4. Os princípios para considerar as palavras de Deus

(1) É necessário acreditar que as palavras de Deus são conclusivamente a verdade. Elas devem ser aceitas e obedecidas, estando ou não de acordo com as noções humanas ou podendo ou não ser compreendidas;

(2) É necessário aceitar o julgamento e castigo das palavras de Deus. Só assim alguém pode vir a conhecer a essência e a verdade de sua própria corrupção e purificar seu caráter corrupto;

(3) Quando alguém não entende algumas das palavras de Deus, deve orar a Ele, buscar a verdade e se concentrar na prática e na experiência. Só assim se pode compreender a verdade e entrar na realidade;

(4) É necessário praticar e experimentar as palavras de Deus. Só assim se pode obter uma compreensão da verdade e conhecimento de Deus e só assim se pode confirmar que Cristo é a verdade, o caminho e a vida.

Palavras de Deus relevantes:

As palavras que digo são verdades direcionadas a toda a humanidade; não são dirigidas somente a uma pessoa específica ou a um tipo específico de pessoa. Assim, vocês devem se concentrar em entender Minhas palavras a partir da perspectiva da verdade e manter uma atitude de total atenção e sinceridade; não ignorem uma única palavra ou verdade que Eu disser e não considerem todas as Minhas palavras com desdém. Vejo, em sua vida, tantas coisas que vocês fazem que são irrelevantes para a verdade, então peço expressamente que vocês se tornem servos da verdade, que não sejam escravizados pela maldade e pela fealdade e que não pisoteiem a verdade nem profanem nenhum canto da casa de Deus. Essa é a Minha admoestação para vocês.

Extraído de ‘Três admoestações’ em “A Palavra manifesta em carne”

Só espero que vocês sejam capazes de não permitir que Meus esforços meticulosos sejam desperdiçados e, sobretudo, que possam entender o cuidado atencioso que tomei, e que tratem as Minhas palavras como o fundamento de como vocês se comportam como seres humanos. Sejam elas ou não o tipo de palavras que vocês estejam dispostos a escutar, sejam ou não palavras que vocês aceitam com prazer ou que só aceitam com desconforto, vocês devem tratá-las com seriedade. Caso contrário, seus caracteres e condutas informais e despreocupados Me aborrecerão seriamente e, de fato, Me repugnarão. Eu espero muito que todos vocês possam ler as Minhas palavras vez após outra — milhares de vezes — e que vocês possam até vir a sabê-las de cor. Apenas dessa maneira vocês serão capazes de não frustrar as expectativas que Eu tenho em relação a vocês. No entanto, nenhum de vocês está vivendo assim agora. Ao contrário, todos vocês estão imersos em uma vida desregrada, numa vida de comer e beber à vontade, e nenhum de vocês usa as Minhas palavras para enriquecer seu coração e alma. Por essa razão, tenho chegado a uma conclusão sobre o verdadeiro semblante da humanidade: o homem pode trair-Me a qualquer hora, e ninguém é capaz de ser absolutamente fiel às Minhas palavras.

Extraído de ‘Um problema muito sério: traição (1)’ em “A Palavra manifesta em carne”

Eu lhes dei muitos avisos e concedi muitas verdades com o objetivo de conquistar vocês. Hoje, vocês se sentem significativamente mais enriquecidos do que no passado, compreendem muitos princípios a respeito de como uma pessoa deveria ser e possuem muito do senso comum que as pessoas fiéis deveriam ter. Tudo isso é o que vocês colheram ao longo de muitos anos. Eu não nego suas conquistas, mas devo dizer francamente que também não nego as numerosas desobediências e rebeliões cometidas contra Mim durante esses muitos anos, porque, entre vocês, não há um santo sequer. Vocês são, sem exceção alguma, pessoas corrompidas por Satanás; são inimigos de Cristo. Suas transgressões e desobediências até o presente momento são incontáveis, por isso não é de se estranhar que Eu esteja sempre atormentando vocês. Eu não desejo coexistir com vocês dessa maneira — mas, em prol do futuro de vocês, em prol do seu destino, aqui e agora, Eu os importunarei mais uma vez. Espero que vocês Me permitam isso e espero, mais ainda, que sejam capazes de acreditar em cada palavra que Eu disser e inferir as profundas implicações das Minhas palavras. Não duvidem do que Eu digo, muito menos peguem as Minhas palavras como quiserem e as descartem; considero isso intolerável. Não julguem as Minhas palavras; menos ainda as tomem levianamente, nem digam que Eu estou sempre tentando vocês, ou, pior, que o que lhes falei não tem exatidão. Essas coisas, considero intoleráveis também. Porque vocês tratam a Mim e àquilo que Eu digo com tanta desconfiança, nunca aceitando Minhas palavras e Me ignorando, Eu digo a cada um de vocês com toda a seriedade: não vinculem o que Eu digo à filosofia; não vinculem Minhas palavras às mentiras de charlatães. Menos ainda vocês deveriam responder às Minhas palavras com desprezo.

Extraído de ‘As transgressões levarão o homem para o inferno’ em “A Palavra manifesta em carne”

A verdade é a realidade de todas as coisas positivas. Ela pode ser a vida do homem e a direção em que viaja; ela pode levá-lo a se livrar de seu caráter corrupto, a vir a temer a Deus e evitar o mal, a se tornar alguém que obedece a Deus e um ser criado qualificado, alguém que Deus ama e que recebe o Seu favor. Dada a sua preciosidade, qual atitude e perspectiva devem ser assumidas ao contemplar as palavras de Deus e a verdade? É um tanto óbvio: para aqueles que realmente acreditam em Deus e têm um coração de reverência por Ele, Suas palavras são sua força vital. O homem deve prezar as palavras de Deus, comer e beber delas, desfrutá-las e aceitá-las como a sua vida, como a direção na qual ele segue o seu caminho, como sua pronta ajuda e provisão; o homem deve viver, praticar e experimentar de acordo com as declarações e os requerimentos da verdade e se submeter às suas exigências a ele, a cada uma das declarações e exigências que a verdade concede a ele, em vez de sujeitá-la a estudo, análise, especulação e dúvida. Visto que a verdade é a pronta ajuda do homem, sua pronta provisão e pode ser sua vida, o homem deve tratar a verdade como a coisa mais preciosa, pois ele deve confiar na verdade para viver, para vir a satisfazer as exigências de Deus, temendo a Ele e evitando o mal, e para encontrar em seu dia a dia a senda para praticar, compreendendo os princípios da prática e alcançando submissão a Deus. O homem deve confiar também na verdade para se livrar de seu caráter corrupto, para se tornar alguém que é salvo e um ser criado qualificado.

Extraído de ‘Eles odeiam a verdade, desprezam publicamente os princípios e ignoram os arranjos da casa de Deus (parte 7)’ em “Expondo os anticristos”

Quando recebemos o julgamento das palavras de Deus, não devemos temer o sofrimento, nem deveríamos ter medo da dor, e muito menos deveríamos temer que as palavras de Deus traspassarão nosso coração. Deveríamos ler mais de Suas declarações sobre como Ele nos julga e castiga e expõe a nossa essência corrupta. Precisamos lê-las e nos apoiarmos mais nelas. Não compare os outros com elas — devemos comparar nós mesmos com elas. Não nos falta nem uma única dessas coisas; todos nós podemos nos enquadrar nelas. Se você não acredita nisso, vá experimentar por sua conta. Após lerem as palavras de Deus, algumas pessoas são incapazes de aplicá-las a si mesmas; pensam que partes dessas palavras não são sobre elas, mas, antes, sobre outras pessoas. Por exemplo, quando Deus expõe pessoas como vadias e prostitutas, algumas irmãs sentem que, por terem sido infalivelmente fiéis ao seu marido, tais palavras não devem se referir a elas; algumas irmãs sentem que, já que são solteiras e nunca fizeram sexo, tais palavras também não devem ser sobre elas. Alguns irmãos sentem que essas palavras visam apenas a mulheres e nada têm a ver com eles; algumas pessoas acreditam que tais palavras de Deus soam desagradáveis demais e se recusam a aceitá-las. Existem até pessoas que dizem que, em alguns casos, as palavras de Deus estão erradas. Essa é a atitude certa a se ter em relação às palavras de Deus? As pessoas são incapazes de refletir sobre si mesmas com base nas palavras de Deus. Aqui, “vadias” e “prostitutas” se referem à corrupção das pessoas na promiscuidade. Sejam eles homens ou mulheres, casados ou solteiros, todos possuem a corrupção da promiscuidade — como, então, isso pode não ter nada a ver com você? As palavras de Deus expõem os caracteres corruptos das pessoas; seja homem ou mulher, seu nível de corrupção é o mesmo. Isso não é um fato? Antes de fazermos qualquer outra coisa, temos de perceber que devemos aceitar cada uma das palavras ditas por Deus, não importa se essas declarações tenham um som agradável ou não ou se nos causem um sentimento amargo ou doce. Tal é a atitude que deveríamos ter em relação às palavras de Deus. Que tipo de atitude é essa? É uma atitude devota, uma atitude paciente ou uma atitude de aceitar o sofrimento? Eu lhes digo que não é nenhuma dessas. Em nossa fé, devemos manter firmemente que as palavras de Deus são a verdade. Já que sem dúvida elas são a verdade, deveríamos aceitá-las racionalmente. Sendo ou não capazes de reconhecê-las ou admiti-las, a nossa primeira atitude para com as palavras de Deus deveria ser a de aceitação absoluta. Cada linha das palavras de Deus se refere a um estado específico. Isto é, nenhuma das linhas de Suas declarações trata de aparências externas, muito menos de regras externas ou de uma forma simples de comportamento nas pessoas. Elas não são assim. Se você vir cada linha professada por Deus como tratando de um tipo simples de comportamento humano ou aparência externa, então você não tem entendimento espiritual e não entende o que é a verdade. As palavras de Deus são profundas. Como são profundas? Tudo que Deus diz, tudo que Ele revela trata dos caracteres corruptos das pessoas e das coisas essenciais e profundamente enraizadas em sua vida. São coisas essenciais, não são aparências externas e, sobretudo, não são comportamentos externos. A julgar pela aparência externa, todas as pessoas podem parecer estar bem. Por que, então, Deus diz que algumas pessoas são espíritos malignos e algumas são espíritos impuros? Essa é uma questão que não é visível para você. Assim, você não pode confiar que a aparência ou o que você vê do lado de fora se compare às palavras de Deus. Após terem recebido essa comunicação, vocês experimentaram uma mudança em sua atitude em relação às palavras de Deus? Não importa quão grande ou pequena seja a mudança, da próxima vez que lerem tais palavras, pelo menos não tentarão argumentar com Deus. Vocês não dirão: “As palavras de Deus são muito difíceis de ouvir; não lerei essa página. Simplesmente a pularei! Deixe-me procurar algo para ler sobre bênçãos e promessas, a fim de encontrar algum conforto”. Vocês não devem escolher o que leem dessa forma.

Extraído de ‘A importância de buscar a verdade e a senda de buscá-la’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Algumas pessoas se equipam com a verdade para ajudar os outros e servir a Deus e para liderar a igreja adequadamente. Essa visão está correta? Independentemente de quantas mensagens você tenha ouvido ou de quais sejam seus planos, deixe que Eu lhe diga o que é o mais importante e qual é a visão mais correta: qualquer dever que você desempenhar e seja você um líder ou não, você deve primeiro examinar a si mesmo mediante as palavras de Deus e implementá-las dentro de você. Não as trate como ferramentas em seu trabalho ou como coisas que você acumulou. Se você for bem-sucedido em tudo isso, certamente será capaz de fazer bem o seu trabalho. Se você sempre quiser medir outras pessoas por essas palavras, aplicá-las a outras pessoas ou considerá-las como capital para o próprio trabalho, você estará em apuros; isso significa que você está trilhando a senda de Paulo. Essa é a verdade absoluta. Por ter essa visão, você sem dúvida trata essas palavras como doutrina e teoria e deseja divulgá-las e fazer o trabalho — e isso é algo muito perigoso. Se você se mede pelas palavras de Deus e você mesmo começa a colocá-las em prática, o primeiro a mudar e alcançar a entrada será você. Somente se ganhar alguma coisa, você terá a estatura, as qualificações e a capacidade para fazer bem o trabalho que deve fazer. Se você não tiver estatura, não tiver experiência e não tiver ganho entrada, você está trabalhando às cegas, correndo às cegas, e isso não terá resultado real. Qualquer que seja o aspecto da verdade-realidade que tenha ouvido, se você se comparar a ele, se você implementar essas palavras na própria vida e as incorporar em sua prática, então você definitivamente ganhará algo e estará fadado a mudar. Se simplesmente encher sua barriga com essas palavras e memorizá-las em sua mente, então você nunca mudará. Enquanto ouve os sermões, você deve ponderar o seguinte: “A que tipo de estado essas palavras se referem? A que aspecto da essência elas se referem? A que assuntos devo aplicar esse aspecto da verdade? Sempre que eu faço algo relacionado a esse aspecto da verdade, estou agindo de acordo com ele? E quando estou colocando isso em prática, meu estado está de acordo com essas palavras? Se não, devo buscar comunhão ou esperar?” Vocês praticam dessa maneira em sua vida? Se não o fazem, então suas vidas estão sem Deus e sem a verdade. Vocês vivem de acordo com letras e doutrinas ou de acordo com seus próprios interesses, confiança e entusiasmo. Aqueles que não possuem a verdade como realidade são os que não têm realidade, e as pessoas que não têm as palavras de Deus como realidade são as que não entraram em Suas palavras. Vocês entendem o que eu estou dizendo? É melhor entendam, mas independentemente de qual seja o seu entendimento delas e de quanto você compreendeu do que ouviu, o crucial é que você seja capaz de introduzir em sua vida o que compreendeu e colocar isso em prática. Só então sua estatura poderá crescer e só então ocorrerão mudanças em seu caráter.

Extraído de ‘A prática mais fundamental de ser uma pessoa honesta’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Muitas pessoas pegam as palavras de Deus para lê-las dia após dia, até o ponto de cuidadosamente memorizar todas as suas passagens clássicas e guardá-las como seu tesouro mais precioso e, além disso, pregam as palavras de Deus em todo lugar, provendo e ajudando os outros por meio de Suas palavras. Elas pensam que fazer isso é dar testemunho de Deus, dar testemunho de Suas palavras, que fazer isso é seguir o caminho de Deus; pensam que fazer isso é viver segundo as palavras de Deus, que isso é aplicar as Suas palavras às próprias vidas, que fazer isso lhes permitirá receber os elogios de Deus e ser salvas e aperfeiçoadas. Mas, mesmo quando pregam as palavras de Deus, nunca cumprem com as palavras de Deus na prática ou tentam comparar a si mesmos com o que está revelado nas palavras de Deus. Antes, elas usam as palavras de Deus para ganhar a adoração e confiança dos outros por meio da trapaça para entrar no gerenciamento por conta própria e defraudar e roubar a glória de Deus. Elas esperam, em vão, explorar a oportunidade dada para divulgar as palavras de Deus para que recebam a obra de Deus e Seu elogio. Quantos anos se passaram, mas essas pessoas não somente não conseguiram merecer os elogios de Deus no processo de pregar as palavras de Deus, não somente foram incapazes de descobrir o caminho que deveriam seguir no processo de dar testemunho das palavras de Deus, não ajudaram nem proveram para si mesmas no processo de ajudar e prover para os outros com as palavras de Deus, não só foram incapazes de conhecer Deus nem de despertar em si mesmas uma reverência genuína a Deus no processo de fazer todas essas coisas, mas, ao contrário, seus mal-entendidos sobre Deus aumentam cada vez mais, sua desconfiança Dele se torna cada vez mais grave; e suas imaginações sobre Ele, cada vez mais hiperbólicas. Supridas e guiadas por suas teorias sobre as palavras de Deus, elas aparentam estar completamente em seu elemento, como se estivessem exercendo suas habilidades com toda a facilidade, como se tivessem encontrado seu propósito na vida, sua missão, como se tivessem ganhado nova vida e fossem salvas, como se, com as palavras de Deus fluindo cristalinas de suas bocas em recital, elas tivessem ganho à verdade, entendido as intenções de Deus e descoberto a senda para conhecer Deus, como se, no processo de pregar as palavras de Deus, elas ficassem frequentemente face a face com Deus. Ademais, elas são frequentemente “tocadas” ao ponto de ter ataques de choro e, frequentemente guiadas pelo “Deus” nas palavras de Deus, elas aparentam estar incessantemente entendendo Sua sincera solicitude e gentil intenção e, ao mesmo tempo, ter compreendido a salvação do homem por Deus e Seu gerenciamento, ter chegado a conhecer a Sua essência e a ter compreendido Seu justo caráter. Com base nesse fundamento, elas parecem crer ainda mais firmemente na existência de Deus, ser mais cientes de Seu estado exaltado e sentir ainda mais profundamente Sua grandeza e transcendência. Embebidas nesse conhecimento superficial das palavras de Deus, pareceria que sua fé cresceu, que sua resolução para suportar o sofrimento foi fortalecida e que seu conhecimento de Deus foi aprofundado. Pouco sabem elas que, até realmente experimentarem as palavras de Deus, todo o seu conhecimento de Deus e suas ideias sobre Ele advêm de sua imaginação fértil e de conjectura. Sua fé não resistiria a qualquer tipo de teste de Deus, aquilo que chamam de espiritualidade e estatura simplesmente não resistiria à provação ou inspeção de Deus, sua resolução não passa de um castelo construído sobre a areia, e o suposto conhecimento de Deus também não é mais que uma invenção de sua imaginação. Na verdade, essas pessoas que, por assim dizer, investiram muito nas palavras de Deus, nunca perceberam o que é fé verdadeira, o que é obediência verdadeira, o que é cuidado verdadeiro por Deus nem o que é conhecimento real de Deus. Elas tomam a teoria, a imaginação, o conhecimento, o dom, a tradição, a superstição e até mesmo os valores morais da humanidade e os transformam em “capital” e “armas” para acreditar em Deus e segui-Lo, tornando-os até em alicerces da sua crença em Deus e de segui-Lo. Ao mesmo tempo, elas também pegam esse capital e armas e os transformam em um talismã mágico para conhecer a Deus, para enfrentar e lidar com as inspeções, provações, castigo e julgamento de Deus. No final, o que elas acumulam consiste em nada mais do que nas conclusões sobre Deus que estão imersas em conotação religiosa, superstição feudal e em tudo que é romântico, grotesco e enigmático. Seu modo de conhecer e definir a Deus está gravado no mesmo molde que o das pessoas que creem apenas no Céu Acima ou no Bom Velhinho no Céu, enquanto a realidade de Deus, Sua essência, Seu caráter, Suas posses e Seu ser — tudo que se refere ao Próprio Deus real — são coisas que o conhecimento delas não conseguiu captar, das quais seu conhecimento se separou completamente, ao ponto de ficarem tão distantes quanto o polo sul e o polo norte. Dessa forma, embora essas pessoas vivam sob a provisão e nutrição das palavras de Deus, elas são incapazes de trilhar verdadeiramente a senda de temer a Deus e evitar o mal. A verdadeira razão para isso é que elas nunca se familiarizaram com Deus, nem jamais tiveram contato ou comunhão genuína com Ele, e assim é impossível que elas cheguem a um entendimento mútuo com Deus, ou que despertem em si mesmas uma crença genuína em Deus, um seguimento ou uma adoração a Deus. Que elas considerem as palavras de Deus assim, que elas considerem Deus dessa forma — essa perspectiva e atitude as condenaram a retornar de mãos vazias dos seus empreendimentos, as condenaram a nunca, em toda a eternidade, ser capazes de trilhar a senda de temer a Deus e evitar o mal. O alvo para o qual elas estão mirando e a direção na qual elas estão indo significam que elas são inimigas de Deus por toda a eternidade e que, por toda a eternidade, elas nunca serão capazes de receber a salvação.

Extraído de ‘Conhecer Deus é a senda para temer a Deus e evitar o mal’ em “A Palavra manifesta em carne”

Deus expressa a verdade para pessoas que têm sede da verdade, que buscam a verdade e que amam a verdade. Quanto àqueles que se preocupam com letras e doutrinas e gostam de fazer discursos longos e pomposos, eles jamais ganharão a verdade; eles estão enganando a si mesmos. Tais pessoas têm um ponto de vista incorreto sobre a leitura das palavras de Deus; elas giram a cabeça para ler aquilo que está de cabeça para cima — sua perspectiva está toda errada. Algumas pessoas só sabem pesquisar as palavras de Deus, estudando o que Ele diz sobre ser abençoado e sobre o destino do homem. Se as palavras de Deus não se encaixam em suas noções, elas se tornam negativas e interrompem sua busca. Isso mostra que elas não estão interessadas na verdade. Como resultado, elas não levam a verdade a sério; só são capazes de aceitar a verdade de suas noções e imaginação. Embora tais pessoas sejam fervorosas em sua crença em Deus e tentem de tudo para fazer algumas boas ações e se apresentar bem aos outros, elas só fazem isso para terem um bom destino no futuro. A despeito do fato de também se envolverem na vida da igreja, comendo e bebendo das palavras de Deus juntamente com todos os outros, elas têm dificuldades de entrar na verdade-realidade e de ganhar a verdade. Há outros ainda que comem e bebem das palavras de Deus, mas que só agem sem se envolver; acham que ganharam a verdade simplesmente por terem vindo a entender algumas letras e doutrinas. Como são tolos! A palavra de Deus é a verdade. No entanto, a pessoa não entenderá nem ganhará necessariamente a verdade após ler as palavras de Deus. Se você não ganhar a verdade ao comer e beber as palavras de Deus, então o que você ganhará são letras e doutrinas. Você não sabe o que significa ganhar a verdade. Você pode segurar as palavras de Deus na palma da sua mão, mas, após lê-las, você ainda não entende a vontade de Deus, você só adquire algumas letras e doutrinas. Em primeiro lugar, você deve perceber que a palavra de Deus não é tão fácil de entender; a palavra de Deus é absolutamente profunda. Sem muitos anos de experiência, como seria possível você entender a palavra de Deus? Até mesmo uma única frase das palavras de Deus exigirá toda a sua vida para experimentá-la totalmente. Você lê as palavras de Deus, mas você não entende a vontade de Deus; você não entende as intenções de Suas palavras, sua origem, o efeito que buscam alcançar ou o que elas buscam realizar. Se você não entender nenhuma dessas coisas, como, então, você pode entender a verdade? Você pode ter lido as palavras de Deus muitas vezes e talvez consiga recitar muitas passagens de cor, mas você ainda não mudou em nada, tampouco fez qualquer progresso. Seu relacionamento com Deus continua distante e alienado como sempre. Ainda há barreiras entre você e Deus como antes, e você ainda permanece em dúvida em relação a Ele. Você não só não entende Deus, você também dá desculpas a Ele e cultiva noções sobre Ele. Você resiste a Ele e até blasfema contra Ele. Como isso poderia significar que você ganhou a verdade? Embora todos tenham uma cópia da palavra de Deus que leem todos os dias e anotem a iluminação que recebem por comunicarem sobre a verdade, no final, pessoas diferentes alcançam efeitos diferentes. Algumas se concentram em doutrinas, enquanto outras focam em sua prática. Algumas preferem estudar o que é profundo e misterioso, enquanto outras preferem aprender sobre o futuro destino do homem. Algumas preferem estudar os decretos administrativos, algumas procuram palavras de consolo, já outras preferem ler as profecias — as coisas em que as pessoas se concentram são diferentes. Algumas pessoas preferem ler as palavras que o Espírito Santo diz às igrejas e querem ser “Meus filhos”. Mas o que tais pessoas conseguirão no final? Hoje em dia, há alguns novos convertidos que dizem: “Veja quão consoladora é a palavra de Deus! ‘Meus filhos, meus filhos!’ Quem mais poderia nos dar tal consolo?” Elas não entendem a quem essas palavras se destinam. Mesmo depois de aceitarem a nova obra de Deus por um ou dois anos, algumas pessoas ainda não conseguem entender e ainda dizem essas coisas descaradamente sem corar ou sentir vergonha. Isso é entender a verdade? Elas não entendem nem a vontade de Deus, mas ousam assumir o status de filhos de Deus! O que tais pessoas aprendem com a palavra de Deus? Tudo o que fazem é interpretar mal a palavra de Deus! Aqueles que não amam a verdade nunca ganharão a verdade, embora leiam a palavra de Deus. Quando alguém não tem amor pela verdade, ele não dará atenção a ela, não importa o quanto você comunique com ele. Aqueles que amam a verdade, depois de lerem as palavras de Deus, procurarão compreender a vontade de Deus; eles investigarão e terão comunhão sobre a verdade com outros. Somente esse tipo de pessoa tem esperança de ganhar a verdade.

Extraído de ‘Somente aqueles com verdade-realidade podem liderar’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Ouvir a palavra de Deus e obedecer às exigências de Deus é a vocação do homem enviada pelo céu; o que Deus diz não é assunto do homem. Seja lá o que Deus diz, o que exige do homem, a identidade, a essência e o status de Deus não mudam — Ele é sempre Deus. Quando você não tem dúvida alguma de que Ele é Deus, sua única responsabilidade, a única coisa que você deve fazer é ouvir o que Ele diz; essa é a senda da prática. Uma criatura de Deus não deveria estudar, analisar, explorar, rejeitar, contradizer, desobedecer ou negar as palavras de Deus; isso é detestado por Deus e não é o que Ele deseja ver no homem. Então qual é, exatamente, a senda da prática? Na verdade, é muito simples: aprenda a ouvir, ouça com seu coração, aceite com seu coração, entenda e compreenda com seu coração e então vá e faça, realize e execute com seu coração. O que você ouve e compreende em seu coração está intimamente conectado ao que você coloca em prática. Não separe os dois; tudo — o que você pratica, ao que obedece, o que faz com a própria mão, tudo com que você se ocupa — está conectado ao que você ouve e compreende em seu coração, e é nisso que você alcançará obediência às palavras do Criador. Essa é a senda da prática.

Extraído de ‘Excurso Três: Como Noé e Abraão ouviram as palavras de Deus e Lhe obedeceram (parte 2)’ em “Expondo os anticristos”

Noé era um membro comum da humanidade que adorava e seguia a Deus. Quando as palavras de Deus vieram sobre ele, sua atitude não foi de procrastinar, atrasar ou ir com calma. Em vez disso, ele ouviu as palavras de Deus com grande seriedade, ouviu cada declaração de Deus com grande cuidado e atenção, tentando diligentemente absorver e lembrar tudo que Deus tinha ordenado a ele, não ousando deixar passar nada. Em sua atitude em relação a Deus e às palavras de Deus, estava o temor de Deus, o que mostrava que Deus tinha um lugar em seu coração e que ele era obediente a Deus. Ele ouviu atentamente o que Deus disse, o conteúdo das palavras de Deus, o que Deus exigia dele. Ele ouviu atentamente — não analisando, mas aceitando. Não havia recusa, nem antipatia, nem impaciência em seu coração; ao contrário, com calma, cuidado e atenção, ele anotou, em seu coração, cada palavra e coisa que Deus exigia dele. Depois de Deus lhe dar cada instrução, Noé registrou, em detalhe e do seu jeito, tudo que Deus tinha dito e confiado a ele. Depois deixou de lado suas atividades, rompeu com as rotinas e planos de sua vida antiga e começou a preparar tudo que Deus lhe tinha confiado a fazer e todos os suprimentos exigidos para a arca que Deus o tinha instruído a construir. Ele não ousou negligenciar nenhuma das palavras de Deus, nem nada daquilo que Deus pediu, nem qualquer detalhe daquilo que as palavras de Deus exigiam dele. Do seu jeito, ele registrou os pontos principais e os detalhes de tudo que Deus pediu e confiou a ele, depois ponderou e refletiu sobre eles sem parar. Em seguida, Noé foi à procura de todos os materiais que Deus tinha pedido que ele preparasse. Naturalmente, depois de cada instrução que Deus lhe deu, ele, de seu próprio jeito, fez planos e arranjos detalhados para tudo que Deus lhe tinha comissionado e o instruído a fazer — e então, passo a passo, implementou e executou seus planos e arranjos, e cada detalhe e passo individual que Deus tinha pedido. Durante todo o processo, tudo que Noé fazia, fosse grande ou pequeno, notável ou não aos olhos do homem, era o que ele tinha sido instruído a fazer por Deus e era o que tinha sido dito e exigido por Deus. A partir de tudo que se revelou em Noé após ter aceitado a comissão de Deus, fica evidente que sua atitude em relação às palavras de Deus não foi de somente ouvir e nada mais — muito menos foi o caso de, depois de ouvir essas palavras, Noé ter escolhido uma hora em que estivesse de bom humor, em que o ambiente estivesse certo ou em que a hora fosse favorável para executar. Em vez disso, ele abandonou suas atividades, rompeu com a rotina de sua vida e fez da construção da arca que Deus tinha ordenado a maior prioridade de sua vida e existência, dali em diante. Sua atitude em relação à comissão e às palavras de Deus não era casual, nem superficial, nem caprichosa, muito menos era uma atitude de rejeição; ao contrário, ele ouviu as palavras de Deus com cuidado e investiu seu coração para lembrar delas e ponderar sobre elas. Sua atitude em relação às palavras de Deus foi uma atitude de aceitação e obediência. Para Deus, somente essa é a atitude que uma verdadeira criatura de Deus deve ter em relação às Suas palavras. Não houve recusa, indiferença nem teimosia nessa atitude, nem foi adulterada pela intenção humana; foi, inteira e completamente, a atitude que um ser criado deve ter.

Extraído de ‘Excurso Três: Como Noé e Abraão ouviram as palavras de Deus e Lhe obedeceram (parte 2)’ em “Expondo os anticristos”

Abraão era um homem honesto. Ele só tinha uma única atitude em relação às palavras de Deus: ouvir, aceitar e obedecer. Ele ouvia tudo que Deus dizia; se Deus dizia que algo era preto, mesmo que não parecesse preto para Abraão, ele acreditava sem questionar que aquilo era preto. Se Deus dizia que algo era branco, aquilo era branco. Era simples assim. Quando Deus disse que lhe daria um filho, ele pensou: “Eu tenho cem anos de idade. Se Deus diz que me dará um filho, então dou graças a Deus, agradeço ao meu Senhor”. Ele não refletia demais sobre as coisas; ele simplesmente acreditava em Deus. E qual era a essência dessa crença? Ele acreditava na essência e na identidade de Deus; seu conhecimento do Criador era verdadeiro. Ele não era igual a algumas pessoas que dizem em voz alta que acreditam que Deus possui o poder de criar todas as coisas e que Deus fez a humanidade, mas em seu coração duvidam: “Nós não evoluímos a partir dos macacos? Por que não vi quando Deus criou todas as coisas?”. Sempre que ouvem Deus falar, há grandes pontos de interrogação em seu coração. Cada fato, coisa e instrução dita por Deus precisa ser estudada e analisada minuciosa, diligente e cuidadosamente; caso contrário, se não tiverem cuidado, elas podem ser enganadas e exploradas. Mas Abraão não era assim. Seu coração era puro, ele ouvia as palavras de Deus com um coração puro, e apesar de ter sofrido quando Deus falou dessa vez, mesmo assim ele decidiu acreditar e obedecer; ele acreditou que as palavras de Deus não mudariam, que se tornariam realidade, que elas eram o que devia ser executado e obedecido pela humanidade criada; confrontada com as palavras de Deus, a humanidade criada não tinha direito de escolher, muito menos de estudá-las ou de analisá-las. Tal foi a atitude de Abraão em relação às palavras de Deus. E então, apesar de todo o sofrer; embora, por causa do apego, amor e adoração pelo filho, estivesse em estresse e sofrimento extremos, mesmo assim ele decidiu devolver seu filho para Deus. Por que ele teve que devolvê-lo para Deus? Se Deus não tivesse pedido, ele não teria que devolver o filho — mas já que Deus pediu, ele teve que devolvê-lo para Deus; ele não tinha desculpas, as pessoas não deviam tentar argumentar com Deus; essa foi a atitude de Abraão. Tal era o coração puro com que obedeceu a Deus: era o que Deus queria e era o que Deus desejava ver. O que Abraão alcançou, ao ofertar Isaque, e o que se revelou nele diante de Deus foi o que Deus desejava ver e era o teste de Deus. No entanto, Deus não tratou Abraão como tratou Noé. Ele não contou toda a história a Abraão, o processo, tudo por trás dessa questão. Abraão só sabia de uma coisa: Deus pediu que ele devolvesse Isaque, só isso. Ele não sabia que, ao fazer isso, Deus o estava testando, e não estava ciente daquilo que, após ser sujeito a esse teste, Deus pretendia realizar nele e nos seus descendentes. Deus não lhe disse tudo; Ele só lhe deu uma simples instrução, fez um pedido. E embora essas palavras de Deus fossem muito simples e de sangue frio, como esperado, Abraão fez o que Deus desejava e exigia: sacrificou Isaque no altar. Tudo que ele fez mostra que sua oferta não era apenas uma formalidade, ele não estava agindo sem se envolver; ele foi sincero no íntimo de seu coração. Embora não suportasse, embora doesse, quando confrontado com aquilo que o Criador pediu, Abraão escolheu o método que qualquer membro da humanidade não escolheria: obediência absoluta ao que o Criador pediu, obediência sem fazer concessões, sem desculpas e sem quaisquer condições — ele fez o que Deus pediu. E o que se encontrava nele para que pudesse fazer o que Deus pedia? Em parte, havia nele a verdadeira fé em Deus; ele tinha certeza de que o Criador era Deus, seu Deus, seu Senhor, Aquele que governava sobre todas as coisas e que tinha criado a humanidade. Isso era fé verdadeira. Em parte, seu coração era puro. Ele confiava em cada palavra professada pelo Criador e era capaz de simples e diretamente aceitar cada palavra professada pelo Criador. E, em parte, não importando quão grande fosse a dificuldade daquilo que o Criador pedisse, quanta dor isso lhe trouxesse, a atitude que ele escolheu foi de obediência, não tentar argumentar com Deus nem resistir ou se recusar, mas obediência completa e total, agindo e implementando de acordo com o que Deus pedia, de acordo com cada uma de Suas palavras e de cada ordem emitida. Como Deus pedira e desejara ver, Abraão sacrificou Isaque no altar, ele o sacrificou para Deus — e tudo que fez provou que Deus tinha escolhido a pessoa certa, que, aos olhos de Deus, ele era justo.

Extraído de ‘Excurso Três: Como Noé e Abraão ouviram as palavras de Deus e Lhe obedeceram (parte 2)’ em “Expondo os anticristos”

É o povo de Deus que valoriza a palavra de Deus, que aprecia a palavra de Deus, que venera a palavra de Deus, que respeita cada palavra e frase que Deus diz e também como Ele fala, a perspectiva da qual Ele fala e o que Ele diz em cada passagem. Somente os inimigos de Deus zombam de Suas palavras e as desprezam. Eles as desdenham. Não tratam as palavras de Deus como a verdade, como palavras pronunciadas pelo Criador. Assim, em seu coração, desejam frequentemente adulterar as palavras de Deus e interpretá-las arbitrariamente. Tentam usar suas maneiras, seus modos de pensamento e a lógica de seu raciocínio para alterar as palavras de Deus de modo a que se conformem aos gostos humanos corruptos, aos pontos de vista humanos corruptos e ao pensamento e à filosofia humanos corruptos, num esforço para, no fim, ganharem o aplauso de mais pessoas. A palavra de Deus é a palavra de Deus, não importa do que fale, como seja comunicada e de qual perspectiva seja dita. Para que a humanidade corrupta possa entender mais prontamente a palavra de Deus, apreciá-la melhor e ganhá-la com mais facilidade, para que possa entender a verdade em Suas palavras, Deus usa com frequência línguas humanas, métodos humanos, assim como maneiras, tom de fala e lógica que podem ser mais bem compreendidos pelas pessoas para explicar Sua vontade e dizer para a humanidade em que ela deve entrar. No entanto, são exatamente esses métodos discretos, esse tom discreto e essas palavras discretas que são explorados por anticristos para levantar acusações contra Deus e negar que Sua palavra é verdade. Com frequência, os anticristos comparam a palavra de Deus com o conhecimento e os escritos de pessoas renomadas e até comparam a palavra de Deus com as falas, o fraseado, o tom de fala e a integridade moral de indivíduos conhecidos. Quanto mais a comparam dessa forma, menos sentem que a palavra de Deus é digna de menção, mais superficial acham que é e mais querem alterá-la, corrigir as palavras de Deus, Seu tom e Seu estilo, assim como a perspectiva da qual Ele fala. Não importa como Deus fale ou quanto a humanidade se beneficie daquilo que Deus tem a dizer, os anticristos não veem a palavra de Deus como a verdade. Nas palavras de Deus não buscam a verdade, nem os princípios de prática, nem o caminho de entrada na vida; em lugar disso, infalivelmente as abordam com uma mente para pesquisá-las, estudá-las, contemplando as palavras de Deus com uma atitude de pesquisa e investigação intensas. E, ao pesquisá-las desse e daquele jeito, ao investigá-las minuciosamente, eles continuam a acreditar que existem muitos lugares nas palavras de Deus que precisam ser alterados, que precisam ser “consertados”. Assim, a partir do dia em que um anticristo entra em contato com as palavras de Deus e mesmo após ter sido um crente por dez, vinte, trinta anos, ao contrário daquilo que os outros dizem, em seu coração mais íntimo, eles não só não pensam que a palavra de Deus tem vida ou verdade nela, eles também não acreditam que ela é o portão para o reino ou o caminho que leva ao céu. Eles não enxergam isso. Não conseguem descobrir isso. O que, então, eles pensam? “Por que, por mais tempo que acredite, mais sinto que as palavras de Deus não são nada especiais? Por mais tempo que acredite, mais acredito que não há verdade nessas palavras de Deus.” O que é isso? É um sinal bom ou ruim? (É um sinal ruim.) Como é ruim? Uma vez que sua fé tenha alcançado tal ponto, isso será tudo e nada mais? Será o fim de sua crença?

Extraído de ‘Eles odeiam a verdade, desprezam publicamente os princípios e ignoram os arranjos da casa de Deus (parte 5)’ em “Expondo os anticristos”

A princípio, Eu desejava fornecer a vocês mais verdades, mas tive de desistir disso porque sua atitude com relação à verdade é fria e indiferente demais; não desejo que Meus esforços sejam desperdiçados, nem desejo ver as pessoas se agarrando às Minhas palavras, entretanto, em todas as questões, fazendo o que resiste a Mim, Me calunia e Me blasfema. Por causa das suas atitudes e da sua humanidade, Eu meramente lhes forneço uma pequena parte, e, para vocês, muito importante, das Minhas palavras, que serve como Minha obra de provação em meio à humanidade. Somente agora Eu verdadeiramente confirmei que as decisões e os planos que Eu fiz estão de acordo com as suas necessidades e, além do mais, que a Minha atitude com relação à humanidade é a correta. Seus muitos anos de conduta diante de Mim Me deram uma resposta sem precedentes, e a pergunta para essa resposta é: “Qual é a atitude do homem perante a verdade e o verdadeiro Deus?”. Os esforços que Eu devotei ao homem provam a Minha essência de amor pelo homem, e todas as ações do homem diante de Mim provam a sua essência de ódio para com a verdade e a sua oposição a Mim. Em todo momento, Eu Me preocupo com todos os que Me seguem, no entanto, nunca aqueles que Me seguem são capazes de receber Minhas palavras; não são capazes nem de aceitar Minhas sugestões. Isso é o que Me entristece mais do que tudo. Ninguém nunca foi capaz de Me entender e, além do mais, ninguém nunca foi capaz de Me aceitar, apesar de Minha atitude ser sincera e Minhas palavras, gentis. Todos tentam fazer a obra que Eu lhes confiei de acordo com as próprias ideias; eles não buscam Minhas intenções, muito menos perguntam o que é que Eu exijo deles. Continuam alegando que Me servem com lealdade ao mesmo tempo que se rebelam contra Mim. Muitos acreditam que as verdades que são inaceitáveis para eles ou que eles não conseguem praticar não são verdades. Em tais pessoas, as Minhas verdades se tornam algo a ser negado e deixado de lado. Ao mesmo tempo, as pessoas Me reconhecem como Deus em palavra, mas também Me consideram um forasteiro que não é a verdade, o caminho ou a vida. Nenhum sabe esta verdade: Minhas palavras são a verdade eterna e imutável. Eu sou o suprimento de vida para o homem e o único guia para a humanidade. O valor e o significado das Minhas palavras não são determinados por serem ou não reconhecidos ou aceitos pela humanidade, mas pela essência das palavras em si. Mesmo que nem uma única pessoa nesta terra possa receber Minhas palavras, o valor de Minhas palavras e seu auxílio à humanidade são inestimáveis para qualquer homem. Portanto, quando enfrentado pelas várias pessoas que se rebelam contra as Minhas palavras, refutam-nas ou são completamente desdenhosas delas, Minha posição é apenas esta: que o tempo e os fatos sejam Minha testemunha e mostrem que Minhas palavras são a verdade, o caminho e a vida. Que mostrem que tudo que Eu disse é certo, é aquilo com que o homem deve se prover e, além do mais, aquilo que o homem deveria aceitar. Eu permitirei que todos aqueles que Me seguem conheçam este fato: aqueles que não podem aceitar Minhas palavras plenamente, aqueles que não podem praticar Minhas palavras, aqueles que não podem encontrar um motivo em Minhas palavras e aqueles que não podem receber salvação por causa das Minhas palavras são aqueles que foram condenados pelas Minhas palavras e, além do mais, perderam Minha salvação, e Minha vara nunca se afastará deles.

Extraído de ‘Vocês precisam considerar seus feitos’ em “A Palavra manifesta em carne”

Anterior: 3. Os princípios para contemplar as palavras de Deus

Próximo: 5. Os princípios para conhecer as palavras de Deus

Durante desastres, além de rezar, a coisa mais crítica para nós é encontrar a maneira de sermos protegidos. Junte-se ao nosso grupo de estudo gratuitamente.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro