Aplicativo da Igreja de Deus Todo-Poderoso

Ouça a voz de Deus e dê as boas vindas ao retorno do Senhor Jesus!

Convidamos a todos os buscadores da verdade que entrem em contato conosco.

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Largura da página

0 resultados

Nenhum resultado encontrado

01 Princípios para estabelecer uma igreja e gerenciar a vida da igreja

I. Princípios para estabelecer uma igreja e aceitar novos crentes

1. Princípios para estabelecer uma igreja

Os princípios para estabelecer uma igreja são: contanto que haja um grupo de pessoas (por volta de vinte) que realmente tenham aceitado a obra de Deus, que solicitem juntar-se formalmente à igreja e que estejam dispostas a cumprir seus deveres, uma igreja pode ser estabelecida. Se houver por volta de dez novos crentes que peçam para ter reuniões, um grupo de reuniões pode ser estabelecido primeiro, mas uma igreja não pode ser estabelecida. Se os novos crentes não reconheceram nem aceitaram o verdadeiro caminho formalmente enquanto o investigam, então uma igreja não deve ser estabelecida. O estabelecimento de uma igreja deve ser feito pessoalmente por um líder da igreja, um diácono que pregue o evangelho ou um diácono cuidador. Antes de estabelecer uma igreja, é de máxima importância comunicar claramente como os líderes e diáconos da igreja são eleitos. Depois que todos os novos crentes entenderam os princípios de eleição de líderes e diáconos, pode-se fazer a eleição. Depois que o líder e os diáconos da igreja tiverem sido eleitos, a pessoa responsável pelo estabelecimento da igreja deverá presidir e fazer uma reunião de oração durante a qual devem anunciar formalmente o estabelecimento da igreja, anunciar quem deverão ser os líderes e diáconos dela e depois começar a orar. Todos devem orar diante de Deus e declarar que creem formalmente em Deus Todo-Poderoso e estão se unindo à igreja. Eles devem também declarar que aceitam completamente e se submetem à obra de Deus, que buscarão as verdades para alcançar a salvação de Deus, exaltarão a Deus e darão testemunho por Deus para retribuir o amor Dele e despenderão a vida toda por Ele. Eles podem também relatar seus desejos, aspirações e pensamentos íntimos a Deus. Depois que o povo escolhido de Deus terminar suas orações, a igreja terá, então, sido estabelecida e os líderes e diáconos poderão oficialmente começar a levar a vida da igreja.

Os líderes e diáconos são eleitos uma vez ao ano. A eleição só é válida quando o número de pessoas participantes da igreja ultrapassar 80%. Se a obra feita pelos líderes e diáconos da igreja eleitos for frutífera, eles podem ser reeleitos indefinidamente.

O número de pessoas de uma igreja pode variar de um mínimo de vinte a aproximadamente cinquenta. Se as reuniões se tornarem problemáticas porque o número de pessoas excedeu cinquenta, outra igreja pode, então, ser estabelecida.

O nome da igreja pode ser determinado de acordo com o nome local do lugar: igrejas em vilarejos podem levar o nome do povoado ou do município; igrejas em cidades podem levar o nome da cidade ou do bairro.

2. Princípios para gerenciar a vida da igreja

Para assegurar que a obra da igreja prossiga como normal e que a vida da igreja não seja afetada, toda conduta e comportamentos que perturbem a vida da igreja deverão ser regulados. Há 7 principais tipos de comportamentos que perturbam a vida da igreja, conforme descritos abaixo:

1) Organizar panelinhas e brigar por poder e ganho dentro da igreja, envolvendo-se em intrigas e conflito interno – essas são condutas que perturbam a vida da igreja;

2) Fazer julgamentos a bel-prazer, atacando líderes e diáconos, assim causando caos dentro da igreja, isso é conduta que perturba a vida da igreja;

3) Afetar o comer e o beber as palavras de Deus e a comunicação das verdades, assim causando falta de bons resultados das reuniões, isso é conduta que perturba a vida da igreja;

4) Não seguir os arranjos dos líderes da igreja e fazer o que bem entender, assim causando problemas para a igreja, isso é conduta que perturba a vida da igreja;

5) Qualquer pregação de teorias espirituais ultrapassadas, teorias religiosas enganadoras ou ideias filosóficas que perturbem o comer e o beber as palavras de Deus, bem como a comunicação de verdades, isso é conduta que perturba a vida da igreja;

6) Espalhar constantemente noções e falácias para enganar as pessoas, fazendo com que o povo escolhido de Deus fique confuso, tenha uma fé vaga em Deus e careça de uma senda, isso é conduta que perturba a vida da igreja;

7) Violar os arranjos do alto e realizar outras coisas em lugar disso, fazendo com que o povo escolhido de Deus careça de um objetivo na busca das verdades e seja incapaz de entrar na senda correta da fé em Deus, essas coisas são todas condutas que perturbam a vida da igreja;

Há três principais modos de lidar com aqueles que perturbam a vida da igreja: 1. Se essa for a sua primeira ofensa, eles devem ser repreendidos pelos líderes da igreja; 2. Se eles se recusarem a aceitar conselho ou repreensão, podem, então, ser repreendidos por todos durante as reuniões; 3. Se tal assistência ainda falhar em produzir mudança, então a vida de igreja deles deve ser descontinuada, deve-se pedir que pratiquem autorreflexão e só poderão permitir que se juntem novamente às reuniões depois de autorrefletirem e terem escrito uma carta de arrependimento. Caso contrário, pode-se lidar com eles de acordo com as sete regras de expulsão da igreja.

3. Princípios da igreja para hospedagem

Os deveres de hospedar da igreja devem ser responsabilidade das famílias anfitriãs designadas. Ao hospedar aqueles que realizam obra, bem como irmãos e irmãs, as famílias anfitriãs devem seguir os princípios de hospedagem a fim de serem celebradas e abençoadas por Deus. Os aspectos específicos dos princípios de hospedagem são os seguintes:

1) Ao hospedar, as famílias anfitriãs nunca devem providenciar um grande banquete. A circunstância das famílias anfitriãs deve ser considerada, as famílias anfitriãs não devem ser governadas por vaidade da carne nem por sua própria presunção. Elas devem ficar dentro dos seus recursos, e tomar dinheiro emprestado para hospedar nunca deve ser tolerado;

2) Quando uma família abastada estiver hospedando, não podem ser preparados mais de quatro pratos; e quando uma família de uma área pobre e desfavorecida estiver hospedando, não podem ser preparados mais de dois pratos. Os pratos devem ser principalmente vegetarianos e alguma carne pode ser incluída quando sob melhores circunstâncias. No caso de um padrão de vida inferior, os pratos podem ser completamente vegetarianos (exceto para as pessoas doentes);

3) Se a família anfitriã for abastada, ela pode hospedar utilizando seu próprio dinheiro, mas deve evitar um grande banquete e certamente não deve causar impactos adversos à casa de Deus. Se a família que hospeda for empobrecida, a igreja pode reembolsar suas despesas. Tomar dinheiro emprestado para hospedar nunca deve ser tolerado;

4) Se a família anfitriã tiver descoberto algum obreiro preguiçoso e exigente, ela pode reportar àqueles dos níveis superiores. Se tais obreiros forem impenitentes, a família anfitriã pode recusar hospedá-los e não deve ser constrangida pela posição de tais obreiros, pois todo o povo escolhido de Deus é igual na presença de Deus e da verdade. Embora os deveres que cada um deva cumprir possam ser diferentes, não há distinção de superioridade e inferioridade entre nós.

Esperamos que todas as famílias anfitriãs possam implementar esses princípios, pois somente ao hospedarmos dessa maneira é que podemos satisfazer a vontade de Deus e não nos sentiremos apreensivos quanto a como oferecer hospedagem. A família anfitriã e os obreiros podem supervisionar e encorajar uns aos outros, pois tal prática é benéfica a todos. Os obreiros devem focar a obra da casa de Deus e tratá-la como prioridade máxima; aqueles que focam o comer, beber e se divertir devem se arrepender e se conter. Todos os obreiros que forem constantemente preguiçosos devem ser enviados para casa.

4. Princípios da igreja para aceitar novos crentes

Os princípios para aceitar novos crentes na igreja são: contanto que creiam sinceramente em Deus, mesmo se tiverem apenas uma lasca de esperança ou chance de serem salvos, eles devem ainda ser aceitos na igreja e nunca devem ser afastados. O padrão de aceitação de pessoas na igreja não deve ser tão alto, pois a humanidade inteira já foi corrompida muito profundamente e só alguns têm a humanidade que os qualifica. Se não forem malfeitores nem confusos, e se eles crerem sinceramente que Deus Todo-Poderoso é o Deus encarnado, então eles devem ser aceitos na igreja. Independentemente de serem operários, fazendeiros, professores, pessoal das áreas científica e tecnológica ou funcionários do governo, devemos tratá-los todos como iguais, sem qualquer preconceito. Devemos ter extrema paciência, especialmente em guiar grupos militares, professores e pessoal da área científica e tecnológica para entrar nas palavras de Deus e entender todas as verdades, porque essas pessoas têm mais dificuldades para entrar nas palavras de Deus – não podemos ter expectativa alta ou rigorosa demais em relação a elas. Se verdadeiramente tivermos amor por elas, devemos ficar em contato com elas e assisti-las regularmente. Mesmo que essas pessoas muitas vezes exijam mais tempo do que as pessoas comuns para entrar nas verdades e desenvolver uma base em sua fé em Deus, uma vez que tenham realmente entrado nas verdades, todas elas são talentos valiosos. Devemos entender que o cultivo de talentos exige que paguemos um preço.

Para aqueles que estão sendo aceitos pela igreja, normalmente a aprovação dos líderes e diáconos da igreja é suficiente. Em circunstâncias especiais, a aprovação da igreja toda é exigida. Se algumas pessoas não concordarem com a aceitação de um novo crente, ele deve ser testado por um período. Enquanto for testado, o seu patrocinador ou a pessoa que lhe pregou o evangelho deve ficar constantemente em contato com ele e observá-lo cuidadosamente. Se essa pessoa crer sinceramente em Deus e tiver uma chance de ser salva, então ela pode ser aceita na igreja. A obra de aceitação de pessoas na igreja não pode ser extrema demais; somente os malfeitores e as pessoas confusas devem ser restritas. Devemos aceitar a maioria das pessoas e somente os casos especiais devem exigir discussão adicional e aprovação da igreja.

A questão da aceitação de pessoas na igreja deve ser executada com cuidado, principalmente para evitar que os malfeitores que desejam se aproveitar da igreja, que muitas vezes cometem adultério ou são extremamente arrogantes, se juntem à nossa igreja. Há também aqueles que só vêm para socializar ou causar alarde, a quem também devemos impedir que se unam à nossa igreja, pois tais pessoas não amam as verdades, e mesmo que se unam à igreja, elas não ficarão até o final. Na igreja, aqueles que acabam por desistir são desse tipo de pessoa. Além disso, devemos também impedir que aqueles que estão espionando a nossa igreja se infiltrem nela. A igreja deve principalmente impedir os seguintes três tipos de pessoas de se misturarem com as nossas congregações: um tipo é aquele que é tão mau, depravado e baixo, que a igreja absolutamente não pode aceitá-lo; outro tipo são os espiões que desejam se infiltrar na igreja, a quem a igreja também absolutamente não pode aceitar; o último tipo são aqueles que não creem sinceramente em Deus. Eles irão desistir cedo ou tarde, mesmo se forem aceitos na igreja, então a igreja não deve aceitá-los.

5. Princípios da igreja para ofertas

Todos os que creem em Deus sabem muito claramente que a obra Dele exige a coordenação de pessoas e exige líderes e obreiros de todos os níveis da igreja para suprir, regar e guiar o povo escolhido de Deus na manutenção da obra Dele. A expansão do evangelho divino do reino exige que o povo escolhido de Deus esteja muito ocupado e se despenda; além disso, os vários livros da palavra de Deus e da comunicação de verdades usados pelo povo escolhido de Deus exigem impressão e distribuição. Assim, a obra de salvação divina paga um preço para cada um dentre o povo escolhido de Deus que recebe a Sua obra, e todas essas despesas são sustentadas pelas ofertas que o povo escolhido de Deus faz a Ele. Como resultado, Deus tem expectativas para todo o Seu povo escolhido; ofertar a Ele é dever e obrigação dos seres criados, e despender-se por Deus é a responsabilidade que eles devem cumprir. Isso é justificado e obrigatório. Todos devem oferecer a sua parte à obra de Deus, independentemente de como cada pessoa entende essa questão. Alguns insistem em fazer uma oferta de 10%, enquanto outros contribuem de maneiras diferentes. Contanto que a oferta seja voluntária, Deus a aceitará alegremente. A casa de Deus só especifica que aqueles que tenham crido Nele por menos de um ano sejam temporariamente isentos de prover quaisquer ofertas; embora das pessoas pobres não se exija que provejam oferta alguma, elas podem ofertar de acordo com a sua fé. A igreja não aceitará ofertas que possam levar a litígios familiares. Aqueles que fizerem oferta em dinheiro devem orar várias vezes e, somente depois de terem certeza de que estão totalmente dispostos e certos de que nunca terão qualquer arrependimento, devem ser autorizados a fazer suas ofertas. Para aqueles que têm crido em Deus há mais de dois anos, independentemente da maneira com a qual estiverem fazendo suas ofertas, contanto que tenham orado e estejam totalmente dispostos, ninguém tem direito de interferir.

O povo escolhido de Deus só deve contribuir com ofertas após ter entendido os princípios e o significado de ofertar, porque somente então ele será celebrado e abençoado por Deus. Ofertar é responsabilidade e obrigação do povo escolhido de Deus, e é também uma boa obra que todo o povo deve ter. Se uma pessoa nunca tiver contribuído com nenhuma oferta depois de crer em Deus por vários anos, isso mostra que ela não tem fé real e ainda não entende as verdades. Isso é suficiente para mostrar que o relacionamento dessa pessoa com Deus não é normal. Aqueles que têm crido em Deus por muitos anos, mas nunca contribuíram com oferta alguma certamente são descrentes. Eles certamente são aqueles desprovidos de consciência ou razão e não merecem viver na presença de Deus. Os princípios para se fazer ofertas são: você deve conhecer a obra de Deus, pode-se ver que chegou a um real entendimento das verdades por meio de sua fé em Deus, sabe como viver como ser humano, anda na senda da obtenção da salvação, sente que está em dívida com Deus por Seu amor e que deve cumprir seus deveres como homem, de forma que sua consciência ficará tranquila. Se fizer, então, ofertas nesse momento, você deve estar totalmente disposto, enquanto ao mesmo tempo, irá sentir prazer e conforto porque tem consciência e razão. Se alguém crê em Deus há muitos anos, mas não sente que busca a verdade nem que alcançará a salvação, então não há necessidade de fazer nenhuma oferta, pois não estará totalmente disposto mesmo se as fizer. Tal pessoa não ama as verdades, é um descrente, e é natural que ela não oferte. A igreja não permite que ninguém peça que outros façam ofertas por meio de pregação ou por qualquer outra razão. Todos os que são ávidos para falar sobre ofertas têm segundas intenções. A questão de ofertar depende da consciência e da razão de cada indivíduo, bem como do entendimento que se tem das verdades.

A totalidade do povo escolhido de Deus deve entender que todas as ofertas são feitas para Deus e não para qualquer igreja ou pessoa individualmente. Você certamente está cometendo um erro se estiver ofertando a uma igreja ou pessoa individualmente. Já que as ofertas feitas pelo povo escolhido de Deus são para Deus, elas devem ser gerenciadas e utilizadas pela casa Dele conforme ela considerar apropriado. Elas não pertencem a nenhuma igreja e são apenas temporariamente mantidas por uma igreja. A não ser para usos próprios pela igreja, a igreja não tem autoridade sobre tais ofertas porque elas foram feitas a Deus. Portanto, nada mais apropriado do que elas serem uniformemente gerenciadas e utilizadas pela casa de Deus, e ninguém tem o direito de interferir. Se alguém entrega as ofertas feitas a Deus aos anticristos e malfeitores, está traindo essas ofertas feitas a Ele. Isso é um ato de traição e blasfêmia a Ele, e tais pessoas inevitavelmente serão punidas e amaldiçoadas.

Quando o povo escolhido de Deus faz ofertas, está cumprindo o seu dever e obrigação como seres criados; mas isso é totalmente determinado por sua fé. Somente aqueles que têm fé real são capazes de praticar esplêndidas boas obras e dar testemunho, e só se pode ganhar fé buscando verdades. Algumas pessoas têm fé em Deus, enquanto outras não têm tal fé. Alguns têm fé na justiça de Deus, enquanto outros não conseguem reconhecer que Deus é justo. Tais são os diferentes estados de diferentes pessoas. Não podemos exigir que todos sejam iguais, portanto, as ofertas feitas a Deus são totalmente baseadas na disposição de cada pessoa. Se um homem rico tem a fé de Jó e oferta tudo o que possui a Deus, então isso é uma boa obra. Algumas pessoas falham em oferecer tudo de si mesmas a Deus, até no próprio final, e essa é a maior falha da fé delas em Deus.

Dedicar o ser todo para despender para Deus deve ser baseado em escolha própria. Algumas pessoas se dedicam a espalhar o evangelho, outras servem em igrejas. Algumas pessoas dedicam todo o seu ser para se despenderem para Deus em tempo integral. Outras só podem despender a si mesmas para Deus parte do tempo. Isso tudo depende das escolhas que as pessoas estão dispostas a fazer; a família de Deus não força as pessoas a fazerem coisas. Se você estiver apto a realizar um trabalho para a casa de Deus, então a família de Deus recorrerá a você; se você está ou não disposto a atender ao chamado, isso depende de você. Se houver alguém disposto a se devotar, deve levar em consideração os arranjos da família de Deus. A família de Deus pode arranjar trabalho para uma pessoa de acordo com seus pontos fortes. Se essa pessoa fizer um bom trabalho, então ela pode continuar. Se uma pessoa não estiver à altura da tarefa, então a família de Deus pode lhe dar outro trabalho para fazer. A família de Deus arranja trabalho para cada pessoa de acordo com seu background e pontos fortes. A família de Deus não atribuirá tarefas aos incompetentes. As pessoas devem aprender a obedecer e a se submeter à orquestração de Deus. Independentemente da obra realizada, há princípios a se seguir dentro da casa de Deus. Já que há princípios para as pessoas contribuírem e se despenderem para Deus, também há princípios para se fazer ofertas a Deus. Para os que estão dentro da casa de Deus, independentemente dos deveres cumpridos, há princípios que devem ser seguidos e todos devem cumpri-los de acordo com princípios. Isso é algo a que o povo escolhido de Deus deve se ater.

6. Subornar líderes ou obreiros com presentes é estritamente proibido

Entre irmãos e irmãs, podemos praticar amor e caridade, o que é totalmente compatível com as palavras de Deus. Entretanto, algumas pessoas compram itens caros para os obreiros da igreja e tal presentear na verdade não reflete amor e caridade, mas provém totalmente de segundas intenções dos indivíduos interessados. Na realidade, há alguns obreiros ou pregadores que se tornaram gananciosos e pediram a “assistência” de seus irmãos e irmãs. Os olhos deles se iluminam quando veem as posses de outras pessoas que eles desejam e eles procuram qualquer meio possível para obtê-las, assim expondo completamente a feiura gananciosa do grande dragão vermelho. Esperamos que nossos irmãos e irmãs considerem isso um aviso e se abstenham de seguir os caminhos maus deste mundo. A fé em Deus exige que você busque verdades e também conduza todos os seus assuntos de acordo com as verdades. Pode haver caridade e assistência quando existe amor entre irmãos e irmãs, mas se a ênfase for em presentear com itens caros aqueles obreiros e líderes que não têm qualquer dificuldade financeira, tal “caridade” não será celebrada por Deus porque ela é um meio completamente interesseiro. Se uma família anfitriã estiver enfrentando dificuldades e carecer de alguns itens essenciais, então ela é um alvo genuíno para a caridade. O amor real e a caridade não envolvem as segundas intenções do indivíduo. Se outros são confortados por atos de caridade e assistência, então tais atos são compatíveis com a intenção de Deus. Mas se o propósito é agradar a um certo líder devido às segundas intenções do indivíduo, tais atos de caridade e presentear são absolutamente incompatíveis com as verdades. Ouvi falar de uma irmã rica que distribuiu alguns itens bastante caros a outros obreiros. Entretanto, ela estava sendo caridosa com todos os obreiros e não apenas com obreiros específicos, portanto tal caridade pode ser chamada de amor verdadeiro.

As boas obras que são esperadas por Deus são obras de caridade para as pessoas pobres e irmãos e irmãs que enfrentam dificuldades reais e que contribuem sinceramente para a obra de Deus e se despendem por Ele. Devemos nos conduzir adequadamente e agir com correção ao praticarmos amor e caridade, pois somente assim estaremos de acordo com a intenção de Deus. Aqueles no papel de líder ou obreiro devem considerar a obra da casa de Deus, cumprir bem seus deveres e recusar presentes dos irmãos e irmãs. Somente tais pessoas são servos leais de Cristo, bons líderes para seus irmãos e irmãs e bons obreiros da casa de Deus.

II. Princípios de gerenciamento administrativo da igreja

Durante a obra de expansão em larga escala do evangelho, é inevitável que muitos malfeitores se infiltrem na igreja, o que introduz muito problema na vida da igreja e causa grande perturbação à entrada na vida dos irmãos e irmãs. A presença dessas pessoas na casa de Deus é muito desvantajosa à obra da casa Dele. O impacto que causam é extremamente negativo porque a conduta deles humilha seriamente o nome de Deus e eles, com certeza, não são pessoas que Deus deseja salvar. Eles não amam as verdades, não buscam conhecer a Deus, mas têm o desejo intenso de serem abençoados, bem como a mentalidade de um oportunista. Eles são servos de Satanás, são malfeitores que interrompem a obra de Deus e são os demônios que foram amaldiçoados por Deus para afundar na perdição e perecer. A fim de assegurar que a obra de Deus seja realizada tranquilamente sem qualquer interferência – e para manter uma vida de igreja normal – a casa de Deus é obrigada a expurgar da igreja esses lobos em pele de cordeiro, bem como todos os outros malfeitores e descrentes. Tais atos trazem grande satisfação a todos os nossos irmãos e irmãs. Devemos todos vir a saber que a obra de Deus só salva quem crê verdadeiramente Nele e busca a verdade, quem pode deixar tudo para trás para cumprir seus deveres e quem pode se submeter aos arranjos de Deus e não é imprudente. Todos os que são capazes de se submeter e realizar seus deveres quando ouvem a voz de Deus são aqueles que verdadeiramente vêm diante de Seu trono. Todos os que ouvem a voz de Deus, mas ainda se rebelam, resistem e fazem o mal são incorrigíveis e devem ser eliminados; eles devem ser expulsos e expurgados da igreja. Na obra de Deus, uma pessoa poder ou não ser salva depende de ela buscar verdades e da senda em que ela anda. Por fim, algumas pessoas serão salvas e aperfeiçoadas, enquanto outras serão eliminadas e amaldiçoadas – isso é lógico. Todo o povo escolhido de Deus deve perceber isso, pois Deus é justo e Seu caráter não pode ser ofendido por ninguém. Todos os que fazem o mal são destinados a afundar na perdição e perecer. Tais pessoas são um flagelo, mesmo que fiquem na casa de Deus, portanto é melhor serem expulsas e expurgadas da igreja o mais rápido possível. Agora iremos tornar públicas as regras de expulsão e expurgação de pessoas que todo o povo escolhido de Deus deve aprender.

1. Princípios da igreja para a expurgação de pessoas

Já que a obra de Deus dos últimos dias é a obra de julgamento e castigo da raça humana por meio da expressão de palavras de verdade, as exigências para as pessoas que recebem a Sua obra são que elas possuam uma linha normal de pensamento, um sentido são e que sejam capazes de entender a verdade. Podemos ver claramente que a igreja foi infiltrada por aqueles que são possuídos por demônios, aqueles que têm a obra grave dos espíritos malignos, bem como por todo tipo de pessoas de raciocínio lento e com sentido anormal. Essas pessoas não entendem nem um pouquinho a verdade e são incapazes de cumprir os deveres que precisam cumprir. Se permanecem na igreja, elas são simplesmente um fardo que nos desgastará. É por isso que elas devem ser expurgadas. Fazê-lo é benéfico para a igreja, bem como para seus membros. Há principalmente vários tipos de pessoas que precisam ser expurgadas:

1) Se alguém, mesmo que o ambiente familiar permita reuniões, não vive a vida da igreja o tempo todo, é, na verdade, um descrente e deve ser expurgado.

2) Aqueles que fingem ser cristãos, mas que realmente são descrentes devem ser expurgados.

3) Se alguém que já teve uma desordem mental ou foi possuído por demônios não tiver sentido comum o tempo todo, ou se alguém frequentemente apresentam a obra de espíritos malignos, esses não satisfazem os pré-requisitos para aceitação da obra de Deus e não têm como entender a verdade. É por isso que devem ser expurgados.

4) Os que são severamente incapacitados, inclusive aqueles que sofrem de todo tipo de doença estranha, e as pessoas velhas que são surdas ou têm visão embaçada ou são imbecis dormentes, se forem incapazes de entender a verdade, não importando a forma como você a comunique a eles, devem ser expurgados.

5) Se alguém sempre tem concepções sobre Deus, tem atitude suspeita, não busca nem um pouco a verdade, tem coração malicioso e quer processar a igreja ou os seus líderes por causa de sua insatisfação com eles, deve ser expurgado.

6) Se alguém é desprezado pela maioria das pessoas da igreja e elas se sentem indignadas com essa pessoa porque suas palavras e ações são iguais às dos descrentes, tal pessoa deve ser expurgada.

7) Se alguém gosta especialmente de seguir e lisonjear pessoas, é susceptível a seguir a obra de espíritos malignos, a crer em mentiras e ser enganado, sempre tem concepções de Deus, mantém uma atitude cética e não aceita a verdade, é classificado como absurdo e mau, ele deve ser expurgado.

Os sete tipos de pessoas mencionados acima não satisfazem as exigências para aceitar a obra de Deus e não têm como entender a verdade. Mesmo que creiam em Deus, essas pessoas não podem obter a verdade e não podem ser salvas. É por isso que todas elas são pessoas que devem ser expurgadas. A principal razão por que devem ser expurgadas é que elas não satisfazem as exigências e condições da obra de Deus. Aqueles que devem ser expurgados não são malfeitores, e é por isso que são apenas expurgados e não expulsos.

2. Princípios da igreja para a expulsão de pessoas

Durante a expansão em larga escala do evangelho, todos os tipos de malfeitores se infiltraram na igreja. Esses malfeitores são arrogantes e não têm sentido. Eles também são cheios de ambições e não têm o menor interesse em buscar verdades. Eles tentam ao máximo interferir, perturbar e desmantelar a obra da igreja. Alguns deles são totalmente incorrigíveis e cometem todo tipo de obras más. Eles se tornam demônios que se opõem a Deus, portanto, a igreja deve expulsar todos eles. A expulsão dessas pessoas deve estar de acordo com as sete regras a seguir:

1) Pessoas absurdas e delirantes que constantemente espalham concepções contra Deus e julgam a obra de Deus na igreja, que estão sempre insatisfeitas com a obra da casa de Deus, que confundem certo com errado, jorram disparates, são truculentas e insensatas e não aceitam nem um pouco as verdades, as tais devem ser expulsas;

2) Aqueles que continuam a formar panelinhas, semeiam discórdia, se envolvem em intrigas, perturbam a vida da igreja e não se arrependem, os tais devem ser expulsos;

3) Aqueles que estão envolvidos em desvio de dinheiro ou tomam dinheiro emprestado da casa de Deus sem devolvê-lo, os tais devem ser expulsos;

4) Aqueles que são promíscuos ou se envolvem em atos homossexuais e permanecem incorrigíveis devem ser expulsos (com exceção de infratores ocasionais);

5) Aqueles que, ao cumprirem seus deveres, continuam a simplesmente improvisar, agem de maneira imprudente, são más influências e não têm a aparência de pessoas que acreditam em Deus, os tais devem ser expulsos;

6) Aqueles que são negligentes e agem de maneira imprudente ao cumprirem seus deveres, causando grandes perdas às finanças da igreja ou dano à obra da casa de Deus, os tais devem ser expulsos sem exceção;

7) Aqueles que traem seriamente a igreja ou seus irmãos e irmãs devem ser expulsos. Revelar coisas insignificantes por causa de momentos de fraqueza, mas reter coisas cruciais não conta como traição à igreja nem aos irmãos e irmãs, já que é um comportamento normal. Os casos sérios são aqueles em que as pessoas revelam tudo o que sabem sem qualquer reserva, e em que as pessoas falam e trabalham para o grande dragão vermelho por causa de sua covardia e porque têm por completo se tornado ferramentas de Satanás. Tais pessoas pertencem ao tipo de Judas, o tipo que trai seu Senhor e seus amigos, por isso, as tais devem ser expulsas.

Esses são os sete padrões e princípios para expulsar todos os malfeitores. Qualquer pessoa que corresponda a qualquer um desses sete padrões deve ser expulsa. Se a transgressão de uma pessoa não satisfizer a nenhum desses sete padrões, não se deve expulsá-la, mas sim, dar a ela oportunidade de arrependimento. Qualquer um que tenha a menor chance de salvação também não deve ser expulso. Se alguém interferir seriamente com a igreja, deve ser isolado e, somente se o isolamento não alcançar o resultado desejado, deve ser expulso. A expulsão da igreja é uma medida destinada a todos os malfeitores e incorrigíveis; é uma medida administrativa da igreja. Portanto, nenhum dos líderes ou obreiros da igreja pode usar a expulsão como meio de subjugar outros ou de resolver questões pessoais. Aqueles expulsos pela igreja devem ser somente malfeitores, anticristos e as pessoas incorrigíveis que cometem todo tipo de obras malignas. Assim, as expulsões da igreja nunca devem violar os princípios acima.

3. A expurgação e a expulsão de pessoas da igreja deve se basear na essência delas

Toda obra realizada pela casa de Deus respeita princípios. Há princípios para promover e usar as pessoas; também há princípios para expulsar e expurgar as pessoas. A fim de realizar a obra de acordo com os nossos princípios, devemos ver claramente através da essência do problema e nunca devemos cometer o erro de confiar em aparências. Somente fazendo as coisas dessa forma é que podemos assegurar que atenderemos as expectativas de Deus. Quando somos incapazes de ver claramente através da essência das pessoas, fica fácil violarmos os princípios e seguirmos as regras rigidamente. Neste momento, a maioria dos líderes tem essa lacuna, principalmente devido ao fato de eles entenderem muito poucas verdades e serem incapazes de ver claramente através da essência da maioria das pessoas. Assim, quando eles estão lidando com questões, ficam totalmente perdidos e tudo o que conseguem fazer é seguir regras rigidamente. Então, eles são incapazes de garantir que possam realizar a obra deles adequadamente sem cometer erros. Antes que a igreja expulse ou expurgue uma pessoa em especial, eles devem primeiro entender completamente a natureza essencial dessa pessoa. No mínimo, devem entender completamente que essa pessoa não mudará independentemente de quantos anos de fé tenha, que trata-se de alguém que absolutamente não busca a verdade, que essa pessoa basicamente não possui consciência e sentido de uma pessoa normal, e que o Espírito Santo absolutamente não opera nele ou nela. Essa pessoa pode ser expurgada ou expulsa somente se todos reconhecerem que ele ou ela é assim. Somente seguindo esses procedimentos é que se pode garantir que não haverá nenhum erro. Se somos capazes de entender completamente as intenções de Deus em termos de quais pessoas devem ser salvas, abandonadas ou eliminadas, então podemos expurgar e expulsar corretamente aquelas pessoas que a igreja deve expurgar e expulsar sem sermos injustos para com nenhuma pessoa inocente e sem deixarmos escapar nenhuma má pessoa. Somente expurgando e expulsando corretamente as pessoas dessa forma é que podemos estar plenamente de acordo com as intenções de Deus. A igreja deve basear sua decisão de expurgar ou expulsar alguém na essência dessa pessoa. Somente assim pode-se garantir que a decisão esteja de acordo com as intenções de Deus e que nenhum erro seja cometido. Por exemplo, a expulsão de pessoas possuídas por demônios, de anticristos que continuam a julgar a obra de Deus ou o homem usado pelo Espírito Santo, daqueles que são promíscuos ou cometem atos homossexuais regularmente e daqueles que continuam a praticar toda forma de mal e a perturbar a obra da casa de Deus baseia-se no fato de que, por natureza e essência, eles já pertencem a Satanás e não podem mais ser salvos. Conforme determinado por sua essência, essas pessoas não foram predestinadas e selecionadas por Deus, mas são malfeitores e oportunistas que se esgueiraram na casa de Deus. Portanto, devemos expulsar tantas pessoas assim quanto possível. Tais atos nunca podem estar errados. Isso é porque esses procedimentos são implementados com base na essência de uma pessoa e não em suas transgressões momentâneas. Se forem apenas baseados nas transgressões momentâneas, provavelmente algumas pessoas que tenham transgressões momentâneas, mas que sejam capazes de se arrepender genuinamente, serão arruinadas. A família de Deus nunca permitiu a expulsão de pessoas que cometeram transgressões sérias, mas que são capazes de se arrepender verdadeiramente.

A fim de assegurar que a igreja aja corretamente com relação às pessoas que ela expulsa e expurga, a casa de Deus estipulou previamente que a aprovação plena do líder e dos diáconos da igreja deve ser obtida para se expulsar alguém. A aprovação da igreja também deve ser obtida e a pessoa pode ser expulsa com a aprovação de uma ampla maioria dos membros da igreja (acima de 80%). Essa regra ainda é válida. Agora podemos usar essa regra para reexaminar todos aqueles que foram expulsos ou expurgados e, se alguns deles tiverem humanidade razoavelmente boa e foram expulsos por causa de uma ofensa temporária, eles podem ser convidados a voltar para retomar sua vida de igreja. Com relação àqueles com humanidade ruim e maligna, eles devem ser abandonados para sempre. Quando você é capaz de ver claramente através da essência das pessoas, fica muito mais fácil realizar a sua obra. Desde que possa ver claramente através do tipo de pessoas que elas são, isso significa que você também tem visto claramente através da essência da pessoa.

4. Líderes de igreja de todos os níveis nunca são autorizados a expulsar outros por si mesmos

No passado, alguns líderes de igreja expulsavam outros devido a várias razões. Alguns expulsavam pessoas por deixarem o lar para trabalhar em outro local, por não irem às reuniões com muita frequência, por não buscarem a verdade, por sempre serem negativos, por serem velhos demais e até por se apegarem ao mundo banal e se enredarem nas preocupações mundanas. Esses são todos erros graves. Tais ações violaram os arranjos da casa de Deus. A casa de Deus absolutamente não permite a expulsão de outros usando razões arbitrárias ou a expulsão direta de qualquer outra pessoa por qualquer líder ou obreiro. A expulsão de qualquer pessoa pela igreja deve ser realizada em estrito acordo com as regras da casa de Deus, e deve ser decidida após ser aprovada pela maioria dos membros da igreja. Somente a igreja tem autoridade para expulsar alguém, e ninguém tem a autoridade de expulsar outros. A expulsão da igreja é um assunto da maior solenidade; é uma questão que determina o destino de uma pessoa. Tal assunto deve ser decidido com a aprovação da maioria dos membros da igreja, pois é mais do que justo tratar os outros dessa maneira. A fim de assegurar que a igreja seja justa, honesta e razoável ao expulsar as pessoas, a casa de Deus decretou especificamente que somente as seguintes pessoas podem ser expulsas:

1) Aquelas que se pode confirmar que são possuídas por demônios e estão constantemente sendo trabalhadas por espíritos malignos, essas podem ser expulsas;

2) Aquelas que se pode confirmar que pertencem à categoria de anticristos podem ser expulsas;

3) Aqueles malfeitores que são conhecidos por sempre perturbar a igreja, por cometer todo tipo de obras más e por serem incorrigíveis podem ser expulsos;

4) Aqueles malfeitores que se pode confirmar que são do tipo de Judas, capazes de trair a igreja e o povo escolhido de Deus e são capazes de trair completamente a Deus podem ser expulsos;

5) Aqueles que foram descobertos roubando das ofertas, se envolvendo em desvio ou fraudes relativas ao dinheiro da casa de Deus – e que se recusam a devolver qualquer parte dele – podem ser expulsos.

Somente os que pertencem a uma dessas cinco categorias podem ser expulsos da igreja, mas sua expulsão deve ser aprovada pela maioria dos membros da igreja. Os documentos de expulsão devem ter as assinaturas dos líderes e obreiros relevantes de todos os níveis e devem ser arquivados para ajudar a evitar quaisquer erros. Esse é um procedimento razoável, de forma que, se erros forem descobertos, poderemos atribuir responsabilidade por eles. Esse procedimento deve ser seguido quanto à expulsão ou expurgação de outros. A respeito daqueles que deveriam ser expurgados com base em regras anteriores, como aqueles que são de qualidade baixa demais e são incapazes de entender realmente as verdades – bem como aqueles que não buscam e não vão frequentemente às reuniões – contanto que não perturbem a igreja, eles podem permanecer na igreja para serem observados por mais um ano ou dois. Se por vários anos mais eles continuarem a não buscar a verdade nem frequentar consistentemente as reuniões, poderão, então, ser expurgados da igreja. Deus é justo com todos e a casa Dele deve ser responsável por todos os que creem Nele. Especialmente por questões que envolvem a parte das pessoas, devemos prestar atenção extra para sermos justos e razoáveis, e nunca devemos tratar esses assuntos descuidadamente. Aqueles que forem irresponsáveis com a vida das pessoas e sua parte carecem de humanidade, são pessoas cruéis e não merecem servir a Deus. O ato dos líderes de todos os níveis da igreja ao expulsar outros sem boas razões é algo que se opõe totalmente a Deus e causa a maior tristeza a Ele. É uma grande maldade e iniquidade que é ofensiva a Deus e à razão. Aqueles líderes que expulsam o povo escolhido de Deus por si mesmos devem ser isolados e solicitados a refletirem sobre si. Se eles não reconhecem suas transgressões e não se arrependem, devem ser substituídos.

2 de agosto de 2003

Próximo:Somente os que possuem a verdade podem realmente ser aptos para o uso de Deus