142. Os princípios para tratar desastres naturais e os causados pelo homem

(1) Qualquer desastre, seja natural ou causado pelo homem, ocorre com a permissão de Deus. Todos são expressões do caráter justo de Deus. É preciso refletir sobre si mesmo e arrepender-se verdadeiramente;

(2) Toda a humanidade corrupta é de natureza satânica, muitas vezes resistindo a Deus e provocando Sua ira. É natural que as pessoas muitas vezes enfrentem desastres naturais e os causados pelo homem;

(3) Em meio a desastres e provações, deve-se orar a Deus e confiar Nele. Sigam o exemplo de Jó, sem culpar a Deus nem abandoná-Lo. Em vez disso, deve-se buscar a verdade e permanecer firme em seu testemunho;

(4) Deus envia desastres para destruir a humanidade perversa e satânica. Se alguém tem simpatia pelo diabo Satanás, está resistindo e traindo a Deus e, mesmo que toda sua família seja destruída, deve louvar a Deus.

Palavras de Deus relevantes:

Minha obra final não tem por objetivo apenas punir os homens, mas também arranjar o destino deles. E, mais ainda, o objetivo é que todas as pessoas possam reconhecer Meus feitos e ações. Quero que todas as pessoas vejam que tudo o que fiz é correto e que tudo o que fiz é expressão do Meu caráter. Não foi ação do homem, muito menos da natureza, que trouxe o ser humano à existência, mas Eu, que nutro todo ser vivo na criação. Sem a Minha existência, a humanidade só perecerá e sofrerá o flagelo das calamidades. Nenhum ser humano tornará a ver a beleza do sol e da lua nem o mundo verde; a humanidade encontrará somente a noite gélida e o vale implacável da sombra da morte. Eu sou a única salvação da humanidade. Sou a única esperança da humanidade e, mais ainda, sou Aquele sobre quem se baseia a existência de toda a humanidade. Sem Mim, a humanidade imediatamente ficará paralisada. Sem Mim, a humanidade sofrerá uma catástrofe e será espezinhada por toda espécie de espectros, ainda que ninguém atente para Mim. Eu fiz uma obra que mais ninguém pode fazer, e Minha única esperança é que o homem seja capaz de Me retribuir com algumas boas ações. Embora poucos tenham sido capazes de Me retribuir, ainda assim Eu concluirei a Minha jornada no mundo humano e começarei a próxima etapa da Minha obra reveladora, porque toda a Minha correria de um lado a outro destes muitos anos em meio aos homens foi proveitosa, e estou muito satisfeito. Não Me importo com o número de pessoas, mas com suas boas ações. Em todo caso, espero que vocês preparem boas ações suficientes para seu destino próprio. Com isso, ficarei satisfeito; do contrário, nenhum de vocês escapará do desastre que lhes sucederá. O desastre tem origem em Mim e, claro, é por Mim orquestrado. Se vocês não conseguirem parecer bons aos Meus olhos, não escaparão de sofrer o desastre.

Extraído de ‘Prepare boas ações suficientes para o seu destino’ em “A Palavra manifesta em carne”

Minha misericórdia se expressa naqueles que Me amam e negam a si mesmos. A punição que ocorre aos perversos, entrementes, é precisamente a prova de Meu caráter justo e, mais ainda, testemunho da Minha ira. Quando o desastre vier, todos aqueles que a Mim se opõem prantearão ao caírem vitimados por fome e peste. Aqueles que cometeram toda espécie de perversidade, mas Me seguiram por muitos anos, não escaparão de pagar por seus pecados; eles, também, cairão no desastre, de um tipo raramente visto ao longo de milhões de anos, e viverão num constante estado de pânico e pavor. E aqueles dos Meus seguidores que mostraram lealdade a Mim hão de regozijar e aplaudir Meu poder. Eles experimentarão inefável contentamento e viverão numa alegria que nunca antes concedi ao ser humano. Porque Eu prezo as boas ações dos homens e abomino suas más obras. Desde que comecei a conduzir a humanidade, tenho esperado ardentemente ganhar um grupo de homens da mesma opinião que Eu. Aqueles cuja opinião é diferente da Minha, no entanto, deles nunca Me esqueci; sempre os odeio no Meu coração, esperando a chance de lhes administrar a Minha retribuição, o que Me dará satisfação de ver. Agora Meu dia finalmente chegou, e não preciso esperar mais!

Extraído de ‘Prepare boas ações suficientes para o seu destino’ em “A Palavra manifesta em carne”

Na vasta extensão do mundo, oceanos acumularam terra formando campos, campos ficaram alagados e formaram oceanos, repetidamente. Ninguém é capaz de liderar e guiar esta raça humana, a não ser Aquele que governa tudo dentre todas as coisas. Não há ninguém poderoso para trabalhar e fazer os preparativos para esta humanidade, muito menos alguém que seja capaz de liderar esta espécie humana para seu destino de luz e libertá-la das injustiças terrenas. Deus lamenta o futuro da humanidade, Ele sofre por sua queda, padece que a humanidade marche, passo a passo, para a decadência e à senda sem retorno. Ninguém jamais pensou no rumo que uma humanidade que partiu o coração de Deus e renunciou a Ele para buscar o Maligno poderia estar seguindo. É precisamente por essa razão que ninguém sente a ira de Deus, que ninguém busca uma forma de agradar a Deus nem tenta se aproximar de Deus, e, além disso, que ninguém busca compreender a tristeza e a dor de Deus. Mesmo após ouvir a voz de Deus, o homem continua em sua própria senda, persiste em se desviar de Deus, evitando a graça e o cuidado de Deus, rejeitando a verdade de Deus e preferindo se vender para Satanás, o inimigo de Deus. E quem foi que pensou — caso o homem persista em sua teimosia — em como Deus agirá em relação a esse homem que O dispensou sem sequer um olhar para trás? Ninguém sabe que a razão para os repetidos avisos e exortações de Deus são porque Ele preparou em Suas mãos uma calamidade como nunca houve, que será insuportável para a carne e a alma do homem. Essa calamidade não é meramente uma punição da carne, mas também da alma. Você deve saber disto: quando o plano de Deus fracassar, quando Seus avisos e exortações não são retribuídos, que tipo de ira Ele liberará? Será como nada jamais experimentado ou ouvido por qualquer ser criado. E, então, digo que essa calamidade é sem precedentes, que nunca mais se repetirá. Pois o plano de Deus é criar a humanidade apenas esta vez, salvar a humanidade apenas esta vez. Esta é a primeira vez, e é também a última. Por isso, ninguém pode compreender as intenções meticulosas e a fervorosa expectativa com a qual Deus salva a humanidade desta vez.

Extraído de ‘Deus é a fonte da vida do homem’ em “A Palavra manifesta em carne”

Todas as formas de desastres acontecerão, uma após outra; todas as nações e todos os lugares experimentarão calamidades: pragas, fome, inundações, seca e terremotos estão por toda parte. Esses desastres não estão acontecendo em um ou dois lugares apenas, nem acabarão em um ou dois dias; mas, em vez disso, se expandirão por uma área cada vez maior e se tornarão cada vez mais severos. Durante esse tempo, pragas de todo tipo de inseto surgirão, uma após outra, e o fenômeno do canibalismo ocorrerá em todo lugar. Esse é o Meu julgamento sobre todas as nações e todos os povos. Meus filhos! Vocês não precisam sofrer a dor ou a privação dos desastres. É Meu desejo que vocês logo amadureçam e, tão rápido quanto possível, assumam o fardo que recai sobre Meus ombros. Por que não entendem a Minha vontade? A obra adiante se tornará cada vez mais extenuante. Vocês estão com o coração tão duro que Me deixam de mãos cheias, tendo de operar tão arduamente na Minha obra sozinho? Colocarei isso mais claramente: aqueles cuja vida amadurecer entrarão em refúgio e não sofrerão dor nem privação; aqueles cuja vida não amadurecer precisam sofrer dores e danos. Minhas palavras são bem claras, não são?

Extraído de ‘Capítulo 65’ das Declarações de Cristo no princípio em “A Palavra manifesta em carne”

Tudo o que Deus faz é planejado com precisão. Quando Ele vê algo ou uma situação ocorrendo, aos Seus olhos há um padrão para medi-la, e esse padrão determina se Ele lança um plano para lidar com isso ou qual abordagem tomar ao lidar com essa coisa ou situação. Ele não é indiferente nem carece de sentimentos em relação a tudo. Na verdade, é exatamente o oposto. Há um versículo aqui que afirma o que Deus disse a Noé: “O fim de toda carne é chegado perante Mim; porque a terra está cheia da violência dos homens; eis que os destruirei juntamente com a terra”. Quando disse isso, Deus quis dizer que destruiria apenas os homens? Não! Deus disse que iria destruir todas as coisas vivas de carne. Por que Deus queria a destruição? Há outra revelação do caráter de Deus aqui: aos olhos de Deus, há um limite para Sua paciência em relação à corrupção do homem, para a imundície, a violência e a desobediência de toda a carne. Qual é o Seu limite? É como Deus disse: “Deus viu a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra”. O que significa “toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra”? Significa que qualquer ser vivo, incluindo aqueles que seguiam a Deus, aqueles que invocavam o nome de Deus, aqueles que uma vez sacrificaram os holocaustos a Deus, aqueles que verbalmente reconheciam a Deus e até louvavam a Deus — uma vez que o comportamento deles estava cheio de corrupção e chegou aos olhos de Deus, Ele teria de destruí-los. Esse era o limite de Deus. Então, até que ponto Deus permaneceu paciente para com o homem e a corrupção de toda a carne? Até quando ninguém, tanto seguidores de Deus quanto incrédulos, estava seguindo o caminho correto. Até quando o homem já não era apenas moralmente corrupto e cheio de maldade, mas quando não havia ninguém que acreditasse na existência de Deus, muito menos quem acreditasse que o mundo é governado por Deus e que Deus pode trazer, às pessoas, a luz e o caminho correto. Até quando o homem passou a desprezar a existência de Deus e a não permitir que Deus existisse. Quando a corrupção do homem chegou a esse ponto, Deus não teve mais paciência. O que a substituiria? A vinda da ira de Deus e da punição de Deus.

Extraído de ‘A obra de Deus, o caráter de Deus e o Próprio Deus I’ em “A Palavra manifesta em carne”

Lembre-se da cena bíblica em que Deus forjou a destruição de Sodoma e pense também em como a mulher de Ló se transformou em uma coluna de sal. Relembre como o povo de Nínive se arrependeu de seus pecados com panos de saco e cinzas, e lembre-se do que aconteceu depois que os judeus pregaram Jesus na cruz 2.000 anos atrás. Os judeus foram expulsos de Israel e fugiram para países do mundo todo. Muitos foram mortos, e toda a nação judaica foi submetida à dor sem precedentes da aniquilação de seu país. Eles haviam pregado Deus na cruz — cometeram um crime hediondo — e provocaram o caráter de Deus. Eles foram obrigados a pagar pelo que fizeram, foram obrigados a aguentar todas as consequências de suas ações. Eles condenaram Deus, rejeitaram Deus e assim só tiveram um destino: ser punidos por Deus. Essa é a consequência amarga e o desastre que seus governantes causaram ao país e a nação.

Extraído de ‘Deus preside o destino de toda a humanidade’ em “A Palavra manifesta em carne”

Se a humanidade deseja ter um bom destino, se um país deseja ter um bom destino, então o homem deve se curvar diante de Deus em adoração, se arrepender e confessar diante de Deus, caso contrário, o destino e o futuro do homem acabarão inevitavelmente em catástrofe.

Reveja o tempo em que Noé construiu a arca: a humanidade era profundamente corrupta, as pessoas tinham se afastado da bênção de Deus, não estavam mais sob o cuidado de Deus e tinha perdido Suas promessas. Viviam na escuridão, sem a luz de Deus. Assim, tornaram-se desregradas por natureza, abandonando-se a uma depravação repugnante. Tais pessoas não podiam mais receber a promessa de Deus; eram ineptas para testemunhar a face de Deus e ouvir Sua voz, pois haviam abandonado Deus, deixado de lado tudo que Deus lhes concedera, e haviam esquecido os ensinamentos de Deus. O coração deles afastava-se cada vez mais de Deus e, à medida que isso acontecia, eles se entregavam a uma depravação que excedia toda a razão e a humanidade, tornando-se progressivamente malignos. Dessa forma, aproximaram-se ainda mais da morte e desabaram sob a ira e a punição de Deus. Apenas Noé adorava a Deus e evitava o mal, por isso foi capaz de ouvir a voz de Deus, de ouvir Suas instruções. Noé construiu a arca seguindo as instruções da palavra de Deus e reuniu todas as espécies de criaturas vivas. E, dessa maneira, estando tudo preparado, Deus fez desabar Sua destruição sobre o mundo. Apenas Noé e os sete outros membros de sua família sobreviveram à destruição, pois Noé adorava Jeová e evitava o mal.

Olhe agora para a era presente: os homens justos como Noé, que adoravam a Deus e evitavam o mal, deixaram de existir. Entretanto, Deus ainda é amável para com esta humanidade e mesmo assim a absolve nesta era final. Deus busca aqueles que anseiam por Sua aparição. Deus busca os que são capazes de ouvir Suas palavras, os que não se esqueceram da Sua comissão e que Lhe oferecem seu coração e seu corpo. Deus busca aqueles que são tão obedientes quanto bebês diante Dele e que não se opõem a Ele. Se você se devota a Deus, sem nenhum poder ou força como entrave, Ele o considerará com aprovação e lhe concederá Suas bênçãos. Se você estiver em uma posição elevada, tiver reputação honrosa, for possuidor de grande conhecimento, proprietário de muitos bens, apoiado por muitas pessoas, e mesmo assim tais coisas não o impedirem de vir diante de Deus para aceitar Seu chamado e Sua comissão, para fazer o que Deus pede que você faça, então tudo o que você fizer será a mais significativa causa na terra e o mais justo empreendimento da humanidade. Se você rejeitar o chamado de Deus por causa de status e de seus objetivos próprios, tudo que você fizer será amaldiçoado e até desprezado por Deus. Talvez você seja um presidente, um cientista, um pastor ou um presbítero, mas não importa quanto sua função é elevada, se você confiar no seu conhecimento e na sua habilidade em seus empreendimentos, você sempre será um fracasso e sempre estará destituído das bênçãos de Deus, porque Deus não aceita nada do que você faz, e Ele não admite que seu empreendimento é justo, nem aceita que você está trabalhando pelo benefício da humanidade. Ele dirá que tudo que você faz é usar o conhecimento e a energia da humanidade para lançar para longe do homem da proteção de Deus e que isso é feito para recusar as bênçãos de Deus. Ele dirá que você está conduzindo a humanidade para a escuridão, para a morte, para o começo de uma existência sem limites, na qual o homem perdeu Deus e Sua bênção.

Extraído de ‘Deus preside o destino de toda a humanidade’ em “A Palavra manifesta em carne”

Depois que Deus disse a Satanás: “Eis que tudo o que ele tem está no teu poder; somente contra ele não estendas a tua mão”, partiu Satanás, pouco depois do qual Jó sofreu ataques repentinos e violentos: primeiro, seus bois e jumentos foram saqueados, e alguns de seus servos, mortos; em seguida, suas ovelhas e mais alguns servos foram consumidos pelo fogo; depois disso, seus camelos foram tomados e mais alguns dos seus servos foram assassinados; finalmente, seus filhos e filhas tiveram suas vidas tiradas. Essa série de ataques foi o tormento sofrido por Jó durante a primeira tentação. Conforme ordenado por Deus, durante esses ataques, Satanás apenas teve como alvo a propriedade de Jó e seus filhos, e não fez mal a Jó. No entanto, Jó foi instantaneamente mudou de um homem rico possuidor de grande riqueza para alguém que não tinha nada. Ninguém poderia ter resistido a esse surpreendente golpe surpresa ou reagido adequadamente a ele, mas Jó demonstrou seu lado extraordinário. As Escrituras apresentam o seguinte registro: “Então Jó se levantou, rasgou o seu manto, rapou a sua cabeça e, lançando-se em terra, adorou”. Essa foi a primeira reação de Jó depois de ouvir que ele havia perdido seus filhos e toda a sua propriedade. Acima de tudo, ele não parecia surpreso, ou em pânico, muito menos expressava raiva ou ódio. Você vê, então, que em seu coração ele já havia reconhecido que esses desastres não foram um acidente, nem que provinham da mão do homem, muito menos eram o recebimento de retribuição ou punição. Em vez disso, as provações de Jeová vieram sobre ele; foi Jeová quem desejou tomar seus bens e filhos. Jó estava muito calmo e lúcido então. Sua perfeita e reta humanidade permitiu-lhe racionalmente e naturalmente fazer julgamentos precisos e decisões sobre os desastres que tinham acontecido, e como consequência, ele se comportou com uma calma incomum: “Então Jó se levantou, rasgou o seu manto, rapou a sua cabeça e, lançando-se em terra, adorou”. “Rasgou o seu manto” significa que ele estava despido e não possuía nada; “rapou a sua cabeça” significa que ele havia retornado diante de Deus como um recém-nascido; “lançando-se em terra, adorou” significa que ele veio ao mundo nu, e ainda sem nada hoje, ele foi devolvido a Deus como um bebê recém-nascido. A atitude de Jó em relação a tudo o que aconteceu com ele não poderia ter sido alcançada por nenhuma criatura de Deus. Sua fé em Jeová foi além do domínio da crença; esse era seu temor a Deus, sua obediência a Deus; ele não só era capaz de dar graças a Deus por dar a ele, mas também por tirar dele. Além disso, ele foi capaz de assumir a responsabilidade de devolver tudo o que possuía a Deus, incluindo sua vida.

Extraído de ‘A obra de Deus, o caráter de Deus e o Próprio Deus II’ em “A Palavra manifesta em carne”

Embora Jó nunca tivesse visto Deus ou ouvido as palavras de Deus com seus próprios ouvidos, Deus tinha um lugar no coração de Jó. Qual era a atitude de Jó para com Deus? Era, como mencionado anteriormente, “bendito seja o nome de Jeová”. Sua bendição ao nome de Deus era incondicional, independentemente do contexto e ligada a nenhuma razão. Vemos que Jó havia entregado seu coração a Deus, permitindo que ele fosse controlado por Deus; tudo o que ele pensava, tudo o que ele decidia, e tudo o que ele planejava em seu coração estava aberto a Deus e não impedido de Deus. Seu coração não estava em oposição a Deus, e ele nunca pedira a Deus para fazer qualquer coisa por ele ou dar-lhe qualquer coisa, e ele não abrigava desejos extravagantes de que ele iria ganhar qualquer coisa com base em sua adoração a Deus. Jó não falava de barganhas com Deus e não fazia pedidos ou exigências a Deus. Seu louvor ao nome de Deus era por causa do grande poder e autoridade de Deus em governar todas as coisas, e não dependia de se ele recebesse bênçãos ou fosse atingido por um desastre. Ele acreditava que, independentemente de Deus abençoar as pessoas ou trazer desastre sobre elas, o poder e a autoridade de Deus não mudarão e, portanto, independentemente das circunstâncias de uma pessoa, o nome de Deus deve ser louvado. O fato de o homem ser abençoado por Deus é por causa da soberania de Deus, e quando o desastre acontece ao homem, também é por causa da soberania de Deus. O poder e a autoridade de Deus governam e arranjam tudo concernente ao homem; os caprichos da sorte do homem são a manifestação do poder e autoridade de Deus e, independentemente do ponto de vista da pessoa, o nome de Deus deve ser louvado. Foi isso que Jó experimentou e conheceu durante os anos de sua vida.

Extraído de ‘A obra de Deus, o caráter de Deus e o Próprio Deus II’ em “A Palavra manifesta em carne”

De acordo com as noções humanas, o bem é recompensado, e o mal é punido; as pessoas boas são recompensadas com o bem, e as más são recompensadas com o mal, e todas aquelas que não cometem o mal deveriam ser recompensadas com o bem e receber bênçãos; isso porque Deus é justo. Parece que, em todos os casos em que as pessoas não são más, elas devem ser recompensadas com o bem; somente isso é justiça de Deus. Mas e se alguém não for recompensado com o bem? Você diria então que Deus não é justo? Suponha que as pessoas desta era vissem um relato num livro que diz que Deus criou uma raça humana na era precedente. Depois de se passarem milhares de anos, Deus viu que a humanidade tinha se tornado corrupta a ponto de não ser mais reconhecível como humana e, não estando disposto a salvá-la, Ele a destruiu. Como você veria isso? Você diria que Deus não tem amor? Aos olhos humanos, se Deus destruiu pessoas, isso significa que Ele não tem amor. Conhecimento de Deus não é dizer como Ele é com base em uma visão humana das coisas; não há verdade no modo com que os seres humanos veem as coisas. Você deve ver qual é a Sua essência bem como qual é o Seu caráter. As pessoas não deveriam ver a essência de Deus na base de um fenômeno externo qualquer resultante do que Ele fez ou com que lidou. A própria raça humana foi corrompida por Satanás. A humanidade simplesmente não sabe qual é a sua natureza e não sabe o que a raça humana corrompida é diante de Deus, e como ela deve ser tratada. Veja Jó, um homem justo abençoado por Deus. Essa era a justiça de Deus. Satanás fez uma aposta com Jeová: “A razão pela qual Jó Te adora é porque Tu lhe deste coisa demais. Se tirares dele tudo isso, veremos se ele ainda Te adora!”. Deus Jeová disse: “Contanto que não tire dele a sua vida, você pode fazer o que quiser”. Assim Satanás foi até Jó, e depois Jó enfrentou provações. Tudo que tinha foi tirado dele — perdeu seus filhos e sua propriedade. As provações de Jó continham o caráter justo de Deus? Você não sabe dizer com clareza, sabe? Mesmo que você seja uma pessoa justa, Deus tem o direito de sujeitá-lo a provações e permitir que você dê testemunho Dele. O caráter de Deus é justo; Ele trata todos igualmente. Isso não significa que as pessoas justas não precisam passar por provações ou que devem ser protegidas; não é esse o caso. Deus tem o direito de submetê-lo a provações. Essa é a revelação de Seu caráter justo. Finalmente, depois de Jó ter passado por provações e de ter dado testemunho de Jeová, Jeová o abençoou ainda mais do que antes, dando-lhe o dobro de bênçãos e bênçãos ainda melhores. Além disso, Jeová apareceu para ele e falou com ele de dentro do vento, e Jó O viu como que face a face. Essa foi uma bênção dada a ele. Essa foi a justiça de Deus. E se o oposto tivesse acontecido? Quando Jó terminou de passar pelas provações e Jeová viu como Jó tinha dado testemunho Dele na presença de Satanás e envergonhado Satanás, se Jeová tivesse dado as costas e ido embora, ignorando-o, e Jó não tivesse recebido bênçãos depois — teria havido nisso a justiça de Deus? Não importa se Jó foi abençoado após as provações ou não, ou se Jeová apareceu para ele ou não, tudo isso contém a boa vontade de Deus. Aparecer para Jó teria sido a justiça de Deus, e não aparecer para ele também teria sido a justiça de Deus. Com base em que você — um ser criado — faz exigências a Deus? As pessoas não são dignas de fazer exigências a Deus. Não há nada mais insensato do que fazer exigências a Deus. Ele fará o que deve fazer, e Seu caráter é justo. A justiça não é, de modo algum, justa ou razoável; não é igualitarismo nem uma questão de lhe destinar o que você merece de acordo com o tanto de trabalho que completou, nem de pagá-lo por um trabalho qualquer que você tenha feito, nem de lhe dar o que lhe é devido de acordo com o tanto de esforço que você despendeu. Isso não é justiça. Suponha que Deus tivesse eliminado Jó após este ter dado testemunho Dele: Deus também teria sido justo. Por que isso é chamado de justiça? Do ponto de vista humano, se algo está alinhado às noções das pessoas, é muito fácil para elas dizer que Deus é justo; no entanto, se não acharem que esse algo está alinhado a suas noções — se for algo que elas são incapazes de entender —, seria difícil para elas dizer que Deus é justo. Se Deus tivesse destruído Jó na época, as pessoas não teriam dito que Ele é justo. De fato, entretanto, tendo as pessoas sido corrompidas ou não, Deus tem de justificar-Se quando as destrói? Teria Ele de explicar às pessoas com base em que Ele o faz? Sua decisão deveria ser baseada nisto: “Se elas forem úteis, não as destruirei; se não forem, Eu as destruirei”? Não há necessidade. Aos olhos de Deus, alguém que é corrupto deve ser tratado da maneira que Ele desejar; qualquer coisa que Deus fizer será apropriada, e todos são os arranjos de Deus. Se você fosse desagradável aos olhos de Deus, e se Ele dissesse que não tem uso para você depois do seu testemunho e, portanto, o destruísse, isso também não seria a justiça Dele? Seria. Talvez você não seja capaz de reconhecer isso agora, a partir dos fatos, mas precisa entender na teoria. O que você diria: quando Deus destrói Satanás, isso é uma expressão da justiça Dele? E também, se ele permitisse que Satanás permanecesse? Você não ousa dizer, não é? A essência de Deus é justiça. Apesar de não ser fácil compreender o que Ele faz, tudo que faz é justo; as pessoas simplesmente não entendem. Quando Deus entregou Pedro a Satanás, como Pedro respondeu? “A humanidade é incapaz de sondar o que fazes, mas tudo que fazes contém a Tua boa vontade; há justiça em tudo isso. Como posso não expressar louvor por Teus feitos sábios?”. Hoje, você deveria ver que Deus não destrói Satanás com o intuito de mostrar aos humanos como Satanás os corrompeu e como Deus os salva; enfim, devido ao grau em que Satanás corrompeu as pessoas, elas contemplarão o pecado monstruoso de sua corrupção por Satanás, e quando Deus destruir Satanás, elas contemplarão a justiça de Deus e verão que ela contém o caráter de Deus. Tudo que Deus faz é justo. Embora possa ser insondável para você, você não deveria julgar a seu bel-prazer. Se algo que Ele faz lhe parecer insensato ou se você tiver quaisquer noções sobre isso, e isso o levar a dizer que Ele não é justo, você estará sendo muito insensato. Você vê que Pedro achava algumas coisas incompreensíveis, mas tinha certeza de que a sabedoria de Deus estava presente e que a boa vontade de Deus estava nessas coisas. Os humanos não conseguem sondar tudo; há muitas coisas que eles não conseguem compreender. Poranto, conhecer o caráter de Deus não é coisa fácil.

Extraído de ‘Como conhecer o caráter justo de Deus’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Hoje em dia, aqueles que buscam e os que não buscam são dois tipos totalmente diferentes de pessoas, cujos destinos também são muito diferentes. Aqueles que buscam o conhecimento da verdade e praticam a verdade são aquelas às quais Deus trará salvação. Aqueles que não conhecem o caminho verdadeiro são demônios e inimigos; eles são os descendentes do arcanjo e serão objetos da destruição. Mesmo aqueles que são crentes piedosos num Deus vago — eles também não são demônios? As pessoas que possuem uma boa consciência, mas não aceitam o caminho verdadeiro, são demônios; a essência delas é a de resistência a Deus. Aqueles que não aceitam o caminho verdadeiro são aqueles que resistem a Deus, e mesmo que tais pessoas suportem muitas adversidades, ainda assim, serão destruídas. Todos aqueles que não estão dispostos a renunciar ao mundo, que não conseguem suportar separar-se de seus pais e que não conseguem suportar se livrar dos próprios prazeres da carne são todos desobedientes a Deus, e todos serão objetos da destruição. Qualquer um que não acredite em Deus encarnado é demoníaco e, mais ainda, será destruído. Aqueles que têm fé, mas não praticam a verdade, aqueles que não acreditam em Deus encarnado e aqueles que não acreditam de modo algum na existência de Deus também serão objetos da destruição. Todos aqueles que forem capazes de permanecer é são pessoas que passaram pelo sofrimento do refinamento e permaneceram firmes; essas são pessoas que realmente suportaram provações. Qualquer um que não reconhece Deus é um inimigo; isto é, qualquer um que não reconhece Deus encarnado — esteja ele fora ou dentro dessa corrente — é um anticristo! Quem é Satanás, quem são os demônios, quem são os inimigos de Deus se não os que resistem e que não acreditam em Deus? Não são elas as pessoas que desobedecem a Deus? Não são elas aquelas que alegam ter fé, mas carecem da verdade? Não são elas aquelas que meramente buscam obter bênçãos, mas são incapazes de dar testemunho de Deus? Você ainda se mistura com esses demônios hoje e tem consciência e amor por eles, mas, nesse caso, você não está estendendo boas intenções a Satanás? Você não está se associando com demônios? Se as pessoas nos dias de hoje ainda são incapazes de distinguir entre o bem e o mal e continuam cegamente a ser amorosas e misericordiosas sem qualquer intenção de buscar a vontade de Deus ou de ser capazes, de alguma forma, de abrigar as intenções de Deus como se fossem suas, então seus desfechos serão ainda mais miserável. Qualquer um que não acredita no Deus na carne é um inimigo de Deus. Se você pode ter consciência e amor por um inimigo, não lhe falta um senso de justiça? Se você é compatível com aqueles que Eu detesto e dos quais discordo e ainda tem amor ou sentimentos pessoais para com eles, você não é desobediente? Você não está resistindo intencionalmente a Deus? Tal pessoa possui verdade? Se as pessoas têm consciência para com os inimigos, amor pelos demônios e misericórdia com Satanás, elas não estão interrompendo intencionalmente a obra de Deus? Essas pessoas que só acreditam em Jesus e não acreditam em Deus encarnado durante os últimos dias, como também aquelas que afirmam verbalmente acreditar em Deus encarnado, mas praticam o mal, são todos anticristos, sem mencionar aquelas que nem mesmo acreditam em Deus. Todas essas pessoas serão objetos da destruição.

Extraído de ‘Deus e o homem entrarão em descanso juntos’ em “A Palavra manifesta em carne”

Anterior: 141. Os princípios para tratar o futuro e o destino de alguém

Próximo: 143. Os princípios para lidar com doenças

Durante desastres, além de rezar, a coisa mais crítica para nós é encontrar a maneira de sermos protegidos. Junte-se ao nosso grupo de estudo gratuitamente.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro