1. O que são a igreja de Deus e grupos religiosos

Versos da Bíblia para referência:

“Então Jesus entrou no templo, expulsou todos os que ali vendiam e compravam, e derribou as mesas dos cambistas e as cadeiras dos que vendiam pombas; e disse-lhes: Está escrito: A Minha casa será chamada casa de oração; vós, porém, a fazeis covil de salteadores” (Mateus 21:12-13).

“Ao anjo da igreja em Laodicéia escreve: Isto diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o pricípio da criação de Deus: Conheço as tuas obras, que nem és frio nem quente; oxalá foras frio ou quente! Assim, porque és morno, e não és quente nem frio, vomitar-te-ei da minha boca. Porquanto dizes: Rico sou, e estou enriquecido, e de nada tenho falta; e não sabes que és um coitado, e miserável, e pobre, e cego, e nu” (Apocalipse 3:14-17).

“E ele clamou com voz forte, dizendo: Caiu, caiu a grande Babilônia, e se tornou morada de demônios, e guarida de todo espírito imundo, e guarida de toda ave imunda e detestável. Porque todas as nações têm bebido do vinho da ira da sua prostituição, e os reis da terra se prostituíram com ela; e os mercadores da terra se enriqueceram com a abundância de suas delícias” (Apocalipse 18:2-3).

Palavras de Deus relevantes:

A cada estágio da obra de Deus correspondem exigências feitas ao homem. Os que estão dentro da corrente do Espírito Santo possuem a presença e a disciplina do Espírito Santo, e aqueles que não estão dentro da corrente do Espírito Santo estão sob o comando de Satanás e desprovidos de qualquer parte da obra do Espírito Santo. Os que estão na corrente do Espírito Santo são aqueles que aceitam a nova obra de Deus e que colaboram com a nova obra de Deus. Se os que estão dentro dessa corrente forem incapazes de colaborar e de colocar em prática a verdade requerida por Deus durante essa era, nesse caso serão disciplinadas e, na pior das hipóteses, abandonados pelo Espírito Santo. Os que aceitam a nova obra do Espírito Santo viverão dentro da corrente do Espírito Santo, e eles receberão o cuidado e a proteção do Espírito Santo. Os que estão dispostos a colocar em prática a verdade são iluminados pelo Espírito Santo, e os que não estão dispostos a colocar em prática a verdade são disciplinados pelo Espírito Santo, e podem até ser punidos. Independentemente do tipo de pessoa que são, se estiverem dentro da corrente do Espírito Santo, Deus assumirá a responsabilidade por todos que aceitam Sua nova obra para o bem de Seu nome. Os que glorificam Seu nome e estão dispostos a colocar Suas palavras em prática receberão Suas bênçãos; os que O desobedecerem e não colocarem Suas palavras em prática receberão Sua punição. As pessoas que estão na corrente do Espírito Santo são aquelas que aceitam a nova obra e, ao aceitarem a nova obra, devem cooperar apropriadamente com Deus e não agir como rebeldes que não cumprem seu dever. Essa é a única exigência que Deus faz ao homem. O mesmo não ocorre com as pessoas que não aceitam a nova obra: estão fora da corrente do Espírito Santo e a disciplina e a reprovação do Espírito Santo não se aplicam a elas. Todos os dias essas pessoas vivem na carne, vivem em sua mente e só agem de acordo com a doutrina produzida pela análise e pesquisa de seu próprio cérebro. Isso não é o que a nova obra do Espírito Santo exige, muito menos é cooperação com Deus. Os que não aceitam a nova obra de Deus são privados da presença de Deus e, ademais, desprovidos das bênçãos e proteção de Deus. A maior parte de suas palavras e ações se prendem a exigências passadas da obra do Espírito Santo; são doutrina, não verdade. Tais doutrina e normas bastam para provar que a reunião dessas pessoas não passa de religião; não são os escolhidos ou os objetos da obra de Deus. A reunião deles só pode ser considerada um grande congresso religioso e não uma igreja. Esse é um fato inalterável. Eles não têm a nova obra do Espírito Santo; o que fazem se assemelha a religião, o que vivem parece ser pleno de religião; eles não possuem a presença e a obra do Espírito Santo, muito menos são dignos de receber a disciplina ou a iluminação do Espírito Santo. Essas pessoas são cadáveres inertes e vermes desprovidos de espiritualidade. Não têm conhecimento da rebeldia e oposição do homem, não têm conhecimento de todos os malfeitos do homem, muito menos sabem tudo sobre a obra de Deus e a vontade atual de Deus. São pessoas ignorantes, reles, e são escória indigna de ser chamada de crente! Nada do que fazem tem qualquer relação com o gerenciamento de Deus, nem pode prejudicar os planos de Deus. Suas palavras e ações são repugnantes demais, patéticas demais e indignas de menção. Nada feito por aqueles que não estão dentro da corrente do Espírito Santo tem a ver com a nova obra do Espírito Santo. Consequentemente, não importa o que façam, estão desprovidos da disciplina do Espírito Santo e, além disso, desprovidos da iluminação do Espírito Santo. Pois são pessoas que não têm amor pela verdade e que foram detestadas e rejeitadas pelo Espírito Santo. São chamadas de malfeitores porque andam na carne e fazem o que lhes agrada debaixo da tabuleta de Deus. Enquanto Deus opera, elas são deliberadamente hostis a Ele e correm na direção contrária a Ele. O fracasso do homem em colaborar com Deus é em si um ato de extrema rebeldia, então aquelas pessoas que correm contrárias a Deus deliberadamente não receberão especialmente a sua justa retribuição?

Extraído de ‘A obra de Deus e a prática do homem’ em “A Palavra manifesta em carne”

“Digo-vos, porém, que aqui está o que é maior do que o templo. Mas, se vós soubésseis o que significa: Misericórdia quero, e não sacrifícios, não condenaríeis os inocentes. Porque o Filho do homem até do sábado é o Senhor” (Mateus 12:6-8). A que se refere a palavra “templo” aqui? Simplificando, ela se refere a um edifício alto e magnífico e, na Era da Lei, o templo era um local onde os sacerdotes adoravam a Deus. Quando o Senhor Jesus disse: “Aqui está o que é maior do que o templo”, a quem estava se referindo? Claramente, ao Senhor Jesus na carne, porque apenas Ele era maior que o templo. O que essas palavras disseram às pessoas? Elas disseram às pessoas que saíssem do templo — Deus já havia saído do templo e não estava mais operando nele, portanto as pessoas deveriam buscar os passos de Deus fora do templo e seguir Seus passos na Sua nova obra. Quando o Senhor Jesus disse isso havia uma premissa por trás de Suas palavras, que era que, sob a lei, as pessoas tinham passado a ver o templo como algo maior que o Próprio Deus. Isto é, as pessoas adoravam o templo em vez de adorar a Deus, por isso o Senhor Jesus as advertiu a não adorar ídolos, mas a, em vez disso, adorar a Deus, pois Ele é supremo. Assim, Ele disse: “Misericórdia quero, e não sacrifícios”. É evidente que, aos olhos do Senhor Jesus, a maioria das pessoas que vivia sob a lei não mais adorava a Jeová, mas estava apenas agindo sem se envolver nos sacrifícios, e o Senhor Jesus determinou que isso constituía idolatria. Esses adoradores de ídolos viam o templo como algo maior e superior a Deus. Em seu coração havia apenas o templo, não Deus, e se eles perdessem o templo, então eles perderiam sua morada. Sem o templo, eles não teriam onde adorar e não poderiam realizar seus sacrifícios. Sua chamada “morada” é onde eles usavam o pretexto falso de adorar a Deus Jeová a fim de permanecer no templo e tratar dos seus próprios assuntos. Seus supostos sacrifícios nada mais era do que eles levando a cabo suas próprias transações vergonhosas sob o disfarce de prestar seu serviço no templo. Foi por essa razão que as pessoas daquela época viam o templo como maior que Deus. O Senhor Jesus disse essas palavras como alerta para as pessoas, pois elas usavam o templo como fachada e os sacrifícios como disfarce para enganar as pessoas e enganar a Deus. Se vocês aplicarem essas palavras ao presente, elas são igualmente válidas e igualmente pertinentes. Embora as pessoas de hoje tenham experimentado uma obra de Deus diferentes da experimentada pelas pessoas na Era da Lei, a essência da sua natureza é a mesma.

Extraído de ‘A obra de Deus, o caráter de Deus e o Próprio Deus III’ em “A Palavra manifesta em carne”

Se, em sua fé em Deus, as pessoas tratam a verdade como um conjunto de regras às quais aderir, então sua fé não será propensa a se transformar em apenas um monte de cerimônias religiosas? E quais são as diferenças entre essas cerimônias religiosas e o cristianismo? Essas pessoas podem ser mais profundas e mais progressistas no modo com que dizem as coisas, mas se sua fé passou a resumir-se a apenas um conjunto de regras e um tipo de cerimônia, não significa que ela se transformou em cristianismo? (Sim, significa.) Há diferenças entre os ensinamentos antigos e os novos, mas se os ensinamentos nada mais são que um tipo de teoria e se tornaram apenas uma forma de cerimônia ou regulamento para as pessoas — e, do mesmo modo, se elas não podem ganhar a verdade a partir dela nem usá-la para entrar na realidade da verdade — então a fé dessas pessoas não se tornou o mesmo que o cristianismo? Em essência, isso não é cristianismo? (Sim, é sim.) Portanto, em seu comportamento e no desempenho de seus deveres, em que coisas vocês mantêm pontos de vista e estados que são os mesmos ou similares aos dos crentes no cristianismo? (Ao aderir a regras e nos equipar com palavras e doutrinas.) (Ao focar na aparência de sermos espirituais e exibir bom comportamento, e ao sermos devotos e humildes.) Vocês buscam ter um bom comportamento aparente, fazem o máximo para revertir-se com uma espécie de aparência espiritual, e fazem algumas coisas que são relativamente aprovadas dentro das noções e da imaginação humanas, fingindo ser virtuosos. Defronte o púlpito elevado, pregam letras e doutrinas, ensinando as pessoas a fazerem o bem, a serem virtuosas e a compreenderem a verdade; pregam doutrina espiritual, dizendo as coisas espirituais certas; põem ares de serem espirituais e exsudam uma espiritualidade superficial em tudo que dizem e fazem, entretanto, na prática e no cumprimento de seus deveres, nunca buscam a verdade. Assim que encontram um problema, agem inteiramente de acordo com a vontade humana, pondo Deus de lado. Vocês nunca agiram segundo a verdade, o princípio, e nem fazem ideia do que é a verdade, quais são as intenções de Deus, ou quais são os padrões que Ele exige do homem; vocês nunca levaram esses assuntos a sério, nem se preocuparam com eles. Essas ações externas e esses estados interiores das pessoas — isto é, esse tipo de fé — abrangem temer a Deus e evitar o mal? Se não há conexão entre a fé das pessoas e sua busca pela verdade, elas creem ou não creem em Deus? Não importa há quantos anos as pessoas que não têm conexão com a busca da verdade acreditam Nele, elas podem ou não realmente temer a Deus e evitar o mal? (Não podem.) Então, qual é o comportamento externo de tais pessoas? Que tipo de senda elas trilham? (A senda dos fariseus.) Com o que elas passam os dias se equipando? Não é com letras e doutrinas? Elas não passam os dias se armando, se revestindo com letras e doutrinas para serem mais parecidas com os fariseus, mais espirituais e mais como pessoas que supostamente servem a Deus? Qual é a natureza de todos esses atos? É a adoração a Deus? É a genuína fé Nele? (Não, não é.) Então, o que é que elas estão fazendo? Estão enganando a Deus; só estão percorrendo os passos de um processo, e engajando-se em cerimônias religiosas. Estão brandindo a bandeira da fé e executando ritos religiosos, tentando enganar a Deus a fim de alcançar seu objetivo de serem abençoadas. Essas pessoas não adoram a Deus, de modo algum. No fim, esse grupo de pessoas não acabará exatamente como aqueles dentro da igreja que supostamente servem a Deus e que supostamente acreditam em Deus e O seguem?

Extraído de ‘Somente vivendo diante de Deus o tempo todo você pode trilhar a senda da salvação’ em “Registros das falas de Cristo”

Que nome Deus dá à religião daqueles que acreditavam em Jeová? Judaísmo. Eles se tornaram uma espécie de grupo religioso. E como Deus define a religião daqueles que acreditam em Jesus? (Cristianismo.) Aos olhos de Deus, o judaísmo e o cristianismo representam grupos religiosos. Por que Deus os define assim? Entre todos aqueles que são membros desses organismos religiosos definidos por Deus, há alguém que teme a Deus e evita o mal, que faz Sua vontade e segue Seu caminho? (Não.) Isso esclarece as coisas. Aos olhos de Deus, todos aqueles que nominalmente seguem a Deus podem ser os que Ele reconhece como crentes? Todos eles têm uma conexão com Deus? Todos eles poderiam ser alvos da salvação de Deus? (Não.) Então, chegará um dia em que vocês serão reduzidos ao que Deus vê como um grupo religioso? (É possível.) Ser reduzido a um grupo religioso — isso parece inconcebível. Se se tornarem parte de um grupo religioso aos olhos de Deus, as pessoas serão salvas por Ele? Elas são da casa de Deus? (Não, não são.) Então, tentemos resumir: essas pessoas que nominalmente acreditam no Deus verdadeiro, mas que Ele crê que pertencem a grupos religiosos — que senda elas trilham? É possível dizer que essas pessoas trilham a senda de brandir a bandeira da fé sem nunca seguir o caminho de Deus, e de acreditar Nele sem nunca O adorar e, ao contrário, abandoná-Lo? Ou seja, elas trilham a senda de crer em Deus, mas O abandonam e não seguem Seu caminho; o caminho delas é aquele no qual elas acreditam em Deus, mas adoram Satanás, adoram o diabo, tentam executar um gerenciamento próprio e tentam estabelecer o próprio reino. Não é essa a essência disso? Pessoas como essas têm alguma conexão com o plano de gerenciamento de Deus para a salvação da humanidade? (Não.) Não importa quantas pessoas acreditam em Deus, assim que sua crença é definida por Deus como sendo a de uma religião ou um grupo, Ele já determinou que elas não podem ser salvas. Por que digo isso? Num bando ou numa multidão de pessoas que estão sem a obra e a orientação de Deus, e que não O adoram de forma alguma, quem elas adoram? Quem elas seguem? Na forma e no nome, elas seguem uma pessoa, mas a quem de fato elas seguem? Em seu coração, elas reconhecem Deus, mas, na prática, estão sujeitas à manipulação, aos arranjos e ao controle humano. Elas seguem Satanás, o diabo; seguem as forças que são hostis a Deus, que são inimigas Dele. Deus salvaria um bando de pessoas como essas? (Não.) Por que não? Elas são capazes de se arrepender? (Não.) Elas são incapazes de se arrepender. Elas brandem a bandeira da fé, executam empreendimentos humanos e conduzem o próprio gerenciamento, e vão contra o plano de gerenciamento de Deus para a salvação da humanidade. Seu desfecho final é serem detestadas e rejeitadas por Deus; Ele jamais poderia salvar essas pessoas, elas jamais poderiam se arrepender, já foram capturadas por Satanás — estão inteiramente nas mãos de Satanás. Em sua fé, a quantidade de anos em que você tem crido em Deus importa quanto a você ser louvado ou não por Ele? Os rituais e as regras que você respeita importam? Deus observa os métodos de prática das pessoas? Ele observa quantas são essas pessoas? Ele selecionou uma porção da humanidade; como Ele avalia se elas podem e deveriam ser salvas? Ele baseia Sua decisão nas sendas que essas pessoas trilham. Na Era da Graça, embora as verdades que Deus dizia às pessoas fossem menos numerosas do que as de hoje, e não tão específicas, ainda assim Ele podia aperfeiçoar as pessoas, na época, e a salvação ainda era possível. E assim, para as pessoas desta era, que ouviram muitas verdades e vieram a entender a vontade de Deus, se são incapazes de seguir o caminho Dele e incapazes de trilhar a senda da salvação, qual será seu desfecho final? Seu desfecho final será o mesmo que o de quem acredita no cristianismo e no judaísmo; não haverá diferença. Esse é o caráter justo de Deus! Não importam quantos sermões a pessoa ouviu ou quantas verdades entendeu, se no fim ela ainda segue pessoas e Satanás, e no fim ainda é incapaz de seguir o caminho de Deus e incapaz de temer a Deus e evitar o mal, pessoas como esta serão detestadas e rejeitadas por Deus. Ao que tudo indica, essas pessoas que são detestadas e rejeitadas por Deus podem falar muito sobre letras e doutrinas, e talvez tenham entendido muitas verdades, mas ainda são incapazes de adorar a Deus; são incapazes de temer a Deus e evitar o mal, e são incapazes da total submissão a Deus. Aos olhos de Deus, Ele as define como parte de uma religião, como apenas um grupo de humanos — um bando de humanos — e como local de morada para Satanás. Elas são lembradas coletivamente como o bando de Satanás e são completamente desprezadas por Deus.

Extraído de ‘Somente vivendo diante de Deus o tempo todo você pode trilhar a senda da salvação’ em “Registros das falas de Cristo”

Anterior: 2. O objetivo e o significado da encarnação de Deus na China para fazer obra nos últimos dias

Próximo: 2. Por que Deus abençoa somente a igreja que aceita e obedece à Sua obra e por que o mundo religioso é amaldiçoado por Deus

Quando ocorre um desastre, como nós, cristãos, devemos enfrentá-lo? Fique à vontade para nos contatar via WhatsApp, podemos explorar e encontrar caminhos juntos.
Conecte-se conosco no Messenger
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

1. O que são a encarnação e sua essência

“Daquele dia e hora, porém, ninguém sabe, nem os anjos do céu, nem o Filho, senão só o Pai. Pois como foi dito nos dias de Noé, assim será também a vinda do Filho do homem. […] Por isso ficai também vós apercebidos; porque numa hora em que não penseis, virá o Filho do homem.” Quando esse dia chegar, o Próprio Filho do homem não saberá. O Filho do homem se refere à carne encarnada de Deus, uma pessoa normal e comum. Nem mesmo o Próprio Filho do homem sabe, então como você pode saber?

3. As diferenças entre as palavras de Deus ditas por profetas e as palavras expressas por Deus encarnado

Mesmo as profecias feitas pelos profetas não poderiam ter alcançado esse resultado. Os profetas falaram apenas profecias, falaram do que aconteceria no futuro, mas não da obra que Deus desejava fazer naquele tempo. Nem falavam para conduzir o homem em sua vida, nem para conferir verdades ao homem nem revelar mistérios ao homem, e, muito menos, para conceder vida. Das palavras ditas neste estágio, há profecia e verdade, mas principalmente elas servem para dar vida ao homem. No presente, as palavras são diferentes das profecias dos profetas. Este é um estágio da obra para a vida do homem, para mudar o caráter de vida do homem, e não em benefício de falar profecia.

2. As diferenças entre a verdade expressa pelo Senhor Jesus e por Deus Todo-Poderoso

Na Era da Graça, Jesus fez uma boa quantidade desse tipo de obra, como curar enfermidades, expulsar demônios, impor as mãos sobre o homem para orar pelo homem e abençoar o homem. No entanto, agir assim novamente não teria sentido nos dias atuais. O Espírito Santo operou dessa maneira naquele tempo, pois era a Era da Graça, e havia graça suficiente para o homem desfrutar. Não lhe foi pedido qualquer tipo de pagamento e enquanto ele tivesse fé, ele receberia a graça. Todos foram tratados com muita gentileza. Agora, a era mudou e a obra de Deus progrediu ainda mais; é por meio de Seu castigo e julgamento que a rebeldia do homem e as coisas impuras dentro do homem serão purificadas.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro