145. Os princípios para tratar o amor e o casamento

(1) As pessoas têm a liberdade de se casar com quem quiserem, e ninguém tem o direito de interferir — mas isso não deve ter repercussões em sua crença em Deus ou no cumprimento de seu dever;

(2) Desistir do casamento em favor de buscar a verdade e cumprir bem o seu dever é um testemunho especial que se conforma à vontade de Deus. As pessoas que agem assim são brilhantes e obtêm Sua aprovação;

(3) Se alguém deseja se casar, deve escolher uma pessoa adequada. O casamento deve, no mínimo, ser benéfico para a fé e a vida de alguém, não para satisfazer a carne em detrimento do negócio decente de acreditar em Deus;

(4) Respeitem o amor e o casamento apropriados. Casamentos múltiplos são uma violação da verdade e da moralidade, e aqueles para quem o casamento é um jogo são espíritos malignos e demônios imundos.

Palavras de Deus relevantes:

O casamento é um acontecimento importante na vida de qualquer pessoa; é o momento em que ela realmente passa a assumir diversos tipos de responsabilidades, e começa gradativamente a cumprir missões de diversos tipos. As pessoas alimentam muitas ilusões sobre o casamento antes de experimentá-lo por si mesmas, e todas essas ilusões são belas. As mulheres imaginam que sua cara-metade será o príncipe encantado, e os homens imaginam que se casarão com a Branca de Neve. Essas fantasias mostram que toda pessoa tem certas exigências para o casamento, um conjunto próprio de demandas e padrões. Ainda que, nesta era de maldade, as pessoas sejam bombardeadas constantemente com mensagens distorcidas sobre o casamento, que criam ainda mais exigências e lhes dão toda espécie de bagagem e atitudes estranhas, qualquer pessoa que vivenciou o casamento sabe que seja lá como a pessoa o entende ou qual é sua atitude para com ele, o casamento não é uma questão de escolha individual.

As pessoas encontram muitas outras em sua vida, mas ninguém sabe quem se tornará seu parceiro no casamento. Embora todos tenham suas ideias e posturas pessoais sobre o tema do casamento, ninguém pode prever quem finalmente se tornará sua verdadeira cara-metade, e as ideias de cada um acerca do assunto valem pouco. Após conhecer uma pessoa de seu agrado, você pode procurá-la; porém, se ela está interessada em você, se pode vir a se tornar sua parceira, não é você quem decide. O objeto de seus afetos não necessariamente é a pessoa com a qual você será capaz de compartilhar sua vida; e, enquanto isso, alguém que você não esperava entra silenciosamente em sua vida e se torna seu parceiro, o elemento mais importante em seu destino, sua cara-metade, a quem seu destino está inextricavelmente ligado. E assim, mesmo havendo milhões de casamentos no mundo, todos são diferentes: tantos casamentos são insatisfatórios, tantos são felizes; tantos percorrem de leste a oeste, tantos de norte a sul; tantos são pares perfeitos, tantos são de classe social igual; tantos são felizes e harmoniosos, tantos são penosos e tristes; tantos são motivo de inveja de outrem, tantos são mal compreendidos e alvo de desaprovação; tantos transbordam de alegria, tantos são um mar de lágrimas e causam desespero… Nessa miríade de tipos de casamento, os humanos revelam lealdade e compromisso perpétuo para com o casamento; revelam amor, ligação e inseparabilidade, ou resignação e incompreensão. Alguns traem seu casamento, ou chegam a ter ódio dele. Quer o casamento em si traga felicidade ou dor, a missão de toda pessoa no casamento é predestinada pelo Criador e não há de mudar; essa missão é algo que todos devem cumprir. O destino de cada pessoa que está por trás de todo casamento é inalterável, determinado com grande antecedência pelo Criador.

Extraído de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

O casamento é uma conjuntura importante na vida de uma pessoa. É o produto do destino de uma pessoa, um elo crucial no destino da pessoa; não se baseia na volição nem nas preferências individuais de ninguém, nem é influenciado por quaisquer fatores externos, mas é completamente determinado pelo destino das duas partes, pelos arranjos e predeterminações do Criador com relação ao destino dos membros do casal. Aparentemente, o propósito do matrimônio é a continuidade da raça humana, mas na verdade o casamento é apenas um ritual pelo qual a pessoa passa durante o processo de cumprir sua missão. No casamento, as pessoas não somente cumprem o papel de criar a geração seguinte; elas adotam todos os diversos papéis envolvidos em manter o casamento e as missões que esses papéis demandam que a pessoa cumpra. Como o nascimento influencia a mudança pela qual passam as pessoas, os eventos e coisas que o cercam, o casamento também afetará, inevitavelmente, essas pessoas, esses eventos e coisas e, ademais, os transformará de várias maneiras diferentes.

Ao tornar-se independente, a pessoa inicia a própria jornada na vida, que a leva passo a passo em direção a pessoas, eventos e coisas relacionados a seu casamento. Ao mesmo tempo, a outra pessoa que constituirá esse casamento está se aproximando, passo a passo, dessas mesmas pessoas, desses mesmos eventos e coisas. Sob a soberania do Criador, duas pessoas não relacionadas com destinos relacionados gradualmente entram em um casamento e se tornam, milagrosamente, uma família, “dois gafanhotos agarrados à mesma corda”. Então, quando alguém entra em um casamento, sua jornada na vida influenciará e tocará sua cara-metade, e, da mesma forma, a jornada na vida do parceiro influenciará e tocará seu destino na vida. Em outras palavras, os destinos dos homens estão interconectados, e ninguém pode cumprir sua missão na vida nem desempenhar seu papel em completa independência dos outros. O nascimento tem relação com uma enorme cadeia de relacionamentos; crescer também envolve uma complexa cadeia de relacionamentos; e, de modo similar, um casamento inevitavelmente existe e se sustenta em uma rede vasta e complexa de conexões humanas, que envolve todos os membros dessa rede e influencia o destino de todos os que fazem parte dela. Um casamento não é o produto das famílias de ambos os membros, das circunstâncias em que eles cresceram, de suas aparências, de suas idades, suas qualidades, seus talentos ou quaisquer outros fatores; antes, ele resulta de uma missão compartilhada e de um destino relacionado. Essa é a origem do casamento, um produto do destino humano orquestrado e arranjado pelo Criador.

Extraído de ‘O Próprio Deus, o Único III’ em “A Palavra manifesta em carne”

As palavras que profiro agora fazem exigências às pessoas com base em sua real circunstância, e Eu opero de acordo com as necessidades delas e as coisas dentro delas. O Deus prático veio à terra para fazer obra prática, para operar de acordo com as necessidades e circunstâncias reais das pessoas. Ele não é insensato. Quando age, Deus não coage as pessoas. Se você se casa ou não, por exemplo, deveria se basear na realidade de suas circunstâncias; a verdade lhe foi claramente dita, e Eu não restrinjo você. A família de algumas pessoas as oprime de modo que são incapazes de crer em Deus a não ser que se casem. Dessa maneira, o casamento, em contrapartida, lhes é útil. Para outras, o casamento não traz benefícios, mas lhes custa o que antes tinham. O seu caso específico deve ser determinado por suas circunstâncias reais e por sua determinação. Não estou aqui para inventar normas e regras com as quais fazer exigências de vocês.

Extraído de ‘Prática (7)’ em “A Palavra manifesta em carne”

As grandes questões da vida não são apenas casamento, trabalho, suas perspectivas de futuro, estabelecer-se e viver em paz e lutar para encontrar seu lugar na sociedade. Essas não são as coisas mais importantes. Quais são as coisas mais importantes? Vocês agora acreditam em Deus e cumprem seu dever, de modo que sua vida partiu na direção certa. A próxima coisa importante é encontrar uma base sólida na senda da busca da verdade para determinar o objetivo e a direção da sua vida, para permitir que a verdade lance seus fundamentos no seu coração — dessa forma, você será alguém a quem Deus verdadeiramente escolheu e preordenou. Mas os fundamentos de vocês ainda não são estáveis. Nem pense em tempestade — uma brisa pode abalar vocês a qualquer momento. Isso mostra que vocês ainda não lançaram os fundamentos, e isso é, de fato, muito perigoso! Estabeleçam seu objetivo de vida e a direção em que buscam e estabeleçam a senda que trilharão nesta vida. Depois de estabelecer seu objetivo e o que é mais importante na sua vida, instalem-se ao longo dos anos em função desse objetivo e desse assunto importante. Trabalhem duro, despendam-se, esforcem-se e paguem o preço por eles. Por ora, não deem atenção a mais nada. Se você continuar a pensar em outras coisas, o assunto em questão será adiado. Você terá que encontrar um emprego, ganhar muito dinheiro, tornar-se rico, ganhar uma posição firme na sociedade e encontrar uma posição para si mesmo na sua mente; você também pensará em se casar, em adquirir competências e habilidades no futuro e em como ser uma pessoa de destaque; e você vai querer sustentar e criar uma família e dar uma boa vida a seus pais. Tudo isso não é cansativo? Quão grande é o seu coração? Quanta energia alguém tem numa vida? O período mais exuberante e mais simples da vida de uma pessoa — o melhor período da vida de uma pessoa — começa aos vinte e termina, no máximo, aos quarenta anos de idade. Durante esse tempo, vocês devem agarrar-se às verdades a serem entendidas para crer em Deus e então entrar na verdade-realidade, aceitar o julgamento e castigo de Deus e aceitar Suas provações e refinamento para que não neguem a Deus em nenhuma circunstância. Isso é o que há de mais fundamental; além disso, não importa quem tente ou seduza você com casamento ou amor romântico, não importa quanta fama ou status essas coisas lhe proporcionarão nem o quanto elas o beneficiarão, você não desistirá de seus deveres, nem desistirá das coisas que um ser criado deve fazer. Se, em algum momento do futuro, Deus não quiser você, você ainda poderá buscar a verdade e trilhar o caminho de temer a Deus e evitar o mal. Você deve trabalhar duro nisso; se o fizer, esses anos de se despender por Deus não serão vividos em vão.

Extraído da comunhão de Deus

Você deve sofrer dificuldades pela verdade, deve se entregar à verdade, deve suportar humilhação pela verdade e, para ganhar mais da verdade, você deve passar por mais sofrimento. É isso que você deve fazer. Você não deve jogar a verdade fora em favor de uma vida familiar pacífica nem deve perder a dignidade e integridade da sua vida por causa de um prazer momentâneo. Você deve buscar tudo que é belo e bom e buscar uma senda na vida que seja mais significativa. Se você levar uma vida tão vulgar e não buscar quaisquer objetivos, você não desperdiça a vida? O que você pode ganhar com uma vida assim? Você deve abandonar todos os prazeres da carne em favor da verdade e não deve jogar fora todas as verdades em favor de um pouco de prazer. Pessoas assim não têm integridade nem dignidade; sua existência não faz sentido!

Extraído de ‘As experiências de Pedro: seu conhecimento de castigo e julgamento’ em “A Palavra manifesta em carne”

Anterior: 144. Os princípios para lidar com a morte

Próximo: 146. Os princípios para encarar a educação dos filhos

Durante desastres, além de rezar, a coisa mais crítica para nós é encontrar a maneira de sermos protegidos. Junte-se ao nosso grupo de estudo gratuitamente.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro