3. Por que não se pode alcançar mudança de caráter e salvação sem autoconhecimento

Palavras de Deus relevantes:

O caráter do homem deveria ser modificado começando pelo conhecimento de sua essência e por meio de suas mudanças de pensamento, sua natureza e perspectiva mental — por meio de mudanças fundamentais. Somente assim o caráter do homem poderá passar por mudanças verdadeiras. O caráter corrupto do homem decorre de ele ser envenenado e pisoteado por Satanás; decorre do notório malefício que Satanás infligiu ao pensamento do homem e à sua moralidade, percepção e sentido. É precisamente porque essas coisas fundamentais do homem foram corrompidas por Satanás e são completamente diferentes de como Deus as criou originalmente, que o homem se opõe a Deus e não entende a verdade. Portanto, as mudanças no caráter do homem deveriam começar com mudanças em seu pensamento, percepção e sentido, que modificarão seu conhecimento de Deus e seu conhecimento da verdade. Os que nasceram na mais profundamente corrupta de todas as terras são ainda mais ignorantes do que Deus é, ou do que significa acreditar em Deus. Quanto mais as pessoas são corruptas, menos sabem da existência de Deus e mais precários são o sentido e a percepção delas. A fonte de oposição e de rebeldia do homem contra Deus é a sua corrupção por Satanás. Porque ele foi corrompido por Satanás, a consciência do homem se tornou entorpecida, ele é imoral, seus pensamentos são degenerados e ele tem uma perspectiva mental subdesenvolvida. Antes de ser corrompido por Satanás, o homem naturalmente seguia a Deus e obedecia às Suas palavras depois de ouvi-las. Ele tinha naturalmente bom senso, boa consciência e humanidade normal. Depois de corrompido por Satanás, seu sentido original, sua consciência e sua humanidade ficaram embotados e foram comprometidos por Satanás. Assim, o homem perdeu a obediência e o amor para com Deus. O sentido do homem tornou-se aberrante, seu caráter tornou-se o mesmo que o de um animal, sua rebeldia para com Deus é cada vez mais frequente e grave. No entanto, o homem ainda não sabe nem reconhece isso e apenas se opõe e se rebela cegamente. A revelação do caráter do homem é a expressão de seu sentido, percepção e consciência e, como o seu sentido e percepção estão deteriorados e sua consciência se tornou extremamente entorpecida, seu caráter se rebela contra Deus. Se o sentido do homem e a sua percepção não podem mudar, então as mudanças de caráter estão fora de cogitação, assim como aceitar a vontade de Deus. Se o sentido do homem está deteriorado, então ele não pode servir a Deus e não está apto a ser usado por Deus. O “sentido normal” se refere a obedecer e ser fiel a Deus, a ansiar por Deus, a ser absoluto para com Deus, e a ter uma consciência voltada para Deus. Refere-se a ser de uma só mente e coração para com Deus, a não se opor a Deus deliberadamente. Os que têm um sentido aberrante não são assim. Como foi corrompido por Satanás, o homem engendrou concepções sobre Deus e não tem tido nenhuma lealdade nem o menor anseio por Deus, muito menos uma consciência voltada para Deus. Deliberadamente, o homem se opõe a Deus e O julga; além disso, lança injúrias contra Ele pelas costas. O homem claramente sabe que Ele é Deus e, ainda assim, O julga pelas costas, sem nenhuma intenção de obedecer e só faz pedidos e exigências cegas a Deus. Essas pessoas, que têm um sentido aberrante, são incapazes de reconhecer o próprio comportamento desprezível ou de se lamentar por sua rebeldia. Se as pessoas são capazes de se conhecer, então elas recuperaram um pouco de seu sentido; quanto mais as pessoas se rebelam contra Deus sem conhecerem a si mesmas, mais deteriorado é o sentido delas.

Extraído de ‘Ter um caráter inalterado é estar em inimizade contra Deus’ em “A Palavra manifesta em carne”

Cada uma das coisas que existem em nosso coração está em oposição a Deus. Isso inclui as coisas que acreditamos ser boas e até mesmo aquelas que já acreditamos ser positivas. Nós listamos essas coisas como verdades, como parte da humanidade normal e como coisas positivas; no entanto, sob a perspectiva de Deus, são coisas que Ele odeia. O abismo entre o que pensamos e a verdade falada por Deus é imensurável. Assim sendo, devemos conhecer a nós mesmos. Desde as nossas ideias, pontos de vista e ações até a educação cultural que recebemos, vale a pena mergulhar profundamente em cada coisa e dissecá-la completamente. Algumas dessas coisas provêm de ambientes sociais; algumas, da família; algumas, da educação escolar; e algumas, de livros. Algumas também vêm de nossas imaginações e noções. Esses tipos de coisas são os mais assustadores, pois eles enlaçam e controlam nossas palavras e ações, dominam nossa mente e guiam nossos motivos, intenções e objetivos naquilo que fazemos. Se não desenterrarmos essas coisas, nunca acolheremos plenamente dentro de nós as palavras de Deus e nunca aceitaremos as exigências de Deus sem reservas e as colocaremos em prática. Enquanto você abrigar suas próprias ideias, pontos de vista e convicções sobre coisas que você acredita serem corretas, você jamais aceitará as palavras de Deus plenamente ou sem reservas, tampouco as praticará em sua forma original; certamente, você só as colocará em prática após primeiro processá-las em sua mente. Será assim que você fará as coisas e será também a maneira pela qual ajudará os outros: você ainda poderá comunicar as palavras de Deus, mas sempre terá as suas impurezas próprias misturadas nelas e pensará que é isso que significa praticar a verdade, que você entendeu a verdade e que a possui toda. O estado do homem não é deplorável? Não é assustador? Uma ou duas palavras não podem ser suficientes para dizer essas coisas em sua totalidade nem para torná-las claras. É claro que há muitas outras coisas na vida, como os mais de cem venenos de Satanás resumidos anteriormente. Você entendeu as palavras, mas como você se mede por meio delas? Você já se dedicou à autorreflexão? Você não compartilha também esses venenos? Eles refletem o modo com que você pensa, também, não é? Quando está fazendo as coisas, você também confia nesses venenos? Você precisa cavar fundo em sua experiência pessoal e avaliá-la mediante essas palavras. Se apenas lemos ou checamos casualmente essa lista de venenos de Satanás e depois a colocamos de lado, e apenas lemos, sem prestar atenção, as palavras de Deus, incapazes de conectá-las à realidade ou de ver nossos verdadeiros estados, e apenas aderimos à letra e às regras das palavras de Deus em nossa prática, acreditando que estamos praticando a verdade — isso é tão simples assim? As pessoas são coisas vivas: todas têm pensamentos e os artefatos dentro de seus pensamentos criam raízes em seu coração. Quando uma pessoa age, esses artefatos certamente emergem, pois eles já passaram a ser a vida dessa pessoa. Então, em cada coisa que você faz, há um ponto de vista e um princípio que rege como fazer isso, que orienta o seu curso. Quando você agir, você saberá se essas coisas existem ou não dentro de você. Agora, é claro, ao examinar seus pensamentos e pontos de vista, você sente como se nada fosse hostil a Deus; você se sente honesto e leal, mais que disposto a cumprir seu dever, capaz de fazer sacrifícios e se dedicar a Deus, e que é muito forte em todas as áreas. Ainda assim, se Deus testasse sua coragem ou se você realizasse uma tarefa ou se Deus fizesse com que algo lhe sucedesse, como você lidaria com isso? Nesse momento, seus pensamentos e suas visões viriam implacavelmente à tona, como se as comportas tivessem sido rompidas; eles fugiriam ao seu controle — escapariam de suas mãos — e, por mais que os odiasse, eles surgiriam do mesmo jeito, uma onda de coisas que são todas elas resistentes a Deus. Quando você diz: “Por que não pude fazer nada a respeito disso? Eu não quero resistir a Deus, então por que eu faria isso? Eu não quero julgar Deus e não quero ter noções sobre o que Ele faz, então como eu poderia ter essas noções?” — é quando você deve se esforçar para se conhecer, para examinar o que há dentro de você que resiste a Deus e o que há dentro de você que é hostil e antagônico à obra que Ele está fazendo atualmente.

Extraído de ‘Só reconhecendo seus pontos de vista equivocados você pode se conhecer’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Existem alguns estados dentro das pessoas que, se elas não os entenderem e não sentirem que são errados, não importa quão sinceramente elas busquem ou quão entusiasmadas estejam, elas poderão cair, um dia. No fim das contas, somente uma minoria das pessoas pode obter a verdade. Entender a verdade não é uma questão simples. Leva muito tempo para entender mesmo um pouco dela, muito tempo para ganhar um pouco de conhecimento experiencial, alcançar algo de um entendimento puro ou ganhar um pouco de luz. Se você não resolver todas as impurezas dentro de si, essa pouca luz pode ser sufocada a qualquer hora e em qualquer lugar. A dificuldade principal do homem agora é que cada pessoa tem dentro de si algumas imaginações, noções, desejos e ideais vazios que ela mesma não consegue descobrir. Essas coisas acompanham as pessoas constantemente como adulterações interiores. Isso é realmente muito perigoso, e as pessoas ficam suscetíveis a expressar queixas a qualquer momento. Há tantas adulterações dentro do homem. Embora possam ter boas aspirações, desejem buscar a verdade e acreditar sinceramente em Deus, as pessoas ainda são incapazes de alcançar isso. Esse tipo de coisa acontece com frequência na experiência de cada pessoa: ela encontra um problema pequeno, e os outros pensam que ela deveria ser capaz de renunciar a ele facilmente. Por que ela não consegue? Por que ela, que é relativamente experiente na maior parte do tempo, que parece relativamente forte aos outros e que tem uma mente lúcida, cai quando depara com uma questão pequena, e cai tão rápido? O homem está realmente sujeito à inconstância da sorte; como poderia prever? Dentro de cada pessoa existem algumas coisas que ela está disposta a buscar e obter, e todos têm suas preferências. Na maioria das vezes, as pessoas não conseguem perceber isso por conta própria ou acreditam que não há nada de errado com essas coisas, que está tudo bem. Então, um dia, algo assim aparece, e elas tropeçam; tornam-se negativas e fracas, e não conseguem se levantar. Talvez elas mesmas não saibam qual é o problema, e achem que estão certas e que foi Deus que as prejudicou. Se não entenderem a si mesmas, as pessoas jamais serão capazes de saber onde residem suas dificuldades ou em que áreas elas são suscetíveis a falhar e cair. São lamentáveis. Portanto, pessoas que não se entendem podem cair, falhar e arruinar-se a qualquer momento.

Extraído de ‘Só se entender seu próprio estado você pode embarcar na trilha certa’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Atualmente, esse é o estado no qual a maioria das pessoas existe, o estágio da estatura que elas têm: elas reconhecem que seus modos de fazer as coisas são falhos, que são uma pessoa má, que são o diabo, Satanás. Mas raramente admitem que seu calibre é baixo e que seu entendimento é distorcido, ou quais áreas de sua natureza e essência condizem com o que foi revelado por Deus. Isso é falta de autoconhecimento verdadeiro. E aqueles que não conhecem verdadeiramente a si mesmos podem admitir que são corruptos? (Não.) Fazer com que as pessoas admitam que são corruptas não é uma tarefa fácil. O comportamento consistente entre as pessoas é que, depois de terem feito algo errado, elas reconhecem que cometeram um erro, mas se você perguntar sobre seu entendimento de seu caráter corrupto, elas dizem que as duas coisas não estão relacionadas. Alegam que foi um lapso momentâneo, que não refletiram o bastante, que agiram impulsivamente e que não foi intencional. Dizer que foi um lapso momentâneo ou algo não intencional, juntamente com outras razões objetivas, muitas vezes é escudo e pretexto para não reconhecer seu caráter corrupto. Isso é um reconhecimento genuíno da sua corrupção? Se você está constantemente inventando desculpas ou procurando uma rota de fuga para os caracteres corruptos que você revela, então você não é capaz de realmente encarar seu caráter corrupto ou de reconhecê-lo genuinamente, muito menos é capaz de conhecê-lo. […] Algo lhe acontece, e você revela um caráter corrupto, mas não importa quão errado as pessoas achem que tenha sido aquilo que você fez ou quão sérias sejam as consequências, você só admite que cometeu um erro. Você não está disposto a admitir que isso é uma consequência resultante da exposição do seu caráter corrupto. Você só está disposto a corrigir o erro, mas nunca está disposto a reconhecer a existência de seu caráter corrupto. E então, quando você se depara com o mesmo problema, embora tenha ocorrido uma mudança em seu comportamento e em sua abordagem das coisas, seu caráter continua totalmente o mesmo. Essa é a dificuldade de mudar o caráter de uma pessoa. Se você admitir que aquilo que revelou foi porque você tem um caráter corrupto, que resultou em você fazer o que quis, em ser sua própria lei, em não trabalhar bem com os outros e na sua arrogância, se você admitir que isso foi causado por um caráter arrogante, quais serão os benefícios para você? Ao progredir, você revelará esses fatos e se esforçará em resolver os caracteres corruptos que são revelados em você. Mas quais serão as consequências se você apenas admitir que cometeu um erro? Você só se concentrará e investirá esforço na maneira com que age; apenas corrigirá o jeito com que faz as coisas, e, por fora, parecerá que você as faz corretamente. Você obscurecerá as revelações de seu caráter. Ao fazer isso, você se tornará ainda mais astuto, e suas técnicas de enganar os outros se aprimorarão cada vez mais. Você pensará: “A razão pela qual todos testemunharam meu erro, desta vez, foi porque eu não fui cuidadoso o bastante; o que eu disse foi definitivo demais, e eu permiti que vissem meus pontos fracos e encontrassem algo para usar contra mim. Não cometerei o mesmo erro de novo — serei mais vago, deixarei mais espaço de manobra”. Você mudou o jeito de agir e escondeu seu caráter, tornando-se mais escorregadio, mais sorrateiro, mais farisaico. Você se concentra e trabalha em suas maneiras de fazer ou dizer as coisas; nenhum problema pode ser detectado na superfície, ninguém pode encontrar erros, está tudo impecável. No entanto, não houve a menor mudança em seu caráter interior. Sem aceitar e admiti-lo, é impossível que seu caráter corrupto mude.

Extraído da comunhão de Deus

É fácil resolver caracteres corruptos? Isso envolve a natureza-essência. As pessoas têm essa essência, essa raiz, e ela precisa ser desenterrada aos poucos. Precisa ser desenterrada de cada estado, das intenções por trás de cada palavra que você fala. Deve ser dissecada e entendida a partir das palavras que você fala. Quando essa consciência se torna mais clara, e o seu espírito, mais perspicaz, você pode alcançar mudança. Resolver caracteres corruptos exige cuidado e dedicação. Você deve prestar muita atenção e examinar suas intenções e estados pouco a pouco. Se você examinar essas coisas constantemente, chegará o dia em que, de repente, você alcançará uma percepção sobre a maneira com que costuma falar: “Isso é maligno e não é uma expressão de humanidade normal. É contrário à verdade, e eu devo mudar o modo com que falo”. A partir do dia em que possuir essa consciência, você sentirá de forma cada vez mais clara a grave severidade desse caráter maligno. O que, então, você deve fazer em seguida? Examine sem cessar as intenções que existem nessa mesma forma de falar, e, por meio do processo de seu desenterrar incessante, você será cada vez mais capaz de determinar verdadeira e corretamente se você tem esse tipo de essência e caráter. Quando chegar o dia em que você poderá admitir genuinamente para si mesmo que tem um caráter maligno, finalmente você será capaz de odiar e detestá-lo. Quando alguém deixa de acreditar que é uma pessoa boa, que age de forma honesta e justa, que é dotado de senso de justiça, que é honrável e sincero, e passa a reconhecer que sua natureza-essência é arrogante, endurecida, enganosa, perversa e não tem amor pela verdade, somente então ele será capaz de saber com precisão qual é o seu lugar e saber exatamente o que é. Se reconhecer meramente ou reconhecer alegremente que tem tais manifestações e estados, ele será incapaz de ódio verdadeiro; o ódio verdadeiro só pode ser alcançado quando a pessoa reconhece, em suas ações, que tem esses caracteres e essências. […]

Somente quando as pessoas forem capazes de reconhecer os vários estados produzidos por vários caracteres começará a haver uma mudança em seus caracteres. Se as pessoas não reconhecem esses estados, se não conseguem assimilá-los e aplicá-los a si mesmas, pode haver mudança em seu caráter? (Não.) A mudança no caráter começa com o reconhecimento dos vários estados produzidos por vários caracteres. Se a pessoa não começou a reconhecer isso, se não entrou nesse aspecto da realidade, uma mudança em seu caráter está fora de questão. Então, já que uma mudança de caráter está fora de questão, qual é o papel exercido pela maioria das pessoas ao longo de cumprir seu dever? É esforçar-se, ocupar-se com tarefas. Elas estão cumprindo seu dever, mas a maioria só está labutando. Às vezes, quando estão bem-humoradas, elas se esforçam mais, e então, quando seu humor não está tão bom, elas se esforçam menos. Depois do fato, refletem sobre isso e sentem algum remorso, então investem um pouco de energia extra e acham que se arrependeram. Na verdade, isso não é mudança verdadeira; não é arrependimento verdadeiro. O arrependimento verdadeiro começa com o seu comportamento. Se houve uma mudança em seu comportamento, você é capaz de renunciar a si mesmo e deixar de fazer as coisas dessa forma, suas ações parecem estar alinhadas com os princípios e, aos poucos, você consegue ter princípios em palavra e ação, e então esse é o começo de uma mudança no caráter.

Extraído de ‘Apenas conhecendo a si mesmo você pode buscar a verdade’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Quanto mais capaz você é de descobrir sua própria corrupção, quanto mais correta é essa descoberta e quanto mais você consegue conhecer sua própria essência, mais provável é que você será salvo e mais você se aproximará da salvação; quanto mais incapaz você é de descobrir seus problemas, quanto mais pensar que é uma pessoa boa, uma pessoa bem maravilhosa, mais longe você está da senda para a salvação, e você ainda se encontra em grande perigo. Qualquer um que passa o dia inteiro exibindo a si mesmo — ostentando suas conquistas, dizendo que é eloquente, sensato, que entende a verdade, consegue praticar a verdade e é capaz de fazer sacrifícios — é de estatura especialmente pequena. Que tipo de pessoa tem uma esperança maior de salvação e é capaz de trilhar a senda da salvação? Aquele que realmente conhece seu caráter corrupto. Quanto mais profundo seu conhecimento, mais se aproxima da salvação. Conhecer seu caráter corrupto, saber que você não é nada, inútil, que é um Satanás vivo — quando você realmente conhece sua essência, isso não é um problema sério. É uma coisa boa, não é uma coisa ruim. Existe alguém que se torna mais negativo quanto mais ele conhece a si mesmo, pensando consigo mesmo: “Está tudo acabado, o julgamento e castigo de Deus caíram sobre mim, é punição e retribuição, Deus não me quer e não tenho esperança de salvação”? Essas pessoas terão tais ilusões? Na verdade, quanto mais as pessoas reconhecem quão desesperançadas são, maior a esperança para elas; não deveriam ser negativas e não deveriam desistir. Conhecer a si mesmo é uma coisa boa — é a senda que deve ser trilhada para a salvação. Se você é totalmente insensível em relação ao seu próprio caráter corrupto e sua essência, que são variados em sua oposição a Deus, e se você não tem quaisquer planos de mudar, então você está encrencado; tais pessoas já ficaram entorpecidas, estão mortas. Os mortos podem ser trazidos de volta à vida? Eles já estão mortos — não podem.

Extraído de ‘Apenas conhecendo a si mesmo você pode buscar a verdade’ em “Registros das falas de Cristo dos últimos dias”

Entre aqueles que buscam vida, Paulo foi alguém que não conheceu sua própria substância. Não era humilde nem obediente de modo algum e também não conhecia a sua essência, que era oposta a Deus. Logo, ele foi alguém que não passara por experiências detalhadas e alguém que não pôs a verdade em prática. Pedro era diferente. Ele conhecia as suas imperfeições, suas fraquezas e seu caráter corrupto como criatura de Deus, então tinha uma senda de prática por meio da qual mudar o seu caráter; não foi um daqueles que só tinham doutrina sem possuir realidade alguma. Aqueles que mudam são pessoas novas que foram salvas, são aqueles qualificados na busca da verdade. As pessoas que não mudam pertencem àquelas que são naturalmente obsoletas; são aquelas que não foram salvas, isto é, aquelas que são detestadas e rejeitadas por Deus. Elas não serão lembradas por Deus, por maior que seja o seu trabalho. Quando você compara isso com a sua própria busca, deve ficar óbvio se você é, em última instância, do mesmo tipo de pessoa que Pedro ou que Paulo. Se ainda não há verdade no que você procura e se, mesmo hoje, você ainda é tão arrogante e insolente quanto Paulo, e ainda é tão loquaz e jactancioso quanto ele, então você é, sem dúvida, um degenerado que fracassa. Se você procurar o mesmo que Pedro, se procurar práticas e mudanças verdadeiras e não for arrogante nem voluntarioso, mas procurar cumprir seu dever, então você será uma criatura de Deus capaz de alcançar a vitória. Paulo não conhecia a sua própria essência nem a sua corrupção, e muito menos a sua desobediência. Ele nunca mencionou a sua vil provocação de Cristo nem se arrependeu demasiadamente. Ele apenas ofereceu uma breve explicação e, bem no fundo de seu coração, ele não se submeteu por completo a Deus. Apesar de ter caído na estrada para Damasco, ele não olhou profundamente para dentro de si mesmo. Contentou-se meramente em continuar a trabalhar e não considerou que conhecer a si mesmo e mudar o seu antigo caráter fossem as questões mais importantes. Ele ficava satisfeito simplesmente em dizer a verdade, em prover aos outros como um bálsamo para a sua própria consciência e em não mais perseguir os discípulos de Jesus para consolar-se e se perdoar por seus pecados anteriores. O objetivo que ele perseguia nada mais era do que uma coroa no futuro e trabalho temporário, seu objetivo era graça em abundância. Ele não buscava verdade suficiente nem buscava progredir profundamente na verdade que não compreendera anteriormente. Portanto, pode-se dizer que seu conhecimento de si mesmo era falso, e ele não aceitou castigo nem julgamento. O fato de ele ser capaz de trabalhar não significa que tivesse conhecimento de sua própria natureza ou essência; seu foco estava em práticas externas somente. Além disso, aquilo para que ele se empenhava não era mudança, mas conhecimento. Seu trabalho era completamente o resultado da aparição de Jesus na estrada para Damasco. Não era algo que ele resolvera fazer originalmente, nem era um trabalho que ocorrera depois de ele ter aceitado a poda de seu antigo caráter. Independentemente de como ele tenha trabalhado, seu antigo caráter não mudou e, assim, seu trabalho não expiou seus pecados do passado, mas apenas desempenhou certo papel entre as igrejas da época. Por ser alguém assim, cujo antigo caráter não mudou, isto é, alguém que não ganhou a salvação e que, sobretudo, estava sem a verdade, ele era absolutamente incapaz de se tornar um daqueles aceitos pelo Senhor Jesus.

Extraído de ‘O sucesso ou o fracasso dependem da senda que o homem percorre’ em “A Palavra manifesta em carne”

Anterior: 2. Como se pode alcançar autoconhecimento verdadeiro

Próximo: 1. O que é arrependimento verdadeiro e quais são suas manifestações

Durante desastres, além de rezar, a coisa mais crítica para nós é encontrar a maneira de sermos protegidos. Junte-se ao nosso grupo de estudo gratuitamente.

Conteúdo relacionado

1. O que são a igreja de Deus e grupos religiosos

Hoje, todos aqueles que seguem as palavras atuais de Deus estão na corrente do Espírito Santo; os que são estranhos às palavras atuais de Deus estão fora da corrente do Espírito Santo, e tais pessoas não são elogiadas por Deus. Um serviço divorciado das declarações atuais do Espírito Santo é um serviço que é da carne e de concepções, e é incapaz de estar de acordo com a vontade de Deus. Se as pessoas vivem entre concepções religiosas, elas não são capazes de fazer nada que é apto para a vontade de Deus e, embora sirvam a Deus, elas servem em meio à sua imaginação e concepções e são totalmente incapazes de servir conforme a vontade de Deus. Aqueles que são incapazes de seguir a obra do Espírito Santo não compreendem a vontade de Deus, e aquelas que não compreendem a vontade de Deus não podem servir a Deus. Deus quer serviço que seja segundo Seu coração; Ele não quer serviço que é de concepções e da carne. Se as pessoas são incapazes de seguir os passos da obra do Espírito Santo, elas vivem em meio a concepções. O serviço de tais pessoas interrompe e perturba e tal serviço vai contra Deus. Portanto, aqueles que são incapazes de seguir os passos de Deus são incapazes de servir a Deus; com toda certeza, aqueles que são incapazes de seguir os passos de Deus se opõem a Deus e não são capazes de ser compatíveis com Deus. “Seguir a obra do Espírito Santo” significa entender a vontade de Deus hoje, ser capaz de agir em conformidade com as atuais exigências de Deus, ser capaz de obedecer e seguir ao Deus de hoje e entrar em concordância com as declarações mais recentes de Deus. Só essa pessoa é alguém que segue a obra do Espírito Santo e está na corrente do Espírito Santo.

1. As diferenças entre o caminho do arrependimento na Era da Graça e o caminho da vida eterna nos últimos dias

As palavras proferidas por Deus nesta era são diferentes daquelas proferidas durante a Era da Lei e, assim, também diferem das palavras proferidas durante a Era da Graça. Na Era da Graça, Deus não fez a obra da palavra, mas simplesmente descreveu a crucificação a fim de redimir toda a humanidade. A Bíblia apenas descreve porque Jesus deveria ser crucificado, os sofrimentos a que Ele foi submetido na cruz, e como o homem deveria ser crucificado por Deus. Durante aquela era, toda a obra feita por Deus centrou-se em torno da crucificação. Durante a Era do Reino, Deus encarnado profere palavras para conquistar todos aqueles que Nele creem. Esta é “a Palavra que aparece na carne”; Deus veio durante os últimos dias para fazer esta obra, o que significa dizer que Ele veio para realizar o real significado da Palavra que aparece na carne.

2. As diferenças essenciais entre a salvação na Era da Graça e a salvação na Era do Reino

Na Era da Graça, Jesus fez uma boa quantidade desse tipo de obra, como curar enfermidades, expulsar demônios, impor as mãos sobre o homem para orar pelo homem e abençoar o homem. No entanto, agir assim novamente não teria sentido nos dias atuais. O Espírito Santo operou dessa maneira naquele tempo, pois era a Era da Graça, e havia graça suficiente para o homem desfrutar. Não lhe foi pedido qualquer tipo de pagamento e enquanto ele tivesse fé, ele receberia a graça. Todos foram tratados com muita gentileza. Agora, a era mudou e a obra de Deus progrediu ainda mais; é por meio de Seu castigo e julgamento que a rebeldia do homem e as coisas impuras dentro do homem serão purificadas.

5. O valor inerente à Bíblia e como se deve abordar a Bíblia de uma maneira que se conforme à vontade de Deus

“Crença em Deus” significa acreditar que há um Deus; esse é o conceito mais simples de fé em Deus. Mais ainda, acreditar que há um Deus não é o mesmo que crer verdadeiramente em Deus; antes é um tipo de fé simples com fortes implicações religiosas. Fé verdadeira em Deus significa experimentar as palavras e a obra de Deus com base na crença de que Deus é soberano sobre todas as coisas. Assim você será libertado de seu caráter corrupto, cumprirá o desejo de Deus e virá a conhecer Deus. Somente por meio de tal jornada se poderá dizer que crê em Deus.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro