Palavras diárias de Deus | "A obra de Deus, o caráter de Deus e o Próprio Deus III" | Trecho 66

“Digo-vos, porém, que aqui está o que é maior do que o templo. Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifícios, não condenaríeis os inocentes. Porque o Filho do homem até do sábado é o Senhor” (Mateus 12:6-8). A que se refere “templo” aqui? Simplificando, “templo” se refere a um edifício alto e magnífico e, na Era da Lei, o templo era um local para os sacerdotes adorarem a Deus. Quando o Senhor Jesus disse: “Aqui está o que é maior do que o templo”, a quem estava se referindo? Claramente, “o que” é o Senhor Jesus na carne, porque apenas Ele era maior que o templo. O que essas palavras disseram às pessoas? Elas disseram às pessoas que saíssem do templo — Deus já havia saído e não estava mais operando nele, portanto as pessoas deveriam buscar os passos de Deus fora do templo e seguir Seus passos na Sua nova obra. O contexto em que o Senhor Jesus disse isso era que, sob a lei, as pessoas tinham passado a ver o templo como algo maior que o Próprio Deus. Isto é, as pessoas adoravam o templo em vez de adorar a Deus, por isso o Senhor Jesus as advertiu a não adorar ídolos, mas sim a adorar a Deus porque Ele é supremo. Assim, Ele disse: “Misericórdia quero, e não sacrifícios”. É evidente que, aos olhos do Senhor Jesus, a maioria das pessoas sob a lei não mais adorava a Deus Jeová, mas estava apenas realizando os procedimentos dos sacrifícios, e o Senhor Jesus determinou que esse processo era adoração de ídolos. Esses adoradores de ídolos viam o templo como algo maior e superior a Deus. Em seu coração havia apenas o templo, não Deus, e se eles perdessem o templo, perderiam sua morada. Sem o templo eles não teriam onde adorar e não poderiam realizar seus sacrifícios. Sua suposta morada é onde eles agiam sob o pretexto de adorar a Deus Jeová, permitindo-lhes permanecer no templo e tratar dos seus próprios assuntos. A suposta realização dos sacrifícios servia apenas para levar a cabo suas próprias transações vergonhosas, sob o disfarce de prestar seu serviço no templo. Foi por essa razão que as pessoas daquela época viam o templo como maior que Deus. Porque elas usavam o templo como disfarce e os sacrifícios como pretexto para enganar as pessoas e enganar a Deus, o Senhor Jesus disse isso para alertá-las. Se vocês aplicarem essas palavras ao presente, elas são igualmente válidas e igualmente pertinentes. Embora as pessoas de hoje tenham experimentado obras de Deus diferentes das experimentadas pelas pessoas na Era da Lei, a essência da sua natureza é a mesma. No contexto da obra de hoje, as pessoas ainda fazem o mesmo tipo de coisas como “o templo é maior que Deus”. Por exemplo, as pessoas consideram que cumprir o seu dever é o seu trabalho; elas consideram que dar testemunho de Deus e combater o grande dragão vermelho como movimentos políticos em defesa dos direitos humanos, pela democracia e pela liberdade; eles transformam em carreiras seu dever de utilizar as suas habilidades, porém consideram que temer a Deus e evitar o mal não passam de instâncias de doutrina religiosa para se observar; e assim por diante. Não são essas expressões por parte dos humanos essencialmente o mesmo que “o templo é maior que Deus”? Exceto que dois mil anos atrás as pessoas tratavam dos seus negócios pessoais no templo físico, mas hoje, tratam dos seus negócios pessoais em templos intangíveis. Os que valorizam as regras veem as regras como maiores que Deus, os que amam o status veem o status como maior que Deus, os que amam sua carreira veem a carreira como maior que Deus e assim por diante — todas as suas expressões Me levam a dizer: “As pessoas louvam a Deus como sendo o maior através das suas palavras, mas através dos seus olhos tudo é maior que Deus”. Isso porque, assim que as pessoas encontram uma oportunidade ao longo de sua senda de seguir a Deus para mostrar seus próprios talentos, ou para tratar dos seus próprios negócios ou da sua própria carreira, elas se distanciam de Deus e se lançam na carreira que amam. Quanto àquilo que Deus lhes confiou, e à Sua vontade, essas coisas já foram descartadas há muito tempo. Nesse cenário, o que há de diferente entre essas pessoas e as que tratavam dos seus próprios negócios no templo há dois mil anos?

Extraído de “A Palavra manifesta em carne”

Quando o desastre vem, como nós cristãos devemos lidar com ele? Convidamos você a participar da nossa reunião online, onde podemos explorar juntos e encontrar o caminho.
Contate-nos
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado