1. A Bíblia é apenas um registro dos dois estágios da obra de Deus, que foram a Era da Lei e a Era da Graça; não é um registro da totalidade da obra de Deus

Versos da Bíblia para referência:

“E ainda muitas outras coisas há que Jesus fez; as quais, se fossem escritas uma por uma, creio que nem ainda no mundo inteiro caberiam os livros que se escrevessem” (João 21:25).

“Ainda tenho muito que vos dizer; mas vós não o podeis suportar agora. Quando vier, porém, Aquele, o Espírito da verdade, Ele vos guiará a toda a verdade; porque não falará por Si mesmo, mas dirá o que tiver ouvido, e vos anunciará as coisas vindouras” (João 16:12-13).

“Eis que o Leão da tribo de Judá, a raiz de Davi, venceu para abrir o livro e romper os sete selos” (Apocalipse 5:5).

“Quem tem ouvidos, ouça o que o Espírito diz às igrejas. Ao que vencer darei do maná escondido, e lhe darei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe” (Apocalipse 2:17).

Palavras de Deus relevantes:

Que tipo de livro é a Bíblia? O Antigo Testamento é a obra de Deus durante a Era da Lei. O Antigo Testamento da Bíblia registra toda a obra de Jeová durante a Era da Lei e Sua obra de criação. Ele todo registra a obra feita por Jeová e, no final, termina os relatos da obra de Jeová com o Livro de Malaquias. O Antigo Testamento registra duas obras realizadas por Deus: uma é a obra da criação, a outra o decreto da lei. Ambas foram feitas por Jeová. A Era da Lei representa a obra de Deus sob o nome de Deus Jeová; é a totalidade da obra realizada principalmente sob o nome de Jeová. Assim, o Antigo Testamento registra a obra de Jeová, e o Novo Testamento a de Jesus, obra essa que foi realizada principalmente sob o nome de Jesus. O significado do nome de Jesus e da obra que Ele fez estão registradas principalmente no Novo Testamento. Durante a Era da Lei do Antigo Testamento, Jeová construiu o templo e o altar em Israel, guiou a vida dos israelitas na terra, provando que eles eram Seu povo escolhido, o primeiro grupo de pessoas que Ele selecionou na terra e que eram segundo Seu próprio coração, o primeiro grupo que Ele liderou pessoalmente. As doze tribos de Israel foram os primeiros escolhidos por Jeová, e assim, Ele sempre operou nelas, até que a obra da Era da Lei de Jeová foi concluída. A segunda etapa da obra foi a da Era da Graça do Novo Testamento, e ela foi realizada entre o povo judeu, entre uma das doze tribos de Israel. O alcance da obra foi menor porque Jesus era Deus encarnado. Jesus trabalhou apenas na terra da Judéia, e só fez três anos e meio de obra; assim, o que está registrado no Novo Testamento está longe de ser capaz de superar a quantidade da obra registrada no Antigo Testamento.

Extraído de ‘A respeito da Bíblia (1)’ em “A Palavra manifesta em carne”

A Bíblia é um livro de história. Claro que ela também contém algumas previsões dos profetas e, essas previsões não são históricas de modo algum. A Bíblia inclui várias partes — não há apenas profecias, ou apenas a obra de Jeová, nem há apenas as epístolas paulinas. Você deve saber quantas partes a Bíblia contém; o Antigo Testamento inclui Gênesis, Êxodo… e há também os livros de profecia que os profetas escreveram. No final, o Antigo Testamento termina com o Livro de Malaquias. Ele registra a obra da Era da Lei, que foi liderada por Jeová; de Gênesis ao Livro de Malaquias, ele é um registro abrangente de toda a obra da Era da Lei. Isso quer dizer que o Antigo Testamento registra tudo o que foi vivenciado pelas pessoas que foram guiadas por Jeová na Era da Lei. […] Os profetas da época foram inspirados por Jeová e proferiram algumas profecias, proferiram muitas palavras e profetizaram as coisas da Era da Graça, bem como a destruição do mundo nos últimos dias — a obra que Jeová planejou fazer. Os livros restantes registram a obra feita por Jeová em Israel. Assim, quando você lê a Bíblia, está lendo principalmente sobre o que Jeová fez em Israel; o Antigo Testamento da Bíblia registra principalmente a obra de Jeová de guiar Israel, Seu uso de Moisés para guiar os israelitas para fora do Egito, que os livrou dos grilhões do faraó e os levou para o deserto, após o que entraram em Canaã e tudo a seguir foi sua vida em Canaã. Tudo que há além disso são registros da obra de Jeová em toda a Israel. Tudo registrado no Antigo Testamento é obra de Jeová em Israel, é a obra que Jeová fez na terra em que Ele criou Adão e Eva. A partir de quando Deus oficialmente começou a liderar o povo na terra depois de Noé, tudo o que está registrado no Antigo Testamento é a obra de Israel. E por que não está registrada nenhuma obra além de Israel? Porque a terra de Israel é o berço da humanidade. No início, não havia outras nações além de Israel, e Jeová não trabalhava em nenhum outro lugar. Dessa forma, o que está registrado no Antigo Testamento da Bíblia é puramente a obra de Deus em Israel naquele tempo. As palavras proferidas pelos profetas, por Isaías, Daniel, Jeremias e Ezequiel… suas palavras predizem Sua outra obra na terra, predizem a obra do Próprio Deus Jeová. Tudo isso veio de Deus, foi obra do Espírito Santo e, à parte desses livros dos profetas, todo o resto é um registro das coisas que as pessoas experimentaram da obra de Jeová na época.

A obra da criação aconteceu antes que houvesse humanidade, mas o Livro do Gênesis só veio depois de haver a humanidade; foi um livro escrito por Moisés durante a Era da Lei. É como as coisas que acontecem entre vocês hoje: depois de acontecerem, vocês as escrevem para mostrar às pessoas no futuro e, para as pessoas do futuro, que o que vocês registraram são coisas que aconteceram em tempos passados — nada mais são do que história. As coisas registradas no Antigo Testamento são a obra de Jeová em Israel, e aquilo que está registrado no Novo Testamento é a obra de Jesus durante a Era da Graça; elas documentam a obra feita por Deus em duas eras diferentes. O Antigo Testamento documenta a obra de Deus durante a Era da Lei e, assim, o Antigo Testamento é um livro histórico, enquanto o Novo Testamento é o produto da obra da Era da Graça. Quando a nova obra começou, o Novo Testamento também ficou desatualizado, assim, ele também é um livro histórico. É claro que o Novo Testamento não é tão sistemático como o Antigo Testamento, nem registra tantas coisas. Todas as muitas palavras proferidas por Jeová estão registradas no Antigo Testamento da Bíblia, enquanto apenas algumas das palavras de Jesus estão registradas nos Quatro Evangelhos. É claro que Jesus também fez uma grande obra, mas tal obra não foi registrada em detalhes. O fato de haver menos registrado no Novo Testamento é por causa do tamanho da obra que Jesus fez; Sua obra durante três anos e meio na terra e a obra dos apóstolos foi muito menor do que a obra de Jeová. Assim, há menos livros no Novo Testamento do que no Antigo Testamento.

Extraído de ‘A respeito da Bíblia (1)’ em “A Palavra manifesta em carne”

A Bíblia também é chamada de Antigo e Novo Testamento. Vocês sabem a que “testamento” se refere? O “testamento” no Antigo Testamento vem da aliança de Jeová com o povo de Israel quando Ele matou os egípcios e salvou os israelitas de faraó. Naturalmente, a prova dessa aliança era o sangue do cordeiro manchado nas vergas, por meio do qual Deus estabeleceu uma aliança com o homem, em que se dizia que todos os que tinham sangue de cordeiro no topo e nos lados da ombreira da porta eram israelitas, o povo escolhido de Deus, e todos seriam poupados por Jeová (pois Jeová estava prestes a matar todos os filhos primogênitos do Egito e primogênitos das ovelhas e do gado). Essa aliança tem dois níveis de significado. Nenhuma pessoa ou gado do Egito seria livrado por Jeová; Ele mataria todos os seus filhos primogênitos e os primogênitos de ovelhas e gado. Assim, em muitos livros de profecia, foi predito que os egípcios seriam severamente castigados como resultado da aliança de Jeová. Esse é o primeiro nível de significado da aliança. Jeová matou os filhos primogênitos do Egito e os primogênitos de todo o seu gado, e poupou a todos os israelitas, o que significava que todos os que eram da terra de Israel eram valorizados por Jeová e todos seriam poupados; Ele desejava fazer uma obra de longa duração neles e estabeleceu a aliança com eles usando sangue de cordeiro. A partir de então, Jeová não mataria os israelitas e disse que eles seriam para sempre os Seus escolhidos. Entre as doze tribos de Israel, Ele iria iniciar Sua obra para toda a Era da Lei, Ele revelaria todas as Suas leis para os israelitas, escolheria entre eles profetas e juízes, e eles estariam no centro de Sua obra. Jeová fez uma aliança com eles: a menos que a era mudasse, Ele operaria apenas entre os escolhidos. A aliança de Jeová era imutável, porque foi feita em sangue e estabelecida com o povo escolhido Dele. Mais importante, Ele havia escolhido um escopo e um alvo apropriados, por meio dos quais iniciaria Sua obra para toda a era, e assim, as pessoas viram a aliança como muito importante. Esse é o segundo nível de significado da aliança. Com exceção de Gênesis, que ocorreu antes do estabelecimento da aliança, todos os outros livros do Antigo Testamento registram a obra de Deus entre os israelitas após o estabelecimento da aliança. É claro que existem relatos ocasionais dos gentios, mas no geral, o Antigo Testamento documenta a obra de Deus em Israel. Por causa da aliança de Jeová com os israelitas, os livros escritos durante a Era da Lei são chamados de “Antigo Testamento”. Eles têm o nome da aliança de Jeová com os israelitas.

O Novo Testamento recebeu o nome do sangue derramado por Jesus na cruz e Sua aliança com todos aqueles que creram Nele. A aliança de Jesus foi esta: as pessoas tinham, apenas, de crer Nele para que seus pecados fossem perdoados por causa do sangue que Ele derramou, e assim, seriam salvas e renasceriam por meio Dele, e não mais seriam pecadoras; as pessoas tinham, apenas, de crer Nele para receber Sua graça e não sofreriam no inferno depois que morressem. Todos os livros escritos durante a Era da Graça vieram depois dessa aliança, e todos eles documentam a obra e as declarações contidas nela. Eles não vão além da salvação da crucificação do Senhor Jesus ou da aliança; todos eles são livros escritos pelos irmãos no Senhor, que tiveram experiências. Assim, esses livros também recebem o nome de uma aliança: eles são chamados de Novo Testamento. Esses dois testamentos incluem apenas a Era da Lei e a Era da Graça e não têm conexão com a era final.

Extraído de ‘A respeito da Bíblia (2)’ em “A Palavra manifesta em carne”

Muitas pessoas acreditam que entender e ser capaz de interpretar a Bíblia é o mesmo que encontrar o caminho verdadeiro — mas, na verdade, será que as coisas são tão simples assim? Ninguém conhece a realidade da Bíblia: que não é mais do que um registro histórico da obra de Deus e um testamento dos dois estágios anteriores da obra de Deus, e que não oferece uma compreensão dos objetivos da obra de Deus. Todo mundo que leu a Bíblia sabe que ela documenta os dois estágios da obra de Deus durante a Era da Lei e a Era da Graça. O Antigo Testamento narra a história de Israel e a obra de Jeová desde o tempo da criação até o fim da Era da Lei. O Novo Testamento registra a obra de Jesus na terra que está nos Quatro Evangelhos, bem como a obra de Paulo — esses não são registros históricos? Mencionar fatos passados, hoje, os torna história e não importa quão verdadeiros ou reais eles possam ser, ainda são história — e a história não pode abordar o presente, pois Deus não olha para trás na história! E assim, se você apenas entender a Bíblia e não entender nada da obra que Deus pretende realizar hoje, e se você acredita em Deus, mas não busca a obra do Espírito Santo, você não entende o que significa buscar a Deus. Se você lê a Bíblia para estudar a história de Israel, para pesquisar a história da criação de Deus de todos os céus e da terra, então, você não acredita em Deus. Mas, hoje, uma vez que você acredita em Deus e persegue a vida, uma vez que você busca o conhecimento de Deus e não persegue letras e doutrinas mortas, nem um entendimento da história, você deve buscar a vontade de Deus de hoje, e deve procurar a direção da obra do Espírito Santo. Se fosse um arqueólogo, você poderia ler a Bíblia — mas você não é, você é um daqueles que acreditam em Deus e seria melhor buscar a vontade de Deus de hoje. Ao ler a Bíblia, você no máximo entenderá um pouco da história de Israel, aprenderá sobre a vida de Abraão, Davi e Moisés, descobrirá como eles reverenciavam Jeová, como Jeová queimou aqueles que se opuseram a Ele e como falou com as pessoas daquela era. Você somente descobrirá sobre a obra de Deus no passado. Os registros da Bíblia têm relação com o modo como o povo primitivo de Israel reverenciava a Deus e vivia sob a orientação de Jeová. Porque os israelitas eram o povo escolhido de Deus, no Antigo Testamento você pode ver a lealdade de todo o povo de Israel a Jeová, como todos os que obedeciam a Jeová eram cuidados e abençoados por Ele. Você pode aprender que, quando Deus realizou Sua obra em Israel, Ele estava cheio de misericórdia e amor, assim como possuía um fogo consumidor, e que todos os israelitas, desde os humildes até os poderosos, reverenciavam a Jeová, e assim todo o país era abençoado por Deus. Tal é a história de Israel registrada no Antigo Testamento.

Extraído de ‘A respeito da Bíblia (4)’ em “A Palavra manifesta em carne”

As coisas que estão registradas na Bíblia são limitadas; elas não podem representar a obra de Deus em sua plenitude. Os Quatro Evangelhos têm, juntos, menos de cem capítulos nos quais está escrito um número limitado de acontecimentos, tais como Jesus amaldiçoar a figueira, Pedro negar o Senhor três vezes, Jesus aparecer aos discípulos após Sua crucificação e ressurreição, ensinar sobre o jejum, ensinar sobre a oração e sobre o divórcio, o nascimento e a genealogia de Jesus, a escolha dos discípulos por Jesus, e assim por diante. Entretanto, o homem as valoriza como tesouros, até comparando a obra de hoje com elas. Ele até acredita que toda a obra que Jesus fez em Sua vida só equivaleu a esse tanto, como se Deus só fosse capaz de fazer esse tanto e nada além disso. Não é absurdo?

Extraído de ‘O mistério da encarnação (1)’ em “A Palavra manifesta em carne”

Se você deseja ver a obra da Era da Lei e como os israelitas seguiram o caminho de Jeová, deve ler o Antigo Testamento; se deseja entender a obra da Era da Graça, deve ler o Novo Testamento. Mas, como você vê a obra dos últimos dias? Você deve aceitar a liderança do Deus de hoje e entrar na obra de hoje, pois esta é a nova obra, e ninguém a registrou anteriormente na Bíblia. Hoje, Deus encarnou e selecionou outros escolhidos na China. Deus opera nessas pessoas, Ele continua a partir de Sua obra na terra, continua a partir da obra da Era da Graça. A obra de hoje é uma senda que o homem nunca trilhou, e um caminho que ninguém jamais viu. É obra que nunca foi feita antes — é a mais recente obra de Deus na terra. Assim, uma obra que nunca foi feita antes não é história, porque agora é agora, e ainda não se tornou o passado. As pessoas não sabem que Deus fez uma obra maior e mais recente na terra e fora de Israel, e que já foi além do escopo de Israel, além das previsões dos profetas, uma obra nova e maravilhosa fora das profecias, obra mais nova além de Israel, obra que as pessoas não podem perceber nem imaginar. Como a Bíblia poderia conter registros explícitos de tal obra? Quem poderia ter registrado cada pedacinho da obra de hoje, sem omissão, antecipadamente? Quem poderia ter registrado essa obra mais poderosa e mais sábia, que desafia as convenções, contida no velho livro mofado? A obra de hoje não é história e, como tal, se você deseja seguir a nova senda de hoje, deve se separar da Bíblia, deve ir além dos livros de profecia ou de história contidos na Bíblia. Só então você será capaz de percorrer a nova senda corretamente, e só então você poderá entrar no novo reino e na nova obra.

Extraído de ‘A respeito da Bíblia (1)’ em “A Palavra manifesta em carne”

Anterior: 6. Como Deus governa e administra todo o mundo-universo

Próximo: 2. O mundo religioso acredita que toda a Escritura foi inspirada por Deus e é inteiramente Suas palavras; por que esse ponto de vista é errado

Quando ocorre um desastre, como nós, cristãos, devemos enfrentá-lo? Fique à vontade para nos contatar via WhatsApp, podemos explorar e encontrar caminhos juntos.
Conecte-se conosco no Messenger
Entre em contato conosco pelo Whatsapp

Conteúdo relacionado

3. Crentes precisam ser capazes de identificar os falsos pastores e anticristos a fim de se livrar da religião e retornar para Deus

Ele que é a encarnação de Deus deve possuir a substância divina, e Ele que é a encarnação de Deus deve possuir a expressão de Deus. Já que Deus Se torna carne, Ele levará adiante a obra que precisa fazer, e já que Deus Se torna carne, Ele expressará o que Ele é e será capaz de trazer a verdade ao homem, conceder vida ao homem e mostrar o caminho ao homem. Carne que não contém a substância de Deus certamente não é o Deus encarnado; disso não há dúvida. Para investigar se é a carne encarnada de Deus, o homem deve determinar isso a partir do caráter que Ele expressa e das palavras que Ele fala. O que quer dizer, se é ou não a carne encarnada de Deus, se é ou não o verdadeiro caminho deve ser julgado pela Sua substância. E assim, ao determinar[a] se é a carne do Deus encarnado, a chave é prestar atenção na Sua substância (Sua obra, Suas palavras, Seu caráter e muito mais), em vez de na aparência exterior. Se o homem olha apenas a Sua aparência exterior e ignora a Sua substância, então isso mostra a ignorância e a ingenuidade do homem.

3. O nome de Deus pode mudar, mas Sua essência nunca muda

Há quem diga que Deus é imutável. Isso está correto, mas tem a ver com a imutabilidade do caráter de Deus e Sua substância. Mudanças em Seu nome e obra não provam que Sua substância mudou; em outras palavras, Deus sempre será Deus, e isso nunca mudará.[…] Assim, as palavras “Deus é sempre novo e nunca velho” referem-se à Sua obra, e as palavras “Deus é imutável” ao que Deus tem e é inerentemente. Independentemente disso, você não pode fazer a obra de seis mil anos depender de um único ponto, ou circunscrevê-la com palavras mortas. Tal é a estupidez do homem. Deus não é tão simples como o homem imagina, e Sua obra não pode permanecer em uma só era. Jeová, por exemplo, não pode sempre significar o nome de Deus; Deus também pode fazer Sua obra sob o nome de Jesus. Esse é um sinal de que a obra de Deus está sempre progredindo adiante.

1. O que é conhecer a Deus e se um entendimento de conhecimento bíblico e teoria teológica se qualifica como conhecimento de Deus

O que significa conhecer a Deus? Significa que o homem conhece a alegria, a raiva, a tristeza e a felicidade de Deus; isso é conhecer a Deus. Você diz que viu Deus, mas não entende a alegria, a raiva, a tristeza e a felicidade de Deus, não entende Seu caráter, nem entende Sua justiça. Você não tem entendimento da Sua misericórdia, não sabe do que Ele gosta e o que detesta. Isso não é conhecimento de Deus. Portanto, algumas pessoas são capazes de seguir Deus, mas não necessariamente acreditam em Deus.

Configurações

  • Texto
  • Temas

Cores sólidas

Temas

Fonte

Tamanho da fonte

Espaçamento entre linhas

Espaçamento entre linhas

Largura da página

Sumário

Busca

  • Pesquise neste texto
  • Pesquise neste livro