Deus é muito bonita e boa! Mesmo assim, eu, mais insignificante que um verme, estava sendo arrogante, convencida e exibindo a minha experiência. Eu sempre queria comandar a equipe e mandar os outros seguirem minhas regras. Eu não tinha vergonha! Voltando agora ao que aconteceu, vi claramente que as ideias da irmã Zhang tinham mais mérito do que a minha, mas eu ainda queria dispensá-las e fazê-la seguir minhas ordens. Eu me tornei totalmente insensível na minha arrogância! Com esse pensamento, eu me odiei de verdade e queria me dar uns tapas. Orei silenciosamente a Deus dizendo como eu queria abdicar de mim e fazer o que a minha irmã sugeriu. Então eu disse às outras irmãs: “As ideias da irmã Zhang têm mérito e são melhores do que as minhas. Vamos fazer o que ela sugerir”. As outras irmãs aprovaram o que eu disse. Mais tarde, editamos o artigo e, sob a orientação de Deus, o trabalho fluiu bem e terminou logo. Sentimos um alívio muito grande. Duas irmãs falaram comigo depois: “Você mudou. Não se apega mais tanto às suas ideias e aceita as sugestões dos outros”. Quando eu as ouvi dizendo aquilo, agradeci a Deus do fundo do meu coração!

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Contate-nos
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

Uma verdadeira parceria

Sinto-me grato pela iluminação de Deus, que não só me ajudou a entender como uma parceria verdadeiramente harmoniosa funciona, mas ajudou-me mais ainda a ver o meu caráter corrupto de arrogância revelado em meu próprio serviço com meu parceiro e mostrou-me que quando a humanidade corrupta toma o poder, o resultado é o mesmo que o grande dragão vermelho. Espero que eu consiga eliminar os venenos do grande dragão vermelho em mim, entrar em uma verdadeira parceria e finalmente tornar-me alguém que serve a Deus e que é compatível com a vontade de Seu coração.

Servir desta maneira é verdadeiramente desprezível

Nos últimos dias, a igreja providenciou uma mudança no meu trabalho. Quando recebi essa nova tarefa, eu pensei: “Preciso aproveitar essa última oportunidade para convocar uma reunião com meus irmãos e irmãs, discutir as questões claramente com eles, e deixar uma boa impressão”.

A obra de Deus é tão sábia

Durante o meu tempo como um líder na igreja, o meu líder compartilhava com frequência exemplos de falhas dos outros para nos servir de lição.

Deixar uma resposta