49. Os princípios para negar a si mesmo e renunciar à carne

(1) Com base nas palavras de Deus, é necessário conhecer sua essência corrupta e ver a verdade: que a carne é controlada pela natureza satânica. Dessa forma, pode-se realmente abominar a carne;

(2) Quanto mais o homem considera um assunto impossível e quanto menos ele está de acordo com suas noções e imaginações, mais ele deve buscar a verdade, negar a si mesmo e se submeter a Deus;

(3) Não importa o quanto as noções, as imaginações e os sentimentos humanos estejam corretos, eles não são a verdade e, não importa quão pouco as palavras de Deus estejam de acordo com as noções humanas, Suas palavras são a verdade;

(4) É necessário buscar a verdade-princípio em todas as questões, renunciar às próprias convicções e pontos de vista e renunciar à carne. Só assim se pode praticar a verdade e viver a semelhança humana.

Palavras de Deus relevantes:

Se as pessoas pudessem verdadeiramente ver com clareza a senda certa da vida humana, bem como o propósito da gestão da humanidade por Deus, elas não guardariam seu futuro e destino individuais como um tesouro em seu coração. Elas então não estariam mais interessadas em servir seus pais, que são piores que porcos e cães. O futuro e o destino do homem não são precisamente os chamados “pais” de Pedro dos dias atuais? São como carne e osso do homem. O que serão o destino e o futuro da carne exatamente? Serão ver Deus enquanto ainda estiver vivo, ou a alma se encontrar com Deus após a morte? A carne acabará amanhã em uma grande fornalha de tribulações, ou em conflagração? Perguntas tais como essas não estão preocupadas com se a carne do homem suportará infortúnio ou sofrerá notícias de maior importância com as quais qualquer um nesta corrente que tenha um cérebro e seja sensível esteja mais preocupado? (Aqui, sofrer refere-se a receber bênçãos; significa que provações futuras são benéficas para o destino do homem. Infortúnio refere-se a ser incapaz de se manter firme ou a ser enganado, ou significa que alguém deparará com situações desafortunadas e perderá a vida em meio a desastre, e que não há um destino adequado para a alma.) Embora os humanos tenham uma boa razão, talvez o que pensam não corresponda inteiramente àquilo com o qual sua razão deveria estar equipada. Isso ocorre porque todos eles estão bastante confusos e seguem as coisas cegamente. Eles todos devem ter uma compreensão completa daquilo em que devem entrar e, em particular, devem resolver no que se deve entrar durante a tribulação (isto é, durante o refinamento na fornalha), bem como com o que eles devem estar equipados durante as provações de fogo. Nem sempre sirvam seus pais (ou seja, a carne), que são como porcos e cães e são ainda piores que formigas e insetos. Para que agonizar sobre isso, pensar tanto e quebrar a cabeça? A carne não pertence a você, mas está nas mãos de Deus, que não só controla você, mas também comanda Satanás. (Isso significa que a carne originalmente pertence a Satanás. Por Satanás também estar nas mãos de Deus, só pode ser expressado dessa forma. É por isso que é mais persuasivo dizê-lo dessa maneira; sugere que os homens não estão inteiramente sob o império de Satanás, mas estão nas mãos de Deus.) Você está vivendo sob o tormento da carne — mas a carne pertence a você? Está sob seu controle? Por que se incomodar em quebrar a cabeça com isso? Por que se incomodar obsessivamente com súplicas a Deus para o bem da sua carne pútrida, que há muito foi condenada, amaldiçoada e profanada pelos espíritos impuros? Que necessidade há de sempre manter os associados de Satanás tão perto do seu coração? Você não receia que a carne poderia arruinar seu futuro atual, suas esperanças maravilhosas e o verdadeiro destino da sua vida?

Extraído de ‘O propósito de gerenciar a humanidade’ em “A Palavra manifesta em carne”

Se você pudesse compreender trinta por cento da obra dos últimos dias (esses meros trinta por cento significam compreender a obra do Espírito Santo hoje e também a obra da palavra de Deus nos últimos dias), então você não continuaria a “servir” nem a ser uma “filial” para a sua carne — uma carne que foi corrompida por muitos anos — como é o caso hoje. Você devia ver claramente que os humanos agora avançaram para um estado sem precedentes e não continuarão a rodar adiante como as rodas da história. Sua carne mofada tem estado coberta por moscas há muito tempo, então como ela pode ter o poder de reverter as rodas da história que Deus capacitou a continuar até hoje? Como ela pode fazer o tique-taque emudecido do relógio dos últimos dias bater novamente e manter seus ponteiros se movendo no sentido horário? Como ela pode retransformar o mundo que parece envolto em denso nevoeiro? Sua carne pode reviver as montanhas e os rios? Sua carne, que tem apenas uma pequena função, pode realmente restaurar o tipo de mundo humano pelo qual você ansiou? Você pode educar verdadeiramente seus descendentes para se tornarem “seres humanos”? Você entende agora? A que, exatamente, pertence sua carne? A intenção original de Deus para salvar o homem, para aperfeiçoar o homem e para transformar o homem não era lhe dar uma linda terra natal nem trazer um descanso pacífico à carne do homem; era para o bem de Sua glória e Seu testemunho, para o melhor desfrute da humanidade no futuro e para que ela logo fosse capaz de descansar. Ainda, não era para a sua carne, pois o homem é o capital da gestão de Deus, e a carne do homem é simplesmente um adjunto. (O homem é um objeto com espírito e corpo, enquanto a carne é simplesmente um item que deteriora. Isso significa que a carne é uma ferramenta para uso no plano de gestão.) Você deveria saber que a perfeição, a completação e o ganho dos homens por Deus não trouxe nada além de espadas e golpes sobre a carne deles, bem como um sofrimento sem fim, conflagração, julgamento impiedoso, castigo e maldições e provações sem limites. Tal é a história interna e a verdade da obra de gerenciar o homem. No entanto, todas essas coisas são direcionadas à carne do homem e todas as flechas de hostilidade são impiedosamente apontadas para a carne do homem (pois o homem é inocente). Tudo isso é para o bem de Sua glória e Seu testemunho e para a Sua gestão. Isso é porque Sua obra não é unicamente para o bem da humanidade, mas também para o plano inteiro, bem como para cumprir Sua vontade original quando Ele criou a humanidade. Portanto, talvez noventa por cento do que o homem experimenta envolva sofrimentos e provações de fogo, e há bem pouco, ou mesmo nenhum, dos dias doces e felizes pelos quais a carne do homem ansiou. Muito menos o homem é capaz de desfrutar de momentos felizes na carne, passando tempos lindos com Deus. A carne é imunda, então o que a carne do homem vê ou desfruta nada mais é que o castigo de Deus, que homem acha desfavorável, como se estivesse carecendo de sentido normal. É por isso que Deus manifestará Seu caráter justo, que não é favorecido pelo homem, não tolera as ofensas do homem e abomina os inimigos. Deus revela abertamente Seu caráter inteiro por quaisquer meios necessários, concluindo assim a obra de Sua batalha de seis mil anos com Satanás — a obra da salvação de toda a humanidade e a destruição do velho Satanás!

Extraído de ‘O propósito de gerenciar a humanidade’ em “A Palavra manifesta em carne”

Acontece algo que exige que você enfrente adversidades, momento em que você deve entender o que é a vontade de Deus e como deve estar atento a ela. Você não deve satisfazer a si mesmo: em primeiro lugar, ponha-se de lado. Nada é mais desprezível que a carne. Você deve procurar satisfazer a Deus e cumprir seu dever. Com tais pensamentos, Deus trará iluminação especial a você neste assunto, e seu coração também será consolado. Seja grande ou pequeno, quando alguma coisa acontecer com você, você deve primeiramente pôr-se de lado e considerar a carne como a mais desprezível de todas as coisas. Quanto mais você satisfaz a carne, mais liberdades ela toma; se você a satisfizer desta vez, da próxima vez ela pedirá mais. À medida que isso continua, as pessoas passam a amar a carne ainda mais. A carne sempre tem desejos extravagantes; sempre exige que você a satisfaça e que a gratifique internamente, seja nas coisas que você come, naquilo que veste, ou perdendo a cabeça ou cedendo às suas próprias fraquezas e preguiça… Quanto mais você satisfaz a carne, maiores ficam os desejos dela e mais debochada ela se torna, até chegar ao ponto em que a carne das pessoas abriga noções ainda mais profundas, desobedece a Deus, exalta a si mesma e duvida da obra de Deus. Quanto mais você satisfaz a carne, maiores são as fraquezas da carne; você sempre sentirá que ninguém se solidariza com suas fraquezas, você sempre acreditará que Deus foi longe demais e dirá: “Como Deus pôde ser tão severo? Por que Ele não dá uma folga às pessoas?” Quando as pessoas satisfazem a carne e a valorizam demais, elas se arruínam. Se você realmente amar a Deus e não satisfazer a carne, verá que tudo o que Deus faz é bem justo e tão bom e que a maldição Dele para sua rebeldia e o julgamento de sua injustiça são justificados. Haverá ocasiões em que Deus o castigará, disciplinará e criará um ambiente para ajustá-lo, forçando-o a chegar diante Dele — e você sempre sentirá que o que Deus está fazendo é maravilhoso. Assim, você sentirá como se não houvesse muita dor e que Deus é tão amável. Se ceder às fraquezas da carne e disser que Deus vai longe demais, você sempre sentirá dor, estará sempre deprimido e ficará confuso sobre toda a obra de Deus, e parecerá que Deus é apático à fraqueza humana e desconhece as dificuldades humanas. Assim, você sempre se sentirá miserável e sozinho, como se tivesse sofrido uma grande injustiça, e neste momento, começará a reclamar. Quanto mais você ceder às fraquezas da carne dessa forma, mais sentirá que Deus vai longe demais, até ficar tão ruim que você nega a obra de Deus, começa a se opor a Deus e se torna cheio de desobediência. Assim, você deve se rebelar contra a carne e não ceder a ela: “Meu esposo (minha esposa), os filhos, as perspectivas, o casamento, a família — nada disso importa! No meu coração há somente Deus, e devo tentar o meu melhor para satisfazer a Deus e não satisfazer a carne”. Você deve ter essa resolução. Se você sempre tiver tal resolução, então, quando praticar a verdade e se colocar de lado, você será capaz de fazer isso com pouco esforço. Dizem que, certa vez, um agricultor viu na estrada uma cobra dura de frio, congelada. O agricultor a pegou e segurou contra o peito, e quando a cobra se reanimou, ela picou o fazendeiro, matando-o. A carne do homem é como a cobra: sua substância é prejudicar sua vida — e quando ela consegue o que quer, você entrega sua vida. A carne pertence a Satanás. Nela há desejos extravagantes, ela só pensa em si mesma, quer aproveitar o conforto, se deleitar com o lazer, chafurdar na preguiça e ociosidade e, tendo satisfeito isso até certo ponto, você acabará sendo engolido por ela. Ou seja, se você a satisfizer desta vez, da próxima, ela pedirá mais. A carne sempre tem desejos extravagantes, novas exigências e aproveita que você cede a ela para fazer com que você a acalente ainda mais e viva entre seus confortos — e se você não a vencer, acabará arruinando a si mesmo. Se você pode ganhar vida diante de Deus e qual será o seu destino final depende de como você realiza sua rebelião contra a carne. Deus salvou, escolheu e predestinou você, mas se, hoje, você não estiver disposto a satisfazê-Lo, não estiver disposto a praticar a verdade, não estiver disposto a se rebelar contra a sua própria carne com um coração que verdadeiramente ama a Deus, por fim, você arruinará a si mesmo e assim suportará uma dor extrema. Se você sempre ceder à carne, Satanás gradualmente o engolirá e o deixará sem vida ou sem o toque do Espírito, até que chegue o dia em que você estará completamente escuro por dentro. Quando viver na escuridão, você terá sido levado cativo por Satanás, não terá mais Deus em seu coração e, nesse momento, negará a existência de Deus e O abandonará. Assim, se as pessoas desejam amar a Deus, elas devem pagar o preço da dor e suportar adversidades. Não há necessidade de fervor e sofrimento externos, de ler mais e se ocupar mais; em vez disso, elas deveriam deixar de lado as coisas dentro delas: os pensamentos extravagantes, os interesses pessoais e suas próprias considerações, noções e intenções. Tal é a vontade de Deus.

Extraído de ‘Apenas amando a Deus é que verdadeiramente se crê em Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”

O tratamento da parte externa do caráter das pessoas por Deus também é uma parte de Sua obra; lidar com a humanidade anormal e externa das pessoas, por exemplo, ou com seu estilo de vida e hábitos, seus modos e costumes, bem como suas práticas externas e seu fervor. Mas quando Ele pede que as pessoas coloquem a verdade em prática e mudem seu caráter, o que está sendo tratado primordialmente são as intenções e noções dentro delas. Lidar apenas com o caráter externo de você não é difícil; é como pedir que você não coma as coisas que ama, o que é fácil. Aquilo que toca nas suas noções internas, no entanto, não é fácil de ser abandonado. Isso requer que as pessoas se rebelem contra a carne, paguem o preço e sofram diante de Deus. Isso vale especialmente para as intenções das pessoas. Desde que as pessoas começaram a crer em Deus, elas têm abrigado muitas intenções incorretas. Quando não está colocando a verdade em prática, você sente que todas as suas intenções estão corretas, mas quando algo acontece com você, verá que há muitas intenções incorretas dentro de você. Assim, quando Deus aperfeiçoa as pessoas, Ele faz com que elas percebam que existem muitas noções dentro delas que estão obstruindo seu conhecimento de Deus. Quando você reconhece que suas intenções estão erradas, se você consegue parar de praticar de acordo com suas noções e intenções e consegue dar testemunho de Deus e permanecer firme em sua posição em tudo o que acontece com você, isso prova que você se rebelou contra a carne. Quando você se rebelar contra a carne, inevitavelmente, haverá uma batalha dentro de você. Satanás tentará fazer com que as pessoas o sigam, tentará e fará com que elas sigam as noções da carne e defendam os interesses da carne — mas as palavras de Deus esclarecerão e iluminarão as pessoas por dentro, e, neste momento, dependerá de você se você seguirá a Deus ou a Satanás. Deus pede que as pessoas coloquem a verdade em prática, principalmente, para lidar com as coisas no interior delas, para lidar com seus pensamentos e noções que não são segundo o coração de Deus. O Espírito Santo toca as pessoas no coração delas e as esclarece e ilumina. Assim, por trás de tudo que acontece, há uma batalha: toda vez que as pessoas colocam a verdade em prática ou praticam o amor a Deus, há uma grande batalha, e embora tudo pareça bem com sua carne, no fundo do coração, uma batalha de vida ou morte está sendo travada — e somente após essa intensa batalha, depois de muita reflexão, a vitória ou a derrota podem ser decididas. Não se sabe se é para rir ou chorar. Muitas das intenções dentro das pessoas estão erradas, ou muito da obra de Deus vai contra as noções delas, e quando as pessoas colocam a verdade em prática, uma grande batalha é travada nos bastidores. Tendo colocado essa verdade em prática, nos bastidores, as pessoas terão derramado incontáveis lágrimas de tristeza antes de finalmente decidirem satisfazer a Deus. É por causa dessa batalha que as pessoas enfrentam sofrimento e refinamento; isso é sofrimento verdadeiro. Quando a batalha vier sobre você, se conseguir realmente ficar do lado de Deus, você conseguirá satisfazer a Deus. Quando se pratica a verdade, é inevitável que se sofra por dentro; se, quando colocam a verdade em prática, tudo dentro das pessoas estivesse certo, elas não precisariam ser aperfeiçoadas por Deus, não haveria batalha, e elas não sofreriam. É por causa das muitas coisas que há dentro das pessoas que elas não são aptas para serem usadas por Deus, e visto que há muito do caráter rebelde da carne, que as pessoas precisam aprender a lição de se rebelar contra a carne com mais profundidade. Isso é o que Deus chama de sofrimento pelo qual Ele pediu que o homem passasse com Ele. Quando você encontra dificuldades, apresse-se e ore a Deus: “Ó Deus! Desejo Te satisfazer, desejo suportar as adversidades finais para satisfazer o Teu coração e, independente de quão grandes sejam os contratempos que eu encontre, ainda assim devo satisfazer a Ti. Mesmo que tenha que desistir de toda a minha vida, ainda assim devo satisfazer a Ti!” Com esta resolução, quando orar deste modo, você conseguirá permanecer firme em seu testemunho.

Extraído de ‘Apenas amando a Deus é que verdadeiramente se crê em Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”

A busca da verdade exige perseverança e determinação. Se você não conseguiu satisfazer a vontade de Deus desta vez, então você deve ser capaz de abominar a si mesmo e, lá no fundo, estar silenciosamente determinado a ser bem sucedido da próxima vez. Se, desta vez, você não foi atento ao fardo de Deus, então você deveria estar determinado a se rebelar contra a carne ao enfrentar o mesmo obstáculo no futuro e a decidir satisfazer a vontade de Deus. É desse modo que você se tornará digno de elogio. Algumas pessoas nem sabem se seus pensamentos ou ideias estão corretos; essas pessoas são tolas! Se você deseja subjugar seu coração e se rebelar contra a carne, você deve, primeiramente, saber se as suas intenções estão corretas; e somente então você poderá subjugar o seu coração. Se você não sabe se as suas intenções estão corretas, seria possível você conseguir subjugar o seu coração e se rebelar contra a carne? Mesmo se você se rebelar de fato, você o fará de uma maneira confusa. Você deveria saber como se rebelar contra as suas intenções mal orientadas; isso é o que significa se rebelar contra a carne. Quando você reconhecer que as suas intenções, pensamentos e ideias estão errados, você deveria rapidamente dar meia-volta e caminhar na senda correta. Resolva esse assunto primeiramente, e se treine para alcançar entrada quanto a isso, porque você bem sabe se tem as intenções certas ou não. Quando suas intenções erradas forem corrigidas e agora forem em prol de Deus, então você terá atingido a meta de subjugar o seu coração.

Extraído de ‘Fique atento à vontade de Deus para alcançar a perfeição’ em “A Palavra manifesta em carne”

Quando algo acontece com você que não tem nada a ver com suas noções, você é capaz de continuar comendo e bebendo as palavras de Deus e cumprindo seu dever normalmente. Mas quando acontece algo que entra em conflito com suas noções e vai além delas e que faz com que surjam contradições, como você resolve essas questões? Você solta as rédeas de suas noções e as deixa seguir seu curso ou lida com elas, tenta contê-las e renunciar a elas? Existem algumas pessoas que têm noções quando deparam com um problema, que não só não as põem de lado, mas ainda procuram outras pessoas às quais propagá-las. Elas procuram uma chance de dar vazão a essas noções para que outros também possam ter essas noções. Algumas tentam se justificar: “Vocês dizem que tudo o que Deus faz tem sentido, mas até onde sei, o que aconteceu não tem sentido. Está em desacordo com a verdade, e, quando encontro coisas que estão em desacordo com a verdade, tenho que dizer algo, tenho que defender a justiça!”. Esse comportamento é apropriado? O que você deve fazer para seguir a senda correta? Existem algumas pessoas com noções que refletem sobre as coisas e percebem que seu relacionamento com Deus não é normal, que mal-entendidos sobre Deus surgiram dentro delas e que o fato de elas terem tais noções é um problema sério. Elas pensam que, se suas noções não forem resolvidas, podem correr muito perigo e se tornar suscetíveis a resistir, duvidar e até mesmo virar as costas para Deus. Por isso elas oram a Deus e deixam de lado suas noções. Primeiro, elas refutam os próprios pontos de vista falaciosos e, em seguida, buscam a verdade. Como resultado, com o passar do tempo, embora possam não ter dissecado totalmente suas noções ou tê-las colocado completamente de lado e esclarecido, a verdade direciona seus pensamentos e seu comportamento vindos de dentro e também os guia no cumprimento de seu dever, de modo que seu dever não é afetado. Pode ser que chegue o dia em que algo aconteça com elas e suas noções sejam esclarecidas. Essa não é a maneira correta de praticar? Algumas pessoas podem ficar um tanto descontentes com um arranjo que Deus fez para elas, ou com algo que Deus fez que gera noções nelas, e subsequentemente tornam-se apáticas quanto ao cumprimento de seu dever e não o desempenham adequadamente. Elas vivem constantemente em uma espécie de estado negativo, com resistência, insatisfação e ressentimento em seu coração. Esse comportamento é correto? Essas coisas são fáceis de resolver? Digamos, por exemplo, que você se considere muito inteligente, e, então, eu lhe digo que você é tolo e não entende assuntos espirituais. Ouvir isso o deixa com raiva e antagônico: “Ninguém ousaria dizer que eu não entendo de assuntos espirituais. Hoje é a primeira vez que ouço isso. Não posso aceitar essas palavras. Eu poderia liderar a igreja se não entendesse dos assuntos espirituais? Eu poderia fazer uma obra tão boa?”. O que, então, deve ser feito? É fácil, para as pessoas, refletir sobre si mesmas quando essas coisas acontecem com elas? Que tipo de pessoa é capaz de refletir sobre si mesma? Pessoas que aceitam e buscam a verdade. Primeiro, você deve refutar a si mesmo. Mesmo que você não tenha um conhecimento preciso de si mesmo e não consiga sentir se você está certo ou errado, ou se tem algum grau de ignorância, assim que ouvir Deus dizer que você é tolo e não entende dos assuntos espirituais, embora você não esteja ciente disso, essa é a definição de Deus sobre sua natureza-essência —, você deve abraçar essas palavras como verdade e aplicá-las a si mesmo, ainda que pense de outro modo. Posteriormente, enquanto trabalha e interage com outras pessoas, comparando-se com elas, você vê que não só não entende dos assuntos espirituais, mas também é muito ignorante. Tendo descoberto que tem um problema sério, você não consegue aceitar completamente o que Deus disse? Você deve aceitar essas palavras. Primeiro, aceite-as como uma regra, uma definição ou um conceito, e depois pense em uma maneira de aplicar isso a você mesmo em sua vida real, pense em um meio de conhecer e experimentar isso. Com o passar do tempo, você terá a avaliação correta de si mesmo. Então você ainda terá mal-entendidos sobre Deus? Quando não houver desacordo entre você e Deus sobre esse assunto, você ainda será capaz de contestar a avaliação de Deus sobre você? Você aceitará e deixará de desobedecer. Se for capaz de aceitar a verdade e compreender totalmente esse assunto, você dará um passo à frente; se não aceitar, você permanecerá para sempre preso onde está e não fará progresso algum. É importante aceitar a verdade? (É.) As pessoas devem deixar de lado suas noções sobre Deus e não devem ter nenhuma hostilidade nem resistência em relação às Suas palavras; somente isso é uma atitude de aceitação em relação à verdade.

Extraído de ‘Somente ao resolver suas noções alguém pode entrar na trilha certa da crença em Deus (1)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Quando geram mal-entendidos e noções sobre Deus, as pessoas devem reconhecer primeiro que Deus é a verdade e que as pessoas não têm a verdade, e certamente são elas que estão equivocadas. Isso é um tipo de formalidade? Se você somente adota essa prática como uma formalidade, superficialmente, então você pode vir a conhecer os próprios erros? Jamais. Isso exige vários passos. Primeiro, você deve determinar se suas ações estão alinhados com princípios. Não olhe primeiro para as suas intenções; há momentos em que as suas intenções estão corretas, mas os princípios que você pratica estão errados. Por que digo que os princípios que você pratica estão errados? Você pode ter buscado, mas talvez não tenha entendimento algum do que são os princípios; talvez não tenha buscado nem um pouco e baseou suas ações somente em suas boas intenções e entusiasmo e em sua imaginação e experiência e, por isso, cometeu um erro. Dá para imaginar isso? Quando não consegue prever algo, você comete um erro — e então você não foi exposto? Uma vez que foi exposto, se você continua competindo com Deus, então como você está errado? Seu maior erro não foi que você fez algo errado e violou os princípios, causando assim uma perda ou outras consequências, mas que, tendo feito algo errado, você ainda persiste e não consegue reconhecer seu erro; você ainda resistia a Deus com suas noções e imaginações, negando que a obra Dele estava certa. Esse foi seu maior e mais sério erro. Por que tal estado de uma pessoa seria de resistir a Deus? Se as pessoas reconhecem ou não que tudo que Deus faz e Sua soberania estão corretos e qual é seu significado, se elas não conseguem reconhecer inicialmente que estão erradas, então se encontram nesse estado de resistência a Deus. O que deve ser feito para retificar esse estado? Buscar a vontade de Deus, como foi mencionado, não é tão prático para as pessoas. Algumas dizem: “Se buscar não é tão prático, então isso significa que não é necessário e que não há necessidade de buscar o que pode ser buscado e compreendido? Posso simplesmente pular essa etapa”. Isso basta? A pessoa que age dessa maneira não está além da salvação? Tais pessoas estão muito enviesadas e equivocadas em suas interpretações. Buscar a vontade de Deus é uma tarefa tortuosa para as pessoas; se desejam tomar um atalho mais realístico, então deveriam começar negando a si mesmas, se deixando de lado, sabendo que suas ações estão erradas e não estão alinhadas com a verdade, para então buscar as verdades-princípio. Esses são os passos. Eles podem parecer simples, entretanto, colocá-los em prática apresenta muitas dificuldades, pois os humanos têm caracteres corruptos bem como todo tipo de imaginações e demandas e também têm desejos, e tudo isso interfere na negação e no rebaixamento próprios das pessoas. Essas coisas não são fáceis de fazer.

Extraído de ‘Somente ao resolver suas noções alguém pode entrar na trilha certa da crença em Deus (3)’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Um problema ou estado sempre pode ser resolvido com a verdade, não importa que tipo de problema ou estado seja. Qualquer que seja o tipo de problema que você tem, contanto que aceite a verdade e a transforme, de uma teoria, em uma realidade sua, e a pratique e entre nela, não importa que tipo de pessoa você é, você passará por transformação e crescimento. Isso é absoluto; é a verdade mais definitiva. A ênfase está no coração das pessoas e em suas escolhas, e se, quando encontram um problema, elas dão as costas para Deus ou Lhe obedecem e se submetem às Suas palavras. Trata-se também de se as pessoas decidem satisfazer seus desejos físicos quando confrontadas com algo, ou se conseguem, em vez disso, abandonar sua carne e praticar a verdade, agindo de acordo com as palavras de Deus. O foco principal está nessas coisas. Quanto às pessoas que, invariavelmente, decidem satisfazer sua carne e cumprir seus desejos, e seguem seus gostos e anseios físicos, elas jamais conseguem experimentar o significado ou o valor de praticar a verdade. Por outro lado, as pessoas que conseguem abandonar a carne, abrir mão de planos e desejos próprios, que conseguem praticar de acordo com a verdade e entrar na verdade-realidade, vêm a perceber a diversão e a alegria de praticar a verdade e conseguem, passo a passo, ganhar um senso do significado das palavras de Deus e de quais são o significado e o valor da exigência de Deus de que os humanos se comportem dessa forma. Qual é o resultado quando as pessoas fazem isso? É que elas desfrutam cada vez mais de coisas positivas e ganham uma habilidade cada vez maior de discernir coisas negativas, das quais também sentem ódio, nojo e desdém cada vez maiores. Uma vez que as pessoas tiverem esses estados e expressões, sua fé em Deus também aumentará. Se praticarem dessa forma com frequência, então odiarão sua corrupção, maldade, arrogância, egoísmo, desobediência e resistência, e darão origem a ódio, nojo e antipatia por sua natureza-essência. Entrementes, também sentirão aversão a qualquer coisa negativa em sua volta com a qual entrarem em contato. Elas darão origem a esses estados. Esse é, de um lado, o efeito alcançado por conhecerem a si mesmas. Por outro, ao mesmo tempo que dão origem a esse ódio e nojo, quais mudanças as pessoas têm em sua atitude em relação à verdade? Elas começam a ansiar por ter estatura e força de vontade suficiente para praticar a verdade, e esperam ser capazes de entrar na verdade-realidade, satisfazer a vontade de Deus e ser um ser criado com consciência, razão e verdade-realidade. Também têm sede de ser capazes de se submeter a Deus, se submeter a todos os ambientes arranjados por Deus e se abster de rebelar contra Ele; desejam ser capazes de satisfazer a vontade de Deus.

Extraído de ‘Só buscando a verdade pode-se entrar na verdade-realidade’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Se o conhecimento de si mesmas for superficial demais, as pessoas acharão impossível resolver os problemas, e seu caráter de vida simplesmente não mudará. É necessário conhecer a si mesmo num nível profundo, o que significa conhecer a própria natureza: que elementos estão incluídos nessa natureza, como essas coisas se originaram e de onde vieram. Além disso, você é realmente capaz de odiar essas coisas? Você viu sua própria alma feia e sua natureza maligna? Se você for realmente capaz de ver a verdade sobre si mesmo, então você começará a se detestar. Quando você se detestar e então praticar a palavra de Deus, você será capaz de abandonar a carne e ter a força para executar a verdade sem dificuldades. Por que muitas pessoas seguem suas preferências carnais? Porque se consideram bastante boas, sentindo que suas ações são certas e justificadas, que não têm falhas e até mesmo que estão inteiramente certas, elas são, portanto, capazes de agir supondo que a justiça está do seu lado. Quando se reconhece o que é a verdadeira natureza — quão feia, desprezível e lamentável —, então não se tem muito orgulho de si mesmo, não é tão descontroladamente arrogante e não está tão satisfeito consigo mesmo como antes. Tal pessoa sente: “Preciso ser honesta e realista, e praticar algumas das palavras de Deus. Se não, então, não estarei à altura do padrão do ser humano e me envergonharei de viver na presença de Deus”. Ele, portanto, se vê de fato como um ser de pouco valor, verdadeiramente insignificante. Nesse momento, fica fácil para ele realizar a verdade, e ele parecerá ser um pouco como um humano deveria ser. Só quando as pessoas se detestam verdadeiramente, elas são capazes de abandonar a carne. Se não detestarem a si mesmas, elas serão incapazes de abandonar a carne. Odiar-se de verdade engloba algumas coisas: em primeiro lugar, conhecer a sua própria natureza e, em segundo lugar, ver-se como necessitado e lamentável, ver-se como extremamente pequeno e insignificante e ver a sua própria alma suja e lamentável. Quando uma pessoa vê plenamente o que ela realmente é e esse resultado é alcançado, ela ganha verdadeiramente conhecimento de si mesma, e pode-se dizer que a pessoa veio a conhecer-se plenamente. Só então ela pode se odiar verdadeiramente, chegando até a amaldiçoar-se e sentir verdadeiramente que ela foi profundamente corrompida por Satanás, ao ponto de nem mesmo se parecer com um ser humano. Então, algum dia, quando aparecer a ameaça da morte, tal pessoa pensará: “Isso é a punição justa de Deus. Deus é realmente justo; eu devia morrer mesmo!”. A essa altura, ela não fará uma queixa, muito menos culpará Deus, simplesmente sentindo que é tão carente e deplorável, tão imunda e corrompida que deveria ser aniquilada por Deus, e uma alma como a sua não é digna de viver na terra. A essa altura, essa pessoa não resistirá a Deus, muito menos trairá a Deus. Se a pessoa não conhecer a si mesma e ainda assim se considerar bastante boa, então, quando a morte bater à porta, essa pessoa pensará: “Tenho me saído tão bem em minha fé. Como tenho me esforçado em minha busca! Tenho dado tanto, tenho sofrido tanto, mesmo assim, por fim, Deus está pedindo que eu morra. Não sei onde está a justiça de Deus. Por que Ele está pedindo que eu morra? Se até mesmo uma pessoa como eu precisa morrer, quem, então, será salvo? A raça humana não será extinta?” Em primeiro lugar, essa pessoa tem noções sobre Deus. Em segundo lugar, essa pessoa está se queixando e não está mostrando submissão alguma. É exatamente como Paulo: quando estava prestes a morrer, ele não se conhecia, e quando a punição de Deus estava próxima, era tarde demais para se arrepender.

Extraído de ‘Conhecer a si mesmo trata primariamente de conhecer a natureza humana’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Anterior: 48. Os princípios para o verdadeiro arrependimento

Próximo: 50. Os princípios para renunciar a si mesmo

Durante desastres, além de rezar, a coisa mais crítica para nós é encontrar a maneira de sermos protegidos. Junte-se ao nosso grupo de estudo gratuitamente.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro