63. Os princípios para eleger líderes e obreiros

(1) É nada mais do que apropriado que os eleitos para serem líderes e obreiros tenham um entendimento puro da verdade e sejam capazes de aceitá-la; eles devem buscar a verdade e ter bom calibre;

(2) Nem todos os que têm um caráter arrogante devem ser tratados da mesma forma. Se alguém for capaz de aceitar a verdade e fazer uma obra prática, poderá ser eleito;

(3) Desde que tenham se arrependido sinceramente e sejam capazes de realizar a obra prática, podem ser eleitos líderes e obreiros que transgrediram e foram dispensados no passado;

(4) Os eleitos como líderes e obreiros devem ser as melhores escolhas entre aqueles que são relativamente capazes de resolver problemas por meio da comunicação da verdade e que podem fazer trabalho prático.

Palavras de Deus relevantes:

Desde o início de Sua obra em todo o Universo, Deus predestinou muitas pessoas para O servirem, incluindo pessoas de todos os estilos de vida. Seu propósito é satisfazer a Sua vontade e fazer com que Sua obra na terra se concretize sem dificuldades; esse é o objetivo de Deus ao escolher pessoas para O servirem. Toda pessoa que serve a Deus tem de entender Sua vontade. Essa obra Dele faz a Sua sabedoria e a Sua onipotência, e os princípios de Sua obra na terra, mais evidentes para as pessoas. De fato, Deus vem à terra para fazer a Sua obra, para entrar em contato com as pessoas de modo que elas possam conhecer Suas ações com maior clareza. Hoje, vocês, esse grupo de pessoas, são afortunados por servir ao Deus prático. Essa é uma bênção incalculável para vocês — verdadeiramente vocês são elevados por Deus. Ao escolher uma pessoa para servi-Lo, Deus sempre tem princípios Próprios. Servir a Deus não é, absolutamente, como as pessoas imaginam, apenas uma questão de entusiasmo. Hoje, vocês veem que quem quer que sirva a Deus em Sua presença o faz porque tem a orientação Dele e a obra do Espírito Santo, e porque são pessoas que buscam a verdade. Essas são as condições mínimas que todos os que servem a Deus devem ter.

Extraído de ‘O serviço religioso precisa ser purgado’ em “A Palavra manifesta em carne”

Durante as eleições, muitas pessoas não entendem quais são os verdadeiros princípios para eleger um líder, que tipo de pessoa elas devem eleger como líder e que tipo de pessoa pode, como líder, conduzir os irmãos e irmãs para a realidade das palavras de Deus e é apto para ser um líder; elas não têm muita ciência nem clareza sobre tais coisas. Há até mesmo pessoas que, propositalmente, elegem falsos líderes durante as eleições; escolhem quem quer que tenha potencial para falso líder e são cegas para aqueles que são realmente aptos para o propósito e capazes de ser um líder, que possuem o calibre e a humanidade para ser um líder. Aqueles que carecem do calibre e da humanidade para serem líderes são eleitos por causa daquilo que, em suas noções, as pessoas acreditam ser bom, como a aparência externa de paixão ou bom comportamento etc.; já aqueles que genuinamente cumprem a miríade de critérios para ser um líder nunca são escolhidos. Aqueles sedentos por atenção, que se despendem com entusiasmo, mas carecem da competência para trabalhar, podem ser encontrados em qualquer contexto; parecem ser extremamente positivos, e a maioria das pessoas acredita que eles são qualificados para serem líderes e acredita que deve eleger tais pessoas. Mas o resultado é que, uma vez que essas pessoas são eleitas, o trabalho é demais para elas, e elas não são capazes de realizar nenhum dos arranjos de trabalho do Alto, não sabem como realizá-los. Ficam na correria o dia todo, mas não há melhora nem progresso em nenhum trabalho da igreja, e muitas vezes ocorrem situações na igreja em que os perversos exercem ou tomam o poder, o trabalho da igreja fica uma bagunça ou em que as pessoas são divididas no coração. Essa é a consequência de quando falsos líderes trabalham. A eleição de falsos líderes não só afeta e prejudica a entrada na vida dos irmãos e irmãs, mas tem também um impacto negativo sobre todo o trabalho da casa de Deus; impede que esse trabalho progrida com sucesso e impede que ele seja executado com eficiência. Isso é, em parte, um problema com os próprios falsos líderes e, em parte, diz respeito a cada um que os elege. Você não consegue reconhecer o que eles são, você é cego e não enxerga através deles, e você não entende as verdades-princípio; quando acaba por elegê-los, você prejudica não só a si mesmo e os outros, mas o trabalho da casa de Deus também é comprometido. Tais são o impacto e o dano causados por falsos líderes às pessoas e à obra de Deus.

Extraído de ‘Identificando falsos líderes (1)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

O trabalho de um trabalhador qualificado é capaz de trazer as pessoas para o caminho certo e conceder-lhes uma entrada maior na verdade. Seu trabalho pode trazer as pessoas para diante de Deus. Além disso, o trabalho que ele realiza pode variar de um indivíduo para outro e não está sujeito a regras, permitindo liberação e liberdade às pessoas e a capacidade de crescer na vida e a ter uma entrada mais profunda na verdade. O trabalho de um trabalhador não qualificado fica muito aquém disso. Sua obra é tola. Ele só é capaz de trazer as pessoas para regras, e o que ele exige das pessoas não varia de um indivíduo para outro; ele não realiza o trabalho de acordo com as necessidades reais das pessoas. Nesse tipo de trabalho, há regras e doutrinas demais, e ele é incapaz de trazer as pessoas para a realidade e para a prática normal de crescimento na vida. Pode apenas capacitar as pessoas a aderirem a algumas regras sem valor. Tal orientação só pode desviar as pessoas. Ele guia você a tornar-se igual a ele; ele só pode trazê-lo para o que ele tem e é. Para que os seguidores possam identificar quais líderes são qualificados, a chave é observar a senda em que eles lideram e os resultados de seu trabalho e ver se os seguidores recebem princípios de acordo com a verdade e se recebem maneiras de prática adequadas para sua transformação. Você deve distinguir os trabalhos diferentes dos diferentes tipos de pessoas; você não deve ser um seguidor tolo. Isso afeta a questão da entrada das pessoas. Se você não consegue distinguir se a liderança de uma pessoa tem um caminho e se não tem, você será facilmente enganado. Tudo isso tem influência direta sobre sua própria vida.

Extraído de ‘A obra de Deus e a obra do homem’ em “A Palavra manifesta em carne”

Aqueles que podem liderar igrejas, prover as pessoas com vida e ser apóstolos para o povo devem ter experiência real; devem ter uma compreensão correta de coisas espirituais e um apreço e experiência corretos da verdade. Apenas tais pessoas estão qualificadas para serem trabalhadores ou apóstolos que lideram as igrejas. Caso contrário, só podem seguir como os menores e não podem liderar, muito menos ser apóstolos que são capazes de prover as pessoas com vida. Isso acontece porque a função dos apóstolos não é correr por aí ou lutar; é fazer o trabalho de ministrar vida e liderar os outros na transformação do seu caráter. Aqueles que desempenham essa função são convocados a assumir uma responsabilidade pesada, uma que uma pessoa qualquer não pode assumir. Esse tipo de trabalho só pode ser realizado por aqueles cujo ser é vida, isto é, aqueles que têm experiência da verdade. Não pode ser realizado meramente por qualquer um consiga renunciar, correr por aí ou deseje se despender; pessoas que não têm experiência da verdade, que não foram podadas ou julgadas, são incapazes de fazer esse tipo de trabalho. Pessoas sem experiência, que são pessoas sem realidade, são incapazes de enxergar claramente a realidade porque elas mesmas carecem desse tipo de ser. Portanto, esse tipo de pessoa não só é incapaz de realizar o trabalho de liderança, mas, se ele permanecer sem a verdade por muito tempo, se tornará um objeto de eliminação.

Extraído de ‘A obra de Deus e a obra do homem’ em “A Palavra manifesta em carne”

Quais são os padrões exigidos das pessoas que são colocadas no comando de vários trabalhos? Acima de tudo, elas devem ser capazes de entender a verdade; devem possuir o calibre para entender a verdade. Essas são as coisas mais importantes. Mais especificamente, devem entender coisas espirituais, ser capazes de comer e beber das palavras de Deus sem ajuda, ser capazes de encontrar princípios para a prática em Suas palavras e ser capazes de perceber, por meio da leitura das palavras de Deus, os vários estados em que as pessoas se encontram. Devem ser capazes de experimentar por conta própria; devem ser aptas a refletir sobre si mesmas quando se depararem com um problema e recorrer às palavras de Deus ao experimentar os ambientes que Ele estabelece e aprender as lições que devem aprender. Possuir a capacidade e o calibre para entender a verdade é a primeira coisa que se exige delas. É claro, essas pessoas também devem ter consciência e senso, e sua humanidade deve estar à altura. Em segundo lugar, devem suportar um fardo. Se forem apenas de calibre bom e forem capazes de entender a verdade, mas forem preguiçosas e cobiçarem os confortos da carne, se trabalharem apenas quando for exigido ou indicado pelo Alto e, quando trabalharem, agirem apenas sem se envolver e raramente se empenharem no nível básico, e se não estiverem dispostas a sofrer ou pagar um preço e não carregarem um fardo, elas poderão ser consideradas talentos apropriados para serem cultivados? (Não.) Esta, então, é a segunda exigência: essas pessoas devem carregar um fardo. O terceiro ponto é que elas devem ser competentes em seu trabalho. Isso significa, além de executar o trabalho de acordo com os arranjos de trabalho da casa de Deus, que elas devem ser capazes de identificar e resolver problemas prontamente quando estiverem fazendo um trabalho específico; devem executar seu trabalho de modo eficaz e profundo, e não fazê-lo com desleixo; devem também ser capazes de determinar que trabalho devem fazer nos arranjos de trabalho da casa de Deus e, também, aplicar e realizar corretamente esses arranjos de trabalho. Se descobrirem um problema enquanto realizam uma tarefa específica, devem ser capazes de tratá-lo com referência aos regulamentos dos arranjos de trabalho da casa de Deus. Devem também ser capazes de discernir coisas ou situações específicas pelo que realmente são e, com base nisso, ser capazes de fazer uma avaliação correta e então providenciar a solução correta. É isso que significa ser competente no trabalho. Ser competente no trabalho se refere principalmente à capacidade de entender os pontos essenciais do trabalho, identificar problemas prontamente e resolver esses problemas de acordo com os princípios — isto é, ser capaz de se virar sozinho. Uma vez que o Alto entregou uma tarefa e também comunicou alguns princípios, essas pessoas devem ser capazes de entender os princípios e de executar o trabalho de acordo com eles; devem basicamente ser capazes de seguir o curso certo, sem muitos desvios ou muita supervisão. É isso que significa ser competente. Eis um exemplo: quando a casa de Deus exige que pessoas sejam expurgadas e expulsas e que os anticristos e os perversos sejam identificados de acordo com os princípios, o tipo de pessoa competente basicamente não se desvia ao realizar essa tarefa. Não leva muito tempo para expor e expulsar um anticristo uma vez que este se manifestou; aqueles que são competentes são capazes de rapidamente identificar um anticristo e de ajudar seus irmãos e irmãs a identificá-lo e não ser enganados. Juntos, todos são capazes de expor e abandonar o anticristo e, no fim, ter êxito na expulsão do anticristo. Quando pessoas competentes encontram os anticristos ou os perversos no escopo do seu trabalho, pelo menos 95% de seus irmãos e irmãs não sucumbem a ser enganados ou influenciados; às vezes, nem mesmo um é enganado ou desviado. As coisas são assim para as pessoas que são de calibre bom e competentes em seu trabalho; essas pessoas estão à altura do padrão para ser líderes e obreiros que possuem a verdade-realidade.

Extraído de ‘Identificando falsos líderes (5)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Aqueles que vocês escolheriam como líderes e trabalhadores precisam de bom calibre e competência em seu trabalho; agora, existem também exigências quanto à qualidade de sua humanidade. O que vocês acham, confere que a maioria das pessoas não cumpre os critérios para ser líder e trabalhador? Qual desses três é o mais crucial? (Humanidade.) E o segundo? (Competência no trabalho.) Depois disso? (Se eles têm um fardo ou não.) Essa ordem é bastante precisa. Quando vocês elegerem líderes no futuro, avaliem-nos de acordo com essa ordem. Algumas pessoas dizem: “Há um problema com essa ordem: se a humanidade vier em primeiro lugar, então, se tiverem uma boa humanidade, mas um calibre um tanto ruim, se forem selecionados como líderes, eles terão dificuldade para ser um líder importante e fazer um trabalho maravilhoso. Então continua sendo correto considerar apenas a humanidade das pessoas?”. A humanidade das pessoas é de suma importância, mas não é a única coisa que deve ser considerada. É a primeira coisa que vocês devem observar; se for à altura do padrão, analisem, então, a competência no trabalho. Se essas pessoas tiverem competência apenas mediana, a casa de Deus tem maneiras de resolver esse problema: elas podem fazer trabalhos que não sejam excessivamente exigentes para suas capacidades. Se tiverem boa humanidade e puderem assumir o trabalho e fazê-lo bem e investir nele tudo que têm, e se forem pessoas confiáveis, e a casa de Deus não precisar ter receio quanto a usá-las, e se forem edificantes, prestativas e benéficas para a maioria dos irmãos e irmãs, então estão à altura do padrão. Se sua competência no trabalho for ruim ou apenas mediana, deem-lhes uma única tarefa; se forem altamente competentes, deem-lhes algo mais complexo ou várias tarefas diferentes. Isso não se resolve facilmente? Tudo se reduz a quão amplo é o escopo das responsabilidades que recebem e por qual trabalho assumirão a responsabilidade. Mas se forem de humanidade pobre e abrigarem intenções malignas, então não importa quão competentes sejam, eles serão capazes de fazer bem esse trabalho? (Não.) Se administrassem uma empresa ou alguns funcionários, talvez não haveria problema — mais quais problemas surgiriam se eles tivessem que administrar vários itens da casa de Deus? Em primeiro lugar, eles não administrariam nem manuseariam as coisas de acordo com os princípios exigidos pela casa de Deus. Eles abrigam intenções malignas, não amam a verdade, e não há nada além de esquemas em seu coração, nada além de pensamentos, ações e ideias maléficos, de modo que tudo que fazem é de acordo com suas preferências e baseado em seus interesses, não em princípios, nem em justiça. Eles consideram apenas o que têm a perder ou ganhar, e não pensam nos princípios exigidos pela casa de Deus — e por isso estão fadados a fracassar no cargo de líderes e trabalhadores. O que determina isso? A qualidade da humanidade deles; não é determinado por sua competência no trabalho. E assim, ao avaliar se alguém é nobre ou baixo e se cumpre os padrões da casa de Deus para a seleção de líderes e trabalhadores, olhem primeiro para a sua humanidade: se eles forem de humanidade confiável e adequada, contemplem em seguida se eles são competentes em seu trabalho e se têm um fardo; depois, considerem outros aspectos.

Extraído de ‘Identificando falsos líderes (11)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Algumas pessoas, tendo escolhido como líder alguém falsamente espiritual, se sentem muito felizes e pensam: “Agora temos um bom líder. Nosso líder é um ótimo pregador. O que ele prega faz muito sentido, e um único sermão pode durar várias horas, e ele consegue continuar falando por dias. Quando prega, todos são levados às lágrimas. Somos tão apegados ao nosso líder e relutantes em nos separar dele que não estamos dispostos a sair para cumprir nossos deveres”. Mas quando cumprem seus deveres, percebem: “Como é que pareço não entender mais nada? Como é que, assim que começo a fazer trabalho prático, não o entendo mais? Ainda há tantos problemas nesse trabalho! Depois de ouvirmos a comunicação do nosso líder, todos nós estávamos tão energizados, por que, então, não conseguimos resolver os problemas que encontramos em nosso trabalho? Eles não podem ser resolvidos se estivermos todos energizados? Para início de conversa, esses problemas nem deveriam ter surgido”. Qual é a questão aqui? Os sermões desse tipo de falso líder são meras palavras e doutrinas, conversa vazia, chavões e absurdos. Eles não podem resolver seus problemas práticos. Esses falsos líderes enganaram você. Eles o têm alimentado com ilusões. Com alguns chavões, eles o levam erradamente a pensar que seus problemas estão resolvidos. Se eles não trataram especificamente do problema em sua comunicação, como, então, seu problema pode estar resolvido? Seus sermões se elevam muito acima de todos os problemas, evitando todos eles com fala e retórica vazias. Eles não tratam dos problemas em sua comunicação, mas só pregam chavões e doutrinas, como um estudioso que meramente cospe teorias. Não sabem o que é prática, e seus sermões nada têm a ver com os problemas que surgem quando chega a hora de praticar. É somente um tipo de ensinamento, de conhecimento ou de doutrina. Esse gênero de falso líder trata as palavras de Deus e a verdade como uma espécie de doutrina composta meramente de letras e palavras ou como uma espécie de chavão para pregar, evitando todos os problemas reais. E qual é o resultado? Não importa por quanto tempo preguem, tudo que as pessoas recebem disso é um surto de energia e nada mais. A verdade não é desconectada da realidade, mas está vinculada a ela e a cada aspecto dos problemas que existem na prática. Então, se vocês encontrarem novamente um falso líder pseudo-espiritual desse tipo, vocês saberão identificá-lo? Se não souberem, façam com que qualquer um que queiram escolher como líder resolva primeiro alguns problemas. Se ele os resolver de acordo com os princípios e os resultados forem bastante bons e ele os resolver com a verdade-realidade, então escolham-no. Se ele evitar falar sobre a essência de problemas, sobre problemas como realmente são e só pregar doutrinas e chavões, então não devem escolhê-lo. Por que não? (Porque ele é incapaz de resolver problemas práticos.) E quem é essa pessoa que não consegue resolver problemas práticos? Visto que só consegue pregar meras letras e palavras de doutrina, ela é um fariseu hipócrita e falsamente espiritual. Não possui o calibre para entender a verdade nem a capacidade de resolver problemas e é incapaz de resolver problemas. Assim, se você a escolher como seu líder, ela está fadada a ser um falso líder. É incapaz de fazer o trabalho e de cumprir as responsabilidades de um líder. Assim, quando a escolher, você não estará prejudicando-a? Algumas pessoas dirão: “Como isso é prejudicá-la? Nós a escolhemos com a melhor das intenções. Ela tem um pouco de calibre, e se a escolhêssemos, não teríamos alguém responsável pelo trabalho?”. Ter alguém responsável é essencial, mas se essa pessoa é incapaz disso e só oferece conversa vazia que não incorpora as coisas como são e não é de serventia para resolver problemas, então, ao escolhê-la, vocês não estão lhe dando a chance de praticar o mal? Não estão forçando-a a embarcar na senda da liderança falsa? É por isso que vocês não podem escolher tal pessoa como seu líder.

Extraído de ‘Identificando falsos líderes (8)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Anterior: 62. Os princípios para as eleições da igreja

Próximo: 64. Os princípios para destituir líderes e obreiros

Durante desastres, além de rezar, a coisa mais crítica para nós é encontrar a maneira de sermos protegidos. Junte-se ao nosso grupo de estudo gratuitamente.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro