4. Como se pode entrar em oração verdadeira

Palavras de Deus relevantes:

Ao orar, seu coração deve estar sereno perante Deus e ser sincero. Você está comungando e orando verdadeiramente com Deus; não deve tentar enganá-Lo com palavras que soam bem. A oração deveria ser centrada em torno daquilo que Deus deseja realizar agora. Peça a Deus que lhe conceda mais esclarecimento e iluminação; coloque seu estado atual e seus problemas em Sua presença ao orar, incluindo a resolução que fez perante Ele. Orar não é seguir um procedimento, mas buscar a Deus com um coração sincero. Peça a Deus que proteja seu coração, a fim de que esteja constantemente sereno perante Ele; para que, no ambiente em que Ele o colocou, você se conheça, despreze a si mesmo e se abandone, permitindo, assim, que tenha um relacionamento normal com Deus e verdadeiramente se torne alguém que ama a Deus.

Extraído de ‘Acerca da prática da oração’ em “A Palavra manifesta em carne”

O mínimo que Deus exige do homem é que ele seja capaz de abrir seu coração a Ele. Se o homem oferecer seu verdadeiro coração a Deus e falar aquilo que realmente está dentro de seu coração, então, Deus Se dispõe a operar nele. O que Deus deseja não é o coração distorcido do homem, mas um coração puro e honesto. Se o homem não falar sinceramente com Deus, Deus não tocará seu coração nem irá operar nele. Portanto, o ponto crucial da oração é falar com Deus de coração, contando-Lhe suas falhas ou caráter rebelde e abrindo-se completamente diante Dele. Somente então Deus estará interessado nas suas orações; caso contrário, Ele ocultará Sua face de você. O critério mínimo para a oração é que você seja capaz de manter seu coração sereno perante Deus e que ele não se aparte de Deus. Pode ser que, durante essa fase, você não obtenha uma visão mais nova ou mais elevada, mas você deve, então, usar a oração para manter o status quo — você não deve regredir. Isso é o mínimo que você deve alcançar. Se não puder realizar nem isso, então isso prova que a sua vida espiritual não está na trilha certa. Como resultado, você será incapaz de manter sua visão original, perderá a fé em Deus, e sua resolução subsequentemente se dissipará. Um sinal de que você entrou na vida espiritual ou não é ver se suas orações estão na trilha certa. Todas as pessoas têm de entrar nessa realidade; todas elas têm de realizar o trabalho de se exercitar conscientemente na oração, não esperando passivamente, mas buscando conscientemente ser tocadas pelo Espírito Santo. Somente então elas serão pessoas que verdadeiramente buscam a Deus.

Extraído de ‘Acerca da prática da oração’ em “A Palavra manifesta em carne”

Orar não é simplesmente fazer algo sem se envolver, seguir um procedimento ou recitar as palavras de Deus. Ou seja, orar não é papaguear determinadas palavras nem imitar os outros. Na oração, é preciso alcançar aquele estado em que o coração do indivíduo pode ser entregue a Deus e aberto para que seja tocado por Ele. A fim de que a oração seja eficaz, ela deve se basear na leitura das palavras de Deus. Somente orando com base nas palavras de Deus é possível receber mais esclarecimento e iluminação. As manifestações de uma oração verdadeira são: ter um coração que anseia por tudo o que Deus pede e, além disso, deseja cumprir o que Ele exige; odiar aquilo que Deus odeia e então, edificando sobre esta base, ganhar algum entendimento disso e ter algum conhecimento e clareza sobre as verdades que Deus expõe. É somente onde há resolução, fé, conhecimento e uma senda de prática após a oração que ela pode ser chamada de oração verdadeira, e somente esse tipo de oração pode ser eficaz. No entanto, a oração deve ser construída sobre o deleite das palavras de Deus, deve ser estabelecida sobre a base da comunhão com Deus em Suas palavras, e o coração deve ser capaz de buscar a Deus e aquietar-se perante Ele. A oração desse tipo já atingiu o ponto de verdadeira comunhão com Deus.

O conhecimento mais básico sobre a oração:

1. Não diga cegamente o que vier à mente. Deve haver um fardo em seu coração, isto é, você deve ter um objetivo quando orar.

2. A oração deve conter as palavras de Deus; ela deve se basear nas palavras de Deus.

3. Ao orar, você não deve reintroduzir assuntos antigos. Suas orações deveriam ter relação com as palavras atuais de Deus e, quando orar, conte a Deus seus pensamentos mais íntimos.

4. A oração em grupo deve revolver em torno de um núcleo, que é, necessariamente, a obra atual do Espírito Santo.

5. Todas as pessoas têm de aprender a oração intercessória. Essa também é uma maneira de mostrar consideração pela vontade de Deus.

A vida de oração do indivíduo se baseia em uma compreensão do significado da oração e de um conhecimento básico da oração. Na vida diária, ore com frequência por suas próprias falhas, ore para realizar mudanças em seu caráter na vida e ore com base no seu conhecimento das palavras de Deus. Cada pessoa deveria estabelecer sua própria vida de oração, ela deveria orar pelo conhecimento das palavras de Deus e deveria orar a fim de buscar o conhecimento da obra de Deus. Exponha suas circunstâncias pessoais perante Deus e seja real, sem prestar atenção à maneira como ora. A questão central é alcançar um conhecimento verdadeiro e ganhar uma experiência real das palavras de Deus. Uma pessoa que busca entrada na vida espiritual tem de ser capaz de orar de muitas maneiras diferentes. Oração silenciosa, ponderação sobre as palavras de Deus, vir a conhecer a obra de Deus — todos esses são exemplos da obra propositada de comunhão espiritual para se alcançar entrada na vida espiritual normal, o que sempre aprimora o estado do indivíduo perante Deus e o leva a fazer cada vez mais progresso na vida. Em resumo, tudo o que você faz — seja comer e beber as palavras de Deus, orar silenciosamente ou proclamar em voz alta — é para permitir-lhe ver claramente as palavras de Deus, Sua obra e aquilo que Ele deseja alcançar em você. Mais importante, tudo o que você faz é para alcançar os padrões que Deus exige e elevar sua vida a novas alturas.

Extraído de ‘Acerca da prática da oração’ em “A Palavra manifesta em carne”

E como você busca ser tocado pelo Espírito Santo? A coisa crucial é viver nas palavras atuais de Deus e orar com base nas exigências de Deus. Tendo orado desta forma, é certo que o Espírito Santo o tocará. Se você não buscar com uma base na fundação das palavras pronunciadas por Deus hoje, isso é inútil. Você deve orar e dizer: “Ó Deus! Eu me oponho a Ti, e Te devo tanto; sou tão desobediente e nunca sou capaz de Te satisfazer. Ó Deus, desejo que Tu me salves, desejo servir-Te até o fim, desejo morrer por Ti. Tu me julgas e me castigas, e eu não me queixo; oponho-me a Ti e mereço morrer, para que todos possam contemplar o Teu justo caráter em minha morte”. Quando você ora do fundo do coração dessa forma, Deus o ouvirá e o guiará; se você não orar com base nas palavras atuais do Espírito Santo, não haverá possibilidade de o Espírito Santo o tocar. Se orar conforme a vontade de Deus e de acordo com o que Deus deseja fazer hoje, você dirá: “Ó Deus! Desejo aceitar Tuas comissões e ser fiel a Tuas comissões, e estou disposto a devotar minha vida inteira à Tua glória, de modo que tudo que eu faça consiga alcançar os padrões do povo de Deus. Que meu coração seja tocado por Ti. Desejo que Teu Espírito sempre me ilumine, para que tudo o que eu faça traga vergonha para Satanás, para que finalmente seja ganho por Ti”. Se você orar assim, de uma maneira que esteja centrada em torno da vontade de Deus, o Espírito Santo inevitavelmente trabalhará em você. Não importa a quantidade de palavras de suas orações — o essencial é se você compreende ou não a vontade de Deus. Talvez todos vocês tenham tido a seguinte experiência: às vezes, enquanto se ora em grupo, a dinâmica da obra do Espírito Santo atinge seu apogeu, fazendo com que a força de todos aumente. Algumas pessoas choram amargamente e derramam lágrimas enquanto oram, vencidas pelo remorso diante de Deus, e algumas mostram sua determinação e fazem votos. Tal o efeito a ser atingido pela obra do Espírito Santo. Hoje é crucial que todas as pessoas derramem completamente o seu coração nas palavras de Deus. Não se concentre nas palavras faladas anteriormente; se você ainda se agarrar ao que veio antes, o Espírito Santo não operará dentro de você. Você percebe a importância disto?

Extraído de ‘Conheça a mais nova obra de Deus e siga os Seus passos’ em “A Palavra manifesta em carne”

Quando começar a orar, não se exceda e espere alcançar tudo de uma só vez. Você não pode fazer exigências extravagantes, esperando, assim que abrir a boca, ser tocado pelo Espírito Santo, ou receber esclarecimento e iluminação ou que Deus derrame graça sobre você. Isso não acontecerá — Deus não realiza coisas sobrenaturais. Deus responde às orações das pessoas a Seu próprio tempo e, por vezes, testa sua fé para ver se você é fiel a Ele. Ao orar, você tem de ter fé, perseverança e resolução. A maioria das pessoas, quando começa a treinar, perde o ânimo por não ser tocada pelo Espírito Santo. Isso não basta! Você deve perseverar, deve se concentrar em sentir o toque do Espírito Santo, buscar e explorar. Às vezes, a senda da sua prática não está certa; às vezes, suas motivações e noções pessoais são incapazes de permanecer firmes perante Deus, e, portanto, o Espírito de Deus não o toca. Em outros momentos, Deus vê se você é fiel ou não. Em resumo, ao treinar, você deve pagar um preço mais elevado. Caso descubra que está se desviando na senda de sua prática, você pode mudar sua maneira de orar. Contanto que busque com um coração sincero e anseie receber, o Espírito Santo certamente o levará a essa realidade. Às vezes, você ora com um coração verdadeiro, mas não se sente como se tivesse sido particularmente tocado. Em momentos como esse, você deve confiar na fé, crendo que Deus está vendo suas orações; você deve ter perseverança nas suas orações.

Extraído de ‘Acerca da prática da oração’ em “A Palavra manifesta em carne”

Descobri um problema que todas as pessoas têm: quando algo lhes acontece, elas vêm para diante de Deus para orar, mas, para elas, a oração é uma coisa e o assunto em questão é outra. Elas acreditam que, na oração, não deveriam falar sobre o que está acontecendo com elas. Vocês raramente oram de modo genuíno, e existem alguns que nem sabem como. Na verdade, orar é principalmente dizer o que está em seu coração, como se você estivesse falando como faz normalmente. No entanto, existem pessoas que se esquecem de seu lugar assim que começam a orar; insistem que Deus lhes conceda algo, desatentas quanto a se isso está de acordo com a vontade Dele, e, como resultado, suas orações murcham no orar. Quando ora, não importa o que você está pedindo em seu coração, não importa o que você deseja; ou talvez exista algum problema que você deseja tratar, mas lhe falta percepção, e você pede que Deus lhe dê sabedoria ou força ou que Ele o ilumine — qualquer que seja o seu pedido, você deve ser sensato ao formulá-lo. Se você não for sensato, se ajoelhar e disser: “Deus, dá-me força; deixa-me ver minha natureza; imploro que Tu operes; peço-Te isso e aquilo; imploro que me faças isso ou aquilo…”, esse seu “imploro” tem uma qualidade coerciva; é uma tentativa de pressionar Deus, de forçá-lo a fazer o que você quer — cujos termos você definiu unilateralmente de antemão, nada menos. Aos olhos do Espírito Santo, que efeito tal oração poderia ter, quando você já estabeleceu os termos e decidiu o que você quer fazer? Deve-se orar com um coração submisso, que busca. Quando algo o acometeu, por exemplo, e você não tem certeza sobre como deve lidar com isso, você poderia dizer: “Deus! Não sei o que fazer a respeito disso. Desejo satisfazer-Te nesse assunto e buscar a Tua vontade. Que seja feita a Tua vontade. Só desejo fazer o que Tu desejas, não o que eu desejo. Tu sabes que toda a vontade humana é contrária à Tua e resiste a Ti e não está de acordo com a verdade. Peço que Tu me ilumines, que me dês orientação nessa questão e não permitas que eu Te ofenda…”. Esse é o tom apropriado para uma oração. Se você disser apenas: “Deus, peço que me ajudes, me guies, me equipes com o ambiente certo e as pessoas certas e me deixes fazer bem o meu trabalho”, depois da sua oração, você não terá compreendido a vontade de Deus, pois terá pedido que Deus aja de acordo com a sua vontade.

Agora você deve verificar se as palavras que usa em oração são sensatas. Se suas orações não forem sensatas, não importa se isso se deve à sua tolice ou é intencional, o Espírito Santo não operará em você. Portanto, quando ora, você deve falar de modo sensato, num tom adequado. Diga isto: “Deus! Tu conheces minha fraqueza e minha rebeldia. Peço somente que me dês força e me ajudes a suportar minhas circunstâncias, mas somente de acordo com a Tua vontade. Isso é tudo que peço. Não sei qual é a Tua vontade, mas, mesmo assim, seja feita a Tua vontade. Mesmo que eu tivesse de prestar serviço ou servir como contraste, eu o faria voluntariamente. Peço que me dês força e sabedoria e que me permitas satisfazer-Te nessa questão. Desejo apenas submeter-me aos Teus arranjos…”. Depois de uma oração assim, seu coração se sentirá à vontade. Se tudo que você faz é implorar constantemente, não importa quanto diga, serão todas palavras vazias; Deus não operará em resposta a seu pleito, pois você já terá decidido de antemão o que você quer. Quando se ajoelhar em oração, diga isto: “Deus! Tu conheces a fraqueza do homem e conheces os estados do homem. Peço que Tu me ilumines nessa questão. Deixa-me entender a Tua vontade. Desejo apenas submeter-me a tudo que Tu arranjas; meu coração está disposto a obedecer-Te…”. Ore assim, e o Espírito Santo o moverá. Se seu modo de orar não for correto, sua oração será estéril, e o Espírito Santo não o moverá. Não fique tagarelando, falando consigo — fazer isso é desleixado e superficial. O Espírito Santo operará se você for desleixado e superficial? Quando a pessoa vem para diante de Deus, ela deve ser correta e apropriada, ter uma atitude devota, como os sacerdotes na Era da Lei, que se ajoelhavam quando ofereciam sacrifício. Orar não é coisa fácil. Como poderia ser viável uma pessoa vir para diante de Deus com garras e dentes à mostra ou orar deitada, aninhada em seu cobertor, acreditando que Deus pode ouvi-la? Isso não é devoção! Meu propósito nesta fala não é exigir que as pessoas sigam uma regra específica; o mínimo que se pode fazer é inclinar seu coração na direção de Deus e vir para diante Dele com uma atitude devota.

Extraído de ‘A importância da oração e sua prática’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Com demasiada frequência, suas orações carecem de bom senso; você sempre ora com o seguinte tom: “Ó, Deus! Já que me permitiste realizar esse dever, deves fazer com que tudo que eu faça seja apropriado, para que a Tua obra não seja interrompida e os interesses da família de Deus não sofram perdas. Tu deves me proteger”. Tal oração é por demais insensata, não é? Deus operaria em você se você viesse para diante Dele e orasse dessa forma? Eu ouviria se você viesse para diante de Mim e falasse dessa forma? Eu o expulsaria a pontapés! Você não é o mesmo diante do Espírito Santo que é diante de Cristo? Quando uma pessoa vem para diante de Deus para orar, ela deve considerar como poderia fazê-lo de forma sensível e como poderia ajustar seu estado interior para alcançar piedade e ser capaz de submissão. Quando tiver feito isso, você pode ir em frente e orar; você sentirá a presença de Deus. Muitas vezes, as pessoas ficam de joelhos para orar; fecham os olhos, e nenhuma palavra lhes vem à mente, senão: “Ó Deus! Ó Deus!”. Por que você grita desse jeito, sem dizer nada, por tanto tempo? Seu estado não está correto. Vocês fazem isso às vezes? Agora vocês sabem o que podem fazer e em que medida podem fazê-lo, e avaliaram a si mesmos, mas haverá muitos momentos em que estarão em estados anormais. Às vezes, embora seu estado possa estar ajustado, talvez vocês não saibam como isso aconteceu, e, na maioria das vezes, nenhuma palavra lhes vem à mente em oração. Vocês podem até atribuir isso a falta de ensino. É preciso ter boa escolaridade para orar? Uma oração não é uma redação — basta falar com sinceridade, com a razão de uma pessoa normal. Considere as orações de Jesus (embora Suas orações não sejam mencionadas aqui a fim de fazer com que as pessoas assumam o Seu lugar ou posição): No Jardim do Getsêmani, Ele orou: “Se possível…” Isto é, “Se isso puder ser feito”. Isso foi dito em discussão; Ele não disse: “Imploro a Ti”. Com coração submisso e em estado subserviente, Ele orou: “Se possível, passe de Mim este cálice: todavia, não seja como Eu quero, e sim como Tu queres” (Mateus 26:39). Ele ainda orou assim na segunda vez, e na terceira vez Ele orou: “Faça-se a Tua vontade”. Tendo compreendido as intenções de Deus Pai, Ele disse: “Faça-se a Tua vontade”. Ele foi capaz de Se submeter completamente, sem fazer absolutamente nenhuma escolha pessoal. Ele perguntou se seria possível que Deus fizesse passar Dele esse cálice. O que isso significava? Ele orou dessa forma porque pensava no grande sofrimento de sangrar na cruz até o Seu último suspiro — e isso tocava na questão da morte — e porque Ele ainda não havia compreendido totalmente as intenções de Deus Pai. Visto que Ele foi capaz de orar assim apesar de pensar em tal sofrimento, Ele era realmente muito submisso. Sua forma de orar era normal; Ele não propôs condição alguma em Sua oração, nem disse que o cálice tinha que ser afastado. Em vez disso, Seu propósito era buscar a vontade de Deus em uma situação que Ele não entendia. Da primeira vez que orou, Ele não entendia, e disse: “Se possível… mas como Tu queres”. Ele orou a Deus em estado de submissão. Da segunda vez, Ele orou da mesma maneira. No total, Ele orou três vezes (evidentemente, essas três orações não aconteceram apenas num período de três dias), e em Sua oração final, Ele veio a entender completamente a vontade de Deus, após o que Ele não implorou mais por nada. Em Suas duas primeiras orações, Ele estava apenas buscando e buscou num estado de submissão. Entretanto, as pessoas simplesmente não oram assim. Em suas orações, elas dizem: “Deus, imploro que Tu faças isto e aquilo, e imploro que me guies nisto e naquilo, e imploro que prepare condições para mim…” Talvez Ele não prepare condições apropriadas para você e permita que você sofra adversidades. É tão insensato as pessoas sempre orarem, dizendo: “Deus, peço que Tu faças preparativos para mim e me dês força”. Você deve ser razoável ao orar, e deve fazê-lo sob a premissa de que está se submetendo. Não estabeleça termos antes de orar. Antes mesmo de começar a orar, você já está estabelecendo termos, pensando: Devo implorar a Deus e fazer com que Ele realize tais e tais coisas. Essa forma de orar é tão insensata. Muitas vezes, Deus não ouve as orações das pessoas de modo algum, portanto, quando as pessoas oram, elas não sentem nada.

Extraído de ‘A importância da oração e sua prática’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Orar e buscar na presença de Deus não consiste em forçar Deus a fazer isso e aquilo. O que é uma oração razoável? O que é uma oração desarrazoada? Você saberá depois de ganhar experiência por algum tempo. Por exemplo, depois de orar dessa vez, você sente que o Espírito Santo não age dessa maneira e não lidera você desse jeito. Quando orar da próxima vez, você não orará assim, não forçará a Deus como tentou da última vez, e não pedirá a Deus pelas coisas de acordo com sua própria vontade. Você dirá: “Oh, Deus! Tudo seja feito segundo a Tua vontade”. Contanto que você se concentre nessa abordagem e tateie por um tempo, então você saberá o que é “desarrazoado”. Há também um tipo de situação em que as pessoas sentem em seu espírito que, quando oram de acordo com suas próprias intenções, elas se tornam enfastiadas, mudas, desajeitadas e não têm nada a dizer. Quanto mais dizem, mais sem jeito se torna. Isso prova que quando você ora assim, está seguindo completamente a carne, e o Espírito Santo não opera nem guia você desse jeito. Isso é questão de tatear e um questão de experiência. Mesmo que Eu tivesse acabado de falar com você agora, quando experienciar isso, você pode ter algumas situações especiais. A oração consiste basicamente em falar com honestidade: “Oh, Deus! Tu conheces a corrupção do homem. Hoje, fiz outra coisa desarrazoada. Eu abrigava uma intenção – sou uma pessoa enganosa. Nao estava agindo segundo a Tua vontade ou a verdade. Agi conforme eu quis e tentei me justificar. Agora, reconheço a minha corrupção. Peço que me esclareças mais e me permitas entender a verdade, colocá-la em prática e me livrar dessas corrupções”. Fale desse jeito; faça um relato factual de questões factuais. A maioria das pessoas não ora verdadeiramente na maior parte do tempo; apenas se lembra do passado, com pouco conhecimento em sua mente e disposição de se arrepender, mas nem contemplou nem sondou a verdade. Contemplar as palavras de Deus e buscar a verdade durante a oração é muito mais profundo do que mera lembrança e conhecimento. Os estímulos que lhe são enviados pela obra do Espírito Santo e o esclarecimento e a iluminação que Sua obra lhe fornece por meio das palavras de Deus o guiam para o conhecimento e o arrependimento verdadeiros; eles são muito mais profundos do que os pensamentos e o conhecimento humanos. Isso é algo que você deve conhecer bem. Se você se empenhar apenas em pensamento e investigação superficiais e aleatórios, se não tiver uma senda apropriada para praticar e fizer pouco progresso em direção à verdade, você permanecerá incapaz de mudar.

Extraído de ‘A importância da oração e sua prática’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Como as pessoas podem manter um relacionamento com Deus? E em que devem confiar para fazer isso? Elas devem confiar em suplicar e orar a Deus e em comunicar-se com Deus em seu coração. Com um relacionamento como esse, as pessoas vivem sempre diante de Deus, e essas pessoas são muito serenas. Algumas pessoas gastam todo o seu tempo com ações externas, ocupando-se com tarefas externas. Depois de um ou dois dias sem vida espiritual, elas não sentem nada; depois de três ou cinco dias, ou um ou dois meses, ainda não sentem nada; não oraram, não fizeram súplicas, não tiveram comunhão espiritual. A súplica é quando algo lhe acontece e você pede que Deus o ajude, o guie, proveja para você, o ilumine e permita que você entenda a vontade Dele e saiba o que fazer de acordo com a verdade. O escopo da oração é mais amplo: às vezes, você fala palavras em seu coração, conversa com Deus sobre suas dificuldades ou sobre sua negatividade e fraqueza; você também ora a Deus quando é rebelde ou fala com Ele sobre as coisas que acontecem com você todos os dias, estejam elas claras para você ou não. Isso é orar. O escopo da oração é, basicamente, falar e se abrir para Deus. Às vezes, isso é feito em momentos regulares, às vezes não; você pode orar sempre que quiser e onde quiser. A comunhão espiritual não é excessivamente formal. Às vezes, ela acontece porque você tem um problema, às vezes não. Às vezes, envolve palavras, às vezes não. Quando tem um problema, você conversa com Deus sobre ele e ora; quando não tem um problema, você reflete sobre como Deus ama as pessoas, como se preocupa com as pessoas, como repreende as pessoas. Você pode se comunicar com Deus a qualquer hora e em qualquer lugar. Isso é comunhão espiritual. Às vezes, quando está na rua e pensa em algo que o perturba, você não precisa ficar de joelhos ou fechar os olhos. Basta dizer a Deus em seu coração: “Ó Deus, por favor, guia-me nisso. Sou fraco, não consigo superar isso”. Seu coração é comovido; você só diz algumas palavras simples, e Deus sabe. Às vezes, você tem saudade de casa e diz: “Ó Deus! Sinto muita saudade de casa…”. Você não diz de quem, especificamente, sente falta. Você está deprimido e fala disso a Deus. Os problemas só podem ser resolvidos quando você ora a Deus e diz o que está em seu coração. Falar com outras pessoas pode resolver os problemas? Tudo bem se você encontra uma pessoa que entende a verdade, mas se ela não entende — se você encontra uma pessoa negativa e fraca — você pode exercer um efeito sobre ela. Se você falar com Deus, Deus o confortará e comoverá. Se for capaz de ler as palavras de Deus em silêncio diante de Deus, você será capaz de entender a verdade e resolver o problema. As palavras de Deus lhe permitirão encontrar um caminho para superar esse pequeno obstáculo. O obstáculo não o fará tropeçar, não o impedirá nem afetará o cumprimento do seu dever. Há momentos em que, de repente, você se sente um pouco desanimado ou incomodado em seu interior. Em momentos assim, não hesite em orar a Deus. Talvez você não faça uma súplica a Deus, talvez não haja nada que você queira que Deus faça ou com que o ilumine — você só fala com Deus e se abre para Ele a qualquer hora, onde quer que esteja. O que você deve sempre ter em mente? Isto: “Deus está sempre comigo; Ele nunca me abandonou, eu posso sentir. Não importa onde estou ou o que estou fazendo — posso estar descansando ou numa reunião ou cumprindo meu dever — no coração, sei que minha mão é guiada por Deus, que Ele nunca me abandonou”. Às vezes, ao lembrar-se de como você passou cada dia dos últimos anos, você sente que sua estatura aumentou, que você foi guiado por Deus, que o amor de Deus o protegeu o tempo todo. Ao refletir sobre essas coisas, você ora em seu coração, dando graças a Deus: “Ó Deus, eu Te agradeço! Sou tão fraco e frágil, tão profundamente corrompido. Sem a Tua orientação, eu não teria alcançado este dia contando apenas comigo”. Isso não é comunhão espiritual? Se as pessoas conseguirem comungar com frequência dessa maneira, elas não terão muito a dizer a Deus? Elas não passariam muitos dias sem ter nada a dizer a Deus. Quando você não tem nada a dizer a Deus, Deus está ausente do seu coração. Se Deus estiver em seu coração e você tiver fé em Deus, você será capaz de falar com Deus sobre tudo que está em seu coração, incluindo aquelas coisas que você diria aos seus confidentes. Na verdade, Deus é seu confidente mais próximo. Se você tratar Deus como seu confidente mais próximo, como o parente do qual você mais depende, em que mais confia, que é mais próximo de você, será impossível você não ter nada a dizer a Deus. Se sempre tiver algo a dizer a Deus, você não viverá sempre diante de Deus? Se puder viver sempre diante de Deus, você sentirá a cada momento como Deus o guia, como se importa com você e o protege, como lhe traz paz e alegria, como o abençoa, como o ilumina e como o repreende, disciplina, pune, julga e castiga; tudo isso será claro e evidente para você em seu coração. Você não simplesmente sobreviverá a cada dia, sem saber de nada, apenas dizendo que crê em Deus, cumprindo seu dever e participando de reuniões apenas por aparência, lendo as palavras de Deus e rezando diariamente, apenas agindo sem se envolver — você não estará simplesmente cumprindo esse tipo de cerimônia religiosa superficial. Ao contrário, em seu coração, você olhará para Deus e orará a Deus a todo momento, comungará com Deus a todo momento e será capaz de se submeter a Deus e viver diante Dele.

Extraído de ‘Se não consegue viver sempre diante de Deus, você é um incrédulo’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Anterior: 3. O que é a oração da cerimônia religiosa e por que ela não resulta em nada

Próximo: 1. O que é uma vida espiritual normal e o que é envolver-se em cerimônia religiosa

Durante desastres, além de rezar, a coisa mais crítica para nós é encontrar a maneira de sermos protegidos. Junte-se ao nosso grupo de estudo gratuitamente.

Conteúdo relacionado

2. As diferenças essenciais entre a salvação na Era da Graça e a salvação na Era do Reino

Na Era da Graça, Jesus fez uma boa quantidade desse tipo de obra, como curar enfermidades, expulsar demônios, impor as mãos sobre o homem para orar pelo homem e abençoar o homem. No entanto, agir assim novamente não teria sentido nos dias atuais. O Espírito Santo operou dessa maneira naquele tempo, pois era a Era da Graça, e havia graça suficiente para o homem desfrutar. Não lhe foi pedido qualquer tipo de pagamento e enquanto ele tivesse fé, ele receberia a graça. Todos foram tratados com muita gentileza. Agora, a era mudou e a obra de Deus progrediu ainda mais; é por meio de Seu castigo e julgamento que a rebeldia do homem e as coisas impuras dentro do homem serão purificadas.

5. O valor inerente à Bíblia e como se deve abordar a Bíblia de uma maneira que se conforme à vontade de Deus

“Crença em Deus” significa acreditar que há um Deus; esse é o conceito mais simples de fé em Deus. Mais ainda, acreditar que há um Deus não é o mesmo que crer verdadeiramente em Deus; antes é um tipo de fé simples com fortes implicações religiosas. Fé verdadeira em Deus significa experimentar as palavras e a obra de Deus com base na crença de que Deus é soberano sobre todas as coisas. Assim você será libertado de seu caráter corrupto, cumprirá o desejo de Deus e virá a conhecer Deus. Somente por meio de tal jornada se poderá dizer que crê em Deus.

2. Se sofrer e pagar um preço por Deus é igual a seguir a vontade de Deus

Vocês não devem se contentar simplesmente com desfrutar da graça de Deus. Esse modo de pensar é muito vulgar. Mesmo que você leia a palavra de Deus diariamente, ore todos os dias e seu espírito sinta uma paz e um prazer singular, ainda assim, no fim, você não consegue falar de conhecimento algum de Deus e de Sua obra ou que não tem tido experiência com ela e, não importa o quanto você comeu e bebeu da palavra de Deus, se você simplesmente sente paz e prazer em seu espírito e que a palavra de Deus tem uma doçura incomparável, como se você não pudesse desfrutá-la o bastante, porém você não tem uma experiência verdadeira com a palavra de Deus e nem da existência real dessa palavra, então o que você pode receber desse tipo de fé em Deus? Se você não é capaz de viver a essência da palavra de Deus, seu comer e beber das palavras de Deus e suas orações se referem totalmente à religião. Esse tipo de homem não pode ser aperfeiçoado e tampouco ser ganho por Deus.

2. Como conhecer o caráter e a essência de Deus

se uma pessoa só usar o seu tempo ocioso para focar e entender as palavras ou feitos do Criador e prestar um pouco de atenção aos pensamentos e à voz de Seu coração, não será difícil para ela perceber que os pensamentos, palavras e feitos do Criador são visíveis e transparentes. Da mesma forma, pouco esforço será necessário para perceber que o Criador está entre os homens o tempo inteiro, que Ele está sempre em conversação com o homem e com toda a criação, e que Ele está realizando feitos novos todos os dias. A Sua substância e caráter são expressos em Seu diálogo com o homem; Seus pensamentos e ideias são completamente revelados em Seus feitos; Ele acompanha e observa a humanidade o tempo todo. Ele fala calmamente à humanidade e a toda a criação com Suas palavras silenciosas: Eu estou no céu e Eu estou entre a Minha criação. Eu estou vigiando; Eu estou esperando; Eu estou a seu lado…

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro